Brasil 2009 glossario ilustrado de morfologia

Download Brasil 2009 glossario ilustrado de morfologia

Post on 07-Jul-2015

824 views

Category:

Documents

5 download

TRANSCRIPT

  • 1. 2009 Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida a reproduo desde que citada a fonte. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra do autor. 1 edio. Ano 2009 Tiragem: 3.000exemplares Elaborao, distribuio, informaes: MINISTRIO DA AGRICULTURA, PECURIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Defesa Agropecuria Coordenao Geral de Apoio Laboratorial Esplanada dos Ministrios, Bloco D, Anexo B, 4 andar, sala 430 CEP: 70043-900, Braslia - DF Tel.: (61) 3225-5098 Fax.: (61) 3218-2697 www.agricultura.gov.br e-mail: cgal@agricultura.gov.br Central de Relacionamento: 0800 704 1995 Coordenao Editorial: Assessoria de Comunicao Social Impresso no Brasil / Printed in Brazil Tiragem 3000 Catalogao na Fonte Biblioteca Nacional de Agricultura BINAGRI Brasil. Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento Glossrio ilustrado de morfologia / Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuria. Braslia : Mapa/ACS, 2009. 406 p. : il. color. ; 21 cm. ISBN 978-85-99851-74-6 1. Morfologia. 2. Taxonomia. I. Secretaria de Defesa Agropecuria. II. Ttulo. AGRIS C30 CDU 57.018.2(038)

2. MINISTRIO DA AGRICULTURA, PECURIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECURIA Glossrio Ilustrado de Morfologia Braslia 2009 3. AGRADECIMENTOS `A Dr Doris, professor titular da UNICAMP, pela dedicao na elaborao deste Glossrio Ilustrado de Morfologia e pelas relevantes informaes tcnicas cedidas ao Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento. 4. APRESENTAO A Coordenao Geral de Apoio Laboratorial CGAL, da Secretaria de Defesa Agropecuria SDA, do Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento Mapa o rgo responsvel pela Rede Nacional de Laboratrios Agropecurios do Sistema Unificado de Ateno Sanidade Agropecuria e possui dentre suas atribuies estabelecer, uniformizar e oficializar mtodos para a realizao de anlises. As presentes Regras para Anlise de Sementes RAS tem a finalidade de disponibilizar mtodos para anlise de sementes, sendo estes de uso obrigatrio nos Laboratrios de Anlise de Sementes credenciados no MAPA, objetivando o cumprimento da Lei n 10.711, de 5 de agosto de 2003, publicada no Dirio Oficial da Unio de 6 de agosto de 2003 e Decreto n 5.153, de 23 de julho de 2004, publicado no Dirio Oficial da Unio de 26 de julho de 2004. As RAS tiveram sua 1 edio pelo Ministrio da Agricultura, em 1967 e a partir de ento foram publicadas outras atualizaes. A presente edio atualiza e substitui a edio de 1992 e composta de trs volumes: Regras para Anlise de Sementes, Manual de Anlise Sanitria de Sementes (anexo ao Captulo 9 Teste de Sanidade de Sementes) e o Glossrio Ilustrado de Morfologia. Estas regras foram atualizadas de acordo com as regras internacionais prescritas pela International Seed Testing Association ISTA e incorpora a experincia e os avanos nacionais em anlise de sementes. A CGAL pretende atualizar estas publicaes medida que novos mtodos forem validados e de acordo com a exigncia do mercado nacional e internacional. . Abraho Buchatsky Coordenador da CGAL 5. SUMRIO Apresentao......................................................................................................................................... 6 Introduo.............................................................................................................................................. 9 Abreviaturas usadas nas figuras para designar as estruturas morfolgicas........................................ 11 A........................................................................................................................................................... 17 B........................................................................................................................................................... 49 C........................................................................................................................................................... 75 D......................................................................................................................................................... 125 E......................................................................................................................................................... 137 F......................................................................................................................................................... 173 G........................................................................................................................................................ 193 H......................................................................................................................................................... 203 I.......................................................................................................................................................... 215 K......................................................................................................................................................... 231 L......................................................................................................................................................... 233 M........................................................................................................................................................ 249 N......................................................................................................................................................... 263 O........................................................................................................................................................ 271 P......................................................................................................................................................... 279 Q........................................................................................................................................................ 313 R......................................................................................................................................................... 315 S......................................................................................................................................................... 333 6. T..............................................................................................................................................................365 U..............................................................................................................................................................375 V..............................................................................................................................................................381 X..............................................................................................................................................................393 Z..............................................................................................................................................................397 Bibliografia consultada............................................................................................................................401 SUMRIO 7. INTRODUO 8. 10 O objetivo deste Glossrio Ilustrado de Morfologia suprir o analista de laboratrio com informaes sobre definies de termos utilizados na morfologia das espcies botnicas (plantas, frutos, sementes e plntulas). Trata-se de uma publicao que, anteriormente, fazia parte do Apndice 3 das Regras para Anlise de Sementes, edio 1992 e que nesta edio foi ampliado e aprofundado tornando-se o Glossrio Ilustrado de Morfologia, um dos volumes integrantes das Regras para Anlise de Sementes. Sob a responsabilidade da Coordenao Geral deApoio Laboratorial (CGAL/SDA/MAPA), este trabalho foi desenvolvido pela professora titular da UNICAMP, Dr Doris Groth, especialista na rea, cujo material permanece sob o controle legal de propriedade da autora, o que faz com que a sua utilizao para quaisquer outras finalidades, seja permitido somente mediante autorizao expressa da mesma. A preocupao foi, portanto, disponibilizar ao sistema de controle de qualidade de sementes no pas, um guia de consulta referencial, por ocasio das anlises de rotina. As descries de espcies botnicas permitem o reconhecimento das estruturas morfolgicas e assim facilita o enquadramento nas definies de Semente Pura. Este Glossrio contempla situaes importantes como, por exemplo: - desenhos e descries de espcies cultivadas que pertencem ao mesmo gnero, para facilitar a identificao / separao dessas espcies nos trabalhos da Anlise de Pureza, como por exemplo, de espcies de Avena, Brachiaria, Bromus, Elytrigia, Festuca, Lolium, Sorghum, etc.; - desenhos e descries de algumas espcies invasoras e / ou quarentenrias que pertencem ao mesmo gnero de uma espcie cultivada, como por exemplo, de espcies de Avena, Bromus, Elytrigia, Lolium, Sorghum, etc. Foram introduzidas descries de frutos visando atender a descrio das espcies florestais nativas, que se encontram em estudo pelo MAPA; Foram introduzidas, tambm, as descries dos embries com os respectivos desenhos. A posio do embrio permite o posicionamento das espcies em um grupo de famlias ou em uma determinada famlia botnica e at fazer a separao de algumas espcies do mesmo gnero. Nas Figuras as estruturas morfolgicas esto, na maioria das vezes, apontadas por abreviaturas (letras). Para facilitar o imediato entendimento dessas abreviaturas organizou-se, por ordem alfabtica: a abreviatura e a designao da estrutura morfolgica. Muitas vezes essas abreviaturas encontram-se tambm no texto. Glossario Ilustrado de Morfologia 9. ABREVIATURAS USADAS NAS FIGURAS PARA DESIGNAR AS ESTRUTURAS MORFOLGICAS 10. 12 Glossario Ilustrado de Morfologia ABREVIATURAS USADAS NAS FIGURAS PARA DESIGNAR AS ESTRUTURAS MORFOLGICAS A ac acleo ae antcio estril af antcio frtil an antpodas ani antcio inferior ans antcio superir ant antera ap apndice aq aqunio ar artculo are arola ari arilo arl arilide as arista asg arista geniculada au aurcula B b bulbo ba bacceo bai bainha br brctea bres brctea com espinhos bv broto vegetativo C c catfilo ca carpelo cal clice cali - calculo cap cariopse car carpdio cau caule cd costela dorsal ce cerdas cf coifa ch chalaza ci costela intermediria cl costela lateral co cotildone(s) col coluna seminfera cop coleptilo cor coleorriza cos costela C cp cpsula cr carpforo crn cornculo cru carncula D de disco epgeno dru drupa E e - escapo ege espigueta estril eh estolo hipogeu eixo eixo embrionrio ou eixo principal; flor ej ejaculador em embrio en endosperma end endocarpo ent entalhe epi epictilo epu estpula es estigma esc escutelo esd espdice esp espata espi espinhos est estilete et estilopdio etr estrofolo eun espinhos uncinados ex integumento externo F f funculo fc folha carpelar fi filete fl flor fli folculo fo folha fol fololo fp folha primria fr fruto frc fruto composto frm fruto mltiplo F fru frutculos fse falso septo fv feixes vasculares G g glomrulo gaf gametfito feminino gan ganchos ge gema gea gema apical gi ginforo gin gineceu gl glumas gle gluma estril gli gluma inferior gls gluma superior gp gro de plen gpg gro de plen germinado H hi hipanto hip hipoctilo hpo hipgino hr eixo hipoctilo-radcula I in integumento interno is istmo L la lacnia lab lbio lb lobos le lema estril ou estaminada lf lema frtil li linha de deiscncia lo lculo lod lodcula l limbo M m micrpila me mericarpo mes mesocarpo ms mesoctilo N n nucela nm - nervura mediana nm nervura mediana do carpelo no n np ncleos polares nse ncleo seminfero nu ncula nv nervuras anastomosadas O o oosfera oc crea op oprculo or orifcios ov vulo ova ovrio P p poro pa papus pal pecolo alado pcap posio da cariopse pd pedcnculo pe pecolo ped pedicelo per perianto pes plea estril pet ptala pf plea frtil pin ponto de insero dos cotildones pir pirnio pis pistilo pj ponto de juno dos carpelos pl plmula ple pleurograma por posio da radcula pr pericarpo prg perignio pri primrdios foliares pt pericarpo+tegumento 11. ABREVIATURAS USADAS NAS FIGURAS PARA DESIGNAR AS ESTRUTURAS MORFOLGICAS 13 Q q quilha R r raiz ra raque rad raizes adventcia rap raiz primria ras raizes adventcias seminais rc raiz contrtil rd radcula re receptculo R rep replum rf rafe rl raiz lateral ro rostro rp raiz principal rs raiz secundria ru ruptura S s semente sa saco embrionrio sc saco polnico S se septo seg segmento da rquila sgm segmento si sinrgidas sm smara sp spalas spe spalas externas spi spalas internas su sutura sul sulco da comissura T t teca tb tubos de leo te tpala teg tegumento tp tubo polnico tu tubrculo V va valva val valcula 12. 14 Glossario Ilustrado de Morfologia 13. A 15 GLOSSRIO ILUSTRADO DE MORFOLOGIA 14. 18 Glossario Ilustrado de Morfologia ABAXIAL se refere a superfcie inferior de um rgo ou a superfcie que est mais afastado do eixo sobre o qual se insere; antnimo de adaxial. ABCISO ou ABSCISO um tipo de desarticulao, como a separao dos antcios das espiguetas; um carter importante na distino das espcies de Avena e de Sorghum (Poaceae =Gramineae). Ver articulada e desarticulao [Fig.327]. Abciso em Avena segundo MUSIL (1977) pode ser (mais detalhes na descrio de Avena e de Sorghum): Abciso completa na base (ponto de insero) do antcio se forma uma camada engrossada, quando maduro, o antcio se separa com calo liso e bem desenvolvido, ao redor da cavidade basal. Este tipo de abciso encontrado nas aveias selvagens; Abciso parcial na base do antcio no se forma uma camada engrossada ao redor de toda a cavidade, assim o calo s se apresenta engrossado lateralmente. O antcio no se separa facilmente, pois uma pequena poro na frente e atrs permanecem unidos. Este tipo de abciso encontrado nas aveias fatuides heterozigotas; Ruptura os pontos de articulao permanecem unidos ao redor de toda a cavidade basal. O antcio pode se separar mais ou menos regularmente ao redor da linha onde a camada de abciso normalmente deveria se desenvolver, sem o calo espessado (abciso completa), ou o segmento da rquila pode se romper ou lascar em algum ponto. A cavidade 15. A 19 basal frequentemente muito reduzida em tamanho. Este tipo de abciso encontrado nas aveias cultivadas Avena byzantina K. Koch, Avena sativa L. e Avena strigosa Schreb. [Fig.30, 31, 32]. Abrus precatorius L. semente de largo-ovide a globosa, com pice e base arredondada, vermelho-escarlate e com mancha preta oblqua no pice, em torno do hilo e que ocupa cerca de a da superfcie [Fig. 1]. Ver Rhynchosia phaseoloides. Acanthospermum australe (Loef.) Kuntze invlucro-de-brcteas elipside- comprimido, com cerdas uncinados que se inserem irregularmente sobre 8-10 costelas longitudinais; pice e base arredondados e com uma extremidade voltada para um lado e a outra para o outro [Fig.206A]. A unidade-semente formada pelo invlucro-de-brcteas. Acanthospermum hispidum DC. invlucro-de-brcteas obtriangular- comprimido, sem costelas e com cerdas inseridas irregularmente sobre a superfcie; base cuneiforme; pice largo-truncado, levemente inclinado, com dois rostros divergentes, mais grossos do que as cerdas, com um reto e outro uncinado [Fig.206B]. A unidade-semente formada pelo invlucro-de-brcteas. ACAULE desprovido de caule; onde as folhas (fo) se apresentam dispostas em roseta sobre a superfcie do solo e no centro surge o escapo (e) que sustenta a inflorescncia [Fig.2]. ACICULAR diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de agulha, linear e rgida; como as folhas de Pinus [Fig.103L]. FIGURA 2 Acaule. FIGURA 1 Abrus precatorius (A-B) e Rhyncho- sia phaseoloides (C-D): semente. 16. 20 Glossario Ilustrado de Morfologia ACICULADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta marcada com estrias muito finas, irregulares, como se tivessem sido produzidas com a ponta de uma agulha [Fig.295H]. ACRESCENTE que se desenvolve ou que continua a se desenvolver aps a frutificao. Ver clice. ACULEADA(O) diz-se da superfcie [Fig.203B] ou da margem [Fig.110G] de um rgo (caule, folha, fruto ou semente) provida de acleos; como o caule das roseiras ou a margem de uma folha, como a do abacaxi. ACLEO formao epidrmica rgida, afilada, com aspecto de espinho, encontra-se em caules de roseiras, em folhas de abacaxi e de jo (Solanum aculeatissimum Jacq.) e nos frutos (craspdios) de Mimosa pudica L. [Fig.107-ac]; distinguem-se dos espinhos por no ter uma posio definida no rgo, por ser de fcil remoo e por no possuir elementos condutores. ACUMINADO(A) diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) se afila para um ngulo obtuso e abruptamente para um ngulo agudo (ponta dura) [Fig.16K-K-K]. ADAXIAL se refere a superfcie superior de um rgo ou a superfcie que est mais prxima do eixo sobre o qual se insere; antnimo de abaxial. ADERENTE que adere; o mesmo que adnato. ADNATO diz-se quando estruturas esto naturalmente concrescidas ou aderidas; quando estruturas diferentes, como ptalas + estames, esto fundidas; o mesmo que aderente, concrescente, conato. 17. A 21 ADPRESSO diz-se quando uma determinada estrutura cresce em contato ntimo com outra estrutura, mas no se encontra fundida com ela. ADUNCO diz-se quando uma estrutura vegetal se apresenta curvada, para baixo, como um gancho. ADVENTCIO diz-se de um rgo que nasce em lugar indevido; a raiz ou as razes que se originam de outras estruturas que no da radcula ou da raiz primria; pode ser a partir do hipoctilo, do colo, de caules ou de ramos. FILO diz-se quando caules ou plantas no possuem folhas de tipo algum, como em plantas parasitas (Cuscuta sp.). Agrostis sp. espiguetas pediceladas, comprimidas lateralmente, dasarti- culadas acima das glumas e formadas por um antcio frtil; glumas (inferior e superior) lanceoladas, glabras, agudas ou aristadas, com 1-nervura, frequentemente escabrosa na carena, subiguais e mais longas do que o antcio frtil; calo glabro ou com anel de plos; segmento da rquila (rquis) estril glabra, curtssima ou ausente; lema frtil membrancea, com 3-5 nervuras, glabra, aguda ou truncada, com arista dorsal ou ausente; plea frtil ausente ou bicarenada e muito menor do que a lema [Fig.3, 4]. A unidade-semente o antcio-frtil. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Agrostis: Agrostis canina L. antcio frtil de fusiforme a estreito-elptico; lema frtil (lf) fina, hialina, com 1,5mm ou mais de comprimento por menos de 0,5mm de largura, finamente granular, com dobras entre as nervuras escabrosas e finas na extremidade, com arista (as) 18. 22 Glossario Ilustrado de Morfologia longa, torcida, geniculada e inserida na poro mediana ou pouco abaixo, ou com nervuras e sem arista, em certas variedades; plea frtil to reduzida que parece estar ausente; plos basais rombudos e curtos nas extremidades do calo, s vezes ausentes [Fig.3A, 4A]. Agrostis capillaris L. (=Agrostis tenuis Sibth.) glumas de estreito- oblongas a lanceoladas e a inferior escabrosa na carena; antcio frtil (lf) fusiforme, acinzentado, fosco ou ligeiramente lustroso; lema frtil de fusiforme a estreito-elptica, lisa, dura, com - do compri- mento das glumas ou com 1,8-2,0mm de comprimento por 0,5mm de largura; arista (as), se presente, torcida, geniculda ou, s vezes, curta e reta, inserida entre prximo base e a poro mediana da lema; plea frtil (pf) aderente a cariopse, longa ou curta, dependendo da cultivar, afilando-se uniformemente da base para um estreito entalhe apical em forma de V; plos basais em geral ausentes, se presentes, mais ou menos longos e estendido [Fig.3E, 4E]. Agrostis gigantea Roth (=Agrostis alba L.) glumas lanceoladas, agudas, escabrosas na carena e de resto lisas; antcio frtil oblongo ou estreito-elptico, liso, lustroso e de colorao plea a amarelada; lema frtil (lf) com dorso arredondado ou levemente achatado e no carenado, lustrosa, com 2,0mm ou mais de comprimento por 0,5mm de largura e pice geralmente com 3-nervuras; arista (as), se presente, curta, reta, nunca torcida e geniculada, inserida acima da poro mediana da lema; plea frtil (pf) cerca da do comprimento da lema frtil e pice truncado ou com largo entalhe raso e encoberto pelos bordos da lema; plos basais longos e adpressos, ou estendidos, curtos e grossos ou ausentes; calo arredondado e espessado verticalmente [Fig.3B, 4B]. FIGURA 4 Agrostis (antcio frtil lado ventral): A- A. canina; B- A. gigantea; C- A. palustris; D- A. stolonifera; E- A. capillaris. FIGURA 3 Agrostis (antcio frtil lado dorsal): A- A. canina; B- A. gigantea; C- A. palustris; D- A. stolonifera; E- A. capillaris. 19. A 23 Agrostis palustris Huds. (includa em Agrostis stolonifera L.) antcio frtil ovado-lanceolado ou elptico, liso, de amarelo-plea lustroso a cinza-prateado e levemente lustroso; lema frtil (lf) vezes fosca, geralmente com 5-nervuras no pice (raramente 3-nervuras), com 1,8-2,0mm de comprimento por 0,5mm de largura, dorso carenado acima da base e com conspcua constrio acima do espesso calo obtusamente anguloso; arista (as), se presente, curta e reta, inserida acima da poro mediana da lema; plea frtil (pf) larga na poro mediana e afilando-se abruptamente para um pice diminutamente arredondado ou formando uma espcie de ombro e variavelmente entalhado; plos basais em geral curtos e grossos, algumas vezes maiores e esparsos ou ausentes [Fig.3C, 4C]. Agrostis stolonifera L. antcio frtil geralmente curto, rolio e liso; lema frtil (lf) lisa, lustrosa, de colorao palha e com pice truncado; arista (as), se presente, curta, reta e inserida entre a poro mediana e prximo ao pice da lema; plea frtil (pf) abruptamente mais estreita em direo ao pice, que muito varivel, mas no apresenta entalhe em forma de V e com cerca de do comprimento da lema; plos basais em geral ausentes, mas se presentes curtos e grossos; calo cnico e protuberante [Fig.3D, 4D]. AGUDO(A) diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) termina gradativamente em um ngulo menor do que 90; como o pice da folha lanceolada [Fig.16J-J]. ALA qualquer expanso em forma de asa (laminar, folicea ou membra- ncea) e que se prolonga da superfcie de diversos rgos; no fruto 20. 24 Glossario Ilustrado de Morfologia formada exclusivamente pelo pericarpo e na semente formada apenas pelo tegumento. Como fruto alado cita-se a smara (ver descrio) que ocorre em: Pterogyne nitens Tul. (Fabaceae-Caesalpi- noideae), Tipuana tipu (Benth.) Kuntze (Fabaceae-Papilionoideae). Em sementes pode-se encontrar: FIGURA 5 Alas de Aspidosperma ramiflorum (A) e Tabebuia: B- T. avelanedae; C- T. chrysotricha; D- T. impetiginosa; E- T. roseo-alba. Ala apical Aspidosperma polyneuron Mll. Arg. (Apocynaceae - Fig.313E-E), Cedrela fissilis Vell. e Swietenia macrophylla King (Meliaceae), Luehea (Tiliaceae) e Qualea (Vochysiaceae). Ala bilateral gnero Tabebuia (T. avelanedae Lor. ex Griseb.; T. chrysotricha (Mart. ex DC.) Standl.; T. impetiginosa (Mart.) Standl.; T. roseo-alba (Rindl.) Standl. - Bignoniaceae - Fig.5]. Ala circular em Allamanda sp. [Fig.313D] e Aspidosperma ma- crocarpon Mart. e Aspidosperma ramiflorum Mll. Arg. - Fig.5A (Apocynaceae), nos gneros Jacaranda (Bignoniaceae), Carda- 21. A 25 mine (Brassicaceae =Cruciferae), Spergula e Spergularia (Caryo- phylla-ceae - Fig.305G-H), Dimorphoteca (Asteraceae =Composi- tae) e Grevillea [Fig.313C) e Roupala (Proteaceae). ALADO(A) provido de alas; pecolos alados; fruto ou semente alada. ALBUME ou ALBMEN tecido nutritivo da semente; o mesmo que endosperma (termo preferido). ALBUMINOSA diz-se da semente que contm albmen no tecido de reserva. ALEURONA camada vital mais externa do endosperma de certas cariopses; sementes que contm reservas de protena so milho, trigo, cevada, centeio (Poaceae =Gramineae) e mamona (Euphorbiaceae). Alopecurus pratensis L. espigueta uniflora (antcio frtil), fortemente comprimida, de 5-6mm de comprimento por 1,8-2,0mm de largura, que se desarticula abaixo das glumas; glumas (gl) agudas, finas, iguais ou subiguais entre s, presas na base, superando e ocultando o antcio, com longos clios na carena e nas nervuras laterais; lemas frteis (lf) lisas, translcidas, arredondadas ou achatadas no dorso, com 3-5 ner- vuras, envolvem a cariopse e com as margens unidas na metade infe- rior; arista (as) geniculada, torcida, inserida prximo base da lema e 5-7mm mais longa do que as glumas; plea frtil ausente; calo pequeno e imperceptvel; cariopse comprimida, com 1,5-3,0mm de comprimento, glabra, sulcada, amarelo-dourada ou castanho-clara, diminutamente en- rugada ou microscopicamente estriada e hilo basal punctiforme [Fig. 6]. A unidade-semente a espigueta, mas s vezes, nas sementes bene- ficiadas encontrada sem as glumas (apenas a lema frtil com a cariopse). FIGURA 6 Alopecurus pratensis: A- espigueta; B- lema frtil. 22. 26 Glossario Ilustrado de Morfologia ALTERNA(O) diz-se quando as folhas (fo) esto inseridas no epictilo ou no caule (cau) isoladamente e no em posio oposta [Fig.7]; como a insero das folhas do brinco-de-princesa (Hibiscus rosa-siensis L.). Utilizado tambm quando os verticlios florais se organizam em duas sries; ou quando sementes se inserem alternadamente no fruto. Ver Rumex acetosela L. onde a de uma spala externa se sobrepem ao bordo de duas spalas internas [Fig.240A]. ALTERNNCIA DE TEMPERATURA quando no teste de germinao a temperatura mais baixa utilizada durante 16 horas no perodo noturno e a temperatura mais alta por oito horas no perodo diurno. ALVEOLADA(O) diz-se da superfcie que apresenta alvolos (cavidades rasas e hexagonais - Fig 295C.); o mesmo que faveolada e faviforme. Ambrosia artemisiifolia L. (=Ambrosia elatior L.) invlucro-gamfilo mais largo entre a poro mediana e o pice, afilando gradativamente para a base, pice com rostro grosso e circundado por uma coroa de 5-8 projees delgadas e que formam costelas longitudinais em direo a base; superfcie fracamente transverso-rugosa, s vezes, com grande reticulado de veias, levemente mais escuras entre as costelas, e com longos plos alvo-hialinos, mais densos perto do pice [Fig.208A]. A unidade-semente o invlucro-gamfilo. Ambrosia polystachya DC. invlucro-gamfilo mais largo prximo ao pice ou em torno da poro mediana, faces com costelas longitudinais lisas, pice rostrado e no circundado por uma coroa de projees; superfcie glabra e entre as costelas fortemente transverso-rugosa [Fig.208B]. A unidade-semente o invlucro-gamfilo. FIGURA 7 Alterna. 23. A 27 Ambrosia trifida L. invlucro-gamfilo de aredondado a 5-angular, mais largo prximo ao pice ou em torno da poro mediana (5,6-6,5mm de comprimento), afila gradativamente para a base, pice com rostro grosso, circundado por uma coroa de cinco projees e que formam costelas longitudinais em direo a base; s vezes com 1-3 projees menores podem ocorrer entre a coroa externa e o rostro central. A unidade-semente o invlucro-gamfilo. AMNDOA termo utilizado por alguns autores para indicar a parte que contm o embrio. Ammi sp. cremocarpo formado por dois carpdios monosprmicos, com base arredondada e pice com estilopdio; carpdio com lado dorsal convexo com cinco ntidas costelas longitudinais, lisas e amarelo- claras; lado ventral (da comissura) em geral plano, com sulco mediano e que envolve o carpforo [Fig.109A-B-C-D-E]. A unidade-semente o cremocarpo e o carpdio. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Ammi: Ammi majus L. cremocarpo largo-elptico; carpdio de estreito- ovalado a elptico e pice agudo, com 1,8-2,5mm de comprimento por 0,8-1,0mm de largura e 0,8mm de espessura; lado ventral com profundo sulco, limitado por duas estrias longitudinais muito prximas [Fig.109A-B-C]. Ammi visnaga (L.) Lam. cremocarpo ovide e comprimido lateralmente; carpdio ovado-oblongo e pice obtuso, com 2,0- 2,5mm de comprimento por 0,8-1,0mm de largura e 0,8 mm de espessura; lado dorsal com fina listra, pouco mais escura, dividindo 24. 28 Glossario Ilustrado de Morfologia as costelas; lado ventral com dois sulcos longitudinais em ambos os lados da linha mediana, mas nunca um sulco como em Ammi majus L. [Fig.109D-E]. AMPLEXICAULE diz-se quando a base de uma folha (fo) sssil abraa (envolve) parcial ou totalmente o caule (cau) [Fig.8]. ANASTOMOSADO confluncia ou ramificao de duas clulas, vasos, canais, nervuras, etc.; unido de tal maneira que forma uma rede de malhas; como em Brachiaria plantaginea (Link) Hitchc. onde as 10-11 nervuras na gluma inferior (ou primeira gluma) se apresentam nitidamente anastomosadas no pice [Fig.47A]. ANTROPO ver vulo antropo [Fig.246]. ANDROCEU conjunto dos rgos masculinos da flor, isto , dos estames; constitui o terceiro verticilio floral numa flor hermafrodita das Dicotiledneas [Fig. 12,13A, 171]. Andropogon gerardii Vitman espiguetas aos pares, que se formam no mesmo n; uma espigueta do par sssil e frtil, a outra pedicelada e pode ser estril ou estaminada, ambas esto unidas pelo segmento da rquila (rquis); a espcie produz uma poro varivel de espiguetas pediceladas frteis, que diferem das espiguetas ssseis; glumas da espigueta frtil coriceas, com (5-)7-9mm de comprimento por 1,5mm de largura, sem arista, opacas e acastanhadas; gluma inferior 2-carenada e com largo sulco no dorso; gluma superior lanceolada e unicarecada; lema e plea frtil hialinas e pouco menores do que as glumas; lema frtil com largo sulco longitudinal no dorso, com arista FIGURA 8 Amplexicaule. 25. A 29 torcida, geniculada e que emerge do pice; segmento da rquila e pedicelo denso-vilosos, achatados na base e pice expandido, em forma de taa [Fig.155]. Arista geralmente quebrada nas sementes comerciais. A unidade-semente a espigueta sssil e frtil, com segmento da rquila e pedicelo de uma segunda espigueta, s vezes, se encontra ainda, preso no pedicelo, a espigueta estril ou estaminada. ANEMOCORIA diz-se quando a disperso de disporos ocorre pelo vento; como nas sementes aladas, smaras, samardio, aqunios com papus; em oficial-de-sala (Asclepias curassavica L. Asclepiadaceae), na paineira (Chorisia speciosa A. St.-Hil. Malvaceae), etc. Ver antropo- coria, autocoria, hidrocoria, ornitocoria e zoocoria. ANFISSARCDIO fruto de origem placentar, pericarpo carnoso, com uma cavidade central, sem lculos individualizados e cheia de sementes (s), envoltas por polpa (endocarpo) carnosa (suculenta); como em Kigelia e Crescentia (Bignoniaceae - Fig.9A-B), Crataeva (Capparaceae - Fig.9D), CouroupitaguianensisAubl.(Lecythidaceae-Fig.10C-D),Amaioua-Fig.9C e Genipa (Rubiaceae) e Theobroma cacao L. (Sterculiaceae) [Fig.10A-B]. ANFTROPO ver vulo anftropo; semelhante a antropo [Fig.247]. ANGIOSPERMA diviso do reino vegetal que compreende uma planta ou um grupo de plantas, cujas sementes ficam encerradas no interior de um ovrio transformado em fruto, como as de Eucalyptus. Como grupo ope-se ao das Gimnospermas. ANGULAR que forma ngulos, com pronunciados ngulos longitudinais [Fig.100L] ou quando um rgo apresenta ngulos salientes na FIGURA 9 Anfissarcdios: A- Kigelia sp.; B- Crescentia sp.; C- Amaioua sp.; D- Crataeva sp. FIGURA 10 Anfissarcdios: A-B- Theobroma cacao; C-D- Couroupita guianensis; A- seo longitudinal e B- seo transversal. 26. 30 Glossario Ilustrado de Morfologia margem [Fig.110E]; como a folha de Datura stramonium L. e o caule de Salvia pratensis L. Angular-angular quando os ngulos so pronunciados. Obtuso-angular quando os ngulos so arredondados. ANOMOCARPO o mesmo que heterocarpo. ANORMALIDADE APARENTE anormalidade de plntulas devido a condies inadequadas para o teste de germinao em laboratrio. ANTCIO cada urna das flores que compem a espigueta das Cyperaceae e Poaceae (=Gramineae). Compe-se de duas bractolas (glumelas) secas, na base de cada flor; a inferior ou externa (lema - lf) envolve a cariopse pelo lado dorsal e a superior ou interna (plea - pf) envolve a cariopse pelo lado ventral [Fig.11]. Antcio estril nas Poaceae (=Gramineae) compe-se exclusivamente das glumelas e incapaz de produzir sementes [Fig.156-ae]. Antcio frtil nas Poaceae (=Gramineae) compe-se das glumelas (lema - lf e plea - pf) e dos dois rgos florferos reprodutivos (pistilo - pis e estame) ou da cariopse madura, com ou sem lemas estreis adicionais [Fig.11, 155]. ANTERA parte mais intumescida do estame, localizada na extremidade apical do filamento (filete - fi); divide-se em tecas (t) que esto unidas pelo conectivo [Fig.12]. Nas tecas encontram-se os FIGURA 11 Antcio frtil: A-B- lado ventral; cariop- se: C- lado dorsal com embrio; D- lado ventral com hilo. FIGURA 12 Antera. FIGURA 13 Antera e ovrio (seo transversal): A- antera; B- ovrio tricarpelar e trilocular. 27. A 31 microsporngios ou sacos polnicos (sc), que so em nmero de quatro, sendo duas para cada teca e que contm os gros de plen (gp) ou micrsporos [Fig.13A]. Anthoxanthum odoratum L. espigueta curto-pedicelada, comprimida lateralmente, com duas glumas, um nico antcio frtil terminal e duas lemas estreis aristadas por baixo; o segmento da rquila se desarticula acima das glumas naviculares, apiculadas, desiguais, escabrosas, com dorso laxo-piloso; lemas estreis (le) bilobadas, subiguais, cerca de 3mm de comprimento, castanho-avermelhadas e amareladas no pice, pubescentes, com longos plos fulvos e margens denso-ciliadas; lema estril (inferior) com curta arista que se insere perto da regio mediana; lema estril (superior) com arista dura, torcida, geniculada e que se insere no dorso perto da base; a inflexo da arista geniculada (asg) geralmente ocorre na altura do pice da lema ou pouco acima; lema frtil (lf) largo-ovada, aguda, com cerca de 2mm de comprimento, no aristada, catanho-avermelhada-escura, lustrosa, glabra e envolve a cariopse e a plea frtil (pf) [Fig.14]. A unidade-semente a espigueta + as lemas estreis ou, s vezes, apenas o antcio frtil. Nas sementes comerciais pode(m) faltar a(s) lema(s) estril(eis), devido ao beneficiamento. ANTPODA no vulo das Angiospermas cada uma das trs clulas (an) que se encontram na base do saco embrionrio (sa), na extremidade da chalaza (ch), portanto em posio oposta oosfera (o) [Fig.171A, 297]. ANTOCARPO formado pelo gineceu inteiro ou por parte dele (hipanto), participa na formao da parede do fruto, como na parede da ncula de Guapira (Nyctaginaceae); ou formado pela poro inferior persistente do FIGURA 14 Anthoxanthum odoratum: A- espigueta; B-C- antcio frtil. FIGURA 15 Antocarpo de Boerhavia difusa (A-B-C) e Mirabilis jalapa (D-E). 28. 32 Glossario Ilustrado de Morfologia perignio, que aumenta de tamanho durante o desenvolvimento do fruto, torna-se mais firme, circunda e protege o fruto (ncula), como em Boerhavia difusa L. [Fig.15A-B-C] e Mirabilis jalapa L. (Nyctaginaceae) [Fig.15D-E]. ANTOCIANINA pigmento que d a colorao vermelha, azul ou violcea a vrias partes da planta. ANTFITOS plantas que produzem flores. O mesmo que Espermfitas e sinnimo de Fanergamas e que se opem as Criptgamas. ANTROPOCORIA quando a disperso de disporos feita pelo homem, acidental ou espontaneamente. Ver anemocoria, autocoria, hidrocoria, ornitocoria e zoocoria. ANTRORSO dirigido para frente, para o pice. Oposto de retrorso. ANUAL diz-se da planta que completa seu ciclo vegetativo e reprodutivo em alguns meses. AOVADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de ovo, com a parte mais larga na base [Fig.103E]; como a folha de Stellaria media (L.) Vill. O mesmo que ovado e ovide. APNDICE designao de qualquer parte saliente, quase sempre curta, estreita e muitas vezes de importncia secundria, de um rgo vegetal; como no samardio de Banisteriopsis lucida (Malpighiaceae) [Fig.300K]. APIACEAE nome vlido da famlia Umbelliferae. FIGURA 16 pice (quanto a ponta): A- aristado; B- mucronado; C- cuspidado; D- cirroso; E- pungente; F- setoso; G- apiculado; H- uncinado; I- rostrado; J-J- agudo; K-KK- acuminado; L- obtuso; M- obtuso com acmen; N- retuso; O- emarginado; P- truncado; Q- obcorda- do; R-R- capitado; S- rodo; T- exisa. 29. A 33 APICAL ou TERMINAL relativo ao pice. PICE extremo ou ponto terminal de qualquer rgo, que pode ter diversas formas [Fig.16]. pice da parte area ou Sistema apical poro terminal da parte superior da plntula, que contm o ponto principal de crescimento (meristema ou gema apical) e as folhas iniciais. Estas folhas envolvem e protegem o ponto de crescimento, formando assim a gema apical. APICULADO diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) termina abruptamente em curta projeo (ponta) dura e aguda no centro [Fig.16G]; como o fruto de Cordia superba Cham. (Boraginaceae). Em rgos foliceos frequentemente usado como sinnimo de mcron, provido de apculo. APCULO pequena ponta aguda e curta, mas pouco consistente. APOCRPICO diz-se do gineceu e depois do fruto onde os carpelos no se fundiram [Fig.17]. APODRECIMENTO destruio da semente ou das estruturas da plntula, geralmente associada presena de microorganismos patognicos. APOMIXIA quando a reproduo ocorre sem fecundao. AQUNIO fruto nucide simples, seco, indeiscente, unilocular, unisse minado, originado de um ovrio bicarpelar e nfero, com semente presa na parede do fruto (pericarpo) em um s ponto, na base; pericarpo no soldado ao tegumento, liso ou com excrescncias; pode apresentar estruturas FIGURA 17 Apocrpico. FIGURA 18 Aqunios alados: A- Synedrella nodiflora (raio do captulo); B- Soliva pterosperma; C-D- Syne- drellopsis grisebachii (com dois tipos do centro do captulo) e C-D- seo transversal. 30. 34 Glossario Ilustrado de Morfologia acessrias (invlucro) na base ou apresentar o clice modificado em papus; fruto das Asteraceae (=Compositae - Fig. 18-19-20-21-22-23-24-25), Cyperaceae, Dipsacaceae e Valerianaceae. Aqunio alado em Soliva pterosperma (Juss.) Less. ala bilobada e recortada; Synedrella nodiflora (L.) Gaertn. aqunios da periferia, do captulo, alados e com cerdas ascendentes, de diferentes tamanhos e com diminutos clios esparsos branco-amarelados na margem; Sy- nedrellopsis grisebachii Hieron & Kuntze dois tipos de aqunios no centro do captulo, um com ala estreita virada para o lado ventral e outro com ala estendida e laciniada nas margens [Fig.18]. Aqunio heterocarpo com dois ou mais tipos de aqunios na mesma inflorescncia; em Asteraceae (=Compositae) os frutos originados na periferia (raio) do captulo podem apresentar caractersticas morfo- lgicas diferentes daqueles que se formam no centro do captulo. Em Hypochaeris radicata L. aqunios do centro, do captulo, rostrados e os da periferia no rostrados [Fig.23A-A]; em Synedrella nodiflora (L.) Gaertn. aqunios do centro, do captulo, no alados e os da periferia alados, com cerdas ascendentes de diferentes tamanhos e com diminutos e esparsos clios branco-amarelados na margem Fig. 18A); em Synedrellopsis grisebachii Hieron & Kuntze aqunios da periferia, do captulo, no alados e os do centro com dois tipos, um com estreita-ala virada para o lado ventral e outro com ala esten- dida e laciniada nas margens Fig.18C-C-D); em Picris echioides L. aqunios pilosos na periferia e os do centro glabros Fig.23B-B). Aqunio rostrado prolongamento apical do aqunio, onde no pice se insere o papus, como em Hypochaeris brasiliensis Griseb., H. grisebachii Cabr., H. glabra L. e H. radicata L. [Fig.23A]. FIGURA 19 Aqunio com papus bisseriado: Vernonia scorpioides. 31. A 35 FIGURA 20 Aqunio com papus aristado ou cerdoso: A-A- Bidens pilosa; B- Bidens subalternans, C- Blainvillea biaristata; D- Eclipta alba; E- Elephantopus mollis; F- Jaegeria hirta. FIGURA 21 Aqunio com papus ausente: A- Elvira biflora; B- Siegesbeckia orientalis; C- Picris hieracioides. FIGURA 22 Aqunios com papus multisseriado: A- Centaurea melitensis; B- Centau- rea solstitialis. FIGURA 23 Aqunios heterocarpos: A-A-Hypochaeris radicata; B-B- Picris echioides; A-B- aqu- nios que se inserem no centro do captulo; A- B- aqunios que se inserem na perife- ria do captulo. 32. 36 Glossario Ilustrado de Morfologia FIGURA 25 Aqunio com papus paleceo: A- Ageratum conyzoi- des; B- Galinsoga parviflora; C- Parthenium hystero- phorus; D- Tagetes minuta. FIGURA 24 Aqunios com papus piloso unisseriado: A- Conyza bonariensis; B- Emilia sonchifolia; C- Erechtites hieracifolia; D- Eupatorium squalidum; E- Gochnatia velutina; F- Son- chus asper; G- Sonchus oleraceus. 33. A 37 ARACNIDEdiz-sedasuperfciedeumrgo(folha,frutoousemente)que se apresenta revestida por plos finos, soltos, brancos e emaranhados [Fig.204A]. ARBREA quando a planta se aproxima do tamanho de uma rvore. ARBUSTO planta com caule lenhoso que se ramifica desde a base, portanto no forma um tronco (fuste) definido; a altura da planta no a define como arbusto ou rvore; mas alguns autores consideram quando a altura no superior a 4m. ARECACEAE nome vlido para a famlia Palmae. AROLA pequena rea; pequeno crculo deprimido, em torno do ponto de insero de alguns samardios de Malpighiaceae (como Banisteriopsis basifixa e Banisteriopsis megaphylla) e dos espinhos em certas plantas espinhosas [Fig.300D-J-M]; linha pontilhada, em forma de semicrculo, na base da lema frtil das espcies de Brachiaria [Fig.46]. ARGNTEO de colorao prateada. ARILADO(A) que possui arilo. ARILO excrescncia carnosa da semente; que pode ser de dois tipos: es- trofolo (etr - formado pelo funculo - f) e carncula (cru - formada pelo tegumento e prximo da micrpila); os dois tipos somente se diferenciam em funo do lugar onde iniciam seu desenvolvimento, do tamanho que alcanam, pela morfologia e pela colorao. O arilo (ari) s vezes cobre todo o tegumento da semente (sarcotesta) ou forma apenas um apn- FIGURA 27 Arilos: A- Acacia molissima; B- Acacia longifolia; C- Turnera ulmifolia; D- Cleo- me sp.; E- Polygala sp.; F- Connarus sp.; G- Glinus sp.; H-H- Eriosema sp.; I- Cheli- donium majus. FIGURA 26 Arilo da semente de Connarus sp. 34. 38 Glossario Ilustrado de Morfologia dice de tamanho varivel. Ex: Connarus sp. (Connaraceae Fig.26, 27F), teixo (Taxus baccata L.), noz-moscada (Myristiaca fragans Houtt.), mara- cuj (Passiflora sp.), Talauma ovata A. St.-Hil. (Magnoliaceae). Nas Faba- ceaePapilionoideae apresenta-se como um anel ou um arco carnoso, ou como uma faixa ao lado do hilo, como em labe-labe (Lablab purpureus (L.) Sweet.), Mucuna, Eriosema arilo membranceo Fig.27H-H e Ulex (Fa- baceaePapilionoideae); Acacia molissima (Andrews) Willd. (FabaceaeMi- mosoideae Fig.27A); Turnera ulmifolia L (Turneraceae) arilo funicular (f), unilateral, branco, membranceo, inteiro ou lacerado, ao redor do pice do funculo, exceto do lado da micrpila Fig.27C; Cleome sp. (Cappara- ceae) sem ou com arilo vesiculoso Fig.27D. Ver arilide, carncula, estrofolo, funculo, micrpila e sarcotesta. ARILIDE termo usado para designar as estruturas carnosas formadas em tornodoexostomadamicrpila;falsoarilo;ocorreemXylopia(Annonaceae), evnimo-da-Europa (Euonymus europaeus L. Celastraceae), Clusia (Clusiaceae =Guttiferae), Swartzia e Copaifera (FabaceaePapilionoideae), Maytenus e Celastrus (Celastraceae), Polygala (Polygalaceae - Fig.27E), Dodonaea e Paullinia (Sapindaceae). Em Cucurbitaceae o arilide pode ser fibroso ou piloso e mais abundante prximo regio dos bordos, como em Cucurbita e Lagenaria; ou pode ser como uma cobertura de plos, recobrindo toda a superfcie, como em Cucumis e Melothria; ou pode ser carnoso-mucilaginoso, recobrindo toda a semente e formando um falso arilo vermelho, como em Momordica; ou pode ser um envoltrio membranoso-hialino e ligado extremidade hilar, como em Cucumis. ARISTA prolongamento ou apndice, mais ou menos rgido, delgado, reto, curvo ou geniculado, encontrado freqentemente no pice ou no dorso das glumas ou glumelas, das espiguetas ou dos antcios estreis 35. A 39 das Poaceae (=Gramineae) ou de frutos de outras famlias botnicas, como nos aqunios de algumas espcies de Asteraceae (=Compositae ex: Bidens pilosa L. Fig.19A-A). Em Poaceae (=Gramineae) a arista geralmente a continuao da nervura mediana de glumas ou lemas, como nos gneros Arrhenatherum e Avena [Fig.27-30-31]. ARISTADO(A) provido de arista; quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) termina abruptamente em ponta longa, delgada, dura, reta e subulada [Fig.16A]. ARREDONDADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) apresentam-se quase como um crculo. Arrhenatherum elatius (L.) P. Beauv. ex J. Presl & C. Presl espiguetas comprimidas lateralmente, pediceladas, com dois antcios, com o inferior estaminado (ani) e o superior frtil (ans), que se desarticulam acima das glumas; segmento da rquila se prolongada acima do antcio superior; glumas finamente escabrosas, a inferior (gli) com 1-nervura, mais curta do que os antcios e gluma superior (gls) com 3-nervuras e subigualando-se aos antcios; lemas com 5-7 nervuras, de colorao palha-clara, com (8,0-)9,0-10,0mm de comprimento, diminutamente escabrosas na metade superior e frequentemente com esparsos e longos plos esbranquiados na metade inferior; antcio inferior (ani) com longa arista (asg) torcida, geniculada, que se insere no dorso da lema (le) perto da base e listrada de castanho e amerelo-bronzeado; antcio superior (frtil) com curta arista reta e subapical, inserida no dorso da lema frtil (lf) e com antcio inferior aderido; pleas (pf) hialinas, estreitas, que tendem a ser mais longas do que as lemas e nervuras da carena bem juntas; calo com abundantes plos longos, estendidos e de colorao FIGURA 28 Arrhenatherum elatius: A- espigueta; B- antcio superior; C- antcio inferior; C- continuao da arista; D- cariopse. 36. 40 Glossario Ilustrado de Morfologia clara; cariopse subcilndica, com cerca de 4-5mm de comprimento, amarelada ou castanho-clara, em vista latersal o lado dorsal quase reto e o ventral convexo [Fig.28]. Arista geralmente quebrada nas sementes comerciais, devido ao beneficiamento. A unidade-semente formada pela espigueta inteira (antcio frtil + antcio estaminado) e sem as glumas, ou pelo antcio frtil, ou pela cariopse. ARTICULADO(A) que se articula; provido de regies predeterminadas onde podem ocorrer fragmentaes, como em Sorghum (Poaceae =Gramineae) [Fig.327]. Ver abciso e desarticulao. ARTCULO cada um uma das pores (ar - segmentos) destacveis ou das fragmentaestransversais,unisseminados,deiscentesouindeiscentes, de um craspdio, tpico de Fabaceae (=Leguminosae)Mimosoideae como do gnero Mimosa e de algumas espcies de Desmodium e Stylosanthes; ou de um lomento, tpico de FabaceaeCaesalpinioideae; ou de FabaceaePapilionoideae, como em Aeschynomene e Ornithopus sativus Brot. - Fig.29) ou sliqua lomentcea que ocorre em Brassica- ceae =Cruciferae, como Raphanus raphanistrum [Fig.321A-A-A]. RVORE planta lenhosa com crescimento monopodial, com fuste principal definido e na parte superior uma copa ramificada; s se ramifica depois de 2m de altura. ARVORETA planta lenhosa com tronco principal definido e com uma copa ramificada; alguns autores consideram que a altura varia entre 3-4m. ASCENDENTE que cresce obliquamente para cima; como plos, espinhos dirigidos para o pice, formando com o eixo um ngulo menor do que 90. 