caderno linha azul 08 de agosto 2014

Download Caderno Linha Azul 08 de agosto 2014

Post on 02-Apr-2016

229 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal O Estado (Ceará)

TRANSCRIPT

  • Linha Azul FORTALEZA - CEAR - BRASILSexta-feira, 8 de agosto de 2014

    Ora, sem f impossvel agradar-lhe; porque necessrio que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que galardoador dos que o buscam

    (HEBREUS 11 : 6)

    ENCONTRO DOS TRIBUNAIS DE CONTAS

    Aconteceu, no Centro de Eventos do Cear, o IV Encontro Nacional dos Tribunais de Contas e sesso especial pelo transcurso dos 60 anos do TCM-CE e lanamento do livro Tribunal de Contas dos Municpios do Estado do Cear: 60 anos de histria. O presidente da Associao dos Membros dos Tribunais de Con-tas do Brasil, ATRICON, conselheiro e Valdecir Fernandes Pascoal e o presidente do Tribunal de Contas do Municipios do Cear TCM-CE, Conselheiro Francisco Aguiar foram os anfitries do evento. O clic traz as autoridades que estiveram presentes na solenidade de abertura do Encontro. Pg. 5

  • 2LINHA AZUL

    E D I TO R A: Wanda Palhano C O O R D E N A O G E R A L :

    Soraya de Palhano COLABORAO: Iratu Freitas PROJE TO: Kelton Vasconcelos DIAGRAMAO E ARTE FINAL: Wevertghom e J. Jnior.

    EXPEDIENTE

    IAN GOMESian.gomes2008@gmail.com

    comum encontrar pessoas buscando a frmula mgica para ser feliz. Tem quem faa cursos, compre livros, v a cartomantes. bvio que no existe receita. Isso pode ser perda de tempo. Na realidade, estamos bem quando somos ns mesmos. Estamos bem quando no nos preocupamos com o julga-mento alheio. Ser autntico e aceitar que es-tamos o tempo inteiro em transformao um passo para entender a felicidade. preciso ter convico de que no somos, na verdade estamos. Em vez de competir, mais saudvel cooperar, pois a troca muito mais inte-ressante do que a competio. E, assim, em atitudes simples a felicidade surge, sem a necessidade de sair procurando.

    CONVERSANDO A GENTE SE ENTENDE

    MATUSAHILA SANTIAGOmatusahilasantiago@hotmail.com

    Meu pai possua um alma naturalista. Ama-va e admirava sobremaneira o mundo animal. Quando ramos crianas comprou uma coleo do mundo animal e descrevia a inteligncia das aves, dos insetos, dos peixes. Achava a ao do predador de uma argcia indescritvel!

    Em casa criava oito cachorrinhos. Sete eram de uma raa albanesa, presente do escritor Lauro Ruiz de Andrade, e o oitavo era um lindo co ne-gro, como a grana, que por acaso caiu de uma mudana. Estando na rea ele viu o cachorrinho cair totalmente tonto sem saber para onde ir.

    Ao ver que ningum iria socorr-lo, ele foi e o trouxe para casa. Deu-lhe o nome de Veludo em homenagem ao poema de Lus Guimares Jnior (Histria de Um Co). Este iniciava assim: Eu tive um co, chamava-se Veludo/magro asqueroso, revoltante, imundo/ Para dizer numa palavra tudo/Foi o mais feio co que existiu no mundo/ Recebi--o das mos de um camarada, e, o poema con-tinua porque bem longo. uma histria muito triste e reafi rma a fi delidade de um co.

    Todos os dias ele os punha nas coleiras e saa passeando com eles (todos). Comprava queijo, bolo, alm de um alimentao saudvel que ele no dispensava. Dava vitaminas tudo o que ha-via de melhor. Mas o Veludo era o Veludo!

    Quando j no podia lev-los para caminhar, levantava-se pela manh chegava ao porto onde eles fi cavam e ia abenoando de um por um. Ele dizia: Deus te abenoe (nego-vi), pas-sando a mo na cabea de cada cachorrinho.

