Bullying um termo utilizado para descrever atos de violncia fsica ou psicolgica

Download Bullying  um termo utilizado para descrever atos de violncia fsica ou psicolgica

Post on 03-Jul-2015

164 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Bullying um termo utilizado para descrever atos de violncia fsica ou psicolgica, intencionais e repetidos, praticados por um indivduo (do inglsbully, "tiranete" ou "valento") ou grupo de indivduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indiv duo (ou grupo de indivduos) incapaz(es) de se defender. Tambm existem as vtimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agresses, porm tambm so vtimas de assdio escolar pela turma.

TerminologiaDevido ao fato de ser um fenmeno que s recentemente ganhou mais ateno, o assdio escolar ainda no possui um termo especfico consensual[1], sendo o termo em inglsbullying constantemente utilizado pela mdia de lngua portuguesa. Existem entretanto alternativas como acossamento, ameaa, assdio, intimidao'[2]', alm dos mais informais judiar e implicar"[3], alm de diversos outros termos utilizado pelos prprios estudantes em diversas regies.

[editar] Caracterizao do assdio escolar"Acossamento",[4] ou "intimidao" ou entre falantes de lngua inglesabullying um termo frequentemente usado para descrever uma forma de assdio interpretado por algum que est, de alguma forma, em condies de exercer o seu poder sobre algum ou sobre um grupo mais fraco. O cientista sueco - que trabalhou por muito tempo em Bergen (Noruega) - Dan Olweus define assdio escolar em trs termos essenciais:[5] 1. o comportamento agressivo e negativo; 2. o comportamento executado repetidamente; 3. o comportamento ocorre num relacionamento onde h um desequilbrio de poder entre as partes envolvidas. O assdio escolar divide-se em duas categorias:[1] 1. assdio escolar direto; 2. assdio escolar indireto, tambm conhecido como agresso social O bullying direto a forma mais comum entre os agressores (bullies) masculinos. A agresso social ou bullying indireto a forma mais comum em bullies do sexo feminino e crianas pequenas, e caracterizada por forar a vtima ao isolamento social. Este isolamento obtido por meio de uma vasta variedade de tcnicas, que incluem:y y y y

espalhar comentrios; recusa em se socializar com a vtima; intimidar outras pessoas que desejam se socializar com a vtima; ridicularizar o modo de vestir ou outros aspectos socialmente significativos (incluindo a etnia da vtima, religio, incapacidades etc).

O assdio escolar pode ocorrer em situaes envolvendo a escola ou faculdade/universidade, o local de trabalho, os vizinhos e at mesmo pases. Qualquer que seja a situao, a estrutura de poder tipicamente evidente entre o agressor (bully) e a vtima. Para aqueles fora do relacionamento, parece que o poder do agressor depende somente da percepo da vtima, que parece estar a mais intimidada para oferecer alguma resistncia. Todavia, a vtima geralmente tem motivos para temer o agressor, devido s ameaas ou concretizaes de violncia fsica/sexual, ou perda dos meios de subsistncia.

[editar] Caractersticas dos bulliesPesquisas[6] indicam que adolescentes agressores tm personalidades autoritrias, combinadas com uma forte necessidade de controlar ou dominar. Tambm tem sido sugerido[7] que uma deficincia em habilidades sociais e um ponto de vista preconceituoso sobre subordinados podem ser particulares fatores de risco. Estudos adicionais[8] tm mostrado que enquanto inveja e ressentimento podem ser motivos para a prtica do assdio escolar, ao contrrio da crena popular, h pouca evidncia que sugira que os bullies sofram de qualquer dficit de autoestima.[9] Outros pesquisadores tambm identificaram a rapidez em se enraivecer e usar a fora, em acrscimo a comportamentos agressivos, o ato de encarar as aes de outros como hostis, a [10] preocupao com a autoimagem e o empenho em aes obsessivas ou rgidas. frequentemente sugerido que os comportamentos agressivos tm sua origem na infncia: "Se o comportamento agressivo no desafiado na infncia, h o risco de que ele se torne habitual. Realmente, h evidncia documental que indica que a prtica do assdio escolar durante a infncia pe a criana em risco de comportamento criminoso e violncia domstica na idade adulta".[11] O assdio escolar no envolve necessariamente criminalidade ou violncia. Por exemplo, o assdio escolar frequentemente funciona por meio de abuso psicolgico ou verbal. Os bullies sempre existiram mas eram (e ainda so) chamados em portugus de rufias, esfola-caras, briges, acossadores, cabries, avassaladores, valentes e verdugos. Os valentes costumam ser hostis, intolerantes e usar a fora para resolver seus problemas.[12]

