caesp – filosofia – 2a e b – 20/05/2015 immanuel kant – aula 02

Download CAESP – Filosofia – 2A e B – 20/05/2015 IMMANUEL KANT – AULA 02

Post on 07-Apr-2016

220 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Terceiro - Histria - 1A - Aula 03 - 20/02/2015

CAESP Filosofia 2A e B 20/05/2015Immanuel kant aula 021Immanuel Kant (1724 - 1804):Proposta filosfica principal: superar a disputa entre a Racionalismo (Metafsica) e o Empirismo.Superao atravs da sntese que equilibre cada uma dessas posturas, ou seja, encontrar o que cada uma dessas duas propostas tinha de melhor e mesclar de forma coesa na construo de uma nova forma de pensar.2Caractersticas gerais do pensamento moderno:A razo, utilizada atravs de um mtodo correto, conduziria ao conhecimento verdadeiro (seguro).A garantia de veracidade e de segurana do saber no est externo ao conhecimento, no est dada pela tradio religiosa.A razo promover o desenvolvimento cientfico, tcnico e artstico, que levar a uma melhoria da vida em sociedade.A melhoria da vida social seria a conduo da humanidade para um mundo de verdade, justia e paz.3Crtica da razo: necessrio inicialmente estabelecer os limites daquilo que pode ser conhecido atravs da razo. Essa a crtica dela, o estabelecimento dos limites da sua abrangncia e da sua capacidade de conhecer e explicar.Hume como a ruptura com o racionalismo dogmtico: inicialmente, Kant est baseado no racionalismo dogmtico (a razo capaz de explicar a tudo) e advoga que a razo capaz de fornecer o conhecimento seguro das causas naturais do mundo. Porm, ao conhecer a crtica da causalidade de Hume (a causalidade como algo criado mentalmente, mas que no pode ser observado de fato), ele passa a ter a necessidade de incluir o Empirismo no seu pensamento e equilibrar com o Racionalismo fugindo do dogmatismo.4Projeto filosfico kantiano:O que possvel de ser conhecido (limites da razo)?O que deve ser feito (a tica e o dever fazer)?O que pode ser esperado (f e esperana)?O que o ser humano (unificao para conhecimento do si mesmo e dos outros)?5Crtica da razo pura: os juzos.Teoria do conhecimento: como so conhecidos os objetos do saber. So as possibilidades do ato de conhecer, ou seja, o modo pelo qual a razo funciona e seus limites no ato de conhecer.Juzos analticos (inatos): so conhecimentos (juzos) que inatos, fornecidos atravs da experincia mais simples e lgica, so universais e necessrios, e no so capazes de construir conhecimento novo.6Crtica da razo pura: os juzos.Juzos sintticos (dados pela experincia): so conhecimentos construdos atravs da experincia e capazes de construir conhecimentos novos, porm, eles no so universais, posto que dependem da experincia e da apreenso sensorial do mundo, assim, podem variar conduzindo, no mximo, s generalizaes.Juzos sintticos a priori (condies e possibilidades da experincia): so independentes da experincia, mas esto formando a base de onde o entendimento sobre a experincia deriva ou construdo. 7Crtica da razo pura: os juzos.Necessidade relacional entre o sujeito e os objetos de conhecimento: isso pode nos parecer muito bvio e, at mesmo, simplista, mas quando colocamos que o sujeito de conhecimento est em relao com o objeto de conhecimento, trazemos o sujeito para ser conhecido tambm e mais, estabelecemos que as concepes do sujeito influenciam na forma de conhecer.8Crtica da razo pura: sensibilidade e entendimento.Sensibilidade: a sensao como base da experimentao do mundo.Entendimento: a funo mental racional sobre as informaes apreendidas da relao entre o sujeito e os objetos.Esttica transcendental: a forma mais bsica de experincia sensvel para Kant ser a que nos transmite as noes de espao e tempo que so simplesmente intudas da relao entre os seres humanos e a realidade sensvel. Assim, estabelece essas duas como as categorias mais bsicas da experincia emprica.9Crtica da razo pura: sensibilidade e entendimento.Analtica transcendental: as categorias so os conceitos puros, aqueles que formam a base para a construo de qualquer forma de conhecimento. Unidade sinttica da apercepo (sntese cognitiva) e Esquematismo: a unio da apreenso pela sensibilidade com o entendimento, ou seja, a intuio e as categorias, permitem a construo de esquemas que permitem o entendimento e a construo do conhecimento. Os esquemas so organizaes do saber nascidas da anlise transcendental (categorias) sobre a esttica transcendental (experincia sensvel).10Juzos e categorias:Quantidade:Universal UnidadeParticular PluralidadeSingular TotalidadeQualidade:Afirmativo Realidade (Regra)Negativo Negao (Excluses e Excees) Limitativo Limitao (Delineamento)

11Juzos e categorias:Relao:Categrico Substncia (permanente) e acidente (temporrio)Hipottico Causalidade e DependnciaDisjuntivo Opes (alternativas) de ligaesModalidade: Problemtico Possibilidades (Probabilidades)Assertrico Existncia e InexistnciaApodtico Necessidade (de existncia) e Evidncia

12Caminho da construo do conhecimento (deduo transcendental):Sequncia de experincias empricasOrganizao racional e esquemtica das experincias.Construo da unidade do conhecimento atravs dos juzos e das categorias.13Prof. Heleno Licurgo do Amaral Muito obrigado!Tenham um bom dia!14

Recommended

View more >