    Passou-nos a responsabilidade de qu quan-do nos dispomos a criar um animal qualquer ou cultivarmos uma planta em casa, temos obriga-es para com esta adoo ou com este ato.

    Tambm tive um co. No era pequeno, era mdio porte, e, como iria mudar-me para um apar-tamento no poderia lev-lo. No d para contar minha angstia ao desfazer-me dele, em outra ocasio narrarei. Como roguei a Deus uma solu-o! Deus ouviu-me, e enviou a desembargadora Gisela Nunes da Costa em forma de anjo para ampara-lo e am-lo por mim. Deus a abenoe.

    NATURALISTA

    Variedades

    Toque Social

    A tua salvao espero, SENHOR!GNESIS 49 : 18

    FORTALEZA - CEAR - BRASILSexta-feira, 8 de agosto de 2014

    PALESTRAA Be Happy, operadora de turismo, realizou no auditrio da Livraria Cultura, uma palestra para apresentar o universo

    de cores, sabores e aromar da ndia. No script: fala da empresria Cely Sena sobre a ndia, palestra dos professores Helder Lima e Ananda Kaur sobre meditao e Yoga, alm da degustao de comidas e bebidas indianas.

    IRATU FREITAS

    ELEIES - O Tribunal Regional Eleitoral do Cear j comeou a dis-tribuio de 17.800 urnas eletrnicas para as zonas elei-torais do interior do Estado.

    MODA - A KOKID jeans lana, amanh, sbado, o preview de Ve-ro 2015.A leveza, colorido e sensuali-dade so algumas das caractersticas dessa coleo.

    DEVERES - Termina, hoje, sexta, V Encontro da Magis-tratura, do Ministrio Pblico e da Defenso-ria Pblica da Criana e do Adolescente do Estado do Cear.

    PREVENO - Em comemorao ao Dia Nacional da Sade, o Del Paseo realiza at amanh, sbado, atividades como exames de glicemia e aferio de presso. Alm de sor-teios e degustaes.

    Roberta Riviane, Daniele Souza e Cl bia Sabino

    Luci Lopes e Dalip Sing

    Izabel Ros rio e Ana Maria

    Francisca Arrais e Geovana Maraschin

    Cely Sena e Laura Rodrigues

    Izabel Ros rio com Monalisa Dalmas e Iasmine Dalmas

    Helder Lima, Cely Sena, Narayan M dici e Ananda Kaur

    Tamires Cruz, Victor Costa e Raquel Vaz

    Raquel Amapos e Rosane Campos

    Josiel Lima e Souza Neto

    Irene Barbosa e Patrcia

    Eduardo Galdino, Solange Benvindo e Pedro Leornes

    Alexandrina Martins da Silva e Marlene Larsen

    Vera Bernardi e Fabrcia Barros

    Alessandra Pontes e S mia Pantoja

    Alaisa Lira Cely Sena, da Be Happy, em seu discurso M rcio Martins

    Silmara Meira e Daniel Freire Stela Ara jo e M rcio Macedo Victor Costa e Michele Pinto

    LEMBRANA - A CAIXA Cultural For-taleza apresenta o show O canto Sagrado 70 anos de Clara Nunes, interpretado pela cantora paulistana Fabiana Cozza, de 14 a 17 deste ms.