[editar] Tipos de assdio escolarOs bullies usam principalmente uma combinao de intimidao e humilhao para atormentar os outros. Alguns exemplos das tcnicas de assdio escolar:y y y y y

Insultar a vtima; Acusar sistematicamente a vtima de no servir para nada; Ataques fsicos repetidos contra uma pessoa, seja contra o corpo dela ou propriedade. Interferir com a propriedade pessoal de uma pessoa, livros ou material escolar, roupas, etc, danificando-os. Espalhar rumores negativos sobre a vtima;

y y y

y

y y

y y y y

y

Depreciar a vtima sem qualquer motivo; Fazer com que a vtima faa o que ela no quer, ameaando-a para seguir as ordens; Colocar a vtima em situao problemtica com algum (geralmente, uma autoridade), ou conseguir uma ao disciplinar contra a vtima, por algo que ela no cometeu ou que foi exagerado pelo bully; Fazer comentrios depreciativos sobre a famlia de uma pessoa (particularmente a me), sobre o local de moradia de algum, aparncia pessoal, orientao sexual, religio, etnia, nvel de renda, nacionalidade ou qualquer outra inferioridade depreendida da qual o bully tenha tomado cincia; Isolamento social da vtima; Usar as tecnologias de informao para praticar o cyberbullying (criar pginas falsas, comunidades ou perfis sobre a vtima em sites de relacionamento com publicao de fotos etc); Chantagem. Expresses ameaadoras; Grafitagem depreciativa; Usar de sarcasmo evidente para se passar por amigo (para algum de fora) enquanto assegura o controle e a posio em relao vtima (isto ocorre com frequncia logo aps o bully avaliar que a pessoa uma "vtima perfeita"). Fazer que a vtima passe vergonha na frente de vrias pessoas.

Bullying professor-alunoO assdio escolar pode ser praticado de um professor para um aluno. [13][14][15][16][17][18] As tcnicas mais comuns so:y

y y y y y

Intimidar o aluno em voz alta rebaixando-o perante a classe e ofendendo sua auto-estima. Uma forma mais cruel e severa manipular a classe contra um nico aluno o expondo a humilhao; Assumir um critrio mais rigoroso na correo de provas com o aluno e no com os demais. Alguns professores podem perseguir alunos com notas baixas; Ameaar o aluno de reprovao; Negar ao aluno o direito de ir ao banheiro ou beber gua, expondo-o a tortura psicolgica; Difamar o aluno no conselho de professores, aos coordenadores e acus-lo de atos que no cometeu; Tortura fsica, mais comuns em crianas pequenas. Puxes de orelha, tapas e cascudos.

Tais atos violam o Estatuto da Criana e do Adolescente e podem ser denunciados em um Boletim de Ocorrncia numa delegacia ou no Ministrio Pblico. A reviso de provas pode ser requerida ao pedagogo ou coordenador e, em caso de recusa, por medida judicial.r

Locais de assdio escolar

O assdio escolar pode acontecer em qualquer contexto no qual seres humanos interajam, tais como escolas, universidades, famlias, entre vizinhos e em locais de trabalho.

