caderno linha azul 14 de novembro 2014

Download Caderno Linha Azul 14 de novembro 2014

Post on 06-Apr-2016

230 views

Category:

Documents

11 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal O Estado (Ceará)

TRANSCRIPT

  • Linha Azul FORTALEZA - CEAR - BRASILSexta-feira, 14 de novembro de 2014

    O Senhor j ouviu a minha splica, o Senhor aceitar a minha orao (SALMOS 6.9)

    Inaugurando o OFF OUTLET em Caucaia, primeiro outlet do Cear, autoridades com a diretoria do empreendimento cortam a fita de inaugurao do mais novo polo comercial do Estado.

    IRATU FREITAS

    OUTLETOFF

    BS DESIGNEmpresrio Beto Studart em frente a

    maquete do mais novo empreendimento da BS PAR, o BS DESIGN CORPORATE

    TOWERS, que vai revolucionar o mercado de imveis comerciais da nossa Cidade.

  • 2LINHA AZUL

    EDITORA: Wanda Palhano COORDENAO GERAL:

    Soraya de Palhano COLABORAO: Iratu Freitas PROJETO: Kelton Vasconcelos DIAGRAMAO E ARTE FINAL: J. Jnior e Rafael F. Gomes

    EXPEDIENTE

    IAN GOMESian.gomes2008@gmail.com

    comum fazermos uma avaliao de como est a vida. E, com a aproxi-mao do final de ano, isso fica mais evidente. o momento de avaliaes e decises. E, tomar deciso no tarefa das mais fceis seja em qualquer perodo. O ano termina, chega outro e, o dilema ou os muitos questionamen-tos n os acompanham. Isso geralmente acontece por que preferimos a segu-rana, o conforto e, relutamos para a aventura, para satisfazer aqueles dese-jos que martelam o juzo por toda uma existncia. Seria to bom que a gente no esperasse uma nova forma de ver a vida mudana do calendrio. Afinal, para chutar o balde no necessrio uma data. Pode ser at agora. J!

    CONVERSANDO A GENTE SE ENTENDE

    MATUSAHILA SANTIAGOmatusahilasantiago@hotmail.com

    Quando z a faculdade de letras na UECE, li na biblioteca da mesma, uma crnica de Humberto de Campos na qual ele falava sobre as di culdades que uma mulher sozinha en-frentava na vida. O renomado escritor nasceu no sculo XIX.

    Antigamente se cava viva, o pai ia busca--la e a con nava em casa juntamente com os lhos. Separar-se nem pensar, era uma verda-deira tragdia, seria marginalizada. Desquita-da, divorciada era um deus nos acuda, era um perigo vista para todas as mulheres que passavam a ver nelas um perigo iminente de perder o marido e a felicidade conquistada.

    O tempo foi passando, ns mulheres fomos conquistando nosso espao em todas as re-as e eu pensava que aquele julgamento de Humberto de Campos havia se esgarado no tempo e j nem existisse mais e eis que de repente leio na revista poca uma crnica de Walcyr Carrasco, o que parecia um plgio de Humberto de Campos.

    Tenho que dar crdito porque este cronista um escritor de telenovelas e como tal um ob-servador cabal do mundo e de suas mazelas.

    Todos os receios de antanho delineiam-se quais os do nal do sculo XIX. Ns, mulheres atuais, mesmo tendo avanado em conquis-tas vitais para nossa sobrevivncia no alcan-armos a abertura de mente e nem perdemos o preconceito. O homem tambm estagnou no tempo, continua no sc. XIX.

    Ele a rma, categoricamente, que mulher que ca sozinha ou qualquer uma que esteja no preo no mais ser convidada para chur-rascos por temor de roubarem os maridos alheios, e ainda h a pretenso dos homens acharem que elas esto disponveis.

    Discriminada pelas amigas, alvo constante de cantadas, ela se sente marginalizada pela sociedade. E qual o preconceito nesta rea ou em qualquer rea, ele continua discriminando por todos ou por grande parte, apenas ca-mu ado por fora da Lei, cerceia-se a lngua, esta a verdade.