  • 3FORTALEZA - CEAR - BRASILSexta-feira, 8 de agosto de 2014LINHA AZUL

    A quem tenho eu no cu seno a ti [Deus]? E na terra no h quem eu deseje alm de ti (SALMOS 73.25)

    ngela Teixeira e Adriana Gurgel com Francisco Campelo Solange Palhano, Francisco Campelo e Adriana Gurgel Montiele Arruda, Francisco Campelo e Erika Martins

    Leonardo Holanda, Tota Ricardo, Alan e Aline Nogueira Leo Aguiar, Montiele Arruda, Tayra Romcy, Venusia Ribeiro e Francisco Campelo

    Adriana Gurgel e Adriana Ximenes

    Beatriz e Jane Peixoto

    Manuela Figlioulo e Isabela Otoch

    Adriana Gurgel e Mauro Ara jo

    Erica Oliveira e Marina Baquit

    Lourdes e Rafael Marques

    Dj Fill

    Com um coquetel animado pelo Dj Fill as empres-rias Adriana Gurgel e ngela Teixeira inauguraram a loja Liquido, na Eduardo Garcia. Francisco Campelo foi o co-anfi trio da noite.

    COQUETEL

  • Deus o meu rochedo, nele confi arei; o meu escudo, e a fora da minha salvao, o meu alto retiro, e o meu refgio. meu Salvador, II SAMUEL 22 : 3

    Raramente a verdade pura, e nunca simples.

    Oscar Wilde, escritor ingls, 1854-1900

    A edio publicada neste ano de 2014 da pesquisa Empresa dos So-nhos dos Jovens realizada pela Cia. de Talentos, em parceira om a Nex-tView People, abrangeu 52 mil jovens brasileiros, com idade entre 17 e 26 anos, todos com formao em anda-mento. A eles foi perguntado, entre ou-tras coisas, quais os lderes que mais admiravam no Brasil e no mundo.

    O que chamou a ateno nessa enquete foi a reao negativa: 54% dos jovens responderam que no admiravam nenhuma figura pbli-ca ou empresarial. Aqui e l fora. A maioria, portanto, no tinha ou no enxergava - em quem se espelhar. No viam referncias positivas nas fi-guras que esto a a liderar o pas, os grandes negcios e o mundo que se contorce para que no corram confli-tos mundiais, pois h a propagao

    malfazeja no Oriente Mdio, com a perene disputa entre judeus e pales-tinos, alimentada por vendedores de armamentos de ltima gerao.

    Ao mesmo tempo, a Rssia as-sume, hoje, posio voluntariosa e firme pelo esforo na anexao de pases ou regies - que deixaram de fazer parte da Unio das Rep-blicas Socialistas Soviticas, a anti-ga URSS, desfeita no comeo dos anos 1990. E o faz lastreada por suas reservas de petrleo e gs ne-cessrias Europa, China e Co-reia do Norte. Ainda, at agora, no se falou em ideologia. O sentido da luta hegemonia, poder, estratgia e visibilidade internacional. Alm dis-so, h a no resposta sobre o desa-parecimento de um avio comercial e, logo em seguida, o ataque por mssil terra-ar de outro avio, ambos da Malasya Airlines. Afinal, para que servem os satlites que nos vigiam a todos? H mistrio e desencanto que, certamente, influram nas no respostas dos jovens.

    O que isso quer dizer? Vrias coi-sas. A primeira o desencanto com as figuras centrais da poltica nacio-nal, da gesto de negcios pblicos aos privados. A segunda, que faltam exemplos de boas prticas e condutas. 28.060 disseram no ad-miram nenhum lder. A palavra lder pressupe algum com caractersti-cas de credibilidade, entre elas, ho-nestidade, consequncia no dizer e fazer, exemplo e carter.

    No mbito mundial, o mesmo pode ser referido dos lderes que hoje tm um aparato de segurana que os torna prisioneiros de seus prprios subordi-nados e os faz distantes dos que os elegeram, no caso das democracias. No caso das no democracias o que importa, no momento, o desempe-nho econmico, o poderio e a propa-ganda da decorrente. Posso, sou.

    No vou enumerar os nomes dos lderes que foram escolhidos pelos 46% (25.920) que optaram por opinar. E no o fao em respeito aos que, maioria (54%), refl ete o desencanto

    da nossa juventude com uma socie-dade de valores destorcidos e mutan-tes. A vida precisa ter um signifi cado, uma funo social e no o amontoado de escndalos, crimes por questes banais, a proliferao do