37. A 41 SPERA diz-se da superfcie de um rgo revestida com curtas pontas duras e irregulares. ASSIMTRICO sem simetria. ASTERACEAE nome vlido para a famlia Compositae. ATENUADO(A) diz-se quando o pice ou a base de um rgo (folha, fruto ou semente) se afila lentamente para um ngulo agudo [Fig.102P]. Folha com pice atenuado Eucaliptus saligna Sm. ATROAVERMELHADO(A) colorao que varia do vermelho-preto ao preto. Colorao das sementes de Amaranthus e Chenopodium. TROPO ver vulo orttropo. ATROPURPREO(A) colorao que varia de prpura ao negro. AURCULA pequena projeo (lobo - au) na base de uma folha [Fig.102 E]. Ver auriculado. AURICULADO(A) que tem aurcula, lobo ou prolongamento em forma de orelha na base [Fig.102E]. AUTOCORIA quando a disperso de disporos feita pela prpria planta, isto , os frutos se abrem por presso e lanam as sementes a distncia; como no beijo-de-frade (Impatiens balsamina L. Balsaminaceae), Acystacia, Justicia e Ruellia (Acanthaceae). Ver anemocoria, antropo- coria, hidrocoria, ornitocoria e zoocoria. FIGURA 29 Artculo de Ornithopus sativus. 38. 42 Glossario Ilustrado de Morfologia Avena sp. espigueta com 1-6 antcios, que se desarticulam acima das glumas e entre os antcios; o tipo da abciso um carter impor- tante na distino das espcies de aveia (abciso da espigueta do seu pedicelo, dos antcios e entre os antcios); duas glumas iguais ou su- biguais, alongadas, agudas, membranceas e persistentes na inflo- rescncia (pancula). Ver abciso em Avena. Algumas caractersticas importantes podem estar presentes no antcio basal e ausentes nos antcios superiores; antcios aristados, arista geniculada (asg); le- mas endurecidas quando maduras, com dorso arredondado, mais curtas do que as glumas; plea com duas carenas ciliadas, de com- primento igual ou pouco menor do que a lema; cariopse firmemente envolta pela lema e plea endurescida [Fig.30, 31, 32]. A unidade- semente o antcio-frtil, dificilmente a cariopse nua. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Avena: Todos os antcios se desarticulam por abciso completa: Lema (lf) com dois diminutos dentes ou duas aristas terminais, segmento da rquila (seg - rquis) pilosa; cariopse delgada ou ligeiramente engrossada. Avena barbata Pott. ex Link espigueta com 2-3 antcios, geralmente com um antcio rudimentar adicional, na extremidade alongada da rquila; glumas quase iguais no tamanho e geralmente 9-nervadas; antcio frtil estreito- elptico, em vista lateral no evidentemente mais largo na poro mediana (na base da arista); lema (lf) com duas aristas apicais, geralmente 7-nervadas, de colorao parda (quando maduras), com longos e abundantes plos amarelados no lado dorsal, com escabrosidade antrorsa sobre as nervuras, 39. A 43 na poro superior e sobre as duas aristas apicais; arista torcida, geniculada (asg), de colorao mais clara e inserida pouco abaixo da poro mediana da lema; plea (pf) bicarenadas, denso ciliada nas carenas, pice 2-denticulada (que correspondem as terminaes das nervuras das carenas); calo estreito-elptico e circundado por um anel incompleto de plos; segmento da rquila (seg) avermelhada, se desarticula na base de cada antcio e com longos e duros plos estendidos; cariopse com escutelo conspcuo [Fig.30G, 31G, 32E ]. Avena fatua L. espigueta com 2-3 antcios, geralmente com um antcio rudimentar adicional aristado e com segmento da rquila piloso e alongado; glumas quase iguais no tamanho e geralmente 9-nervadas; antcio frtil estreito-elptico, em vista lateralsomentemaislargonaporomediana (nabasedaarista); lema (lf) com dois curtos dentes no pice hialino, geralmente 7-nervadas, castanho-escura (quando madura), com esparsos e longos plos duros e castanhos na face dorsal (abaixo da insero da arista) ou glabra, com escabrosidade antrorsa sobre as nervuras, com arista torcida, geniculada (asg), inserida ao redor da poro mediana; plea (pf) bicarenada, denso-ciliada nascarenas,picebidenticulado (quecorrespondesterminaes das nervuras das carenas); calo arredondado ou oval, circundado por um anel de plos castanhos, longos e estendidos ou curtos e compactos (densos); segmento da rquila (seg) se desarticula na base de cada antcio e com longos e duros plos castanhos na parte externa; cariopse oblonga, levemente mais larga na poro mediana, com escutelo ausente ou reduzido fraca linha branca [Fig.30E, 31E, 32C]. FIGURA 30 Avena (antcio frtil lado ventral): A- A. strigosa, B-C-D- A. byzantina, E- A. fatua, F- A. sativa, G- A. barbata. 40. 44 Glossario Ilustrado de Morfologia Todos os antcios se desarticulam por fratura: Lema (lf) aguda e com dois diminutos dentes terminais; arista quando presente reta ou geniculada, torcida na parte inferior e em geral com inflexo abaixo do pice da lema; segmento da rquila (seg) glabro; cariopse no conspicuamente espessado na metade inferior e escutelo largo e evidente. Avena byzantina K. Koch (includa em Avena sativa L.) com caractersticas morfolgicas iguais as de Avena sativa L., pode-se afirmar que, s vezes, o segmento da rquila partido na base do antcio basal ou prximo dela [Fig.30B- C-D, 31B-C-D, 32B].Segundo DILLENBERG (1984) o material que deu origem primeira descrio (o holotipo), que se encontra no Herbrio de Berlim, na realidade corresponde a Avena sativa L., portanto esta espcie deve ser considerada como sinnimo de A. sativa, o que comunga tambm com a opinio de outros autores. Avena sativa L. espigueta com 1-3 antcios e com um antcio rudimentar adicional, na extremidade alongada do segmento da rquila; glumas quase iguais no tamanho, geralmente 9-nervadas; lema (lf) com pice inteiro ou bidentado, em geral 7-nervadas, de lisa a finamente granulosa, amarelada, glabra ou com tufo de plos (lateralmente sobre o calo), mais raro alguns plos longos no lado dorsal, abaixo da insero da arista, com escabrosidade antrorsa sobre as nervuras, na poro apical da lema; aristada ou no (o que pode ocorrer na mesma inflorescncia); arista reta, s vezes semi-geniculada e semi-torcida, inserida na poro mediana ou pouco acima; FIGURA 31 Avena (antcio frtil lado dorsal): A- A. strigosa, B-C-D- A. byzantina, E- A. fatua, F- A. sativa, G- A. barbata. 41. A 45 plea (pf) bidenticulado (que corresponde as terminaes das nervuras das carenas) e com densos clios sobre as carenas; segmento da rquila (seg) glabro ou s vezes com alguns plos e sem desarticulao (os antcios no se separam, quando maduros) [Fig. 30F, 31F, 32D]. Lema linear, com duas longas aristas, com arista geniculada e com inflexoabaixodopicedalema; segmentodarquila piloso; cariopse levemente mais larga na poro mediana, escutelo largo e evidente. Avena strigosa Schreb. espiguetas com 1-2 antcios, geral- mente com um antcio rudimentar adicional, este frequente- mentearistadoecomarstulas;glumasquaseiguaistamanhoe geralmente 9-nervadas; lema (lf) acuminada, com duas longas aristas duras, geralmente 7-nervadas, de colorao escura (quando maduras) e nervuras mais claras, com escabrosidade antrorsa sobre a poro terminal da lema e as aristas apicais; arista torcida, geniculada (asg), de colorao mais clara e inserida pouco acima da poro mediana da lema; plea (pf) com pice bidenticulado (que corresponde as terminaes das nervuras das carenas), bicarenada, ciliada na poro terminal das carenas e nos dentculos apicais; segmento da rquila (seg) sem desarticulao (antcios no se desprendem quando maduros), glabra ou com tufo de longos plos restritos aos bordos da poro superior; cariopse estreito-oblonga, com escutelo largo e evidente [Fig.30A, 31A, 32A]. AXIAL relativo ao eixo; diz-se do embrio quando ele se encontra no centro (no eixo) da semente [Fig.33], ou do fruto (cpsula septfraga) FIGURA 32 Avena (antcio frtil vista lateral): A- A. stri- gosa, B- A. byzantina, C- A. fatua, D- A. sativa, E- A. barbata. 42. 46 Glossario Ilustrado de Morfologia quando as sementes esto presas no eixo central (columela), como nas Convolvulaceae, nos gneros Convolvulus, Ipomoea e Merremia. Ver placentao axial. AXILA ngulo formado entre a insero de um rgo com o eixo no qual est inserido, geralmente se refere a folha e ao caule ou a folha e o pictilo. AXILAR que fica na axila, ngulo formado pelo encontro de dois rgos ou partes da planta (axila da folha ngulo formado pelo pecolo no ponto onde ele se prende ao caule); ou no caso da placentao quando, num gineceu sincrpico, plurilocular, os vulos se inserem nos bordos de cada carpelo, na poro central, onde ocorre a fuso dos carpelos [Fig. 33]. Axonopus sp. espiguetas com dois antcios, que se desarticulam abaixo da gluma superior, de 2,0-3,0mm de comprimento e com esparsos plos longos nas margens; gluma inferior ausente; gluma superior (gls) e lema estril membranceas, iguais no comprimento e localizadas por cima da lema frtil; antcio inferior reduzido apenas a lema estril (plea estril ausente); antcio frtil (lema e plea) papirceo, liso e glabro; lema frtil (lf) de glabra a alguns plos no pice e com as margens recurvadas sobre a plea (pf). A unidade- semente o antcio frtil, com agluma superior e lema estril. Raramente se encontra o antcio frtil, sem gluma superior e sem lema estril, misturada as sementes beneficiadas. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Axonopus: Axonopus compressus (Sw.) P. Beauv. espiguetas de ovalado- lanceoladas a elptico-lanceoladas, plano-convexas e acuminadas; gluma superior (gls) e lema estril de agudas a sub-agudas, ao FIGURA 33 Axial (A); Axilar (B). FIGURA 34 Axonopus compressus (A-C-D) e A. fissifolius (B): A-B- espigueta; C- antcio frtil; D- cariopse. 43. A 47 longo das nervuras externas esparso-pubescentes ou glabras, com 4-5-nervuras, se 5-nervada com a mediana s vezes apagada (vestigial); antcio frtil de colorao palha; lema frtil (lf) de obtusa a subaguda e menor do que a gluma superior e a lema estril [Fig. 34A-C-D]. Axonopus fissifolius (Raddi) Kuhlm. (=Axonopus affinis Chase) espiguetas de oblongas a ovaladas, obtusas ou subagudas; gluma superior (gls) e lema estril linear-elpticas, sub-obtusas ou agudas, de esverdeadas a violceas, com 2-4 nervuras, com a central apagada, glabra ou com pubescncia adpressa ao longo das nervuras; antcio frtil branco-amarelado; lema frtil (lf) do mesmo tamanho da gluma superior ou um pouco menor [Fig.34B]. 44. 50 Glossario Ilustrado de Morfologia BACCEO fruto bacide, indeiscente, origindo de um ovrio nfero ou semi-nfero, com mesocarpo carnoso e endocarpo membranceo, com espao central dividido ou no por septos, com uma semente como no fruto do abacate (Persea americana Mill. - Fig.35), ou com poucas sementes, que no se encontram envoltas por polpa. Bacceo (ba) ocorre em Melastomataceae, nos gneros Cinnamodendron (Canella-ceae - Fig.36A), Cayaponia e Fevillea (Cucurbitaceae - Fig. 36E), Mezilaurus (Lauraceae - Fig.36B), Adenaria (Lythraceae - Fig. 36D), Eugenia, Gomidesia e Myrcia (Myrtaceae), Coccocypselum (Rubiaceae - Fig.36C), Brunfelsia e Cestrum (Solanaceae). BACDIO fruto bacide, indeiscente, originado de um ovrio nfero ou semi-nfero, com epicarpo geralmente fino e mesocarpo carnoso ou sucoso, uni- ou multisseminado, no h ntida distino entre os lculos (lo). Sementes (s) envoltas por polpa sulcosa; como em Mutingia calabura L. (Tiliaceae) e nos gneros Miconia, Mouriri e Platycentrum (Melastomataceae), Myrciaria (Myrtaceae), Vitis e Cissus (Vitaceae) e Phytolacca (Phytolaccaceae) [Fig.37A-B-C-D]. BACIDE incluem os frutos indeiscentes, carnosos, com pericarpo de pouco a muito espessado e endocarpo constitudo apenas pela epiderme interna, no diferenciada, mas no lenhosa, esclereificada ou coricea; geralmente com um grande nmero de sementes, mas no so raros os oligospemos e at mesmo os unisseminados. Ocorre em Potalia sp. (Loganiaceae - Fig.38A) e Schlegelia (Bignoniaceae - Fig. 38B-C]. O fruto bacide se classifica em: anfissarcdio, bacceo, bacdio, balastio, campomanesodeo, hesperdio, melandio, solandio e teofrastdio. Ver a descrio de cada um deles. FIGURA 35 Bacceo (seo longitudinal) do abacate. FIGURA 36 Bacceos: A- Cinnamodendron sp.; B- Mezilaurus sp.; C- Coccocypselum sp.; D- Adenaria sp.; E- Fevillea sp. Fonte: A-C-D-E: Barroso et al. (1999). FIGURA 37 Bacdios: A- Phytolacca sp.; B- Platy- centrum sp.; Mouriri sp.: C- fruto inteiro e D- seo transversal, mostrando a invaginao da placenta no lculo. Fonte B-C-D: Barroso et al. (1999). 45. B 51 BACTRIA vegetal unicelular, sem ncleo diferenciado e sem clorofila, com membrana pectnica, raramente celulsica e em geral com menos de dois micras. BAGA termo genrico, muito usado como sinnimo de solandio. BAINHA parte basal ou achatada da folha, que a prende ao caule [Fig.39- bai, 172D-bai]. BAINHA COTILEDONAR poro basal do tecido cotiledonar que aparece nas plntulas de Monocotiledneas, como uma pequena protuberncia, em geral membrancea, que se rompe no pice e libera a primeira folha (efilo) ou a plmula (pl); o mesmo que coleptilo (cop) [Fig.78 B, 187]. Difere da IguIa por no ter vasos condutores. BALAUSTA ou BALASTIO fruto bacide carnoso, indeiscente, multisseminado, originado de um ovrio nfero, com carpelos dispostos em dois estratos; com pericarpo carnoso-coriceo, amarelo- avermelhado; internamente dividido em cavidades, com endocarpo fino, onde se alojam as numerosas sementes, com sarcotesta translcida, mesotesta esclertica e tegumento formado por clulas polposas; com funculo (f) longo e endosperma ausente; como o fruto da rom (Punica granatum L. Punicaceae) [Fig.40]. BARBADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por longos plos macios, que crescem em tufos e em diferentes partes da superfcie, mais freqentes no pice [Fig.204B]. FIGURA 38 Bacides: A- Potalia sp.; Schlegelia sp.: B- fruto inteiro; C- corte longitu- dinal mostrando as sementes. Fonte: Barroso et al. (1999). FIGURA 39 Bainha FIGURA 40 Balausta de rom. 46. 52 Glossario Ilustrado de Morfologia BAROCORIA quando a disperso de disporos feita pela ao da gravidade; como no abacate e manga. Ver anemocoria, antropocoria, autocoria, hidrocoria, ornitocoria e zoocoria. BASAL relativo base; parte de uma estrutura perto do ponto de unio ou de origem, podem ocorrer excees; refere-se tambm extremidade da radcula da semente. BASE parte de um rgo que est mais prximo ao ponto de insero. BASINMIO em taxonomia: o primeiro nome dado (reconhecidamente conferido) a um txon. (em ingls: basionym). BERTOLONDIO fruto capsuldio e que ocorre no gnero Bertolonia (Melastomataceae), que segundo BARROSO et al. (1999) apresenta trs deiscncias loculicidas somente na poro superior, o que s pode ser visto de cima, de onde tem um aspecto radial. BETULDIO designao dada aos frutos nucides, originados de um ovrio nfero e provido de alas derivadas de expanses do hipanto. O pericarpo pode ser lenhoso ou coriceo, com duas ou mais alas; como nos gneros Combretum, Terminalia e Thiloa (Combretaceae) e Pteropegon (Cucurbitaceae) [Fig.41A-B-C]. BIANUAL diz-se da planta que completa seu ciclo vegetativo em dois anos, no primeiro ano desenvolve a parte vegetativa e no segundo, floresce e frutifica; o mesmo que bienal. BICARENADO estrutura com duas quilhas (carenas). FIGURA 41 Betuldios: A- Pteropegon sp.; B-C- Thiloa sp. Fonte B-C-: Barroso et al. (1999). 47. B 53 BICO prolongamento longo e pontudo de um rgo (fruto ou semente). Encontra-se nos frutos dos gneros Adonis, Anemone, Ranunculus (Ra- nunculaceae), Erodium e Geranium (Geraniaceae) e Geum (Rosaceae). BICRENADA(O) diz-se quando a margem de uma folha apresenta dentes arredondados que por sua vez tambm esto crenados [Fig.110A]. BIENAL o mesmo que bianual. BFIDO(A) rgo fendido em duas partes, em geral na poro superior e que no ultrapassa a metade do comprimento do referido rgo; como as folhas de Bauhinia forficata Link e folhas cotiledonares de Ipomoea carnea Jacq., Ipomoea hederacea (L.) Jacq. e Ipomoea invisa (Vell.) Hallier (Convolvulaceae). BILABIADO(A) que tem dois lbios (lb); diz-se da corola gamoptala e zigomorpha, onde as ptalas se distribuem nitidamente em dois lbios superpostos, como a corola da boca-de-leo (Antirrhinum majus L. Scrophulariaceae - Fig.42). BILOCULAR diz-se do ovrio ou do fruto com dois lculos. Fruto (solandio) de Capsicum chinense L. (Solanaceae). BILOMENTO sliqua lomentcea, indeiscente, que se divide transversal- mente em dois artculos superpostos, o superior globoso e frtil, como nos frutos do gnero Rapistrum (Brassicaceae) [Fig.322]. BINMIO em taxonomia: nome cientfico dado a uma espcie botnica, formado por dois vocbulos latinos (gnero e espcie). FIGURA 42 Bilabiado: lb- lbio. 48. 54 Glossario Ilustrado de Morfologia BIPARTIDO(A) qualquer rgo com inciso apical que se extende por quase todo o comprimento, dividindo-o em duas partes, mas que permanece unido pela base como as folhas cotiledonares de Ipomoea asarifolia (Desr.) Roem. & Schult., Ipomoea cairica (L.) Sweet., Ipomoea nil (L.) Roth, Ipomoea ramosissima (Poir.) Choisy e Ipomoea triloba L. [Fig.176]. BIPINADA quando a folha composta est duplamente pinada ou dividida, ou as divises primrias tambm esto divididas [Fig.43]. Folha de Delonix regia (Bojer ex Hook.) Raf. (Fabaceae-Caesalpinioideae). BIPINATFIDA que tem folha composta bipinada. BISPRMICO diz-se do fruto que contm duas sementes. BISERREADA(O) ou DUPLOSERREADA(O) diz-se quando os dentes de uma margem serreada tambm esto serreados [Fig.110B]. BISSEXUAL diz-se da flor que tem rgos masculinos (estames) e femininos (pistio). BLASTOCRPICO diz-se da semente que germina no interior do fruto; como as das plantas do mangue, que ao cair j trazem o embrio em desenvolvimento. BLASTOCARPO diz-se do fruto cuja semente germina antes de sair do pericarpo. Boerhavia diffusa L. antocarpo obcnico, reto ou longitudinalmente curvado, com (2,5-)3,7-4,1mm de comprimento (var. diffusa) ou FIGURA 43 Bipinada: fol- fololo; ra- raque. 49. B 55 cerca de 2,1mm de comprimento (var. leiocarpa) por 1,0-1,1mm de largura, com pice arredondado e atenuando-se para uma base estreita, superfcie castanho-amarelada ou acinzentada, fosca, na var. diffusa: com plos glandulosos e brancos entre as cinco nervuras longitudinais conspcuas, mais claras e espessas; na var. leiocarpa: glabra, tuberculada e com cinco sulcos longitudinais; ncula globosa com pericarpo reduzido a fina pelcula e que internamente se justapem ao tegumento membranceo e externamente ao espesso antocarpo [Fig.15A-B-C]. A unidade- semente o antocarpo. BOLBILHO o mesmo que bulbilho. BOLOTA tipo de ncula envolta na base pela cpula, formada pelo receptculo ou pelo clice persistente; fruto do carvalho (Quercus robur L. Fagaceae Fig.44). BORDO o mesmo que margem. Bowlesia incana Ruiz & Pav. cremocarpo formado por dois carpdios piriformes, de contorno ovalado e em seo transversal estreito- elptico, com 1,6-2,0mm de comprimento, com base arredondada e atenuando gradativamente para um pice agudo-obtuso; lado ventral (da comissura) cncavo e muito estreito, porque o lado ventral fortemente convexo, com cinco costelas longitudinais inconspcuas e com as laterais viradas para o lado ventral, de colorao castanho-amarelado-clara, fosco e com esparsos plos estelados [Fig.109F-G-H]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. FIGURA 44 Bolota. 50. 56 Glossario Ilustrado de Morfologia Brachiaria sp. espigueta com dois antcios, de ovada a oblonga, mais ou menos plano-convexa ou biconvexa; 2-glumas de textura papircea e desiguais na forma e no tamanho; primeira gluma ou gluma inferior (gli) voltada para o rquis e geralmente menor ou, raramente, to longa quanto a espigueta; segunda gluma ou gluma superior (gls) mais ou menos do mesmo comprimento da lema estril, com 5-7(-9) nervuras relativamente prximas; segmento da rquila entre a gluma inferior e a superior; antcio basal estril ou estaminado (masculino) membranceo, formado pela lema estril (le) com 5-9(-11) nevuras e as laterais um pouco mais afastadas da nervura mediana e pela plea estril hialina, binervada, to longa quanto a lema estril, ou s vezes, reduzida ou rudimentar; antcio superior (apical) frtil ou bisexual crustceo, plano-convexo, formado pela lema frtil (lf) com 5-nervuras inconspcuas, geralmente papilosa-rugosa ou estriada, pice incospicuamente apiculada ou mucronado (ponta aguda e curta), com linha de ruptura conspcua e arola (are) deprimida, mais ou FIGURA 45 Brachiaria (espiqueta): A-B- B. brizantha; C-D-E-F-G-H- B. decumbens; I-J-K- B. humidicola; L-M-N- B. dictyoneura; O-P- B. ruziziensis: A-C-F-I-L-O- lado dorsal, B-D-G-J-M-P- lado ventral; E-H- gluma inferior; K-N- lema estril ou estaminada. 51. B 57 menos lustrosa, hipocrepiforme-arredondada perto da base, como um desenho conspicuamente estriado; plea frtil (pf) to longa quanto a lema frtil, com duas conspcuas carenas espessadas, margens lisas, lustrosas, de textura mais fina e conspicuamente convexo-encurvados sobre a cariopse; esta achatada, de contorno ovalado ou arredondado, com hilo sub-basal-ventral e punctiforme; rea do embrio dorsal e cerca da a comprimento da cariopse [Fig.45, 46]. A unidade-semente a espigueta, raras vezes o antcio frtil. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Brachiaria: FIGURA 46 Brachiaria (antcio frtil): A-B- B. brizantha; C-D-E-F- B. decumbens; G-H- B. humidicola; I-J- B. dictyoneura; K-L- B. ruziziensis; A-C-E-I- K- lado dorsal, B-D-F-H-J-L- lado ventral. Brachiaria brizantha (Hochst. ex A. Rich.) Stapf espigueta oblonga ou elptico-oblonga, com cerca de 6,0mm de comprimento por 2,0-2,5mm de largura, pice levemente obtuso ou subagudo, superfcie glabra ou esparso-pilosa no pice, de colorao palha e frequentemente com pigmentaes prpuras ou tingida de 52. 58 Glossario Ilustrado de Morfologia prpura, base atenuada e com conspcuo e grosso pednculo; gluma inferior (gli) largo-ovada, abraa a base da espigueta, com mais de do comprimento da espigueta, com 7-11 nervuras, glabra, s vezes, com extremidades das nervuras anastomosadas (unidas); gluma superior (gls) ovada, ligeiramente mais curta do que a lema estril, pice esparso-piloso ou glabro, com 7-nervuras e com agumas nervuras transversais perto do pice; lema estril (le) semelhante gluma superior, achatada no dorso, com pice curto-encurvado, glabrescente ou pilosa, com 5-nervuras e com agumas nervuras transversais perto do pice; antcio frtil oblongo ou elptico-oblongo e de colorao palha; lema frtil (lf) elptico- ovada, finamente estriada e com curto pice obtuso e encurvado; plea frtil (pf) menos convexa no dorso, ligeiramente menor do que a lema [Fig.45A-B, 46A-B]. Brachiaria decumbens Stapf espigueta obovada-elptica, acuminada, com 4-5mm de comprimento por cerca de 2mm de largura, esparso- pilosa no pice; gluma inferior (gli) largo-ovada, pice agudo, abraa a base da espigueta, com mais de do comprimento da espigueta, com 9-11 nervuras, glabras, s vezes, com extremidades das nervuras anastomosadas (unidas) e algumas nervuras transversais na poro superior; gluma superior (gls) ovada, ligeiramente mais curta do que a lema estril, glabrescente ou esparso-hirsuta no pice, com 7-nervuras e com agumas nervuras transversais perto do pice; lema estril (le) semelhante gluma superior, to longa quanto a espigueta, poucos plos ou glabrescente, com 5-nervuras e com agumas nervuras transversais anastomosadas (unidas); plea estril to longa quanto a lema; antcio frtil ovado, com cerca de 4mm de comprimento por 2mm de largura e de colorao 53. B 59 amarelo-clara; lema frtil (lf) ovada, acuminada e finamente estriada longitudinalmente; plea frtil (pf) plana; cariopse ovada ou obovada, com cerca de 3,0mm de comprimento por 1,7mm de largura e de colorao palha [Fig.45C-D-E-F-G-H, 46C-D-E-F]. Brachiaria dictyoneura (Fig. & De Not.) Stapf espigueta obovada ou largo-oblonga, pice obtuso, com 6-7mm de comprimento por cerca de 2,5mm de largura; gluma inferior (gli) largo-oblonga, to longa quanto a espigueta, com as margens se encontrando na base da espigueta, membrancea, glabra, opaca, geralmente de colorao prpura-escura ou verde, com 9-11 nervuras, plicada e nervuras finamente reticuladas no pice; gluma superior (gls) oblonga, menos larga do que a gluma inferior, membrancea, de colorao verde-clara, 7-9 nervuras, com densas nervuras transversais anastomosadas (unidas), pilosa, com longos plos brancos, adpressos e mais longos na poro superior; lema estril (le) largo-ovada, semelhante a gluma superior em textura, colorao e pilosidade, com 5-nervuras e com densas e longas nervuras transversais anastomosadas (unidas), quase glabra no centro; plea estril largo-elptica, to longa quanto a lema estril; antcio frtil de colorao palha ou amerelo-escura, com 4-5mm de comprimento, muito menos longa do que as glumas e a lema estril; lema frtil (lf) obovada, mucronada, finamente transverso- rugosa; plea frtil (pf) levemente convexa no dorso, ligeiramente mais curta, margens terminam em fina membrana; cariopse ovada e de colorao palha [Fig.45L-M-N, 46I-J]. Brachiaria humidicola (Rendle) Schweick. espigueta ovado- elptica, com cerca de 5mm de comprimento por 2mm de 54. 60 Glossario Ilustrado de Morfologia largura, amarelada-clara, quase branca ou parcialmente prpura, com aparncia arredondada e mais aberta, do que as outras espcies do gnero, devido ao tamanho da gluma inferior e da lema frtil; gluma inferior (gli) largo-ovada, to longa quanto a espigueta, margens se encontram na base da espigueta, glabra, levemente plicada, de colorao amarelada ou prpura-escura ou com aparncia prpura, 9-11 nervuras, com 1-2 nervuras transversais no pice; gluma superior (gls) ovide, menos larga do que a gluma inferior, membrancea, de colorao verde-clara, com esparsos plos longos, duros e grossos, 7-9 nervuras e com nervuras transversais anastomosadas (unidas); lema estril (le) ovide, semelhante a gluma superior em textura e colorao, com 5-nervuras, com longas nervuras transversais anastomosadas (unidas) e quase glabra no centro; plea estril largo-ovada, to longa quanto a lema estril e com carenas endurescidas; antcio frtil de colorao palha ou branca (na maturao) com cerca de 3,5mm de comprimento por 2,0mm de largura; lema frtil (lf) obovada, apiculada, finamente transverso-rugosa e com 5-nervuras conspcuas; plea frtil (pf) levemente convexa no dorso, ligeira- mente mais curta, margens terminam em fina; cariopse obovada e de colorao palha [Fig. 45I-J-K, 46G-H]. Brachiaria plantaginea (Link) Hitchc. espigueta ovada-elptica ou ovalada, de plano-convexa a achatada, com 4-5mm de com- pri-mento por 2,0-2,5mm de largura e 0,9-1,0(-1,1)mm de espes- sura, glabra, estramnea, biseriada e inseridas alternadamente num rquis ligeiramente alado; guma inferior (gli) largo-ovalada, pice subagudo, glabra, fino-membrancea, cerca de do com- primento da espigueta, abraa a base da espigueta, 10-11-ner- FIGURA 47 Brachiaria plantaginea - espigueta: A- lado dorsal; B- lado ventral; C- plea estril; antcio frtil: D- lado dorsal; E- lado ventral. 55. B 61 vada, com conspcuas nervuras anastomosadas (unidas) no pice; gluma superior (gls) de ovalada a ovalada-elptica, acu- minada, glabra, do mesmo comprimento do antcio frtil, com 9-nervuras e com nervuras transversais anastomosadas (unidas) ausentes ou inconspcuas perto do pice; antcio estril com lema estril (le) 5-nervada e muito semelhante a gluma superior em forma, tamanho e textura; plea estril largo-elptica e to longa quanto a lema estril; antcio frtil ovalado, com dorso plano, glabro, amarelado, com (3,0-)3,2-3,6(-4,0)mm de com- primento por 2,0-2,2mm de largura e 0,7-0,8mm de espessura; lema frtil (lf) obovada ou elptica, crustcea, com fina rugosida- de transversal (45X) e nervuras fracamente visveis; plea frtil (pf) com dorso convexo, ligeiramente menor do que a lema frtil; cariopse ovalada-arredondada, achatada e amarelada; embrio cerca da do comprimento da cariopse; mancha hilar punctifor- me e sub-basal [Fig.47]. Brachiaria ruziziensis R. Germ. & C.M. Evrard espigueta ovada, apiculada, com cerca de 5mm de comprimento por 2mm de largura, com longos plos brancos no pice e nas margens; gluma inferior (gli) largo-ovada, pice subagudo, abraa a base da espigueta, cerca da do comprimento da espigueta, glabra, 11-nervuras, com extremidades das nervuras e algumas nervuras transversais anastomosadas (unidas) perto do pice; gluma superior (gls) ovada, pice apiculado, com plos longos e brancos na poro superior e nas margens, com 7-nervuras; lema estril (le) semelhante a gluma superior em forma, tamanho e textura, 5-nervada, plana ou levemente deprimida no dorso; plea estril largo-elptica e to longa quanto a lema estril; antcio frtil ovado-elptica; lema frtil 56. 62 Glossario Ilustrado de Morfologia (lf) obovada, pice com curto mucro, finamente estriada, quase lisa e com 5-nervuras conspcuas; plea frtil (pf) levemente convexa no dorso, ligeiramente mais curta [Fig.45O-P, Fig.46K-L]. BRCTEA folha reduzida, geralmente modificada ou semelhante a escama, que no eixo das Poaceae (=Gramineae) se estende por baixo de uma flor ou de uma espigueta; como em Poaceae (=Gramineae) nos gneros Oryza [Fig.157] e Phalaris [Fig.269]. diferente das folhas normais pela forma, tamanho, textura, colorao, etc. Brcteas involucrais ou Invlucro-de-brcteas cada uma das brcteas internas da flor feminina, que na maturao se tornam rijas e formam um invlucro que envolve o aqunio, como em Acanthospermum (Asteraceae =Compositae) [Fig.206]. BRACTOLA brctea de segunda ordem (secundria) ou glumela, geralmente bem menor do que a brctea. Bractola frtil ou lema frtil ou plea frtil. BRADIACARPO que frutifica depois do inverno, um ano aps a florao. BRASSICACEAE nome vlido para a famlia Cruciferae. Briza sp. espiguetas multifloras (unidade-semente mltipla) que se desarti- culam acima das glumas (inferior - gli e superior - gls) herbceas; antcio frtil com lema (lf) largo-cordiforme, com dorso giboso (ncleo seminfero em forma de carncula), sem carena e com ala lateral ou lema lanceolada, mucronada ou aristada, plurinervada, glabra ou pilosa; plea frtil (pf) FIGURA 48 Briza: A-B- B. minor; C-D-E-F- B. subaristata; G- B. poaeompha; A- espigueta; antcio frtil: B-D- vista lateral da lema; C-E- vista dorsal da lema; G- vista ventral; F- plea frtil. 57. B 63 bicarenada, de orbicular ou elptica a lanceolada, muito menor do que a lema, glabra ou pilosa; cariopse com hilo punctiforme, elptico ou linear [Fig.48]. A unidade-semente a espigueta ou o antcio frtil. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Briza: Briza maxima L. antcio frtil escavado-ovalado, de 8-10mm de comprimento por 5mm de largura e 0,3-0,5mm de espessura; lema frtil (lf) cncava, sem giba, base cordiforme, pice subagudo, de colorao amarelo-avermelhada, esparso-pilosa no dorso, margem alada, membrancea, de colorao palha e com 7-nervuras castanho- avermelhadas; segmento da rquila pequena, divergente -encurvada; plea frtil (pf) plana, suborbicular, adpressa a lema frtil e cerca da do seu comprimento, lisa ou com papilas entre as carenas, pice hialino, truncado, inteiro ou algo recortado; cariopse com 1,2-1,8mm de comprimento por 0,7-1,6mm de largura e 0,3mm de espessura, hilo linear, atinge at a do comprimento ou pouco mais. Briza minor L. gluma inferior (gli) cordiforme, com ala membrancea e pice bfido antcio frtil transverso-ovalado-escavado, com 1,5- 2,0mm de comprimento por 1,5-2,5mm de largura e 0,2mm de espessura; lema frtil (lf) gibosa, base cordiforme, pice obtuso e mtico, de colorao amarelada, margem alada, membrancea e de coloraopalha,gibacomgrossosploshialinos;segmentodarquila divergente, levemente encurvada e de 0,5mm de comprimento; plea frtil (pf) de elptica a suborbicular, hialina, pice obtuso, com carenas glabras e com plos retrossos entre elas, adpressa a lema frtil, com cerca de 2mm de dimetro; cariopse com 0,6-0,8(-1,7)mm de comprimento por 0,3-0,6mm de largura [Fig.48A-B]. 58. 64 Glossario Ilustrado de Morfologia Briza poaemorpha (Presl) Henr. espigueta suborbicular, comprimida lateralmente, com 1,2-1,8mm de comprimento por (0,9-1,0-2,0mm de largura, com glumas (gli gls) persistentes, largo-elpticas e escabrosas na carena; antcio frtil com lema (lf) largo-elptica, obtusa, papilosa-escabrosa no superiores, de 1,0-1,5mm de comprimento por 0,5-0,7mm de largura, margem no alada; segmento da rquila divergente e curta; plea frtil (pf) de elptica a elptico-lanceolada, subagudas, com carenas lisas ou com clios muito curtos e com aspereza tuberculada entre elas; cariopse com 0,7-1,3mm de comprimento por 0,3-0,6mm de largura, hilo elptico [Fig.48G]. Briza subaristata Lam. espigueta comprimidas dorsiventralmente, com 2,4-7,5mm de comprimento por 1,9-5,5(-7,0)mm de largura; glumas (inferior gli e superior gls) largo-elpticas; antcio frtil com lema (lf) gibosa, de 1,8-4,0(-4,5)mm de comprimento por 0,9-2,5mm de largura, base cordiforme, pice de subagudo a agudo, mtico ou com curto mcron, de colorao amarelada, margem alada, membrancea e de colorao palha, giba glabra ou com plos; segmento da rquila diminuto; plea frtil (pf) de elptico-orbicular a orbicular, com conspcuo apndice apical, curto-ciliada sobre a poro superior das carenas; cariopse com 0,6-1,2mm de comprimento por 0,4-0,9mm de largura, hilo elptico [Fig.48C-D-E-F]. Bromus sp. espiguetas multifloras (unidade-semente mltipla) que se desarticulam acima das glumas (inferior e superior) e entre as lemas; glumas agudas, menores do que os antcios, glabras ou pilosas, s vezes, com nervura central conspcua; gluma inferior em geral menor 59. B 65 do que a superior, 1-5-nervuras; gluma superior 3-9-nervuras; o tamanho do antcio varia de acordo com sua posio na rquila e as medidas no incluem a da arista; antcio frtil com lema (lf) convexa ou carenada, mtica, mucronada ou aristada, pice bidentado, com 7-11 nervuras, glabra ou pilosa, lisa ou com aspereza antrorsa sobre o dorso; plea frtil (pf) lanceolada, menor do que a lema, com pice agudo ou bidentado, bicarenada e carenas com asperezas antrorsas e dorso glabro; segmento da rquila (seg) com lado dorsal achatado e ventral (externo) arredondado e abaulado na poro superior; calo plano e inclinado para o lado ventral do antcio, de modo que aparenta estar paralelo ao eixo do antcio; cariopse com pice piloso, em geral aderida plea, hilo linear [Fig.49]. A unidade-semente o antcio frtil. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Bromus: Bromus auleticus Trin. ex Nees espiguetas elpticas, com (18-)26 (-37) mm de comprimento por (3-)7mm de largura, de subglabras a pubescentes; glumas lanceoladas, agudas, a inferior com (1-)3-5-nervuras, com 5-10(-13)mm de comprimento por 0,8- 2,5mm de largura e a superior com 3-5-nervuras, com 8-12mm de comprimento por 2-3mm de largura; antcio frtil com lema (lf) lanceolada, com 8-13(-15)mm de comprimento por 2,0-3,5mm de largura, glabra, lisa ou com aspereza antrorsa, de dorso aplanado ou arredondado, pice com 2-dentes obtusos, entre os quais a arista (as) terminal ou subapical, reta, de (1-)3-6mm de comprimento; plea frtil (pf) subigualando-se a lema, lisa ou dorso papiloso, carenas com curtos clios [Fig.49A-B]. Bromus catharticus Vahl (= B. unioloides Kunth) espiguetas ovado- lanceoladas, pice agudo e fortemente comprimidas lateralmente; 60. 66 Glossario Ilustrado de Morfologia glumas lancelolado-agudas, papirceas, carenadas, multinervadas e com magens hialino-membranceas; antcio frtil com (10-)15- 17(-20)mm de comprimento por (2,5-)3,0-5,0mm de largura, de colorao palha ou castanho-amarelada e algumas vezes prpura, frequentemente esverdeada (imatura), com lema (lf) lanceolada, FIGURA 49 Bromus (antcios frteis): A-B- B. auleticus; C-D-E- B. catharticus; F- B. hordaceus; G-H-I- B. inermis; J-K- B. rigidus; L-M- B. secalinus; N-O-P- B. sterilis; Q-R- B. tectorum; lado ventral: B-C-H-K-O-Q; lado dorsal: A-G-J-M-N; vista lateral: D-F-L-P-R; cariopse: E-I, K-prolon-gamento da arista (as) de K. 61. B 67 muito comprimida lateralmente, mais larga abaixo da poro mediana, encobre quase totalmente a plea e a cariopse, 3-5 nervuras e a mediana carenada, nervuras e s vezes os interespaos finamente hispdulos, pice agudo ou com mcro de at 3(-5)mm de comprimento; plea frtil (pf) estreito-lanceolada, com 3-9mm de comprimento por 0,7-1,3mm de largura, com carenas ciliadas na poro superior e dorso liso; segmento da rquila (seg) com 2-4mm de comprimento, reto ou um pouco abaulado longitudinalmente, glabro ou curto-pubecente, alarga-se ligeiramente em direo ao disco apical reto; calo glabrescente ou finamente piloso; cariopse aderida plea, comprimida lateralmente, com 6-8mm de comprimento, lado ventral com sulco profundo (cerca de ) e muito estreito [Fig.49C-D-E]. Bromus hordaceus L. (=Bromus mollis L.) espiguetas denso-pilosas, de 10-24mm de comprimento por 2,6mm de largura; glumas ovalado-lanceoladas, pilosas, com a inferior menor do que a superior; antcio frtil obovado-oblongo, de (6-)7-9(-11)mm de comprimento (exceto arista) por 2,0-3,0mm de largura e 1,2-1,8mm de espessura, de colorao cinza-amarelada ou verde-amarelada; lema frtil (lf) de elptica a estreito-obovada, pice bidentado, base atenuada, papircea, diminutamente curto-pubescente, lado dorsal plano, geralmente com rugas transversais entre as 7-nervuras, estas mais conspcuas perto da base e a mediana estendendo-se em arista (as) subapical, de 6-8(-10)mm de comprimento; plea frtil (pf) largo-acanalada, com pice truncado, mais curta e mais estreita do que a lema, dorso glabro e carenas esparso-pilosas; segmento da rquila (seg) com cerca de 1mm de comprimento, levemente encurvada longitudinalmente; calo punctiforme e 62. 68 Glossario Ilustrado de Morfologia circundado por estreita calosidade; cariopse aderida plea e visvel externamente atravs dela, alongado-ovalada, com 6mm de comprimento por 2mm de largura e 1mm de espessura, de colorao castanha, pice arredondado, afilando para uma base pontuda, com lado dorso plano-convexa e ventral com sulco raso [Fig.49F]. Bromus inermis Leyss. antcio frtil elptico, de (9-)10-12mm de comprimento por 1,5-3,0mm de largura e 1,0mm de espessura, de colorao amarelo-clara ou de castanho-acinzantada a castanho-escura; lema frtil (lf) de plana a levemente convexa (com margens levemente viradas), igualando-se ou levemente maior do que a cariopse e a plea, conspicuamente mais larga do que a cariopse, 3-5-nervuras e com a mediana mais conspcua, lado dorsal glabrescente ou esparso-puberulenta perto da base; arista (as) com 1-2(-3)mm de comprimento ou ausente; plea frtil (pf) plana, mais estreita do que a cariopse, carenas com densos e curtos plos finos; segmento da rquila (seg) subcilndrico, fino, reto, de 2,5-3,0mm de comprimento, alargando um pouco para o pice, com pubescncia espranquiada; cariopse aderida plea, achatada, com 7-8mm de comprimento por 1,5-1,8mm de largura e 0,3-0,5mm de espessura, de colorao castanha, afilando para o pice, base arredondada, lado ventral com estreita costela longitudinal [Fig.49G-H-I]. Bromus rigidus Roth (= Bromus villosus Gmel.; Bromus squarrosus L. var. villosus (Gmel.) Koch) antcio frtil alongado-ovalado, afilando para as duas extremidades, lateralmente pouco comprimido, de 12- 20mm de comprimento (exceto a arista) por 1,8-2,2mm de largura 63. B 69 e 1,5-1,8mm de espessura; lema frtil (lf) de colorao castanho- amarelada a castanho-prpura, com curta pilosidade esbranquiada mais densa na base, margens retas ou encurvadas sobre a plea, hialinas da poro mediana ao pice, pice com duas finas cerdas membranceas de 4-5mm de comprimento, lado dorsal reto, com nervura mediana conspcua e que se estende, a 4-6mm abaixo do pice, em uma arista (as) muito dura, rugosa-escabrosa e com 35(-50)mm de comprimento; plea frtil (pf) com carenas muito prximas e com esparsa e curta pilosidade; segmento da rquila (seg) de 3-4mm de comprimento, reto ou levemente encurvada longitudinalmente, alargando um pouco para o pice e curto- pubescente; calo fosco, punctiforme e com curta-pubescncia esbranquiada e ascendente; cariopse aderida ao antcio, estreito- oblonga, com 10-12mm de comprimento (muito mais curta do que a lema e no alcanando as cerdas apicais) por 1,6-2,0mm de largura e espessura, de colorao castanho-escura, afilando para as duas extremidades pontudas, com lado dorsal reto e ventral levemente convexo e com estreito sulco longitudinal profundo [Fig.49J-K]. Bromus secalinus L. antcio frtil de oblongo a estreito-elptico em contorno e hipocrepiforme em seo transversal, com 7-9mm de comprimento (exceto a arista) por 1,5-2,0mm de largura e espessura, de colorao amarelo-acinzentada a castanho-acinzentada, mais largo acima da poro mediana e afilando gradualmente para uma base arredondada e abruptamente para um pice obtuso; lema e plea frtil + cariopse iguais no comprimento; lema frtil (lf) no comprimida lateralmente, aproximadamente da mesma largura da cariopse, pice obtuso, margem encurvada para o lado ventral, principalmente, da inferior at do antcio, nervuras laterais 64. 70 Glossario Ilustrado de Morfologia inconspcuas e mediana conspcua, que geralmente se estende para uma arista (as) subapical de 3,0-6,5mm de comprimento, mas que algumas vezes pode estar ausente; arista reta ou com abrupta toro ou curvada na ou acima; plea frtil (pf) cncava (com sulco profundo), pice arredondado e carenas hispdulo- ciliadas; segmento da rquila (seg) de 1-2mm de comprimento, pouco mais estreito perto do pice, lado dorsal achatado (poro deitada sobre a plea) e ventral arredondado, longitudinalmente encurvado (no antcio maduro), com curta-pubescncia inconspcua; calo com calosidade aneliforme, glabro ou lateralmente curto- piloso; cariopse aderida ao antcio, oblongo-ovalada, comprimida lateralmente, com (5,5-)6,5-8,0mm de comprimento por (1,3-)1,5- 1,8(-2,0)mm de largura e 1,0mm de espessura, de colorao amarelada a cinza, margens conspicuamente voltadas para o lado ventral e que se afilam gradativamente do pice arredondado para a base aguda, lado dorsal convexo e ventral com sulco longitudinal em forma de V [Fig.49L-M]. Bromus sterilis L. antcio frtil estreito-oblongo, com 10-15(-18) mm de comprimento (exceto a arista) por 1,5-1,8mm de dimetro, de colorao cinza-amarelada e lema frequentemente tingida de castanho-escura a vermelho-prpura ou prpura-escuro (antcio maduro); lema frtil (lf) comprimida lateralmente, lado dorsal convexo, conspicuamente rugosa-escabrosa, margens estreito- hialinas, viradas para o lado ventral, aproximando-se uma da outra e extendendo-se para dois dentes apicais de 2-3mm de comprimento, nervuras muito conspcuas e com a mediana se estendendo, a 1,5-2,0mm abaixo do pice, em uma arista (as) escabrosa com 15-25mm de comprimento; plea frtil (pf) com 65. B 71 concavidade profunda (em forma de V), em geral obscurescida pelas margens encurvadas da lema, com longos e esparsos plos finos nas carenas; segmento da rquila (seg) com cerca de 3mm de comprimento, alargando-se ligeiramente para o pice, um pouco encurvada longitudinalmente, com curta-pilosida fina; calo amarelado, lustroso, glabro ou com tufo de curtos plos em cada extremidade; cariopse aderida plea, estreito-oblonga, com 8-12mm de comprimento por 1,2mm de dimetro, de colorao castanha e com estreito sulco profundo [Fig.49N-O-P]. BromustectorumL.antciofrtildeestreito-elpticoaestreito-lanceolado, afilando para as extremidades e mais largo na poro mediana, com 8-10(12)mm de comprimento (exceto a arista) por (0,9-)1,2- 1,5mm de largura por 1,0-1,2mm de espessura, de colorao cinza-amarelada e lema freqentemente tingida de prpura ou de castanho-escura; lema frtil (lf) comprimida lateralmente, pouco mais larga do que a cariopse, com densa-pubescncia de plos macios e que se tornam mais longos perto do pice, margem e pice hialinos, margens levemente encurvadas e que se extendem para dois dentes apicais, de 2-3mm de comprimento, nervura laterais fracas e mediana muito conspcua e que se estende, a 2-3mm abaixo do pice, em uma arista (as) dura, reta ou curvada para o dorso e de at 12(-15)mm de comprimento; plea frtil (pf) pouco mais curta do que a lema, pice obtuso e diminutamente entalhado, com estreita concavidade rasa, superfcie finamente pilosa e margens com plos cerdosos de tamanho variado; segmento da rquila (seg) reto, de 2,5-3,0mm de comprimento, viloso, se alarga ligeiramente para o pice, lado dorsal achatado (poro deitada sobre a plea) e ventral arredondado; calo conspcuo, com um 66. 72 Glossario Ilustrado de Morfologia tufo de plos em cada lado, de resto glabro; cariopse aderida ao antcio, oblonga, com cerca de 8mm de comprimento por 1mm de dimetro, de colorao castanha, com lado dorsal convexo e ventral com profundo sulco [Fig.49Q-R]. BROTO gema que brota nos vegetais e capaz de se desenvolver em ramificaes folhosas e/ou florferas. Broto axilar gema que se desenvolve na axila de uma folha. Broto terminal gema que se desenvolve no pice da parte area. BULBILHO gema area transformada em rgo de multiplicao vegetativa, do qual resulta um vegetal que pode crescer e formar uma nova planta adulta; surgem tambm na axila de folhas normais, como em inflorescncias; como nas espcies de Allium sativum L. (Alliaceae), Hippeastrum reticulatum Herb. (Amaryllidaceae) e no gnero Agave (Agavaceae). O mesmo que bolbinho. BULBO diz-se de sistemas caulinares subterrneos como gemas protegidas por catfilos ou bases foliares que armazenam reservas; considera-se o bulbo como um caule modificado, mas na realidade se trata de um sistema caulinar com seu eixo, suas gemas, os primrdios foliares e as folhas modificadas. Bulbos podem ser escamosos (lrio - Fig.51A) ou tunicados (cebola - Fig.51C) ou cheios (alafro - Fig.50) que se caracterizam por apresentar o eixo caulinar extremamente reduzido e todas as reservas encontram- se nos catfilos, ou composto (trevo, alho - Fig.51B) que apresenta grande nmero de pequenos bulbos. FIGURA 50 Bulbo cheio de aafro. FIGURA 51 Bulbos : A- escamoso do lrio; B- composto de alho; C- tunicado de cebola. 