Campanha de Prevenção de Riscos Profissionais em Máquinas e ...

Download Campanha de Prevenção de Riscos Profissionais em Máquinas e ...

Post on 07-Jan-2017

213 views

Category:

Documents

1 download

TRANSCRIPT

  • Outros instrumentos

    de informao

    Campanha de Preveno de Riscos

    Profissionais em Mquinas e

    Equipamentos de Trabalho

    Programa Enquadrador

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    1

    AUTOR

    ACT Autoridade para as Condies do Trabalho

    COORDENAO

    Grupo de Trabalho: Mquinas e Equipamentos GTMEMACHEX

    COMPOSIO

    DID Diviso de Informao e Documentao

    EDITOR

    ACT - Autoridade para as Condies do Trabalho

    EDIO

    Lisboa, janeiro 2015

    Catalogao Recomendada

    Campanha de Preveno de Riscos Profissionais em Mquinas e Equipamentos de Trabalho:

    Programa Enquadrador/Coord. GTMEMACHEX - Lisboa: ACT, 2015. 46 p. , 30cm

    Segurana e Sade no Trabalho/Preveno de riscos profissionais/Dados estatsticos/Acidentes

    de trabalho/Mquinas/Equipamentos de trabalho/Campanhas de segurana e higiene

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    2

    ndice

    1. Introduo ................................................................................................... 4

    Evoluo tecnolgica e segurana de mquinas ........................................... 5

    Sinistralidade com mquinas ........................................................................ 6

    Acidentes de trabalho mortais ...................................................................... 7

    Acidentes de trabalho no mortais ............................................................... 9

    2. Enquadramento .......................................................................................... 11

    3. mbito da campanha: destinatrios e setores ............................................ 14

    4. Objetivo da campanha ................................................................................ 15

    5. Planeamento das atividades ....................................................................... 17

    Atividades operacionais .............................................................................. 19

    Programas de ao e indicadores ............................................................... 20

    Organizao e responsabilidades ............................................................... 21

    6. Resultados esperados ................................................................................. 22

    Subprograma 1: Promoo da campanha ......................................................... 23

    Subprograma 2: Informao e Divulgao ....................................................... 25

    Subprograma 3: Formao ............................................................................... 29

    Subprograma 4: Inspeo ................................................................................ 32

    Anexo 1: Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela

    ACT em 2013 .................................................................................................... 33

    Anexo 2: Formulrio de Candidatura ................................................................ 39

    Resumo ............................................................................................................ 46

    Rsum ............................................................................................................ 46

    Abstract ........................................................................................................... 46

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    3

    As campanhas de preveno de riscos profissionais so uma metodologia que a Autoridade para

    as Condies do Trabalho ACT - privilegia para a integrao da segurana e sade no trabalho

    em cada gesto profissional, alertando e sensibilizando a sociedade portuguesa sobre a

    importncia de preservar a vida de quem trabalha, proporcionando aumentos de produtividade

    reais nas empresas, conduzindo assim construo e consolidao de locais de trabalho dignos.

    Esta metodologia pressupe uma filosofia de ao tripartida, associando os parceiros sociais na

    preparao e implementao das campanhas e convidando tambm para o efeito, todos os

    atores institucionais e setoriais com relevncia nas temticas abordadas.

    Por conseguinte, conseguem-se efeitos sinrgicos e firmam-se conceitos e prticas que, de

    outro modo, seriam impossveis de alcanar.

    A participao de todos os parceiros condio essencial para o sucesso de cada campanha de

    riscos profissionais.

    Com esta campanha pretendemos ir mais longe. Realizar uma campanha ibrica de riscos

    profissionais juntando a ACT Autoridade para as Condies do Trabalho e a ITSS - Inspeccin

    de Trabajo y Seguridad Social, promovendo, deste modo, a melhoria das condies de trabalho,

    de modo uniforme, em vastas regies da pennsula ibrica.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    4

    1. Introduo

    A campanha de preveno de riscos profissionais na utilizao de mquinas e equipamentos de

    trabalho, assenta no princpio de que a segurana e sade no trabalho representa uma rea de

    importncia incontornvel pois, se por um lado, cria um nvel mnimo de proteo para a

    segurana dos trabalhadores, por outro, contribui para uma livre e justa competio no

    mercado interno.

    A utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho que no se encontram em conformidade

    com a legislao existente um problema comum na Europa, o que reconhecido pela

    Comisso Europeia. tambm um problema extremamente relevante em Portugal.

    No obstante os desenvolvimentos registados nos ltimos anos no mbito da preveno, os

    acidentes de trabalho constituem ainda um tema de irrefutvel e inequvoca pertinncia em

    Portugal.

    Neste contexto constata-se, tendo por base as estatsticas do Gabinete de Estratgia e

    Planeamento - GEP -, que os acidentes ocorridos durante a utilizao de mquinas e

    equipamentos de trabalho constituram, em 2012, a primeira causa de acidente de trabalho

    mortal em Portugal, representando cerca de metade do total de acidentes de trabalho mortais.

    Desta forma, as razes para a apresentao da campanha relacionam-se, em primeiro lugar,

    com o facto de continuarem a ocorrer acidentes de trabalho muito graves e mortais em Portugal

    envolvendo mquinas e equipamentos de trabalho e, em segundo lugar, com a necessidade que

    existe na divulgao e compreenso exata da legislao em vigor.

    Os representantes setoriais tm um papel muito importante na melhoria das condies de

    trabalho. Sendo conhecedores da realidade, podem desencadear um processo alargado de

    participao dos empregadores e dos trabalhadores na Campanha, que importa favorecer.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    5

    Evoluo tecnolgica e segurana de mquinas

    Numa perspetiva histrica, verifica-se que a preocupao com a segurana no trabalho esteve,

    at Revoluo Industrial, associada aprendizagem do trabalho nas corporaes de artes e

    ofcios.

    Os acidentes de trabalho esto associados evoluo do trabalho e das tecnologias de

    produo. A introduo da tecnologia nos locais de trabalho originou mudanas na forma

    tradicional do acidente de trabalho, em que os trabalhadores so simultaneamente agentes e

    vtimas dos seus prprios atos (Reason, 1997). Para alm do impacto positivo na produtividade

    e eficincia, a implementao da tecnologia provocou um agravamento das consequncias dos

    acidentes, nomeadamente, porque em diversas circunstncias as vtimas j no so apenas

    trabalhadores envolvidos no acidente, mas tambm terceiros, no diretamente relacionados

    com o trabalho.

    A revoluo industrial com a introduo da mquina a vapor marca o incio do uso da tecnologia

    em larga escala (Leveson, 1994). A necessidade da introduo de sistemas de controlo

    destinados a evitar ou minimizar as consequncias de eventuais acidentes tem como

    consequncia o aumento da complexidade da tecnologia e o aumento da probabilidade de

    falhas. Segundo Leveson (1994) foi a vulgarizao do uso da mquina a vapor no sculo XIX,

    na indstria e transportes, que definiram o momento dessa viragem, marcada pela ocorrncia

    de inmeras exploses.

    A introduo da mquina a vapor acabaria por introduzir ainda outros dois tipos de alteraes

    nos locais de trabalho: o trabalho deixa de ser cadenciado pelo trabalhador para passar a ser

    comandado pela tecnologia e a dependncia dos processos industriais da nova fonte de energia,

    associados necessidade de melhorar a sua eficincia, resultaram num novo modelo de

    organizao do local de trabalho, em que a tecnologia que dita os requisitos.

