cairbar schutel - parabolas e ensinos de jesus

Download Cairbar Schutel - Parabolas e Ensinos de Jesus

Post on 21-Oct-2015

38 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Um das mais empolgantes obras do século xx sobre Jesus

TRANSCRIPT

Cairbar Schutel - Parbolas e Ensinos de Jesus

PAGE 2

www.autoresespiritasclassicos.comCairbar Schutel

Parbolas e Ensinos de Jesus

1 Edio - 1928

Composto e Impresso por:Grfica da Casa Editora o Clarim

(Propriedade do Centro Esprita Amantes da Pobreza)

C.G.C. 52313780/0001-23

Inscr. Est. 441002767116

Fone: (0xx16) 282-1066 Fax: (0xx16) 282-1647

Rua Rui Barbosa, 1070 Cx. Postal, 09

CEP 15990-000 Mato SPHome page: http://www.oclarim.com.br

E-mail: oclarim@oclarim.com.br

A MEUS GUIAS

E PROTETORES ESPIRITUAIS

Como poderia eu escrever

os ditames contidos nesta obra,

sem o vosso paternal auxlio?

Aceitai, como uma homenagem

de amor que me ensinastes

a cultivar, os meus melhores

prstimos ao vosso labor.

CAIRBAR

Preito de sincera amizade e gratido ao meu bom companheiro

LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA BORGES

e sua digna esposa

MARIA ELIZA DE OLIVEIRA BORGES

Contedo resumido

Sintonizado com o plano superior, mas tambm com seu lcido raciocnio, o autor analisa os ensinos de Jesus, comenta suas parbolas, trazendo luz para o entendimento da essncia dos textos evanglicos.

SumrioPrembulo

Primeira parte

As Parbolas e a sua Interpretao / 18Parbola do Semeador / 21Parbola do Joio / 24Parbola do Gro de Mostarda / 26Parbola do Fermento / 28Parbola do Tesouro Escondido / 29 A Parbola da Prola / 31Parbola da Rede / 33Parbola da Ovelha Perdida / 35Parbola do Credor Incompassivo / 37Parbola dos Trabalhadores da Vinha / 41Parbola da Figueira Estril / 44Parbola dos Dois Filhos / 50Parbola dos Lavradores Maus Ou Dos Rendeiros Infiis / 52Parbola das Bodas / 59Parbola da Figueira em Vegetao / 64Parbola dos Servos Bons e Maus / 66Parbola das Virgens Prudentes e das Nscias / 68Parbolas dos Talentos e das Minas / 73Parbola da Semente / 79Parbola da Candeia / 81Parbola da Figueira que Secou / 84Parbola do Cego que Guia Outro Cego / 88Parbola do Bom Samaritano / 90Parbola do Amigo Importuno / 94Parbola do Avarento / 97Parbola do Servo Vigilante / 100Parbola dos Primeiros Lugares / 102Parbola da Grande Ceia / 105Parbola da Dracma Perdida / 108Parbola do Filho Prdigo / 110Parbola do Administrador Infiel / 116Parbola do Rico e Lzaro / 120Parbola do Servo Trabalhador / 130Parbola do Juiz Inquo / 132Parbola do Fariseu e do Publicano / 134Segunda parte

Ensinos de Jesus os apstolos / 136As bem-aventuranas um trecho do sermo do monte / 142Pobres de esprito e espritos pobres / 146Mansido e irritabilidade / 148Resignao e indiferena / 150Higiene do corao / 152Luz mortia e sal inspido / 154Os dois testamentos e a revogao da lei / 155O juramento / 158A religio dos homens e a religio de Deus / 160A vida na terra e a vida eterna / 164As duas estradas e as duas portas / 167Os dois fundamentos / 169Jesus e o centurio / 172As duas mortes / 179A tempestade acalmada / 181O maior profeta / 183O esprito de sistema e as novas verdades / 185O sbado e o templo / 189O ensino da religio / 191Jesus anda sobre o mar o pedido de Pedro / 194A tradio e o mandamento / 196Exame das religies / 198O fermento dos fariseus e dos saduceus / 202Imortalidade e religio / 205Reencarnao ou pluralidade das existncias corpreas / 207Pedra rejeitada / 211Trade devastadora ai de vs que negligenciais os preceitos da lei! / 217Odres novos vinho novo odres velhos panos novos e vestidos velhos / 220A f e o amor / 223A transfigurao no Tabor / 225A prova da riqueza / 227Deveres espritas / 229O grande mandamento / 229Os sinais dos tempos / 232A ceia pascoal / 239O precursor do cristianismo / 245Maria de Magdala / 255Monogenia diablica / 263Exploso de mediunidade / 267Salvao pela f / 269Provas da imortalidade, que Jesus deu a seus discpulos / 273A exploso de pentecostes / 277O verbo de Deus / 281O batismo de Jesus e o batismo das igrejas / 284Ascenso espiritual / 295Colquio de Jesus com Nicodemos / 299Os ensinos de Jesus a mulher samaritana / 310O paraltico da piscina / 313A ressurreio - o esprito - a f / 321O po da terra e o po do cu / 328Reconhecimento e gratido / 330A palavra de vida eterna / 334Buscai a verdade e a liberdade / 337O cego de silo / 329Vida e destino / 350As converses na hora da morte / 352Nas pegadas de Jesus / 355O sermo do cenculo / 361Comunho de pensamento / 365Cruz e cruzes / 367Cristianismo e imortalidade / 369Demonstrao da mortalidade a pesca maravilhosa / 373A incredulidade e a realidade do esprito / 376O apstolo Paulo o brado da imortalidade / 378A ressurreio de lzaro / 382Concluso / 390EPSTOLA A JESUS

Mestre e Senhor:

Aps longos anos de lutas e de esforos dedicados difuso da tua palavra redentora, chegamos a realizar uma das nossas maiores aspiraes dar publicidade esta despretensiosa obra, que cremos encerrar os princpios doutrinrios que motivaram a tua vinda a este mundo, e cujo nico escopo dar uma interpretao clara e sucinta da tua inigualvel Doutrina.