67. B 73 Bulbostylis capillaris (L.) C.B. Clarke (= Scirpus callaris L.) ncula obovada, trigona, com 0,7-0,8mm de comprimento (exceto o rostro) por 0,6-07mm de largura, de colorao parda, levemente lustrosa, afilando abrupta- mente para o pice obtuso e gradativamente para uma base estipitada, pice com rostro (ro - estilete remanescente) caliptriforme (raro ausente), transversalmente ondulado-rugasa, pericarpo coriceo, insero basal triangular; semente preenche todo o interior da ncula [Fig.239A-A]. A unidade-semente a ncula. 68. 76 Glossario Ilustrado de Morfologia CACHO tipo de inflorescncia onde as flores providas de pedicelo (pednculo pd), se inserem num eixo comum, a certa distncia umas das outras; pode ser simples ou compostro e, neste caso, multiforme, com um nome especial para cada um; o mesmo que racemo [Fig.52]. CADUCO(A) quando uma planta perde as folhas durante a estao mais desfavorvel; ou quando um aqunio perde o pappus, como em Cirsium arvense (L.) Scop. (Asteraceae =Compositae Fig.90); o mesmo que decduo. CADUCIFLIArvorequeperdeasfolhasnoperododerepousovegetativo (inverno frio ou seco), como as folhas de Tabebuia (Bignoniaceae); o mesmo que caduca ou decdua e oposto a pereniflia. CAESALPINIOIDEAE subfamlia da Fabaceae. Ver Fabaceae. CALAZA ou CHALAZA nos vulos das Angispermas a parte onde passam os vasos que conduzem a seiva do funculo nucela [Fig.297-ch]; nas sementes sempre oposta a micrpila e ao pice dos cotildones; na superfcie do tegumento visvel sob a forma de mancha mais escura ou mais clara (como no gnero Bixa Bixaceae), ou sob a forma de uma faixa que pode circundar parcial ou totalmente a semente, ou como uma elevao distinta (salincia em Faboideae, na tribo Vicieae. CLICE verticlo floral mais externo do perianto heteroclamdeo das Dicotiledneas; formado pelas spalas (sp) [Fig.171]. Clice acrescente que continua a se desenvolver (em vez de cair) aps a fecundao. O clice pode ser usado como uma caracteristica FIGURA 53 Clice acrescente: A- Triplaris surina- menseis; B- Hyoscyamnus sp. (Fonte: Barroso et al., 1999); C- Hyptis sp.; D- Leonotis sp.; E- Marsypianthes. FIGURA 52 Cacho. 69. C 77 morfolgica, adicional, para separar espcies dentro do mesmo gnero. O perignio persiste sobre o fruto e geralmente toma parte na sua disperso; formado por seis segmentos (sp), como em espcies de Polygonaceae ou um clice gamosspalo como em Hyptis sp., Leonotis sp. e Marsypianthes (Lamiaceae =Labiatae - Fig.53C-D-E), Hyoscyamnus sp. (Solanaceae - Fig.53B) e Triplaris surinamenseis Cham. (Polygonaceae - Fig.53A). Ver clice hexmero e clice pentmero. Clice aderente clice de flor infero-ovariada; Clice dialispalo segmentos podem ser separados; Clice gamosspalo segmentos unidos numa pea nica; Clice hexmero spalas acrescentes, dispostas em dois ciclos de trs lbulos ou segmentos e com as externas menores, reflexas na frutificao e localizadas sobre os ngulos das nculas, como em Rumex sp. [Fig.240] ou os lbulos externos so maiores do que os trs internos, como em Triplaris surinamensis Cham. [Fig.53A] e Ruprechtia. Nas spalas internas os lbulos so acrescentes, com ou sem ala, com bordos inteiros ou com pequenos dentes ou com lacnias e no dorso de cada lbulo pode-se encontrar na base um tubrculo esponjoso (espessamento da nervura mediana), que serve de flutuador, como em Rumex crispus L. [Fig.240D-E], Rumex obtusifolius L. [Fig.240I-J] e Rumex pulcher L. [Fig.240M-N]; Clice livre clice de flor spero-ovariada; 70. 78 Glossario Ilustrado de Morfologia Clice pentmero spalas acrescentes, dispostas em um nico ciclo, com lbulos do mesmo tamanho, como em Antigonon sp., Coccoloba sp., Fagopyrum esculentum Moench [Fig.241A],Fallopia convolvulus (L.) A. Lve (=Polygonum convolvulus L. - Fig.241D), Persicaria sp. [Fig.241GL-M] e Polygonum sp. [Fig. 241P]. CALICINA(O) relativo ao clice. CALICIFORME semelhante ao clice: brctea ou glndula caliciforme. CALCULO pequeno clice; estrutura semelhante a um clice, formado por brcteas externas a este. CALIPTRA capuz que recobre aponta da radcula [Fig. 95-cf]; o mesmo que coifa; ou corola soldada em pea nica em forma de capuz, como ocorre em Eucaliptus. CALO rea protuberante e endurecida (calosa); em Poaceae (=Gramineae) a rea intumescida e dura na base ou no ponto de insero do antcio ou da espigueta no rquis ou na rquila, freqentemente com plos [Fig.49, 116, 155, 167, 224]; em Asteraceae (=Compositae) a parte basal do aqunio, geralmente diferenciada pelo aspecto crneo e que rodeia a rea de insero no receptculo [Fig.20A-A-B]. CAMPANULADO(A) diz-se da corola gamoptala, clice ou outro rgo em forma de sino, com tubo inflado e que vai se alargando gradativa- mente para o limbo; como as flores de Tabebuia e Tecoma [Fig.101D]. Ver corola gamoptala. CAMPILTROPO ver vulo campiltropo [Fig.248]. 71. C 79 FIGURA 54 Campomanesodios (fruto inteiro e corte transversal): A-B- Averhoa sp.; C-D- Campomanesia sp.; lb- lbulos do clice. CAMPOMANESODIO fruto bacide, indeiscente, multisseminado, com pericarpo carnoso e cavidade central cheia de tecido polposo uniforme, onde se localizam radialmente na poro central, estreitos lculos (lo) que encerram poucas sementes; como nos frutos de Achras (Sapota- ceae); Averrhoa (Oxalidaceae - Fig.54A-B); Campomanesia (Myrtaceae - Fig. 54C-D), Diospyros (Ebenaceae) e Vismia (Hypericaceae =Guttiferae). CANALICULADO(A) diz-se quando um rgo se parece com um pequeno canal (largo e cncavo) [Fig.100P]. Pecolo canaliculado de Tradescantia virginiana L. CANALCULO que tem pequeno canal. CANALIFORME que tem forma de canal. CAPACIDADE DE CAMPO quantidade (volume) de gua que um solo capaz de reter para atingir a saturao. CAPPARACEAE grafia correta da famlia Capparidaceae. CAPPARIDACEAE grafia correta da famlia Capparaceae (mais usada). CAPITADO diz-se do pice de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta mais largo; em forma de cabea [Fig.16R-R]; como os plos glandulares. CAPTULO tipo de inflorescncia das Asteraceae (=Compositae); formado por um receptculo (re), freqentemente alargado (discide, ovide, FIGURA 55 Captulo. 72. 80 Glossario Ilustrado de Morfologia etc.), mais ou menos plano ou convexo e onde se inserem na parte superior as flores, geralmente ssseis (sem pednculo) e muito prximas uma das outras [Fig.55]; na parte inferior encontram-se brcteas. Capsella bursa-pastoris (L.) Medik. com silcola oblongo-cordada- triangular ou em forma de bolsa de pastor antiga, de 2,6-2,8mm de comprimento por 1,9-2,2mm de largura, pice levemente emarginado e com mais de uma semente por valva (va); semente (s) cilndrica ou elipside, levemente comprimida lateralmente, de (0,8-)0,9-1,0(-1,2) mm de comprimento por (0,3-)0,4-0,5(-0,6)mm de largura e cerca de 0,3mm de espessura, faces levemente convexas e com dois sulcos longitudinais, superfcie de castanho-claro a castanho-avermelhado (quando madura), de opaca a levemente lustrosa, finamente alveolada (40X), com uma rede de malhas finas, interespaos rasos e alongados longitudinalmente [Fig.317]. A unidade-semente pode ser a silcola, uma valva ou a semente livre. CPSULA fruto simples, seco, deiscente e geralmente multisseminado, formado por dois ou mais carpelos. Existem diversos tipos de cpsulas dependendo da forma como se abrem na maturidade: Cpsula circuncisa ou opercular ou pixdio com deiscncia transversal que divide o fruto em duas pores distintas, uma inferior (urna) e outra superior (oprculo - op), como nos gneros Sesuvium (Aizoaceae), Amaranthus e Celosia (Amaranthaceae), Portulaca (Portulacaceae) e em Anagallis arvensis L. (Primulaceae) - fruto membranceo [Fig.56]; Bertholletia excelsa Bonpl., Cariniana estrellensis (Raddi) Kuntze (Lecythidaceae) fruto lenhoso [Fig. 57A-B-C]; Couratari asterotricha Prance, Eschweilera nana (O. Berg) Miers, Eschweilera ovata FIGURA 57 Cpsula circuncisa (pixdio) de: A-B- Cariniana estrellensis e C- Lecythida- ceae: A-C- fruto; B- columela seminfera. FIGURA 56 Cpsula circuncisa (pixdio) de Anagallis arvensis. 73. C 81 (Camb.) Miers e Lecythis lanceolata Poir. (Lecythidaceae) - cpsulas uniloculares; Menodora (Oleaceae), Mitracarpus (Rubiaceae) e Plantago (Plantaginaceae) - cpsulas biloculares. Cpsula circundante com deiscncia loculicida que ocorre no contorno dos carpelos (ca); fruto globoso ou comprimido, bicarpelar, bilocular e com sementes (s) aladas, como nos gneros Dianthus e Gypsophila (Caryophyllaceae), Gleasonia, Henriquezia e Molopan-thera (Rubiaceae - Fig.58). Cpsula denteada com deiscncia por dentes apicais, como nos gneros Cerastium e Silene (Caryophyllaceae - Fig.59). Fruto membranceo, muitas vezes hialino, com dois ou mais carpelos, com eixo central placentfero e clice (cal) tubuloso persistente, que envolve o fruto at o pice ou apenas a metade inferior. Cpsula folicular com deiscncia numa das suturas do fruto toruloso bicarpelar (ca), sobre a placenta parietal-marginal, expondo a superfcie interna vermelha, do pericarpo e as sementes (s) pndulas com sarcotesta carnosa, como em Capparis flexuosa (L.) L. (Capparaceae); ou com deiscncia num dos lculos, expondo o largo eixo seminfero originado da placentao axial, como no gnero Spathodea (Bignoniaceae - Fig.60). Cpsula lobada com deiscncia loculicida que s ocorre na poro apical do fruto, formando-se curtos lobos (lb), com placentao axial ou parietal; pode-se encontrar em Campanulaceae, Cucurbita- ceae,Tiliaceae (Luehea - Fig.61) e Theaceae. Em Luehea somente aps a queda das sementes que os lobos se aprofundam e o fruto forma valvas. FIGURA 58 Cpsula circundante de Malopanthera sp. FIGURA 60 Cpsula folicular de Spathodea cam- panulata: A- fecha- da e B-aberta. FIGURA 59 Cpsulas denteadas: A- Cerastium sp.; B- Silene sp. 74. 82 Glossario Ilustrado de Morfologia Cpsula loculicida com deiscncia ao longo da nervura mediana (nm), no dorso de cada carpelo (ca), formando-se tantas valvas (va) quantas forem os carpelos que compem o fruto e na base permanece o clice (cal); portanto cada valva (va) formada por duas metades de dois carpelos adjacentes [Fig.62], como em algodo (Gossypium - Malvaceae) e nos gneros Juncus (Juncaceae), Petunia (Solanaceae), Mollugo (Molluginaceae), Spergula, Spergularia e Stellaria (Caryophyllaceae); Argemone mexicana L. (Papaveraceae - Fig.63) em Acystasia e Justicia (Acanthaceae) existe internamente, uma estrutura encurvada em forma de gancho, o ejaculador (ej) ou retinculo, sobre a qual esto assentadas as sementes (s) e que so expulsas (liberadas) em duas direes opostas [Fig.64A-B]. Cpsula poricida formado por dois ou mais carpelos,com deiscncia por poros (p); como na castanha-do-Par (Bertholletia excelsa Bonpl. Lecythidaceae), Papaver rhoeas L. (Papaveraceae Fig.65A-B) e nos gneros Apeiba (Tiliaceae), Linaria e Antirrhinum (Scrophulariaceae Fig.65C-D-E). Em Papaver rhoeas L. cpsula (cp) com 8-18 poros e igual nmero de estrias, disco estigmtico (es) plano a levemente convexo, a forma da cpsula e o nmero de poros depende da variedade. Cpsula rimosa com deiscncia loculicida que ocorre numa das suturas do fruto bicarpelar, mas os carpelos permanecem presos ao eixo central do fruto, sem formar valvas independentes, como nos gneros Oxalis (Oxalidaceae), Bredemeyera e Polygala (Polygalaceae) e Vochysia (Vochysiaceae) [Fig.66]. FIGURA 62 Cpsula loculicida. FIGURA 63 Cpsula loculicida de Argemone mexicana. FIGURA 61 Cpsula lobada de Luehea sp. 75. C 83 Cpsula ringente com deiscncia que ocorre apenas na poro apical, na juno dos dois carpelos, numa curta distncia, ficando a cpsula semi-aberta; fruto orbicular, bicarpelar, como nos gneros Mollia (Tiliaceae), Mostue e Mitreola (Loganiaceae) e Veronica (Scrophulariaceae) [Fig.67], segundo BARROSO et al. (1999). Cpsula rompente quando o pice do fruto fica obstrudo e a deiscncia ocorre atravs do rompimento (ru) irregular do pericarpo, como nos gneros Begonia (Begoniaceae), Ludwigia (Onagraceae Fig.68A-B-C-D), Tibouchina (Melastomataceae) e em Talinum repens (Portulacaceae Fig.68I). Em Lavoisiera e Opisthocentra clidemioides (Melastomataceae - Fig.68E-F-G-H) ocorre primeiro o rombimento do hipanto; em Tibouchina grandiflora Cogn. e T. multiflora (Melasto- mataceae) ocorre primeiro o rompimento (ru) transversal, na regio mediana de cada valva, depois a deiscncia loculicida e, simulta- neamente, o hipanto comea a se decompor nas regies dos rompimentos (BARROSO et al., 1999). Em Tibouchina clavata (Pers.) Wurdack o tubo do hipanto se rompe irregularmente no sentido longitudinal e, em geral, na mesma regio da deiscncia do ovrio maduro, liberando as sementes. FIGURA 65 Cpsulas poricidas: A-B- Papaver rhoeas; C-D- Antirrhinum sp.; E- Linaria sp.. FIGURA 64 Cpsula loculicida com ejaculador: A- Justicia sp.; B- Acystasia sp. FIGURA 66 Cpsulas rimosas: A- Bredemeyera sp.; B-C-D- Polygala sp.; E- Oxalis sp.; F-Vochysia sp.; D- corte transversal do fruto. Fonte A-F: Barroso et al. (1999). FIGURA 67 Cpsula ringente: A- Mollia sp.; B- Mostue sp.; C- Mitreola sp.; D- Veronica sp. Fonte A-B-C: Barroso et al. (1999). 76. 84 Glossario Ilustrado de Morfologia Cpsula rptil com deiscncia por rompimento unilateral da parede do fruto e do hipanto, e o eixo seminfero (col) com as sementes (s) projetado atravs desta abertura, como no gnero Ammannia e Cuphea (Lythraceae Fig.69) e em algumas espcies de Aristolochia (Aristolochiaceae). O pericarpo membranceo e hialino; o hipanto membranceo, caliciforme (cal), longituninal- mente estriado e geralmente colorido. Cpsula septicida com deiscncia nos pontos de juno (unio) dos carpelos, ocorrendo a seguir a abertrura de cada um deles na linha ventral de sutura e o eixo seminfero permanece como coluna, no centro da cpsula Clusia (Clusiaceae =Guttiferae), Hypericum (Hypericaceae =Guttiferae), Rhododendron (Ericaceae), Helicteres sacarrolha A. St.-Hil. et al. (Sterculiaceae), Alseis e Spermacoce (Rubiaceae), Bonyunia (Loganiaceae), Penstemon (Scrophularia- ceae); a separao pode ocorrer da base do fruto para o pice, como nos gneros Aristolochia (Aristolochiaceae) e Escallonia (Saxifragaceae) [Fig.70, 71]. Cpsula septfraga com deiscncia por septos (se), ao longo do dobramento dos carpelos, ficando intacta a coluna seminfera (col), como nos gneros Cuspidaria e Macfadyena (Bignoniaceae), Convolvulus, Ipomoea e Merremia (Convolvulaceae), Sapium (Euphorbiaceae), Hibiscus (Malvaceae), Simira (Rubiaceae), Cardiospermum e Dodonaea (Sapindaceae), Browalia, Datura, Petunia e Sessea (Solanaceae) [Fig.72, 73]. Em alguns casos, a coluna seminfera (col) pode sofrer um rompimento na poro basal e assim se desprende junto com as valvas (va). FIGURA 68 Cpsulas rompentes (cp) de Ludwigia sp.: A- cp, B- semente parcialmente envolta pelo endocarpo; C- semente; D- endocarpo; Lavoi- siera sp.: E- cp ntegra; F- tubo do hipanto rompido, mostrando o fruto deiscente (se fende na base); Opisthocentra clidemioides: G- cp ntegra; H- poro apical do hipanto, mostran- do a ruptura; Talinum repens: I- cp com ruptu- ra. Fonte: Barroso et al. (1999). FIGURA 69 Cpsula rptil: Cuphea sp.: A- clice acrescente inteiro; B- rompimento longitudinal da parede do fruto e do clice, expulsando a coluna semin- fera com as sementes; C- vista in- terna do fruto. 77. C 85 Cpsula tubulosa com deiscncia loculicida que ocorre na poro mdio-superior do fruto ou, mais freqentemente, na regio apical, formando-se curtos lobos (lb) ou dentes, como em Lobelia (Campa- nulaceae), Siolmatra (Capparaceae), Blumenbachia, Caiophora e Menzelia (Losaceae) e Laplaceae (Theaceae Fig.74]. Nesse tipo de fruto, formado por dois ou mais carpelos concrescidos em tubo at quase o pice, tambm podem ocorrer rompimentos FIGURA 71 Cpsulas septicidas: A- Helicteris sacarrolha; B- Alseis sp.; C- Hypericum sp.; D- Clusia sp.; E- Bonyunia sp. (Fonte: Barroso et al., 1999). FIGURA 72 Cpsula septfraga (aberta e no centro a columela). FIGURA 70 Cpsula septicida. FIGURA 73 Cpsulas septfragas: A- Cuspidaria sp.; B- Macfadyena sp.; C- Sessea sp.; Sapium sp.: D- cpsula trivalvar; E- cpsula sem uma valva e coluna seminfera sustentando a semente; F- Simira sp. (Fonte: Barroso et al., 1999); G- Ipomoea sp. 78. 86 Glossario Ilustrado de Morfologia irregulares do pericarpo, ou deste e do hipanto que o envolve, ficando intactas apenas as nervuras ou as costelas longitudinais. So subtipos desse tipo de fruto as cpsulas: denteada, lobada, rompente e velatdio, segundo BARROSO et al. (1999). CAPSULDIO quando envolve mais de um tipo de cpsula. CAPSULFORME em forma de cpsula. CARCERULDIO fruto artrocarpceo, seco, indeiscente, originado de um ovrio spero e bicarpelar, que se separa na maturao em dois carpdios ou mericarpos unisseminados e que correspondem metade de uma folha carpelar, como em Echium plantagineum L. (Boraginaceae - Fig.77], Hyptis brevipes Poit., Hyptis lophanta Mart., Hyptis pectinata (L.) Poit., Hyptis suaveolens (L.) Poit., Leonotis nepetaefolia (L.) W.T. Aiton, Leonurus sibiricus L., Leucas martinicensis R.Br., Marsypianthes chamaedrus (Vahl) Kuntze, Myosotis arvensis (L.) Hill e Prunella vulgaris L. (Lamiaceae =Labiatae - Fig.76]; ou as FIGURA 74 Cpsulas tubulosas lobadas: A- Blumenbachia sp.; B- Me nzelia sp.; C- Caiophora sp.; D- Siolmatra sp.; E- Laplaceae sp.; F-G- Lobelia sp. Fonte (exceto F): Barroso et al. (1999). FIGURA 75 Carceruldios (ventral e dorsal): A-A- Verbena bonariensis; B-B- Stachytarpheta cayennensis. 79. C 87 folhas bicarpelares por constrices mais ou menos transversais se dividem em quatro carpdios ou mericarpos unisseminados, como em Verbenaceae (no gnero Glandularia e em Verbena bonariensis L. e Stachytarpheta cayennensis (L.C. Rich.) Vahl - Fig.75]. BROUWER & STHLIN (1955) designam esse fruto de Klause. CARENA crista em forma de quilha (q) de barco, com um lado muito pronunciado ou com uma costela plana ou cncava; como as glumas das Poaceae (=Gramineae - Fig.11 - como a plea frtil do antcio que bicarenada) ou o lado ventral das sementes de Convolvulaceae [Fig. 104A-C-D] (Convolvulus - Fig.105, Cuscuta - Fig.113A-B, Dichondra - Fig.113C-D e Ipomoea - Fig.210); o mesmo que quilha. CARENADA(O) que tem carena [Fig.100-O]. CARENIFORME em forma de quilha. Carex sororia Kunth ncula de largo-ovalada a largo-elptica, plano- convexa, castanha, opaca ou levemente lustrosa, finamente reticulada, de 2,0-2,2mm de comprimento (exceto estilete) por 1,2-1,5mm de largura, com base obtusa, estipiforme e insero elptica, pice mucronado ou, geralmente, com estilete filiforme persistente; ncula geralmente envolta pelo utrculo (brctea em forma de saco - Fig.338] ovide-comprimida, castanho-clara (imatura) e de castanho-escura a ferrugnea (madura), base estipiforme, com rostro apical bifendido, bordos carenados, escariosos e com pequenos dentculos antrorsos [Fig.239B-C-C]. A unidade-semente a ncula ou o utrculo. FIGURA 76 Carceruldios de Lamiaceae: A- Hyptis brevipes; B- Hyptis lophanta; C- Hyptis pectinata; D- Hyptis suaveolens; E- Leonotis nepetaefolia; F- Leonurus si- biricus; G- Leucas martinicensis; H- Marsypianthes chamaedrus; I- Myoso- tis arvensis; J- Prunella vulgaris. FIGURA 77 Carceruldio de Echium plantagineum: A- dorsal; B- ventral. 80. 88 Glossario Ilustrado de Morfologia CARIOPSE fruto simples, seco, indeiscente, unisseminado, com pericarpo concrescido com o tegumento (pt) em toda a sua extenso; apresenta na base do lado ventral uma cicatriz, a mancha hilar (no o hilo verdadeiro), que em algumas espcies punctiforme e na base do lado dorsal o embrio (em), envolto pelo endosperma (en) abundante. O embrio (em) formado pelo escutelo (esc) e pelo eixo embrionrio, que pode ser visualizado [Fig.78B): coleptilo (cop), primrdios foliares (pri), plmula (pl), raiz adventcia seminal (ras), radcula (rd) e a coleorriza (cor). O lado dorsal da cariopse, onde se encontra o embrio, fica voltado para a lema frtil (lf) [Fig.11] e o lado ventral, onde se encontra a mancha hilar, fica voltado para a plea frtil (pf) do antcio. Cariopse o fruto tpico das Poaceae (=Gramineae) [Fig. 78,79,80,81] e genericamente denominado de gro. As caractersticas morfolgicas, como tamanho e forma, da cariopse permitem separar espcies do mesmo gnero, como Sorghum halepense (L.) Pers., de S. almum Parodi e de S. sudanense (Piper) Stapf [Fig.328]. CARNOSA(O) com textura de carne ou algo suculenta; como folhas, frutos, pednculos, etc. CAROO termo genrico para designar a parte central das drupas; morfo- logicamente o termo mais adequado pirnio. Ver tambm putmen. CARPELAR relativo ao carpelo. Diz-se da folha que se modifica para constituir o pistilo e que corresponde ao megasporfilo. CARPELO folha modificada (folha carpelar) que, em nmero de uma ou mais, forma o pistilo (parte do gineceu); quando completo constitudo pelo ovrio (ova onde esto os megasporngios o ), estilete (est) e estigma (es) [Fig.171]. FIGURA 78 Cariopse de milho: A- vista externa; B- vista interna. 81. C 89 FIGURA 79 Cariopse dorsal (difernas entre espcies): B- Triticum aestivum, C-D- Secale cereale, E- Avena barbata, F- A. byzantina, G- A. fatua, H- A. sativa, I- A. strigosa e antcio frtil dorsal: A- Hor- deum vulgare. FIGURA 80 Cariopse vista lateral (difernas entre espcies): B- Triticum aestivum, C-D- Secale cereale, E- Avena barbata, F- A. byzantina, G- A. fatua, H- A. sativa, I- A. strigosa e antcio frtil vista lateral: A- Hordeum vulgare. FIGURA 81 Cariopse ventral (difernas entre espcies): B- Triticum aestivum, C-D- Secale cereale, E- Avena barbata, F- A. byzantina, G- A. fatua, H- A. sativa, I- A. strigosa e antcio frtil ventral: A- Hor- deum vulgare. 82. 90 Glossario Ilustrado de Morfologia CARPDIO ou MERICARPO cada uma das partes unisseminadas de um fruto esquizocarpceo seco e indeiscente, que na maturao se decompem em cinco ou mais carpdios como nas Malvaceae (Alcea rosea L. = Althaea rosea (L.) Cav., Sida carpinifolia L.f., Sida cordifolia L., Sida linifolia Cav., Sida rhombifolia L., Sida santaremnensis H. Monteiro e Sida spinosa L. - Fig.82); em dois nas Apiaceae (=Umbelliferae - Fig.83, 109) e na maioria das Verbenaceae, ou raramente quatro. Nas espcies da famlia Apiaceae (=Umbelliferae) o carpdio [Fig.83-car] pndulo, com face ventral plana (face da comissura que envolve o carpforo (cr) antes da maturao) e dorsal convexa, que na maturao fica preso apenas no pice pelo carpforo inteiro, bfido ou bipartido. No pice dos carpdios encontram-se os esiletes (est) e que na base apresentam uma formao cnica ou cilndrica, denominada de estilopdio (et) [Fig.83, 109]; cada carpdio (car) apresenta no lado dorsal cinco costelas ou nervuras longitudinais, sendo duas costelas laterais (cl - uma em cada lado e que delimita a margem da comissura), duas costelas intermedirias (ci) entre as costelas laterais e a costela dorsal (cd), mas outras disposies podem ocorrer; entre as costelas encontram-se tubos oleferos longitudinais, frequentemente visveis como quatro linhas escuras, as valculas (val) e duas na face da comissura, sendo uma em cada lado do sulco [Fig.83, 109]. CARPFORO prolongamento do eixo floral que eleva o fruto acima do nvel de insero dos elementos do perianto, ou seja, haste bifurcada de alguns frutos e que sustenta um carpdio ou mericarpo, como em Apiaceae (=Umbelliferae) [Fig.83-cr]. CARNCULA tipo de arilo; excrescncia carnosa sobre o tegumento das sementes e que se forma prximo da micrpila; tambm denominado FIGURA 82 Carpdios de Sida: A- S. carpinifolia; B- S. cordifolia; C- S. linifolia; D- S. rhombifolia; E- S. santaremnensis; F- S. spinosa. 83. C 91 de arilo micropilar; excrescncia tpica dos gneros Euphorbia e Ricinus (Euphorbiaceae - Fig.84), Luzula pilosa (L.) Willd. (Juncaceae); carncula de origem micropilar (arilide arl), como em Polygala (Polygalaceae - Fig.26E). CARTCEO(A) com textura de uma folha de papel ou de pergaminho. CARTILAGINOSO com textura de cartilagem. CASCA poro mais externa do tronco e ramos de uma rvore, geralmente de textura corticosa. CASTANHA semente do cajueiro [Fig.280C]. CATFILO diz-se das folhas modificadas, em geral escamiformes, de textura varivel (membranceas ou coriceas), freqentemente sem clorofila (folhas no fotossintticas) e tem a funo de proteo; ou podem ser encontradas em gemas, rizomas e bulbos; ou so pequenas estruturas foliares (folhas escamiformes rudimentares) que so produzidas pela plntula e aparecem no epictilo, entre os cotildones e os efilos, geralmente em espcies criptocotiledonares [Fig.164-c, 185D-c, 189A-B] . CAUDADO(A) diz-se do pice excessivamente acuminado ou da base com apndice longo, como a cauda de um animal [Fig.102H]. CAULE haste das plantas; parte que liga as razes as folhas [Fig.85, 86, 87, 88, 172C, 173, 174, 175B]. FIGURA 83 Cremocarpo de Apiaceae. FIGURA 84 Carncula e rafe em Euphorbia comosa e Ricinus communis. 84. 92 Glossario Ilustrado de Morfologia Caule alado ocorre em carqueja [Fig.85]. Esta espcie no apresenta folhas e assim o caule se modificou em expanses aladas. Caule bujudo ou barrigudo como o baob. Caule prostrado quando a planta no encontra um suporte e os caules se prostam como no xux e no papo-de-per (Aristolochia - Fig.86). Cauletuberosomuitasvezesocaulesedesenvolvesubterraneamente e se torna mais ou menos espessado (tuberoso); esses tubrculos so na realidade ramos laterais do caule e so dotados de reservas nutritivas (amido, inulina, etc.); como na batata-inglesa (Solanum tuberosum L. Solanaceae Fig.87). Caule volvel ou trepador quando se enrola num suporte com um movimento em espiral, sem um rgo de fixao, que pode ser para a direita (caule dextrorso) ou para a esquerda (caule sinistrorso); o primeiro ocorre em madressilva [Fig.88A] e o segundo em campnula (Pharbitis - Fig.88B). CAULCULO poro caulinar do embrio das sementes, ou seja, o talo do mesmo. CAULINAR se refere as folhas que se localizam no caule, em oposio as folhas basais ou em roseta. Cenchrus sp. espiguetas isoladas ou pouco densas e inclusas num invlucro de espinhos ou de cerdas, com 2-antcios, o inferior masculino ou estril e o superior frtil; glumas papirceas, com a inferior curta e a FIGURA 85 Caule alado de carqueja. FIGURA 86 Caule prostrado de papo-de-per. FIGURA 87 Caule tuberoso de batatinha. 85. C 93 superior lanceolada; lema estril semelhante a gluma superior; antcio frtil lanceolado [Fig.207, 209A-B]. A unidade-semente o invlucro- de-espinhos ou de cerdas (espigueta + antcio frtil (lema e plea) envolvendo a cariopse + lema estril) ou a espigueta ou a cariopse. Oinvlucro-de-cerdasnemsempreencontradonassementescomerciais. Cenchrus incertus M.A. Curtis (=Cenchrus pauciflorus Benth.) invlu- cro-de-cerdas-espinhosas, brcteas com espinhos agudos, retos e vilosos mais densos na poro mediana do que no pice e na base; espigueta ovalada, sssil, glabra, com pice longo-acumina- do, de colorao palha, com (3,5-)5,0-6,0mm de comprimento por 2,0-2,6mm de largura; gluma inferior (primeira) 1-nervura, muito re- duzida ou ausente; gluma superior (segunda) 5-7 nervuras e lema estril quase do mesmo tamanho, papirceas, nervadas, ligeira- mente mais curtas do que a lema frtil, em geral soltas e de fcil remoo no manuseio; calo oval; cariopse largo-ovada, plano-con- vexa, de colorao castanhoclara ou bronzeada, de 2,6-3,5mm de comprimento por 3,0mm de largura, pice geralmente com curto apndice acicular, lado dorsal reto, levemente enrugado e rea do embrio ocupando a maior parte; margens frequentemen- te ligeiramente elevadas, lado ventral convexo, liso e na base a escura mancha hilar punctiforme [Fig.209A]. A unidade-semente geralmente a espigueta ou a cariopse. O invlucro-de-cerdas espinhosas nem sempre encontrado nas sementes comerciais. (=Cenchrus setiger Vahl) ver Pennisetum setigerum (Vahl) Wipff Centella sp. cremocarpo orbicular, comprimido lateralmente, formado por dois carpdios plano-convexos, de colorao pardo-amarelada, com FIGURA 88 Caule volvel: A- dextrorso de madressilva; B- sinistrorso de campnula. 86. 94 Glossario Ilustrado de Morfologia cerca de 4,0mm de comprimento por 4,5mm de largura e de 1,2mm de espessura, lado ventral (ou da comissura) plano com sulco mediano longitudinal, que envolve o carpforo; lado dorsal fortemente convexo com costelas longitudinais lisas, conspcuas e anastomosadas na base [Fig.109 I-J]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. CENTRAL o mesmo que axial. CERDA plo rijo mais ou menos longo; presente algumas vezes na parte superior da arista, quando a cerda curva, como nos gneros Cenchrus e Pennisetum (Poaceae Fig.209); ou na ncula de Eleocharis geniculata (L.) Roem. & Schult. e Rhynchospora aurea Vahl (=R. crymbosa (L.) Britton Cyperaceae Fig.239F-I). CESPITOSA que cresce em touceiras, como a maioria das Gramneas. CHALAZA regio do vulo atravs do qual ele se prende ao funculo (f); o mesmo que calaza [Fig.297-ch]. Chloris sp. espiguetas ssseis ou pediceladas, em geral denso-imbrica- das, apenas antcio basal frtil (af) e 1-2 antcios superiores menores e estreis (ae), que se desarticulam acima das glumas na maturao; glumas (inferior gli e superior gls) persistentes, membranceas, de- siguais entre si e menores do que o antcio frtil; lema frtil (lf) care- nada, glabra ou ciliada, no dorso e nas margens, mtica ou aristada; plea frtil (pf) bicarenada, pouco menor do que a lema frtil; lemas estreis aristadas ou mticas; cariopse livre, de fusiforme a ovide e de colorao castanha. 87. C 95 Chloris gayana Kunth espiguetas denso-imbricadas, com 2-3 antcios estreis; glumas (inferior gli e superior gls) lanceoladas, agudas ou mucronadas, escabrosas, principalmente na nervura mediana; gluma inferior de 1,3-2,5mm de comprimento por 0,3- 0,6mm de largura; gluma superior de 2,2-3,2mm de comprimento por 0,5-0,8mm de largura; antcio frtil (af) em vista lateral com lado dorsal em geral reto e ventral arqueado; lema frtil (lf) largo- lanceolada, com 2,5-3,6mm de comprimento por 0,6-1,0mm de largura, pubescente e margens ciliadas, com plos brancos e com um tufo de clios maiores prximo ao pice, dorso glabro e com arista de 1,5-4,0mm de comprimento e inserida no pice bidentado; plea frtil (pf) mtica; calo ciliado; ancio inferior estril (ae) mtico ou aristado, glabro, de 2,2-3,0mm de comprimento por 0,4- 0,7mm de largura e os demais mticos, glabros e gradativamente menores; cariopse elipside e de colorao catanha [Fig.89]. A unidade-semente o antcio frtil + antcio esteril ou antcio frtil e s vezes a semente nua. CHOCHA semente cocha. Espigueta ou antcio vazio, portanto sem a cariopse no seu interior; ou semente sem endosperma e sem embrio, como nas Cucurbitaceae e Solanaceae; ou unidade de disperso (aqunio, ncula ou cremocarpo) sem semente no seu interior como nas Asteraceae (=Compositae), Polygonaceae e Apiaceae (=Umbelliferae). CIATIFORME em forma de taa [Fig.101F]. CILIADA diz da margem de um rgo que apresenta plos finos e que se assemelham a clios [Fig.203K]. FIGURA 89 Chloris gayana: A- espigueta; B- antcio frtil; C- cariopse. 88. 96 Glossario Ilustrado de Morfologia CILNDRICO em forma de cilndro; o mesmo que teretiforme [Fig.101M]. CIMBIFORME ou NAVICULAR em forma de pequeno barco, cncavo e estreitando-se em direo as extremidades e externamente com quilha (q carena) [Fig.101R]; como em certas sementes e nas glumas de Phalaris canariensis L. Semente cimbiforme Plantago lanceolata L. (Plantaginaceae) e Diodia ocimifolia Brem. (Rubiaceae) [Fig.314]. CIMEIRA tipo de inflorescncia na qual a ramificao, com um nmero definido de ramos, sempre terminal e acaba em uma flor; o mesmo que inflorescncia cimosa. CIMOSA o mesmo que cimeira. CINRIO de colorao cinzenta. CIRCINADO diz-se quando uma folha [Fig.279B] ou um embrio axial curvado se apresentam enrolados em espiral; a folha est enrolada do pice base, como os fololos de Cycas; o embrio circinado, em corte transversal da semente visto quatro vezes, como em Cuscuta spp. (Cuscutaceae)eSolanumaculeatissimumJacq.[Fig.140E],S.lycocarpum L., S. paniculatum L. e S. sisymbriifolium Lam. (Solanaceae). Cirsium sp. aqunio elptico-oblongo, comprimido, em geral um pouco anguloso, reto ou levemente longo-curvado, faces biconvexas, bordos arredondados, com um reto e outro convexo; pice truncado e reto ou oblquo, com estreito colar que contorna o disco epgeno (de) ovalado e 89. C 97 deprimido em torno do escuro estilete (est); papus piloso, unisseriado, caduco no aqunio maduro e com 20-28mm de comprimento, com numerosos plos plumosos, largos, aplanados, esbranquiados, lustrosos, delicados, concrescidos na base em um anel e desta forma caidio; insero basal, com base estreita, arredondada ou oblqua. A unidade-semente o aqunio. As caractersticas diferenciais so citadas em cada espcie. Cirsium arvense (L.) Scop. aqunio elptico-oblongo, comprimido, liso, fosco, castanho-claro, de 2,5-3,0(-4,0)mm de comprimento por 0,8-1,0(-1,2)mm de largura, em geral um pouco anguloso, mais lar- go acima da poro mediana e afilando gradativamente para uma base oblqua; pice truncado com colar castanho-claro ou amare- lado, miudamente dentado e abaixo uma faixa constrita; estilete (est) de cuneiforme a obtuso; papus piloso, unisseriado, cerca de 2,8mm de comprimento e caduco (no aqunio maduro) [Fig.89]. Cirsium vulgare (Savi) Tem. aqunio elptico-oblongo, comprimido, liso, fosco, castanho-amarelado e finamente riscado de preto ou de prpura, de 3,5-4,0mm de comprimento por 1,2-1,7mm de largura, em geral um pouco anguloso, mais largo acima da poro mediana e afilando gradativamente para uma base e um pice truncados; com colar apical amarelo-intenso e miudamente dentado ou inteiro; estilete (est) obtuso ou frequentemente inconspcuo; papus piloso, unisseriado, caduco (no aqunio maduro). CIRROSO diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) termina em espiral (flexvel e filiforme); o apndice um prolongamento da costela [Fig.16D]. FIGURA 90 Cirsium arvense. 90. 98 Glossario Ilustrado de Morfologia CLADDIO rgo de natureza caulinar e com aparncia e funo de folha (comprimido e laminar); muitas vezes com ntidos ns e en- trens, que apresentam folhas rudimentares verdes ou pequenas flores; como em fita-de-moa (Homalocladium platycladium (F. Muell) L.H. Bailey - Polygonaceae - Fig.91A); distingue-se do folicldio porque tem crescimento indeterminado, enquanto que aquele de crescimento limitado. Outros autores consideram que os dois termos so sinnimos. O cactos (Opuntia sp) apresenta claddios articu- lados [Fig.91B]. CLAVADO em forma de clave; quando um rgo se engrossa gradativa- mente de uma base delgada para o pice [Fig.100B]. CLOROFILA pigmento responsvel pela colorao verde do reino vegetal e de importncia fundamental para a fotossntese na presena da luz solar, liberando oxignio no ar e deste retirando o gs carbnico. CLUSIACEAE nome vlido da famlia Guttiferae. COCA cada uma das 2-3 partes de um fruto esquizocarpceo globoso, elipsde ou ovide, deiscentes ou indeiscentes, o fruto pode ser uma: Dicoca ocorre em Rubiaceae [Fig.92] (nos gneros Diodia e Galium) e Trapaeolaceae (Trapaeolum); Tricoca ocorre em Euphorbiaceae (Chamaesyce hirta (L.) Millsp.) e em Rubiaceae (Richardia brasiliensis Gmez) [Fig.93]. COCCNEA de colorao escarlate. FIGURA 91 Claddio: A- Homalocladium platycla- dium; B- Opuntia sp. FIGURA 92 Esquizocarpo cocide (dicoca) de Diodia: D. alata: A- fruto fechado, B-incio da deiscncia; D. ocimifolia: C- fruto fechado; D. teres: D- coca dorsal, E- coca ventral. 91. C 99 COCLEAR torcido em forma de espiral curta, em forma de caracol [Fig.101L]; como o fruto de Medicago [Fig.217A] e as sementes de Melastomataceae (nos gneros Aciotis, Acisanthera, Comolia, Nepsera, Pterogastra e Tibouchina) [Fig.305N]. COCLEARIFORME em forma de caracol. COCO fruto formado pelo epicarpo duro, mesocarpo, endocarpo e a semente formada pelo endosperma (lquido e que se bebe ou a parte comestvel) e embrio a parte basal do endosperma; na realidade esse fruto uma drupa; fruto de diversas palmeiras, como o coco-da-Bahia (Cocos nucifera L. - Fig.94). COCIDE fruto esquizocarpceo globoso, elipsde ou ovide, deiscentes ou indeiscentes, encontradas na maioria das Euphorbiaceae (tricoca em Euphorbia sp., Chamaesyce hirta (L.) Millsp. - Fig.93B, Ricinus communis L., raramente dicoca) e a dicoca nos gneros Diodia e Gallium e tricoca em Richardia brasiliensis Gmez (Rubiaceae - Fig. 93A). Dicoca em Diodia alata Nees & Mart., D. ocimifolia (Willd.) Brem. e D. teres Walt. [Fig.92]. Ver coca. COIFA poro protetora da ponta da raiz; formada por uma ou vrias camadas de clulas epidrmicas; o mesmo que caliptra [Fig.95-cf]. Coix lacrima-jobi L. invlucro de ovide a globoso, coriceo, com 10- 15mm de comprimento por 7-8mm de dimetro, lustroso, de colorao esbranquiada a cinza-escura, pice com um poro por onde sai a antera (an); cariopse semiglobosa, de colorao castanho-avermelhada, com 4-5mm de comprimento e largura por 3,0-3,5mm de espessura, FIGURA 93 Esquizocarpo cocide (tricoca): A- Richardia brasiliensis;B- Chamaesyce hirta. FIGURA 94 Coco-da-Bahia (seo longitudinal). FIGURA 95 Extremidade da raiz mostrando a coifa. 92. 100 Glossario Ilustrado de Morfologia com larga depresso onde se localiza o embrio de at 2,0mm de largura, escutelo com cerca de 1,5mm de largura; hilo orbicular, fosco, esbranquiado e cerca de 3,0mm de dimetro [Fig.96]. COLAR parte superior ou basal de um aqunio de algumas Astera- ceae (=Compositae), que se distingue por um entumescimento, s vezes de colorao diferente, como em Cirsium arvense (L.) Scop. [Fig.90]. COLEPTILO ou BAINHA COTILEDONAR primeira folha em forma de bainha fechada e ereta, sem vaso condutor e de aparncia membrancea, que surge na germinao de certas sementes de Mocotiledneas, como nas Poaceae (=Gramineae). Envolve e protege o pice do eixo embrionrio e a plmula. Na germinao a plmula verde emerge atravs do coleptilo [Fig.78B-cop]. COLEORRIZA bainha membrancea fechada, altamente especializada, presente nos embries das Poaceae (=Gramineae) e que envolve a base da radcula. Pode tambm circundar o meristema das razes seminais, como no gnero Avena, Hordeum, Secale e Triticum (Poaceae - Fig.78B-cor]. COLETO ponto de juno do caule com a raiz. COLMO caule especializado das Poaceae (=Gramineae) e Cyperaceae; o colmo no se ramifica e distingue-se do estipe por apresentar, todo o comprimento, nitidamente dividido em gomos, os entrens, que so separados uns dos outros por discos transversais, os ns. O colmo tpico o caule da cana-de-aucar [Fig.97] e seus gomos esto cheios de bamb de um tecido (medula) rico de lquido aurado, colmo cheio [Fig.98]. No FIGURA 96 Coix lacrima-jobi. FIGURA 97 Colmo de cana-de-aucar. 93. C 101 bamb a medula se separa durante o desenvolvimento do colmo, de modo que ele se torna oco, formando o colmo fistuloso [Fig.99]. COLO regio de transio entre o caule e a raiz; ou uma demarcao externa, s vezes, quase imperceptvel entre o hipoctilo e a radcula nas plntulas em incio de germinao, ou apresenta-se intumescida, ou sob a forma de anel, ou de colorao um pouco diferenciada e abaixo da qual formam-se o plos radicais. COLUMELA em frutos esquizocarpceos, o eixo que persiste aps a queda dos mericarpos. Nas Euphorbiaceae a tricoca se rompe na maturao, as cocas se desprendem e a columela permanece presa no pice do pednculo [Fig.72]. COLUNA SEMINFERA eixo central dos frutos onde se prendem as sementes [Fig.72]. COMISSURA face ventral do carpdio de Apiaceae (=Umbelliferae - Fig. 109G-N-S-Z]. COMPOSITAE sinnimo de Asteraceae. COMPRIMIDO lateralmente aplanado, achatado; oposto de rolio. CONATO diz-se quando estruturas esto unidas ou soldadas uma a outra (ptalas, estames, etc.); o mesmo que aderente, adnato, concrescente. CNCAVO menos elevado no meio do que nas bordas; cavado; escavado. FIGURA 98 Colmo cheio-de cana-de-ucar. FIGURA 99 Colmo oco ou fistuloso. 94. 102 Glossario Ilustrado de Morfologia FIGURA 100 Forma (terminologia usada): A- cnico; B- clavado; C- turbinado; D- piriforme; E- lacrimiforme; F- espiralado; G- nabiforme; H- globoso; I- lenticular; J- sabreforme; K- falcado; L- angular; M- trgono; N-N- tiangular; O- carenado: q-quilha; P- canaliculado; Q- fusiforme. FIGURA 101 Forma (terminologia usada): A- ringente; B- labiado; C- infundibuliforme; D- campanulado; E- urceolado; F- ciatiforme; G- cupuliforme; H- escuteliforme; I- fungiforme; J- meloniforme; K- umbonado; L- coclear; M- teretiforme; N- semiteretiforme; O- moniliforme; P- toruloso; Q- tubuliforme; R- cimbiforme ou navicular. 95. C 103 CONECTIVO tecido que une as tecas (t) de uma antera (an) [Fig.12]. CONES inflorescncia feminina ou inflorescncia das Gimnospermas (Conferas) [Fig.229-a]. CNICO ou CONIFORME em forma de cone; como os espinhos de algumas rosas; o mesmo que coniforme [Fig.100]. CONDIO esporo de origem assexuada. FIGURA 102 Contorno (terminologia usada): A- ensiforme; B- parablico; C- rmbico; D- cordado; E-E- auriculado: F- lunado; G- reniforme; H- caudado; I-I- sagitado; J- hastado; K- lirado; L- runcinado; M- ondulado; N- panduriforme; O- orbicular; P- atenuado. FIGURA 103 Contorno (terminologia usada): A- linear; B- lanceolado; C- oblongo; D- oval; E- aovado; F- oblanceolado; G- elptico-lanceolado; H- espatulado; I-J- cuneiforme ou cuneado; K- subulado; L- acicular. 96. 104 Glossario Ilustrado de Morfologia CONFERA classe de plantas das Gimnospermas (famlias Araucariaceae, Cupressaceae, Pinaceae, Podocarpaceae e Taxodiaceae); produzem sementes no formados em frutos e sim reunidos em estrbilos coniformes. CONIDIFORO que porta (sustenta) condios. CONSPCUO usado quando a estrutura de um rgo vegetal normal muito visvel, proeminente, evidente e ntido. CONSTRICTO o mesmo que estrangulado. CONTORNO linha que fecha ou limita externamente um corpo; ou a figura representada pela margem [Fig.99, 100]. CONVEXO mais elevado no meio do que nas bordas. CONVOLUTA(O) diz-se da folha com os bordos enrolados longitudinal- mente, um dentro do outro [Fig.279A]; como na folha da bananeira. CONVOLVULACEAE terminologia usada na descrio das sementes de Ipomoea e Convolvulus [Fig.104]. Ver Convolvulus e Ipomoea. Convolvulus sp. a forma da semente depende do nmero de sementes maduras que se formam no fruto (cpsula septfraga), variando de globosa a obovide-cuneiforme, em seo transversal achatado-ovalada ou subcuneiforme; lado dorsal convexo, com ou sem sulco mediano e lado ventral com carena obtuso-arredondada; rea hilar basal-ventral, transverso-elptica e base no emarginada; hilo transverso-elptico, do FIGURA 104 CONVOLVULACEAE (terminologia usada na descrio das sementes): A- C-E- Ipomoea sp.; B-D-F- Convol- vulus sp.; A-B- semente ventral; C-D-detalhe da rea hilar; E-F- se- o transversal da semente mos- trando o contorno da semente. 97. C 105 tipo convolvulus, mais largo do que longo, pequeno e no circundado por um sulco ou ranhura e por uma costela hipocrepiforme; embrio axial, contnuo, plicado, com cotildones de largo-obovados a obovados e com reentrncia inferior a do comprimento do limbo (parecendo emarginado) [Fig.101]. Ver Ipomoea [Fig.210]. Seguem as caractersticas diferenciais de duas espcies de Convolvulus: Convolvulus arvensis L. semente de subglobosa a obovide- cuneiforme e achatado-ovalada em seo transversal, de 3,0-4,5mm de comprimento por 2-3mm de largura e 2,0-2,5mm de espessura, lado dorsal fortemente convexo e ventral com duas faces planas ou convexas, pice arredondado e afilando-se abruptamente para a rea hilar; carena obtuso-arredondada, margem arredondada, superfcie fosca, glabra, de colorao castanho-acinzentada-clara a castanho- escura ou quase preta, rugosa (por numerosas verrugas obtusas ou por linhas onduladas, ambos de colorao esbranquiada ou castanho-clara); rea hilar e hilo transverso-elptico, hilo com 0,3mm de comprimento por 0,5mm de largura, levemente afundado, avermelhado ou da mesma colorao do tegumento e denso-piloso, com diminutos plos simples, castanho-claros a esbranqui-ados [Fig.105A-B]. Convolvulus crenatifolius Ruiz et Pav. semente largo-elipside a obovide-cuneiforme e largo-elptica em contorno, de (2,6- )3,0-3,8(-4,0)mm de comprimento por 2,5-3,2mm de largura e 2,0- 2,8mm de espessura, mais larga na poro mediana, lado dorsal fortemente convexo e com um sulco longitudinal conspcuo no centro, faces ventrais planas ou levemente convexas; carena obtusa, margem conspicuamente delimitada; superfcie fosca, glabra, de colorao preta (madura) e castanho-acinzentada a FIGURA 105 Convolvulus arvensis (A-B) e C. crenatifolius (C-D): semente: A- C- lado ventral; B-D- vista late- ral, mostrando a rea hilar. 98. 106 Glossario Ilustrado de Morfologia castanho-escura(imatura),rugosa(pornumerosastubrculosrombudos ou por curtas linhas onduladas, ambos da mesma colorao do tegumento (madura) ou mais claras quando imatura) ee miudamente alveolada (40X); rea hilar suborbicular, conspicuamente delimitada, cerca de 1,5mm de comprimento por 1,2-1,3mm de largura; hilo transveso- elptico, com 0,3-0,5mm de comprimento por 0,6-1,0mm de largura, levemente afundado, rugoso, glabro, de laranja a avermelhado ou da mesma colorao do tegumento [Fig.105C-D]. CORDADO(A) ou CORDIFORME diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de corao, com lbulos arredondados na base da folha, fruto, semente ou embrio [Fig.102D]. CORICEA(O) diz-se quando a folha, fruto ou semente tem textura de couro. Coriandrum sativum L. cremocarpo globoso ou ovide, de 3,0-3,5mm de dimetro, formado por dois carpdios semicirculares, de colorao cinza a castanho-cinza, pice com estilopdio (estilete remanescente) cnico; lado ventral (da comissura) plano, com nervura mediana longitudinal, que se prende ao carpforo e com fina nervura na margem, lado dorsal com costelas longitudinais, primrias e secundrias pouco salientes e onduladas, superfcie spera e rugosa [Fig.109K-L]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. CORIMBO tipo de inflorescncia indeterminada, onde as flores saem de pontos diferentes da mesma haste ou eixo, mas terminam na mesma altura, porque os pednculos so de diferentes tamanhos [Fig.106]. CRNEO diz-se da superfcie que se apresenta dura como corno (chifre). FIGURA 106 Corimbo. 99. C 107 CORNICULADO que possui cornculo. CORNCULO diz-se de um rgo (folha, fruto ou semente) ou parte vegetal delgada e cujo aspecto lembra um chifre diminuto; spala corniculada ou androceu de Asclepiadaceae; carpdio corniculado de Sida linifolia Cav. [Fig.82-crn]. COROLA verticlo floral interno do perianto heteroclamdeo das Dicotiledneas [Fig.171]; formado por uma ou mais ptalas (pt), livres ou concrescidas e de textura mais fina do que as spalas; geralmente a parte mais vistosa da flor e de cores variadas. Corola dialiptala segmentos (ptalas) separados; Corola gamoptala segmentos (ptalas) unidos numa pea nica. COSMOPOLITA diz-se das espcies que se espalham espontaneamente pela maior parte do globo. COSTA diz-se da superfcie com proeminncias longitudinais como nos frutos (carpdios, mericarpos) de certas Apiaceae (=Umbelliferae), como nos gneros Ammi, Apium, Cyclospermum, Daucus, Petroselinum [Fig. 83, 109]; o mesmo que costela. COSTADO(A) diz-se da superfcie provida com costelas (costas) longitudinais e/ou transversais, com ou sem sulcos intercalados. COSTELAS diz-se da superfcie com proeminncias longitudinais, geralmente finas, que se extendem da base ao pice de alguns 100. 