    No passado os operadores interagiam atravs das suas capacidades sensoriais e agiam sobre os

    processos de produo atravs de manipulao direta. Segundo Reason (1990, p174),

    mquinas de crescente complexidade intervm agora entre o operador e a tarefa fsica, em

    especial no caso de processos demasiados sensveis para permitir manipulao direta ou

    quando a fora humana no suficiente. o caso das mquinas de terraplenagem e os

    equipamentos de elevao, cujo objetivo amplificar capacidades fsicas humanas. Essa

    amplificao foi, at revoluo industrial, conseguida pelo recurso fora de animais, da gua

    ou do vento. A introduo da mquina a vapor durante a revoluo industrial teve como

    consequncia a alterao natural dos limites de amplificao associados a essas fontes de

    energia, ao mesmo tempo que levantava problemas associados ao controlo dessa nova energia

    (Hollnagel, 2004).

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    6

    Foi na dcada de 80 que se deu outro dos desenvolvimentos tecnolgicos no domnio da

    automatizao: a utilizao de sistemas eletrnicos programveis na implementao de

    sistemas de controlo. O aumento da automatizao combinado com as exigentes condies de

    produo decorrentes de uma conjetura global, contribuem para que esta automao, crescente

    em nmero e complexidade, fosse considerada como um fator de risco emergente (European

    Agency for Safety and Health at Work, 2005), o que levou sua incluso na estratgia

    comunitria para a sade e segurana no trabalho 2007-2012. A complexidade das novas

    tecnologias, dos novos processos de trabalho e dos interfaces homem-mquina foi considerado

    por um painel de peritos como um dos 10 mais importantes riscos fsicos emergentes, ou seja,

    que considerado simultaneamente um risco novo e crescente1.

    O mesmo estudo classifica tambm como emergentes os riscos associados ao uso de sistemas

    eletrnicos em sistemas de comando de mquinas (sistemas de segurana de robots, sistemas

    de comando numrico, veculos controlados distncia), o uso incorreto de dispositivos de

    segurana de ltima gerao (barreiras imateriais, implementao de funes de segurana por

    software), os problemas de compatibilidade eletromagntica dos sistemas de comando e o

    aumento de acidentes associado a uma automatizao crescente, entre outros. As utilizaes no

    domnio mdico, nos transportes areos, na utilizao de veculos pesados e mquinas de

    terraplenagem que recorrem a dispositivos de alta tecnologia na cabine, e o uso de cobots2

    em processos industriais, foram os sistemas em que esses riscos mais foram notados.

    Sinistralidade com mquinas

    Os acidentes de trabalho mortais constituem a face mais visvel das consequncias associadas

    aos riscos do trabalho com mquinas, embora existam outras manifestaes dos efeitos desses

    riscos, como as doenas profissionais e os acidentes no mortais. A vigilncia dos acidentes e

    doenas profissionais permite a divulgao dos dados recolhidos s partes interessadas, como

    sejam trabalhadores, sindicatos, empresas, organismos pblicos e opinio pblica; a utilizao

    desses dados recolhidos serve depois para a planificao de intervenes cujo objetivo consiste

    na modificao desses fatores de risco (Markowitz, 1998).

    O estatuto da Inspeo Geral do Trabalho (Decreto-Lei 102/2000, de 2.06) de Portugal,

    estabelece que so os Inspetores do Trabalho que realizam inquritos em caso de acidente de

    trabalho mortal ou que evidencie uma situao particularmente grave [...] com vista ao

    desenvolvimento de medidas de preveno adequadas nos locais de trabalho. Esta atividade

    1 Um risco novo se anteriormente era pouco conhecido, ou se desenvolvimentos na perceo do risco ou no conhecimento cientfico lhe

    deram a importncia que anteriormente no tinha. Considera-se um risco crescente se o nmero de situaes de perigo que originam o

    risco, a probabilidade de exposio ao risco ou os efeitos dos perigos na sade dos trabalhadores se agravam.

    2 Um cobot um robot colaborativo destinado interao fsica com um operador, num espao de trabalho.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    7

    inicia-se com a participao do acidente por parte do empregador, a qual deve ser feita nas

    vinte e quatro horas seguintes ocorrncia. Segundo a Autoridade para as Condies do

    Trabalho (2014) a finalidade desta comunicao permitir aos Inspetores do Trabalho o

    acompanhamento da implementao de medidas de preveno destinadas a evitar a repetio

    destes acidentes, desgnio este concretizado, fundamentalmente, na base da anlise pluricausal

    do acidente. Nos casos em que no feita a participao pelo empregador, so os tribunais de

    trabalho que, tomando conhecimento do acidente, solicitam em seguida Autoridade para as

    Condies do Trabalho a realizao do respetivo inqurito. No que concerne s categorias de

    acidentes analisadas constata-se que o inqurito realizado de forma sistemtica nos casos de

    acidente mortal, o mesmo no ocorrendo para a categoria de acidente grave, j que estes

    acidentes nem sempre so participados.

    Outra fonte de informao sobre a ocorrncia de acidentes de trabalho, mortais ou no, so os

    dados resultantes das participaes s entidades seguradoras relativamente aos trabalhadores

    que tiveram algum acidente de trabalho, evidenciando a totalidade dos acidentes de trabalho

    com e sem dias de trabalho perdidos. O mbito geogrfico o de Portugal (Continente e

    Regies Autnomas dos Aores e da Madeira).

    A ocorrncia de acidentes com mquinas encontra-se tambm caracterizada por dados

    estatsticos produzidos em diversos pases. Assume um particular interesse neste domnio a

    implementao do sistema de classificao Estatsticas Europeias de Acidentes de Trabalho

    (Eurostat, 2001), que apresenta uma classificao para causas e circunstncias assente na

    atividade fsica especfica, no desvio e contacto leso, suportada por um conjunto de tabelas

    com a identificao de uma tipologia de classificao.

    Acidentes de trabalho mortais

    A informao estatstica disponibilizada confirma os pressupostos da campanha, dado que em

    2012 mais de metade dos acidentes de trabalho mortais ocorrerem com mquinas e

    equipamentos de trabalho. Nos anos anteriores os acidentes com estes agentes materiais

    constituram a segunda causa de acidente de trabalho mortal.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    8

    Figura 1 - Acidentes de trabalho mortal segundo o agente material do desvio (GEE, 2014)

    Outra fonte de informao relevante constituda pelos acidentes mortais objeto de

    inqurito pelos inspetores do trabalho da ACT, efetuados em Portugal Continental, durante o

    ano 2013.

    Em toda a atividade econmica foram objeto de inqurito pela ACT 141 acidentes de trabalho

    mortais, tendo a maior parte ocorrido nos setores da construo (seo F da CAE), da indstria

    transformadora (seo C da CAE) e agricultura, produo animal, caa, floresta e pesca (seo

    A da CAE) (mais informao em anexo).

    Quanto a acidentes de trabalho ocorridos com a utilizao de mquinas e de equipamentos de

    trabalho concluiu-se que, em 2013, foram objeto de inqurito 57 acidentes de trabalho mortais,

    que representaram cerca de 40% do total dos acidentes mortais.

