brk relatorio anual agua santa gertrudes ... parأ‚metros jan -17 feb -17 mar -17 apr -17 may -17...

Download BRK Relatorio Anual Agua SANTA GERTRUDES ... PARأ‚METROS JAN -17 FEB -17 MAR -17 APR -17 MAY -17 JUN

If you can't read please download the document

Post on 08-Sep-2020

8 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • SA N

    TA G

    ER TR

    U D

    ES

    Santa Gertrudes possui atualmente três sistemas para captação de água: um manancial

    superfi cial, o Córrego Santa Gertrudes do Sistema ETA; três poços subterrâneos denominados

    Poço 7 (Jequitibás II) e Poço 9 (Jequitibás III) do Sistema Vigorelli; um poço subterrâneo

    denominado Poço 8 (Iporanga) do Sistema ETA Poço 8.

    O Córrego Santa Gertrudes é um manancial superfi cial, de Classe 2, destinado ao abastecimento

    para consumo humano após tratamento convencional. Tem suas nascentes no estado de São

    Paulo, entre Santa Gertrudes e Cordeirópolis. Esse córrego está inserido na bacia do Rio

    Corumbataí e do Rio Piracicaba (Bacia PCJ).

    Os Poços 7, 8 e 9 constituem mananciais subterrâneos (tubulares profundos) com formação do

    Aquífero Tubarão (Itararé), Bacia do Médio Tietê-Piracicaba. A água subterrânea captada possui

    como característica natural concentração em fl uoreto acima do valor máximo estipulado na

    legislação estadual (0,8 mg/L). Por esse motivo, a BRK Ambiental realizou investimentos em

    um moderno sistema que contempla uma elevatória de água e um reservatório onde é efetuada

    a mistura da água, de forma automatizada, garantindo rigoroso controle na concentração de

    fl uoreto, em atendimento à legislação.

    QUALIDADE DOS MANANCIAIS EM 2017

    A BRK Ambiental controla de forma criteriosa dados de qualidade da água no Córrego Santa

    Gertrudes e nos mananciais subterrâneos. A CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São

    Paulo) é o órgão estadual que tem como missão promover a melhoria e garantir a qualidade do

    Meio Ambiente em todo o Estado, em especial o controle da qualidade da água dos mananciais.

    CETESB: Av. Vitório Bortolan, 1450 — Pq. Abílio Pedro — Limeira — SP — CEP 13483-132 —

    Telefone (19) 3451 6203

    MANANCIAIS

    DADOS DA EMPRESA

    Razão social ou denominação da empresa: BRK Ambiental Santa Gertrudes S/A

    Endereço: Rua 2 (dois), nº 684 — Centro Santa Gertrudes — SP — CEP 13510-000

    Telefone: (19) 3545-8200

    Nome do responsável legal: Rodrigo Lopes de Freitas Leitão

    Nome do responsável técnico: Nilto Cândido Faustino

    Indicação do atendimento ao consumidor SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente): Rua 2 (dois), nº 684 — Centro Santa Gertrudes — SP — CEP 13510-000

    Ligação gratuita: 0800 771 0001

    Site: www.brkambiental.com.br/santa-gertrudes

    Órgão responsável pela vigilância da qualidade da água, endereço e telefone — Vigilância Sanitária Municipal: Av. Rêmolo Tonon, nº 737 — Centro Porto Ferreira — SP — CEP 13510-000

    Telefone: (19) 3545-4020

    Em atendimento ao Decreto 5440 de 04/05/2005 que estabelece defi nições e procedimentos sobre o controle de qualidade da água e institui mecanismos para sua divulgação e Artigos 6˚, inciso III e 31 da Lei 8.078/1990, que dispõe sobre a proteção do consumidor e seus respectivos direitos básicos.

    Para garantir a potabilidade da água distribuída aos consumidores, atendendo aos padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde, a BRK Ambiental de Santa Gertrudes atua com bastante rigor nos processos de captação, tratamento e distribuição.

    A captação de água subterrânea nos poços é realizada utilizando-se bombas submersíveis. A água subterrânea recebe cloro para que ocorra o processo de desinfecção. A adição de fl uoreto para os poços não se faz necessária, devido à ocorrência natural de fl uoreto no lençol de captação.

    COMO É FEITA A DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA EM SANTA GERTRUDES

    A distribuição de água em Santa Gertrudes acontece conforme os três sistemas adotados para captação: Sistema de Abastecimento ETA; Sistema de Abastecimento Vigorelli e Sistema de Abastecimento ETA Poço 8 (Iporanga).

    1 A água bruta captada nos mananciais superficiais percorre um longo percurso por redes até chegar a Estação de Tratamento de Água (ETA) onde passa pelas seguintes etapas de tratamento:

    2 Coagulação — consiste na adição de coagulantes (policloreto de alumínio – PAC) que favorece a união das partículas e impurezas da água, permitindo a remoção na decantação.

    3 Floculação — etapa na qual a água é submetida à agitação mecânica para que as impurezas formem fl ocos maiores e mais pesados.

