Calagem na cana-de-acúçar - Agência Embrapa de ... ?· ... Extração e exportação de macronutrientes…

Download Calagem na cana-de-acúçar - Agência Embrapa de ... ?· ... Extração e exportação de macronutrientes…

Post on 08-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • Boletim - Dezembro / 2001

    1 - INTRODUO

    O maior desenvolvimento do sistema radicular de uma planta ir refletir inicialmente em maior resistncia seca, maior absoro de nutrientes e conseqentemente maior produtividade. Assim, fatores que influen-ciam no sistema radicular so de fundamental importncia para o sucesso de um sistema agrcola, principal-mente em pases tropicais.

    1.1 Profundidade de enraizamento de diversas culturas

    KOFFLER (1986) comparou a profundidade do sistema radicular de diversas culturas no Brasil e em outros Pases, conforme Tabela 1:

    Tabela 1 - Profundidade do sistema radicular de milho, feijo e cana-de-acar no Brasil e em outros pases.

    Verifica-se que enquanto no Brasil o sistema radicular do milho, feijo e cana apresenta profundidade m-dia de 20, 20 e 60 cm respectivamente, em outros pases as profundidade atingidas para as mesmas culturas so 3 a 8 vezes maiores.

    As maiores profundidades exploradas pelos sistemas radiculares dessas culturas so responsveis por maio-res produtividades alcanadas, portanto, deve constituir objetivo, no manejo das culturas, o maior apro-fundamento do sistema radicular, com o intuito de promover conseqentemente maior resistncia seca e maior produtividade, e no caso da cana, maior longevidade da cultura (MAZZA et al, 1994).

    Calagem na cana-de-acar

  • 1.2. Conceito de adubao

    Na prtica da agricultura, a adubao calculada usando-se a seguinte equao matemtica:

    Adubao = ( Planta - solo ) xf ,

    Onde f o fator de aproveitamento do fertilizantes, corrigindo assim as perdas sofridas nos processos que ocorrem entre a aplicao e a absoro do nutriente pelas plantas, por eroso, lixiviao e volatilizao no caso da urias em superfcie e fixao no caso do fsforo, conforme detalhado a seguir:

    a) Eroso: ocorre um arrasto dos nutrientes pela gua e pelo solo removido no processo erosivo, sendo as perdas quantitativamente equivalente para os macronutrientes primrios.

    b) Lixiviao: a percolao (descida) dos elementos no perfil do solo seguindo para partes mais profun-das, fugindo do sistema radicular.

    c) Fixao: a indisponibilizao do fsforo, devido a sua interao com os colides, tirando-o da soluo do solo.

    d) Volatilizao: a perda qumica da amnia da uria, principalmente quando se aplica uria em superf-cie sobre a palhada de cana.

    pgina 02

  • e) Desnitrificao biolgica do NO3: Nitrato de amnio sobre a palhada em condies de excesso de umi-dade

    f) Queima de palhada: Volatilizao

    1.3. Porcentagem mdia de aproveitamento dos macronutrientes

    Observa-se, portanto, que na aplicao do N-P2O5-K2O so utilizados cerca de 2 vezes mais N, 3 a 5 vezes mais P2O5 e 1,5 vezes mais K2O.

    2 - NUTRIO MINERAL DA PLANTA

    Para quantificar o primeiro parmetro da equao anterior, quatro perguntas se fazem necessrias :O que?Quanto?Quando?Como?

    2.1 O que?

    O primeiro passo no planejamento da adubao saber quais elementos so necessrios para o forneci-mento via adubao para a cana-de-acar, tem-se comprovadamente:

  • Macronutrientes:Primrios ou nobres N - P - K Secundrios Ca - Mg - S

    No existe comprovao de resposta significativa da cana ao uso de micronutrientes, porm a tendncia de resposta ao B, Cu, Mn e Zn, fato esse que j ocorre em algumas regies especficas, como nos tabuleiros tercirios do litoral do nordeste, com exceo do B, que apresenta o fenmeno do sal cclico, isto , ori-undo de respingos da precipitao sobre a gua do mar. Uma das hipteses de no responder ao micronu-trientes provavelmente a sua ocorrncia nos calcrios, principalmente os de origem sedimentar.

    2.2 Quanto?

    Definidos os elementos deve-se saber o quanto deles a planta extrai do solo, conforme apresentado na tabela 2 :

    Tabela 2 - Extrao e exportao de macronutrientes para a produo de 100 t de colmos.

