Brasil de 1964 a 1985 Ditadura Militar. ATOS INSTITUCIONAIS.

Download Brasil de 1964 a 1985 Ditadura Militar. ATOS INSTITUCIONAIS.

Post on 21-Apr-2015

116 views

Category:

Documents

1 download

TRANSCRIPT

<ul><li> Slide 1 </li> <li> Brasil de 1964 a 1985 Ditadura Militar </li> <li> Slide 2 </li> <li> ATOS INSTITUCIONAIS </li> <li> Slide 3 </li> <li> Slide 4 </li> <li> BIPARTIDARISMO </li> <li> Slide 5 </li> <li> Slide 6 </li> <li> Slide 7 </li> <li> Slide 8 </li> <li> Slide 9 </li> <li> Slide 10 </li> <li> Slide 11 </li> <li> Abertura poltica e Lei da Anistia </li> <li> Slide 12 </li> <li> Diretas J e Constituio de 1988 "Para existir uma democracia, preciso que o povo tenha liberdade e participao. E a principal forma de participao o voto". </li> <li> Slide 13 </li> <li> Atualidade AINDA SOB EFEITOS DA DOUTRINA BUSH E DA GLOBALIZAO. Doutrina Bush, como ficaria conhecida a nova orientao estratgica, foi anunciada em setembro de 2002, um ano aps os atentados ao World Trade Center e ao Pentgono. A GLOBALIZAO DA ECONOMIA o conjunto de transformaes na ordem poltica e econmica mundial que vem acontecendo nas ltimas dcadas A economia dos pases est interligada, a cultura, a informao, as trocas... Livre e rpida circulao de capitais e bens, principalmente nos pases subdesenvolvidos. </li> <li> Slide 14 </li> <li> Doutrina Bush A Doutrina Bush n o se limita a formar uma resposta ao terrorismo e aos regimes chamados de fora-da-lei, como o do Iraque de Saddam Hussein (antes da invaso) ou da ditadura comunista da Coria do Norte. Seu objetivo perpetuar uma posio dominante. O sistema internacional de tratados, normas e organizaes multilaterais perde importncia, subordinado aos interesses norte- americanos por meio da fora se necessrio. </li> <li> Slide 15 </li> <li> Nova postura em relao s armas nucleares Era encarada como um recurso externo para defender o pas ou algum aliado contra outra potencia nuclear. Declara o direito de us-la em qualquer conflito, mesmo contra naes proibidas de possuir esse tipo de arma por fora do Tratado de No Proliferao Nuclear, do qual o Brasil um dos signatrios (pas membro). </li> <li> Slide 16 </li> <li> ONU Os pases em desenvolvimento querem fortalecer a entidade, seu nico canal de expresso no contexto mundial. Frana e Federao Russa vem na ONU um freio ao poderio dos EUA. Todos concordaram em rediscutir o papel do Congresso de Segurana. Ganha fora a proposta de incluir mais integrantes permanentes: Japo, Alemanha, Ir, ndia, Mxico e Brasil, com cadeira cativa sem direito de veto. Atualmente os cinco integrantes permanentes so: EUA, Federao Russa, Reino Unido, Frana e China. </li> <li> Slide 17 </li> <li> A GLOBALIZAO DA ECONOMIA o conjunto de transformaes na ordem poltica e econmica mundial que vem acontecendo nas ltimas dcadas A economia dos pases est interligada, a cultura, a informao, as trocas... Livre e rpida circulao de capitais e bens, principalmente nos pases subdesenvolvidos. </li> <li> Slide 18 </li> <li> Globalizao apresenta aspectos Positivos A mundializao dos inventos tecnolgicos, a rapidez da informao, a maior a comunicao entre as culturas, democratizao do conhecimento, imediata informao das descobertas cientificas, maior compreenso e absoro das culturas estrangeiras e a possibilidade de troca, o que favorece um clima de curiosidade e tolerncia pelas diferenas. </li> <li> Slide 19 </li> <li> Aspectos Negativos A perversa diviso social entre os includos socioeconmicos e excludos que no tem acesso ou compreenso das sofisticadas tecnologias predominantemente nos pases subdesenvolvidos. </li> </ul>