caldeira - inspeção

Download Caldeira - inspeção

Post on 06-Jul-2015

216 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

GERAO E UTILIZAO DE VAPOR

Cap. 05

Recepo, Ensaio e Operao

1

RecepoA especificao correta de uma unidade Geradora de Vapor deve partir da encomenda. A recepo oficial de uma caldeira, deve ser acompanhada de uma srie de elementos, como sejam:

Recepoa) Durante a fabricao: ! certificados de qualidade dos materiais empregados na construo da caldeira; ! certificados de testes hidrulicos; ! certificados de exame de soldas eltricas, com raio X, raios gama ou ultrasom; ! certificado de alvio de tenses; ! clculo de dimensionamento das partes solicitadas a presso;

2

Recepob) Durante a montagem: ! verificao da qualidade dos materiais entregues; ! inspeo durante a montagem; ! certificado do teste hidrulico, aps concluso da instalao da caldeira; ! aferio dos instrumentos de medio;

Recepoc) Aps instalao completa: ! preparao da unidade para ensaio finais; ! ensaio de performance (produo de vapor) e eficincia trmica; A inspeo pode ser feita por funcionrio do prprio quadro tcnico do comprador, ou mediante contrato com firmas especializadas. Quando da montagem, deve-se prestar toda ateno para que a caldeira tenha todos os seus elementos instalados de plena conformidade com os projetos.

3

Ensaio de Performance e Eficincia TrmicaA execuo de um ensaio satisfatrio e conclusivo se consegue, mediante uma preparao dos: ! necessrio recursos, de forma a assegurar correta medio do vapor formado, ou de gua consumida; ! medio do ttulo de vapor, ou sua temperatura, quando for superaquecido; ! medio da presso de vapor; ! medio do combustvel, quando slido em peso, quando lquido volume;

Ensaio de Performance e Eficincia Trmicamedio da temperatura de sada dos gases da combusto, do ar, da gua e do combustvel lquido; ! medio do teor de CO2, O2 e CO, nos gases de combusto; ! tiragem na base da chamin; ! determinao das caractersticas do combustvel.!

4

Ensaio de Performance e Eficincia TrmicaA medio do vapor se faz com aparelhos registradores. Quando no se dispe desta aparelhagem, adota-se um tanque de preferncia retangular onde se mede o volume dgua consumido pela caldeira. Ao se medir a produo, pela gua consumida, deve-se ter vrios cuidado tais como: ! eliminao de vazamento na gacheta das bombas, nas vlvulas de segurana do economizador; ! fechamento perfeito das vlvulas de descarga intermitente e contnua.

Ensaio de Performance e Eficincia TrmicaO volume de gua consumido produo de vapor. A medio do CO2, O2 e se processa com o aparelho de orsat, ou aparelhos registradores. A medio da eficincia do combustvel pode ser avaliada por 2 mtodos: mtodo direto e mtodo indireto.

5

Ensaio de Performance e Eficincia TrmicaO mtodo direto consiste em medir quantidades de vapor produzido e combustvel consumido. Desde que se conhecem os demais elementos que caracterizam o vapor e o combustvel, a eficincia se calcula pela expresso:D - descarga do vapor em kg/h hv - entalpia do vapor ta - temperatura dgua de alimentao C pci - poder calorfico inferior do combustvel em kcal/kg B - consumo de combustvel em kg

Ensaio de Performance e Eficincia TrmicaO mtodo indireto apia-se na perda de calor sensvel dos gases da combusto que abandonam a caldeira. A perda de calor sensvel, somada perda de combustvel e irradiao, fornecem a perda total do gerador.

6

Ensaio de Performance e Eficincia TrmicaPt = Pg + Pc + Pi Pg = Vg . Cpm . (ts - tar) kcal/h Vg - volume total dos gases produzidos pelo combustvel, nas condies normais de presso, temperatura Nm3/h Cpm - calor especfico mdio dos gases kcal/m3 hC ts - temperatura de sada dos gases C ta - temperatura do ar C

Ensaio de Performance e Eficincia TrmicaA perda de irradiao dado construtivo e necessariamente indicado pelo fabricante do gerador. A eficincia se estabelece por: j = 100 - p A durao do ensaio de 8 horas para combustveis slidos, e de 2 horas para geradores com leo combustvel.

7

OPERAOUma unidade geradora de vapor deve estar permanentemente em boas condies de operao e preservao. H um mnimo de prescrio que deveriam ser do pleno conhecimento dos operadores de caldeiras: 1 - Inspecionar diariamente o corpo de nvel, promovendo a descarga do indicador de nvel, das torneiras de prova e do prprio corpo de nvel. Quando se constata algum defeito NUNCA SE DEVE INJETAR GUA imediatamente no interior da caldeira. Deve-se apagar o fogo e esfriar a caldeira, para evitar exploses

OPERAO2 - Testar diariamente a vlvula de segurana, constatando se abre e fecha automaticamente sem desprender vapor a presso inferior a sua operao. Esta operao deve ser feita com cuidado para no desnivelar o contrapeso da vlvula. 3 - Descarregar diariamente a caldeira, conforme prescries de tratamento de gua.