    2.3 Quando?

    A poca de aplicao muito importante no aproveitamento do fertilizante, levando-se em considerao o estdio da cultura, o comportamento do elemento no solo e a idade do canavial ( cana-planta e cana-soca).

    Assim, tem-se:

    * Quando a dosagem de K2O no plantio for maior que 100Kg.ha, deve -se aplicar no mximo 100Kg.h no sulco de plantio, aplicando o restante em cobertura, antes do fechamento do canavial.

  • 2.4 Como?

    Na cana-de-acar a aplicao dos fertilizante se d via solo :

    Cana-planta Pr-plantioSulco de plantioCobertura K2O ( cana de ano e meio) Cobertura N (cana de ano)

    Cana-soca Trplice operao

    3- AVALIAO DA FERTILIDADE DO SOLO

    3.1. Diagnose Visual

    feita uma avaliao visual do estado geral da cultura observando a possibilidade de identificao de sintomas de deficincia ou excesso de nutrientes, principalmente nas folhas.

    3.2. Diagnose Foliar

    Deve ser feita uma amostragem foliar na poca adequada para se ter uma idia do estado nutricional das plantas de um talho e tomar as decises corretas sobre o manejo da fertilidade do solo em questo.

    3.3. Anlise de Solo

    Essa anlise serve para saber em que ambiente a cultura est instalada e como deve ser direcionado o trabalho de correo e adubao do solo visando altas produtividades.

    4 - MANEJO QUMICO DO SOLO

    4.1. Calagem 4.2. Gessagem 4.3. Fosfatagem 4.4. Adubao Verde 4.5. Adubao Orgnica 4.6. Adubao Mineral

    (*) Prticas corretivas - visam aumentar a eficincia da adubao mineral, isto , diminuio do valor de f.

    5 - CALAGEM

    5.1. Acidez do Solo

    A acidez do solo um processo inevitvel, ocasionado pela precipitao pluvial, adubao mineral ( principal - Mente a nitrogenada ) e o prprio cultivo.

    5.2. Benefcio da calagem

    A calagem desempenha papel fundamental no desenvolvimento das culturas, desencadeando deiversas

    (*)

  • reaes no solo de carter benfico s plantas como :

    a) Fornece clcio e magnsio

    O Ca um elemento fundamental no desenvolvimento do sistema radicular, portanto, com a calagem possvel aumentar a quantidade de solo explorado, melhorando a nutrio geral das plantas e diminuindo os efeitos de secas prolongadas e veranicos.

    b) Aumenta a disponibilidade de nutrientes, principalmente do H2PO4 -

    A fixao do Fsforo um grande fator de perda desse elemento, que pode ocorrer de duas formas no solo: precipitao em soluo e adsoro especfica.

    b.1. Precipitao do P em soluo

    O Fsforo que se encontra na soluo do solo sofre precipitao com o AI, o Fe e o Mn, que se encontram livres no solo devido ao pH baixo. Quando corrigido o pH, esses elementos se precipitam e o Fsforo no sofre precipitao e fica na forma disponvel.

    b.2. Adsoro especfica

    c) Insolubiliza os elementos Al +3 , Fe2+ e Mn2+

    d) Aumenta mineralizao da matria orgnica

    Com a mineralizao da matria orgnica, o Fsforo presente nela torna-se disponvel para as plantas. Esse processo de mineralizao ocorre mais rapidamente em solos corrigidos, onde a atividade microbiana mais intensa consumindo oxignio do solo. O Fsforo liberado pela matria orgnica, os fosfo-hmicos

  • so assimil-veis pela raiz e fracamente retidos pelo solo. A matria orgnica mineralizada tambm melhora a agragao do solo e aumenta a capacidade de infiltrao de gua.

    e) Aumenta fixao biolgica so N2 no ar

    Na rizosfera da cana-de-aucar existem bactrias de vida livre, principalmente do gnero Beijerinckai, a qual promove a fixao assimbitica ou livre do nitrognio, sendo que essa fixao tem maior atividade em ambientes com pH por volta de 5,5 a 6,0 , promovendo altas quantidades de nitrognio disponveis para can-planta, sendo que a potencializao dessa fixao pode ser realizada com o aumento do pH, razo pela qual no plantio de cana se emprega baixa dose de N. Salienta-se que essa fixao somente ocorre em cana-planta pela utilizao das mudas ( os toletes fornecem energia), a qual tem alta quantidade de aucar (energia) disponvel s bactrias, aliado ao fato de baixa relao C/N, menor quantidade de raiz em relao cana-soca, que apresenta C/N elevada e ausncia da fonte de energia (aucar) propiciada pela muda. Estima-se que essa associao possibilita fixao de 6,21 Kg.h-1. ano-1 de N na parte area e 79,5 Kg.h-1.ano-1 de N no solo da rizosfera (CARNAUBA, 1990).