[edi

E

l

meninos fl os intimi ndo um colega. Al Errzuriz, Santa Cruz, Chile.

nstituto Regional

ederico

Em escolas, o assdio escolar geralmente ocorre em reas com superviso adulta mnima ou inexistente. Ele pode acontecer em praticamente qualquer parte, dentro ou fora do prdio da escola.[19]

m caso extremo de assdio escolar no ptio da escola foi o de um aluno do oitavo ano chamado Curtis Taylor, numa escola secundria em owa, Estados nidos, que foi vtima de assdio escolar contnuo por trs anos, o que inclua alcunhas jocosas, ser espancado num vestirio, ter a camisa suja com leite achocolatado e os pertences vandalizados. Tudo isso acabou por o levar ao suicdio em 21 de Maro de 1993. Alguns especialistas em "bullies" denominaram essa reao extrema de "bullycdio". Os que sofrem o bullying acabam desenvolvendo problemas psquicos muitas vezes irreversveis, que podem at levar a atitudes extremas como a que ocorreu comJeremy WadeDelle. Jeremy se matou em 8 de janeiro de 1991, aos 15 anos de idade, numa escola na cidade de Dallas, Texas, E A, dentro da sala de aula e em frente de 30 colegas e da professora de ingls, como forma de protesto pelos atos de perseguio que J sofria constantemente. Esta hist ria inspirou uma msica ( eremy) interpretada por Eddie Vedder, vocalista da banda estadunidensePearl Jam. Na ltima dcada de 90, os Estados nidos viveram uma epidemia de tiroteios em escolas (dos quais o mais not rio foi o massacre de Columbine). Muitas das crianas por trs destes tiroteios afirmavam serem vtimas de bullies e que somente haviam recorrido violncia depois que a administrao da escola havia falhado repetidamente em intervir. Em muitos destes casos, as vtimas dos atiradores processaram tanto as famlias dos atiradores quanto as escolas. Como resultado destas tendncias, escolas em muitos pases passaram a desencorajar fortemente a prtica do assdio escolar, com programas projetados para promover a cooperao entre os estudantes, bem como o treinamento de alunos como moderadores para intervir na resoluo de disputas, configurando uma forma de suporte por parte dos pares. O assdio escolar nas escolas (ou em outras instituies superiores de ensino) pode tambm assumir, por exemplo, a forma de avaliaes abaixo da mdia, no retorno das tarefas escolares, segregao de estudantes competentes por professores incompetentes ou no-atuantes, para proteger a reputao de uma instituio de ensino. sto feito para que seus programas e cdigos internos de co nduta nunca sejam questionados, e que os pais (que geralmente pagam as taxas) sejam levados a acreditar que seus filhos so

Alguns sinais so comuns como a recusa da criana de ir escola ao alegarsi t [12] como dor de barriga ou apresentar irritao, nervosismo ou tristeza anormais.

s

incapazes de lidar com o curso. Tipicamente, estas atitudes servem para criar a poltica no-escrita de "se voc estpido, no merece ter respostas; se voc no bom, ns no te queremos aqui". Frequentemente, tais instituies (geralmente em pases asiticos) operam um programa de franquia com instituies estrangeiras (quase sempre ocidentais), com uma clusula de que os parceiros estrangeiros no opinam quanto a avaliao local ou cdigos de conduta do pessoal no local contratante. Isto serve para criar uma classe de tolos educados, pessoas com ttulos acadmicos que no aprenderam a adaptar-se a situaes e a criar solues fazendo as perguntas certas e resolvendo problemas.

[editar] Local de trabalhoO assdio escolar em locais de trabalho (algumas vezes chamado de Assdio escolar Adulto) descrito pelo Congresso Sindical do Reino Unido[20] como: "Um problema srio que muito frequentemente as pessoas pensam que seja apenas um problema ocasional entre indivduos. Mas o assdio escolar mais do que um ataque ocasional de raiva ou briga. uma intimidao regular e persistente que solapa a integridade e confiana da vtima do bully. E frequentemente aceita ou mesmo encorajada como parte da cultura da organizao".

[editar] VizinhanaEntre vizinhos o assdio escolar normalmente toma a forma de intimidao por comportamento inconveniente, tais como barulho excessivo para perturbar o sono e os padres de vida normais ou fazer queixa s autoridades (tais como a polcia) por incidentes menores ou forjados. O propsito desta forma de comportamento fazer com que a vtima fique to desconfortvel que acabe por se mudar da propriedade. Nem todo comportamento inconveniente pode ser caracterizado como assdio escolar: a falta de sensibilidade pode ser uma explicao.