    Infelizmente em pleno sc. XXI quando tan-ta cousa no mundo evoluiu, nossa mentalida-de continua primitiva! Fazer o qu? Os precon-ceitos so encarados pela lei, mas continuam latentes em nossa mentalidade cultural e, no sc. XXII tudo continuar como dantes, na casa do Abrantes!

    NADA MUDOU..

    Variedades

    Toque Social

    A tua salvao espero, SENHOR!GNESIS 49 : 18

    XITO - A Magis Incorpora-es est entre as seis construto-ras que se desta-caram em neg-cios neste ano e, receber premia-o da Cooperati-va da Construo Civil do Estado (Coopercon).

    EXPANSO - O Shopping Paran-gaba, em menos de um ano de fun-cionamento abrir novas lojas, ainda este ms informa Leonardo Franco, superintendente do Shopping.

    TALENTO - O artista plstico

    Roberto Galvo foi homenageado na Casa Cor Cear 2014 pelos seus 50 anos de carreira.

    CONSCI-NCIA - Com a presena da can-tora Elba Ramalho, o Movimento em Favor da Vida - Movida realiza, dia 23, deste ms a Marcha pela Vida, na Av. Beira Mar, a partir das 16h.

    CULTURA - O Instituto Unio de Arte Educao e Culturas Populares, realiza de 20 a 23 deste ms o III Fes-tival Internacional de Folclore.

    FORTALEZA - CEAR - BRASILSexta-feira, 14 de novembro de 2014

    LANAMENTO BS DESIGNTrazendo as iniciais de seu idealizador, Beto Studart, a BSPAR Incorporaes lanou para a imprensa e con-vidados, o BS Design Corporate Towers. Em uma rea de 10 mil m, localizado no corao da Aldeota nan-ceira e comercial, o edifcio trar itens inditos no mercado de imveis comerciais da capital cearense. o

    primeiro edifcio comercial da cidade com conceito A+, caracterizado pela inteligncia e alto padro arquite-tnico capazes de reunir em um nico empreendimento o mais alto nvel de tecnologia, segurana e confor-to. Com duas torres e 21 pavimentos, onde esto distribudas 708 salas comerciais e 18 lajes corporativas, que vo de 22m a 326m, o empreendimento foi planejado utilizando o Building Information Model, metodo-logia inovadora que simula todo o processo de construo, possibilitando a compatibilizao de todos os

    projetos. Ele possuir, tambm, Pr-Certi cado LEED selo que orienta e atesta o comprometimento de uma edi cao com os princpios da sustentabilidade para a construo civil.

    Ricardo Ary, Moelma Costa, Beto Studart, Renata Santos e F bio Albuquerque Apresenta o do empreendimento

    Beto Studart e Solange Palhano

    Giacomo Brayner, Moelma Costa, Renata Santos e F bio Albuquerque

    Adriano Nogueira e F bio Albuquerque

    Apollo Scherer e Hamilton Cavalcante

    Beto Studart e P dua Lopes

    Moelma Costa e Raquel BotelhoJackson, Yuri Fontenele e Hamilton Cavalcante

    Neila Fontenele, Edson Barbosa e Magda do Vale

    Daniel Arruda e Marcus Novais

    Beatriz Cavalcante e Nath lia Bernardo

    Egidio Serpa, Walder Ary J nior e Ricardo Ary

    F bio Albuquerque, Moelma Costa, Renata Paula, Valman Miranda, Renata Santos e Daniel Arruda

    Beto Studart e Adriano Nogueira

    Pompeu Vasconcelos e Ricardo Ary

    Emanoel Bruno e Mara Cristina

    Regina Jereissati e Beto Studart

    ngela Cavalcante, Regina Ribeiro e Mauro CostaAlfredo Marques, Sonia Bayma, LC Moreira e Nely de Carvalho

