Brasil contemporâneo 1946 – 1964

Download Brasil contemporâneo 1946 – 1964

Post on 22-Jan-2016

55 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Brasil contemporneo 1946 1964. Sesi - Ce 411 Professora Maria Luciana. Eurico Gaspar Dutra 1946-1951. - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Brasil contemporneo1946 1964</p></li><li><p>Sesi - Ce 411Professora Maria Luciana</p></li><li><p>Eurico Gaspar Dutra 1946-1951</p><p>Apoiado por Getlio Vargas, o candidato da coligao PTB-PSD, o general Eurico Gaspar Dutra, derrotou os outros candidatos: o brigadeiro Eduardo Gomes (UDN) e Yedo Fiza (PCB). Gaspar Dutra foi eleito com cerca de 55% dos votos. No perodo em que Eurico esteve no poder ele estabeleceu a redemocratizao - Constituio de 1946. </p></li><li><p>Suas principais caractersticas eram a) Manter a Repblica e o presidencialismo. b) Estabelecer 5 anos de mandato para o presidente da Repblica e seu vice. c) Conservar a autonomia e a independncia dos Poderes. d) Instituir o voto direto e secreto para ambos os sexos maiores de 18 anos, exceto os analfabetos, soldados e cabos. e) Dar autonomia poltica e administrativa aos estados e municpios. f) Garantir a liberdade de pensamento e de opinio. g) Assegurar o direito de greve e livre associao sindical. </p></li><li><p>Incio de uma guerra ideolgica denominada Guerra Fria, envolvendo de um lado os Estados Unidos (defensor do Capitalismo) contra a Unio Sovitica (defensora do Socialismo). No Brasil, a Guerra Fria, assinala os seguintes acontecimentos: 1. Apoio do governo brasileiro ao governo norte-americano. 2.Cassao de relaes diplomticas com pases socialistas. 3.Extino do Partido Comunista Brasileiro (PCB) em 1947. 4.Cassao de mandatos dos deputados que pertenciam ao Partido Comunista Brasileiro (PCB). c) Gastos do Tesouro Nacional na compra de importados suprfluos ou sem nenhuma necessidade para o Pas. Cerca de 800 milhes de dlares deixados por Getlio Vargas eram torrados pelo governo Dutra. d) Elaborao do Plano SALTE. Realizar investimentos na rea da sade, alimentao, transporte e energia. Dutra (dir.) recebendo o presidente Truman: o alinhamento do Brasil aos interesses dos EUA. </p></li><li><p>Getulio Vargas 1951-1954a) Eleio Foi eleito pela coligao PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) / PSP (Partido Social Progressista). Vargas mais uma vez derrotava seus opositores polticos com facilidade. b) Nacionalismo econmico O presidente Vargas iria permitir o capital estrangeiro no Brasil, mas no admitia a desnacionalizao da economia. c) BNDE Criao do Banco Nacional de Desenvolvimento Econmico em 1952. Era o programa de investimentos do governo. d) Campanha "O Petrleo Nosso" Slogan defendido pelo governo que no admitia empresas estrangeiras explorando o petrleo brasileiro. O resultado foi favorvel aos nacionalistas. Estava criada a Petrobras, empresa estatal responsvel pela extrao e refino do petrleo brasileiro. e) Petrobras Depois de muito atrito entre o governo e as foras conservadoras apoiadas pelo capital estrangeiro, a empresa foi criada com capital misto, mas o Estado possua a maioria das aes, sendo scio majoritrio. </p></li><li><p>f) Projeto de remessa de lucros Visava proibir as excessivas remessas de lucros das empresas estrangeiras instaladas aqui no Brasil para sua matriz no exterior. Este projeto foi vetado pelo Congresso Nacional, pois a presso dos grupos internacionais foi forte. g) Poltica trabalhista Vargas autoriza um aumento de 100% no salrio mnimo. Era proposta do ministro do Trabalho Joo Goulart, que, futuramente (1961), ocuparia o cargo de vice-presidente. Aumentar o salrio mnimo causou uma enorme revolta entre os empresrios: eles se posicionaram contrrios a essa medida do governo. h) Crime da Rua Toneleros No dia 5 de agosto de 1954, houve a tentativa de assassinato ao poltico e jornalista Carlos Lacerda, que culminou com a morte do major da Aeronutica Rubens Florentino Vaz. A Aeronutica instala inqurito, e o resultado no agradou ao governo. A Aeronutica pressiona, exigindo a renncia de Getlio Vargas. O Presidente responde que no deixa o governo: Se vm para me depor, encontraro meu cadver. </p></li><li><p>i) Suicdio de Vargas No dia 24 de agosto de 1954, Getlio desfechou um tiro no corao. Cumpria a promessa de s deixar o palcio morto. Morria um dos mais controvertidos personagens da Histria do Brasil. Deixou uma carta-testamento acusando as foras conservadoras (a UDN e o capital estrangeiro) de serem os grandes responsveis por essa atitude. As aves de rapina (assim Getlio se referia aos sanguessugas que s pensavam em fazer o jogo do capital estrangeiro). "...Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na Histria". j) Sucesso presidencial - Aps a morte de Getlio Vargas, quem assumiu o governo foi o vice-presidente Caf Filho. </p></li><li><p>Governo Caf Filho 1954 - 1955</p><p>ps a morte do presidente Getlio Vargas em 1954, o seu vice Caf Filho assumiu o poder. E de acordo com a Constituio, em 1955 convocou novas eleies presidenciais, que teve Juscelino Kubitschek vitorioso. Neste mesmo ano, logo aps as eleies, o presidente Caf Filho foi afastado do cargo de presidente por motivos de doena, e conforme a Constituio o cargo de presidncia foi transferido para o presidente da Cmara dos Deputados, Carlos Luz. Carlos Luz se descontentou com o marechal Henrique Teixeira Lott se recusando a atender o seu pedido de acusar um coronel que decretou um discurso em oposio posse de Kubitschek. Com isso, Carlos Luz tornou-se conivente do tal coronel. Foi assim que Lott deps o presidente Carlos Luz do cargo de presidente em 11 de novembro de 1955. E seguindo as normas da Constituio, a presidncia ficou sob o poder do vice-presidente do Senado, Nereu Ramos at janeiro de 1956, quando Juscelino Kubitschek assumiu a presidncia. </p></li><li><p>Juscelino Kubitschek 1956 - 1961a) Eleio - Foi eleito pela coligao PSD-PTB. Joo Goulart, que fora ministro do Trabalho no governo Getlio Vargas e grande lder populista, apresentava-se pelo PTB para ser o vice-presidente. b) Nacionalismo desenvolvimentista - Seus 5 anos de governo aliceravam-se no nacionalismo desenvolvimentista, embora nunca tenha ocorrido tal desenvolvimento, pois apesar do grande crescimento, no houve melhorias na qualidade de vida da populao brasileira. c) Crescimento econmico - No qinqnio JK, houve grande crescimento econmico. Para alcan-lo, foi permitida uma enorme entrada de capital estrangeiro a fim de continuar a alavanca, que Getlio Vargas iniciou nos anos de 1930, do desenvolvimento industrial brasileiro. O crescimento industrial ocorreu na produo de bens durveis e de consumo. d) Plano de metas - A meta era crescer "50 anos em 5". Para realizar tal crescimento econmico, o governo executou seu programa de governo, conhecido como Plano de Metas - consistia em implementar medidas em 5 setores: transporte, energia, indstria, alimentao e educao. </p></li><li><p>e) Alianas com os setores das Foras Armadas - As Foras Armadas passaram a ocupar lugar de destaque nas decises do Estado. Comprou-se para a Marinha um porta-avies que pertencia Inglaterra. f) Confrontos - O governo debelou as revoltas de Jacareacanga e Aragaras no Par. O jeito mineiro de governar evitava confrontos diretos com os grupos de direita. Concedeu anistia aos envolvidos nos confrontos com o governo. g) Construo de Braslia - Inaugurada no dia 21 de abril de 1960, a terceira capital do Brasil foi obra do arquiteto Oscar Niemeyer e do urbanista Lcio Costa. Os trabalhadores responsveis pela construo de Braslia eram majoritariamente nordestinos, chamados de "candangos". Depois da cidade inaugurada, esses trabalhadores ficaram em zonas perifricas, vivendo em condies miserveis. h) Grupos de trabalho: 1. Grupo Executivo da Indstria Automobilstica (GEIA). 2. Grupo Executivo da Indstria de Construo Naval (GEICON). i) Criao da Superintendncia do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE) - Tinha por meta tratar dos problemas da Regio Nordeste para solucion-los. Na prtica, os resultados no foram satisfatrios. </p></li><li><p>Jnio Quadros - 1961</p><p>a) Eleio - Foi eleito pelo Partido Democrata Cristo (PDC), sem nenhuma expresso poltica nacional. Jnio recebeu apoio da UDN, que via nele o caminho para chegar ao poder. A vitria de Jnio Quadros significava a vitria de um candidato fora do esquema dominante. Tinha como smbolo uma "vassoura": pretendia varrer toda corrupo do Pas. b) Derrota do PTB-PSD - Jnio Quadros derrotara o canditado Henrique Lott, pela coligao PTB-PSD, nas eleies de 1960. Pela primeira vez, desde 1946, esta coligao perdia uma eleio presidencial. Mas no foi uma derrota total, j que o vice-presidente era do PTB. c) Vice-presidncia - O vice-presidente mais uma vez era Joo Goulart, pelo PTB. A Lei Eleitoral dessa poca permitia que se votasse em candidatos a presidente e a vice-presidente em chapas diferentes. d) Poltica externa - Apoiado em grupos nacionalistas desenvolvimentistas, Jnio Quadros adotou uma poltica externa