Alcunhas ou apelidos (dar nomes)Normalmente, uma alcunha (apelido) dada a algum por um amigo, devido a uma caracterstica nica dele. Em alguns casos, a concesso feita por uma caracterstica que a vtima no quer que seja chamada, tal como uma orelha grande ou forma obscura em alguma parte do corpo. Em casos extremos, professores podem ajudar a popularizla, mas isto geralmente percebido como inofensivo ou o golpe sutil demais para ser reconhecido. H uma discusso sobre se pior que a vtima conhea ou no o nome pelo qual chamada. Todavia, uma alcunha pode por vezes tornar-se to embaraosa que a vtima ter de se mudar (de escola, de residncia ou de ambos).

LegislaoNo Brasil, a gravidade do ato pode levar os jovens infratores aplicao de medidas scio-educativas.[12]De acordo pelo cdigo penal brasileiro, a negligncia com um crime pode ser tida como uma coautoria.[12] Na rea cvil, e os pais dos bullies podem, pois, ser obrigados a pagar indenizaes e podem haver processos por danos morais.[12]

A legislao jurdica do estado brasileiro de So Paulo define assdio escolar como atitudes de violncia fsica ou psicolgica, que ocorrem sem motivao evidente praticadas contra pessoas com o objetivo de intimid-las ou agredi-las, causando dor e angstia. [24] Os atos de assdio escolar configuram atos ilcitos, no porque no esto autorizados pelo nosso ordenamento jurdico, mas por desrespeitarem princpios constitucionais (ex: dignidade da pessoa humana) e o Cdigo Civil, que determina que todo ato ilcito que cause dano a outrem gera o dever de indenizar. A responsabilidade pela prtica de atos de assdio escolar pode se enquadrar tambm no Cdigo de Defesa do Consumidor, tendo em vista que as escolas prestam servio aos consumidores e so responsveis por atos de assdio escolar que ocorram nesse contexto.[25] No estado brasileiro do Rio de Janeiro, uma lei estadual sancionada em 23 de setembro de 2010 institui a obrigatoriedade de escolas pblicas e particulares notificarem casos de bullying polcia.[26] Em caso de descumprimento, a multa pode ser de trs a 20 salrios mnimos (at R$ 10.200) para as instituies de ensino. [26] Na cidade brasileira de Curitiba todas as escolas tm de registrar os casos de bullying em um livro de ocorrncias, detalhando a agresso, o nome dos envolvidos e as providncias adotadas.[2] Condenaes legais Dado que a cobertura da mdia tem exposto o quo disseminada a prtica do assdio escolar, os jris esto agora mais inclinados do que nunca a se simpatizarem com as vtimas. Em anos recentes, muitas vtimas tm movido aes judiciais diretamente contra os agressores por "imposio intencional de sofrimento emocional" e incluindo suas escolas como acusadas, sob o princpio da responsabilidade conjunta. Vtimas norte-americanas e suas famlias tm outros recursos legais, tais como processar uma escola ou professor por falta de superviso adequada, violao dos direitos civis, discriminao racial ou de gnero ou assdio moral. No Brasil Uma pesquisa do IBGE realizada em 2009 revelou que quase um tero (30,8%) dos estudantes brasileiros informou j ter sofrido bullying, sendo maioria das vtimas do sexo masculino. A maior proporo de ocorrncias foi registrada em escolas privadas (35,9%), ao passo que nas pblicas os casos atingiram 29,5% dos estudantes.[27] No Brasil, uma pesquisa realizada em 2010 com 5.168 alunos de 25 escolas pblicas e particulares revelou que as humilhaes tpicas do bullying so comuns em alunos da 5 e 6 sries. Entre todos os entrevistados, pelo menos 17% esto envolvidos com o problema - seja intimidando algum, sendo intimidados ou os dois. A forma mais comum a ciberntica, a partir do envio de e-mails ofensivos e difamao em sites de relacionamento como o Orkut.[28] Em 2009, uma pesquisa do IBGE apontou as cidades de Braslia e Belo Horizonte como as capitais brasileiras com maiores ndices de assdio escolar, com 35,6% e 35,3%, respectivamente, de alunos que declararam esse tipo de violncia nos ltimos 30 dias.[29]