    Para a caracterizao dos acidentes de trabalho mortais ocorridos com a utilizao de mquinas

    e equipamentos efetuou-se pesquisa na base de registo da ACT, pelos cdigos das Estatsticas

    Europeias de Acidentes de Trabalho:

    02.00 - Edifcios, construes, superfcies acima do solo (interior ou exterior), no

    especificado, concretamente os acidentes envolvendo a utilizao de andaimes,

    plataformas elevatrias, escadas fixas e mveis 3,5 % do total de acidentes de

    trabalho mortais com mquinas e equipamentos de trabalho;

    09.00 Mquinas e equipamentos portteis ou mveis 24,6 % do total de acidentes de

    trabalho mortais com mquinas e equipamentos de trabalho;

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    9

    10.00 Mquinas e equipamentos fixos 10,5 % do total de acidentes de trabalho

    mortais com mquinas e equipamentos de trabalho;

    11.00 Dispositivos de transporte e de armazenamento 3,5 % do total de acidentes de

    trabalho mortais com mquinas e equipamentos de trabalho;

    12.00 Veculos terrestres - no especificado 49,1 % do total de acidentes de trabalho

    mortais com mquinas e equipamentos de trabalho;

    13.00 Outros veculos de transporte, no especificado 8,8 % do total de acidentes de

    trabalho mortais com mquinas e equipamentos de trabalho).

    Da anlise efetuada aos acidentes apurou-se que cerca de 74% registou-se em pequenas e

    mdias empresas (microempresas 23%; pequenas empresas 30 %; mdias empresas

    21%). Os principais setores de atividade econmica objeto de inqurito de acidente de trabalho

    mortal foram a indstria transformadora (21%), a construo (21%), o comrcio por grosso e

    a retalho (14%), transportes e armazenagem (12%) e a agricultura (11%).

    Dos 28 acidentes de trabalho mortais ocorridos com veculos terrestres, conclui-se que 19

    aconteceram em local pblico e 9 em locais privados, designadamente no interior de estaleiros

    de construo civil e noutros locais no considerados na classificao EEAT. Os acidentes

    verificados em local pblico correspondem aos que ocorreram nas estradas, cujas causas esto

    a ser alvo de interveno na campanha dos transportes, a realizar tambm em 2015.

    Como desvios assinalados destacaram-se a perda total ou parcial de controlo de mquinas,

    escorregamento ou hesitao com queda, o movimento do corpo sujeito a constrangimento

    fsico e a rutura, arrombamento e desmoronamento de agente material. Quanto modalidade

    da leso (contato) concluiu-se que as principais foram a pancada por objeto em movimento, a

    entalao e o esmagamento - em movimento vertical ou horizontal - que conduziram a leses

    mltiplas, concusses e leses internas, choque e amputaes nos trabalhadores,

    essencialmente no corpo inteiro, no trax e rgos torcicos e na cabea.

    Acidentes de trabalho no mortais

    Da anlise por causas e circunstncias efetuada base de acidentes de trabalho no mortais do

    GEP/GEE concluiu-se que so 4 os principais desvios, representando no seu conjunto 80,5 %

    dos acidentes:

    Movimento do corpo sujeito a constrangimento fsico (conduzindo geralmente a leso

    interna) (27,7 % do total);

    Perda (total ou parcial) de controlo de mquina, meio de transporte ou equipamento de

    movimentao, ferramenta manual, objeto, animal (26,1 % do total);

    Escorregar ou tropear com queda, queda de pessoa (17,8 % do total);

    Transbordo, derrubamento, fuga, escoamento, vaporizao, emisso (8,9% do total).

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    10

    Fonte: GEP

    Os dados apresentados indicam que as mquinas e equipamentos de trabalho continuam a ser

    uma fonte de preocupao para a segurana dos locais de trabalho.

    essencial no apenas proporcionar a consciencializao de trabalhadores, empresas e de toda

    a sociedade para este problema atravs de aes de sensibilizao e informao -, mas

    tambm conseguir uma crescente harmonizao do gesto inspetivo por parte da ACT em todo o

    territrio nacional.

    Para que isso seja cada vez mais uma realidade importante disponibilizar administrao do

    trabalho os meios para a prossecuo da sua misso, bem como gerar na sociedade portuguesa

    uma predisposio para a importncia deste assunto, aumentando a conscincia dos meios de

    comunicao social, da opinio pblica e de todos os atores sociais.

    A proposta da campanha constitui um desafio e, em simultneo, uma contribuio para a

    melhoria das condies de trabalho em Portugal.

    Pretende-se com esta campanha contribuir para assegurar um ambiente de trabalho seguro

    atravs da correta utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho.

    16771

    47698

    33463

    57098

    0

    10000

    20000

    30000

    40000

    50000

    60000

    70000

    80000

    2008 2009 2010 2011 2012

    Transbordo, derrubamento, fuga, escoamento, vaporizao, emisso

    Perda (total ou parcial) de controlo de mquina, meio de transporte ou equipamento de movimentao, ferramenta manual, objecto, animalEscorregar ou tropear com queda, queda de pessoa

    Movimento do corpo sujeito a constrangimento fsico (conduzindo geralmente a leso interna)

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    11

    2. Enquadramento

    A ACT, enquanto organismo responsvel pelo controlo e pela promoo do cumprimento da

    legislao em matrias de relaes laborais e de segurana e sade no trabalho, ocupa um

    lugar central na dinamizao das entidades pblicas e privadas que integram o sistema e a rede

    nacional de preveno de riscos profissionais3. Neste contexto tem efetuado um conjunto de

    iniciativas conducentes ao pleno desenvolvimento do seu papel na regulao das condies de

    trabalho.

    De acordo com a Estratgia 2013-2015 da ACT, publicada em Junho de 2013, a sua atuao

    tem em considerao os referenciais estratgicos de nvel internacional e nacional em vigor.

    Para tanto relevante o referencial da OIT Organizao Internacional do Trabalho sobre

    Polticas e Estratgias para 2010-2015, que serve de base ao atual plano de ao daquela

    organizao para o perodo de 2010-2016. Esse referencial tem por objetivo melhorar a

    situao da segurana e sade do trabalho em todo o mundo, incentivando os responsveis

    para a tomada de decises, elaborao e aplicao de polticas e programas de ao nacionais,

    que visam introduzir melhorias no sistema nacional de sade e segurana do trabalho, por

    forma a alcanar o maior grau de efetividade das normas internacionais aplicveis produzidas

    pela OIT.

    A este nvel vale a pena ainda referir a recente publicao pela OIT do Cdigo de boas prticas

    para a utilizao de mquinas4.

    Segundo a OIT a responsabilidade pela segurana de mquinas partilhada pelos

    empregadores, em conjunto com os projetistas e fabricantes de mquinas.

    3 Cf. Artigos 6., 7. e 8. da Lei n. 102/2009, de 10 de Setembro. 4 Safety and health in the use of machinery. ILO code of practice (ISBN 978-92-2-127725-5), Geneva, 2013.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    12

    Figura 2 - Relao entre o projetista, o fabricante e o fornecedor com a empresa utilizadora

    Ao nvel a UE diversas aes regulamentares tm sido publicadas neste domnio, de entre as

    quais se destacam as seguintes:

    A Directiva Mquinas 2006/42/CE, relativa s mquinas e que altera a Directiva

    95/16/CE, transposta pelo Decreto-Lei n. 103/2008, de 24 de Junho, alterado pelo

    Decreto-Lei n. 75/2011, de 20 de Junho;

    A Directiva Equipamentos de Trabalho 2009/104/CE, relativa s prescries mnimas de

    segurana e sade para a utilizao de equipamentos de trabalho por parte dos

    trabalhadores no trabalho, que em Portugal foi transposta pelo Decreto-Lei n. 50/2005,

    de 25 de Fevereiro (Directiva 2001/45/CE, alterada pela Diretiva 2009/104/CE).