    Foto 1: Germinao do tolete em condies propcias a fixao biolgica do N2 do ar.

    Fonte: Prof. Dr. Dodofredo Cesar Vitti

    f) Melhora a agregao do solo (efeito do Ca)

    O clcio um agente floculante, tendo um efeito de agragao do solo, diminuindo seu potencial de compactao.

    Conseqncias da correo do solo :

    1- Aumenta a eficincia da adubao N-P2O5-K2O; 2- Aumenta o sistema radicular;3- Diminui a necessidade de fornecimento de N na cana planta;4- Aumenta a resistncia seca maior absoro de gua e de nutrientes; 5- Melhora a convivncia com pragas de solos (maior sistema radicular) 6- Aumenta a longevidade do canavial;7- Aumenta a produtividade.

    6 - MTODOS DE CALAGEM

  • 6.1 - Fornecimento de clcio e magnsio (BENEDINI, 1988)

  • 6.2 - Elevao da saturao por bases (BOLETIM TCNICO N 100, 1996)

  • 7 - COMPARAO ENTRE OS MTODOS

    7.1 - Doses

    Analisando esse grfico observa-se que em solos mais arenosos (CTC < 5,5 cmolc.dm-3) o mtodo do, Ca e Mg apresenta mais consumo de calcrio, enquanto que em solos mais argilosos o mtodo do V% apresenta maior valor.

    7.2. Crticas ao mtodo do Ca + Mg

    - No leva em considerao a CTC, isto , o poder tampo do solo;- No leva em considerao o equilbrio entre nutrientes; - No leva em considerao a relao Ca/Mg, bem como, a Ca% T e Mg%T;- No separa os teores de Clcio e Magnsio do solo,- No leva em considerao o teor de Alumnio do solo,- No propicia plenamente os benefcios indiretos da calagem:

  • a) Disponibilidade do PNo grfico 3 apresentada a relao entre o pH e a fixao de P, podendo-se observar que a fixao mnima ocorre em valores de pH prximos de 7,0.

    b) Fixao biolgica do N2

    Em pH corrigido aumenta a atividade de microrganismos heterotrficos.

    d) Equilbrio de bases (K, Ca e Mg).

    A calagem, por aumentar a CTC efetiva, ir diminuir a lixiviao de K, diminuindo o K+ em soluo, aumentando a sua adsoro e diminuindo absoro de luxo.

    O efeito da calagem na concentrao de potssio de soluo do solo (extrado de Goedert et alii, 1975), pode ser visualizado na tabela 3:

  • A calagem tambm ir promover o equilbrio entre as relaes Ca, Mg e K do solo. Assim, um solo equilibrado deve apresentar os seguintes valores aproximados para uma saturao por bases de 60%.

    K / CTC + 3 a 5%Mg / CTC = 10 a 15%Ca / CTC = 35 a 40%

    Disso resulta uma relao K : Mg : Ca aproximada de 1: 3 : 9 a 1: 5 : 25, com relao Ca / Mg na faixa de 3,0 a 5,0 / 1, obedecendo srie liotrpica:

    Propicia ao solo portanto, maior efeito agregante, isto , menos compactao. Esse fato torna-se ainda mais importante em solo que recebem continuamente altas doses de vinhaa, podendo levar salinidade do solo, inclusive com deficincia de Clcio na planta, conforme fato ocorrido em rea de uso desse resduo. A anlise desse solo revelou um desequilbrio entre essas bases, ou seja, com valores de :

    K % CTC = 14Mg % CTC = 08Ca % CTC = 22Os reflexos dessa situao puderam ser verificados nos sintomas visuais de deficincia de Clcio conforme apre- sentado nas fotos 1 e 2, levando a baixa produtividade e disperso do solo.