Casos clebres Na Grande So Paulo, uma menina apanhou at desmaiar por colegas que a perseguiam[30] e em Porto Alegre um jovem foi morto com arma de fogo durante um longo processo de assdio escolar.[31] Em maio de 2010, a Justia obrigou os pais de um aluno do Colgio Santa Doroteia, no bairro Sion de Belo Horizonte, a pagar uma indenizao de R$ 8 mil a uma garota de 15 anos por conta de assdio escolar[32]. A estudante foi classificada como G.E. (sigla para integrantes de grupo de excludos) por ser supostamente feia e as insinuaes se tornaram frequentes com o passar do tempo, e entre elas, ficaram as alcunhas de tbua, prostituta, sem peito e sem bunda.[33][34] Os pais da menina alegaram que procuraram a escola, mas no conseguiram resolver a questo. [35][36] O juiz relatou que as atitudes do adolescente acusado pareciam no ter "limite" e que ele "prosseguiu em suas atitudes inconvenientes de 'intimidar'", o que deixou a vtima, segundo a psicloga que deps no caso, "triste, estressada e emocionalmente debilitada"[37]. O colgio de classe mdia alta no foi responsabilizado.[37] Na USP, o jornal estudantil O Parasita ofereceu um convite a uma festa brega aos estudantes do curso que, em troca, jogassem fezes em um gay.[38][39] Um dos alunos a quem o jornal faz referncia chegou a divulgar, em outra ocasio, estudantes da Farmcia chegaram a atirar uma lata de cerveja cheia em um casal de homossexuais, que tambm era do curso, durante o tradicional happy hour de quinta-feira na Escola de Comunicaes e Artes da USP. Ele disse que no pretende tomar nenhuma providncia judicial contra os colegas, embora tenha ficado revoltado com a publicao da cartilha.[39]

Tambm em junho de 2010, um aluno de nona srie do Colgio Neusa Rocha, no Bairro So Luiz, na regio da Pampulha de Belo Horizonte, foi espancado na sada de seu colgio, com a ajuda de mais seis estudantes armados com soco ingls.[40] A vtima ficou sabendo que o grupo iria atacar outro colega por ele ser "folgado e atrevido", sendo inclusive convidada a participar da agresso.[41] Em entrevista ao Estado de Minas, disse: Eles me chamaram para brigar com o menino. No aceitei e fui a contar a ele o que os outros estavam querendo fazer, como forma de alert-lo. Quando a dupla soube que contei, um deles colocou o dedo na minha cara e me ameaou dentro de sala, durante aula de cincias. Ele ainda ligou, escondido, pelo celular, para outro colega, que estuda pela manh, e o chamou para ir tarde na escola.[42] Durante o ano de 2010, Brbara Evans, filha de Monique Evans e estudante da Universidade Anhembi Morumbi (onde cursava o primeiro ano de Nutrio), em So Paulo, entrou na Justia com um processo de assdio escolar realizado por seus colegas.[43] No dia 12/06/2010, um sbado noite, o muro externo do estacionamento do campus Centro da referida Universidade foi pichado com ofensas a ela e a sua me.[44] Em recente caso julgado no Rio Grande do Sul (Proc. n 70031750094 da 6 Cmara Cvel do TJRS), a me do bullie foi condenada civilmente a pagar indenizao no valor de R$ 5 mil (cinco mil reais) vtima. Foi um legtimo caso de cyberbullying, j que o