    A primeira contempla a harmonizao das normas jurdicas de segurana e sade aplicveis a

    produtos e destinadas a promover a livre circulao e reconhecida comummente como um

    instrumento da poltica de melhoria da segurana e sade no trabalho. de salientar que em

    2015 decorrem 20 anos da aplicao desta legislao no nosso pas e que por isso vale a pena

    refletir sobre a experincia resultante da sua aplicao.

    A segunda tem por objetivo a melhoria da segurana e sade nos locais de trabalho, com

    nfase para a fixao de prescries mnimas aplicveis s condies de trabalho e utilizao

    de certas categorias de materiais e equipamentos.

    Estas recomendaes e disposies legais incidem sobre um conjunto de fatores tcnico,

    humanos e organizacionais, dos quais resulta a necessidade do empregador executar as

    seguintes atividades:

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    13

    Garantir a aquisio de mquinas seguras e a utilizao de equipamentos de trabalho bem

    adaptados;

    Promover a utilizao do equipamento por trabalhador habilitado;

    Proporcionar locais de trabalho bem concebidos;

    Proceder verificao dos equipamentos de trabalho;

    Planear a preveno atravs da gesto sistemtica da segurana de mquinas.

    A gesto da segurana de mquinas permite que estas atividades possam decorrer de uma

    forma sistemtica na empresa e contribuam para a melhoria contnua da segurana e sade nos

    locais de trabalho.

    Decorre ainda da legislao a identificao de um conjunto de equipamentos de trabalho

    considerados de alto risco, dados os nveis de sinistralidade a eles associado: andaimes e outros

    equipamentos para trabalho temporrio em altura, equipamentos mveis automotores e

    equipamentos para a elevao de cargas.

    Figura 3 - Equipamentos de trabalho de alto risco

    Estes equipamentos sero de interveno prioritria nas diversas fases da campanha

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    14

    3. mbito da campanha: destinatrios e setores

    Os destinatrios da campanha so os trabalhadores - e seus representantes - e os

    empregadores, que utilizam mquinas e equipamentos de trabalho nos seus locais de trabalho,

    nos vrios sectores de atividade.

    Os atores da campanha so todos aqueles que desempenham funes suscetveis de

    influenciar a segurana de mquinas e equipamentos de trabalho, nomeadamente empresas

    prestadoras de servios de segurana e sade no trabalho e tcnicos de segurana no trabalho,

    inspetores de trabalho e tcnicos superiores ligados preveno, trabalhadores designados,

    pessoa competente que realiza verificaes e ensaios, fabricantes e importadores de mquinas

    e organismos notificados.

    A campanha em Portugal ir incidir nos seguintes setores: agricultura e florestas, distribuio,

    construo civil e indstria transformadora e extrativa. Na tabela seguinte apresentamos o

    nmero de trabalhadores e de empresas dos setores de atividade econmica alvo da presente

    campanha (ano 2013).

    Fonte: INE

    Agricultura, produo

    animal e silvicultura

    Indstrias

    extrativas

    Indstrias

    transformadoras

    Construo Comrcio por grosso

    e a retalho

    Transportes e

    armazenagem

    Total

    N. trabalhadores 100218 9579 638632 313678 732737 150807 1945651

    N. empresas 58144 1165 68436 86145 232760 22485 469135

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    15

    4. Objetivo da campanha

    A campanha enquadra-se no objetivo estratgico 1 da Estratgia da ACT para 2013-2015, o

    qual visa promover a reduo dos acidentes de trabalho, neste caso os ocorridos com mquinas

    e equipamentos de trabalho.

    Para isso pretende-se:

    I. Promover e difundir nos locais de trabalho a correta interpretao da legislao

    existente, em conformidade com os requisitos mnimos de segurana e sade na

    utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho;

    II. Melhorar a capacidade dos atores que intervm no domnio das mquinas e

    equipamentos de trabalho para fornecer informaes e adotar medidas;

    III. Melhorar a capacidade da ACT para fornecer informaes e promover boas prticas junto

    das entidades empregadoras que utilizam mquinas e outros equipamentos de trabalho,

    bem como das entidades prestadoras de servios de SST, fomentando as seguintes

    prticas naquelas entidades:

    a) Garantir a aquisio de mquinas seguras e a utilizao de equipamentos de

    trabalho bem adaptados;

    b) Promover a utilizao do equipamento por trabalhador habilitado;

    c) Proporcionar locais de trabalho bem concebidos;

    d) Proceder verificao dos equipamentos de trabalho;

    e) Planear a preveno atravs da gesto sistemtica da segurana de mquinas.

    Reduo do nmero de acidentes com mquinas e equipamentos

    Aes de formao e publicaes destinadas a informar e formar os atores e destinatrios que intervm no domnio das mquinas e equipamentos de trabalho.

    Seminrios; Aes de formao; Identificao e criao de publicaes.

    Atividades e publicaes destinadas a informar os destinatrios nos vrios setores de atividade.

    Seminrios setoriais; Identificao e criao de publicaes setoriais.

    Monitorizao das atividades destinadas melhoria da segurana de mquinas e equipamentos e desenvolvimento de ferramentas de apoio.

    Auto avaliao e anlise dos resultados das visitas inspetivas nos locais de trabalho; Identificao e criao de guias de apoio ao inspetiva.

    A informao constitui um elemento chave em qualquer Campanha. Nas organizaes ela um

    fator dinamizador da ao e de suporte das restantes medidas de preveno.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    16

    Considerando que os destinatrios desta iniciativa so, preferencialmente, os trabalhadores e

    empregadores de empresas de pequena dimenso, importa que a informao a disponibilizar

    seja facilmente compreendida e os contedos maioritariamente prticos.

    Sendo a avaliao de riscos um fator decisivo no sucesso da preveno de leses profissionais e

    sabendo, em simultneo, da dificuldade que as PME tm na gesto da segurana, importa criar

    algumas ferramentas bsicas que promovam, num primeiro momento, a identificao dos

    perigos e, num segundo momento, o controlo dos riscos associados s mquinas e

    equipamentos nos locais de trabalho.

    O sucesso desta valncia da Campanha depender da clareza com que a informao produzida

    chegar aos destinatrios da Campanha.

    Os suportes de informao a produzir visam transmitir alguns dos conhecimentos bsicos sobre

    o tema, de modo simples e acessvel, privilegiando-se a imagem e a ligao s situaes

    concretas de trabalho que esto na origem dos riscos, incluindo boas prticas.

    A Internet representa um meio privilegiado de difuso rpida, simultnea e com baixo custo,

    permitindo uma fcil e clere atualizao de contedos.

    Os documentos impressos permitem uma proximidade maior aos destinatrios e garantem uma

    perenidade futura relevante. So elaborados, para impresso, um folheto com informaes

    sobre a Campanha, bem como folhetos e cartazes especficos para cada um dos sectores de

    interveno, com informaes sobre os riscos e as medidas de preveno.

    O contedo dos folhetos integrar informao geral sobre a Campanha, a Preveno de Riscos e

    as Boas Prticas no sector.

    Prope-se que os folhetos possam ser distribudos da seguinte forma:

    Atravs da Internet, em formato digital;

    Nos Seminrios sobre o tema;

    Pelos Servios e tcnicos de preveno da ACT, junto de stakeholders especficos;

    Pelos inspetores do trabalho nas visitas;

    Pelos parceiros sociais e institucionais.

    Os cartazes pretendem atingir uma populao nem sempre disponvel para aceder informao

    escrita. O impacto visual das imagens e comentrios podem ajudar a transmitir mensagens aos

    trabalhadores com nveis de escolaridade diferenciados.