    4 Decantação — é a remoção das partículas mais densas que a água, que pela ação da gravidade fi carão retidas no fundo dos decantadores.

    5 Filtração — etapa de remoção das partículas pequenas, através da passagem da água por fi ltros.

    6 Desinfecção — adição rigidamente controlada de cloro para garantir a eliminação de bactérias.

    7 Fluoretação — adição rigidamente controlada de fl úor para prevenção de cáries.

    8 Ajuste de pH — adição rigidamente controlada de alcalinizante para manter a neutralidade da água.

    9 Reservação — a água tratada segue para os reservatórios e posteriormente é 10 distribuída nas regiões abastecidas pela ETA.

    TRATAMENTO

    ÁGUA BRUTA 2017

    PARÂMETROS UNIDADES

    CÓRREGO SANTA GERTRUDES

    POÇO 08 IPORANGA

    POÇOS 07 E 09 JEQUITIBÁS

    Nº DE AMOSTRAS ANALISADAS

    MÉDIA ANUAL DOS RESULTADOS

    Nº DE AMOSTRAS ANALISADAS

    MÉDIA ANUAL DOS RESULTADOS

    Nº DE AMOSTRAS ANALISADAS

    MÉDIA ANUAL DOS RESULTADOS

    Turbidez UNIDADESDE TURBIDEZ (UT) 5.646 23,50 120 0,3 240 0,3

    pH VALORADIMENSIONAL 5.646 7,20 120 8,1 240 9,0

    Cor Aparente UNIDADE HAZEN(MG PT CO/L) 5.646 242 120 2 240 2

    1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

    S. Catarina

    Centro Velório Bom Sucesso

    IporangaJd. Paulista

    Indaiá

    Industrial

    Ipês

    Vigorelli

    Vigorelli

    Jequitibás II

    Jequitibás III

    ETA

    Jequitibás IIIJequitibás I

    Jequitibás II

    Bairro Poço

    RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2017

    Decreto 5.440, de 4 de maio de 2005.

  • PARÂMETROS JAN-17 FEB-17 MAR-17 APR-17 MAY-17 JUN-17 JUL-17 AUG-17 SEP-17 OCT-17 NOV-17 DEC-17

    TURBIDEZ VALOR MÁXIMO PERMITIDO: 5 NTU

    nº de amostras realizadas 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    CLORO LIVRE VALOR MÁXIMO PERMITIDO: MÍNIMO DE 0,2 MG/L E MÁXIMO DE 2,0 MG/L

    nº de amostras realizadas 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    COLIFORMES TOTAIS VALOR MÁXIMO PERMITIDO *

    nº de amostras realizadas 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    COLIFORMES TERMOTOLERANTES VALOR MÁXIMO PERMITIDO: AUSÊNCIA EM 100 ML

    nº de amostras realizadas 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    PH VALOR MÁXIMO PERMITIDO: RECOMENDADO NA FAIXA DE 6,0 A 9,5

    nº de amostras realizadas 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    COR APARENTE VALOR MÁXIMO PERMITIDO: 15 MGPTCO/L

    nº de amostras realizadas 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    FLUORETO VALOR MÁXIMO PERMITIDO: MÍNIMO DE 0,6 MG/L E MÁXIMO DE 0,8 MG/L

    nº de amostras realizadas 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 22 21 20 20 21 21 22 21 23 20 23 21

    BACTÉRIAS HETEROTRÓFICAS VALOR MÁXIMO PERMITIDO: 500 UFL/ML

    nº de amostras realizadas 4 4 4 4 5 4 5 5 5 5 5 5

    nº de amostras anômalas 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

    nº de amostras conformes 4 4 4 4 5 4 5 5 5 5 5 5

    NÚMERO DE ANÁLISES — SISTEMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA (ETA) NÚMERO DE ANÁLISES — SISTEMA POÇO 7 E 9 - JEQUITIBÁS / SISTEMA ETA + POÇO 5 / SISTEMA VIGORELLI

    RESUMO DAS ANÁLISES

    Todos os parâmetros são analisados no mesmo dia da coleta pelo Laboratório Móvel e Laboratório Central de Controle de Qualidade da Água. Quando observada qualquer anomalia, imediatamente são efetuadas correções na rede de distribuição, visando o restabelecimento pleno das condições ideais da qualidade da água.

    Os dados sobre saneamento básico no Brasil revelam uma demanda urgente, sendo um dos

    maiores desafi os da atualidade. Mais de 35 milhões de brasileiros ainda não têm acesso aos

    serviços de água potável, 100 milhões (ou metade da população) não têm serviço de coleta

    de esgoto e apenas 40% de todo o esgoto produzido no Brasil é tratado, de acordo com

    dados do com Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS). Desta maneira,

    numa análise local, Santa Gertrudes se mostra efi ciente na prestação de tais serviços.

    Há sete anos responsável pelo abastecimento de água e pela coleta e tratamento de esgoto

    do município, a concessionária BRK Ambien