dano foi causado por meio da Internet, em fotolog (flog) hospedado pelo Portal Terra. No caso, o Portal no foi responsabilizado, pois retirou as informaes do ar em uma semana. No ficou claro, entretanto, se foi uma semana aps ser avisado informalmente ou aps ser judicialmente notificado.[45] Alguns casos de assdio escolar entre crianas tm anuncia dos prprios pais, como um envolvendo um garoto de 9 anos de Petrpolis. A me resolveu tirar satisfao com a criana que constantemente agredia seu filho na escola e na rua, mas o pai do outro garoto, em resposta, procurou a me do outro garoto chamado de "boiola" e "magrelo". Ela foi empurrada em uma galeria, atingida no rosto, jogada no cho e ainda teve uma costela fraturada. O caso registrado em um vdeo foi veiculado na internet e ganhou os principais jornais e telejornais brasileiros.[46][47] Em 2011, a 13 Cmara Cvel do Tribunal de Justia do Rio de Janeiro condenou uma escola privada a pagar indenizao a uma vtima de bullying. [48] Em 2011, o Massacre de Realengo, no qual 12 crianas morreram alvejadas por tiros, foi atribudo, por ex-estudantes da escola e ex-colegas do atirador, a uma vingana por bullying.[49]O atirador, que se suicidou durante a tragdia, tambm citou o bullying como a motivao para o crime nos vdeos recuperados pela polcia durante as investigaes.[50][51]

Referncias1. 2. Propostas de traduo para bullying ab Folha de S.Paulo. (22 de maro de 2011). Escolas anotam bullying em "livro negro", Caderno Cotidiano 3. Bullying em ingls, acoso em espanhol. O que em portugus? 4. Bullying em ingls, acoso em espanhol. O que em portugus? 5. Student Reports of Bullying, Resultados do 2001 School Crime Supplement to the National Crime Victimization Survey, US National Center for Education Statistics 6. The Harassed Worker, Brodsky, C. (1976), D.C. Heath and Company, Lexington, Massachusetts. 7. Petty tyranny in organizations , Ashforth, Blake, Human Relations, Vol. 47, No. 7, 755-778 (1994) 8. Bullying and emotional abuse in the workplace. International perspectives in research and practice, Einarsen, S., Hoel, H., Zapf, D., & Cooper, C. L. (Eds.)(2003), Taylor & Francis, London. 9. Bullies and their victims: Understanding a pervasive problem in the schools, Batsche, G. M., &Knoff, H. M. (1994) School PSYCHOLOGY REVIEW, 23 (2), 165-174. EJ 490 574. 10. Areas of Expert Agreement on Identification of School Bullies and Victims, Hazler, R. J., Carney, J. V., Green, S., Powell, R., & Jolly, L. S. (1997). SchoolPsychologyInternational, 18, 3-12. 11. Anti-Bullying Center Trinity College, Dublin. 12. abcdeUOL Educao. (24 de maro de 2011). Bullying: identifique se o seu filho vtima desse tipo de intimidao, acesso em 24 de maro de 2011