    A organizao do layout dos suportes de informao ser ento realizada em Espanha e

    Portugal, pela ITSS e pela ACT, respetivamente.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    17

    5. Planeamento das atividades

    A campanha ser dividida em trs eixos com os seguintes objetivos especficos:

    I. Campanha de informao e formao dirigida aos atores e destinatrios da campanha

    de forma a reforar a sua capacidade de interveno:

    a) Facultar informao sobre a necessidade de se disponibilizarem mquinas e

    equipamentos concebidos de acordo com as diretivas relevantes da nova

    abordagem;

    b) Ministrar formao sobre os problemas detetados com mquinas e equipamentos de

    trabalho, bem como sobre boas prticas de como superar esses problemas;

    II. Campanha de informao e sensibilizao dirigida aos destinatrios dos setores

    escolhidos para a campanha;

    III. Campanha de inspeo dirigida aos empregadores, fabricantes, importadores,

    comerciantes e distribuidores e que visa assegurar o cumprimento dos requisitos das

    Diretivas Mquinas e Equipamentos de Trabalho.

    A atividade desenvolvida ter um carcter diversificado, incluindo:

    Aes de informao e sensibilizao, em sala e em frentes de trabalho;

    Aes de divulgao em sala e em frentes de trabalho;

    Aes de formao em sala e em frentes de trabalho;

    Ao inspetiva da ACT nos locais de trabalho;

    Produo de instrumentos de informao/divulgao.

    As atividades a desenvolver sero da responsabilidade da ACT, da ACT em parceria com outras

    entidades e de outras entidades - parceiros sociais, parceiros tcnico ou institucionais.

    Contudo, a atividade inspetiva ser da responsabilidade exclusiva da ACT.

    A campanha ter incio com atividades do eixo de informao e sensibilizao dos destinatrios

    acerca dos riscos associados com mquinas e equipamentos nos locais de trabalho.

    Simultaneamente devem tambm ser iniciadas as atividades do eixo de informao e formao

    dos atores da campanha.

    Os inspetores do trabalho nas visitas aos locais de trabalho promovem a procura de solues

    que contribuam para a preveno de acidentes de trabalho e de doenas profissionais.

    A harmonizao da interveno a nvel nacional depende muito da formao dos inspetores do

    trabalho e da utilizao de referenciais comuns para anlise dos locais de trabalho.

    A monitorizao destas aes ser efetuada atravs da anlise dos resultados das visitas

    inspetivas de informao e controlo nos locais de trabalho, previstas para a segunda fase da

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    18

    Campanha e com um duplo objetivo: promover a melhoria das condies de trabalho e de

    controlar a aplicao das normas para a organizao da preveno no local de trabalho,

    cumprindo, assim, com o esprito da Diretiva 89/391/CEE, de 12 de Junho, denominada diretiva

    quadro.

    Estas visitas tero duas componentes complementares: garantir que so salvaguardadas as

    condies de segurana na utilizao de mquinas e outros equipamentos de trabalho

    considerados de alto risco, bem como promover o acompanhamento das modificaes

    consideradas necessrias pelos servios de segurana e sade no trabalho organizados pelo

    empregador. As visitas podero ser desenvolvidas em conjunto por inspetores e tcnicos de

    preveno da ACT.

    Depois de terminada, a campanha ser objeto de avaliao.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    19

    Atividades operacionais

    A

    2014 2015 2016

    S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A

    Envolvimento dos parceiros sociais

    Envolvimentos dos

    parceiros institucionais e tcnicos

    Seminrio de

    lanamento da campanha

    Identificao e criao

    de publicaes transversais

    Aes de formao (atores)

    Identificao e criao

    de publicaes sectoriais

    Seminrios setoriais (destinatrios)

    Ao inspetiva

    Avaliao

    Seminrio de encerramento

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    20

    Programas de ao e indicadores

    Subprograma Designao Indicadores de avaliao

    Subprograma 1 Promoo da campanha

    Ao 1.1

    Sesso de lanamento N. de participantes

    N. entidades/empresas presentes

    Ao 1.2

    Sesso de encerramento N. de participantes

    N. entidades/empresas presentes

    Subprograma 2 Informao e Divulgao

    Ao 2.1 Instrumentos de informao

    N. de instrumentos produzidos

    N. de instrumentos distribudos

    N. de downloads

    Ao 2.2 Sensibilizao dos destinatrios e atores

    N. de promotores

    N. de aes/sesses

    N. de participantes

    N. de horas

    Ao 2.3

    Sensibilizao do sistema de ensino

    N. de promotores

    N. de aes

    N. de horas

    N. de participantes

    Subprograma 3 Formao

    Ao 3.1 Formao dos atores e dos destinatrios

    N. de aes de formao

    N. de horas ministradas

    N. de participantes

    Ao 3.2 Formao interna da ACT N. de aes de formao

    N. de horas ministradas

    N. de participantes

    Subprograma 4 Inspeo

    Ao 4.1

    Monitorizao nos locais de trabalho

    Recursos

    N. de inspetores x dias

    Atividade

    N. de visitas efetuadas

    N. de trabalhadores

    N. de notificaes

    N. de empresas visitadas

    N. de mquinas inspecionadas

    Resultados

    N. de mquinas conformes/n. total de mquinas inspecionadas

    N. de melhorias introduzidas nos locais de trabalho/mquinas

    N. de verificaes efetuadas em equipamentos de elevao/mveis

    N. de trabalhadores com formao adequada para operao de equipamentos de elevao/mveis

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    21

    Organizao e responsabilidades

    A organizao operacional da campanha prev duas estruturas. A primeira, constituda pelos

    parceiros sociais, ir fazer o acompanhamento estratgico da campanha, organizar o

    desenvolvimento dos materiais produzidos de natureza transversal, procedendo sua

    adaptao, de modo a permitir a sua utilizao nos diversos sectores de atividade; a segunda,

    constituda pelos parceiros institucionais e tcnicos, ter por misso o desenvolvimento dos

    materiais da campanha de natureza transversal.

    Organizao da

    Campanha

    Parceiros sociais

    C. Civil Distribuio Agricultura Indstria

    Parceir

    os

    In

    sti

    tucio

    nais

    e t

    cn

    ico

    s

    Mquina segura / equipamento

    adaptado

    Andaimes Maquinas mveis

    Grua/Ponte rolante

    Empilhadores

    Empilhadores Mquinas

    mveis Outros

    Tratores Outros

    Ponte rolante Empilhador

    Outros

    Trabalhador habilitado

    Locais bem concebidos

    Equipamento verificado

    Gesto da segurana de

    mquinas

    Subgrupos de trabalho

    (domnio transversal)

    Adaptao dos contedos aos diversos sectores de

    atividade (domnio sectorial)

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    22

    6. Resultados esperados

    A dificuldade das PME em implementar prticas de trabalho seguras reconhecida na

    generalidade dos pases europeus. A explicao para esta situao radica na ausncia de

    recursos humanos com formao no domnio da segurana e sade no trabalho e numa

    realidade muito especfica destas empresas, que esto normalmente mais afastadas dos

    processos de informao. Espera-se que com esta Campanha seja possvel alterar as condies

    de trabalho, motivando empregadores e trabalhadores a saberem mais sobre os temas e a

    agirem ativamente na eliminao e reduo dos riscos profissionais.

    A avaliao do trabalho realizado durante as Campanhas anteriores tem permitido melhorar o

    que feito nos anos seguintes, quer a nvel de Campanhas, quer a nvel da interveno

    quotidiana e sistemtica da ACT.