108 Glossario Ilustrado de Morfologia aqunios Bidens pilosa L., B. subalternans DC. [Fig.20A-B], ou de algumas sementes; o mesmo que costa. CORNUDO que termina em um prolongamento parecido a um corno; como no fruto de Trapa bicornis Osbeck (Lythraceae). CORTICOSO diz-se de um rgo vegetal com textura de cortia (muito grosso). COSMOPOLITA diz-se das espcies que se espalham, espontanea- mente, pela maior parte do globo. COTILDONE a primeira folha ou o primeiro par de folhas embrionrias das Angiospermas e Gimnospermas; um protfilo e no uma folha verdadeira; podem tornar-se os primeiros rgos fotossintetizadores da plntula, como nas fanerocotiledonares e so ento denominadas de paracotildones; pode(m) ou no conter reservas; podem tambm exercer a funo haustorial, que se manifesta durante o processo germinativo, realizando o transporte de reservas alimentcias da semente para a plntula em desenvolvimento, como nas criptocotile- donares; pode ser em nmero de: um cotildone folha rudimentar das Monocotiledneas; pode ser verde e em forma de folha (como no gnero Allium Alliaceae) ou pode ser modificado e permanecer total ou parcialmente dentro da semente (como no gnero Asparagus (Asparagaceae) e em Poaceae =Gramineae); na cariopse de Poaceae uma estrutura em forma de escudo e que o nico cotildone em forma de escudo, o escutelo (esc) [Fig.78B]; 101. C 109 dois cotildones nas Dicotiledneas; nas plntulas com germinao epgea so verdes e semelhantes a folhas expandidas, dependendo das espcies variam em forma e tamanho; enquanto nas plntulas com germinao hipgea so hemisfricas, carnosas e permane- cem no interior da semente e no solo [Fig.186, 306C, 307C, 308D, 310B, 311B]; trs cotildones podem ocorrer ocasionalmente em alguns gneros como em Dianthus (Caryophyllaceae) e algumas espcies de Conferas [Fig.5]; muitos cotildones nas Gimnospermas os cotildones podem ser de 2 a 15, conforme a espcie e em Pinus variam de 4 a 15. COTILDONE HAUSTORIAL poro haustorial do cotildone (escutelo), nas Monocotiledneas. a poro que permanece no interior do tegumento durante a germinao da semente, como um rgo que absorve os nutrientes armazenados no tecido de reserva e os leva para a plntula. CRASPDIO fruto seco, indeiscente, que se fragmenta transversalmente em segmentos (artculos ar) unisseminados e que, aps a queda, fica preso ao pednculo, uma armao (replum rep), formado pela sutura e pela nervura do nico carpelo; ocorre em Fabaceae Mi- mosoideae como Mimosa caesalpiniaefolia Benth. [Fig.108], M. diplo- tricha C. Wright (= M. invisa Mart., non Mart. ex Colla), M. pachycarpa, M. pigra L., M. pudica L. [Fig.107], Schrankia leptocarpa C. DC. e S. portoricensis Urb.). FIGURA 107 Craspdio de Mimosa pudica. 102. 110 Glossario Ilustrado de Morfologia Craspdio articulado quando o fruto se fragmenta transversalmente em segmentos (ar - artculos), como em M. caesalpiniaefolia Benth. (FabaceaeMimosoideae) [Fig.108]. Craspdio no articulado quando as valvas permanecem aderidas ao artculo, como em Mimosa clausenii Benth. (FabaceaeMimosoideae). CRASSO diz-se quando a folha, fruto ou semente tem textura espessa, densa e grossa; como os cotildones de feijo e soja. CREMOCARPO ou CREMOCARPDIO fruto esquizocarpceo seco e indeiscente, originado de um ovrio nfero e bilocular. Na maturidade se separa em dois carpdios unisseminados e que se mantm unidos pelo carpforo. Ver carpdio de Apiaceae (=Umbelliferae Fig.109] e Malvaceae [Fig.82]. . FIGURA 108 Craspdio articulado de Mimosa caesalpiniaefolia. FIGURA 109 Cremocarpos de APIACEAE: A-B-C- Ammi majus; D-E- Ammi visnaga; F-G-H- Bowlesia incana; I-J- Centella sp.; K-L- Coriandrum sa- tivum; M-N-N-N-O- Cyclospermum lepto- phyllum; P-Q- Daucus pusillus; R-S-T- Eryn- gium luzulifolium; U-V- Foeniculum vulgare; W-X- Hydrocotyle umbellata; Z-Z-Z-Y- Tori- Torilis nodosa; A-I-K-M-U-W- cremocarpdio; X- seo transversal do cremocarpo; carpdio: B-D-F-N-P-R-Z- lado dorsal, G-N-S-Z- lado da comissura, C-E-N-Z- vista lateral e H-J- L-O-Q-T-V-Y- seo transversal. 103. C 111 CRENADO(A) diz-se quando a margem de uma folha apresenta dentes arredondados [Fig.110A]; como a folha-da-fortuna (Kalanchoe pinnata Pers.). Bicrenado(a) ou Duplocrenado(a) diz-se quando os dentes por sua vez tambm esto crenados [Fig.110A]. Crenado-aguda diz-se quando os dentes apresentam uma pontinha espinhosa. Crenado-obtusa diz-se quando os dentes apresentam pontas arredondadas sucessivas. CRIPTOCOTILEDONAR ver germinao criptocotiledonar [Fig.189]. CRIPTOLOMENTO fruto oblongo, bivalvar, com epicarpo lenhoso e margens levemente sinuosas, dividido transversalmente em artculos indeiscentes, unisseminados e marcados internamente por falsos septos (fse) transversais; sementes subquadrangulares, com pleurograma mediano, endosperma reduzido, embrio com plmula desenvolvida e diferenciada em pinas. Em Melanoxylon braunia Schott (Fabaceae- FIGURA 110 Margem (terminologia usada) A- crenada; A- bicrenada; B- serreada; B- biserreada; C- denteada; D- ondulada; E- angular; F- sinuada; G- aculeada; H- serrulada; I- duplodenteada. 104. 112 Glossario Ilustrado de Morfologia Caesalpinioideae Fig.111A) o fruto oblongo-falciforme, comprimido, com epicarpo lenhoso e bivalvar. Ocorre tambm em Albizia polycephala (Benth.) Killip ex Record (=Pithecellobium polycephalum Benth. - Fig.111B] e Plathymenia reticulata Benth. (= P. foliolosa Benth. - Fabaceae- Mimosoideae), segundo BARROSO et al. (1999). CRIPTOSMARA fruto unisseminado, que se caracteriza por apresentar duas pores bem distintas do pericarpo, a externa que se separa em duas valvas bem distintas ou se rompe irregularmente e a interna indeiscente, membrancea ou coricea; como em Amburana, Pterodon, Schizolobium parahyba (Vell.) S.F. Blake, Sclerolobium sp. e Tachigalia sp. (Fabaceae =Leguminosae) [Fig.112]. CRUCIFERAE sinnimo de Brassicaceae. CRUSTCEO(A) diz-se quando uma folha, fruto ou semente apresenta textura fina e quebradia. CCULO apndice do androceu de Asclepiadaceae, mais expandido do que o cornculo e que, com este, um elemento que constitui a corola. CUCULADO diz-se de um rgo vegetal plano, cujo pice ou os lados esto curvados para dentro; em forma de capacete (capuz), como a gluma superior da espigueta de Panicum miliaceum L. [Fig.256A]. CULTIVARrelacionadaaumaouvriasespciesnaturais,comcaractersticas especficas, obtidas atravs da seleo (trabalho de polinizao) no natural (melhoramento gentico), podendo ser frtil ou no. cv. abreviatura de cultivar. FIGURA 111 Criptolomento: A- Melanoxylum braunia; B- Albizia polycephala. FIGURA 112 Criptosmara: A- Schizolobium parahyba; B- Sclerolobium sp.; C- Tachigalia sp. Fonte B-C-: Barroso et al. (1999). 105. C 113 CUNEADO(A) ou CUNEIFORME diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de cunha, isto , inversamente triangular e com ngulos arredondados [Fig.103I-J]. CPULA brcteas involucrais soldadas que se subestendem a flor e de- pois na base de certos frutos, como na bolota do carvalho (Quercus sp. - Fig.44). CUPULIFORME em forma de cpula ou taa, ligeiramente cncavo e com bordo quase inteiro [Fig.101G]; diz-se do fruto cuja base revestida pelo clice persistente da flor, sobressaindo a parte basal em forma de cpula. Receptculo cupuliforme quando os frutculos se encontram sobre um receptculo em forma de taa, como em Mollinedia sp. (Monimiaceae - Fig.180I]. CURVO curvo, mas de maneira que representa o arco de um crculo. Ver embrio curvado. CURVADO que se curvou. Cuscuta indecora Choisy semente de largo-ovide a globosa e cuneiforme em seo transversal, com 1,4-1,7mm de comprimento por 1,2-1,5mm de largura e 0,8-1,2mm de espessura, lado dorsal convexo e ventral com duas faces planas ou ligeiramente convexas; carena geralmente incosnspcua, margem frequentemente marcada por fina listra longitudinal, superfcie fosca, glabra, de colorao amarelada a castanho-amarelada ou castanho-acinzentada-clara, finamente FIGURA 113 Semente (lado ventral, mostrando a rea hilar ): Cuscuta indecora (A-B) e Dichondra repens (C-D). 106. 114 Glossario Ilustrado de Morfologia spero-granulosa e microscpicamente alveolada (30X); rea hilar basal-ventral, orbicular (nem sempre muito ntida), de colorao ligeiramente mais escura do que o tegumento; hilo em forma de fenda linear esbranquiada; embrio axial, contnuo, linear e espiralado [Fig.113A-B]. CUSPIDADO diz-se quando o pice de um de um rgo (folha, fruto ou semente) mais ou menos alongado e termina gradualmente em ponta fina [Fig.16C]. Cyclospermum leptophyllum (Pers.) F. Muell ex Benth. (= Apium leptophyllum (Pers.) Muell.) cremocarpo globoso, subgloboso ou ovalado (depende da variedade), com (1,0-)1,2-2,5(-3,0)mm de comprimento por (1,0-)1,5-2,0mm de largura e com carpforo bfido; formado por dois carpdios plano-convexos, em seo transversal truncado-estrelados, com (0,5-)0,7-1,0mm de largura, lado dorsal fortemente convexo com cinco costelas longitudinais lisas, de filiformes a salientes agudas ou obtusas (depende da variedade) e seis tubos oleferos grandes e mais escuros do que as costelas; lado ventral (ou da comissura) plano com sulco mediano longitudinal, que envolve o carpforo; pice subagudo com estilopdio (estilete remanescente) deprimido-cnico, superfcie castanho-clara e opaca [Fig.109M-N-N-N-O]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. Cynodon dactylon (L.) Pers. espiguetas elpticas, glabras, com um ant- cio, que se desarticula acima das glumas mticas, glabras, desiguais no comprimento, com a inferior at a e a superior at do compri- mento do antcio frtil, geralmente ausentes quando misturadas as se- mentes comerciais; antcio frtil de elptico a ovalado, mtico, compri- mido lateralmente, com 2,0(-2,5)mm de comprimento por 0,7-1,0mm de FIGURA 114 Cynodon dactylon (espigueta): A- vista lateral, B- lado vental, C- lado dorsal; D- cariopse. 107. C 115 largura, liso, lustroso, branco-amarelado, com lado dorsal nitidamente arqueado e ventral reto; lema frtil (lf) aguda, ovalado-lanceolada, pi- ce acuminado ou agudo, carena aguda, com diminuta ala pubescente e dorso prximo a carena com esparsos plos translcidos; plea frtril (pf) plana, estreita, glabara e bordos escariosos; segmento da rquila (seg) fina, adpressa a plea e cerca da do comprimento da plea fr- til; cariopse ovide-elipside, comprimida, pice obtuso, de castanho- clara a castanho-avermelhada, com 1,0-1,5mm de comprimento por 0,5-0,6(-1,0)mm de largura por 0,3-0,4mm de espessura, lisa, lustrosa, glabra e microscopicamente estriada [Fig. 114]. A unidade-semente a espigueta sem as glumas ou a cariopse nua. Cyperus aggregatus (Willd.) Endl. (= Cyperus cayennensis (Lam.) Britton; Cyperus flavus (Vahl) Nees; Kyllinga cayennensis Lam.; Mariscus cayennensis Urb.; Mariscus flavus Vahl.) glumas inferiores 2, estreis, com a inferior prolongada em apndice setiforme-escabroso, do mesmo tamanho da espigueta; glumas frteis elpticas, obtusas, com 3,0-3,3mm de comprimento, curto-mucronadas, carena verde e 3-nervada, em cada lado com colorao pardo-amarelada e 3-4-nervuras; ncula trgona, obovide, apiculada, com 1,5-1,9mm de comprimento por 0,7-0,8mm de largura; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, lisa e finamente reticulada (10X), levemente lustrosa e de colorao castanha [Fig.115A-A'-B-B'-B''-B''']. A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. (= Cyperus brevifolius (Rottb.) Hassk.) ver Kyllinga brevifolia Rottb. (= Cyperus cayennensis (Lam.) Britton) ver Cyperus aggregatus (Willd.) Endl. 108. 116 Glossario Ilustrado de Morfologia FIGURA 115 Cyperus aggregatus (A-A-B-B-B-B); Cyperus diffusus (C-C-C-D-D-D); Cyperus distans (E-F-F-F); Cyperus gi- gan-teus (G-H-H-H); Cyperus luzulae (I-J-J-J); Cyperus meyenianus (K-K-L-L-L-L); Cyperus odoratus (M-M-N-N- O-O); Cyperus reflexus (P-P-Q-Q-Q); Cyperus sesquiflorus (R-R-S-S-S); Cyperus sphacelatus (T-T-T); Cyperus su- rinamen- sis (U-V-V-V); Cyperus virens (W-X-X-X); Kyllinga brevifolia (Z-Z-Y-Y-Y-Y): espigueta (A-A): pice (M), base (M), com glumas frteis (R-Z-Z), com gluma superior estril (K); base da espigueta com gluma inferior estril (K); pice da espigueta com gluma estril e glumas frteis (R); gluma frtil: vista dorsal (C-E-I-N-P-W), vista lateral (C-G-P), vista lateral-ventral (C) e lateral-dorsal (U); pedao da rquila com gluma frtil + ncula (N); ncula (B-B-D-D-F-F-H- H-J-J-L-L-O-Q-Q-S-S-T-T-V-V-Y-Y-X-X); corte transversal da ncula (B-D-F-H-J-L-O-Q-S-T-V-X-Y); reticulado (B-L-Y). 109. C 117 Cyperus diffusus Vahl glumas frteis largo-ovaladasa, com 2,2-2,6mm de comprimento, com conspcuo mcro, com 9-11 nervuras proeminen- tes, de colorao verde no dorso, pardacentas nos lados e margens largo-hialinas; ncula trgona, largo-obovide, curto-apiculada, com cerca de 1,5mm de comprimento por 0,9(-1,0)mm de largura, faces cncavas e atenuada na base; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, lisa, de colorao castanho-escura [Fig.115C-C'-C''-D-D'-D'']. A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus distans L.f. glumas frteis elpticas, pice arredondado- obtusas, com cerca de 2,0mm de comprimento, de textura papircea, 3-5-nervadas, dorso com listra esverdeada, lados castanho- avermelhados e margens hialinas, geralmente com mancha purprea na parte inferior da margem; ncula trgona, de elptica a oblonga em contorno, apiculada, com (1,3-)1,5-1,6mm de comprimento por 0,4- 0,5mm de largura ou cerca da 1/3 do comprimento, base levemente atenuada; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, de colorao amarelada (imaturo) e castanho-amarelada a castanho-acinzentada (madura), lustrosa, lisa (10X) e transverso-rugosa (30X), revestida por fina camada ceride que d o aspecto reticulado, com paredes dos retculos prateadas [Fig.115E-F-F-F]. A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus esculentus L. ncula obovide-trgona ou, raramente, elipside- trgona, de (1,1-)1,2-1,5(-1,6)mm de comprimento por (0,5-)0,6-0,7(-0,9) mm de largura, mais larga perto do pice obtuso-arredondado e com curto apculo, se afila abruptamente para uma base atenuada-estipi- forme, com trs faces planas, geralmente iguais na largura, ngulos obtuso-arredondados e insero basal arredondada e inconspcua; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, levemente lustrosa, casta- 110. 118 Glossario Ilustrado de Morfologia nho-esbranquiada, devido a fina camada ceride que a reveste e que d o aspecto reticulado, com uma rede de malhas grossas e que formam interespaos profundos (30X), com aumento menor a superf- cie parece grosseiramente tuberculada [Fig.239D-D]. A unidade- semente a ncula. (= Cyperus flavus (Vahl) Nees) ver Cyperus aggregatus (Willd.) Endl. (= Cyperus ferax Rich.) ver Cyperus odoratus L. Cyperus giganteus Vahl (= Cyperus comosus Poir.; Papuus comosus Willd.) glumas frteis ovalado-oblongas, carenadas, com 2,0-2,5(-2,8)mm de comprimento, mucronuladas, imbricadas, adpressas, 5-7-nervadas, de colorao amarelada, com linha dorsal esverdeada, s vezes, com estrias vermelho-sanguneas (durante o desenvolvimento) e castanho- amarelada (maturao) e margens escariosas; ncula trgona, de obo- vada a elptica em contorno, com (1,0-)1,1-1,3mm de comprimento por 0,5(-0,6)mm de largura ou cerca da do comprimento, pice obtuso- arredondado e curto-apiculado, se atenua ligeiramente para uma base obtuso-estipitada; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, lisa (10X) e fino alveolada (25X), lustrosa, de colorao amarelada (imaturo) e castanho-avermelhada-escura a acinzentada (madura) [Fig.115G-H- H-H] . A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus luzulae (L.) Retz. (= Scirpus luzulae L.) glumas frteis carena- do-naviculares, agudas, com cerca de 1,5mm de comprimento, es- cario-sas, finamente reticuladas, carenas esverdeadas na matura- o e lados de esbranquiados a pardos; ncula trgona, ovide, de oblongo a lanceolada em contorno, em geral um pouco arqueada, com 111. C 119 (0,8-)0,9-1,0mm de comprimento por 0,2-0,3(-0,4)mm de largura (va- ria com a variedade), atenua gradativamente para um pice apiculado, geralmente com parte do pistilo persistente (caracterstica da espcie), base no atenuada e estipitada; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, de colorao castanho-amarelada (imatura) a castanho-escura (madura), levemente lustrosa, fino-pontuada (10X) e revestida por fina camada ceride que d o aspecto alveolado (25X) [Fig.115I-J-J-J]. A unidade -semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus meyenianus Kunth (= Mariscus meyenianus Nees) glumas estreis 2, a inferior prolongada em apndice setiforme, liso, muito longo nas espiguetas inferiores e encurtando-se gradativamente em direo s superiores; glumasfrteiscarenado-naviculares,agudas,mucronuladas, com cerca de 3,5mm de comprimento, plurinervadas, com 3-nervuras no dorso e quatro em cada lado, com carena verde, nervuras laterais pardo-avermelhadas e com pontos e linhas vermelhas entre elas, margens escariosas e de esbranquiadas a amareladas; ncula trgona, oblonga em contorno, com 2,0-2,1mm de comprimento por 0,5mm de largura, se atenua para um pice obtuso e curto-apiculado (resto do pistilo), base levemente atenuada e estipitada; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, de colorao castanho-avermelhada-escura, levemente lustrosa, pontilhada e revestida por fina camada ceride que d o aspecto reticulado-prateado entre os pontos (25X) [Fig.115K-K'-L- L'-L''-L''']. A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus odoratus L. (= Cyperus ferax Rich.) espigueta linear com rquila articulada na insero de cada gluma, onde se fragmenta na matura- o; entren da rquila ovide, com (1,2-)1,3-1,5mm de comprimento por 0,5-0,6mm de largura, espesso-corticiforme no dorso (madura), de 112. 120 Glossario Ilustrado de Morfologia colorao castanho-avermelhada, lustrosa, se afila lateralmente em alas que envolvem a ncula, poro apical do entren da rquila em semi-crculo (meia-lua), branca, inclinada (correspondendo a articula- o com o entren superior) e envolta parcialmente pela gluma frtil ovado-elptica, com 2,5mm de comprimento, com dorso arredondado, nitidamente carenado, 7-9-nervada, com curto mucron subapical, de colorao de castanho-amarelada a castanho-avermelhada, com carena verde e margens castanho-avermelhadas e com estrias vermelhas; ncula elipside-trgona, alongada, com (1,6-)1,8-2,0mm de comprimento por (0,3-)0,4-0,5mm de largura, pice obtuso, apiculado e s vezes com estilete trfido persistente, base atenuada, estipiforme, com insero basal triangular e inconspcua, com duas faces ventrais quase iguais na largura e uma dorsal mais larga e arqueada longitudi- nalmente, ngulos arredondados; pericarpo crustceo, com superfcie lisa, glabra, fosca ou levemente lustrosa, de colorao castanho-aver- melhada a castanho-escura, revestida por fina camada ceride, que d o aspecto reticulado, com uma rede de malhas finas de colorao cinza-prateada (20X) [Fig.115M-M-N-N-O-O]. A unidade-semente a ncula ou a ncula + o entren da rquila + gluma frtil. Cyperus reflexus Vah. glumas frteis carenadas agudas, mucronuladas, com 1,8-2,1mm de comprimento, 3-nervadas, com fino reticulado longitudinal, de colorao vermelho-sanguneas nos lados, verdes na carena, com pon- ta e nervuras amarelo-esverdeadas e margens hialinas; ncula trgona, elptica em contorno, com 0,6-0,7mm ou (0,7-) 0,8-1,1 mm de comprimen- to por 0,3-0,4mm ou (0,4-)0,5-0,6mm na maior largura (depende da varie- dade), pice atenuado e com mcron mais escuro, base atenuada e esti- pitada; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, lustrosa, de colorao castanha ou acinzentada (10X), devido aos interespaos prateados (25X) 113. C 121 do retculo, formado pela fina camada ceride do revestimento [Fig.115P- P-Q-Q-Q]. A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus rotundus L. ncula de elipside-trgona a oblongo-trgona, rara- mente obovide-trgona, de (1,1-1,2-1,5(2,0)mm de comprimento por (0,5- )0,6-0,7(-0,8)mm de largura, com trs faces, com duas geralmente iguais e planas ou levemente convexas e a terceira mais larga e plana, pice arredondado e com curto apculo, base atenuada e estipiforme, com inser- o basal elptica e inconspcua, ngulos arredondados; pericarpo crust- ceo, com superfcie glabra, levemente lustrosa, de castanho-esverdeada ou castanho-prateada, devido a fina camada ceride que a reveste e que lhe d o aspecto reticulado, com uma rede de malhas finssimas e que for- mam interespaos rasos (30X), com aumento menor a superfcie parece pontilhada [Fig.239E-E]. A unidade-semente a ncula. Cyperus sesquiflorus (Torr.) Mattf. & Kk. (= Kyllinga odorata Vahl) duas glumas frteis ovadas, agudas ou curto-mucronadas, com (2,9-)3,0-3,3 (3,5)mm de comprimento por (1,2-)1,3(-1,5)mm de largura, de colorao palha-translcida, com esparsos pontos avermelhados, nervuras conspcuas, carena dorsal alada e esverdeada; gluma inferior 5-nervada e cerca da do comprimento das glumas frteis; ncula obovada- elptica, comprimida, com (1,3-)1,5-1,8(-2,0)mm de comprimento por (0,7-)0,8-1,1mm de largura e 0,2-0,3mm de espessura, lados levemente convexos, pice arredondado e curto-apiculado, se afila gradualmente para uma base estipiforme, margem arredondada, esbranquiada e espessa; pericarpo crustceo, com superfcie lisa, glabra, levemente lustrosa, de colorao castanho-escura a preta, revestida por fina camada ceride, com uma rede de malhas finssimas, translcidas, que na poro mediana da ncula formam interespaos maiores e que do, superfcie, o aspecto de diminutas pontuaes (30X) ou de 114. 122 Glossario Ilustrado de Morfologia rugosidades (20X), com interespaos pratedos [Fig.115R-R-S-S-S). A unidade-semente a ncula, com ou sem as glumas. Cyperus sphacelatus Rottb. glumas frteis com 2-3mm de comprimento, 7-9-nervadas, de colorao parda e com margens hialinas, geralmente com mancha purprea na parte inferior da margem; ncula trgona, elptica em contorno, com 0,3-0,5mm de comprimento por 0,2mm na maior largura, pice e base obtusas; pericarpo custceo, com superfcie glabra, lisa, lustrosa, de colorao castanha e fino-pontuada [Fig.115T- T-T]. A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus surinamensis Rottb. glumas frteis carenado-naviculares, agudas, mucronuladas, escariosas, com 1,5mm de comprimento, 3-nervadas e com as laterais proeminentes, com fino reticulado longitudinal, de colorao palha nos lados e esverdeada na carena; ncula trgona, de oblonga a ovalada ou elptica em contorno, com 0,6-0,7(-0,8) mm de comprimento por (0,2-)0,25(-0,3)mm na maior largura, pice obtuso e apiculado (resto do pistilo), base obtusa e curto-estipitada; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, fosca, de colorao castanho-claro (imatura) a castanho-avermelhado (madura), transverso-rugosa (16X), revestida por fina camada ceride que d o aspecto prateado entre as rugosidades [Fig.115U-V-V-V]. A unidade- semente a ncula com ou sem as glumas. Cyperus virens Michx. glumas frteis sub-coriceas, carenado-navicula- res, agudas, escariosas, de 1,8-2,1mm de comprimento, 3-nervadas com uma nervura na carena e uma a cada lado, ligeiramente imbri- cadas na parte superios da espigueta, reticuladas, de colorao verde-clara a amarelada (imatura) e palha ou pardacenta (madura); 115. C 123 ncula trgona, elptica ou s vezes obovada em contorno, com 1,0- 1,3mm de comprimento por (0,4-)0,5-0,6mm na maior largura, pice atenuado, apiculado e s vezes com resto do pistilo, base atenuada e sub-estipitada; pericarpo crustceo, com superfcie glabra, lustrosa, granulosa-reticulada, de colorao castanha a castanho-acinzentada, devido as paredes prateadas do retculo, com interespaos hexagonais (25X), formado pela fina camada ceride do revestimento. Espcie com grande variabilidade [Fig.115W-X-X-X]. A unidade-semente a ncula com ou sem as glumas. 116. 126 Glossario Ilustrado de Morfologia Dactylis glomerata L. espiguetas subssseis, elpticas, comprimidas, multifloras (unidade-semente mltipla); a desarticulao ocorre aci- ma das glumas e entre os antcios; glumas (inferior e superior) desi- guais, agudas e carenadas; antcio frtil estreito-ovalado, pice longo- acuminado e encurvado excentricamente (geralmente deitada de lado), de (4-)5-7mm de comprimento (sem ariata) por 1,0-1,2(1-1,5)mm de largura e 0,2-0,8mm de espessura, de colorao amarelada e pice um pouco mais escuro; lema frtil (lf) comprimida lateralmente, com 3-5 nervu- ras, carena (nervura mediana) conspcua e ciliada, mais densa no pice, com margens pouco encurvadas sobre a plea, frequentemente com fina pubescncia esbranquiada em toda a superfcie; arista cerca de 2mm de comprimento ou ausente; plea frtil (pf) largo-sulcada e pice bidentado; segmento da rquila (seg) com 1mm de comprimento, com pice expandido em disco; cariopse (cap) de trgona a quilhada, de co- lorao amarelada, nitidamente mais curta do que a plea, de 2-3mm de comprimento por 0,8mm de largura e espessura, facilmente separ- vel do antcio, hilo punctiforme [Fig.116]. Nas sementes comerciais, s vezes, persistem os antcios terminais estreis. A unidade-semente o antcio frtil. DANO MECNICO manifesta-se como um tecido rachado ou danificado, como conseqncia direta dos impactos recebidos ou pela compres- so sofrida pela semente durante a colheita e o processamento. Daucus carota L cremocarpo formado por dois carpdios ovalados, plano- convexo, de colorao amarelo-acinzentada a amarelada, muito pareci- do com Daucus pusillus Michx., de 2,0-3,5(-4,0)mm de comprimento, por (1,0-)1,5-2,0mm de largura e 0,8-1,0mm de espessura, pice com estilopdio (et - estilete remanescente) de 0,4-0,6mm de comprimento; lado ventral plano com estreito sulco mediano e duas costelas longitudinais FIGURA 116 Dactylis glomerata (antcio frtil): A-B- lado dorsal, C-D-lado ventral, E- vista lateral. 117. D 127 laterais sem espinhos; lado dorsal convexo com quatro conspcuas costelas longitudinais primrias, equinadas, com acleos esbranquia- do-amarelados, de 1,0mm de comprimento e que podem estar que- brados ou ausentes quando os carpdios se encontram misturados as sementes comerciais; entre cada costela primria se encontra uma costela secundria filiforme e com espinhos menores; com cinco tubos oleferos e costelas laterais conspicuamente aliformes. A unidade-se- mente o cremocarpo ou o carpdio. Daucus pusillus Michx. cremocarpo largo-ovide, muito parecidos com Daucus carota L., formado por dois carpdios ovalado-comprimidos, castanho-amareladas a amarelo-acinzentadas, com 2,5-30(-3,5)mm de comprimento (sem acleos) por 1,2-1,8mm de largura e 0,4mm de espessura, de base arredondada, pice agudo e com pequeno estilopdio (et -estilete remanescente); lado ventral (da comissura) de plano a levemente concavo e com sulco mediano longitudinal, que envolve o carpforo filiforme; lado dorsal levemente convexo, com quatro conspcuas costelas longitudinais, primrias, equinadas, com cerca de 10-15 acleos esbranquiado-amarelados por costela, cerca de 1mm de comprimento e que podem estar quebrados ou ausentes quando os carpdios se encontram misturados as sementes comerciais; entre cada uma das quatro costelas encontra-se uma outra costela longitudinal, secundria, filiforme e com curtos plos adpressos; costelas laterais aliformes e com cinco tubos oleferos [Fig.109P-Q]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. DECDUO(A) que cai facilmente, como folha decdua, que cai facilmente depois que cumpriu sua funo ou em um inverno frio e seco, como as folhas de Tabebuia (Bignoniaceae); o mesmo que caduco e caduciflia; se contrape a persistente. FIGURA 117 Decorrente. 118. 128 Glossario Ilustrado de Morfologia DECORRENTE diz-se da folha cuja base se estende para alm do ponto de insero no caule, tornando-o alado [Fig.117]. DECUMBENTE diz-se de colmos ou caules com base prostrada e extremidade ascendente ou ereta. DEISCNCIA abertura de qualquer rgo vegetal por um mecanismo natural (dentes apicais [Fig.59], lobos apicais, lculos [Fig.118B e Fig.119A], nervura mediana [Fig.119A-nm], poros [Fig.118A-po], sep- tos [Fig. 119B], septos (se) quebram no meio [Fig.119C], suturas, etc.). Ver cpsulas. DEISCENTE que sofre deiscncia, isto , abertura espontnea de anteras ou frutos em determinados pontos ou numa direo definida, liberando os gros de plen ou as sementes que se encontram no seu interior. DELTIDE ou DELTIFORME diz-se quando uma folha triangular em seo transversal, como o delta maisculo do alfabeto grego, com base muito ampla [Fig.120]. DENTEADA(O) diz-se quando a margem de uma folha apresenta dentes dirigidos perpendicularmente [Fig.110C]; como a folha do brinco-de- princesa (Hibiscus rosa-sinenesis L.) Duplodenteada(o) diz-se quando esses dentes por sua vez tambm possuem dentes [Fig.110I]. DENTICULADO(A) diz-se quando a margem de um rgo (folha, fruto) apresenta pequenos dentes pequenos. FIGURA 118 Deiscncia por: A- poros (cpsula poricida de papoula); B- lculos (cpsula loculici- da) - seo transversal. FIGURA 119 Deiscncia de cpsulas: A- loculicida; B- septici- da; C- septifraga. 119. D 129 DEPRESSO diz-se quando um rgo (fruto ou semente) apresenta uma depresso. DEPRIMIDO que apresenta depresso, achatado verticalmente; como a raiz do nabo; fruto deprimido. DESARTICULAO separao na maturao; como a separao dos antcios das espiguetas em muitas Poaceae (=Gramineae), na base do antcio (calo) e no pice do segmento da rquila (seg - como nos gneros Lolium e Festuca - Fig.166, 167, 224,225) ou ainda no pice do pedicelo (como nos gneros Andropogon e Sorghum - Fig.155, 327). Ver abciso e articulada. Dependendo do modo de desarticulao, se por absciso ou por ruptura, se pode separar as espcies de Sorghum: Sorghum halepense todas as partes do antcio se desarticulam por abciso [Fig. 327A, 329B]; Sorghum almum alguns antcios se desarticulam por abciso e outros por ruptura [Fig.327B, 329A]; Sorghum sudanense todas as partes se desarticulam por ruptura [Fig. 327C]. DESCOLORAO alterao ou perda da colorao. DESINFECO ato ou efeito de desinfeccionar(-se). DESNATURADA diz-se da substncia cuja natureza foi alterada pela adio de outras substncias. FIGURA 120 Deltide. 120. 130 Glossario Ilustrado de Morfologia DETERIORADO o mesmo que apodrecido; que sofreu deteriorao; que teve perda de qualidade. DETERIORAO ato ou efeito de deteriorar(-se); apodrecimento de um tecido orgnico, geralmente associado com a presena de um mi- croorganismo; ou um processo progressivo e irreversvel que no pode ser evitado, somente retardado; quando ocorre no h apenas a perda do poder germinativo e sim tambm do vigor da semente; ou um fenmeno progressivo que se inicia, quando a semente atinge a maturidade fisiolgica e continua em velocidade varivel at a morte da semente. DISPORO o mesmo que unidade de disperso. Dichondra microcalyx (Hall. f.) Fabris (= Dichondra repens Forst & Forst var. microcalyx Hall.f.) semente de subglobosa a obovide-cuneiforme, de 1,5-2,0(-2,2)mm de comprimento por 1,5-1,8mm de dimetro ou de espessura, lado dorsal e ventral convexos; carena inconspcua ou levemente conspcua na inferior, margens no delimitadas; rea hilar basal-ventral, triangular, cerca de 0,7mm e glabra, com hilo transverso- elptico, do tipo convolvulus, no afundado, liso, glabro, cerca de 0,1mm de comprimento por 0,3(-0,4)mm de largura e mais escuro do que o tegumento, superfcie fosca, glabra, lisa de colorao castanho- avermelhada, miudamente alveolada (40X); embrio axial, contnuo, com cotildones foliceos oblongo-lineares e plicados [Fig.113C-D]. DICOCA fruto esquizocarpceo formado por duas cocas, nos gneros Diodia e Gallium (Rubiaceae) [Fig.92]. Ver coca. 121. D 131 DICOTILEDNEA planta ou grupo de plantas pertencentes as Angiosper- mas e cujas sementes possuem embrio geralmente com dois cotil- dones. Ver Monocotiledneas. DICOTOMIA subdiviso dois a dois. DIGITADA(O) com lbulos semelhantes a dedos da palma da mo; diz-se das folhas cujas lminas so divididas em lbulos profundos e divergen- tes [Fig.251]; diz-se tambm das folhas palmaticompostas. DIGITALIFORME quando a corola gamoptala e zigomorpha parecida com um dedo de luva [Fig.121]; como a corola de Digitalis. Digitaria ciliaris (Retz.) Koeler (= D. adscendens (Kunth) Henrard) espiguetas aos pares, lanceoladas, uma pedicelada e outra subsssil, com (2,2-) 2,5-3,2(-3,4)mm de comprimento, por 0,7-0,9(-1,2)mm de largura e 0,4-0,5mm de espessura; glumas membranceas, com a inferior (gli) triangular, pice agudo, com 0,3-0,4(-0,5)mm de comprimento, enrvea e glabra; gluma superior (gls) lanceolada, pice agudo, com 1,6-2,1mm de comprimento ou at a do comprimento da espigueta por 0,3-0,5mm de largura, 3-nervuras, pilosa, com densos plos, que ultrapassam o pice, entre as nervuras e nas margens; lema estril (inferior le) lanceolada, igual ou mais longo do que o antcio frtil, papircea, 7-nervuras, com a mediana e as laterais lisas, ou com as laterais escabrosas no pice, com pilosidade esbranquiada que no ultrapassa o pice nas margens e entre as nervuras laterais; plea estril ausente; antcio frtil lanceolado, plano-convexo, pice agudo, cartceo, com (2,1-)2,4-3,2(-3,3)mm de comprimento, por 0,5-0,8(-1,1)mm de largura, liso, lustroso, de colorao castanho-clara; lema frtil (lf) acuminada, FIGURA 121 Digitaliforme. 122. 132 Glossario Ilustrado de Morfologia finamente pontilhada longitudinalmente, com margens membranceas viradas sobre a plea frtil (pf); cariopse de lanceolada a estreito- ovalada, com 1,8-2,1mm de comprimento por 0,6-0,8mm de largura e 0,20-0,25mm de espessura, glabra, de colorao esbranquiado-hialina a amarelado-fosca; rea do embrio menor do que a do comprimento da cariopse; mcula hilar oblonga e mais escura do que o pericarpo. A unidade-semente a espigueta, raro o antcio frtil. Digitaria insularis (L.) Fedde (= Tricholaena insularis (L.) Griseb.) espiguetas aos pares, de lanceolada a estreito-ovalada, de pice acuminado a caudado, com (3,7-)4,5-5,4mm de comprimento (exceto os plos) por (0,7-)1,0-1,1mm de largura (exceto os plos) e 0,5mm de espessura; glumas membranceas, com a inferior (gli) subtriangular, pice obtuso, com 0,7-0,9mm de comprimento, glabra; gluma superior (gls) triangular- lanceolada, pouco menos longa ou to longa quanto o antcio frtil, por 0,6-1,0mm de largura, 3-5 nervuras e com longos plos entre as nervuras; lema estril (inferior le) estreito-ovalada, de pice acuminado a caudado, papircea, pouco mais longa ou to longa quanto o antcio frtil, 7-nervada, glabra em ambos os lados da nervura mediana e entre as demais nervuras, respectivamente, longo-pilosa e glabra, margens hialinas e longo-pilosas, com os plos ultrapassando em at 3mm o pice; antcio frtil lanceolado, plano-convexo, de pice acuminado a caudado, cartceo, com (3,2-)4,0-4,5mm de comprimento por (0,6-)0,8- 1,0mm de largura e 0,4-0,5mm de espessura, liso, lustroso, de colorao castanho-avermelhada (imatura) a castanho-escura (madura); lema frtil (lf) acuminada, finamente pontilhada longitudinalmente, com margens membranceas viradas sobre a plea frtil (pf); cariopse de elptica a oblonga, plano-convexa, com (1,3-)1,5-2,1mm de comprimento por 0,6- 0,9mm de largura e 0,30-0,35mm de espessura, com lado ventral plano 123. D 133 e dorsal levemente convexo, glabra, de colorao esbranquiada- hialina a amarelado-fosca; rea do embrio de a menos da do comprimento da cariopse; mcula hilar obovada e mais escura do que o pericarpo. A unidade-semente a espigueta, raro o antcio frtil. Digitaria sanguinalis (L.) Scop. espiguetas aos pares, de lanceoladas a estreito-elpticas, pice agudo, com (2,1-)2,5-3,5mm de comprimento por (0,7-)0,8-1,0mm de largura e 0,5-0,6(-0,7)mm de espessura; glumas e lema estril membranceas e de colorao palha; gluma inferior (gli) triangular, pice agudo, com 0,3-0,4mm de comprimento, glabra e enrvea; gluma superior (gls) estreito-triangular-lanceolada, pice agudo, com 1,3-1,6mm at do comprimento da espigueta por 0,3-0,4mm de largura, de colorao cinza-olivcea, 3-nervuras conspcuas, finamente pontilhada longitudinalmente, pubescente e denso-ciliada nas margens (plos ascendentes); lema estril (inferior le) ovalada, pice agudo, com 2,5-3,5mm de comprimento por (0,7)- 0,8-1,0mm de largura, papircea, mais longa do que o antcio frtil, de colorao castanho-clara, fosca, com 5-7-nervuras, a mediana lisa e as laterais escobrosas em toda a extenso (s vezes, mais visvel no superior), com fina pubescncia esbranquiada entre as nervuras laterais e glabra nos outros espaos; plea estril ausente; antcio frtil lanceolado, plano-convexo, pice agudo, cartceo, com (2,1-)2,4- 3,1mm de comprimento por 0,6-0,8(-0,9)mm de largura, liso, lustroso, de colorao cinza-esverdeada-clara a verde-oliva-clara (imatura) e castanho-acinzentada-clara (madura); lema frtil (lf) acuminada, fina- mente pontilhada longitudinalmente, com margens membranceas viradas sobre a plea frtil (pf); cariopse de oblonga a estreito-ovalada, com 1,7-2,1mm de comprimento por (0,6)0,8-0,9mm de largura e 0,3- 0,4mm de espessura, glabro, de esbranquiada-hialina a amarelada; FIGURA 122 Digitaria sanguinalis (espigueta): A- lado ventral; B- lado dorsal; antcio frtil: C- lado ventral; D- lado ventral. 124. 134 Glossario Ilustrado de Morfologia rea do embrio ovalada, cerca da do comprimento da cariopse, de colorao amarelo-esbranquiada e no hialino; mcula hilar sub-basal, orbicular-afundada e de colorao catanha [Fig.122]. A unidade-semente a espigueta, raro o antcio frtil. DIICA planta com flores unissexuadas; onde as flores femininas e mascu- linas se encontram em plantas separadas. DISCO poro central do captulo de Asteraceae (=Compositae) e onde se inserem as flores (posteriormente os aqunios); termo usado em oposio s flores que se inserem no raio (na periferia) e que geralmente so liguladas. As flores do disco podem produzir aqunios com caracters- ticas morfolgicas diferentes das do raio e ento ocorrem aqunios heterocarpos [Fig.23]. DISCO EPGENO poro apical, mais ou menos achatada e cilndrica, com estilete central remanescente (mais ou menos visvel) e onde se insere o papus; como nos aqunios das Asteraceae [Fig.21B-de, 90B-de]. DISCIDE orbicular, com pouca espessura, com lados paralelos e margem arredondada [Fig.100I]; o mesmo que lenticular. DISPERSO o mesmo que disseminao; os tipos de disperso so: anemocoria, hidrocoria, ornitocoria e zoocoria. DISSEMINAO disperso natural das sementes; o mesmo que seminao e disperso. DISSEMNULO o mesmo que propgulo. 125. D 135 DISTAL parte da estrutura mais distante do seu ponto de unio ou de origem; podem ocorrer excees. DIVARICADO largamente divergente; como os rostros apicais das brcteas involucrais de Acanthospermum hispidum DC. [Fig.206B]. DOENTE plntula mostrando o efeito da presena e da atividade de microorganismos patognicos, ou do excesso ou da deficincia qumica. DORMNCIA condio da prpria semente que a impede de germinar, mesmo quando vivel e quando aparentemente as exigncias de temperatura, umidade e luz foram satisfeitas; controlada por fatres endgens (CARVALHO & NAKAGAWA, 1979). Ver quiescncia. Dormncia natural ou primria condio intrnseca da prpria semente, que ocorre com intensidade varivel de ano para ano, de local para local e se instala na fase da maturao da semente; , em outras palavras, um fennemo geneticamente programado para surgir e se desenvolver juntamente com a semente (CARVALHO & NAKAGAWA, 1979). Dormncia induzida ou secundria ocorre por induo de uma condio ambiental especial, como altas temperaturas e baixa umidade relativa do ar, principalmente quando associados. Segundo VEGIS (1963) citado por CARVALHO & NAKAGAWA (1979), o que mais influencia a dormncia induzida seriam altas temperaturas e deficincia de oxignio. DORSAL ou ADAXIAL lado de cima da superfcie de uma folha; ou o lado voltado para a parte externa do fruto; a costa da semente. FIGURA 123 Drupa (seo longitudi- nal) de pssego. 126. 136 Glossario Ilustrado de Morfologia DRUPA fruto drupide, simples, indeiscente, nitidamente diferenciado em exocarpo (fino), mesocarpo (carnoso) e endocarpo (pirnio, putmen ou caroo) duro e concrescido com o tegumento membranceo; com um nico pirnio central grande, lenhoso (ameixa, cereja, pssego - Fig. 123), esclerosado (azeitona) ou pergaminhoso (ma, pra - Fig.278); ocorre tambm em Licania, Hirtella e Chrysobalanus (Chrysobalanaceae - Fig.124B-C-D-D') e Trema micrantha (L.) Blume (Ulmaceae - Fig. 124A]. Ver pirnio. DRUPCEO semelhante a drupa; provido de drupas; fruto drupceo. DRUPOLA termo utilizado para designar uma drupa muito pequena, como cada um dos frutculos da framboesa (Rubus sp). DRUPIDE fruto de originado de um ovrio spero, formado por dois ou mais carpelos, raramente unicarpelar, com pericarpo nitidamente diferenciado em epicarpo, mesocarpo e endocarpo. Epi- e mesocarpo geralmente carnosos em maior ou menor grau; endocarpo (pirnio, putmen ou caroo) coriceo ou lenhoso, com espao central grande ou dividido em lculos. Quando o fruto drupide tem apenas um pirnio, denominado de drupa; se o pirnio loculado ou se tem dois ou mais pirnios livres, denominado de nuculnio [Fig.242, 243, 333]. FIGURA 124 Drupas (inteiras e seo transversal): A- Trema micrantha; B- Licania sp.; C- Hirtella sp.; D-D- Chrysobala- nus sp.; D- pirnio. 127. 138 Glossario Ilustrado de Morfologia Echinochloa colona (L.) Link espigueta de obovada a elptico-lanceolada, mtica, plano-convexa, cerca de duas vezes to longa quanto larga ou com (2,0-)2,4-3,0mm de comprimento por 1,1-1,5mm de largura e (0,9-) 1,0-1,1mm de espessura, de colorao estramnea, hspido- escabrosa; glumas papirceas, com a inferior (gli) acuminada, menos da do comprimento da espigueta, abraa completamente a espigueta, 3-nervada e escabrosa entre as nervuras; gluma superior (gls) apiculada, pouco maior do que o antcio frtil, convexa, com 5-7(-9) nervuras hspidas e denso-escabrosas entre elas; antcio estril (basal) com lema apiculada, plana ou sulcada longitudinalmente, com 5-7 nervuras hspidas e escabrosa entre elas, principalmente, na superior; plea estril bicarenada, hialina, membrancea e to longa quanto o antcio frtil (superior) plano-convexo, coriceo, com 2,0-2,6mm de comprimento por 1,0-1,5mm de largura e 0,9-1,0mm de espessura, de colorao estramnea e glabro; lema frtil (lf) fracamente 3-nervada e pice levemente escabroso; plea frtil (pf) com margens escariosas e presas sobre a cariopse ovalado-orbicular, com 1,0-1,9mm de compri-mento por 1,0-1,4mm de largura e 0,5-0,6mm de espessura, de colorao amarelada a esbranquiado-subhialina e pice levemente mucronado; rea do embrio inconspicuamente delimitada e com at do comprimento da cariopse; mcula hilar punctiforme [Fig.125A]. A unidade-semente a espigueta, s vezes o antcio frtil. Echinochloa crusgalli (L.) P. Beauv. espigueta obovada, ovalada, elptico-lanceolada ou lanceolada, plano-convexa, mtica, caudada ou apiculada, com cerca de 2-2 vezes to longa quanto larga ou com 2,4-4,5mm de comprimento (exceto a arista) por 1,0-2,3mm de largura por 1,0-1,3mm de espessura, de colorao estramnea, ou s vezes com pigmentao avermelhada (+ na poro superior), escabrosa ou hspido-escabrosa; glumas papirceas, com a inferior (gli) acuminada, FIGURA 125 Echinochloa E. colona: A- espigueta lado ventral; E. crusgalli var. crusgalli espigueta: B- lado ventral e C- lado dorsal; antcio frtil: D- lado ventral e E- lado dorsal; E. crusgalli var. cruspa- vonis: F- espigueta lado dorsal; E. crus- galli var. oryzicola espigueta: G- lado dorsal e H- lado ventral; E. crusgalli var. zelayensis: I- espigueta lado dorsal. 128. E 139 menos da do comprimento da espigueta, abraa completamente a espigueta, 3-5 nervada; gluma superior (gls) apiculada ou caudada, com 5-7 nervuras principais e mais duas ou quatro nervuras menores, localizadas em ambos os lados da nervura mediana; nervuras escabrosas, hspidas ou papiloso-hspidas e escabrosas ou, s vezes, glabra entre elas; antcio estril (basal) com lema aristada (as), caudada ou apiculada, plana ou sulcada longitudinalmente, ou convexa, com 5-7 nervuras hspidas e escabrosa entre elas, principalmente, na superior; plea estril bicarenada, hialina, membrancea e pouco menos longa ou to longa quanto a antcio frtil (superior) plano- convexo, coriceo, com 2,2-4,0mm de comprimento por 0,8-2,2mm de largura e (0,9-)1,0-1,2mm de espessura; lema frtil (lf) fracamente 3-5 nervada e pice escabroso e com ou sem anel escabroso entre o prolongamento apical membranceo e a poro coricea da lema; plea frtil (pf) com margens escariosas e presas sobre a cariopse ovalada, com 2,6-3,0mm de comprimento por 1,2-1,7mm de largura e 0,6-0,7mm de espessura, de colorao pardacenta e pice mucronado; rea do embrio conspicuamente delimitada e com cerca de do comprimento da cariopse; mcula hilar punctiforme. A unidade- semente a espigueta, s vezes o antcio frtil. A seguir seguem as caractersticas diferenciais das variedades: Echinochloa crusgalli (L.) P. Beauv. var. crusgalli (L.) P. Beauv. espigueta elptico-lanceolada, com pice de mtico a aristado (ocorre numa mesma inflorescncia); arista (as) pode ultrapassar os 3cm de comprimento; gluma superior (gls) com nervuras hspidas ou papiloso- hspidas e pouco maior do que o antcio frtil; lema estril papircea; antcio frtil com 3,0-3,8mm de comprimento por 1,3-1,9mm de largura e pice da lema (lf) com ou sem anel escabroso; cariopse com 2,6- 3,0mm de comprimento por 1,2-1,7mm de largura [Fig.125B-C-D-E]. 129. 