independente. </p></li><li><p>e) Relaes diplomticas - O contexto internacional reatou relaes diplomticas com os pases socialistas, especialmente com a Unio Sovitica, a China e a nascente Cuba socialista. Considerando que o momento era de Guerra Fria, a aproximao com esses pases socialistas era uma agresso aos Estados Unidos. A UDN rompeu com o governo Jnio Quadros, passando a defender o combate esquerda (socialismo/comunismo). f) Condecorao - O guerrilheiro que lutou na Revoluo Cubana, Ernesto "Che" Guevara, foi agraciado pelo presidente Jnio Quadros com a medalha da Ordem do Cruzeiro do Sul. g) Atitudes dbeis - Proibio briga de galos e ao uso de biqunis nas praias. </p></li><li><p>h) Golpe frustrado - Na tentativa de dar um golpe, Jnio Quadros renuncia em agosto de 1961. A inteno era que seus ministros militares e o Congresso Nacional no aceitassem a renncia, a fim de que ele pudesse instituir um governo forte (ditatorial). A renncia foi aceita pelos ministros militares e pelo Congresso Nacional, frustrando, assim, o plano de golpe do presidente. i) Renncia - O presidente Jnio Quadros renuncia no dia 25 de agosto de 1961, alegando que certas foras ocultas e terrveis tinham-se levantado contra seu governo. Na verdade, ele nunca explicou que "foras" seriam essas. Alguns trechos de sua carta-renncia: "...sinto-me, porm, esmagado. Fora terrveis levantaram-se contra mim e me intrigam ou difamam, at com a desculpa de colaborao...." Observao - Com a renncia de Jnio Quadros, as Foras Armadas, os grupos conservadores e a UDN tentaram impedir a posse do vice-presidente Joo Goulart, que se encontrava em misso oficial na Repblica Popular da China. A Rede da Legalidade, comandada por Leonel Brizola, incentivava a resistncia popular e irradiava inflamados discursos a favor da posse de Joo Goulart (Jango). A soluo para o impasse foi a adoo do Parlamentarismo no Brasil. </p></li><li><p>Joo Goulart - 1961 a 1964</p><p>Joo Goulart tambm conhecido como Jango deveria assumir a presidncia do Brasil logo aps a renncia de Jnio Quadros, em agosto de 1961, mas alguns partidos polticos e militares se declararam em oposio sua posse. Leonel Brizola, o ento governador do Rio Grande do Sul, tomou a frente da Campanha da Legalidade, e juntamente com outros governadores decretavam-se favorveis posse de Joo Goulart. Receberam o apoio dos sindicatos, organizaes estudantis e intelectuais, e de outros setores de opinio pblica. O Congresso Nacional, para evitar que eclodisse uma guerra civil, decidiu dar a posse Joo Goulart (Jango)e estabelecer o sistema Parlamentarista, onde o presidente tinha o seu poder restringido, ou seja, ela poderia indicar o primeiro-ministro, e este escolhido iria indicar os outros ministros, no podendo o presidente interferir na escolha. Nessas condies, Joo Goulart tomou posse em 07 de setembro de 1961. E o primeiro ministro escolhido foi Tancredo Neves do Partido Social Democrata (PSD). Para tentar ganhar a confiana dos grupos conservadores e militares, o governo de Joo Goulart foi marcado por princpios com compromisso com o processo democrtico e que deveriam ser reconhecidos como anticomunistas. </p></li><li><p>Em 1963, aps um plebiscito ficou decidido o fim do Parlamentarismo e o retorno do Presidencialismo. O perodo presidencialista de Jango foi marcado pelas reformas de base, que visava ampliar a supremacia poltica e conquistar o povo. Jango acreditava que atravs desta plataforma a economia do pas sairia da decadncia e as desigualdades sociais seriam reduzidas. Jango realizou um grande comcio na Central do Brasil, proferindo a milhares de pessoas que com a introduo das reformas o pas estaria livre da situao crtica. A partir desse comcio, os opositores tiveram mais um motivo para incriminar Jango como comunista, e deram incio a um movimento social anti Jango. Em So Paulo, foi organizada a Marcha da Famlia com Deus pela Liberdade, apoiando os golpistas. </p></li><li><p>Em maro de 1964, as Foras Armadas juntamente com os governantes dos Estados de Minas Gerais, So Paulo, Rio Grande do Sul e Guanabara depuseram Jango da presidncia. Foi decretado vago o cargo da Presidncia da Repblica em 2 de abril, sendo assim, o presidente da Cmara, Ranieri Mazzilli, assumiu o poder. Uma semana depois, o Alto Comando Revolucionrio editou o Ato Institucional Nmero 1, prevendo que o Congresso Nacional deveria eleger para presidncia o Chefe do Estado-Maior do Exrcito, sendo assim, o general Humberto de Alencar Castelo Branco subiu ao poder em 15 de abril de 1964. </p></li></ul>