    A avaliao do trabalho desenvolvido representar o momento para o balano do trabalho

    realizado, ao mesmo tempo que permitir a sistematizao de nova informao que ser

    certamente til realizao de futuras Campanhas.

    A avaliao da Campanha deve acontecer durante o ms de Janeiro de 2016.

    A ACT organizar um Seminrio em Portugal em Maro de 2016 para se avaliar todo o trabalho

    realizado durante esta Campanha.

    Nesse evento ser apresentado o trabalho realizado, as boas prticas identificadas e discutir-se-

    as perspetivas de desenvolvimento futuro sobre a interveno inspetiva neste domnio.

    Quer os trabalhos de boas prticas identificadas durante a campanha, ou introduzidas nos locais

    de trabalho durante a campanha, quer eventuais trabalhos de investigao efetuados em

    estabelecimentos de ensino superior, sero objeto de apresentao no seminrio de avaliao

    da campanha.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    23

    Subprograma 1: Promoo da campanha

    Ao 1.1 Sesso de lanamento

    Objetivos

    Tornar pblica a campanha;

    Envolver os rgos da comunicao social;

    Despertar a opinio pblica para a importncia da preveno de riscos profissionais na

    utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho.

    Contedo

    Importncia do envolvimento dos parceiros sociais e institucionais na campanha;

    Importncia da comunicao social na difuso da mensagem da segurana e sade na

    utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho;

    Sinistralidade;

    Importncia da preveno dos riscos profissionais.

    Destinatrios

    Opinio pblica ligada atividade;

    Opinio pblica em geral;

    Atores envolvidos nas questes ligadas segurana de mquinas e equipamentos de

    trabalho.

    Organizaes a envolver

    Parceiros sociais, institucionais e tcnicos;

    rgos da comunicao social.

    Aes - Instrumentos Medidas

    Sesso pblica;

    Dossi de imprensa.

    Promotores

    ACT

    Ano de execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    24

    Ao 1.2 sesso de encerramento da campanha

    Objetivos

    Tornar pblico o papel e contributo desenvolvidos pelos parceiros da campanha;

    Avaliar os resultados da campanha;

    Envolver os rgos da comunicao social;

    Despertar a opinio pblica para a importncia da preveno de riscos profissionais na

    utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho.

    Contedo

    Importncia do envolvimento dos parceiros sociais e institucionais na campanha;

    Importncia da comunicao social na difuso da mensagem da segurana e sade na

    utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho;

    Propostas e condies de sucesso para as polticas preventivas na utilizao de mquinas

    e equipamentos de trabalho.

    Destinatrios

    Opinio pblica ligada atividade;

    Opinio pblica em geral;

    Atores envolvidos nas questes ligadas segurana de mquinas e equipamentos de

    trabalho.

    Organizaes a envolver

    Parceiros sociais, institucionais e tcnicos;

    rgos da comunicao social.

    Aes - Instrumentos Medidas

    Sesso pblica;

    Dossi de imprensa.

    Promotores

    ACT

    Ano de execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    25

    Subprograma 2: Informao e Divulgao

    Ao 2.1 Instrumentos de informao

    Objetivos

    Promover e difundir nos locais de trabalho a correta interpretao da legislao existente,

    em conformidade com os requisitos mnimos de segurana e sade na utilizao de

    mquinas e equipamentos de trabalho;

    Melhorar a capacidade dos atores que intervm no domnio das mquinas e equipamentos

    de trabalho para fornecer informaes e adotar medidas;

    Melhorar a capacidade da ACT para fornecer informaes e promover boas prticas junto

    das entidades prestadoras de servios de SST das empresas que utilizam mquinas e

    outros equipamentos de trabalho, fomentando as seguintes prticas nas empresas

    existam prticas que garantam:

    o Aquisio de mquinas seguras e a utilizao de equipamentos bem adaptados;

    o Existncia de trabalhadores habilitados;

    o Locais de trabalho bem concebidos;

    o Utilizao de equipamentos verificados e ensaiados;

    o Planeamento da preveno atravs da gesto sistemtica da segurana de mquinas.

    Contedo

    Princpios e tcnicas de preveno de riscos profissionais, em particular os riscos ligados

    utilizao de mquinas e equipamentos de trabalho;

    Suportes informativos setoriais, com referncia aos procedimentos corretos de utilizao

    de mquinas e equipamentos de trabalho, e sempre que possvel contendo exemplos

    prticos;

    Listas de verificao setoriais;

    Informao sobre a rede de preveno de riscos profissionais na utilizao de mquinas e

    equipamentos, aos vrios nveis (preveno, formao, verificao,).

    Destinatrios

    Tcnicos de SST;

    Trabalhadores designados;

    Pessoa competente que realiza verificaes e ensaios;

    Fabricantes e importadores de mquinas;

    Empregadores;

    Trabalhadores;

    Representantes dos trabalhadores para a SST.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    26

    Aes Instrumentos Medidas

    Brochuras, vdeos, CD-ROM, cartazes, flyers e desdobrveis;

    Instrumentos de avaliao de riscos;

    Aes de sensibilizao.

    Promotores

    ACT;

    Associaes sindicais do setor;

    Associaes de empregadores do setor;

    Comunidade tcnica e cientfica;

    Associaes que representem profissionais do setor;

    Empresas prestadoras de servios SST e suas associaes;

    Centros Tecnolgicos;

    Parceiros institucionais pblicos com interveno relevante na preveno dos riscos

    profissionais no setor.

    Natureza dos apoios

    Tcnico-documental

    Ano de execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    27

    Ao 2.2 Sensibilizao dos destinatrios e atores

    Objetivos

    Sensibilizar para a preveno dos riscos profissionais na utilizao de mquinas e

    equipamentos de trabalho;

    Proporcionar a troca de informaes e de experincias.

    Contedo

    Especificidades e diversidades da atividade do setor;

    Princpios e tcnicas de preveno de riscos profissionais ligados s mquinas e aos

    equipamentos de trabalho.

    Destinatrios

    Tcnicos de SST;

    Trabalhadores designados;

    Pessoa competente que realiza verificaes e ensaios;

    Fabricantes e importadores de mquinas;

    Empregadores;

    Trabalhadores;

    Representantes dos trabalhadores para a SST.

    Aes Instrumentos Medidas

    Colquios, seminrios, conferncias, eventos congneres;

    Interveno nos locais de trabalho.

    Promotores

    ACT;

    Associaes sindicais do setor;

    Associaes de empregadores do setor;

    Comunidade tcnica e cientfica;

    Associaes que representem profissionais do setor;

    Empresas prestadoras de servios SST e suas associaes;

    Centros Tecnolgicos;

    Parceiros institucionais pblicos com interveno relevante na preveno dos riscos

    profissionais no setor.

    Natureza dos apoios

    Tcnico-documental

    Ano de execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    28

    Ao 2.3 Sensibilizao do sistema de ensino

    Objetivos

    Sensibilizar e motivar alunos e professores de cursos do ensino superior para a

    importncia da preveno dos riscos profissionais;

    Criar condies favorveis orientao de estgios de fim de curso versando a temtica

    da preveno dos riscos profissionais.

    Contedo

    Especificidade e diversidade da atividade;

    Sinistralidade no setor: custos econmicos e sociais;

    Modernizao tecnolgica do setor;

    Princpios e tcnicas de preveno de riscos profissionais ligados aos equipamentos de

    trabalho;

    Importncia da preveno associada produtividade e qualidade.