140 Glossario Ilustrado de Morfologia Echinochloa crusgalli (L.) P. Beauv. var. cruspavonis (Kunth) Hitchc. espigueta lanceolada, com 2,5-3,2mm de comprimento por 1,0-1,4mm de largura, escabroso-hspida e pice aristado ou caudado (ocorre numa mesma inflorescncia); gluma superior (gls) geralmente caudada e nervuras hspidas; lema estril aristada ou caudada; arista quando presente com 1-9mm de comprimento; plea estril to longa quanto a plea frtil; antcio frtil com 2,8- 3,2(-3,3)mm de comprimento por 1,5-1,7mm de largura e pice esparso-escabroso e geralmente caudado; cariopse com 2,0- 2,2mm de comprimento por 1,3-1,5mm de largura [Fig.125F]. Echinochloa crusgalli (L.) P. Beauv. var. oryzicola (Vasing.) Ohwi espigueta com 3,5-5,0mm de comprimento e mtica; lema estril coricea, lisa e brilhante (que pode estar restrito a regio mediana ou em todo extenso), geralmente, no dorso com uma regio espessada [Fig.125G-H]. Echinochloa crusgalli (L.) P. Beauv. var. zelayensis (Kunth) Hitchc. espigueta obovada e mtica; gluma superior (gls) com nervuras escabrosas e glabra entre elas ou esparso-escabrosa no pice e pouco menos longa ou to longa quanto o antcio frtil; lema estril papircea, escabrosa ou hspido-escabrosa e sulcada longitudinalmente; plea estril to longa quanto o antcio fertil, reduzida ou ausente; antcio frtil com 2,5-4,5mm de comprimento por 2,0-2,3mm de largura [Fig.125I]. EIXO estrutura central de um embrio ou de uma planta; nas Dicotiledneas normalmente inclui: gema, epictilo, hipoctilo e raiz primria e nas Monocotiledneas: gema, mesoctilo e raiz primria. 130. E 141 Eixo embrionrio estrutura central de um embrio; nas cariopses de Poaceae (=Gramineae) visvel, no lado dorsal, como uma rea ovalada evidente e elevada, apresenta no pice o coleptilo envolvendo a plmula e na base a coleorriza envolvendo a radcula [Fig.78]. EIXO HIPOCTILO-RADCULA o eixo do embrio (Fig.186) ou da plntula situada entre o ponto de insero dos cotildones e aquele em que tem incio a radcula [Fig.186- hip, 188- hip]. EJACULADOR ou RETINCULO um crescimento encurvado (em forma de gancho ej) que parte do ponto de insero do funculo, no fruto, para o lado da micrpila nas sementes; como em Chameranthemum [Fig. 126], Acystacia, Justicia e Ruellia (Acanthaceae Fig.64A-B-ej). As sementes assentadas sobre o ejaculador, so expulsas (liberadas) em duas direes opostas, segundo SELL (1969), citado por BARROSO et al. (1999), quando o fruto (cpsula) na maturao se abre. Eleocharis geniculata (L.) Roem. & Schult. ncula lenticular-obovide, biconvexa, com 0,8-1,0mm de comprimento (exceto o rostro) por (0,6-) 0,7-0,8mm de largura, preta, lisa, lustrosa, pice obtuso com rostro (estilete remanescente) caliptriforme (raro ausente), esbranquiado, deprimido, com 0,1-0,2mm de altura; na base com uma coroa de 7 cerdas retrorso-denticuladas, ferrugneas e ligeiramente maiores do que a ncula + o rostro [Fig.239F-F] A unidade-semente a ncula (com rostro apical e com as cerdas). ELPTICO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de elipse, largo na poro mediana e com as extremidades mais esteitas; o mesmo que oval [Fig.103D, 334D]. FIGURA 126 Ejaculador de Chameranthemum sp. 131. 142 Glossario Ilustrado de Morfologia Elptico-lanceolado diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de elipse e terminando na base e no pice em forma de lana [Fig.103G]. Estreito-elptico diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) cerca de duas vezes mais longo do que largo; Largo-elptico diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) somente levemente mais longo do que largo. ELIPSIDE um corpo slido com contorno elptico. Elytrigia, Elymus e Agropyron (tem caractersticas morfolgicas gerais semelhantes e sero tratadas em conjunto) espiguetas ssseis, com duas glumas (inferior e superior) iguais, geralmente multinervadas e agudas ou aristadas; antcio frtil com lema semelhante as glumas e subigualando-se a plea frtil. A unidade-semente o antcio frtil. Seguem as caractersticas diferenciais de espcies de Elytrigia: Elytrigia elongata (Host) Nevski (=Agropyron elongatum (Host.) P. Beauv.) antcio frtil estreito-oblongo, com 10-12mm de comprimento por 2,0-2,5mm de largura; lema frtil (lf) oblonga, dura, arredondada no dorso ou, s vezes, levemente carenada, constricta acima do calo, glabra, lustrosa, com 3-nervuras na poro apical, a nervura mediana conspcua na metade superior e terminando em curta arista dura, nervuras laterais inconspcuas, pice truncado ou miudamente lobado, as margens se estendem at as carenas da plea ou chegam prximas a elas; plea frtil (pf) largamente cncava, geralmente achatada em direo ao pice, tuda superfcie FIGURA 127 Elytrigia (antcio frtil lados ventral e dorsal): A-B- E. elongata e C-E-D- F- E. intermedia. 132. E 143 conspicuamente pubescente, densos e finos plos longos na carena (da base ao centro), pice arredondado, truncado ou miudamente lobado; segmento da rquila (seg) diminuto- pubescente, curta e grossa, alargando-se para o pice, deitada contra as carenas da plea; seno em forma de V ou U estreito [Fig.127A-B e Fig.128A]. A unidade-semente o antcio frtil. Elytrigia intermedia (Host) Nevski (=Agropyron intermedium (Host.) P. Beauv.; Agropyron trichophorum (Link) K. Richt.) antcio frtil elptico ou lanceolado, com 8-10mm de comprimento por 2mm de largura; lema frtil (lf) elptica, constricta acima do calo, carenada na metade superior ou dorso arredondado em antcios imaturos, glabrescente ou esparso-escabrosa nas nervuras em direo ao pice ou pubescentes, pice com 3-nervuras ou inconspicamente 5-nervuras, a nervura mediana se prolongando em curta arista dura ou pice longo-agudo ou mucronado ou diminutamente lobada, as margens se estendem at as carenas da plea ou chegam prximas a elas, com alguns plos basais curtos e grossos; plea frtil (pf) levemente cncava, glabrescente ou nitidamente esparso- pubescente no pice, com plos geralmente na metade superior da carena, com pice truncado, arredondado ou com entalhe raso; segmento da rquila (seg) diminuto-pubescente, com bordos divergentes ou quase paralelos, deitada contra as carenas da plea ou entre elas; seno geralmente em forma de U; calo com curtos plos adpressos, confinados a extremidade ou ausentes [Fig.127C- D-E-F e Fig.128B-C]. A unidade-semente o antcio frtil. Elytrigia repens (L.) Desv. ex Nevski (=Agropyron repens (L.) P. Beauv.; Elymus repens (L.) Gould) antcio frtil lanceolado ou estreito- FIGURA 128 Elytrigia (antcio frtil vista lateral): A- E. elongata e B-C- E. intermedia. FIGURA 129 Elytrigia repens (antcio frtil): A- lado ventral; B- vista lateral; C- lado dorsal. 133. 144 Glossario Ilustrado de Morfologia elptico, achatado dorso-ventralmente, de 8-9(-10)mm de compri- mento por 1,3-1,8mm de largura; lema frtil (lf) lanceolada ou oblonga, levemente estreitada na base, com ntida salincia (inchao) acima do calo, lustrosa, de colorao palha-clara ou, s vezes, com tonalidade esverdeada, glabra ou nervuras esparso- escabrosa no pice, dorso convexo, pice com 3-nervuras ou inconspicuamente 5-nervuras, com arista muito varivel no comprimento (1-10mm) ou mais raro longo-agudo e sem arista, margens hialinas na metade superior e na metade inferior, em antcios bem desenvolvidos, geralmente no se estendem at as carenas da plea; plea frtil (pf) levemente ccava em todo o comprimento ou com dobra longitudinal na metade inferior, glabra ou finamente pubescente no pice e com longos plos rombudos na carena, mais freqentes na metade superior, pice truncado, arredondado ou com entalhe largo e raso; segmento da rquila (seg) de 1 /6 - do comprimento do antcio, glabrescente ou miudamente pubescente, com os lados paralelos ou somente levemente divergente em antcios basais, deitada contra a plea e entre as carenas, no encoberta pelas margens a lema e cicatriz apical largo-triangular e glabra; seno em forma de U; calo glabro ou, s vezes, com alguns curtos plos adpressos, restritos a extremidade externa do calo [Fig.129A-B-C]. A unidade-semente o antcio frtil. EMARGINADO diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) apresenta uma reentrncia (incurvao), como se tivessem tirado um pedao [Fig.16-O]. EMBEBIO ato ou efeito de embeber(-se). 134. E 145 EMBRIO planta rudimentar existente no interior da semente e que dar origem futura plntula; formado a partir da fecundao da oosfera, isto , da fuso dos ncleos dos gametas feminino e masculino da planta. Geralmente formado por um eixo mais ou menos diferenciado (eixo hipoctilo-radcula) e pela insero dos cotildones, que podem ser de tamanho pequeno, mdio ou grande. A forma, tamanho e posio do embrio maduro nas sementes em relao ao tecido de reserva (endosperma ou perisperma), so to distintos nos diferentes grupos de plantas que podem ser utilizados, com sucesso, para a identificao das sementes em famlias, gneros ou espcies. Quanto a maturao o embrio pode ser: Embrio imaturo aquele que ainda no se encontra anatomicamente formado na maturao da semente e no seu desprendimento da planta-me, como ocorre em orqudeas, ginkgo, etc. Embrio dormente aquele que se encontra bem formado, mas ainda no se encontra em condies de germinar em funo de caractersticas fisiolgicas. Quanto ao tamanho o embrio pode ser: pequeno, quarto, metade, dominante e total, segundo MARTIN (1946) [Fig.130]. Quanto a forma o embrio pode ser: Embrio contnuo embrio reto e onde no existe uma delimitao entre os cotildones e o eixo hipoctilo-radcula, como nos embries axiais lineares, espatulados, curvados e plicados. FIGURA 130 Embrio quanto ao tamanho: A- peqeno; B- quarto; C- metade; D- dominante; E- total, segundo MARTIN (1946). 135. 146 Glossario Ilustrado de Morfologia Embrio invaginado embrio reto, com ntida delimitao entre os cotildones e o eixo hipoctiolo-radcula, como o embrio axial invaginado. Embrio ruminado quando ocorrem invaginaes do endosperma para dentro do embrio, como na ncula do trigo-sarraceno (Fagopyrum esculentum Moench - Polygonaceae - Fig.131). Quanto a posio que ocupa na semente o embrio pode ser: Embrio basal embrio relativamente pequeno, em relao ao tamanho da semente, ocupa de a da poro inferior da semente [Fig.132], exceto em alguns embries do tipo lateral; se encontra deitado sobre o tecido de reserva (endosperma) abundante e se divide em: Rudimentar embrio pequeno, de globoso a ovalado-oblongo, com cotildones rudimentares e no diferenciados, mas algumas vezes evidentes e parecendo minuaturas do tipo linear ou do espatulado[Fig.132A];sementesdetamanhomdiooumaiores; ocorre em Mono- e Dicotiledneas, como em Hydrocotyle umbellata L. (=Hydrocotylle bonariensis Lam. - Apiaceae =Umbellife- rae - Fig.133A), Aquifoliaceae (Ilex verticillata - Fig.133B), Araliaceae, Magnoliaceae, Papaveraceae (Papaver dubium L. - Fig.133E) e Ranunculaceae (Anemone caroliniana e Ranunculus californicus - Fig.133D). Largo embrio perifrico ou quase assim e to ou mais largo do que comprido [Fig.132B]; como em Juncus bufonius L., Juncus FIGURA 131 Embrio ruminado de Fagopyrum esculentum. FIGURA 132 Embrio basal: A- rudimentar; B- largo; C- capitado; D- lateral, segundo MARTIN (1946). FIGURA 133 Embries basais rudimentares (em seo transversal e longitudinal): A- Hydrocotyle umbellata; B- Ilex verticillata; C- Anemone caroliniana; D- Ranunculus californicus; E- Papaver dubium. 136. E 147 capillaceus Lam. e Luzula sp. (Juncaceae), Syngonanthes sp. (Ericaulaceae) e em Nymphaeaceae [Fig.134]. Capitado embrio alargado na poro superior, em forma de cogumelo [Fig.132C]; ocorre apenas em Monocotiledneas, como em Cyperaceae (Carex sororia Kunth; Cyperus brevifolius (Rottb.) Hassk.; C. ferax L.C. Rich.; Eleocharis geniculata (L.) Roem. & Schult.; Fimbristylis autumnalis (L.) Roem. & Schult.; F. dichotoma (L.) Vahl; Rhynchospora aurea Vahl (=R. corymbosa (L.) Britton) e Rhynchospora nervosa (Vahl) Boeck. (=Dichromena ciliata Vahl) - Fig.135), Commelinaceae e Musaceae. Lateral embrio basallateral ou lateral, de inclinado a expandido no plano perifrico, de pequeno a da semente ou raramente maior [Fig.132D]; ocorre somente nas Poaceae (=Gramineae) como em Avena sativa L.; Brachiaria plantaginea (Link) Hitchc.; Cynodon dactylon (L.) Pers.; Digitaria sanguinalis (L.) Scop.; Echinochloa sp.; Panicum sp.; Paspalum sp.; Setaria sp.; Sorghum halepense (L.) Pers. [Fig.136]. FIGURA 134 Embries basais largos: A- Juncus bufonius; B- Juncus capillaceus;C- Luzula sp.; D- Syngonanthes sp. FIGURA 135 Embries basais capitados (em seo transversal e longitudinal): A- Carex sororia; B- Cyperus bre- vifolius; C- C. ferax; D- Rhynchospora nervosa; E- Eleocharis geniculata; F- Fimbristylis autum nalis; G- F. dichotoma; H- Rhynchospora aurea. FIGURA 136 Embries basais laterais (em seo transversal e longitudinal): A-Avena sativa; B- Brachiaria plan- taginea; C- Cynodon dactylon; D- Digitaria san- guinalis; E- Echinochloa sp.; F- Panicum sp.; G- Paspalum sp.; H- Setaria sp.; I- Sorghum hale- pense. 137. 148 Glossario Ilustrado de Morfologia Embrio perifrico embrio cilndrico, contnuo, alongado, de a dominante, contguo ao tegumento e em alguns casos deitado lateralmente contra o tecido de reserva (perisperma) central, conspcuo e amilceo, ou curvado em torno de todo o perisperma [Fig.137]; cotildones estreitos ou expandidos; mas em alguns casos um dos cotildones abortivo. Ocorre em Dicotiledneas, como em Aizoaceae, Amaranthaceae (Amaranthus retroflexus L. - Fig. 138A), Cactaceae, Caryophyllaceae (Spergularia arvensis L. - Fig. 138G), Chenopodiaceae (Chenopodium album L. e Chenopodium ambrosioides L. - Fig.138B), Nyctaginaceae, Phytolaccaceae, Polygonaceae (Persicaria maculosa Gray; Persicaria punctata (Elliot) Small e Rumex crispus L. - Fig.138D-E-F) e Portulacaceae. Embrio axial embrio de pequeno a total; se encontra no eixo centro da semente e est envolto pelo endosperma no amilceo [Fig.139], exceto em cinco famlias de Monocotiledneas. A diviso inclui o linear, a miniatura e o foliolado: FIGURA 137 Embrio perifrico, segundo MARTIN (1946). FIGURA 138 Embries perifricos e contnuos (em seo transversal e longitudinal): A- Amaranthus retroflexus; B- Chenopodium album; C- Chenopodium ambrosioides; D- Persicaria maculosa; E- Persicaria punctata; F- Rumex crispus; G- Spergularia arvensis. FIGURA 139 Embrio axial: A- linear; B-B- diminuto; C-C- micro; D- espa- tulado; E- curvado; F- plicado; G- invaginado, segundo MARTIN (1946). 138. E 149 Linear embrio cilndrico, contnuo, geralmente mais longo do que largo [Fig.139A] e reto em Anethum graveolens L., Apium graveolens L., Daucus carota L. (Apiaceae =Umbelliferae - Fig. 140G-H-I) e Anagallis arvensis L. (Primulaceae - Fig.140A); ou anelar em Datura stramonium L. (Solanaceae - Fig.140C); ou curvo em Atropa belladona L. (Solanaceae - Fig.140B); ou espiralado em Cuscuta sp. (Cuscutaceae - Fig.148F), Byrsonima (Malpighiaceae), Dodonea e Koelreuteria (Sapindaceae); ou circinado em Solanum aculeatissimum Jacq., S. lycocarpum L., S. paniculatum L. e S. sisymbriifolium Lam. (Solanaceae - Fig. 140E); ou imbricado em Solanum americanum Mill. e Solanum capsicoides All. - Fig.140D-F); com cotildones no expandidos e sementes geralmente no diminutas. O embrio linear ocorre em Amaryllidaceae, Apiaceae, Cuscutaceae, Malpighiaceae, Liliaceae, Primulaceae, Sapindaceae e Solanaceae. Subdiviso miniatura sementes de pequenas a diminutas, com embries que so gandes ou diminutas, envoltrio das sementes freqentemente celular-reticulado; endosperma no amilceo: FIGURA 140 Embries axiais lineares, contnuos e retos (em seo transversal e longitudinal): A- Anagallis arvensis; G-Anethum graveolens; H- Apium graveolens; I- Daucus carota; curvo: B- Atropa belladona.anelar: C- Datura stramonium; circinado; E- Solanum aculeatissimum; imbricado: D- Solanum americanum; F- Solanum capsicoides. 139. 150 Glossario Ilustrado de Morfologia Diminuto embrio varivel quanto ao seu tamanho relati- vo, de pequeno a total, geralmente de ovalado a elptico ou oblongo; cotildones de inclinados a pouco desenvolvidos; sementes geralmente de 0,3-2,0mm de comprimento, fre- qentemente quase to longas quanto largas [Fig.139B-B]; como em Campanulaceae, Droseraceae (Drosera interme- dia Hayne - Fig.141D), Ericaceae, Gentianaceae, Loga- niaceae, Orobanchaceae, Saxifragaceae, Scrophulariace- ae (Chaenorhinum calycinum (Banks & Sol.) P.H. Davis = Antirrhinum calycinum Banks & Sol. e Scoparia dulcis L. - Fig.141C-B) e Petunia axillaris (Lam.) Britton et al. (Sola- naceae - Fig.141A). Micro embrio de diminuto a total; sementes geralmente globosas, diminutas, em geral menores do que 0,2mm de comprimento e formadas por poucas clulas (50 a 150) no interior do tegumento [Fig.139C-C]; como em Orchidiaceae. Subdiviso foliolada embrio central, largo, de a total; cotildones expandidos; sementes de grandes a mdias; endosperma no amilceo. A subdiviso foliolada apresenta as seguintes subdivises: Espatulado embrio reto e contnuo; cotildones de finos a espessos e de levemente expandidos a largos [Fig.139B]; como em Apiaceae (Foeniculum vulgare Mill. - Fig.142E-E'), Apocynaceae, Asclepiadaceae, Asteraceae (=Compositae), Bi- xaceae, Boraginaceae, Cistaceae, Cornaceae, Dipsacaceae, Ebenaceae, Euphorbiaceae (Euphorbia heterophylla L. - Fig. FIGURA 141 Embries axiais diminutos e contnuos (em seo transversal e longitudinal): A- Petunia axilaris; B- Scoparia dulcis; C- Chaenorhi- num calycinum; D- Drosera intermedia. FIGURA 142 Embries axiais espatulados e contnuos (em seo transversal e longitudinal): A-A- Spermacoce latifolia; B-B- Plantago lan- ceolata; C-C- Sesamum indicum; D-D- Euphorbia heterophylla; E-E- Foenicu- lum vulgare. 140. E 151 142D-D), Labiatae, Linaceae, Loasaceae, Meliaceae, Olea- ceae, Oxalidaceae, Passifloraceae, Pedaliaceae (Sesamum indicum L. - Fig.142C-C), Plantaginaceae (Plantago lance- olata L. - Fig.142B-B), Plumbaginaceae, Polemoniaceae, Rosaceae, Rubiaceae (Spermacoce latifolia Aubl. - Fig.142A- A), Rutaceae, Sapotaceae, Simaroubaceae, Theaceae, Urtica- ceae e Vitaceae. Curvado embrio espatulado, contnuo, mas curvado em forma de canivete; cotildones em geral espessos, iguais entre si, mas apresentam os bordos dobrados, ou um maior do que o outro e se encontram dobrados ao meio [Fig. 139C]; como em Anacar- diaceae, Bombacaceae, Brassicaceae (=Cruciferae), Cannabina- ceae, FabaceaePapilionoideae e Moraceae; ou com eixo hipo- ctilo-radcula infletido (encurvado basal-lateralmente), em maior ou menor grau, como em Zornia sp. [Fig.143A] e Aeschynomene rudis [Fig.144] (Faba-ceae-Papilionoideae); ou com cotildones dobrados, como em Serjania sp. (Sapindaceae Fig.148D). O embrio curvado apresenta as seguintes subdivises: Notorrizo ou Incumbente quando no embrio curvado o eixo hipoctilo-radculasedobraeseencontradeitadodorsalmente contra a nervura mediana de um dos cotildones (um interno e outro externo) incumbentes [Fig. 148G]; como em Capsella bursa-pastoris (L.) Medik. [Fig. 145G] e Coronopis sp. (Brassicaceae =Cruciferae) e em espcies de Resedaceae. Ortoplico ou Conduplicado quando no embrio curvado os cotildones conduplicados e justapostos se encontram FIGURA 143 Embries axiais curvados, contnuos e pleurorrizos (em seo transversal e longitudinal): A- Indigofera sp.; B-Ulex europaeus; C-Lespedeza sp.; D-Sesbania sp. FIGURA 144 Embrio axial curvado, contnuo e ra- radcula infletida (em seo transversal e longitudinal): A- Aeschynomene rudis e B- Zornia sp. 141. 152 Glossario Ilustrado de Morfologia dobrados longitudinalmente e envolvem o eixo hipoctilo- radcula [Fig.148H]; como nos gneros Brassica (Brassica kaber (DC.) L.C. Wheeler - Fig.145I), Eruca, Raphanus, Rapistrum e Sinapis (Brassicaceae =Cruciferae). Pleurorrizo ou Acumbente quando no embrio curvado os cotildones, se situam verticalmente na semente, e o eixo hipoctilo-radcula se dobra de maneira a se localizar lateralmente ao longo de um dos bordos justapostos dos cotildones acumbentes; como em Barbarea, Cardamine, Lepidium virginicum L. [Fig.145H] e Nasturtium (Brassica- ceae =Cruciferae), Crotalaria spectabilis Roth, Desmodium tortuosum (Sw.) DC., Indigofera sp., Lespedeza sp., Lotus corniculatus L., Medicago lupulina L., Melilotus indica (L.) All., Sesbania sp., Trifolium repens L. e Ulex europaeus (FabaceaePapilionoideae - Fig.143B-C-D-E e Fig.145A- B-C-D-E-F). FIGURA 145 Embries axiais curvados, contnuos e pleurorrizo (em seo transversal e longitudinal): A- Trifolium repens; B- Medicago lupulina; C- Melilotus indica; D- Lotus corniculatus; E- Crotalaria spectabilis; F- Desmodium tortuosum; H- Lepidium virginicum; notorrizo: G- Capsella bursa-pastoris e conduplicado: I- Brassica kaber. 142. E 153 Oblcuamente-Incumbente um estgio intermedirio entre o embrio acumbente e o incumbente, mas est mais prximo ao incumbente; como em Sisymbrium officinale (L.) Scop. (Brassicaceae =Cruciferae). Plicado embrio contnuo com cotildones foliceos, muito expandidos e variavelmente dobrados longitudinalmente e transversalmente, como se estivessem amassados e deitados contra o eixo hipoctilo-radcula, ou envolvendo, s vezes, uma boa poro, dependendo do estdio de desnvolvimento do embrio; como em Burseraceae, Convolvulaceae (Ipomoea Fig.146E e FIG.148R), Geraniaceae, Malvaceae (Malva parviflora L. - Fig.146A, Malvastrum americanum (L.) Torr. - Fig.148P], Sida carpinifolia L. - Fig.146B e Fig.148Q, Sida linifolia Cav. e Sida spinosa L. Fig.146C-D), Theobroma cacao L. (Sterculiaceae Fig.148S), Tiliaceae e Ulmaceae. Invaginado embrio com ntida delimitao entre o eixo hi- poctiolo-radcula e os cotildones, que se manifesta pela base emarginada, cordada, sagitada ou auriculada dos co- tildones ou pela invaginao do eixo reto e basal entre os cotildones; a plmula pode ou no estar presente; como em Betulaceae, Bignoniaceae, FabaceaeCaesalpinioideae (Senna occidentalis (L.) Link. Fig.147A-A; Senna obtusifo- lia (L.) H. S. Irwin & Barneby Fig.147B-B, Senna alata (L.) Roxb.; ou apresenta cotildones em sigmide Fig.147C-C), Fabaceae Mimosoideae, Fagaceae, Lamiaceae, Lauraceae, Lythraceae e Rhamnaceae. FIGURA 146 Embries axiais plicados e contnuos (em seo transversal e longitudinal): A- Malva parviflora; B- Sida carpinifolia; C- Sida linifolia; D- Sida spino- sa; E- Ipomoea sp. FIGURA 147 Embries axiais invaginados (em seo transversal e longitudinal): A- A- Senna occidentalis; B-B-Senna obtusifolia; C-C- Senna alata. 143. 154 Glossario Ilustrado de Morfologia Podem ocorrer ainda outros formas de embrio: Transverso-oblongo embrio axial, com eixo hipoctilo-radcula curto, cilndrico ou obcnico e cotildones finos, membranceos e mais largos do que longos; como em sementes dos gneros Kielmeyera (Clusiaceae =Guttiferae - Fig.145N), Magonia (Sapindaceae - Fig.148M) e nas Bignoniaceae onde as sementes aladas, sem endosperma, possuem cotildones profundamente bilodados no pice [Fig.148O-O'-O'']. Conferruminado embrio ovide, elipside, globoso, obovide ou claviforme, sem distino de cotildones nem do eixo hipoctilo-radcula, segundo BARROSO et al. (1999). Ocorre em Eugenia (Myrtaceae), Bertholletia e Lecythis (Lecythidaceae). Criptorradicular embrio com cotildones de oblongos a elpticos, plano-convexos, crassos, dispostos paralelamente ao curto eixo hipoctilo-radcula oculto entre os cotildones, como em Erisma (Vochysiaceae), Anadenanthera pavonina L. e Pithecelobium (FabaceaeMimosoideae Fig.148J-J-J). Hipocotilar embrio com eixo hipoctilo-radcula grande e transformado em rgo armazenador de reservas, cotildones de vestigiais a rudimentares, como duas alas membranceas ou esto completamente ausentes. Ocorre em Bonnetia sp. (embrio cilndrico e sem vestgios de cotildones - Theaceae - Fig. 148Y), Caryocar (Cariocaraceae - Fig. 148U), Clusia (Clusiaceae =Guttiferae - Fig.148T), Campo-manesia (com eixo curvo em forma de C e cotildones vestigiais - Myrtaceae - Fig. 148X) e Chomelia sp. (Rubiaceae - Fig. 148V). 144. E 155 FIGURA 148 Embries: A- lineares; B- espatulados; C- curvados; D- curvado com cotildones dobrados (Serjania sp.); E- circinado; F- espiralado (Cuscuta sp.); G- notorrizo, com cotildones incumbentes e eixo deitado sobre o dorso dos cotildones (um externo e outro interno); H- ortoplico, com cotildones conduplicados (dobrados longitudinalmente) e eixo deitado entre os bordos; G-G- pleurorrizo, com cotildones acumbentes e eixo encurvado e deitado entre os bordos justapostos dos co- tildones, em um dos lados; invaginado: I- ponta da radcula visvel externamente; I- eixo em vista interna; invaginado criptoradicular: eixo no visto externamente: J- Pithecelobium sp. e J- Adenanthera pavonina e J- eixo em vista interna; invaginado globoso: K- Pisum sp. (ponta da radcula visvel externamente); K- com eixo rudimentar (Calophyllum; L- invagi- nado papilionceo (eixo infletido em maior ou menor grau); transverso-oblongo: M- Magonia pubescens; N- Kielmeyera; O-O-O- Bignoniaceae; plicados: P- Malvastrum americanum, Q- Sida carpinifolia; R- Ipomoea sp.; S- Theobroma cacao; hipocotilar: T- Clusia grandiflora; U- Caryocar sp.; V- Chomelia sp.; Y- Bonnetia sp.; X- Campomanesia sp. (Fonte T-V-Y-X: Barroso et al., 1999). 145. 156 Glossario Ilustrado de Morfologia EMERGNCIA ao de emergir. EMERGENTE que emerge; parte da planta area e parte submersa, elevando-se acima da superfcie da gua ou do solo. EMERSO que se eleva acima da superfcie da gua. ENDOCARPO camada interna dos frutos (do pericarpo); corresponde a epiderme interna ou superior da folha carpelar; a textura pode ser dura, lenhosa ou ssea [Fig.35, 94, 123, 325]. ENDOSPERMA tecido nutritivo (triplide) resultante da dupla fecundao que ocorre nas Angiospermas; pode no estar presente na semente madura (como em espcies de orqudeas, Eucalyptus, em pau-Brasil Caesalpinia echinata Lam., em pau-ferro Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul., em jacarand Dalbergia nigra (Vell.) Allemo ex Benth., em leucena Leucaena leucocephala (Lam.) De Wit, em cssia Cassia fistula L. e em louro Cordia trichotoma (Vell.)Arrab. ex Steud.) ou estar reduzido a uma fina pelcula, como nas Brassicaceae (=Cruciferae); pode rodear parcial ou totalmente o embrio (como em erva-mate Ilex paraguaiensis A. St.-Hil.); pode permanecer lquido como em Cocos nucifera L. [Fig.94]; pode ser parcial ou completa-mente absorvido pelo embrio em desenvolvimento ou pode permanecer at que a semente germine. o tecido de reserva utilizado pelo embrio durante o processo de germinao [Fig.78B, 309]. As principais substncias de reserva so: carbohidratos, protenas, lipdios e outras substncias. O amido o material de reserva mais comum nas sementese e encontrado nas famlias Cyperaceae, Poaceae (=Gramineae), Juncaceae, etc. O amido pode conter como material de reserva os lipdios, que so os leos e gorduras. Quanto a textura o endosperma pode ser farinhoso, carnoso, gelatinoso, crneo ou crasso. 146. E 157 Endosperma albuminoso quando a semente apresenta uma tecido de reserva bem definido, bem delimitado e todo consumido durante a germinao e no desenvolvimento da plntula; como nas Poaceae (=Gramineae). Endosperma exalbuminoso quando a semente no apresenta tecido de reserva e o alimento consumido durante a germinao e no desenvolvimento da plntula se encontra armazenado nos cotildones; como nas Fabaceae (=Leguminosae). Endosperma ruminado se caracteriza pelas invaginaes (ruminaes) transversais do tegumento para o interior (centro) do tecido nutritivo; ou quando o endosperma se desenvolve no centro da semente, da micrpila para a chalaza, e se expande no tecido nucelar, entre as ruminaes do tegumento (BARROSO et al., 1999); como em sementes de Annonaceae, de Diospyros (Ebenaceae), Virola (Myristicaceae), nas nculas de Antigonon, Coccoloba e Triplaris surinamensis Cham. (Polygonaceae - Fig.146) e Cissus (Vitaceae). ENSIFORME diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de bainha de espada, completamente reta com ponta aguda; como a folha de Iris ou da espada-de-So-Jorge [Fig.102A]. ENTREN a parte de um colmo ou ramo localizado entre dois ns consecutivos [Fig.284]. ENZIMA protena com propriedades catalticas especficas. FIGURA 149 Endosperma ruminado e invaginaes do tgmen de Triplaris surinamensis. 147. 158 Glossario Ilustrado de Morfologia EFILO ou FOLHA PRIMRIA (PRIMORDIAL) a primeira folha expandida ou o primeiro par de folhas, com lmina verde; desenvolvida a partir da gema apical e se localiza logo acima dos cotildones [Fig. 186-fp, 188-fp, 189C]; tipo de folha de transio desenvolvida antes da formao das folhas adultas. EPIBLASTO uma pequena excrescncia do lado oposto do escutelo e considerado como um remanescente do segundo cotildone; encontrado em algumas espcies, como no trigo. EPICARPO camada externa dos frutos (do pericarpo); corresponde a epiderme externa ou inferior da folha carpelar [Fig.35, 94, 123, 325]. O mesmo que exocarpo. EPICTILO o eixo (epi) do embrio acima do n cotiledonar e abaixo da plmula [Fig.306B-C, 307B-C-308C], ou a poro do eixo da plntula, ou o primeiro intern da plntula, acima do ponto de insero dos cotildones e abaixo da insero da folha primria ou do primeiro par de folhas primrias ou dos efilos [Fig.186-epi, 188-epi, 189]. Nas espcies de germinao epgea e fanerocotiledonar o crescimento do epictilo muito pequeno durante a germinao; enquanto nas espcies de germinao hipgea e criptocotiledonar, o epictilo se alonga e eleva para a luz (acima do solo) a gema apical e a plmula, ou as primeiras folhas (os efilos). Os tecidos condutores do epictilo unem a parte area (situada acima), os cotildones e o hipoctilo com o sistema radicular (situado abaixo). EPFITA diz-se da planta que vive sobre a outra, mas no a parasita, portanto no retira dela alimento. 148. E 159 EPGEA ver germinao epgea [Fig.186]. EPGINA diz-se da flor de ovrio nfero, quando as partes se inserem acima dele [Fig.150]. EPIGNICO que se insere acima do ovrio; termo usado quando o ovrio das flores nfero; relativo a epgina. EQUINADA diz-se da superfcie de um rgo vegetal (caule, folha, clice, fruto ou semente) que se apresenta revestida de espinhos ou acleos, como no: Fruto (nuculnio) equinado globoso em Triumfetta (Tiliaceae Fig. 243]. Clice equinado ocorre no clice que envolve o fruto mtiplo de Acaena (Rosaceae Fig151]. Eragrostis curvula lemas e pleas membranceas e muito caedias no beneficiamento; lemas 3-nervadas, com nervuras laterais, s vezes, inconspcuas; cariopse oval, de 0,7-2,0mm de comprimento por cerca de 1,0mm ou menos de largura, de colorao amarelo-castanho- clara, lisa ou levemente estriada longitudinalmente; rea do embrio oblonga, escura e nitidamente delimitada. A unidade-semente a semente nua, raras vezes com esturas acessrias. ERGOT substncia produzida por fungos e que toma o lugar da cariopse, como nos gneros Lolium e Festuca e outras Poaceae (=Gramineae). ERIADA diz-se da superfcie de um rgo (caule, folha, fruto ou semente) provida de plos duros, aguados e retos [Fig.203C]. FIGURA 150 Epgina. FIGURA 151 Clice equinado envol- vendo o fruto mltiplo de Acaena sp. 149. 160 Glossario Ilustrado de Morfologia Erodium cicutarium (L.) LHer. regmdio formado, geralmente, por cinco mericarpos claviformes e em seo transversal orbiculares, de 3,0-4,2 (-5,0)mm de comprimento por 0,7-1,0mm de dimetro, de colorao castanho-alaranjada a castanho-avermelhada e superfcie com plos ascendentes esbranquiados; mericarpo se afila gradativamente para a base, em curto bico (geralmente ausente quando misturado s sementes comerciais) reto ou levemente encurvado e coberto por um tufo de plos; pice com cavidade oblqua-ovalada, circundada por um anel e do qual sai o longo estilete (rostro ro) de 2-3cm de comprimento, torcido (quanto + seca + espiralada, parecendo um sacarrolha) da esquerda para a direita; semente oblonga, lisa, com 2,5-3,0mm de comprimento por 0,9mm de dimetro, castanho-avermelhada [Fig.290C]. A unidade- semente o mericarpo, raro a semente. EROSO diz-se da folha que apresenta margem irregularmente dentada, como se tivesse sido roda por um animal. ERVA pouco desenvolvida, de pequena consistncia, em virtude da pequena ou de nenhuma lenhificao, como o boto-de-ouro (Galinsoga parviflora Cav. Asteraceae =Compositae - Fig.193) e de serralha (Sonchus oleraceus L.). Eryngium luzulifolium Cham. & Schlecht. cremocarpo com carpforo nulo e formado por dois carpdios comprimidos, de 2-3mm de comprimento, ala formada por escamas laterais lanceolada e acuminadas; escamas dorsais inconspcuas e vesiculosas; calcinas pouco memores ou iguais. [Fig.109R-S-T]. A unidade-semente o carpdio, raro o cremocarpo. ESCABRO spero como uma lixa. 150. E 161 ESCABROSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta spera, ligeiramente coberta com curtas pontas um pouco duras, ou escamas ou cerdas rgidas [Fig.204C]. ESCAMA diz-se quando rgos foliceos, como certos catfilos de bulbos e gemas lembram escamas de peixe [Fig.51A-C]; muitas vezes so escamiformes. ESCAMOSA diz-se da superfcie de um rgo que se apresenta com escamas fixadas em uma ponta [Fig.203-O]. ESCAMIFORME em forma de escamas. ESCAPO pednculo geralmente sem folha (filo), que pode ser provido de escamas ou brcteas; origina-se de um bulbo, rizoma, etc. e produz, no pice, uma flor ou uma inflorescncia [Fig.2-e, 175A]. ESCARIFICAO ato de expor a parte interna da semente para facilitar a germinao, pode ser qumica ou mecnica. ESCARIOSO diz-se quando o rgo de natureza foliar (lema, plea, glumelas) membranoso, mais ou menos seco, freqentemente translcido e no verde. ESCLERCIO corpo duro, de forma irregular, formado pelo miclio de certos fungos que atacam principalmente as Poaceae (=Gramineae) e em outras como Fabaceae e Brassicaceae, constitudo por numerosas hifas entrelaadas e revestidas por um invlucro protetor (camada cortical). Produz diretamente os esporforos. 151. 162 Glossario Ilustrado de Morfologia ESCUTIFORME em forma ou com aparncia de escudo [Fig.101H]. ESCUTELO estrutura em forma de escudo e que constitui o nico cotildone (modificado) das cariopses de Poaceae (=Gramineae), atravs do qual os nutrientes so transferidos do endosperma para o embrio. No lado dorsal da cariopse visvel como uma rea ovalada evidente, mais ou menos elevada e que no centro apresenta o eixo embrionrio (a radcula e a plmula da planta embrionria Fig.78-esc). ESPDICE tipo de inflorescncia em espiga, com eixo mais ou menos carnoso e que tem na base uma brctea, a espata, que pode envolv- la em maior ou menor extenso, como no copo-de-leite; com flores geralmente dclinas e pouco vistosas [Fig.152]. ESPATA brctea que ocorre na base de uma inflorescncia, a espdice; geralmente membrancea, como no antrio, ou lenhosa, como nas palmeiras [Fig. 153]. ESPATULADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de esptula; largo e arredondado no pice e afilando em direo a base [Fig.103H]. ESPCIE em taxonomia: o taxon bsico; so os menores grupos consistentemente e persistentemente distintos e distinguveis por meios usuais (CRONQUIST, 1988); o conjunto de indivduos originados de pais comuns, possuindo caracteres comuns fixos no transcorrer de sua pognese (VASCONCELOS SOBRINHO, 1945). Espcie extica que no tem habitat original no Brasil. Espcie nativa que tem habitat original no Brasil. FIGURA 152 Espdice. FIGURA 153 Espata. 152. E 163 ESPERMFITAS divide-se em Angiospermas e Gimnospermas. ESPICIFORME semelhante a uma espiga. ESPICULADA diz-se da superfcie de um rgo revestida com pontas finas e carnosas. ESPIGA inflorescncia racemosa, simples, com flores ssseis (sem pedicelo) inseridas ao longo do eixo (raque - ra), muito prximas uma das outras, como nas Poaceae (=Gramineae) [Fig.154]. ESPIGUETA ou ESPIGUILHA inflorescncia tpica de Cyperaceae e Poaceae (=Gramineae - Fig.157); pequena pequena espiga formada por um eixo ou segmento da rquila ou rquila curta, sobre a qual se inserem as flores (uma a vrias) e que apresentam na base da inflorecencia duas brcteas (glumas ) secas, opostas e estreis, uma inferior ou externa (gli) e outra superior ou interna (gls). Na base de cada flor encontram-se duas bractolas (glumelas), tambm secas e opostas, a inferior ou externa (lema) e a superior ou interna (plea). A flor propriamente dita se compem de trs estames e do gineceu protegido pelas glumelas. Podem aparecer ainda duas escamas (lodculas lod) em ambos os lados do plano mdio da lema, geralmente, pouco perceptveis, em Poaceae, como nos gneros Oryza [Fig.157,158] e Phalaris [Fig.268, 269]. As espiguetas se agrupam de diversas maneiras para formar espigas, rcemos e panculas compostas. Na definio de semente pura das Poaceae, o termo espigueta pode incluir mais de uma flor (antcio) frtil, uma ou mais flores (antcios) frteis ou estreis, ou glumas, como nos gneros Agrostis [Fig.3,4], Andropogon gerardii Vitmann [Fig.155] Avena barbata FIGURA 154 Espiga. 153. 164 Glossario Ilustrado de Morfologia Pott ex Link [Fig.156], Axonopus [Fig.34] Holcus sp. [Fig.199], Oryza sativa L. [Fig.157, 158], Panicum sp. [Fig.158] e Sorghum sp. [Fig.158]. A espigueta pode ser uma unidade-semente mltipla ou simples, dependendo das estruturas que esto presentes e da espcie. FIGURA 155 Espigueta de Andropogon FIGURA 157 Espigueta de Oryza sativa. gerardii. FIGURA 156 Espigueta de Avena barbata. FIGURA 158 Espigueta de Oryza, Panicum e Sorghum. 154. E 165 ESPINHENTA provido de espinhos. ESPINHO formao epidrmica pontiaguda, encontra-se geralmente no caule; difere do acleo por ser de difcil remoo e por possuir elementos condutores. Espinhos uncinados no invlucro gamfilo de Xanthium strumarium L. [Fig.159]. ESPINHOSA diz-se da superfcie de um rgo (caule, folha, fruto ou semente) provida de espinhos [Fig.203A]. ESPIRALADO curvado em forma de espiral mais ou menos estreita [Fig. 100F,160]; como o embrio de Cuscuta sp. [Fig.148]. ESPORNGIO rgo que forma (e que contm durante certo tempo) esporos. ESPORO formao geralmente unicelular e uninuclear, capaz de germinar em determinadas condies, reproduzindo, vegetativa ou assexuada- mente, o indivduo que o formou, como nas samambaias. ESPORFORO rgo que suporta (contm) os esporos. ESQUIZOCARPCEO fruto formado por dois ou mais carpelos, originados de um ovrio spero ou nfero, com placentao, que se decompem longitudinalmente, na maturao, em unidades de disperso, tantas quantas so os carpelos componentes. Distinguem-se das cpsulas septicidas, porque nestas, geralmente, uma poro apical ou basal FIGURA 159 Espinhos uncinados e rostro. FIGURA 160 Espiralado. 155. 166 Glossario Ilustrado de Morfologia dos carpelos fica sempre unida ao receptculo. Nestas cpsulas a abertura dos carpelos sempre vental, com a formao de valvas, enquanto na maioria dos esquizocarpos deiscentes a abertura apenas apical. ESQUIZOCARPO fruto simples, seco, indeiscente e de bi- a pluricarpelar. Cada carpelo, na maturao, se separa longitudinalmente dos demais formando um fruto parcial (mericarpo ou carpdio) unisseminado, em tantas unidades-sementes quantas so os carpelos componentes; separa-se em duas unidades em Apiaceae (=Umbelliferae - Fig.83, 109), duas em Rubiaceae [Fig.92], trs em Euphorbiaceae [Fig.93] e mais de cinco unidades em Malvaceae. Os esquizocarpos dividem- se em quatro subtipos (BARROSO et al., 1999): coca ou mericarpo, cremocarpdio, regmdio e samardio. Ver a descrio de cada um. ESTAME rgo masculino da flor; composto pela antera (ant) e pelo filamento (ou filete fi). Quando este falta diz-se que a antera sssil. A antera (estrutura alargada) formada pelas duas tecas (t), unidas pelo conectivo e nelas esto os microsporngios ou sacos polnicos (sc) que contm os gros de plen (gp) [Fig.12,13A, 171]. ESTAMINADA flor masculina, que s tem estames e incapaz de produzir sementes, como em Poaceae (=Gramineae) no gnero Arrhenatherum. ESTAMINDIO estame modificado, estril e no tem a funo original de produzir plen. ESTRIL incapaz de produzir sementes; em Poaceae (=Gramineae) incapaz de produzir cariopses. 156. E 167 ESTERILIZAO que foi submetido a esterilizao. ESTIGMA parte apical do pistilo, de forma variada, s vezes dilatada e glandulosa, que recebe os gros de plen e onde iniciam a germinao [Fig.171-es]. ESTILETE ou ESTILO parte do pistilo que fica entre o estigma e o ovrio [Fig.171-est]. ESTILOPDIO base do estilete (et), engrossada, persistente, cnica ou cilndrica, que ocorre em certos frutos (cremocarpo / carpdio - car) de Apiaceae (Ammi majus L., Angelica archangelica L., Petroselinum crispum (Mill.) Nyman ex A.W. Hill, Daucus carota L., Pimpinella anisum L. - Fig.161-et]. ESTIOLAO ato ou efeito de alterao das plantas que vegetam em lugar escuro ou so privadas da luz e que se caracteriza pelo descoloramento e amolecimento dos tecidos que atingem um certo grau de crescimento. ESTIOLADO que sofreu estiolamento; que se enfraqueceu pelo estiolamento. ESTIPE um caule comprido, quase cilndrico, geralmente sem ramificaes, apenas no pice apresenta um tufo de folhas, que se prendem direta- mente ao caule; caso tpico das palmeiras, como a carnaba [Fig.162]. Ver tronco e colmo. ESTIPIFORME que parece uma estipe, como por exemplo o caule do mamoeiro ou a base de um fruto; como as nculas de Carex sororia Kunth, FIGURA 161 Estilopdio. FIGURA 162 Estipe de carnaba. 157. 168 Glossario Ilustrado de Morfologia Cyperus esculentus L., Cyperus rotundus L. e Fimbristylis dichotoma (L.) Vahl, respectivamente [Fig.239C-D-E-G]. ESTIPITADO como a base da ncula de Bulbostylis capillaris (L.) C.B. Clarke [Fig.239A]. ESTPULA formao laminar (epu) existente na base dos pecolos de algumas plantas [Fig.172A-epu,184]; geralmente h duas em cada folha, mas elas podem concrescer formando uma pea nica; pode tambm ocorrer o concrescimento de estpulas de folhas vizinhas; ocorre no pecolo do brinco-de-princesa (Hibiscus rosa-sinensis L. Malvaceae). ESTIPULADA provido de estpulas. ESTOLO ou ESTOLHO a planta, ao crescer, desenvolve eixos caulinares que rastejam sobre o solo e que, de espao em espao, formam gemas e nesse ponto pode haver a formao de uma nova planta, com razes e folhas em roseta, a qual por sua vez pode desenvolver um novo estolho, denominado de estolo epigeu, como no morangueiro [Fig.163]. Estolo hipogeu subterrneo, mais raro, no origina ramos nas razes, mas produz na extremidade tubrculos (batatinhas), bulbos (trevo), etc. [Fig.164-eh]. ESTOLONFERO que tem estolo. ESTRIA proeminncia, geralmente longitudinal, como linhas finas (menores do que costelas). FIGURA 163 Estolo epigeu do morangueiro. FIGURA 164 Estolo hipogeu. 158. E 169 ESTRIADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que est marcado com finas linhas longitudinais [Fig.295F]. ESTRIGOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por agudos plos, rgidos e adpressos [Fig. 204D]. Aguns autores usam esse termo como sinnimo de hspido. ESTROBOLIFORME em forma de cone ou de estrbilo (estrutura florfera e depois frutfera das Conferas). Receptculo estrobiliforme quando os frutculos se encon- tram dispostos sobre um receptculo cnico, como em Talauma ovata A. St.-Hil. ESTROFOLO tipo de arilo; excrescncia carnosa (etr) da semente, que se forma a partir do funculo e visvel como pequeno intumescimento sobre a rafe, como no gneros Chelidonium majus L. (Papaveraceae Fig.27I-etr), Viola odorata L. (Violaceae) e em Fabaceae [Fig.308-etr, 309]. ESTRUTURAS ESSENCIAIS estruturas do embrio indispensveis para a produo de uma plntula normal. ESTRUTURA COM LAADA estrutura da plntula, como o hipoctilo, coleptilo, epictilo ou mesoctilo, que em vez de ser reta na sua poro terminal, forma uma laada. ESTRUTURA TORCIDA estrutura da plntula, como o hipoctilo, coleptilo, epictilo ou mesoctilo, que se torce ao redor do prprio 159. 170 Glossario Ilustrado de Morfologia eixo de alongamento, formando um lao ou um crculo ao invs de ser mais ou menos reto. Fortemente torcida quando a toro faz uma volta completa ao redor de um pequeno trecho da estrutura. Fracamente torcida quando a toro faz uma volta completa ao redor de um longo trecho da estrutura. et al. abreviatura do latim et alii (e outros). EXCISA(O) diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto, semente ou embrio) apresenta uma inciso curta [Fig.16T]. EXERTA que se expe para fora de um rgo, como as valvas dos frutos de Eucalyptus. EXCRESCNCIA diz-se quando a superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) apresenta elevaes, como tubrculos ou verrugas. Ver tuberculada. EXNTRICO(A) fora do centro; como a ala circundante das sementes de espcies de Bignoniaceae [Fig.313H], Violaceae [Fig.313I] Magonia pubescens A.St.-Hil. (Magnoliaceae - Fig.313A), Clethra sp. (Clethraceae - Fig.313B), Greville sp. (Proteaceae - Fig.313C), Allamanda (Apocy-naceae - Fig.313D), Coutarea sp. (Rubiaceae - Fig.313F), Sessea sp. (Solanaceae - Fig.313G) e Campsiandra sp. (Fabaceae-Papilionoi-deae - Fig.313J). 160. E 171 EXGUOpequenoeestreito;depequenaspropores;omesmoqueescasso. EXOCARPO o mesmo que epicarpo [Fig.35, 94, 123, 325]. EXGENO que produzido ou desenvolvido na periferia de outro rgo, como espros exgenos. EXTICA planta estranha a regio (no nativa). EXSUDAO fenmeno que libera substncias lquidas por qualquer rgo da planta. EXTRORSO voltado para fora, em direo oposta ao eixo; o mesmo que retrorso, termo mais usado. 161. 174 Glossario Ilustrado de Morfologia f. em taxonomia: abreviatuara de forma. FABACEAE nome vlido para a famlia Leguminosae; apresenta as subfamlias: Caesalpinioideae, Mimosoideae e Papilionoideae. As sementes dessas subfamlias tambm diferem. Ver semente [Fig.306, 307, 308, 309]. FACE lado superior (ventral ou adaxial) ou inferior (dorsal ou abaxial) de um rgo (folha, fruto ou semente), em relao ao eixo onde se prende [Fig.165]. Fagopyrum esculentum Moench ncula largo-ovalada em contorno, trgona e achatado-triangular em seo transversal, com 5-6mm de comprimento por (2,6-)3,0-4,0mm de largura e espessura, afila gradativamente para um pice agudo e abuptamente para uma base obtuso-pedicelada, com trs faces levemente convexas e iguais na largura, ngulos agudos e, s vezes, conspicuamente alados, pericarpo crustceo, de colorao castanho-amarelada-clara a preta, geralmente variegado ou mosqueado de castanho ou cinza- prateado, glabro, liso e de brilhante (quando nova) a fosco (quando velha); embrio (em) perifrico, curvo, linear e deitado paralelamente a uma dos ngulos da ncula em um sulco do endosperma (en) farinceo e duro; clice pentmero (prg) glabro, branco ou rosado e mais longo do que o comprimento da ncula [Fig. 241A-B-C]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice pentmero ou parte dele aderida a base. FALCADO ou FALCIFORME em forma de foice, plano e recurvado do meio para o pice [Fig.100K]; legume falciforme. FIGURA 165 Face (lado) dorsal e ventral. 