13. Ellen deLara; Garbarino, James. And Words Can Hurt Forever: How to Protect Adolescents from Bullying, Harassment, and Emotional Violence. [S.l.: s.n.]. 14. Whitted, K.S. (2005). Student reports of physical and psychological maltreatment in schools: An under-explored aspect of student victimization in schools.Universityof Tennessee. 15. (2007) "Do Teachers Bully Students?: Findings From a Survey of Students in an Alternative Education Setting". EducationandUrbanSociety40: 329. DOI:10.1177/0013124507304487 . 16. BullyingbyTeachers. 17. Bullying educacional: terror contra a sabedoria. 18. Bullying: Definio e critrios para identificao. 19. [http://revistaescola.abril.com.rjyfbyfvbtebgtgbdegvtrtrafaela ! carlosd~ br/crianca-e-adolescente/comportamento/bullying-preciso-levar-serio431385.shtml NOVA ESCOLA - REPORTAGEM - Bullying: preciso levar a srio ao primeiro sinal] 20. Bullied at work? Don't suffer in silence in Trades Union Congress - TUC. 21. The Values and Standards of the British Army A Guide to Soldiers, Ministry of Defence, GB, Maro de 2000, pargrafo 23. 22. Social Psychology of the Individual Soldier, Jean M. Callaghan e Franz Kernic, 2003, Armed Forces and International Security: Global Trends and Issues, Lit Verlag, Munster 23. a global problem, BBC, GB, segunda-feira, 28 de novembro de 2005. 24. Vtima de bullying no sabe por que apanhou, e me diz que ela podia morrer (ao final do texto), acessado em 20 de maio de 2010 25. CALHAU, Llio Braga. Bullying: o que voc precisa saber. RJ, Impetus, 2009, p. 21-36. 26. ab D'Angelo, Rafael. (23 de setembro de 2010). Lei torna obrigatria a notificao de casos de bullying no Rio. O Globo, acesso em 16 de outubro de 2010 27. IBGE. (18 de dezembro de 2009). IBGE revela hbitos, costumes e riscos vividos pelos estudantes das capitais brasileiras, acesso em 16 de outubro de 2010 28. Humilhaes afetam mais alunos de 5 e 6 sries - Folha de S.Paulo, 15 de abril de 2010 (visitado em 15-4-2010) 29. Teixeira, Tmara. (21 de maio de 2010). [Acusado de bullying vai recorrer de condenao http://otempo.com.br/otempo/noticias/?IdEdicao=1667&IdCanal=6&IdSubCana l=&IdNoticia=141597&IdTipoNoticia=1]. Jornal O Tempo, acesso em 21 de maio de 2010 30. G1 > Edio So Paulo - NOTCIAS - Vtima de bullying no sabe por que apanhou, e me diz que ela podia morrer. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010. 31. Jovem morto devido a suposto caso de bullying em Porto Alegre - educacao Estadao.com.br. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010. 32. G1 - Psicloga foi testemunha em caso de bullying que gerou indenizao notcias em Vestibular e Educao. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010. 33. Garoto multado por bullyingxingou vtima de "prostituta" - Terra Comportamento. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010.

34. Aluno ter de pagar R$ 8 mil por bullying - vida - Estadao.com.br. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010. 35. Condenado por bullying. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010. 36. http://www.band.com.br/jornalismo/cidades/conteudo.asp?ID=304601 37. ab Peixoto, Paulo. (20 de maio de 2010). Justia condena pais de aluno por bullying. Caderno Cotidiano. Folha de S.Paulo 38. G1 - Jornal de alunos de farmcia da USP pede para jogar fezes em gays notcias em So Paulo. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010. 39. abPublicao da USP que incitou violncia a homossexuais pede desculpas por - Guia do Estudante. Pgina visitada em 11 de Junho de 2010. 40. Bullying acaba em agresso e caso vai parar na delegacia O Tempo, Acessado em 26 de junho de 2010 41. Bullying acaba em agresso e caso vai parar na delegacia O Tempo, Acessado em 26 de junho de 2010 42. Bullying em Belo Horizonte Acessado em 26 de junho de 2010 43. http://ego.globo.com/Gente/Noticias/0,,MUL1602352-9798,00MONIQUE+EVANS+QUER+QUE+PICHADOR+PAGUE+TERAPIA+PARA +BARBARA+EVANS.html 44. http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/barbara-evans-filha-moniqueevans-vitima-bullying 45. Indita condenao por "bullying" no RS 46. Bom Dia Brasil. (15 de outubro de 2010). Pais se agridem em shopping no RJ aps os filhos brigarem na escola, acesso em 16 de outubro de 2010 47. Italiani, Rafael. (16 de outubro de 2010). Agresso de crianas vira briga de pais, Agora So Paulo, acesso em 16 de outubro de 2010 48. http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/institutomillenium/2011/04/01/justica-do-rio-condena-colegio-por-bullying 49. UOL Notcias (8 de abril de 2011). Autor do massacre no Rio sofreu bullying, dizem ex-colegas de escola, acesso em 8 de abril de 2011 50. Brito, Diana (13 de abril de 2011). 'Descobriro quem eu sou da maneira mais radical', diz atirador. Folha de S.Paulo, Caderno Cotidiano, acesso em 18 de abril de 2011 51. Folha de S.Paulo (15 de abril de 2011). Em novo vdeo, atirador relembra humilhaes vividas na escola, acesso em 18 de abril de 2011

Recommended

View more >