    Destinatrios

    Professores e alunos do ensino superior, das escolas profissionais e tecnolgicas;

    Formadores e formandos dos centros de formao profissional setorial.

    Aes Instrumentos Medidas

    Colquios, seminrios, conferncias, eventos congneres

    Promotores

    ACT;

    Estabelecimentos do ensino superior;

    Escolas profissionais e tecnolgicas;

    Centros de formao profissional.

    Natureza dos apoios

    Tcnico-documental

    Ano de execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    29

    Subprograma 3: Formao

    Ao 3.1 Formao dos atores e dos destinatrios

    Objetivos

    Possibilitar o desenvolvimento de aes de formao sobre preveno dos riscos

    profissionais para quadros, dirigentes e tcnicos das associaes empresariais e

    profissionais;

    Promover a melhoria da segurana durante a utilizao de mquinas e de equipamentos

    de trabalho em uso atravs de medidas organizacionais;

    Apoiar a preparao de programas e suportes pedaggicos relativos preveno.

    Contedo

    Especificidade dos setores escolhidos para o desenvolvimento da campanha e diversidade

    das mquinas e equipamentos;

    Enquadramento normativo europeu e nacional das Diretivas Mquinas e Equipamentos de

    Trabalho;

    Caracterizao de riscos ligados s mquinas nomeadamente, mecnicos, eltricos etc.;

    Identificar os requisitos mnimos de segurana aplicveis s mquinas e equipamentos;

    Conhecer as regras de utilizao e procedimentos de trabalho para a utilizao de

    equipamentos para trabalhos temporrios em altura (escadas, andaimes e cordas);

    Conhecer as regras de utilizao e procedimentos de trabalho para a utilizao de

    equipamentos de trabalho (plataformas suspensas e elevao de pessoas, elevao de

    cargas, mquinas mveis);

    Verificao dos requisitos das mquinas e equipamentos de trabalho;

    Manutenes, Verificaes e ensaios;

    Interveno da pessoa competente;

    Formao/informao e consulta dos operadores.

    Aes - Instrumentos Medidas

    Aes de formao, mdulos de formao e instrumentos pedaggicos

    Destinatrios

    Tcnicos de SST;

    Trabalhadores designados;

    Pessoa competente que realiza verificaes e ensaios;

    Fabricantes e importadores de mquinas;

    Empregadores;

    Trabalhadores;

    Representantes dos trabalhadores para a SST.

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    30

    Aes Instrumentos Medidas

    Colquios, seminrios, conferncias, eventos congneres

    Promotores

    ACT;

    Associaes de empregadores;

    Associaes sindicais;

    Comunidade tcnica e cientfica relacionada com os setores de atividade identificados para

    a campanha;

    Associaes de profissionais;

    Empresas prestadoras de servios SST e suas associaes;

    Sistema de formao profissional para as mquinas e equipamentos;

    Parceiros institucionais pblicos com interveno relevante na preveno dos riscos

    profissionais.

    Natureza dos apoios

    Tcnico-documental

    Ano de execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    31

    Ao 3.2 Formao interna da ACT

    Objetivos

    Promover o desenvolvimento das competncias tcnicas e cientificas necessrias a um

    desempenho profissional dos destinatrios compatvel com as exigncias atribudas ACT,

    decorrentes da necessidade de combater a sinistralidade laboral e as doenas

    profissionais, tendo em vista uma efetiva melhoria das condies de segurana e sade

    dos trabalhadores na utilizao de mquinas e equipamentos.

    Contedos

    Especificidade dos setores escolhidos para o desenvolvimento da campanha e diversidade

    das mquinas e equipamentos;

    Enquadramento normativo europeu e nacional das Diretivas Mquinas e Equipamentos de

    Trabalho;

    Caracterizao de riscos mecnicos ligados s mquinas;

    Identificar os requisitos mnimos de segurana aplicveis s mquinas e equipamentos;

    Conhecer as regras de utilizao dos equipamentos para trabalhos temporrios em altura

    (escadas, andaimes e cordas);

    Regras de utilizao dos equipamentos de trabalho (plataformas suspensas e elevao de

    pessoas, elevao de cargas, mquinas mveis);

    Verificao dos requisitos das mquinas e equipamentos de trabalho;

    Manutenes, verificaes e ensaios;

    Interveno da pessoa competente;

    Adequao do gesto profissional na abordagem s mquinas e equipamentos.

    Destinatrios

    Tcnicos superiores e inspetores da ACT

    Aes - Instrumentos Medidas

    Aes de formao, mdulos de formao e instrumentos pedaggicos

    Promotores

    ACT

    Natureza dos Apoios

    Tcnico-documental

    Ano de execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    32

    Subprograma 4: Inspeo

    Ao 4.1 Monitorizao nos locais de trabalho

    Objetivos

    Suscitar a adeso das empresas aos objetivos da Campanha atravs das funes de

    informao, conselho e controlo inspetivo nos locais de trabalho;

    Detetar e combater situaes na utilizao insegura de mquinas e outros equipamentos

    de trabalho considerados de alto risco, designadamente nos equipamentos de elevao de

    cargas e de pessoas, nos equipamentos mveis e nos equipamentos para trabalho

    temporrio em altura, tendo em vista assegurar as prescries mnimas de SST;

    Promoo de boas prticas na prestao de servios de SST em empresas que utilizam

    mquinas e outros equipamentos de trabalho;

    Suscitar a interveno dos atores sociais relevantes sempre que se considere necessrio

    tendo em vista a concretizao dos objetivos da Campanha.

    Contedos

    Interveno de informao, conselho e controlo inspetivo nos locais de trabalho no que

    concerne a princpios e tcnicas de preveno de riscos profissionais, em particular os

    riscos associados s mquinas e equipamentos de trabalho bem como os princpios e

    tcnicas de preveno de riscos profissionais;

    Apoio, animao e cooperao com os atores sociais que prosseguem misses no domnio

    da presente Campanha.

    Destinatrios

    Empresas;

    Trabalhadores/Operadores de mquinas e equipamentos;

    Empresas prestadoras de servios de SST;

    Tcnicos de SST.

    Aes - Instrumentos Medidas

    Visitas inspetivas;

    Procedimentos inspetivos;

    Participao em sesses de informao e sensibilizao;

    Divulgao dos suportes de informao.

    Promotores

    ACT

    Natureza dos Apoios

    Tcnico-documental

    Ano de Execuo

    2015

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    33

    Anexo 1: Acidentes de trabalho mortais comunicados e

    objeto de inqurito pela ACT em 2013

    Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela ACT em 2013 (*)

    por tipo de acidente

    Tipo de acidente Mortais

    Nas instalaes 16

    In itinere 18

    Em viagem, transporte ou circulao 23

    Total 57

    (*) os dados foram retirados da base no dia 14 de julho de 2014, pelas 17:30

    Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela ACT em 2013 (*)

    por tipo de empresa

    Tipo de empresa Mortais

    1-9 trabalhadores 13

    10-49 trabalhadores 17

    50-249 trabalhadores 12

    250-499 trabalhadores 2

    500 trabalhadores ou mais 6

    Dimenso desconhecida 4

    Trabalhadores Independentes 3

    Em averiguao 0

    Total 57

    (*) os dados foram retirados da base no dia 14 de julho de 2014, pelas 17:30

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    34

    Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela ACT em 2013 (*)