162. F 175 Fallopia convolvulus (L.) A. Lve (=Polygonum convolvulus L.) ncula trgona, sssil, com trs faces iguais na largura, levemente cncavas (ncula imatura) e plana (ncula madura), com 3-4mm de comprimento por (2,0)-2,5(-3,0)mm de largura, com pice pontiagudo, base arredon- dada, ngulos arredondados, lisos, lustrosos e pretos; superfcie das faces opaca, preta e escabrosa, por diminutas asperezas alongadas; embrio (em) perifrico, curvo, espatulado e deitado paralelamente a uma dos ngulos da ncula; clice pentmero (prg) com segmentos iguais entre si, estramneo, denso-piloso e to longo quanto o compri- mento da ncula [Fig.241D-E-F]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice pentmero inteiro ou parte dele aderida a base. FAMLIA em taxonomia: compreende um grupo de gneros semelhantes entre si (affins) quanto ao aspecto geral e caracteres morfolgicos. Para os vegetais acrescenta-se ao radical do gnero tpico a terminao aceae (em portugus ceas). Por exmplo: Faba o gnero tpico da famlia Fabaceae; Poa o gnero tpico da famlia Poaceae; Aster o gnero tpico da famlia Asteraceae. FANEROCOTILEDONAR ver germinao fanerocotiledonar [Fig.188]. FANERGAMA designa qualquer planta que tem rgos sexuais aparentes; grande grupo do reino vegetal que inclui todas as plantas que produzem flores. FARINHOSO com textura semelhante a farinha. FARINOSA ou FARINCEA diz-se da superfcie de um rgo que se apresenta coberta com substncia branca. 163. 176 Glossario Ilustrado de Morfologia FASCICULADO(A) diz-se de certas folhas e inflorescncias que se encontram agrupadas em pequenos feixes; no caso de raizes refere- se a raizes adventcias. FASCCULO refere-se a pequenos grupos de folhas, razes, flores e estames; trmo usado erroneamente como sinnimo de invlucro- de-brcteas. FAVA termo muitas vezes usado incorretamente como sinnimo de legume ou vagem em Fabaceae. FAVOLA pequena depresso (alvolo). FAVEOLADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que apresenta favos (conjunto de alvolos - Fig 295C.); o mesmo que faviforme e alveolada FAVOS no hesperdio (fruto bacide) o endocarpo membranceo, dividido em gomos e revestido de plos sucosos (favos) na poro interna; como nos frutos da laranja, lima e limo, do gnero Citrus (Rutaceae - Fig.194]. FEIXE diz-se do cojunto de elementos do tecido vascular ou de fibras. [Fig.297-fv]. FENDA termo usado como sinnimo de sulco. FENDIDO quando as margens de uma folha so profundamente sulcadas, at cerca da da lmina [Fig.252A]; como a folha da batata-doce (Ipomoea batatas Lam. Convolvulaceae). 164. F 177 FENTIPO organismo de um ser vivo considerado em relao aos caracteres apreciveis com o uso dos sentidos. FRTIL capaz de produzir sementes; oposto de estril. Na definio de semente pura, quando se fala em antcio de Poaceae (=Gramineae) significa que encerra uma cariopse. Festuca espiguetas comprimidas, multifloras (unidade-semente mltipla), com glumas (inferior e superior) basais persistentes; antcios (lemas e pleas) com 1-2mm de comprimento e que se desarticulam quando maduros; lema frtil (lf) convexa, com 5-nervuras, sem carena e atenuada numa arista ou s vezes miudamente bfida ou as vezes sem arista [Fig.166 a 169]. A unidade-semente o antcio frtil. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Festuca: Festuca arundinacea Schreb. (=Festuca elatior L.) espiguetas lanceoladas; glumas lanceoladas, subagudas, a inferior 1-nervada e a superior 3-nervada; antcio frtil de 6-9mm de comprimento por 1,4-1,8mm na maior largura (abaixo da poro mediana) e 1,0-1,5 mm de espessura, afila-se uniformemente para a base e para um pice pontudo, de colorao cinza- amarelada a palha-amarelado, em geral mais escura do que Festuca pratensis, pice em geral mais escuro (amarromzado); lema frtil (lf) lanceolada ou elptica, longo-agudas, 5-nervadas, com nervura mediana inconspcua e as outras conspcuas, grosseiramente granulosa-escabrosa ao longo das margens (fortemente encurvadas) e nas nervuras, especialmente em direo ao pice e esparsa entre as nervuras, com arista ausente; plea FIGURA 166 Festuca arundinacea (A) e Lolium multiflorum (B): antcio frtil lado ventral. 165. 178 Glossario Ilustrado de Morfologia frtil (pf) com largo sulco raso na base, granulosa e fosca; segmento da rquila (seg) cilndrico e pice expandido em disco, com 1,5-2,0mm de comprimento, levemente encurvado e no adpresso a plea ou apenas ligeiramente; calo largo- transversal, frequentemente com reentrncia na margem superior; cariopse (cap) obovada, concrescida com a plea frtil, de colorao castanha, com 3-4mm de comprimento, por 1,0-1,5mm de largura e 1mm de espessura, pice arredondado e base obtusa, lado dorso convexo e ventral com largo sulco profundo [Fig.166A, 167A, 168A, 169A]. Festuca ovina L., s.l. antcio frtil lanceolada ou estreito-elp- tica, com pice coprimido, lema e plea do mesmo compri- mento (que depende variedade, de 2,5-6,0mm por 0,6-1,0mm de lar- gura e (0,4-)0,5-0,7(-0,8)mm de espessura), esparso-pubescentes no pice e glabras na base, de colorao castanho-amarelada a castanho-acinzentada, levemente lustrosas e com profundo sulco em forma de V, deixando visvel somente uma estreita faixa da plea; lema frtil (lf) sem nervuras e margem en- curvada sobre a plea; arista (as) com cerca de 1 /5 do com- primento da lema ou s vezes ou mais; carenas da plea convergem abruptamente, acima do trmino da cariopse e no superior com curtos dentculos; segmento da rquila (seg) cilndrico, com pice horizontal e expandido em disco, no adpresso a plea, de 0,8-1,0mm de comprimento, esparso- pubescente; cariopse (cap) de colorao castanho-preta, muito concrescida com o antcio (difcil de ser separada), de 2,0mm de comprimento por 0,5mm de largura e espessura [Fig.167D-D, 168D-D, 169 D-D]. FIGURA 167 Festuca e Vulpia (antcio frtil ventral): A- F. arundinacea; B- F. pratensis; C- F. rubra; D-D- F. ovina; E- Vulpia myurus. FIGURA 168 Festuca e Vulpia (antcio frtil dorsal): A- F. arundinacea; B- F. pratensis; C- F. rubra; D-D- F. ovina; E- Vulpia myurus. 166. F 179 Festuca pratensis Huds. (=Festuca elatior auct. Amer., non L.) antcio frtil de estreito-elptica a estreito-lanceolada, de 5-7mm de comprimento por 1,2-1,6mm de largura e 0,8-1,0mm de espessura, mais largo na regio mediana, afilando-se uniformemente para a base e para um pice pontudo, com largo e raso sulco basal- ventral, de colorao esbranquiada a cinza-amarelada, glabra e lisa; lema frtil (lf) convexa, com nervuras laterais inconspcuas e prximas ao pice conspcuas, nervura mediana conspcua, margens encurvadas e esparso-escabroso no pice; arista ausente; plea frtil (pf) largo sulcada e lustrosa; segmento da rquila (seg) de cilndrico a levemente quadrangular, cerca de 2mm de compri- mento, um pouco encurvado, afastado da plea e pice expandido em disco; calo frequentemente com reentrncia na margem superior; cariopse (cap) de colorao castanha a castanho-preta, muito concrescida com a plea (difcil de ser separada), de 3,5- 3,8mm de comprimento (pelo menos 2mm mais curta do que o antcio) por 1,2-1,5 mm de largura e 0,6-0,8mm de espessura, com pice arredondado e base pontuda, lado dorsal convexo e ventral largo- sulcado [Fig.167B, 168B, 169C]. Festuca rubra L., s.l. antcio frtil de estreito-lanceolado a elptica, pice longo acuminado, com 4-6mm de comprimento por 0,8-1,2mm de largura e 0,5-0,8mm de espessura, com profundo sulco em forma de V, deixando visvel somente uma estreita faixa da plea, de colorao cinza-amarelada a castanho-amarelada, amarelo- palha com manchas avermalhadas; lema frtil (lf) convexa e um pouco quilhada, nervuras laterais sempre incosnpcuas, lisa, com curta e esparsa pubescncia no pice e nas margens; arista (as) at 2mm de comprimento ou ausente; carenas da plea frtil (pf) FIGURA 169 Festuca e Vulpia (antcio frtil vista lateral): A- F. arundinacea; B- F. pratensis; C- F. rubra; D-D- F. ovina; E- Vulpia myurus. 167. 180 Glossario Ilustrado de Morfologia convergem gradativamente em direo ao pice onde apresenta curtos dentculos; segmento da rquila (seg) cilndrico, liso, de 1-2mm de comprimento, reto e afastado da plea, com pice horizontal e expandido em disco; cariopse (cap) de colorao castanha a castanho-preta, concrescida com o antcio, de 4mm de comprimento por 1mm de largura e 0,5mm de espessura, com pice arredondado e base pontuda, lado dorsal convexo e ventral sulcado [Fig.167C, 168C, 169C]. FILETE ou FILAMENTO haste que sustenta a antera [Fig.12, 13A]. FILIFORME diz-se de um rgo vegetal que longo e fino como um fio; como os estiletes de muitas espcies. FILOGENTICO relativo a filogenia. FILOGENIA relao entre organismos com base na sua histria evolutiva. FILOTRIMDIO fruto drupide, cujo exocarpo coriceo, ou frequente- mente quebradio ou crasso, se separa na maturao em 1-3 valvas (va), mas as sementes permanecem encerradas em estruturas indeis- centes, o endocarpo (pirnio pir), envoltas parcial ou inteiramente por um mesocarpo (me) carnoso ou lenhoso; como nos gneros Aguiaria (Bombacaceae - Fig.170E), Bursera [Fig.170F-G], Protium [Fig.170A-B-C-D] e Tetragastris (Burseraceae) e Joannesia (Euphor- biaceae). Os pirnios podem se apresentar divididos em lculos (lo), ou separados em dois ou mais, conforme o nmero de carpelos que participaram na formao do filotrimdio. O fruto se separa em 3-valvas (Protium sp.) e em 4-valvas (Tetragastris sp.). 168. F 181 FIMBRIADO(A) diz-se da superfcie, de rgos laminares, que apresenta a margem finamente recortado; o mesmo que franjada. Fimbristylis dichotoma (L.) Vahl ncula ovalada, biconvexa, com 1,0- 1,2mm de comprimento por (0,8)0,9-1,0mm de largura ou 1,0mm de dimetro, de colorao ebrnea ou castanho-clara, lustrosa, com pice arredondado-truncado, muitas vezes com estilete bfido, fimbriado- ciliado [Fig.239H] e de base buldosa (persistente); base da ncula atenuada, estipiforme, geralmente com engrossamento mais escuro e insero arredondada; superfcie com 7-8 costelas conspcuas nas FIGURA 170 Filotrimdios: Protium sp.: A- fruto, B- fruto no incio da separao das valvas, C- pirnio separando-se da valva; D- pirnio ovide; E- Aguiaria sp. (Fonte: Barroso et al., 1999); Bursera sp: F- fruto ntegro, G- pirnio com mesocarpo carnoso. 169. 182 Glossario Ilustrado de Morfologia faces e uma no bordo, transversalmente estriada e que do a ncula o aspecto de costada-reticulada, com interespaos grandes e profundos [Fig.239G-G]. A unidade-semente a ncula (com ou sem o estilete). FISTULOSO provido de cavidade central alongada, oco e cilndrico; caule fistuloso. FITOTXICO nocivo planta ou plntula. FLOCOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por densos plos adpressos, em manchas ou em tufos [Fig.204E]. FLOR elemento reprodutivo dos vegetais superiores (Fanergamas), formado pelos verticlios protetores (clice e corola), mais ou menos vistoso e dos verticlios reprodutores (androceu e gineceu); a forma, a organizao e a colorao so extremamente variveis [Fig.171]. FLSCULO pequena flor; cada uma das flores do captulo de uma Asteraceae (=Compositae). Flsculo-mltiplo flsculos ligados a um mesmo pednculo e que em conjunto constituem uma flor composta. FLUTUANTE que fica sobre a superfcie da gua. Foeniculum vulgare Mill. cremocarpo formado por dois carpdios oblongo- elpticos, glabros, de 3,5-10,0mm de comprimento por (1,5-) 2,0-3,0mm de largura e 1,0-2,0mm de espessura, lado dorsal com cinco conspcuas FIGURA 171 Flor (diagrama completo): A- detalhe do saco em- brionrio. 170. F 183 costelas longitudinais amaledo-esverdeadas a cinza-esverdeadas e entre elas os tubos oleferos escuros; lado ventral (da comissura) plano e na margem amarelo-clara a esverdeada; frequentemente os dois carpdios permanecem aderidos mesmo depois do beneficiamento [109Fig.U-V]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. FOLHA rgo lateral que nasce sobre o eixo principal (caule cau) ou sobre seus ramos e tem crecimento limitado; em geral laminar, verde e tem como principal funo a fotossntese; formado pelo limbo (lmina l), pecolo (pe), bainha (bai) e estpulas (epu) [Fig.172]; qualquer dessas partes pode faltar, menos freqente a ausncia do limbo; as folhas variam muito quanto ao aspecto (contorno Fig.102, 103] de suas partes, bem como quanto as margens [Fig.110], ao indumento da superfcie [Fig.203, 204], nervao, etc.; em alguns casos a folha tem crescimento indeterminado. Folha simples quando o limbo no se apresenta dividido em fololos; como a folha do caf e batata-doce. Follha composta quando o limbo se apresenta dividida em fololos; como a folha do feijo e da paineira. Folha adunada so folhas opostas, ssseis, soldadas pelas bases, aparentando ser perfurada pelo caule [Fig.173]; como as de barbasco (Buddleia brasiliensis Jacq. ex Spreng. Loganiaceae). Folha perfoliada quando as duas metades da base do limbo se desenvolvem circundando o caule, de modo queesse parece estar atravessando o limbo [Fig.174]; como a folha de Specularia sp. FIGURA 172 Folhas: A- limbo com estpula e pecolo; B- limbo com pecolo alado; C- limbo com pecolo, crea, caule e n; D- limbo com pecolo e bainha. FIGURA 173 Folha adunada de barbasco. FIGURA 174 Folha perfoliada de Specularia sp. 171. 184 Glossario Ilustrado de Morfologia Folhas rosuladas ver rosulada [Fig.175A]. Folhas verticiladas ver vertcilada [Fig.175B]. FOLHAS COTILEDONARES so os cotildones que no fim da germinao fanerocotiledonar saem do tegumento da semente, liberam a lmina foliar e so os primeiros rgos fotossintetizadores da plntula e recebem a denominao de paracotildones [Fig.188]. Elas podem ser inteiras ou lobadas (pice com recorte no muito profundo), ou bipartiadas (com inciso apical que se extende por quase todo o comprimento,dividindo-oemduaspartes,masquepermanecemunidas pela base, como as folhas cotiledonares de Ipomoea ramosissima (Poir.) Choisy e Ipomoea triloba L. - Fig.176). FOLHA PRIMRIA ou FOLHA PRIMORDIAL so diferentes das folhas definitivas; na germinao de sementes a primeira folha ou o primeiro par de folhas (efilos) que se desenvolvem logo aps os cotildones. Uma folha primria ocorre em plntulas com folhas alternas, como no gnero Pisum (Fabaceae-Papilionoideae); o primeiro par de folhas primrias ocorre nas plntulas com folhas opostas, como no gnero Phaseolus (Fabaceae-Papilionoideae - Fig.186]. FOLICEO que tem textura e forma de folha. FOLCULO fruto oblongo, simples, seco, deiscente, de cartceo a cori- ceo, com margens espessadas ou no, uni- ou multisseminado, que se abre pela sutura (fenda) longitudinal (bordo ventral ou bordo dor- sal) do nico carpelo de que formado e com sementes aladas ou no [Fig.177]. As sementes se encontram inseridas no mesmo bordo FIGURA 175 Folhas: A- rosuladas da falsa-tiririca; B- verticiladas da espirradeira. FIGURA 176 Folhas cotiledonares de Ipomoea: A-B- I. triloba, C- I. ramosissima. FIGURA 177 Folculo. 172. F 185 da deiscncia. Folculo unisseminado em Macadamia (Proteaceae) e com mais de uma semente em Delphinium (Ranunculaceae), Aspi- dosperma polyneuron Mll. Arg. (Apocynaceae), Grevillea (Proteaceae - Fig.178A-A'-B); Senna alata (L.) Roxb., Dioclea, Indigofera, Mucuna, Pseudopiptadenia [Fig.170E] e Sesbania (Fabaceae =Leguminosae -Papilionoideae), Brachychiton e Pterygota (Sterculiaceae - Fig.178C- D). Ver cpsula folicular. Folculo moniliforme em Anadenanthera (Fabaceae-Mimosoideae). FOLIOLADO(A) que tem fololos. FOLOLO a menor diviso de uma folha composta [Fig.257]; o mesmo que pina. FRANJADO o mesmo que fimbriado. FRUTA qualquer fruto comestvel. FRUTFERO que produz frutos. FRUTIFICAO ato de produzir frutos. FRUTO ovrio fecundado e desenvolvido, com ou sem semente. Pode- se definir tambm o fruto como um rgo formado por um ou mais ovrios desenvolvidos, aos quais podem se associar, intimamente, outras estruturas acessrias. Quanto a origem o fruto pode ser simples, composto ou mltiplo; quanto ao pericarpo pode ser seco ou carnoso e quanto a abertura deiscente ou indeiscente: FIGURA 178 Folculos: Grevillea banksii A- fruto fe- chado; A- continuao do estilete de A; B- deiscncia do fruto e sementes aladas no interior; deiscncia dos frutos e no interior as sementes: C- Brachychiton sp.; D- Pterygota sp.; E- Pseudopipta- denia sp. Fonte C-D: Barroso et al. (1999). 173. 186 Glossario Ilustrado de Morfologia Frutos simples originados de um s ovrio, de uma flor, e so formados por um ou mais carpelos, so deiscentes ou indeiscentes. Frutos secos aqueles que na maturao tem pericarpo seco, no carnoso. Frutos secos deiscentes que se abrem na maturao: cpsula (formada por dois ou + carpelos e com diferentes tipos de deiscncia), folculo (formado por um carpelo e se abre pela sutura do nico carpelo de que formado), legume (formado por um carpelo e se abre longitudinalmente ao longo da sutura ventral (bordos de unio dos carpelos) e da nervura mediana (principal) do nico carpelo de que formado), lomento (com constries entre as sementes, se fragmenta transversalmente, na maturao, em segmentos (artculos) unissemi-nados, deiscentes ou indeiscentes), silcola e sliqua (formadas por dois carpelos e ao se abrir, a partir da base, deixa persistente um septo mediano (replum), onde se inserem as sementes). Ver a descrio de cada um. Frutos secos indeiscentes aqunio (com uma semente ligada a parede do fruto (pericarpo) em um nico ponto), bolota (tipo de ncula envolvida na base por uma cpula, formada pelo receptculo ou pelo clice persistente), carceruldio (formado por dois carpelos, que se separam na maturao em dois carpdios ou mericarpos unisseminados e que correspondem metade de uma folha carpelar), cariopse (ligada a parede do fruto em toda a extenso), craspdio (se fragmenta transversalmente em segmentos (artculos) unisseminados e que, aps a queda, fica preso ao pednculo, uma armao (replum), formado pela sutura e pela nervura do nico carpelo), 174. F 187 esquizocarpo (bi- ou pluricarpelar, cada carpelo, na maturao, se separa longitudinalmente dos demais formando um fruto parcial (me ricarpo ou carpdio) unisseminado), ncula (formado por 1-2-carpelos, com uma semente presa na base da parede do fruto e pericarpo no soldado ao tegumento; alguns autores usam o termo noz), smara (em geral uma semente, com ncleo seminfero aliforme) e utrculo (resulta da soldadura dos bordos de uma gluma secundria (brctea) e forma uma estrutura fechada, saciforme, ovide-comprimida, com abertura apical ou subapical e que envolvem uma ncula de textura palecea, coricea). Ver a descrio de cada um. Fruto carnoso com pericarpo de tecido suculento (aquoso e parenquimatoso); como o anfissarcdio (com pericarpo carnoso, uma cavidade central, sem lculos individualizados e cheia de sementes, envoltas por uma polpa (endocarpo) carnosa), balausta (com carpelos dispostos em dois estratos, pericarpo carnoso-coriceo e amarelo-avermelhado, internamente dividido em cavidades, endocarpo fino, onde se alojam as numerosas sementes, sarcotesta translcida, mesotesta esclertica), drupa (nitidamente diferenciado em exocarpo fino, mesocarpo carnoso e endocarpo (pirnio) duro e concrescido com o tegumento membranceo; com um nico pirnio central grande, lenhoso, esclerosado ou pergaminhoso), hesperdio (formado por vrios carpelos, nos quais no houve uma perfeita sincarpia das pores mais internas; exocarpo mais ou menos delgado e cheio de glndulas, mesocarpo branco-esponjoso e endocarpo membranceo, dividido em gomos, revestidos de favos (plos sucosos) na poro interna) e solandio (formado de um ovrio simples ou composto, com pericarpo carnoso, com dois ou mais lculos e cavidade central cheia de polpa carnosa). Ver a descrio de cada um. 175. 188 Glossario Ilustrado de Morfologia Frutos compostos formados por um ou mais ovrios fecundados e desenvolvidos, aos quais se podem associar intimamente outras estruturas acessrias; so frequentemente tambm designados por alguns autores como falsos-frutos; ocorre em Coussapoa sp. e Brosimum sp. (Moraceae) [Fig.179]. No abacaxi (Ananas Bromeliaceae Fig.280A) a infrutescncia rodeia um eixo que se torna carnoso e carrega numerosas flores que depois se transformam em frutos, que so os olhos do abacaxi e acima da infrutescncia o eixo continua seu desenvolvimento vegetativo. Frutos mltiplos originado de vrios ovrios, de flores distintas e que se agrupam em uma infrutescncia. Cada ovrio d origem a um aqunio, ncula, drupa ou folculo. Os frutcolos se encontram assentados sobre um receptculo comum, plano em Annonaceae nos gneros Bacageopsis (1-6-frutcolos globosos, subssseis e indeiscentes) e Pseudoxandra (6-10-frutcolos globosos e curto-estipitados) Fig.180A-B; ou globoso em Rolliniopsis (frutcolos indeiscentes) Fig.180C; ou cupuliforme em Mollinedia (Monimiaceae Fig.180I) ou alongado e cilndrico em Magonia champaca (L.) Baill. ex Pierre (= Michelia champaca L. - frutcolos deiscentes e mujltisseminados Magnoliaceae Fig.180H-H), ou ovide em Talauma ovata A. St.-Hil. (frutculos deiscentes Magnoliaceae) ou receptculo urceolado (Rosa). Em Xylopia frutculos oblongos, deiscentes e semente com arilide e em Unonopsis os frutcolos indeiscentes esto dispostos em cachos axilares (Annonaceae Fig.180E-D-D); em Doliocarpus grandiflorus Eichler - fruto globoso, apiculado, denso-piloso, deiscente e que na maturao se divide em duas partes, unidas na base, em cada uma delas se prende apicalmente uma semente FIGURA 179 Frutos compostos (frc): Coussapoa sp.: A- frc, B- frutculo isolado; Brosimum sp.: C- frc, D- poro rompida do receptculo mostrando a posio da ncula. Fonte: Barro- so et al. (1999). 176. F 189 com arilo branco e em Tetracera com 4-frutcolos unisseminados (Dilleniaceae Fig.180F-G-G) Outro fruto mltiplo o sicnio como em Ficus (Moraceae Fig.316). Em Ranunculaceae o fruto mltiplo formado por diversas nculas (nu) com estilete (rostro ro) plumoso no pice, como em Clematis dioica L. ou nculas com espinhos (espi), alguns levemente uncinados, como em Ranunculus sp. [Fig.181]. Em morango (Fragaria) e amora o receptculo da flor, depois de fecundada, se desenvolve e forma a parte carnosa e comestvel, enquanto os frutos (nculas) muito pequenos se inserem na superfcie do receptculo [Fig.180B]. FIGURA 180 Frutos mltiplos (frm): A- Bacageopsis matogrossensis; B- Pseudoxandra sp.; C- Rolliniopsis sp; Unonopsis sp.: D- frm, D- frutcolo (fru) isolado com parede rompida, mostrando a posio das das sementes; E- Xylopia sp. com cinco fru fechados; F- Doliocarpus grandiflorus; Tetracera sp.: G- frm formado por folculos; G- semente com arilo laciniado ou franjado; Magnolia champaca: H- fru fechados dispostos no receptculo estrobiliforme alongado, H- fru deiscente com nume- rosas sementes ssseis; I- Mollinedia sp. fru dispostos no receptculo cupuliforme. Fonte (ex- ceto H-H): Barroso et al. (1999). 177. 190 Glossario Ilustrado de Morfologia Fruto monosprmico com uma s semente. Fruto disprmico com duas sementes. Fruto trisprmico com trs sementes. Fruto polisprmico com vrias sementes. Fruto monocrpico formado de um gineceu unicarpelar. Fruto apocrpico formado de um gineceu dialicarpelar. Fruto sincrpico formado de um gineceu gamocarpelar. Fruto-semente ovrio fecundado, desenvolvido e abriga uma nica semente; pedaos unisseminados de frutos multisseminados (lomento), pedaos da sliquas articuladas. Ocorre em Aeschy- nomene, Desmodium e Ornithopus (FabaceaePapilionoideae), Raphanus raphanistrum L. (Brassicaceae =Cruciferae); bolota que ocorre em Juniperus (Cupressaceae) e Taxus (Taxaceae). FULVO de colorao amarelo-tostada ou pardo-avermelhada. FUNGIFORME com forma de fungo, cilndrico e uma extremidade arredondada, convexa e alargada [Fig.101I]. FUNGO organismo vegetal heterotrfico, saprfito ou parasita, sem tecido de sustentao ou condutor diferenciado, sem razes e cujas clulas (hifas) so desprovidas de cloroplastos e de paredes no celulsicas. FIGURA 181 Frutos mltiplos (frm): Clematis dioica A- frm, B- ncula com estilete (ro); Ranunculus sp. C- frm, D- ncula com espinhos. 178. F 191 FUNCULO filamento (f) pelo qual o vulo (ov) [Fig.171, 246 a 250, 297] e depois a semente se ligam placenta ou parede do ovrio (ova) e mais tarde ao fruto; na semente pode ser seco, como nas sementes de Malvaceae, ou carnoso e colorido, como em Carica papaya L. (Caricaceae), Gustavia angusta L. (Lecythidaceae), Urena lobata L. (Malvaceae - [Fig.182), ou funculo longo-filiforme com formao arilide carnosa, alvo-amarelada, como em Glinus sp. (Mulluginaceae Fig.27G) e em muitas espcies do gnero Acacia (Acacia longifolia (Andrews) Willd Fig.27B FabaceaeMimosoideae). FUSTE quando a planta apresenta caule lenhoso e no se ramifica na base; o mesmo que tronco. FUSIFORME em forma mais ou menos cilndrica na poro central e que se afila para as extremidades; como as raizes do rbano [Fig.101I]. FIGURA 182 Funculo de Urena lobata. 179. 194 Glossario Ilustrado de Morfologia GALHA intumescncia de qualquer parte de um vegetal, produzida pelo ataque de insetos, nematides, fungos e/ou bactrias. GAMETFITO fase sexuada na gerao, das plantas, que termina produzindo gametas (clulas sexuais) em Conferae (Gimnospermas); a fase que alterna com o gametfito o esporfito (que produz esporos). Gametfito feminino forma-se antes da fertilizao e seu ncleo haplide (possui n cromossomas) e produz arquegnios. GAMFILO termo usado para qualquer estrutura de natureza foliar, quando as peas que a compem (brcteas, spalas, ptalas, etc.) se apresentam soldadas, concrescidas, coesas. Ver invlucro-gamfilo e invlucro-de-cerdas. GAMOPTALA ver corola gamoptala. GAMOSPALA ver clice gamospalo. GANCHUDO com a extremidade de um rgo mais ou menos recurvada, em forma de gancho (uncinado). GAVINHA rgo de fixao de certas plantas trepadeiras, filamentoso, espiralado, que resulta da modificao de um caule, de uma folha, mais raramente de uma raiz, com que as trepadeiras se fixam aos ramos de outras plantas ou a suportes cilndricos; como as gavinhas da videira [Fig.183] e do maracujazeiro [Fig.184]. FIGURA 183 Gavinha da videira. FIGURA 184 Gavinha do maracujazeiro. 180. G 195 GEMA rudimento de uma nova estrutura, tecido de crescimento (meristema), habitualmente formada na axila de uma folha e pode dar origem a ramos e folhas (gemas vegetativas) ou flores (gemas florais). Gema apical ou terminal o ponto vegetativo [Fig.88A186-gea, 188- bv] responsvel pelo desenvolvimento da parte area, localizada entre os cotildones ou entre seus pecolos e muitas vezes est protegida por vrias folhas, diferenciadas, os catfilos. Gema axilar ou lateral geralmente formada na axila de uma folha e muitas vezes est protegida pelos catfilos e tambm permanece dormente, isto , no se desenvolve [Fig.183]. GNERO unidade taxonmica usada no sistema de classificao botnica e formada por uma ou mais espcies com caractersticas semelhantes (afins). Os gneros congregam-se em famlias. GENICULADO(A) dobrado ou curvado abruptamente em ngulo (reto ou quase), com forma de joelho, como nas aristas dos gneros Avena [Fig. 30,31,32] e Arrhenatherum [Fig.28], em Hyparrhenia rufa [Fig.200] e em outras espcies de Poaceae (=Gramineae). GEOCARPIA quando a disperso de disporos feita pelos pednculos, isto , aps a fecundao os pednculos enterram no solo seus frutos, onde amadurecem, como no amendoim. Ver anemocoria, autocoria, antropocoria, hidrocoria, ornitocoria e zoocoria. GEOTROPISMO tipo de curvatura de rgos da planta em resposta ao da gravidade. 181. 196 Glossario Ilustrado de Morfologia Geotropismo negativo crescimento para cima, como a parte area normal. Geotropismo positivo crescimento para baixo, como as razes. Geranium sp. regmdio formado por cinco mericarpos oblanceolados, base com ou sem um bico (geralmente ausente quando misturado s sementes comerciais), reto ou levemente encurvado, glabro ou com plos; pice com longo rostro (ro - estilete) glabro ou com plos, torcido (quanto + seca + espiralada, parecendo um sacarrolha) da esquerda para a direita; semente de elptica a largo-ovalada, de 1,2-2,5(-3,5)mm de comprimento por 1,0- 1,5(-1,8)mm de largura e espessura, superfcie (dependendo da espcie) varia do castanho-amarelado ou avermelhado ao castanho-escuro, pode ser glabra, lisa e fosca ou lustrosa e finamente faveolada, ou finamente reticulada, ou finamente rugosa [Fig.290A-B]. A unidade-semente a semente, raro o mericarpo. GERMINAO o ato de germinar e consiste de uma srie de processos de desenvolvimento do embrio, que culminam com a emisso da radcula (conceito fisiolgico) ou das estruturas essenciais do embrio, dando origem a uma plntula (conceito tecnolgico) e que em condies favorveis de campo originam uma planta normal. Germinao epgea a germinao na qual os cotildones e a gema apical so elevados acima do solo pelo alongamento do hipoctilo; como nos gneros Allium (Alliaceae), Helianthus (Asteraceae =Compositae), Phaseolus (Fabaceae =Leguminosae - Fig.186), mamona (Euphorbiaceae), trigo-sarraceno (Fagopyron esculentum Moench Polygonaceae) e pssego (Prunus persica (L.) Batsch FIGURA 185 Germinao de Coniferae: A- semente; B- seo longitudinal da semente; C- incio da germinao, mostrando os co- tildones; D- plntula com cotildones + catfilos. FIGURA 186 Germinao epgea de feijo. 182. G 197 Rosaceae). A maioria das espcies de germinao epgea so tambm fanerocotiledonares. Germinao hipgea a germinao na qual os cotildones ou uma estrutura semelhante, como o escutelo, permanecem no solo ou na superfcie do mesmo e dentro da semente. O eixo elevado acima do nvel do solo pelo o epictilo, como nas Dicotiledneas ou pelo alongamento do mesoctilo em algumas Monocotiledneas. Ex: Poaceae (=Gramineae) nos gneros Triticum e Zea [Fig. 187] e em Fabaceae (=Leguminosae) no gnero Pisum. A maioria das espcies de germinao hipgea so tambm criptocotiledonares. Germinao criptocotiledonar a germinao onde os cotildones no emergem do tegumento da semente e permanecem no interior do mesmo at o final do processo; as espcies com esse tipo de germinao so tambm hipgeas. Ocorre no gnero Pisum (Fabaceae =Leguminosae); em Campsiandra laurifolia Benth. (Fabaceae-Caesalpinioideae - Fig.189A); Eugenia edulis (O. Berg) Kiaersk. (Myrtaceae - Fig.189B) e Araucaria angustifolia (Bert.) Kuntze (Araucariaceae - Fig.189C). Germinao fanerocotiledonar a germinao onde os cotildones emergem do tegumento da semente, escapam da testa e se expandem; as espcies com esse tipo de germinao so tambm epgeas. Ex: gneros Helianthus (Asteraceae =Compositae), Phaseolus (Fabaceae =Leguminosae) e pssego (Prunus persica (L.) Batsch Rosaceae) mostrando o incio da germinao at a formao da plntula [Fig.188]; em Conferae: com o incio da germinao os 5-cotildones escapam da testa [Fig.185]. FIGURA 187 Germinao hipgea de milho. FIGURA 188 Germinao epgea-fanerocotiledonar de Prunus persica. 183. 198 Glossario Ilustrado de Morfologia Existem tipos intermedirios ou transitrios de germinao e so propostas outras classificaes, mas essa a que melhor caracteriza as situaes. GIBA pequena salincia em forma de carncula; inchado em um lado, perto da base [Fig.190]; como na flor de boca-de-leo (Antirrhinum majus L. Scrophulariaceae). GIBERELINA classe de hormnios de plantas envolvidos em numerosas atividades, por exemplo em germinao e alongamento de clulas. GIBOSO provido de giba. FIGURA 189 Germinao hipgea-criptocotiledonar: A- Campsiandra laurifolia; B- Eugenia edulis; C- Araucaria angustifolia. FIGURA 190 Giba na flor de boca-de-leo. 184. G 199 GIMNOSPERMA diviso do reino vegetal que compreende espcies com antfitos de rudimentos seminais, no protegidos por um ovrio fechado e que formam sementes nuas, sem a proteo de um verdadeiro pericarpo ou fruto, como as espcies de pinheiro-brasileiro (Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze), rvore-de-natal (Araucaria heterophylla (Salisb.) Franco =Araucaria excelsa R. Br.), pinheiro-bravo (Podocarpus lambertti Klotzsch), Pinus caribaea Morelet, P. elliottii Engelm. e P. patula Schiede ex Schltdl. & Cham. (Pinaceae). GINECEU rgo feminino da flor, que pode ser formado por um ou mais pistilos; cada um constitudo pelo ovrio (ova), estilete (est estilo) e estigma (es) [Fig.171]. GINFORO pednculo do ovrio, o prolongamento do eixo floral que eleva o gineceu acima do ponto de insero dos demais elementos que formam uma flor; ocorre em Capparaceae [Fig.191]. GLABRA(O) diz-se da superfcie que no tem plos; completamente desprovida de indumento. GLABRRIMO diz-se da superfcie que completamente destitudo de plos. GLABRESCENTE diz-se da superfcie que quase sem plos. GLNDULA pequena clula epidrmica, protuberante, que secreta alguma substncia. GLANDULAR se referem aos plos que possuem na sua extremidade pequenas bolinhas, semelhantes a uma pequena gota. FIGURA 191 Ginforo. 185. 200 Glossario Ilustrado de Morfologia GLANDULFERO provido de glndulas. GLANDULOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) provido com plos que produzem pequenas glndulas na ponta; provido de glndulas. GLAUCO(A) diz-se da superfcie revestida com cerosidade verde e tonalidade ligeiramente azulada. GLOBOSO em forma de esfera ou de globo [Fig.100H]. GLOMRULO inflorescncia do tipo cimosa multpara (pleiocsio), muito contrada, globosa e com pequenas flores mais condensadas do que no fascculo; fruto da acelga e beterraba (Beta Chenopodiaceae - Fig.192-g). GLOQUIDIADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por longos plos estrelados, em tufos [Fig. 204F]. GLUMA cada uma das brcteas estreis (inferior e superior), que se encon tram na base de cada flor (antcio) ou de uma espigueta, em Poaceae (=Gramineae) como nos gneros Alopecurus [Fig.6A], Avena [Fig.156], Brachiaria [Fig.45], Echinochloa [Fig.125B-C] e Panicum [Fig.158B]. Gluma inferior ou primeira no lado dorsal ou adaxial e gluma superior ou segunda no lado ventral ou abaxial. GLUMELA cada uma das duas peas (lema e plea) escamiformes, escariosas ou paleceas que se encontarm na base de cada flor ou do antco frtil (lema frtil e plea frtil) [Fig.11A] de Poaceae (=Gramineae), FIGURA 192 Glomrulo (g) 186. G 201 como em Brachiaria [Fig.46], Dactylis [Fig.116], Festuca e Vulpia [Fig. 167] e Lolium [Fig.224, 225]. GLUMLULA o mesmo que lodcula; na espigueta de Oryza [Fig.157]. GLUTINOSO superfcie pegajosa, viscosa. GRAMINEAE sinnimo de Poaceae. GRANULADA ou GRANULAR diz-se da superfcie rugosa, com pequenas elevaes arredondadas, dando a aparncia de diminutos grnulos (gros de areia) e que podem estar agrupados ou esparsos. GRO termo genrico para designar a cariopse dos cereais e mais genericamente das Gramneas. GRO DE PLEN cada um dos microsporos produzidos pelas anteras, ou dos microsporos germinados das Fanergamas [Fig.171]; o memo que plen. GUTTIFERAE sinnimo de Clusiaceae. 187. 204 Glossario Ilustrado de Morfologia HABITAT local onde cresce uma planta; regio onde uma planta cresce em forma nativa. HBITO aparncia geral da planta. HALFITA planta daptada a viver em ambiente com alto teor salino. HASTADO(A) diz-se de um rgo foliceo que tem contorno de lana, com lobos basais pontiagudos e divergentes [Fig.102J]; lembra o ferro de alabarda sem farpa; como a folha de Rumex pulcher L. HASTE termo geral usado para designar um caule, herbceo ou fracamente lenhificado, pouco resistente, ocorre em ervas e arbustos, como na serralha (Sonchus oleraceus L.) e boto-de-ouro (Galinsoga parviflora Cav. - Asteraceae - Fig.193). HAUSTRIO rgo sugador das plantas parasitas; termo usado para designar as raizes modificadas das parasitas, que penetram no interior dos tecidos da planta hospedeira para absorver o gua e alimento. HELIFITA planta que s pode crescer e se reproduzir sob insolao completa; planta de sol. HEMTROPO ver vulo hemtropo [Fig.249]. HERBCEA(O) planta desprovida de caule lenhoso e persistente; que tem porte e textura de erva; como a planta do boto-de-ouro (Galinsoga parviflora Cav. - Fig.193) e da serralha (Sonchus oleraceus L.). FIGURA 193 Haste de Galinsoga parviflora. 188. H 205 HERMAFRODITA flor que contm os rgos masculinos (estames) e femininos (pistilo); o mesmo que flor bissexual. HESPERDIO fruto bacide, carnoso, indeiscente, freqentemente multis- seminado, originado de um ovrio spero, formado por vrios carpelos, nos quais no houve uma perfeita sincarpia das pores mais internas; com exocarpo mais ou menos delgado e cheio de glndulas, mesocarpo branco-esponjoso e endocarpo membranceo, dividido em gomos, revestidos de favos (plos sucosos) na poro interna e ricos em uma soluo aucarada, contendo uma qunantidade varivel de cidos orgnicos; como nos frutos da laranja (Citrus aurantiifolia (Christm.) Swingle - Fig.194), lima e limo, do gnero Citrus (Rutaceae). HETEROCARPIA com dois tipos de frutos na mesma planta. HETEROCARPO frutos da mesma espcie com caractersticas morfolgicas externas diferentes; o mesmo que anomocarpo; ocorre em certas espcies de Asteraceae (=Compositae) como Anthemis arvensis L., Calendula arvensis L., C. officinalis L., Glebionis coronaria (L.) Cass. ex Spach (=Chrysanthemum coronarium L.), Glebionis segetum (L.) Fourr. (=C. segetum L.), Hypochaeris glabra L., H. radicata L. e Picris echioides L. [Fig.23]. Ver disco, raio e aqunios heterocarpos. HETEROMORFO multiforme, polimorfo. HIALlNO que tem aparncia fina, seca, transparente e sem colorao. HIDROCORIA diz-se quando a disperso de disporos ocorre pela gua; como pode ocorrer em espcies de Rumex, que possuem tubrculos FIGURA 194 Hesperdio (seo transversal) de laranja. 189. 206 Glossario Ilustrado de Morfologia nas spalas. Ver anemocoria, autocoria, antropocoria, hidrocoria, ornitocoria e zoocoria. HIFA cada um dos elementos filamentosos que reunidos compem o miclio de um fungo. HIGRFITA planta hidrfila, que cresce em ambiente aqutico ou brejoso. HILO cicatriz, de forma, tamanho e colorao diversa, deixada no tegumento da semente e resultante da insero e separao do funculo, entre a semente e o fruto. O hilo um detalhe importante na identificao das sementes. Ex: sementes de ervilha (Pisum sativum L.) [Fig.310], feijo (Phaseolus vulgaris L.) [Fig.311], feijo-mido (Vigna unguiculata (L.) Walp.) e soja (Glycine max (L.) Merr.). Nas Fabaceae (Mimosoide e Caesalpinioideae) o hilo apical e pouco conspcuo [Fig.306, 307]; nas FabaceaePapilionoideae quase sempre lateral [Fig.308], com exceo de Lupinus e Eriosema, entre outros, onde o hilo tambm apical. Em certas Papilionoideae, o hilo se prolonga para alm da insero do funculo, em forma linear, no saliente, como uma linha mediana que to longa que circunda as sementes (hilo linear circundante Fig.195) ou apenas uma parte da semente (hilo linear semicircundante Fig.196). O hilo pode ou no ser contornado por uma excrescncia arilar; ou pode ser obscurecido por um tecido corticiforme ebranquiado, como em Vigna unguiculata (L.) Walp. [Fig.312]. Nas Poaceae (=Gramineae) o hilo visvel, na base da face ventral, como uma mancha escura, denominada de hilo, mancha hilar ou mancha hilaris [Fig.11D]. FIGURA 195 Hilo linear circundante de Dioclea macrocarpa: A-B-C- semente. 190. H 207 Hilo linear circundante contorna cerca de da circunferncia da semente, como em Dioclea microcarpa Huber [Fig.195], Mucuna urens (L.) Medik. e Vicia nigricans (Fabaceae-Papilionoideae). Hilo linear semicircundante contorna cerca de da circunferncia da semente, como em Ormosia continhoi (Meissn.) Baill. (Fabaceae-Papilionoideae - Fig.196). HIPANTO tlamo ou receptculo em forma de taa (ou urna) que circunda as flores com ovrio nfero, concresce com ele e no qual se inserem as spalas, ptalas e estames, como nos gneros Agrimonia e Sanguisorba (Rosaceae). O hipanto, quanto origem, pode ainda resultar da fuso parcial do clice, corola e androceu, pela base [Fig.197]. HIPOCTILO o eixo embrionrio da plntula e que se localiza imediatamente acima da radcula ou da raiz primria e abaixo da insero dos cotildones. Pode ser curto ou nulo nas plntulas com germinao hipgea e longo nas de germinao epgea. Os tecidos condutores do hipoctilo transferem gua e sais minerais em sentido ascendente e material de reserva em sentido inverso (descendente) [Fig.185B, 186, 188, 189C]. HIPOCREPIFORME em forma de ferradura. HIPOCRATERIFORME ou HIPOCRATERIMORFO diz-se da clice ou da corola gamoptala ou de outro rgo com longo tubo estreito e que, no pice, termina por um limbo que se expande abruptamente e que pode ser ntegro ou lobado [Fig.101S]. FIGURA 196 Hilo linear semicircundante de Ormosia continhoi: A- B- semente. FIGURA 197 Hipanto. 191. 208 Glossario Ilustrado de Morfologia HIPGEA ver germinao hipgea. HIPOGEU rgo subterrneo, que se encontra sob a superfcie do solo, embora, s vezes, tenha se originado na parte area da planta; no caso do amendoim, os frutos aps a fecundao so enterrados, pelo crescimento do pednculo [Fig.164]. HIPGINA(O) ou HIPOGNICA diz-se quando todas as estruturas que compoem a flor se encontram inseridas no tlamo mas em nvel inferior ao do ovrio [Fig.198]. HIRSUTA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por longos plos espessos e um pouco duros [Fig. 204G]. HSPIDA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por longos plos rgidos e duros (espinhos) [Fig. 204H]. HISPDULO diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por numerosos plos muito duros e curtos. Holcus sp. espiguetas pediceladas, comprimidas lateralmente, desarticu- ladas abaixo das glumas (gl) subiguais; antcio basal frtil e superior masculina (estaminada); lema do antcio superior dorsalmente curto- aristada; lemas esbranquiadas, muito comprimidas lateralmente, lisas e lustrosas; antcios com cerca de 2,5mm de coprimento por 0,5- 0,75mm de largura, em vista lateral, com lado ventral reto e dorsal fortemente arqueada abaixo da poro mediana e afilando-se para um FIGURA 198 Hipgina. 192. H 209 pice agudo [Fig.199]. A unidade-semente o antcio frtil. Seguem as caractersticas de duas espcies de Holcus: Holcus lanatus L. espiguetas com glumas (gl) granulosas, ligeira- mente curto-pubescentes e ciliadas nas nervuras da carena; gluma inferior 2-nervada e superior 3-nervada; antcio frtil lanceolado- ovalado, afilando para as extremidades e segmento da rquila (seg) filiforme, cerca de 0,5mm de comprimento, glabro e justaposto plea frtil (pf); lema frtil (lf) lisa, lustrosa e sem arista; lema do antcio superior com arista em forma de gancho; segmento da rquila do antcio superior ausente; calo praticamente glabro Fig.129A-C-F]. Holcus mollis L. espiguetas com glumas (gl) quase glabras e ciliadas nas nervuras da carena; lema do antcio basal sem arista; antcio frtil lanceolado-ovalado, afilando para as extremidades; segmento da rquila (seg) achatado e com esparsa e longa pubescncia; lema frtil superior (lf) com arista em forma de gancho; segmento da rquila do antcio superior ausente; calo praticamente glabro Fig.B-D-F]. Hordeum vulgare L. espigueta sssil, uniflora, geralmente com trs espiguetas presas no mesmo segmento da rquila; as duas laterais da trade estreis e pediceladas, a central com antcio frtil largo-elptico, sssil, espesso, duro e em vista lateral, com lado ventral convexo e dorsal quase reto; lema frtil lanceolada, 5-9-nervadas e arista com 15mm de comprimento (geralmente quebrada nas sementesa comerciais); plea frtil com 10-12mm de comprimento por 4mm de largura, lisa ou com dobras transversais, pice obtuso ou com trs pontas curtas; FIGURA 199 Holcus lanatus (A-C-F) e H. mollis (B- D-F): A-B- espigueta; antcio frtil: C- ventral, D- lateral; E-F- cariopse. 193. 210 Glossario Ilustrado de Morfologia segmento da rquila filiforme, com cerca de do comprimento da plea; cariopse com 7-11mm de comprimento, incluso no antcio ou solta [Fig.79, 80, 81]. A unidade-semente pode ser a trade de espiguetas com segmento da rquila aderido, ou apenas o antcio frtil, sem nenhuma estrutura acessria. Hydrocotyle umbellata L. (=Hydrocotyle bonariensis Lam.) cremocarpo cordiforme, fortemente comprimido lateralmente, com 1,5-2,0mm de comprimento por 2,0-2,5mm de largura, pice emarginado ou leve- mente truncado, base cordada e com 2 carpdios monosprmicos, que geralmente se mantm unidos mesmo aps a maturao; carp- dio com estiletes geralmente persistentes, no pice, sobre o reduzido estilopdio, com superfcie fosca, levemente rugosa, de castanho- amarelada a castanho-avermelhada, com cinco costelas longitudi- nais, lisas, mais claras, com uma costela lateral mais proeminentes (margem aguda) e as outras duas uma em cada lado, entre as costelas os tubos oleferos, de colorao levemente mais escura [Fig.109W-X]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. Hyparrhenia rufa (Nees) Stapf espcie muito polimorfa; espiguetas em pares, com os pares inferiores semelhantes, estreis e mticos; os pares superiores uma pedicelada, estril (ae) ou estaminada e outra sssil, frtil (af) e aristada (as); espiguetas elpticas, lado dorsal rufo-pubescentes (plos castanho-avermelhados) e bordos ciliados, com 3-5mm de comprimento, glumas iguais, cartceas, a inferior bidentada, com 3-4mm de comprimento, verdes e com manchas ruivas; lema frtil (lf) com arista (as) filiforfme, torcida, geniculada e de 20-25(-30)mm de comprimento; plea frtil em geral ausente; cariopse oblonga, com base aguda, onde se localiza a rea do FIGURA 200 Hyparrhenia rufa (Nees) Stapf (espigue- ta): A- antcio frtil (inferior e sssil) + antcio estril (superior e pedicelado); B- lado ventral; C- lado dorsal; D-cariopse com embrio (em). 194. H 211 embrio com cerca da do comprimento da cariopse [Fig.200]. A unidade-semente a espigueta ou antcio frtil. Hyptis sp. fruto artrocarpceo geralmente com quatro carceruldios, envolto pelo clice acrescente [Fig.53], pice com 5 projees filiformes ou 5 dentes; carceruldio de elptico a estreito-obovide ou oblongo-elptico ou quadrangular-comprimido, com lado dorsal convexa e ventral carenada, que a divide em duas faces; cicatriz de insero esbranquiada, em forma de V na base do lado ventral e suborbicular no dorsal, s vezes inconspcua em H. mutabilis e H. pectinata, pericarpo cartceo, fosco ou brilhante em H. pectinata), glabro, liso e microscopicamente reticulado ou alveolado (32X); semente inclusa no carceruldio, com tegumento membranceo; embrio axial, invaginado e reto; endosperma carnoso. A unidade- semente o carceruldio, s vezes com clice acrescente presente. Seguem as caractersticas diferenciais de espcies de Hyptis: Hyptis brevipes Poit. (=H. acuta Benth.; H. melanosticta Griseb.; H. brevipes var. serrata Briq.; H. brevipes var. vulgaris Briq.) clice infundibuliforme com 5,0-6,5mm de comprimento, tubo com 3,0- 3,5mm e as 5 projees filiformes com 2,0-3,0mm de compri- mento, externamente com esparsos, finos e curtos plos sim- ples e alvo translcidos, + densos no pice; carceruldio elptico ou estreito-obovide, com (0,8-)0,9-1,0(-1,2)mm de compri- mento e 0,4(-0,5)mm de largura por (0,2-)0,3mm de espessu- ra, carena ventral inconspcua, pericarpo castanho-amarelada- claro a escuro (imatura) ou preto (maduro) e microscopicamente reticulada [Fig.76A]. 195. 