    Alfredo Marques, Nazareno Albuquerque e Louro Maia

    Ciro Thomaz, Jocasta Pimentel, Isabela Martin e Dina Sampaio

    FOTOS: IRATU FREITAS

  • Cirurgio plstico Daniel Dias inaugura sua nova clnica

    J ssica Guimar es, Karen Lima e Alana Fontenelle

    Marina, Larissa Monteiro e Roberto Welton Gustavo, Nath lia, Bruna e Fabiano

    Gilma Echeverri, Nelly Echeverri, Laura, Paula e Ricardo Ochoa

    Davi, Lucca, Erica, Arthur, Asny, Michelle, Alexandre, Renato, Daniel Carol, Tiago e Juliana

    Joe, Emilia, Emylly e Miguel

    B rbara Cec lia e Amanda Marinho

    Danielle Maciel e Rafaell Lima

    Beatriz Silveira e Isaac TorresDiego Brasil e Thais Bezerra

    Ruben DuranteBenedito Alvez e Katharine Vasconcelos

    Haviv Nogueira e Carlos Andrade Esner Magalh esAnna Harzaroto, Nora Barbi e Justin Delattre

    3FORTALEZA - CEAR - BRASILSexta-feira, 14 de novembro de 2014LINHA AZUL

    A quem tenho eu no cu seno a ti [Deus]? E na terra no h quem eu deseje alm de ti (SALMOS 73.25)

    NOS PASES DESENVOLVIDOS O DIREITO a educao levado a srio, uma minoria da populao frequenta as escolas privadas. Se uma criana estiver na rua no horrio escolar nos EUA, a polcia a recolhe e vai em sua residncia tomar satisfao de seus pais. Aqui no Brasil no h escola su ciente para as crianas, e o ensino pblico na maioria das escolas de pssima qualidade, mas no por falta de verbas como todo mundo pensa e sim da m-gesto do dinheiro pblico e desvios. Os educadores denunciam que no h pro s-sionalismo na indicao de gestores e sim colocao poltica. Para se ter ideia de 2007 a 2013, o volume de verbas distribudas pelo Fundeb para municpios que no tem o mnimo de recursos para bancar R$ 2.285 por aluno, saltaram de R$ 67 bilhes para R$ 116 bi-lhes. Mesmo com o aumento signi cativo desta verba, a maior parte dos estados bene ciados no atingiu a mdia nacional do ndice de Desenvolvimento do Ensino Bsico (Ideb). Alm da m-gesto, tais recursos tambm so alvos do crime de corrupo. O relatrio da Controla-doria-Geral da Unio (CGU) mostrou que dos 180 munic-pios scalizados, 73% desviaram verbas. De nada adianta a conquista do aumento de verbas para a educao com a Lei dos Royalties do Pr-Sal, que segundo a Consultoria Legislativa da Cmara dos Deputados, ser de R$ 364,5 bilhes, se houver a continuidade da m-gesto como tambm o desvio de verbas com a corrupo.

    NotasSOLANGE PALHANO

    solangepalhano@oestadoce.com.br

    PALESTRA

    PALESTRA II

    S SABE O QUE RUIM QUANDO SENTE NA PELE

    DIA DO MAU HUMOR

    O CENTRO UNIVERSITRIO ESTCIO DO CEAR (ESTCIO FIC) hoje, uma palestra com o escritor, educador e deputado federal Gabriel Chalita. O evento acontece no Centro de Eventos do Cear, com tema Inteligncia Alpha. O objetivo re etir sobre a complexidade das mltiplas inteligncias e so-bre as possibilidades de aprendizagem que todo aluno possui. So esperados 1.500 participantes entre alunos, docentes, egressos e convidados. Dentre as autoridades estaro presen-tes o diretor da Regional Nordeste da Estcio, Elisio Alcntara Neto; a Reitora do Centro Universitrio Estcio do Cear, Ana Flvia Chaves; a pr-reitora de Graduao, Adriana Ponte; pr--reitora de Ps, pesquisa e Extenso: Leticia Adriana; pr-reitor do Administrativo Fina