    por CAE de atividade econmica

    Seo

    CAE Designao Mortais

    A Agricultura, produo animal, caa, floresta e

    pesca 6

    B Indstrias extrativas 1

    C Indstrias transformadoras 12

    D Eletricidade, gs, vapor, gua quente e fria e ar

    frio 0

    E Captao, tratamento e distribuio de gua;

    saneamento, gesto de resduos e despoluio 1

    F Construo 12

    G Comrcio por grosso e a retalho; reparao de

    veculos automveis e motociclos 8

    H Transportes e armazenagem 7

    I Alojamento, restaurao e similares 0

    J Atividades de informao e de comunicao 0

    K Atividades financeiras e de seguros 0

    L Atividades imobilirias 0

    M Atividades de consultoria, cientficas, tcnicas e

    similares 1

    N Atividades administrativas e dos servios de apoio 5

    O Administrao Pblica e defesa; Segurana Social

    obrigatria 3

    P Educao 0

    Q Atividades de sade humana e apoio social 1

    R Atividades artsticas, de espetculos, desportivas e

    recreativas 0

    S Outras atividades de servios 0

    T

    Atividades das famlias empregadoras de pessoal

    domstico e atividades de produo das famlias

    para uso prprio

    0

    U Atividades dos organismos internacionais e outras

    instituies extraterritoriais 0

    TOTAL 57

    (*) os dados foram retirados da base no dia 14 de julho de 2014, pelas 17:30

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    35

    Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela ACT em 2013 (*)

    por tipo de local

    Cdigo Tipo de local Mortais

    000 Nenhuma informao 1

    010 Zona industrial 6

    020 Estaleiro, construo, pedreira, mina a cu aberto 9

    030 rea de agricultura, produo animal, piscicultura, zona

    florestal 5

    040 Local de atividades terciria, escritrio, entretenimento,

    diversos 0

    050 Estabelecimento de sade 0

    060 Local pblico 21

    070 Domiclio 1

    080 Local de atividade desportiva 0

    090 No ar, em altura com excluso de estaleiros 0

    100 Subterrneo com excluso de estaleiros 0

    110 Sobre gua com excluso de estaleiros 3

    120 Em meio hiperbrico com excluso de estaleiros 0

    999 Outro tipo de local de trabalho 11

    Em averiguao 0

    Total 57

    (*) Os dados foram retirados da base no dia 14 de julho de 2014, pelas 17:30

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    36

    Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela ACT em 2013 (*)

    por agente material da atividade

    Cdigo Agente material da atividade Mortais

    00.00 Nenhum agente material ou nenhuma informao

    01.00 Edifcios, construes, superfcies - ao nvel do solo

    (interior ou exterior, fixos ou mveis, temporrios ou no)

    02.00 Edifcios, construes, superfcies, acima do solo

    (interior ou exterior) 2

    03.00 Edifcios, construes, superfcies, abaixo do solo

    (interior ou exterior)

    04.00 Dispositivo de distribuio de matria, de alimentao,

    canalizaes

    05.00 Motores, dispositivos de transmisso e de

    armazenamento de energia

    06.00 Ferramentas manuais no motorizadas

    07.00 Ferramentas sustidas ou conduzidas manualmente -

    mecnicas

    08.00 Ferramentas manuais sem especificaes quanto

    motorizao

    09.00 Mquinas e equipamentos portteis ou mveis 14

    10.00 Mquinas e equipamentos - fixos 6

    11.00 Dispositivos de transporte e de armazenamento 2

    12.00 Veculos terrestres 28

    13.00 Outros veculos de transporte 5

    14.00 Materiais, objetos, produtos, componentes de mquina,

    estilhaos, poeiras

    15.00 Substncias qumicas, explosivas, radioativas,

    biolgicas

    16.00 Dispositivos e equipamentos de segurana

    17.00 Equipamentos de escritrios e pessoais, material de

    desporto, armas, equipamento domstico

    18.00 Organismos vivos e seres humanos

    19.00 Resduos diversos

    20.00 Fenmenos fsicos e elementos naturais

    99.00 Outros agentes materiais no referenciados nesta

    classificao

    Em averiguao

    Total 57

    (*) os dados foram retirados da base no dia 14 de julho de 2014, pelas 17:30

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    37

    Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela ACT em 2013 (*)

    por desvio

    Cdigo Desvio Mortais

    00 Nenhuma informao 12

    10 Desvio por problema eltrico, exploso, incndio 0

    20 Desvio por transbordo derrubamento, fuga,

    escoamento, vaporizao e emisso 0

    30

    Rutura, arrombamento, rebentamento,

    resvalamento, queda, desmoronamento de agente

    material 3

    40

    Perda total ou parcial de controlo de mquina, meio

    de transporte equipamento de movimentao,

    ferramenta manual, objeto, animal 18

    50 Escorregamento ou hesitao com queda, queda de

    pessoa 6

    51 Queda de pessoa do alto 2

    52 Escorregamento ou hesitao com queda de pessoa

    ao mesmo nvel 4

    60 Movimento do corpo sujeito a constrangimento

    fsico (conduzindo geralmente a leso externa) 0

    70 Movimento do corpo sujeito a constrangimento

    fsico (conduzindo geralmente a leso interna) 4

    80 Surpresa, susto, violncia, agresso, ameaa,

    presena 1

    99 Outro desvio 13

    Em averiguao

    Total 57

    (*) Os dados foram retirados da base no dia 14 de julho de 2014, pelas 17:30

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    38

    Acidentes de trabalho mortais comunicados e objeto de inqurito pela ACT em 2013 (*)

    por contacto modalidade da leso

    Cdigo Contato - Modalidade da leso Mortais

    00 Nenhuma informao 6

    10 Contacto com corrente eltrica, temperatura,

    substncia perigosa via inalao, contacto com a

    pele/olhos ou ingesto 0

    20 Afogamento, soterramento, envolvimento 3

    30 Esmagamento em movimento vertical ou

    horizontal sobre / contra um objeto imvel 9

    40 Pancada por objeto em movimento, coliso com

    um objeto em movimento, incluindo veculos -

    coliso com uma pessoa 18

    50 Contacto com agente material cortante 1

    60 Entalao, esmagamento, arranque (seco de

    um membro, mo, dedo), etc. 15

    70 Constrangimento fsico do corpo, constrangimento

    psquico 0

    80 Mordedura, pontap (animal ou humano) 0

    99 Outro Contacto - Modalidade da leso no referida

    nesta classificao 5

    Em averiguao

    Total 57

    (*) Os dados foram retirados da base no dia 14 de julho de 2014, pelas 17:30

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    39

    Anexo 2: Formulrio de Candidatura

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    40

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    41

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    42

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    43

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    44

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    45

  • Campanha de preveno de riscos profissionais em mquinas e equipamentos de trabalho 2015

    46

    Resumo

    Este programa enquadrador um instrumento de execuo de polticas pblicas de segurana e

    sade no trabalho que visa fixar os objetivos e promover a interveno dos atores e a

    sensibilizao dos destinatrios, no domnio da preveno dos riscos profissionais associados ao

    trabalho com mquinas e equipamentos de trabalho.

    Rsum

    Ce programme est un outil pour la mise en uvre des politiques publiques en matire de sant

    et de scurit au travail, qui vise tablir des objectifs et encourager la participation des acteurs

    et la sensibilization des destinataires dans le domaine de la prvention des risques

    professionnels avec les machines et les equipments de travail.

    Abstract

    This program is a tool for implementing public policies for health and safety at work that aims to

    establish the goals and promote the involvement of actors and the information of employers

    and employees in the area of occupational risk prevention associated with machinery and work

    equipment.

Recommended

View more >