212 Glossario Ilustrado de Morfologia Hyptis lophanta Mart. clice tubuloso levemente curvado, com 5-7mm de comprimento, largamente reticulado (por nervuras longitutinais proeminentes e transversais menos pronunciadas), com 5 projees filiformes, externamente com esparsos plos alvo-translcidos, simples e com glndulas no pice, mais densa na poro apical; carceruldio elptico, com 1,4mm de comprimento e 1,0-1,1mm de largura por 0,6-07mm de espessura, lado dorsal curvada longitudi- nalmente, carena ventral arredondada, pericarpo de colorao palha, castanho-clara a escura ou preta, microscopicamente alveolado e malhas do alvolo mais escuras nos carceruldios claros [Fig.76B]. Hyptis mutabilis (A.Rich.) Briq. (=Nepeta mutabilis L.C.Rich.; H. spicata Poit.; H. canescens Kunth; H. polystachya Kunth; H. polystachya var. longiflora Benth.) clice campanulado com 4,5-6,0mm de comprimento, com 5 dentes apicais de 0,5-1,2mm de comprimento, tubo com base dilatada, levemente curvo, nervuras longitudinais e transversais proeminentes formando um reticulum com interespaos alongados, externamente curto piloso, com plos patentes curvados e com esparsas glndulas curto-pedunculadas; carceruldio elptico, com 1,0-1,3mm de comprimento e 0,6-0,8mm de largura por 0,4-0,5mm de espessura, carena ventral arredondada, pice truncado, pericarpo castanho-amarelado-claro a escuro ou preto, inconspicuamente transverso-rugoso e microscopicamente alveolado. Hyptis pectinata (L.) Poit. clice tubuloso com 2-4mm de compri- mento, semi-reto e com 5 dentes setiformes e pilosos; carceruldio oblongo-elptico, com 0,9-1,1mm de comprimento por 0,5mm de largura, carena ventral inconspcua, pericarpo castanho-claro (imatura) e preto (maduro) e microscopicamente reticulado [Fig.76C]. 196. H 213 Hyptis salzmanii Benth. clice em forma de taa, com 5 dentes cuneados e agudos, nervuras longitudinais proeminentes; carceru- ldio muito semelhante ao de H. suaveolens; ligeiramente menos largo, bordos mais retos, cicatriz de insero pouco menor e pericarpo microscopicamente reticulado. Hyptis suaveolens (L.) Poit. clice tubuloso com 8-13 mm de comprimento, reto, com 5 dentes de dois tamanhos, externamente piloso e internamente glabro; carceruldio quadrangular-comprimido, com 2,8-3,5mm de comprimento por 1,9-2,2 mm de largura, lado ventral e dorsal com carena conspcua, pice levemente emargi- nado e base abrupto-atenuada, pericarpo castanho-amarelado a castanho-avermelhado-claro (imatura) e castanho-escuro ou quase preto (madura), grosseiro e levemente rugoso (rugosidade ligeira- mente mais escura nos carceruldios claros) e microscopicamente reticulado. A rugosidade do pericarpo a nica diferena entre esta espcie e H. salzmanii [Fig.76D]. 197. 216 Glossario Ilustrado de Morfologia IMBRICAO modo de apresentao do boto floral. Ver imbricado. IMBRICADO tipo de preflorao onde h uma ptala totalmente externa, outra totalmente interna e nas demais um bordo recobre o outro [Fig. 201]. Mas tambm utilizado para o embrio axial curvado onde a base do eixo hipoctilo-radcula recobre o pice dos cotildones e num corte transversal da semente o embrio visto trs vezes; como em Solanum americanum Mill. [Fig.140D], S. asperolanatum Ruiz et Pav., S. atropurpureum Schrank, S. capsicoides All. [Fig.140F], S. grandiflorum Ruiz & Pav. e S. pseudocapsicum L. [Fig.]. Ver tambm circinado. IMPARIPINADA diz-se da folha pinada cujo eixo (rquis) termina por um fololo (pina); o conjunto tem um nmero mpar de fololos, sendo um em posio terminal [Fig.201]. IMPERMEVEL condio dos tegumentos da semente ou das membranas protoplasmticas que impedem a passagem da gua, outros lquidos e/ou gases. IMPUREZA termo mais genrico para definir material inerte na Anlise de Pureza. INCANO diz-se da superfcie de um rgo revestida por plos muito curtos, densos e dispostos to prximos que do a impresso da superfcie ser de coloroo branca. INCLUSO que est includo em, ou que est inserido em, ou dentro de alguma coisa. FIGURA 201 Imbricado. FIGURA 202 Imparipinada. 198. I 217 INCONSPCUO diz-se de um rgo vegetal normal, porm com dimenses muito reduzidas, sendo quase imperceptvel. INDEISCENTE que no se abre na maturidade; aplica-se geralmente as anteras e aos frutos, que no liberam o plen ou as sementes, contidas no seu interior. FIGURA 203 Superfcie (quanto ao indumento): A- espinhosa; B- aculeada; C- eriada (equinada); D- muricada; E- papilosa; F- tuberculada; G- pilosa; H- vilosa; I- glandulosa; J- pubescente; K- ciliada; L- fimbriada; M- lepidota; N- ramentcea; O- escamosa. FIGURA 204 Superfcie (quanto ao indumento): A- aracnide; B- barbada; C- escabrosa; D- estrigosa; E- flocosa; F- gloquidiada; G- hirsuta; H- hspida; I- puberulenta; J- setosa; K- sercia; L- tomentosa; M- urticante; N- velutino. 199. 218 Glossario Ilustrado de Morfologia INDUMENTO qualquer estrutura (cera, escamas, espinhos, plos ou tri- comas, etc.) que cobre a superfcie de um rgo (folhas, frutos e se- mentes) [Fig.203, 204]. INERME diz-se da superfcie de um rgo (folhas, frutos e sementes) que est desprovida de acleos e espinhos; desprovido de qualquer tipo de indumento. INFECO entrada e a disseminao de organismos patognicos no material vivo, como nas estruturas da plntula, no necessariamente mas frequentemente causa sintomas de doena e deteriorao. Infeco primria presena de organismos patognicos ativos na prpria semente. Infeco secundria presena de organismos patognicos dissemi- nados por outras sementes ou plntuIas. INFECCIONADA mostrando o efeito da presena do organismo patognico ou atividade fisiolgica anormal. INFECTADO portador do organismo patognico, mas no necessaria- mente mostrando sintomas de doena. NFERO diz-se do ovrio que fica abaixo do ponto de insero dos outros verticlios florais e que est soldado ao hipanto (hi) [Fig.205]; como nos gneros Coffea (Rubiaceae) e Psidium (Myrtaceae). Ver spero. INFESTAO ato ou efeito de infestar(-se). FIGURA 205 nfero. 200. I 219 INFESTADA quando a semente transporta um agente patognico, mas no apresenta sintomas da doena. INFLADO semelhante a uma bexiga; delgado, membranoso, ligeiramente transparente, uniformemente inchado, como se estivesse cheio de ar; como em Eichohrnia (Pontederiaceae) e no legume inflado de Bocoa mollis [Fig. 218]; o mesmo que inchado e intumescido. INFLORESCNCIA conjunto de flores; qualquer sistema de ramificao que termina em flores. INFRUTESCNCIA quando dois ou mais frutos (unidade-semente mltipla), provenientes de flores distintas, encontram-se envolvidas pelo receptculo comum do conjunto floral, formando uma infrutes- cncia. Tambm denominado de infrutescncia-semente ou fruto- semente. Ex: beterraba (Beta vulgaris L. Chenopodiaceae) com flores mltiplas (glomrulo) forma uma infrutescncia-semente, enquanto a acelga formado por uma flor solitria; outro ex: espinafre-da-Nova-Zelndia (Tetragonia tetragonioides (Pall.) Kuntze Aizoaceae - Fig. 333). INFUNDIBULIFORME diz-se da corola gamoptala em forma de funil, com tubo obcnico e que se alarga gradualmente em direo ao limbo [Fig.101C]; como a corola de Nicotiana (Solanaceae). INIBIDORES substncia que inibe o crescimento; ou substncia qumica que impede ou retarda a germinao. INCULO qualquer estrutura do patgeno capaz de iniciar ou causar doena. 201. 220 Glossario Ilustrado de Morfologia INSERO local onde um rgo se prende a outro. INTEGUMENTO estrutura que envolve e protege o vulo; pode(m) ocorrer um ou dois integumentos, o externo (primina - ex) e o interno (secundina - in) [Fig.171, 297]; que daro origem a testa e ao tgmen. INTEIRO quando a margem de um rgo lisa, no tem recortes. INTERN parte do embrio ou do eixo da plntula entre dois ns consecutivos; aplica-se tambm ao espao entre dois artculos de um fruto (lomento ou craspdio). INTRORSO dirigido para dentro. INVAGINADO termo usado para designar um tipo de embrio axial reto, com ntida delimitao entre os cotildones e o eixo hipoctiolo- radcula, que se manifesta pela base emarginada, cordada, sagitada ou auriculada dos cotildones e pela invaginao do eixo reto e basal entre os cotildones. Ver embrio invaginado. INVOLUCELO um invlucro secundrio, formado por um conjunto de pequenas brcteas na base das umbelas secundrias, de uma umbela composta; freqentemente circundando um glomrulo de flores; ou invlucro floral (involucelo), a corola tubulosa e o calculo modificado em papus (formado por cinco spalas estreitas e agudas, persistente no pice do aqunio), como em Scabiosa sp. e Scabiosa columbaria L. (Dipsacaceae - Fig.301]. 202. I 221 INVLUCRO um conjunto (anel) de pequenas folhas (brcteas) ou cerdas que circundam ou envolvem a base de uma flor ou de uma inflorescncia, como o captulo das Asteraceae (=Compositae) ou a umbela das Apiaceae (=Umbelliferae). Invlucro-de-brcteas ou brcteas-involucrais conjunto formado pelas brcteas involucrais internas da flor feminina que na maturao se tornam rijas e formam um invlucro que envolve o aqunio, como no gnero Acanthospermum (Asteraceae =Compositae - Fig.206). Ver a descrio das espcies. Invlucro-de-cerdas em Poaceae (=Gramineae) se refere ao conjunto formado por uma srie de brcteas das flores femininas que concrescem na parte inferior e na maturao se tornam mais ou menos rijas e espinhosas (invlucro-de-cerdas-espinhosas), como no gnero Cenchrus, em Pennisetum setigerum (Vahl) Wipff (=Cenchrus setiger Vahl - Fig.207) e C. incertus M.A. Curtis (= C. pauciflorus Benth. - Fig.209A), ou so mais delgadas (invlucro- de-cerdas) e s vezes plumosas, como no gnero Pennisetum setosum (Sw.) Rich. (= P. polystachion (L.) Schult. subsp. setosum (Sw.) Brunken Fig.209B) . O invlucro-de-cerdas encerra de 1-5 espiguetas. Ver a descrio das espcies. Invlucro-gamfilo em Asteraceae (=Compositae) se refere ao conjunto formado pelas brcteas foliceas da flor feminina, concrescidas entre si e que na maturao se tornam rijas e encerram um aqunio, como no gnero Ambrosia [Fig.208A-B] e dois no gnero Xanthium [Fig.208C-D]. Ver descrio das espcies. FIGURA 206 Invluco-de-brcteas de Acanthosper- mum: A- A. australe; B- A. hispidum. FIGURA 207 Pennisetum setigerum: A- in- vlucro-de-cerdas; B- espi- gueta; C-antcio frtil. 203. 222 Glossario Ilustrado de Morfologia FIGURA 208 Invlucro-gamfilo: A- Ambrosia artemisiifolia; B- Ambrosia polystachya; C- Xanthium struma- rium; D- Xanthium spinosum. INVOLUTA diz-se da folha com os bordos voltados para a face inferior [Fig.279C]. Oposto a revoluta. Ipomoea sp. a forma da semente depende do nmero de sementes maduras que se formam no fruto (cpsula septfraga), variando de globosa, obovide-cuneiforme ou ovide-cuneiforme a oblonga- ovide, em seo transversal cuneiforme ou circular; lado dorsal com ou sem sulco mediano; rea hilar ovalada ou de obovada a orbicular, oblqua e no lado ventral abaixo da carena; com hilo orbicular, do tipo ipomoea, geralmente emarginado na base e circundado por um sulco ou ranhura e por uma costela hipocrepiforme, com as extremidades elevadas e abertura voltada para a base; embrio axial, contnuo, com curto eixo hipoctilo-radcula reto e com cotildones foliceos, bilobados e plicados [Fig.210]. Ver Convolvulus [Fig.105]. Seguem as caractersticas diferenciais das sementes de espcies de Ipomoea: Ipomoea cairica (L.) Sweet. (= Convolvulus cairicus L.) semente geralmente globosa-cuneiforme e de irregularmente orbicular a ovide ou suborbicular em contorno, com 4,4-5,0(-6,0)mm de comprimento por 4,8-5,0(-6,0)mm de largura e 4-5mm de espessura; lado dorsal fortemente convexo e com estreito e raso sulco mediano; faces ventrais fortemente convexas; carena arredondada inconspcua; hilo suborbicular, com 1,3-1,5mm de dimetro, de plano a levemente afundado, spero, fosco, com tomento castanho- avermelhado-claro, com base emarginada e circundado por um sulco de colorao ligeiramente mais clara; na base do hilo com duas pequenas projees inconspcuas; superfcie spera, fosca, revestida por curto tomento uniforme, ferrugneo e com plos simples, ligeiramente maiores e esbranquiados, dando semente 204. I 223 uma colorao de castanho-amarelada a acastanho-avermelhada- clara e na margem com macios plos lanosos, esbranquiados e de 5mm ou mais de comprimento [Fig.210D]. Ipomoea hederacea (L.) Jacq. (= Convolvulus hederaceus L.) semente geralmente ovide-cuneiforme e de ovalada a elptica em contorno, com (4,0-) 4,7-5,5(-6,0)mm de comprimento por (2,5-)3,0-4,0mm de largura e 3,0-3,5mm de espessura; lado dorsal fortemente convexo, com ou sem sulco mediano largo e raso; faces ventrais geralmente irregularmente deprimidas mais perto da margem; carena obtuso-arredondada, margem com conspcua listra estreita e que separa os dois lados; hilo orbicular, com 0,5-0,6mm de dimetro, afundado, spero, fosco, com densos e grossos plos muito curtos e cinza-avermelhados, base inconspicuamente emarginada e com duas pequenas projees estreito ovaladas e revestidas por tomento; superfcie spera, fosca, parecendo miudamente pontilhada (20X), devido ao curto revestimento tomentoso uniforme, fino e preto, com diminutos e esparsos plos simples e translcidos (10X ou mais), dando semente uma colorao que varia do preto-acinzentado ao preto ou castanho- escura, quando o tomento est parcialmente removido e os plos cairam [Fig.210F]. Ipomoea hederifolia L. (= Quamoclit hederifolia (L.) Choisy) semente geralmente de subglobosa-cuneiforme a ovide-cuneiforme e de suborbicular a largo-elptica em contorno, com (3,0-)3,5-3,8(-4,0) mm de comprimento por (2,5-)3,0-3,5mm de largura e 2,0-2,5(-2,8) mm de espessura; lado dorsal irregularmente convexo, com largo sulco raso, s vezes, com estreito sulco raso em cada lado do FIGURA 209 Cenchrus incertus (A) e Pennisetum setosum (B): invlucro-de-cerdas. 205. 224 Glossario Ilustrado de Morfologia sulco mediano; faces ventrais geralmente planas ou levemente arqueadas, s vezes afundada; carena aguda; rea hilar com cerca de 0,8mm de dimetro, com densos plos simples, longos, grossos, ruivo-translcidos e adpressos do bordo para a base da semente; hilo orbicular, levemente afundado, com 0,4mm de dimetro, spero e fosco; com duas pequenas projees na base do hilo, inconspcuas por estarem encobertas por plos iguais aos do hilo; superfcie fosca, spera, revestida por tomento preto e por densos plos simples, alvo- e ruivo-translcidos, formando manchas irregularmente argnteas [Fig.210B-G]. Ipomoea indivisa (Vell.) Hall. (= Convolvulus indivisus Vell., Quamoclit indivisa (Vell.) Hall.) semente geralmente de subglobosa a obovide- cuneiforme, com 3-4mm de comprimento e largura por 2,0-2,5(-3,0) mm de espessura; lado dorsal fortemente convexo e com duas reas longitudinais denso-pubescentes; faces ventrais levemente cncavas perto do pice; carena obtusa e, s vezes, aguda ou inconspcua perto do pice; hilo de largo-elptico a obovado, com 0,6-0,7mm de comprimento por 0,9-1,0mm de largura, afundado, spero, castanho-avermelhado, com diminutos e esparsos plos translcidos e, s vezes, ligeiramente encoberto pelos plos da carena; hilo circundado por estreito sulco glabro e pela costela hipocrepiforme, com longapilosidade (que pode estar removidada quando misturada as sementes comerciais); superfcie fosca, spera, revestida por curto tomento uniforme e castanho-escuro ou preto, margem e reas longitudinais do lado dorsal com longos e densos plos de colorao cpreo-translcida, faces e carena com plos irregulares de colorao cprea ou amarelada-translcida, mais curtos do que os plos da margem e do lado dorsal. 206. I 225 Ipomoea nil (L.) Roth (= Ipomoea longicuspis Meissn.) semente ge- ralmente estreito-obovide-cuneiforme, com (4,0-)4,5-6,0mm de comprimento por 3,0-3,5(-4,0)mm de largura e (3,0-)3,5-4,0mm de espessura; lado dorsal fortemente convexo e com largo e pro- fundo sulco mediano; faces ventrais de planas a levemente cn- cavas; carena obtusa; margem com conspcua delimitao entre os dois lados; rea hilar revestida com densos plos simples, ful- vo-translcidos, adpressos e dirigidos para o centro; hilo oblon- go, com 1,0(-1,1)mm de comprimento por 0,6-0,7mm de largura, afundado e avermelhado; na base do hilo com duas pequenas projees lineares; superfcie do tegumento fosca, spera, re- vestida por curto tomento preto, uniforme e com diminutos plos fulvo-translcidos, deitados nas faces (da margem carena) e eretos no lado dorsal; essa disposio dos plos na superfcie d a delimitao da margem; plos facilmente removveis com o manuseio [Fig.210A]. Ipomoea pes-caprae (L.) R. Br. (= Convolvulus pes-caprae L.) semente geralmente ovide-cuneiforme e largo-elptica em contorno, com 6,5-7,0(-7,7)mm de comprimento por 6,5-7,0mm de largura e 4-5mm de espessura; lado dorsal fortemente convexo, faces ventrais ligeira-mente cncavas; carena conspcua; hilo orbicular, com 2,5-3,0mm de dimetro, no afundado, amarelado, pubescente e com conspcuo e profundo emarginado na base; hilo circundado por denso anel de plos fulvos a prateados; superfcie spera, fosca, revestida por tomento aveludado castanho-mdio e por densa pilosidade de curtos plos plidos. 207. 226 Glossario Ilustrado de Morfologia Ipomoea purpurea (L.) Roth semente geralmente ovide-cuneiforme e de estreito-obovada a estreito-elptica em contorno, com (3,5-) 4,0-4,4(-4,5)mm de comprimento por 2,5-3,0(-3,5)mm de largura e (2,0-)3,0-3,5mm de espessura; lado dorsal fortemente convexo e com largo sulco mediano raso; faces ventrais geralmente com uma ou duas dobras transversais; margem com fina costela que separa os dois lados; hilo orbicular, com (0,5-)0,6-0,7mm de dimetro, no afundado, inconspicuamente emarginado na base, glabro, spero, geralmente circundado por um anel de diminutos plos de alvo-translcidos a argnteos, caidios, localizados sobre a salincia hipocrepiforme e que encobrem o sulco que circunda o hilo; com duas pequenas projees estreito-ovaladas na base do hilo; superfcie spera, fosca, parecendo miudamente pontilhada (10X), revestida por curto tomento preto, uniforme e por diminutos e esparsos plos simples, translcidos e que do semente a colorao negro acinzentada [Fig.210H]. Ipomoea quamoclit L. (= Quamoclit pinnata Bojer) semente geralmente alongado-ovide e de ovalado em contorno, com (4,4-)5,0-5,5mm de comprimento por 2,1-2,3(-2,5)mm de largura e 1,9-2,1mm de espessura; lado dorsal mais convexo na inferior, principalmente perto da base, sem sulco mediano; faces ventrais de planas a arqueadas; carena arredondada inconspcua; hilo orbicular, com 0,9mm de dimetro, afundado, inconspicuamente emarginado na base, com tomento preto mais longo do que o do tegumento, circundado por salincia hipocrepiforme com densos plos simples e pretos; com duas projees estreito-ovaladas na base do hilo; superfcie pera, fosca, parecendo miudamente pontilhada (10X), revestida por curto tomento preto ou castanho-escuro (30X), de 208. I 227 diferentes comprimentos e com diminutos plos alvo-translcidos em tufos, que do semente o aspecto rugoso e irregularmente manchado de cinza [Fig.210I]. Ipomoea ramosissima (Poir.) Choisy (= Ipomoea cynanchifolia Meissn.) semente geralmente ovide-cuneiforme e de ovalada a largo- elptica em contorno, pice agudo e com (3,3-)3,7-4,3(-4,5)mm de comprimento por 2,0-2,7(-3,0)mm de largura e 1,8-2,1mm de espessura; lado dorsal convexo, com estreito sulco mediano raso, mais claro do que o resto do tegumento e que, s vezes, se reduz a uma listra longitudinal; faces ventrais planas ou deprimidas no centro; carena obtusa; margem geralmente com conspcua listra estreita que separa os dois lados; rea hilar orbicular e com 1,0mm de dimetro; hilo orbicular, com 0,4mm de dimetro, levemente afundado, amarelo-alaranjado ou castanho-avermelhado, mais escuro do que o tegumento, com base emarginada e circundado por um sulco mais claro do que a testa; superfcie lisa, levemente lustrosa, de colorao castanho-escura, glabra e finamente alveolada (30X) [Fig.210C]. Ipomoea rubiflora ODonell semente geralmente ovide- cuneiforme e largo-ovalada em contorno, com 3,5-4,0mm de comprimento por 3,0mm de largura e 2,2-2,5mm de espessura; lado dorsal convexo, com largo e profundo sulco mediano, geralmente mais escuro do que o resto do tegumento; faces ventrais cncavas ou levemente convexas; carena obtusa, s vezes, subaguda ou inconspcua; rea hilar s vezes encoberta por plos da carena; hilo orbicular, com 0,7-0,8mm de dimetro, afundado, spero, fosco, castanho-avermelhado-claro e revestido 209. 228 Glossario Ilustrado de Morfologia por longos plos amarelado-translcidos; na base do hilo com duas inconspcuas projees largo-ovaladas, muito prximas uma da outra e, s vezes, encobertas por plos da margem; superfcie spera, fosca, revestida por curto tomento castanho- acinzentado-claro e castanho-avermelhado, nas faces com curtos plos irregularmente distribudos e com longos plos na margem e em ambos os lados do sulco dorsal, que do superfcie a aparncia manchada. Ipomoea triloba L. (= Ipomoea grandifolia (Dammer) ODon.) semente geralmente ovide-cuneiforme e de largo-ovalada a largo- elptica em contorno, pice obtuso e com 3,0-3,7(-4,1)mm de comprimento por 2,5-2,7(-3,2)mm de largura e cerca de 2,0mm de espessura; lado dorsal fortemente convexo e com estreito e raso sulco mediano, mais claro do que o resto do tegumento e que, s vezes, se reduz a uma listra; faces ventrais planas e s vezes desiguais; carena aguda; hilo orbicular, com 0,4mm de dimetro, levemente afundado, com base emarginada, glabro, castanho- claro ou mais escuro do que o tegumento, circundado por um sulco levemente mais claro do que o tegumento ou de colorao amarelo-alaranjada e por uma salincia hipocrepiforme e com extremidades elevadas; superfcie lisa, levemente lustrosa, de colorao castanha ou quase preta, glabra e finamente alveolada (30X) [Fig.210E-J]. IRREGULAR usado quando a simetria das partes distribuda por desigual; como a corola labiada e a violeta so irregulares. FIGURA 210 Semente de Ipomoea (lado ventral): A- I. nil (L.) Roth; B-G- I. hederifo- lia; C- I. ramosissima; D- I. cairica; E-J- I. triloba; F- I. hederacea; H- I. purpurea; I- I. quamoclit. 210. I 229 ISTMO estreito ponto de unio entre dois artculos (ar) de um lomento, como em Desmodium tortuosum (Sw.) DC. (Fabaceae =Leguminosae Papilionoideae Fig.227C); ou entre dois artculos (segmentos segm) de uma sliqua lomentcea de Raphanus raphanistrum L. (Brassicaceae =Cruciferae Fig.321A-A-A). ISTMOCRPO legume ou lomento com os artculos separados por costries, mas sem septos transversais. 211. 232 Kummerowia stipulacea (Maxim.) Makino (=Lespedeza stipulacea Maxim.) legume oval-arredondado, com curto rostro apical, unisseminado, com 3,0-3,5mm de comprimento por 2,5mm de largura, com retculo conspcua, ligeiramente curto-pubescente e envolto pelo clice e pelas brcteas; clice 5-lobulado, cerca da do comprimento do fruto, lbulos largos, obtusos e glabros; 3-brcteas basais com mais da do comprimento do clice [Fig.215B-C-G]. A unidade-semente o legume ou a semente. Kummerowia striata (Thunb.) Schindl. (=Lespedeza striata (Thunb.) Hook. & Arn.) legume largo-elptico, unisseminado, com rostro uncinado ou inconspcuo, com retculo tnue, ligeiramente pubescente e envolto pelo clice e pelas brcteas; clice 5-lobulado, com do comprimento do fruto, lbulos largos, obtusos e denso-pubescente ao longo das margens dos lbulos; 3-brcteas basais estreitas, menores do que a do comprimento do clice e com nervuras conspcuas [Fig.215A-F]. A unidade-semente o legume ou a semente. Kyllinga brevifolia Rottb. (= Cyperus brevifolius (Rottb.) Hassk.) glumas frteis lanceoladas e carena espinulosa; ncula obovado-elptica, bicon- vexa, com 1,0-1,2mm de comprimento por 0,8mm de largura, pice de arredondado a truncado e apiculado, afila gradativamente para uma base larga; pericarpo crustceo, com superfcie lisa, glabra, levemente lustrosa, de colorao amaraleda a castanho-escura, revestida por fina camada ceride, com uma rede de malhas finssimas [Fig.115Y], translcidas e que lhe d o aspecto reticulado (30X) [Fig.115Z-Z-Y- Y-Y]. A unidade-semente a ncula, com ou sem as glumas.) (= Kyllinga cayennensis Lam.) ver Cyperus aggregatus (Willd.) Endl. Glossario Ilustrado de Morfologia 212. 234 Glossario Ilustrado de Morfologia LABIADO(A) diz-se da corola simptala (gamoptala e zigomorpha) de cinco ptalas, das quais duas superiores so soldadas e formam uma poro, que se ope inferior, constituda por trs ptalas soldadas, com aspecto de lbio [Fig.101B]; tambm usado para o clice que apresenta dois lbios, por isso o termo mais usado o bilabiado; podem ocorrer plantas com corola ou clice labiado. Termo frequentemente usado em vez de ringente. LACNIA diz-se quando os bordos de qualquer rgo laminar (folhas, ptalas, etc.) esto recortados em profundos e estreitos segmentos pontiagudos [Fig.211]. LACINIADO que tem lacnias (la) [Fig.211] LACRIMIFORME em forma de lgrima; o mesmo que piriforme, s que os lados do cone invertido no so contrados [Fig.100E]; como a semente da ma. LACTESCENTE leitoso; que tem ltex. LACTFERO que produz ltex. LACUNAR lacunoso; que tem lacunas. LACUNOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que tem numerosas escavaes grandes e profundas [Fig.295E]. LADO ver face. LAMIACEAE nome vlido para a famlia Labiateae. FIGURA 211 Laciniado. 213. L 235 LMINA poro expandida (l) da folha; o mesmo que limbo [Fig.172-l]. LANCEOLADO(A) quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de lana, se afila para as extremidades; muito mais longo do que largo, de trs a quatro vezes a largura [Fig.103B]. LANOSA diz-se da superfcie de um rgo revestida por curtos plos densos, finos, sedosos e semelhantes a l. Lantana sp. nuculnio com mesocarpo carnoso-sucoso na maturao e fibroso aps desidratado; endocarpo de textura ssea (aparncia de caroo) e geralmente com restos do mesocarpo aderido; lados fortemente convexos, insero basal orbicular, superfcie lustrosa e lisa na maturao e enrugado-escavada aps desidratado; pirnio com dois lculos [Fig.242]. A unidade-semente o nuculnio. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Lantana: Lantana camara L. nuculnio globoso-cuneiforme, de roxo-escuro a preto; com 3,2-5,0(-6,0)mm de comprimento por (2,5)3,0-4,5(-5,5)mm de largura e espessura, insero basal mais clara do que oexocarpo; nuculnio obovide com mesocarpo removido e orbicular em seo transversal, afilando gradativamente para uma base obtusa com abertura em forma de V (visto pelo lado ventral), com 3,0-4,8(-5,5) mm de comprimento por 2,1-4,1(5,0)mm de largura e espessura; lado dorsal mais convexo do que o ventral, essse com estreito sulco escuro e que percorre parte do lado; cavidade de tamanho e forma irregular, no pice do lado ventral e entre os lculos do pirnio; superfcie do endocarpo de amarelada a castanho-amarelada ou castanho-avermelhada, fosca, com poro basal lisa e da poro mediana ao pice com espessamento irregular e com retculo de 214. 236 Glossario Ilustrado de Morfologia malhas escuras, irregulares, que do o aspecto pero-rugoso superfcie [Fig.242B-B-B-C-D]. Lantana lilacina Desf. nuculnio oblongo-globoso, castanho, com 2,8-3,5(-4,0mm de comprimento por (2,2-)2,5-3,2mm de largura e (2,0-)2,2-2,5mm de espessura, insero basal da mesma colorao do exocarpo; nuculnio oblongo-globoso com mesocarpo removido e transverso elptico em seo transversal, com 2,7-3,4(-3,9)mm de comprimento por (2,1-)2,4-3,1mm de largura e (1,9-)2,1-2,4mm de espessura; lado levemente convexos e com um sulco largo e ligeiramente mais escuro no centro do lado ventral; pice apiculado e base sem fenda, cavidade interna reduzida a estreita fenda entre os lculos do pirnio; superfcie do endocarpo de castanho-clara a castanha, levemente brilhante, com interespaos irregulares e profundos [Fig.242A-A]. LANUGINOSO diz-se da superfcie revestida com numerosos plos finos semelhantes a l. LARVA o primeiro estdio dos insetos, depois da ecloso dos ovos. LATNCIA o estado de repouso fisiolgico onde a semente pode se encontrar quiescente ou dormente; condio que impede a germinao de sementes viveis, mesmo sob condies favorveis de temperatura, luz e umidade. LTEX suco leitoso, como o de algumas espcies de Euphorbiaceae (Hevea, Euphorbia). 215. L 237 LAXO frouxo. LEGUME fruto simples, seco, deiscente, unicarpelar, multisseminado, de tamanho e formas variadas; abre-se longitudinalmente ao longo da sutura ventral (bordos de unio dos carpelos) e da nervura mediana (principal) da folha carpelar. A deiscncia pode ser elstica explosiva, como em Calliandra spp. [Fig.212C-C]. Aps a deiscncia as valvas podem permanecer retas ou se torcer, como em Bauhinia sp. [Fig.212A] ou ficar espiraladas, como em Anadenanthera pavonina L. [Fig.212B]. Fruto comum das Fabaceae (=Leguminosae), como de ervilha [Fig.213], feijo [Fig.214], soja, dos quais existem diversos tipos: Legume bacide fruto indeiscente com mesocarpo polposo. A morfologia desse tipo de fruto evidencia uma adaptao do pericarpo disperso zoocrica; pode ser cilndrico, oblongo- cilndrico, toruloso ou levemente comprimido, com epicarpo mais ou menos carnoso e mesocarpo de consistncia carnosa ou gelatinosa. Ocorre em Tamarindus indica L. (fruto com mesocarpo polposo-gelatinoso e epicarpo que se desprende totalmente, deixando apenas as pores fibrosas dos bordos, sementes com pleurograma - Fig.216A); em Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. e Caesalpinia peltophoroide Benth. (Fabaceae- Caesalpinioideae); em Pithecellobium inopinatum (Fabaceae- Mimosoideae - Fig.216B-C) o fruto oblongo-cilndrico, lenhoso ou coriceo e mesocarpo, quando seco, fibroso, semente com pleurograma apical-basal, embrio com plmula diferenciada em pinas. Legume indeiscente Medicago sp. e Onobrychis sp. [Fig.217]. FIGURA 212 Legume de: A- Bauhinia sp.; B- Anadenanthera pavonina; C-C- Calliandra spp.: A- valvas torci- das; B- valvas espiraladas; C- C- com deiscncia elstica explosiva e valvas retrorsas. FIGURA 213 Legume de ervilha. 216. 238 Glossario Ilustrado de Morfologia Legume inflado uniformemente inchado, como se estivesse cheio de ar, como em Bocoa mollis (Benth.) R.S. Cowan (Fabaceae Papilionoideae - Fig.218). Legume nucide fruto indeiscente ou tardiamente deiscente, com pericarpo seco e mesocarpo, quando visvel, lenhoso-fibroso ou fibroso-esponjoso, mas nunca se diferencia em polpa tpica. O legume nucide distingue-se da ncula por ser um fruto sempre oligospermo ou polispermo. Encontrado em Arachis hypogaea L., Parkia multijuga Benth. (FabaceaePapilionoideae - Fig.219A-B), Dioclea macrocarpa Huber, Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. (FabaceaeMimosoideae - Fig.219C-D). Legume nucide com aspecto moniliforme ocorre em Sophora tomentosaL.(FabaceaePapilionoideae-Fig.220A),Pithecellobium dulce (Roxb.) Benth. (FabaceaeMimosoideae - Fig.220B) e Parkinsonia sp. (FabaceaeCaesalpinioideae - Fig.220C). Legume samaride fruto seco indeiscente, plano e comprimido, com adaptaodispersoanemocricaecomumaapoucassementes. Distingue-se da smara porque a ala e o ncleo seminfero no so bem delimitados e as alas no so originadas dos carpelos, mas sim de outras partes florais, como do clice acrescente no pice, no gnero Erisma (Vochysiaceae); ocorre em Cedrelinga catenaeformis (Ducke) Ducke [Fig.221A], Dinizia excelsa Ducke (com frutos plano-convexos e cartceos), nos gneros Apuleia (legume samaride no apresenta ncleo seminfero distinto da ala - Fig.221D), Bowdichia, Dalbergia, Derris [Fig.221C], Lonchocarpus [Fig.221B] e Sweetia (Fabaceae =Leguminosae). FIGURA 214 Legume de Phaseols vulgaris: A- seo longitudinal mostrando as sementes presas na margem do carpelo; B- seo transversal. FIGURA 215 Legume de Lespedeza e Kummerowia: A-F- Kummerowia striata; B-C-G- K. stipulacea; D-E- Lespedeza cuneata; A-B- legume com clice + brcteas; C-E- legume D- legume com clice; F-G- semente. 217. L 239 FIGURA 216 Legume bacide: A-Tama- rindus indica; B- Caesalpinia peltophoroides; C- C. ferrea. FIGURA 217 Legume indeiscente: A- Medicago sp.; B- Onobrychis sp. FIGURA 218 Legume inflado de Bocoa mollis: A - fruto fechado; B- fruto em incio de deiscncia. FIGURA 219 Legume nucide: A- Arachis hypogaea; B- Parkia multijuga; C- Dioclea macrocarpa; D- Enterolobium contortisiliquum. FIGURA 220 Legumes nucides com aspecto moniliforme: A- Sophora tomen- tosa; B- Pithecellobium dulce; C- Parkinsonia sp. 218. 240 Glossario Ilustrado de Morfologia LEGUMINOSAE sinnimo de Fabaceae. LEMA glumela inferior ou externa (bractola frtil - lf) da espigueta das Poaceae (=Gramineae), localizada na base de cada flor (antcio) e que envolve a cariopse pelo lado dorsal (externo) [Fig.11A-lf]. No eixo da rquis situa-se mais abaixo e envolve a base da plea. Possui a nervura mediana mais ou menos perceptvel, alm das laterais no muito visveis. Lema estril a glumela inferior (le) de um antcio estaminado; o antcio estaminado pode estar reduzido apenas a glumela inferior [Fig.157, 158A-le]. LENHOSO diz-se de um rgo vegetal que apresenta natureza, aspecto e consistncia do lenho ou da madeira. LENTICULAR em forma de lente duplamente convexa ou de lentilha [Fig.100I]; como as sementes de Amaranthus e Chenopodium. Lepidium sp. com silcola de ovada a orbicular, alada ou no, com duas valavas, cada uma unisseminada e geralmente com estilete apical remanescente no pice [Fig.318,319]; semente de ovada a obovada, fosca, pice arredondado, base geralmente atenuada e com hilo, sulco longitudinal conspcuo,retoouligeiramenteencurvado,quecorredohilo para o centro da semente (separando internamente o eixo hipoctilo-radcula dos cotildones, ambos do mesmo comprimento). Seguem as caractersticas diferenciais das silcolas e das sementes de espcies de Lepidium: Lepidium bonariense L. com silcola ovada-elptica a quase orbicular, levemente reticulada, pice com estilete (est) ausente ou inconspcuo [Fig.319A]. FIGURA 221 Legumes samarides: A- Cedrelinga catanaeformis; B- Lonchocarpus sp.; C- Derris guianensis; D- Apuleia sp. Fonte C-D: Barroso et al. (1999). 219. L 241 Lepidium campestre (L.) R. Br. com silcola largo-ovada, comprimida na poro superior, ala marginal, base estreita, pice emarginado e com estilete (est) geralmente persistente [Fig.319B]; semente obovada, de castanho-escura a castanho-avermelhada, granular, com 2,0-2,2(-2,5) mm de comprimento por 1,1-1,5mm de largura, se afila convexamente do pice para a uma base aguda com hilo claro, sulco conspcuo. Lepidium draba L. (=Cardaria draba (L.) Desv.) com silcola de ovada a elptica, frequentemente [Fig.319C]; semente de largo-ovalada a largo-obovada, de castanho-escura a castanho-preta, finamente granulosa-reticulada, com 1,8-2,2(-2,5)mm de comprimento por 1,2-1,5(-2,0)mm de largura e 0,8-1,0mm de espessura, com conspcuo sulco ligeiramente encurvado, base com hilo esbranqui- ado e levemente protuberante. Lepidium ruderale L. com silcola ovada, muito comprimida, com pice emarginado, estreito-alada e geralmente com estilete (est) persistente [Fig.318A-B, 319D]; semente ovalada, de amarelo- escura a amarelo-acinzentada, lisa, com 1,2-1,4mm de compri- mento por 0,6-0,8mm de largura e 0,2-0,8mm de espessura, com conspcuo sulco quase reto, base com duas pontas quase inconspcuas e hilo branco. Lepidium sativum L. com silcola orbicular-ovada, com pice largo- alado e emarginado [Fig.319E]; semente ovalada, de castanho- avermelhada-cla a escura, lisa, com 2,3-3,0mm de comprimento por 1,0-1,5mm de largura e 0,6-1,4mm de espessura, margem cotiledonar reta e margem do eixo hipoctilo-radcula curvada, com conspcuo sulco curvo, base com duas pontas e hilo esbranquiado. 220. 242 Glossario Ilustrado de Morfologia Lepidium virginicum L. com silcola orbicular (globosa), com pice estreito-alada e largo-emarginada [Fig.31F]; semente de ovalada a obovada, comprimida, alaranjada ou de castaho-alaranjada a castanho-avermelhado-clara, miudamente tuberculada (que acompanha o contorno da semente), com (1,1-)1,5-2,0)mm de comprimento por 0,8-1,2(-1,3)mm de largura e 0,2-0,3(-0,4) mm de espessura, hilo basal esbranquiado; ala geralmente translcida, miudamente tuberculada, de 0,1mm de largura e que s no circunda o bordo cotiledonar; muitas vezes com margem cotiledonar reta e a do eixo hipoctilo-radicula convexa, com sulco mais acentuado na poro mediana. LEPIDOTA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta coberta com pequenas escamas peltadas, isto , a escama arredondada e se fixa no centro [Fig.203M]. Lespedeza cuneata (Dumont) G. Don. legume unisseminado, castanho- avermelhado-escuro, com 3-5mm de comprimento por 1,7-2,0mm de largura, com retculo tnue, pubescente no pice e ao longo dos lados; clice basal com mais da at do comprimento do fruto, fendido at quase a base e com lbulos estreitos, acuminados e pubescentes; brcteas ausentes [Fig.215D-E]. LIGNIFICADO diz-se de qualquer parte da planta que se encontra impregnada de lignina, portanto adquire textura de madeira. LGULA apndice membranceo, que ocorre na juno do pecolo das folhas com a bainha [Fig.222], nas Poaceae (=Gramineae) como no capim-p-de-galinha (Eleusine indica (L.) Gaertn.); nas flores das FIGURA 222 Lgula. 221. L 243 espcies da famlia Asteraceae (=Compositae) denomina-se de lgula corola gamoptala e zigomorpha, tri- ou pentadentada, das flores da periferia ou de todas as flores do captulo; ocorre nos gneros Chrysanthemum,Coleostephus,Glebionis,Leucanthemum e Tanacetum. LIGULADO(A) provido de lgula; quando as ptals unidas formam uma nica lgula. LIGULIFORME em forma de lgula. LIMBO parte expandida (l) de uma folha (lmina) [Fig.172-l]. LINEAR diz-se quando um rgo (folha, fruto, semente ou embrio) estreito, reto, com bordos paralelos e geralmente mais longo do que largo; como as folhas das gramneas [Fig.103A]; embrio axial [Fig. 139 a 147]. LINTER penugem que permanece nas sementes de algodo aps o beneficiamento. LIRADO(A) o mesmo que panduriforme, mas com vrias sinuosidades em cada lado e que diminuem da poro mediana para a base [Fig.102 K]; como as folhas de Raphanus rhaphanistrum L. (Brassicaceae =Cruciferae). LISA(O) diz-se da superfcie plana, sem nenhuma elevao ou aspereza aparente, geralmente lustrosa. LOBADO(A) diz-se de um rgo provido de lobos, isto , de recortes pouco profundos e arredondados. 222. 244 Glossario Ilustrado de Morfologia LOBO diz-se do rgo com recorte(s) pouco profundo(s) e arredondado(s). LOBULADO diz-se do rgo provido de (ou dividido em) lbulos. LBULO diz-se do rgo com pequeno lobo (lb) [Fig.54A-lb]. LOCULICIDA diz-se do fruto (cpsula) que apresenta deiscncia ao longo da nervura mediana. Ver cpsula loculicida [Fig.62, 63, 64]. LCULO cavidade (lo) de um rgo, em geral de um esporngio, antera, ovrio ou fruto, contendo respectivamente os esporos, gros de plen, vulos ou sementes [Fig.54B-C-lo]. LODCULA o mesmo que glumlula; duas ou trs escamas hialinas, rudimentos ancestrais do perianto, adpressas base do ovrio [Fig. 223-lod] e da espigueta, como em Poaceae (=Gramineae) nos gneros Oryza [Fig.157] e Phalaris [Fig.269-lod]. Lolium sp. espiguetas multifloras (unidade-semente mltipla), ssseis, comprimidas, alternas sobre o eixo central, se desarticulam acima das glumas e entre os antcios; com duas glumas (inferior e superior); gluma inferior geralmente ausente, exceto na espigueta terminal; antcio frtil oblongo, com lema (lf) 5-7-nervada, convexa, granulosa, esparso- pubescente ou glabra, membrancea no pice e subigualando-se a plea frtil (pf) lisa e lustrosa em direo ao pice; arista (as) geralmente quebrada no beneficiamento; segmento da rquila (seg) achatado, largo e pice no expandido; calo estreito transverso-elptico e com bordo fino [Fig.166, 224, 225] A unidade-semente o antcio frtil. Seguem as caractersticas diferenciais de espcies de Lolium: FIGURA 223 Lodcula: an- antera; es- estigma, lod- lodcula. FIGURA 224 Lolium (antcio frtil lados ventral e dorsal): A- L. multiflorum; B- L. perenne; C- L. temulentum. 223. L 245 Lolium multiflorum L. espiguetas com glumas pouco mais curtas do que o antcio frtil; este oblongo ou lanceolado, achatado dorso-ventralmente e quase com a mesma largura em toda extenso, exceto na base que ligeiramentre mais estreita, de colorao castanho-amarelada a acinzentada e fosco; lema frtil (lf) oblongo- lanceolada, mais ou menos convexa (depende da variedade), pice curto, aristada, com 5-7mm de comprimento (exceto a arista) por 1,2-1,5mm de largura e 0,7-0,8(-0,9)mm de espessura, nervuras frequentemente inconspcuas; arista (as) to longa quanto a lema frtil; plea frtil (pf) acanalada, afila-se para um pice agudo, sem dobras transversais, to longa quanto a lema, com curtos dentculos nas carenas e frequentemente intercalados com espaos sem dentes; segmento da rquila (seg) cilndrica ou quadrangular (depende da variedade), curta, alarga-se ou no para o pice (depende da variedade) e pouco mais estreita do que em Lolium perenne; cariopse lanceolada ou oblonga, quase da mesma espessura em toda extenso, afilando- se levemente para a base, com 3,7-4,0mm de comprimento por cerca de 1,4mm de largura e 0,7mm de espessura, achatada dorso-ventralmente e de colorao castanho-amarelada a castanho-escura [Fig.224A, 225A]. Lolium perenne L. espiguetas com glumas mais curtas do que o antcio frtil; este oblongo ou lanceolado, achatado dorso-ventral- mente e aproximadamente com a mesma largura em toda extenso, exceto na base que ligeiramentre mais estreita, de colorao amarelo-acinzentada a cinza-amarromzada e fosco; lema frtil (lf) oblongo-lanceolada, fraco-convexa, pice obtuso ou curto- pontudo, com 5,0-7,5mm de comprimento por (1,5-)2,0mm de FIGURA 225 Lolium (antcio frtil vista lateral): A- L.multiflorum; B- L. perenne; C- L. temulentum. 224. 246 Glossario Ilustrado de Morfologia largura e 0,7- 1,0mm de espessura, fracamente 5-nervada, poro mediana das nervuras laterais sem dentculos, pice frgil, translcido, semarista ou quando presente, curta e frgil; plea frtil (pf) acanalada, afila-se para o pice, sem dobras transversais, carenas com curtos e densos dentculos uniformemente inclinados e no pice mticos; segmento da rquila (seg) de 0,8-2,5mm de comprimento, muito adpressa a plea e se alarga uniformemente para o pice; cariopse oblonga-lanceolada, visvel atravs do antcio frtil e intimamente aderida a ele, com 3,5-4,0mm de comprimento por 1,3-1,4mm de largura e 0,7-0,8mm de espessura, arredondada no pice e largo acanalada no lado ventral e de colorao castanho-amarelada [Fig.224B, 225B]. Lolium temulentum L. espiguetas com glumas (inferior e superior) 7-nervadas e subigualando-se ao resto da espigueta; antcio frtil de ovalado a largo-elptico, mais largo na poro mediana, aristado, de 6-7mm de comprimento (exceto a arista) por 2,5-3,0(-3,5)mm de largura e 2,0-2,2mm de espessura, no achatado dorso-ventral- mente, em vista lateral com lado ventral fortemente arqueado e dorsal reto, lema e plea nitidamente 5-nervadas e de cinza- amareladas a castanho-claras; lema frtil (lf) fortemente convexa, com dorso achatado, pice obtuso e bordos no encobrindo as carenas da plea frtil; arista (as) com insero subapical na lema, com cerca de 12(-15)mm de comprimento, escabrosa e em geral quebrada quando misturada as sementes comerciais; plea frtil (pf) bicarenada, larga, estreitando-se para um pice obtuso, to longa quanto a lema, fortemente acanalada, com estreito sulco mediano arredondado, com dobra transversal na poro mediana ou pouco acima, com curtos dentculos nas carenas; segmento FIGURA 226 Lomentos: A- Stylosanthes humilis; B- Stylosanthes guianensis; C- Zornia diphylla; D-D- Aeschynomene den- ticulata. 225. L 247 da rquila (seg) achatado-cilndrica, adpressa a plea, com pice plano-ovalado e de at 3mm de comprimento; calo estreito transverso-elptico; cariopse oblonga-cimbiforme, mais larga do pice a poro mediana e afilando-se para a base, com 3,7-4,0mm de comprimento por 1,4-1,5mm de largura e 0,7-0,8mm de largura, lado dorsal plano e ventral largo-acanalado, pouco profundo e com sulco mediano [Fig.224C, 225C]. Existem formas botnicas com ou sem aristas. LOMENTO fruto artrocarpceo seco, comprimido, alongado, com constries entre as sementes; fragmenta-se transversalmente, na maturao, em segmentos (artculos ar) unisseminados, deiscentes ou indeiscentes, como nos gneros Aeschynomene, Coronilla, Crotalaria, Desmodium, Hedysarum, Stylosanthes e Zornia (Fabaceae =Leguminosae - Fig.226, 227]. Lomento drupceo fruto indeiscente, com epicarpo e mesocarpo contnuos, endocarpo articulado, que se separa em pedaos (artculos ar) monosprmicos, indeiscentes e de consistncia ssea ou coricea; ocorre em Fabaceae Caesalpinioideae como no gnero Cassia subgnero Fistula: Cassia ferruginea (Schrad.) Schrad. ex DC., Cassia fistula L. e em Prosopis hassleri Harms (FabaceaeMimosoideae - Fig.228A-B) onde o fruto linear-oblongo, sub-cilndrico, de falcado a subfalcado, com epicarpo cartceo, mesocarpo granuloso-polposo e endocarpo coriceo, com segmentos, em geral, subretangulares e sementes com pleurograma (ple) [Fig. 228B]. Este fruto ocorre tambm em Gleditsia sp. (FabaceaeCaesalpinioideae Fig.228C). FIGURA 227 Lomentos: A- Desmodium adscendens; B- Desmodium incanum; C- Desmodium tortuosum; D- Fabaceae. 226. 248 Glossario Ilustrado de Morfologia Lomento toruloso fruto indeiscente, com epicarpo e mesocarpo contnuos, e endocarpo articulado, que se separam em pedaos (artculos ar) monosprmicos, indeiscentes, de consistncia co- ricea ou ssea e apresentam istmo (is) central entre os artculos, como em Desmodium tortuosum (Sw.) DC. [Fig.227C]. LONGITUDINAL que est na direo do eixo principal (sentido do comprimento) do rgo vegetal. LUNADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno semelhante a lua crescente [Fig.102F]. LUNIFORME que tem forma de meia-lua; o mesmo que lunado. LUSTROSO o mesmo que brilhante, reluzente. LTEO de colorao amarelo-vivo tirante a vermelho. LUTOLO de colorao levemente amarelada. LUTESCENTE de colorao que se aproxima do amarelo-plido. FIGURA 228 Lomento drupceo de Prosopis hassleri: A- fruto, B- insero da semente nos artculos; C- Gleditsia sp. 227. 250 Glossario Ilustrado de Morfologia MACERAO ato ou efeito de macerar; imerso em um lquido. MACERADO que sofreu macerao; submetio a macerao. MACERAR amolecer um rgo (semente) em um lquido. MACROGAMETFITO clula modificada e que formar o megagameta; o memo que megagametfito. MACROSPORNGIO ou MEGASPORNGIO nas Angiospermas denominado de nucelo; so clulas especializadas na nucela e que do origem aos vulos (macrosporos). MACROSPORFILO encontra-se, nas Cupressaceae, nos cones femininos que so compostos de poucas escamas frteis ou estreis, em posio oposta ou verticilada. O cone seminfero maduro varia de coriceo a lenhoso, se abre no amadurecimento das sementes, por fendas entre as margens das escamas, como em Cupressus goveniana Gordon [Fig.229]. As sementes podem ter ou no estreita ala. Em Juniperus permanece fechado, formando uma espcie de baga (fructus juniperi), que so medicinais, usadas no preparo de bebida alcolica (genebra) e no preparo do chucrut. MADURO usado para frutos que tem sementes aptos a germinar; ou para o ovrio com vulos aptos a serem fecundados. MANCHA HILAR ou MANCHA HILARIS ver hilo [Fig.11D]. MANCHADO que tem macula de diferentes coloraes e/ou tonalidades. FIGURA 229 Macrosporfilo (a- cone maduro); b- flor feminina com escamas de Cupressus goveniana. 