    Foto 2 : Deficincia de Clcio em cana-de-acar

    Fonte : Prof. Dr. Godofredo Csar Vitti

  • Foto 3 : Deficincia de Clcio em cana-de-acar

    Fonte : Prof. Dr. Godofredo Csar Vitti

    e) Adubao potssica em solos com alumnio.

    A tabela 4 est apresentando os efeitos negativos da adubao potssica em solos no corrigidos, revelando diminuio no sistema radicular pelo aumento de doses desse nutriente. Esse fato ocorreu devido ao K+ ter extrado Al3+ da CTC do solo, aumentado o seu teor em soluo, tornando mais disponvel para as plantas de milho doce. Por outro lado, quando da adio de material corretivo Ca(OH)2 e de MgO, observou-se aumento do sistema radicular pela adubao potssica.

  • 7.3. - Sugesto para Recomendao

    7.3.1. Copersucar (93)

    a) Solos arenosos (CTC < 5,5 cmolc.dm-3)

    b) Solos argiloso (CTC >= 5,5 cmolc.dm-3)

    7.3.2 Martins & Cerqueira Luz (Usina So Joo)

    7.3.3. Vitti & Mazza, 1998 (Cosan, Rafard).

    7.3.4. Cana-soca (VITTI & MAZZA, 1998)

    No caso da cana-soca utilizar o critrio de saturao por bases (V=60%) em amostras retiradas na profundidade de 0 a 20 cm, utilizando-se uma dose mxima de 3,0 t/ha de calcrio atravs da seguinte equao:

  • Onde a CTC est expressa em cmolc.dm-3

    8. CONCLUSO

    A adubao da cana-de-acar inicia-se com a amostragem de solo, continua com a aplicao de calcrio e termina com a utilizao do fertilizante.

    4. LITERATURA CITADA

    BENEDINI,M.S. , Novo conceito no uso de calcrio em cana-de-acar, COPERSUCAR, Srie Agronmica, n 16, 1 edio, 1988. 19p.

    BLACK,C.A. Soil-plant relationships,2ND ed.New York, John Wiley & Ons, Inc. 1968, 792p.

    BOLETIM TCNICO N 100 2 edio, RAIJ, B. van.; CANTARELA, H.; QUAGGIO, J.A . & FURLANI, A.M.C., eds. Recomendaes de adubao e calagem para o estado de So Paulo, 2.ed., Campinas, SP, Instituto Agronmico & Fundao IAC, 1996, 285p.

    CARNABA, B.A.A. O nitrognio e a cana-de-acar. STAB. Acar, lcool e Subprodutos, Piracicaba, v.8, n.3/4. p.24-41, jan./abr. 1990.

    GOEDERT, W.J.,SYERS, J.K. & COREY, R.B. Relaes quantidade-intensidade de potssio em solo do Rio Grande do Sul. Pesq. Agrop. Brasi., 10: 31-35, 1975.

    KOFFLER, N.F., A profundidade do sistema radicular e o suprimento de gua s plantas no Cerrado. Piracicaba, POTAFS, 1986. 12p. (Informaes Agronmicas, 33).

    MAZZA, J.A.; VITTI, G.C.; PEREIRA, H.S.; MENEZES, G.M. & TAGLIARINI, C.H. influncia da compactao no desenvolvimento do sistema radicular de citros: sugesto de mtodo qualitativo de avaliao e recomendao de manejo. Revista Laranja, Cordeirpolis, 15 (2): 263-275, 1994.

    ORLANDO F, J. Calagem e adubao da cana-de-acar. In: CMARA, G.M.S. e OLIVEIRA, E.A.M (Ed.) Produo FEALQ/USP Piracicaba, SP p. 133-146, 1993.

    PENATTI, C.P. & FORTI, J.A. Projeto: Calcrio e Gesso em cana-de-acar. Diviso Central de Engenharia Agrcola - Seo de Manejo de Solo. COPERSUCAR, 1993, 79p

    VITTI, G.C. & MAZZA, J.A. Aspectos importantes no manejo da cana-de-acar.FERTIZA/CEA. Piracicaba, SP 3p. 1998, (Folder Tcnico).

    Depto. de Solos e Nutrio de Plantes. ESALQ/USPAv.Pdua Dias, n. 11 - Caixa Postal 09 CEP 13.418-900Piracicaba - SPEmail: gcvitti@carpa.ciagri.usp.br

Recommended

View more >