O tempo, esse grande iconoclasta que derrui monumentos e devasta metrpoles; que assiste ao ritmo cadenciado do camartelo do progresso, sucesso das geraes e transformao da mais sublimada cincia que ao homem foi dado conhecer, no teve, at agora, poder contra a tua Doutrina sem mcula. Tudo tem passado nestes dois mil anos, na Terra quanto no Cu mas a tua Palavra brilha como um Sol sem ocaso, guiando as ovelhas tresmalhadas, os cordeiros perdidos do Rebanho de Israel porta do aprisco, para restitu-los ao Bom Pastor.

De dcada em dcada, as religies, que no so de tua autoria, sentem diminuir o seu poder, ante os embates da Verdade, que lhes estreita as veredas; as Cincias, de concepo humana, tambm vem esboroar-se, no decorrer do tempo, os seus mais aprimorados dogmas; tudo tem passado como os ventos, as guas e as nuvens que se desvanecem, mas a tua Palavra permanece, os teus Ensinos tomam vulto, os teus feitos se rememoram, mesmo aps sculos e sculos da tua estadia neste mundo.

E ainda, Senhor, o que mais admirvel nos parece, a difuso do esprito dessa Doutrina, no seu monumental complemento, erguendo a nossa Humanidade das regies das trevas para as amenas paragens da Luz da Imortalidade!

Mas, todos esses fatos grandiosos, todo esse movimento acelerador do progresso humano constam dos teus vaticnios, esto previstos no teu Evangelho. Aquelas letras memorveis com que teus Discpulos traduziram o teu pensamento, a eles confiado para que o fizessem repercutir atravs dos sculos e das geraes, a esto, gravadas nas pginas do Livro da Vida, escritas em todos os idiomas e reclamando a ateno de todos, porque, na verdade, chegaram os tempos de cumprir-se a tua Palavra em toda a linha, auxiliada, com todo o poder, pela manifestao categrica dos teus servidores.

Senhor, sabemos que, como prometeste, continuas entre ns, no em matria corruptvel, mas em esprito vivificante, a selecionar as ovelhas do teu rebanho, deixando, esquerda, as que parecem ovelhas, porm mais no so que lobos devoradores. Sentimos a fora da tua grandeza e o poder do teu amor inesgotvel!

Precisamos continuar a receber os influxos das tuas graas, pois, sem eles, nada seremos.

Que o Esprito Consolador, sob teus auspcios, se venha consubstanciar nas elucidaes deste livro, para que ele produza os efeitos desejados.

Que a Vida estenda seus horizontes queles que nos lerem, para que possam entrever seus destinos imortais, Ajuda-os a vencer os abismos, resguarda-os dos inimigos! Que a Milcia Apocalptica, montada em alvos corcis, os auxilie a abater barreiras, a vencer dificuldades, a destruir empecilhos, para que gozem do teu imaculado aconchego!

Recebe, Senhor e Mestre, o mais intenso tributo de gratido e de amor.

CairbarPREMBULOA luta entre o esprito e a matria, parece vir de tempos imemoriais.

Basta passar um relance de vistas na Histria para que nos convenamos das transformaes sucessivas por que vem passando o nosso mundo, acionado sempre pelas Potestades Superiores, s quais est afeta a direo do nosso planeta.

E justamente quando o jugo se torna mais pesado, quando o carter se deprime, quando a materialidade invade e domina a famlia e a sociedade, que os seres invisveis acentuam a sua ao, para ganharmos, na senda do progresso, o tempo perdido em vos holocaustos, que s serviram para assinalar nosso atraso espiritual!

Foi numa poca semelhante nossa, em que a Humanidade havia descambado para o terreno acidentado do fanatismo, da superstio e do materialismo, que o Cu se fez ouvir pelo seu maior Expoente, pelo seu mais ldimo Representante.

Foi nessa poca que se encarnou entre ns o grande Esprito que conhecemos por Jesus Cristo.

Enviado com determinada misso, Divino Messias, desde o seu nascimento, manifestou poderes superiores, que o exaltaram, nos momentos de dvidas e vacilaes quanto sua real grandeza, aos olhos dos que o cercavam.

Todos esses fatos, tidos como miraculosos pela ignorncia, popular e pelo autoritarismo clerical, no eram mais do que provas objetivas dos atributos do Esprito, magnificamente sintetizadas no Filho do Homem.

As vozes dos augrios, os cnticos, as revelaes, as manifestaes em sonhos, as materializaes, as maravilhas diversas, os fatos de ordem psquica e extra-sensorial narrados nos Evangelhos, constituem o carter positivo da Religio de Jesus Cristo.

A Palavra do Cristo, em todos os seus princpios e sancionada pelo Esprito, afirma a Vida alm-tmulo, a sobrevivncia do Homem aps a transio que chamamos morte.

por este distintivo que ela se tornou querida e respeitada at mesmo dos negadores mais renitentes.

No o timbre moral da Doutrina que faz os adversrios curvarem a cerviz ante a Palavra de Jesus, mas, sim os fenmenos de ordem fsica e intelectual que reluzem nas pginas dos Evangelhos, fatos que

View more