8

OPERAO4 - Manter os vidros indicadores de nvel, aparelhos indicadores em geral, perfeitamente limpos, a fim de evitar erros de leitura. Se o vidro de nvel internamente estiver embaado, na primeira parada semanal deve-se limp-lo. 5 - No exceder presso de trabalho da caldeira, para evitar salvas da vlvula de segurana.

OPERAO6 - No caso de operar com leo combustvel, NUNCA APROVEITAR A INCANDESCNCIA DA FORNALHA, para acender novamente (reacender) o queimador. Cada vez que acender o queimador, deve-se introduzir uma tocha. 7 - Extrair uma amostra de gua de alimentao e de descarga diariamente, para controle de tratamento.

9

INSPEOCabe ao departamento tcnico acompanhar o estudo geral da caldeira. Quando o usurio no possui elemento qualificado para proceder a esta inspeo recomenda-se contratar uma empresa reconhecida e especializada. Recomenda-se acompanhar as normas NB - 55.

INSPEO Medidas de SeguranaCaldeiras de Combustveis Slidos Os cuidados a serem tomados ao operar estes equipamentos variam de acordo com as caractersticas dos mesmos. Caldeiras de grande produo de vapor, com muitos dispositivos de controle e segurana, exigem mais do operador. Entretanto, todas as Caldeiras exigem acompanhamento constante. Seguem algumas dessas precaues.

10

INSPEO Medidas de SeguranaAntes de Acender a Caldeira ! Verifica-se o nvel de gua no tanque de abastecimento; ! Verificam-se as posies das vlvulas de entrada de gua na bomba; ! Verifica-se se a bomba est ligando e desligando; ! Drenam-se os indicadores de nvel (garrafa e visor) e testa-se o sistema de alarme; ! Drena-se o distribuidor de vapor e superaquecedor (quando for o caso);

INSPEO Medidas de SeguranaD-se uma descarga de fundo rpido, observase se a vlvula est fechando convenientemente; ! Assegura-se que a quantidade de combustvel, nas proximidades, seja suficiente para a alimentao do fogo durante um razovel espao de tempo (aproximadamente duas horas); ! Ateia-se fogo e, ao alimentar a Caldeira, tomase precaues para evitar danos ao refratrio e grelhas.!

11

INSPEO Medidas de SeguranaNo Funcionamento da Caldeira Quando a presso do vapor estiver prxima presso de trabalho, evita-se o golpe de arete abrindo-se lentamente a vlvula de vapor; Observa-se atentamente o manmetro e o indicador de nvel, ajustando-os, se necessrio, aos padres de segurana; O operador no deve afastar-se do local de trabalho. No recomendado que o Operador da Caldeira execute outras atividades;

INSPEO Medidas de SeguranaProceder a descarga de fundo conforme recomendaes de tratamento da gua; Faz-se as anotaes dirias e verifica-se o funcionamento de todos os equipamentos e acessrios; Evite-se queimar lixo ou outro material estranho, pois pode ocasionar: entupimento das grelhas, superaquecimentos, exploses na fornalha, ... Proceder a descarga manual nas vlvulas de segurana, no mnimo, uma vez por dia;

12

INSPEO Medidas de SeguranaEm caldeiras aquotubulares, limpa-se os tubos com soprador de fuligem; Tanto para caldeiras manuais como automticas, no se deve perder de vista o controle do nvel da gua. Adiciona-se corretamente os produtos para tratamento da gua; Segue-se as instrues CIPA e colabora-se com ela;

INSPEO Medidas de SeguranaMantm-se limpo e em ordem o local de trabalho; Aciona-se o sistema alternativo de abastecimento de gua (injetor/burrinho); Faz-se o controle de tiragem de CO2 da combusto.

13

INSPEO Medidas de SeguranaCaldeiras de Combustveis Lquidos Nas Caldeiras de combustvel lquido, todos os dispositivos para combusto (bombas de leo, ignio, etc.), bombas dgua e os sistemas de bloqueio e alarme, esto ligados a um painel de comando e a um programador. Embora automticos, estes dispositivos podem vir a falhar, reforando a importncia da norma que adverte o operador a no abandonar o seu posto de trabalho.

INSPEO Medidas de SeguranaAntes de Ligar a Caldeira Verifica-se os nveis dos tanques de gua e de leo combustvel; Verifica-se se as vlvulas da rede de leo esto abertas; Liga-se o aquecedor de leo e controla-se a temperatura; Drenam-se os controladores de nvel (garrafa e visor), certificando-se, tambm, de que a bomba esteja ligando e desligando;

14

INSPEO Medidas de SeguranaDrena-se o distribuidor de vapor e a serpentina do aquecedor de leo; Verifica-se o posicionamento dos eletrodos de ignio; Verifica-se o estado das correias do ventilador; Verifica-se o compressor, lubrificao, refrigerao; Ventila-se a fornalha para evitar acmulos de gases explosivos.

INSPEO Medidas de SeguranaNo Funcionamento da Caldeira Quando a presso estiver prxima presso de trabalho, evita-se o golpe de arete abrindo-se lentamente a vlvula de sada de vapor ou distribuidor; Observa-se constantemente os manmetros do leo, vapor e ar; Observa-se constantemente a temperatura do leo; Verifica-se se os depsitos de gua e de leo esto sendo suficientemente abastecidos;

15

INSPEO Medidas de SeguranaObserva-se a lubrificao do compressor; D-se descarga de fundo conforme recomendao do tratamento de gua; Observa-se a