228. M 251 MARGEM ou BORDO a parte mais externa de um rgo (folha, fruto ou semente), que pode ser inteira ou apresentar diversas divises, como crenada, serreada, denteada, ondulada, angular, sinuada, aculeada e serrulada [Fig.110]. MARGINAL que se refere a margem. Ver placentao marginal [Fig.230A]. Medicago tuberculata Willd. legume indeisecente coclear, preto, com configuraes conspcuas no dorso [Fig.217A]. MEGAGAMETA clula aredondada que se forma de um megagametfito. MEGAGAMETFITO o mesmo que macrogametfito. MELONDIOfrutobacide,carnoso,indeiscente,multisseminado,originado de um ovrio nfero ou spero, com placentao parietal; pericarpo com pouca ou muita espessura (carnoso); com cavidade central ampla, no dividida em lculos e forrada por placentas carnosas, que envolvem numerosas sementes ariladas ou com funculo espessado; como os frutos dos gneros Carica [Fig.231B] e Jacarantia (Caricaceae), Citrullus (Cucurbitaceae) e Passiflora (Passifloraceae - Fig.231A). MELFERA plantas cujas flores atraem abelhas; que produz mel. Melilotus sp. ncula (nu) unisseminada; clice (cal) acrescente com cinco lbulos; semente com hilo localizado num entalhe basal excntrico raso, lbulo radicular mais estreito do que o lbulo cotiledonar e separado por um conspcuo sulco raso, que corre do hilo para o centro da semente. A unidade-semente a semente. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Melilotus: FIGURA 230 Marginal (A); Parietal(B). FIGURA 231 Melondios (seo transversal): A- Passiflora sp.; B- Carica sp. FIGURA 232 Melilotus indicus: A- ncula com clice basal acrescente; B- semente. 229. 252 Glossario Ilustrado de Morfologia Melilotus albus Medik. (= Melilotus alba Medik.) ncula (nu) ovide, de 3-4mm de comprimento por 2,5mm de largura e 1,5-2,0mm espessura, com curto estilete remanescente no pice, superfcie preta e grosseiramente reticulada; clice (cal) de at do compri- mento da ncula e lbulos longo-acuminados; semente de ovide a cordiforme, de amarela a castanho-amarelada, lisa, fosca, de 2,0-2,5mm de comprimento por 1,4-1,6mm de largura e 1,0mm de espessura; com largo sulco conspcuo e raso, hilo orbicular circun- dado por um halo branco; eixo hipoctilo-radicula com cerca de do coprimento dos cotildones. Melilotus indicus (L.) All. ncula (nu) subglobosa, de 1,8-2,5mm de comprimento por 2,0mm de largura e 1,3mm de espessura, com cur- to estilete remanescente no pice, superfce de amarela a amarelo- avermelhada, rugosa-escavada e com algumas nervuras transver- sais onduladas; clice (cal) menos da do comprimento da ncula e lbulos cuto-agudos; semente ovide, de castanho-cinza a catanho- esverdeada, fosca, rugosa (finos tubrculos), com 1,2-1,8 mm de com- primento por 1,0-1,3mm de largura e 0,6-1,0mm de espessura; com conspcuo sulco raso, hilo pequeno e conspcuo; eixo hipoctilo-radi- cula com cerca de a do comprimento dos cotildones [Fig.232]. Melilotus officinalis (L.) Lam. ncula (nu) ovide, de 3-4mm de com- primento por 2,0-2,5mm de largura e 1,5mm de espessura, com cur- to estilete remanescente no pice, superfcie de castanha a preta e transversalmente rugosa; clice (cal) cerca de 1/3 do comprimento da ncula e lbulos curto-agudos; semente ovide ou cordiforme, de amarelo-esverdeada a castanho-plido, lisa, fosca, de 1,8mm de comprimento por 1,2-1,5mm de largura e 1,0mm de espessura; com conspcuo sulco raso; hilo pequeno e inconspcuo; eixo hipoctilo-ra- dicula com cerca de a do coprimento dos cotildones [Fig.233]. FIGURA 233 Melilotus officinalis: A- ncula com clice basal acrescente; B- semente. 230. M 253 Melinis minutiflora P. Beauv. espiguetas estreito-oblongas, pediceladas, solitrias, com 1,8-2,2mm de comprimento por 0,4-0,5mm de largura, glabras, roxo-avermelhadas, com dois antcios, o inferior reduzido a lema estril; gluma inferior reduzida a pequena escama de 0,3mm de comprimento; gluma superior bilobada, sulcada, do comprimento da espigueta, membrancea, fortemente nervada, com ou sem arista (as) terminal, semelhante a lema estril e maior do que a lema frtil; lema estril com arista reta inserida entre os 2-dentes apicais; lema frtil (lf) com 0,5-1,8mm de comprimento; plea frtil subhialina no pice; cariopse elipside, pice e base a agudos, com cerca de 1,2mm de comprimento por 0,4mm de largura e pericarpo castanho-esverdeado, levemente lustroso e liso [Fig.234] MELONIFORME com forma que se assemelha a do melo, irregularmante esfrico com costelas salientes [Fig.101J]. MEMBRANCEA(O) com textura de membrana; pode ser aplicado s folhas, ao pericarpo dos frutos e ao tegumento das sementes. Merremia sp. semente de globosa-cuneiforme a ovide-cuneiforme, lado dorsal convexo e ventral carenado e com duas faces de planas a levemente afundadas ou convexas, margem bem delimitada (Merremia aegyptia (L.) Urb.) ou inconspcua (nas demais espcies); hilo de transverso-ovalado a transverso-elptico, do tipo ipomoea, afundado, com base emarginada conspcua, circundado por um sulco e pela salincia hipocrepiforme conspcua ou apunas visvel na base, como duas projees [Fig.235]. A unidade-semente a semente. Seguem as caractersticas diferenciais de espcies de Merremia: FIGURA 234 Melinis minutiflora: A-B-C- espigueta; cariopse: D- dorsal, E- ventral, F- lateral. 231. 254 Glossario Ilustrado de Morfologia Merremia aegyptia (L.) Urb. semente globosa-cuneiforme, com (4,2-) 4,5-4,7(-5,0)mm de comprimento por (4,0-)4,2(-4,5)mm de largura e 3,5-3,8(-4,0)mm de espessura, lado dorsal com base emarginada e ventral com carena de obtuso-arredondada a inconspcua; margem com ntida listra; hilo transverso-ovalado, no afundado, com 0,7mm de comprimento por 1,0mm de largura, glabro, branco e circundado por um sulco esbranquiado, mais largo na parte superior e inferior; salincia hipocrepiforme mais conspcua na metade inferior e na base com duas projees largo- ovaladas, muito prximas uma da outra e em geral mais claras do que o tegumento; superfcie do tegumento de fosca a levemente brilhante, finamente pontilhada (10X), de colorao alaranjada (imatura) e castanho-amarelada-escura (madura) [Fig.235A-B]. Merremia cissoides (Lam.) Hall.f. semente de subglobosa a ovide-cuneiforme, com (3,8-)4,0-4,7mm de comprimento por 3,3- 4,0(-4,5)mm de largura e 2,5-3,5mm de espessura, lado ventral FIGURA 235 Merremia (semente): A-B- M. aegyptia; C-C-D- M. cissoides; E-F- M. dissecta; G-H- M. macrocalyx: A-C-C-E-G- lado ventral; B-D-F-H- lado dorsal. 232. M 255 com carena obtuso-arredondada; carena e margem inconspcuas com faces fortemente convexas (quando no fruto se formaram apenas trs sementes); hilo transverso-obovado, levemente afundado, com 0,8mm de comprimento por 1,0mm de largura e preto; rea hilar largo-obovada, com 1,2-1,5mm de dimetro, revestida por plos simples, fasciculados e alvo-translcidos, geralmente mais densos e menos caidios no sulco e diminuindo em quantidade do hilo para a salincia hipocrepiforme; na base com duas projees suborbiculares, muito prximas uma da outra e inconspcuas; superfcie do tegumento fosca, miudamente alveolada (10X), de colorao alaranjada (imatura) a castanho-escura (madura), com numerosos plos simples, fasciculados, alvo-translcidos, muito caidios, dando semente o aspecto de pequenas manchas claras de colorao castanho-acinzentada [Fig.235C-C-D]. Merremia dissecta (Jacq.) Hall.f. semente de ovide-cuneiforme a subglobosa, com 7,0-9,0mm de comprimento por 6,0-7,2mm de largura e (4,5-)5,0-5,5mm de espessura, lado dorsal mais convexo na inferior, lado ventral com carena obtuso-arredondada (s vezes inconspcua); hilo transverso-elptico, no afundado, com 0,8- 0,9mm de comprimento por 2,0mm de largura, no emarginado na base, de castanho-avermelhado a castanho-escuro e circundado na parte superior por um semi-halo preto, mais visvel nas sementes de colorao cinza-escura; na base com duas projees estreito- ovaladas, lanceoladas ou suborbiculares; superfcie do tegumento fosca, miudamente alveolada (20X), glabra, de colorao cinza- escura a preta, s vezes, revestida por fina camada ceride castanho-clara [Fig.235E-F]. 233. 256 Glossario Ilustrado de Morfologia Merremia macrocalyx (Ruiz & Pav.) ODon. semente globosa- cuneiforme, com 3,8-4,2mm de comprimento por 3,7-3,9mm de dimetro, lado ventral com carena arredondada; hilo transverso- elptico, no afundado, com 0,8-0,9mm de comprimento por 1,4- 1,5mm de largura, castanho-negro, com pilosidade igual do tegumento e circundado na parte superior por um semi-halo es- curo e piloso, na base com duas projees estreito-lanceoladas; superfcie do tegumento fosca, spera, de colorao castanho- escura (imatura) e negra (madura), revestida por fina camada ce- ride mais clara e com numerosos e diminutos plos simples e alvo-translcidos [Fig.235G-H]. MERICARPO o mesmo que carpdio. Cada uma das partes unissemina- das de um fruto esquizocarpceo seco e indeiscente, que na matura- o se decompe em dois mericarpos, como nas Apiaceae (=Umbelli- ferae [Fig.83-car] e em mais de dois mericarpos, como nas Malvaceae [Fig.82]. Cada mericarpo corresponde a metade de uma folha carpelar. MERISTEMA um tecido vivo, no diferenciado, embrionrio, cuja funo produzir novos tecidos por diviso de suas clulas. Meristema apical tecido vivo, ainda no diferenciado e que se localiza no pice da plntula ou da planta; tambm denominado de gema apical. MESOCARPO camada mediana dos frutos (do pericarpo), ou seja, a parte que fica entre o epi- e o endocarpo; corresponde ao mesfilo carpelar e , em geral, parte mais desenvolvida do fruto [Fig.35, 94,265, 325]; pode ser fibroso, farinceo, carnoso e comestvel ou no. 234. M 257 MESOCTILO nas Poaceae (=Gramineae) a parte do eixo embrionrio entre o ponto de insero do escutelo e o coleptilo [Fig.78B-cop]; e nas Fabaceae (=Leguminosae) onde se inserem os cotildones. Na plntula, a parte que fica abaixo das razes adventcias do primeiro n at o incio da radcula. METFILOS so as folhas que se formam aps o(s) efilo(s); folhas adultas. MICLIO conjunto das hifas de um fungo. MICROORGANISMO um micrbio, um ser microscpico, causador de fermentaes e doenas. MICRPILA pequena abertura (m) existente no integumento de um vulo [Fig.297] ou no tegumento da maioria das sementes madu- ras [Fig.308, 309]. Nem sempre claramente visvel, freqente- mente fechada formando uma cicatriz superficial, ou um pequeno orifcio punctiforme (poro), como em Fabaceae (=Leguminosae) no gnero Phaseolus [Fig.311], Pisum [Fig.310], Vicia. Indica sem- pre, abaixo, a posio da radcula do embrio, que em muitas se- mentes se evidencia como uma salincia no tegumento ou por dois feixes mais claros. MICROSPORNGIO ou SACO POLNICO oposto a macro-(ou mega-) sporngio; nas Angiospermas so as clulas especializa- das da antera e que produzem os gros de plen (gp - microspo- ros) [Fig.13A]. 235. 258 Glossario Ilustrado de Morfologia MICROSPORFILO encontra-se, nas Cupressaceae, somente nos cones masculinos, que constam de pecolos curtos com escamas terminais alagados, portadoras de 2-3-6 sacos polnicos livres. Ver macrosporfilo. MICROSPOROS ou GROS DE PLEN (gp) [Fig.171]. MIMOSOIDEAE subfamlia da Fabaceae. Ver Fabaceae. Mirabilis jalapa L. antocarpo de globoso a largo-ovide (parece uma gran- da) e orbicular em contorno, alongado, com pice obtuso-arredondado e base truncado-aneliforme, com (6,0-)7,5-8,5mm de comprimento por (4,2-)4,5-5,5(-6,0)mm de dimetro, crneo, de colorao casta- nho-escura a preta, fosco, glabro, superfcie com cinco estrias longitu- dinais, de irregularmente transverso-rugosa a tuberculada, geralmen- te com esparsoas e pequenas manchas lineares amareladas; ncula globosa com pericarpo reduzido a fina pelcula e que internamente se justapem ao tegumento membranceo e externamente ao espesso externamente ao espesso antocarpo [Fig.15D-E]. A unidade-semen- te o antocarpo. MONILIFORME em forma de rosrio de contas [Fig.101-O], com uma srie de invlucros crneos superpostos, como em Coix lacrima-jobi L. (Poaceae =Gramineae - Fig.96); ou so segmentos arredondados superpostos, com constries entre eles e que podem se separar (Raphanus raphanistrum L. - Fig.321A-A'-A'') ou que no se separam (Raphanus sativus L. - Fig.321B) na maturidade, espcies da famlia Brassicaceae (=Cruciferae). 236. M 259 MONOCOTILEDNEA planta ou grupo de plantas, Angiospermas, que produzem flores e cujas sementes (cariopse) possuem um embrio com um nico cotildone. MONOGRMICO ou MONOSPRMICO ou MONOSPERMO o mesmo que unisseminado. MONICA planta com flores masculinas e femininas separadas, mas no mesmo indivduo. MUCILAGEM diz-se da superfcie que apresenta substncia parecida com goma. MUCILAGINOSO que tem textura de mucilagem (goma), lquido de textura viscosa. MUCRO ou MCRON ver apculo. MUCRONADO(A) provido de mcron; quando o pice de um rgo (fo- lha, fruto ou semente) termina abruptamente em pequena (curta) pro- jeo (ponta) aguda e dura no centro [Fig.16B]. MUCRONULADO provido de mcron (apculo) muito reduzido. MULTICARPELAR diz-se do gineceu que tem vrios carpelos. MULTIFLORA que tem muitas flores. MULTILOBADO que tem muitos lbulos; plulobulado 237. 260 Glossario Ilustrado de Morfologia MULTIGRMICA alguns autores utilizam esse termo, incorretamente, como sinnimo de multisseminado. MULTILOCULAR quem tem muitos lculos. MULTIOVULADO diz-se do ovrio que tem vrios lculos. MLTIPLO diz-se quando um fruto deriva de vrias flores da mesma inflorescncia. MULTISSEMINADO com muitas sementes; o mesmo que oligosprmico, oligospermo, poligrmico, polisprmico ou polispermo. MURICADA diz-se da superfcie de certos frutos com numerosas excrescncias (protuberncias) curtas, irregulares e duras; ou provida de salincias (espinhos, tubrculos pontudos ou curtos acleos cnicos) [Fig.203D, 236]. MURIFORME diz-se da superfcie que apresenta divises transversais e longitudinais. MTICO o termo somente empregado em oposio a outro que indica: com ponta; assim, contrasta-se duas coisas, uma delas mucronada e a outra no, esse caso a ltima pode ser designada de mtica; o mesmo termo pode ser usado em contraste com cuspidado ou aristado, ou qualquer outro similar. Myosotis arvensis (L.) Hill. (=Myosotis intermedia Link) fruto artrocarpceo geralmente com quatro carceruldios, envolto pelo clice acrescente; FIGURA 236 Muricado. 238. M 261 carceruldio ovalado, comprimido, com 1,2-1,5mm de comprimento por 0,8mm de largura e 0,4-0,5mm de espessura, com pice obtuso e base arredondada, lado dorsal levemente convexo e ventral levemente carenado, que o divide em duas faces quase planas, margem circundante aguda; cicatriz de insero basal-ventral, achatada, fre- quentemente formado por duas pequenas verrugas esbranquiadas; pericarpo crustceo, com superfcie lisa, glabra, muito lustrosa e de colorao preta; semente inclusa no carceruldio, com tegumento membranceo; embrio axial, invaginado e reto; endosperma carnoso [Fig.76I]. A unidade-semente o carceruldio. 239. 264 Glossario Ilustrado de Morfologia NABIFORME que tem a forma de nabo (esfera achatada); como a raiz do rabanete [Fig.100G]. NAVICULAR o mesmo que cimbiforme [Fig.101R]. NECROSE rea de um tecido morto. Necrse profunda localiza-se profundamente dentro do tecido. Necrse superficial localiza-se superficialmente nos tecidos. NEMATIDE organismo fino e alongado, como um fio de linha. NERVURA conjunto de elementos condutores, que se distinguem, com grande nitidez nas folhas, em especial na face abaxial. Neslia paniculata (L.) Desv. com silcola de ovide-globosa a subglobosa, com rostro (ro) apical, um pouco comprimida, com 1,6-2,2mm de comprimento por 2,0-2,6mm de largura e 1,5-2,0mm de espessura, circundada por estrei- ta margem, superfcie grosseiramente reticulada, interespaos afundados, de colorao cinza-esverdeada a castanho-acinzentada ou castanho-es- cura; semente ovide, amarelada ou alaranjada, fosca, de 1,5(-1,9)mm de comprimento por 1,0(-1,1)mm de largura, base (rea hilar) pontuda (posio da ponta da radcula) e com sulco longitudinal conspcuo, que corre do hilo para o centro da semente (separando internamente o eixo hipoctilo-radcula dos cotildones) [Fig. 318C]. A unidade-semente a silcola. N parte de um eixo embrionrio ou de uma plntula, a partir do qual se origina uma folha ou uma folha modificada (coleptilo, cotildones ou escutelo); ou parte espessada slida do colomo onde nascem razes, folhas e ramos [Fig.172C, 244]. 240. N 265 NOZ denominao genrica para aqunio ou ncula; no deve ser utilizado na descrio morfolgica; fruto do carvalho (Quercus rubor L.) [Fig.44]. NUCCEO fruto originado de um ovrio spero, com dois ou mais carpelos, com dois ou mais lculos; pode apresentar apndices sob a forma de alas, como em Balfourodendron (Rutaceae). Nucceo bilocular com dois lculos, Curatella americana L. (Dilleniaceae) e Heliocarpus (Tiliaceae). Nucceo multilocular com 4-5 lculos Balfourodendron (Rutaceae) e com 2-5 lculos Triumfetta (Tiliaceae Fig. 243). NUCELA tecido nutritivo do saco embrionrio (as), corresponde ao megasporngio. Algumas vezes a nucela (n) se desenvolve muito depois da fecundao do vulo (ov) e a chalaza (ch) preenche os espaos laterais da semente, que se torna ruminado pelas invaginaestransversaisdotegumento,desenvolvendo-senocentro da semente um endosperma ruminado. Na maioria das espcies vegetais, a nucela (n) praticamente toda consumida durante a formao do saco embrionrio e do endosperma (en) [Fig.171A,297]; em outras espcies, ela usada apenas parcialmente, e a parte remanescente vai funcionar como um tecido de reserva na semente madura, denominada de perisperma. Ver endosperma ruminado e perisperma. NCLEO POLAR no vulo das Angiospermas cada uma das duas clulas (np) que se encontram na poro central do saco embrionrio (sa) [Fig.171A, 297]. 241. 266 Glossario Ilustrado de Morfologia NCLEO GERMINATIVO do gro de plen d origem, por diviso, a dois ncleos espermticos; ocorre a penetrao do tubo polnico no vulo e o desaparecimento do ncleo vegetativo. NCLEO SEMINFERO parte (nse) que contm o embrio numa semente alada, como em Allamanda [Fig.312D], Aspidosperma macrocarpon Mart., A. polyneuron Mll. Arg. [Fig.312E-E] e A. ramiflorum Mll. Arg. (Apocynaceae), Magonia pubescens A.St.-Hil. (Magnoliaceae) - Fig. 312A, Clethra sp. (Clethraceae - Fig.312B), Cedrela fissilis Vell. (Me- liaceae), Spergula arvensis L. e Spergularia grandis (Pers.) Cambess (Caryophyllaceae - Fig.305G-H), nos gneros Dimorphoteca (Astera- ceae), Jacaranda (Bignoniaceae), Coutarea sp. (Rubiaceae - Fig.312F), Grevillea (Proteaceae - Fig.312C) e Tabebuia (Bignoniaceae). O ncleo seminfero pode ser equinado como em Centrolobium tomentosum Guill. ex Benth (FabaceaePapilionoideae - Fig.299A) e no equina- do em Tipuana (FabaceaePapilionoideae - Fig.299F): ou a parte que contm o embrio em um fruto, como na smara de Centrolobium tomentosum Guill. ex Benth. e Riedeliella sp. (Fabaceae-Papilionoi- deae - Fig.299A-E), Pterogyne sp. (FabaceaeCaesalpinioideae Fig. 299D), ou como no samardio de Serjania cuspidata, Serjania glabrata Kunth, Banisteriopsis muricata e Banisteriopsis andersonii (Malpighia-ceae - Fig.300A-B-G-I). NUCIDE fruto indeiscente, formado por 1-2 carpelos, com pericarpo seco, no diferenciado nas trs camadas tpicas (coricea, lenhosa ou membrancea), tem formas variadas, apresenta um grande nmero de acessrios, a superfcie do pericarpo pode ser lisa, pilosa, cerdosa ou equinada e se divide em smara, betuldio, aqunio, ncula e nucceo. Ver a descrio de cada um deles. FIGURA 237 Ncula com ganchos em Petiveria sp. (A-B-C). FIGURA 238 Nculas de Ranunculus: A- R. acris; B-B- R. bulbosus; C- R. parviflorus. 242. N 267 NCULA fruto nucide, originado de um ovrio spero, pequeno, simples, seco, indeiscente e unisseminado, com um ou dois carpelos; com semente presa na parede do fruto (pericarpo) em um s ponto, na base; pericarpo no soldado ao tegumento; pode apresentar adaptaes para disperso pelo vento, gua ou pelos animais; essas adaptaes podem ser o clice (como em Rumex sp.), etc. A ncula ocorre em espcies de Cyperaceae e Polygonaceae e em Basella (Baselaceae), Boehmeria (Urticaceae), Petiveria (Phytolaccaceae) e Ranunculus (Ranunculaceae) [Fig.237, 238, 239, 240, 241]. Nculas com ganchos Petiveria sp. (Phytolaccaceae Fig.237]. Nculas de Cyperaceae pode apresentar: no pice um tubrculo, rostro (ro) ou caliptra (Bulbostylis, Rhynchospora Fig.239A-A- I-I-J-J); no pice um rostro ou tubrculo e na base cerdas (ce) (Eleocharis geniculata (L.) Roem. & Schult., Rhynchospora aurea Vahl (=R. corymbosa (L.) Britton) e Rhynchospora nervosa (Vahl) Boeck. (=Dichromena ciliata Vahl) Fig.239F-F-I-I-J-J) e estrutura cupuliforme palecea e ciliada (Cephalocarpus) ou a ncula pode estar totalmente incluso no utrculo (Carex Fig.239B-C-C, 338). Nculas de Polygonaceae em geral ficam inclusas no perignio (prg) persistente, mais ou menos acrescente e pode ou no apresentar adaptaes para a disperso pelo vento, gua ou animais; como nos gneros de Antigonon, Bistorta, Coccoloba, Fagopyron, Fallopia, Persicaria, Polygonum e Rumex [Fig.240, 241]. Nculas de Bistorta, Fallopia, Polygonum e de Persicaria com embrio sempre deitado paralelamente a um dos ngulos da ncula [Fig.241F-I-K-O-R]. FIGURA 239 Nculas de CYPERACEAE (inteira e seo trans- versal): A-A- Bulbostylis capillaris; B-C-C- Carex sororia; D-D- Cyperus esculentus; E-E- Cype- rus rotundus; F-F- Eleocharis geniculata;G-G- H- Fimbristylis dichotoma; I-I- Rhynchospora aurea; J-J- Rhynchospora nervosa; K-K- Scle- ria uleana; L-L- Scleria balansae; A-C-D-E-F- G-I-J-K- ncula; A-C-D-E-F-G-I-J-K- se- o transversal da ncula; B- utrculo (perig- nio); H- estilete bfido. 243. 268 Glossario Ilustrado de Morfologia Nculas de Rumex com embrio sempre deitado paralelamente a uma das faces da ncula [Fig.240C-H-L-P]. Nculas de Ranunculus so os frutcolos de um fruto mltiplo, que esto assentadas sobre um receptculo estrobiliforme; ncula comprimida, com estilete (ro rostro) apical persistente, em tamanho, reto ou curvado, como em R. acris L.; R. bulbosus L.; R. parviflorus L. [Fig.238]. NUCULNIO fruto drupide policrpico, seco, indeiscente, com pirnios loculados ou pirnios livres, que podem ser uni- ou multisseminados. Em Tetragonia (Aizoaceae Fig.333) nuculnio com quatro pirnios lenhosos, livres entre si, unisseminados e no pice se apresenta coroa- do pelo clice acrescente, com quatro spalas providas de cornculos apicais. Em Rubiaceae com dois pirnios dorsalmente convexos e sulcados longitudinalmente; semente com ranhura profunda na face ventral (Coffea e Ixora) e pouco profunda em Palicourea. Em Tiliaceae pirnio lenhoso e com trs lculos, como em Triumfetta bartramia L. e T. semitriloba Jacq. [Fig.243]. Em Verbenaceae pirnios com dorso no convexo e sementes sem ranhuras na face ventral, como em Lantana lilacina Desf. e L. camara L. [Fig.242]. Em Valerianella (Valerianaceae) o nuculnio se origina de um ovrio nfero e trilocular, apresenta dois lculos estreis, maiores ou menores do que o lculo frtil e no pice se encontra o clice mais ou menos acrescente e plumoso. NUDICAULE haste sem folhas. FIGURA 240 Nculas de Rumex: A-B-C- R. acetosella; D-E-F-G- H- R. crispus; I-J-K-L- R. obtusifolius; M-N-O-P- R. pulcher; A-D-I-M- ncula envolta pelo clice; E-J-N- seo transversal do clice, mostrando o tubrculo corticoso; B-F-G-K-O- ncula; C-H-L-P- seo trans- versal da ncula, mostrando a seo do embrio nocentro de uma das faces. 244. N 269 FIGURA 242 Nuculnio (A-B) de Lantana: A-A- L. lila- cina; B-B-B-C-D- L. camara; pirnio: A-B-B- vista externa; C- seo longitu- dinal; D- seo seo transversal. FIGURA 243 Nuculnio de Triumfetta: A- T. bartramia; B- T. semitriloba. FIGURA 241 Nculas de POLYGONACEAE: A-D-C- Fagopyrum esculentum; D-E-F- Fallopia convolvulus ; G-H-I-J-K- Persicaria maculosa; L-M-N-O- Persicaria punctata; P-Q-R- Polygonum aviculare; S-T-U- Rheum rhaponticum; A-D-G-L-M-P-S-T- ncula envolta pelo perignio inteiro ou parte na base; B-E-H-J-N-Q-U- ncula; C-F-I- K-O-R- seo transversal da ncula. 245. 272 Glossario Ilustrado de Morfologia OBCNICO(A) em forma de cone invertido, com ponto de insero na extremidade pontiaguda. OBCORDADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno inversamente cordada, com a parte mais larga no pice; o mesmo que obcordiforme [Fig.16Q]. OBCORDIFORME o mesmo que obcordado. OBLANCEOLADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de lana invertida, com a parte mais larga no pice e a insero basal na parte aguda [Fig.103F]. OBLCUO inclinado, quando o grau de desigualdade nos dois lados leve. OBLONGO(A) diz-se quando o contorno de um rgo (folha, fruto ou semente) duas a quatro vezes mais longo do que largo, com bordos paralelos e obtuso no pice e na base. OBLONGO-AGUDO(A) igual ao anterior, mas com as extremidades agudas. OBOVADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de ovo invertido (inversamente ovada), com a parte mais larga voltada para o pice e com o ponto de insero na extremidade estreita [Fig.334C]; o mesmo que obovide. OBOVIDE o mesmo que obovado. OBPIRAMIDAL diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de pirmide invertida e a insero ocorre na base (no vrtice). 246. O 273 OBTUSO(A) diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) termina em um ngulo arredondado (maior do que 90) [Fig.16L]. Obtusa com acmen quando o pice termina em um ngulo arredondado (maior do que 90) e no centro apresenta abrupta- mente uma ponta dura [Fig.16M]. CREA estrutura vegetal com aspecto de bainha que envolve o caule, em certas plantas, o resultado do concrescimento de estpulas axilares, nos dois bordos [Fig.172C-oc, 244]. OLIGOSTMONE que tem poucos estames, em nmero menor do que o de ptalas. Ex: flor oligostmone. OLlGOSPRMICO ou OLIGOSPERMO que tem poucas sementes; o mesmo que multisseminado, poligrmico, polisprmico ou polisprmo. Ex: cpsula oligosperma. ONDULADO(A) diz-se quando a margem de um rgo (folha, fruto ou semente) apresenta concavidades e convexidades alternadas e sucessi- vas [Fig.102M, 110D]; como a folha da magnlia (Magnolia champaca (L.) Baill. ex Pierre OOSFERA clula sexual feminina (o); no vulo (ov) das Angiospermas a clula que se encontra acompanhada pelas sinrgidas (si) na poro apical do saco embrionrio (sa), portanto em posio oposta as antpodas (an - Fig.297). OPERCULAR relativo ao oprculo. FIGURA 244 crea. 247. 274 Glossario Ilustrado de Morfologia OPRCULO parte superior (op) de um fruto (cpsula) que se destaca na deiscncia transversal [Fig.57A-C]. Ver cpsula circuncisa. OPOSTO(A) quando a insero ocorre aos pares, no mesmo nvel e em sentido contrrio. ORBICULAR diz-se quando o contorno de um rgo (folha, fruto ou semente) perfeitamente circular [Fig.102-O]. Folha orbicular Maranta orbiculata (Marantaceae), Saintpaulia ionantha H. Wendl. (Gesneriaceae). Fruto orbicular silcola de Lepidium virginicum L. (Brassicaceae Fig.319F). Semente orbicular Amaranthus graecizans L. e A. retrroflexus L. (Amaranthaceae). RGO parte de um organismo vegetal (raiz, caule, folha, flor, fruto e semente) que tem a finalidade de manter a planta viva, garantindo a sobrevivncia da espcie. rgos acessrios termo utilizado por algus autores para designar o clice e/ou a corola quando acompanham o fruto ou a semente na disperso. ORNITOCORIA - diz-se quando a disperso de disporos ocorre pelos pssaros. Ver anemocoria, autocoria, antropocoria, barocoria, hidrocoria e zoocoria. 248. O 275 Ornithopus sativus Brot. legume formado por vrios artculos acha- tados, indeiscentes, quadrangulares, de (2,5-)3,0-3,8mm de compri- mento por 2,0-2,4(-3,0)mm de largura e 1,0-1,3mm de espessura, de casatanho-claros a escuros, com linhas anastomosadas nas faces; artculo superior com rostro unciforme, geralmente mais longo do que o artculo [Fig.29]. A unidade-semente o artculo unissemi- nado do lomento. ORTTROPO ver vulo orttropo [Fig.250]. Oryza sp. espiguetas pediceladas, com um nico antcio frtil, mais ou menos comprimido lateralmente, desarticulado acima das pe- quenas glumas paleceas e glabras; com 2-lemas inferiores (le) estreis, muito reduzidas (escamiformes); antcio frtil com lema (lf) e plea (pf) naviculares (carenadas) e subiguais; lema frtil s vezes aristada [Fig. 245]. A unidade-semente a espigueta ou a cariopse. OVADO(A) ou OVIDE que tem contorno de ovo, com a parte mais larga na base; o comprimento no mximo duas vezes a largura [Fig.103E, 334B]; o mesmo que aovado e ovalado. OVAL diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de elipse e com as duas extremidades arredondadas [Fig.103D]. OVALADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de ovo, com a parte mais larga na base; o mesmo que ovado, ovide e aovado [Fig.334B]. FIGURA 245 Oryza sp.: A- espigueta; B- antcio frtil; C- cariopse. 249. 276 Glossario Ilustrado de Morfologia OVRIO regio inferior dilatada do pistilo e que contm um ou mais vulos (ov); formado por um ou mais carpelos; transforma-se em fruto e os vulos em sementes [Fig.171-ova]. OVIDE em forma de ovo; semente ovide. OVULADO provido de vulos; o ovrio pode ser uni-, bi-, tri- e....pluricarpelar. VULO o megasporngio dos vegetais superiores, as Angiospermas, formado por um ou dois integumentos (in ex) que envolvem a nu cela (n) e o saco embrionrio (sa), onde se localiza a oosfera (o) [Fig.246 a 2450, 297]. O vulo fecundado e maduro transforma-se na semente. Existem cinco tipos de vulos maduros: vulo antropo diz-se do vulo que sofre uma curvatura de 180, em relao a sua base; o funculo (f) e a micrpila (m) esto na mesma linha e esta est prxima do hilo; mas o encurvamento no afetou a forma do saco embrionrio (sa); a chalaza (ch) est oposta a micrpila e esta est dirigida para a placenta e o funculo se encontra fundido ao integumento (in ex), formando a rafe (rf) [Fig.246]; o vulo mais comum em Angiospermas. Oposto ao vulo orttropo. vulo anftropo diz-se do vulo e do saco embrionrio (sa) que sofrem uma curvatura, em relao a sua base; a curvatura afeta a nucela (n) e o saco embrionrio, que toma a forma de ferradura; a chalaza (ch) no est oposta micrpila (m); este vulo muito semelhante ao antropo [Fig.247]; ocorre em Alismaceae. FIGURA 246 vulo antropo: A- inteiro; B- seo longitudinal. FIGURA 247 vulo anftropo. 250. O 277 vulo tropo ou orttropo vulo campiltropo diz-se do vulo que sofreu uma curvatura, em relao a sua base; a curvatura no afeta o saco embrionrio (sa); a chalaza (ch) no est oposta a micrpila (m) [Fig.248]; ocorre em Resedaceae e Fabaceae. vulo hemiantropo ou hemtropo diz-se do vulo que sofre uma curvatura de 90, em relao a sua base; a curvatura no afeta o saco embrionrio (sa); na curvatura se forma um ngulo reto com a nucela (n) e os integumentos (in ex) [Fig.249]; ocorre em Ranunculus. vulo orttropo ou tropo diz-se do vulo reto que no tem curvatura, curvatura; a micrpila (m) e a chalaza (ch) esto na mesma linha axial e a micrpila oposta ao funculo (f) [Fig.250]. Oposto ao vulo antropo. FIGURA 248 vulo campiltropo: A- inteiro; B- seo longitudinal. FIGURA 249 vulo hemiantropo ou hemtropo. FIGURA 250 vulo orttropo: A- inteiro; B- se- o longitudinal. 251. 280 Glossario Ilustrado de Morfologia PLEA glumela seca, superior ou interna da espigueta das Poaceae (=Gramineae), tambm conhecida como bractola frtil e que envolve a cariopse pelo lado ventral. Possui nervuras laterais conspcuas [Fig.11A]. Plea estril a glumela superior de um antcio estaminado; pode estar ausente. PALECEO(A) com textura e colorao de palha; se aplica s folhas. PALMADO em forma de palma de mo; diz-se da folha que se divide em segmentos lembrando a palma da mo [Fig.251]. PALMAE sinnimo de Arecaceae. PALMATFIDA diz-se da folha palmada, com entalhes que alcanam at a do limbo [Fig.252A]; como a folha da batata-doce (Ipomoea batatas Lam. Convolvulaceae). PALMATILOBADA folha palmada, com lobos arredondados [Fig.252B]; como a folha da guanxima (Urena lobata L. Malvaceae). PALMATIPARTIDA diz-se da folha palmada, com entalhes que ultrapas- sam do limbo [Fig.252C]; como a folha do mamo (Cariaca papaya L. Caricaceae). PALMATISSECTA diz-se da folha palmada, com entalhes que alcanam quase at a base [Fig.252D]; como a folha da corriola (Ipomoea cairica (L.) Sweet. Convolvulaceae). FIGURA 251 Palmado. FIGURA 252 Folhas (quanto a forma): A- palmatfida; B- palmatilobada; C- palmatipartida; D- palmatissecta; E- pinatfida; F- pi- natilobada; G- pinatissesta. FIGURA 253 Pancula. 252. p 281 PANDURIFORME diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de violino, viola ou pandora (instrumento da famlia do alade); o mesmo que lirado [Fig.102N]. PANCULA tipo de inflorescncia que corresponde a um cacho com- posto; lado ventral. os ramos crescem da base para o pice e o conjunto assume forma cnica ou piramidal, com pice para cima [Fig.253]. PANICULADO(A) disposto em pancula. Panicum sp. espiguetas de lanceoladas a subglobosas ou obovides, com 2-3-antcios, o inferior reduzido a lema estril semelhante s glumas e com lema frtil prxima a rquis; glumas (inferior gli e superior gls) nervadas, hebceas, com a inferior geralmente muito menor; lema estril (le) e gluma superior do mesmo comprimento; lema frtil (lf) cartilaginosa, em geral lisa, lustrosa, com margens en- curvadas e envolvendo a plea frtil (pf) plana [Fig.254]. A unidade- semente a espigueta ou o antcio frtil. Panicum maximum Jacq. espiguetas estreito-elipsides, largo- subuladas, glabras, esverdeadas ou violceas, com 3,0-3,3mm de comprimento; glumas glabras, a inferior (gli) ovalada, obtusa, 3-nervada e cerca de da espigueta; gluma superior (gls) e lema estril (le) 5-nervadas e agudas, do mesmo comprimento; antcio frtil rijo, glabro, aguda, lustroso, com lema (lf) ovalada e com di- minutos tubrculos que formam estrias transversais (rugosidade) [Fig.255]. A unidade-semente a espigueta ou o antcio frtil. FIGURA 254 Panicum sp.: espigueta: A- lado dorsal; antcio frtil: B- lado dorsal, C- lado ventral. FIGURA 255 Panicum maximum - espigueta: A- lado ventral, B- lado dorsal; antcio frtil: C-lado dorsal e D- lado ventral; cariopse:F- lado ventral,G- lado dorsal. 253. 282 Glossario Ilustrado de Morfologia Panicum miliaceum L. espiguetas ovides, com 4,8-5,3mm de comprimento, semiabertas e glabras; gluma inferior (gli) ovada, atenuada e mais da do comprimento da espigueta; gluma superior (gls) ovada, cuculado-obtusa, 11-13-nervada, com a central escabrosa; lema estril (le) semelhante a gluma superior; antcio frtil ovalado, obtuso, muito lustroso, com 3-3,3(-4)mm de compri- mento por 2,0-2,5mm de largura, a colorao depende da variedade, varia do palha, amarelado, cinza-claro, avermelhado ao quase preta; lema frtil (lf) encobrindo a margem da plea frtil (pf); calo estreito (vertical) e cicatriz proeminente; cariopse largo-elipside, rea do embrio (em) cerca da do comprimento da cariopse e mancha hilar (hilo) punctiforme [Fig.256]. A unidade-semente o antcio frtil ou a cariopse nua, raramente a espigueta. PAPILAS com projees semelhantes a mamilos. PAPILHO ou PAPUS clice modificado e persistente no pice dos frutos (aqunios) de Asteraceae (=Compositae) e que auxilia na dispero do fruto. Pode estar ausente ou se apresentar como um anel de plos finos, plumosos, escamosos ou cerdosos: Papus ausente Elvira biflora (L.) DC.; Siegesbeckia orientalis L.; Picris hieracioides L. [Fig.21]. Papus aristado Bidens pilosa L.; Bidens subalternans DC., Blainvillea biaristata DC.; Eclipta alba (L.) Hassk.; Jaegeria hirta (Lag.) Less. [Fig.20A-A-B-C-D-F]. FIGURA 256 Panicum miliaceum: A- espigueta; antcio frtil: B- lado dorsal e C- lado ventral; cariopse: D- lado dorsal e E- lado ventral. 254. p 283 Papus cerdoso Elephantopus mollis Kunth [Fig.20E]. Papus paleceo Ageratum conyzoides L.; Galinsoga parviflora Cav.; Parthenium hysterophorus L.; Tagetes minuta L. [Fig.25]. Papus piloso e unisseriado Conyza bonariensis (L.) Cronq.; Emilia sonchifolia (L.) DC.; Erechtites hieracifolia (L.) Rafin.; Eupatorium squalidum DC.; Gochnatia velutina (Bong.) Cabr.; Sonchus asper (L.) Hill; Sonchus oleraceus L. [Fig.24]. Papus bisseriado Vernonia scorpioides (Lam.) Pers. [Fig.19]. Papus multisseriado Centaurea melitensis L.; Centaurea solstitialis L. [Fig.22]. PAPILIONOIDEAE subfamlia da Fabaceae. Ver Fabaceae. PAPILOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) provida com pequenas e curtas papilas (tubrculos ou excrescncias) cupuliformes ou em forma de tubo, com pice arredondado, de tamanho desigual e bem delicadas [Fig.203E]. PAPIRCEO(A) com textura de papel. PARACOTILDONES designao dada a primeira folha ou ao primeiro par de folhas encontradas nas sementes das Angiospermas e Gimnos- permas, que podem vir a ser os primeiros rgos fitossintetizantes da plntula, como na germinao fanerocotiledonar. Essa(s) folha(s) 255. 284 Glossario Ilustrado de Morfologia pode(m) ter a funo de reserva no embrio e assim permanecer durante a germinao; pode(m) ainda exercer a funo haustorial, realizando o transporte das reservas da semente para a plntula em formao. PARABLICO diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno entre aovado e elptico, com pice obtuso [Fig.102B]. PARASITA planta que cresce as custas de outra, geralmente desprovida de clorofila. PARIETAL ver placentao parietal [Fig.230B]. PARIPINADA diz-se da folha pinada que termina em dois fololos (fol) opostos e que tem um nmero par de fololos, simetricamente dispostas dos dois lados do raque (ra) [Fig.257]. PARTENOCARPIA desenvolvimento de uma infrutescncia mesmo sem haver a polinizao das flores; os frutos resultantes so estreis. PARTENOGNESE o desenvolvimento do vulo, sem fecundao, isto , o desenvolvimento de um indivduo a partir de um vulo no fecundado; ocorre em banana. PARTIDO diz-se da folha profundamente fendida, com incises at quase a metade do limbo, entre a margem e a nervura principal (mediana) [Fig.258]. FIGURA 257 Paripinada. FIGURA 258 Partido. 256. p 285 Paspalum sp. espiguetas plano-convexas, ou s vezes um pouco cncavo- convexas ou desigualmente biconvexas, solitrias ou em pares; gluma inferior muito reduzida ou ausente na maioria das espcies do gnero; gluma superior e lema frtil (lf) muito semelhantes e margens da lema enroladas e abraando a plea frtil (pf), pelo lado ventral (plano); lemas e pleas frteis duras, lustrosas, lisas ou ligeiramente speras; cariopse com embrio basal no lado dorsal, mancha hilar punctiforme no lado ventral e em geral mais escuro [Fig.259, 260]. A unidade- semente o antcio frtil ou raro a cariopse nua. Paspalum dilatatum Poir. espiguetas unifloras, ovaladas, mais ou menos achatadas, com 2,8-3,0(-3,8)mm de comprimento por 1,8- 2,0mm de largura, com longos plos translcidos; glumas e lema estril (le) acastanhadas e lanuginosas ao longo das margens; antcio frtil (lema lf e plea pf) duro, amarelado e lustroso; cariopse orbicular, plano-convexa, com 1,8-2,0mm de comprimento por 1,5-1,7mm de largura, pericarpo cinza-esbranquiada, liso e levemente lustroso, com mancha hilar punctiforme e embrio castanho-claro [Fig.259]. Paspalum notatum Flgg espiguetas bisseriadas, ovadas, verdes, glabras, com 3,0-3,2(-3,8)mm de comprimento por 1,5-2,0(-2,4) mm de largura, curto-pediceladas; gluma inferior ausente; gluma superior (gls) e lema estril (le) ovaladas, obtusas, com 2,5-3,0mm de comprimento, glabras, lisas, lustrosas e paleceas; lema frtil (lf) elptica, obtusa, glabra e com 2,0-2,5mm de comprimento; cariopse ovide-elptica ou ovide-aredondada, plano-convexa, amarelada ou esverdeada, com 2,0-2,1mm de comprimento por FIGURA 259 Paspalum dilatatum: A- espigueta ventral; antcio frtil: B- dorsal; C- ventral. 257. 286 Glossario Ilustrado de Morfologia 1,5-1,6mm de largura, lisa e glabra, escutelo basal-dorsal, com cerca da do comprimento, mancha hilar oblonga basal-ventral e de 0,5mm de comprimento [Fig.260A-B-C-D-E-F]. Paspalum guenoarum Arech. espiguetas aos pares, bisseriadas, ovadas, plano-convexas, glabras, com 3,0-3,5mm de comprimento por 2,0-2,5mm de largura; gluma inferior ausente; gluma superior (gls) e lema estril (le) obovadas, obtusas, com 3,0mm de compri- mento, glabras, de colorao palha a esverdeadas, membranceas, com a primeira convexa e a segunda plana; antcio frtil castanho escuro, lustroso, glabro, com lema (lf) ovalada, obtusa, com 2,5mm de comprimento, convexa e longitudinalmente estriada; cariopse ovada, plano-convexa [Fig.260G-H-I]. Paspalum saurae (Parodi) Parodi para alguns autores uma espcie independente e para outros como GRIN (acessado em FIGURA 260 Paspalum: A-B-C-D-E-F- P. notatum; G-H-I- P. guenoarum; J-K-L- P. notatum var. saurae; espigueta: A-D-G-J- lado dorasal; B-E-K- lado ventral; H- lado ventral; antcio frtil: C-F-I-L- lado ventral. 258. p 287 10/07/2009) uma variedade de Paspalum notatum Flgg var. saurae Parodi a espigueta um pouco menor (2,8-3,2mm de comprimento por 1,8-2,0mm de largura) as demais caractersticas so muinto semelhantes [Fig.260J-K-L]. PATOGNICO capaz de produzir doena. PECIOLADA que tem pecolo. PECOLO parte (pe) da folha que prende o limbo (l - lmina) ao caule(cau) [Fig.172]. Pecolo alado ocorre em laranja (Citrus aurantium L.) [Fig.172B]. PECTINADO em forma de pente; com lacnias (la) que se dispem de modo a lembrar os dentes de um pente, como nas folhas de Abies pectinata (Pinaceae) [Fig.261]. PEDICELADO(A) provido de pedicelo. PEDICELO ou PEDNCULO pequena haste (pd) que sustenta cada uma das flores (e mais tarde um fruto) de uma inflorescncia, como nas Asteraceae (=Compositae); ou sustenta a espigueta nas Poaceae (=Gramineae - Fig.56 a 74). Alguns autores preferem usar o termo pednculo para a haste que sustenta um fruto. PEDNCULO-FLORAL ver pseudo-fruto. FIGURA 261 Pectinado. 259. 288 Glossario Ilustrado de Morfologia PELCULA membrana, flexvel ou rgida, lisa ou estriada. PLO ou TRICOMA formao epidrmica, uni ou multicelular, simples ou ramificada, pontiaguda ou capitada; como em Gossypium (Malvaceae) e Anemone (Ranunculaceae). Plos absorventes ou Plos radiculares extenses finas, cilndri- cas e capilares da epiderme das razes, que ocorrem na sua base ou na extremidade (zona pilfera). So plos de vida curta que per- dem a turgescncia em poucos dias aps sua formao, tornando- se flcidos e desprendem-se da raiz. As paredes finas absorvem gua e sais minerais do solo. PELTADA em forma de escudo; quando o ponto de insero do pecolo ou do funculo se d no centro da circunferncia, de uma folha ou de uma semente [Fig.262]. PELTINRVEAS quando as nervuras de uma folha peltada se irradiam do pecolo para a margem [Fig.262]; como a folha do mamoeiro e de cinco-chagas (Tropaeolum majus L. Tropaeolaceae). PNDULA diz-se do rgo que se apresenta dependurado, como o embrio de Apiaceae (=Umbelliferae). PENINERVADA o mesmo que peninrvea. PENINRVEA ou PENINERVADA diz-se da folha cuja nervura principal se ramifica em nervuras secundrias, dispostas como as barbas de uma pena [Fig.263]. FIGURA 262 Peltada. FIGURA 263 Peninrvea. 260. p 289 Pennisetum sp. espiguetas isoladas ou com 2-3 dentro do invlucro com numeroras cerdas escabrosas ou plumosas e caindo com ele; com 2-an- tcios o inferior estril (ani) ou estaminado e o superior frtil (ans); com duas glumas herbceas, a inferior curta; lema estril comprida; lema fr- til subigualando-se a lema estril e as margens envolvem a plea frtil [Fig.209B, 264]. A unidade-semente o invlucro de cerdas (espigue- ta + antcio frtil (lema e plea) envolvendo a cariopse + lema estril). Pennisetum glaucum (L.) R. Br. (=Pennisetum americanum (L.) Leeke; Pennisetum typhoides (Burm. f.) Stapf & C. E. Hubb.) espiguetas obova- das e subestendidas pelas cerdas do invlucro; glumas herbceas com a inferior curta ou ausente; gluma superior mais curta do que a lema estril; antcio frtil (lema e plea) duro e com margens pubes- centes; lema frtil (lf) quase igual a lema estril e com as margens envolvendo a plea frtil (pf); cariopse (cap) obovide, com base sub-obtusa, mais longa do que a lema e a plea na maturao, em- brio (em) elptico, amarelo, fosco, spero e cerca de do compri- mento da cariopse, com eixo hipoctilo-radcula conspcuo [Fig.264]. A unidade-semente geralmente formada pela cariopse nua. PennisetumpedicellatumTrin.espiguetaslanceoladas,com4-6mm de comprimento; gluma inferior pelo menos do comprimento da espigueta, uninervada ou sem nervuras; gluma superior se iguala a espigueta, 5-7-nervada; com 2 antcios lisos e lustrosos, o inferior masculino (estaminado) e o superir hermafrodito, com 2,5-3,0mm de comprimento; lemas heteromorfas, 5-nervadas, frequentemen- te 3-lobadas; cariopse elptica, com cerca de 2mm de comprimento. A unidade-semente geralmente formada pela cariopse nua. FIGURA 264 Pennisetum glaucum: A- antcio frtil; B- cariopse. 261. 290 Glossario Ilustrado de Morfologia Pennisetum setosum (Sw.) Rich. (=Cenchrus setosus Sw.; Pennisetum polystachion (L.) Schult. subsp. setosum (Sw.) Brunken) espigueta obovada, em geral quatro vezes mais longa do que larga, de amarelada a castanho-avermelhada ou prpura, rodeada por at 30 cerdas (ce) de comprimento variado, a maioria com at 9mm, uma mais longa, com cerca de 15mm e intenso-pilosas na poo inferior, com plos que se entrelaam; com 2-antcios o inferior estril (ani) ou estaminado e o superior frtil (ans); gluma inferior geralmente ausente; gluma superior mucronada, to longa quanto a espigueta; lema estril com trs dentes apicais ciliados; gluma superior e lema estril convexas, 5-nervadas, membranceas, poro apical escabrosa, subiguais no tamanho, com margens escariosas e hialinas; plea estril plana, membrancea, hialina e de pice arredondado e ciliado; antcio frtil apical, plano- convexo, liso, coriceo, glabro, branco-amarelado, lustroso; lema frtil convexa, fracamente 3-nervada, de pice reto e ciliado; plea frtil plana, de pice reto e ciliado com margens escariosas, convexas e presas sobre a cariopse [Fig.209B]. Pennisetum setigerum (Vahl) Wipff (=Cenchrus setiger Vahl) invlu- cro-de-cerdas com 1-4 espiguetas, com gluma superior + antcio frtil + lema estril [Fig.207]. PEPONDIO fruto bacide, carnoso, indeiscente, carnoso, indeiscente, multisseminado, originado de um ovrio nfero, com placentao pa- rietal, pericarpo carnoso e sementes embebidas em polpa sucosa; como os frutos dos gneros Cayaponia, Cucumis e Cucurbita (Cucurbi- taceae - Fig.265]. FIGURA 265 Pepondio de pepino. 262. p 291 PERENE planta que vive trs ou mais anos, florescendo ou no to- dos os anos. PERENIFLIA rvore que tem, folhas perenemente; oposto de caduciflia. PERIANTO os dois invlucros florais, clice e coroIa, ou qualquer um deles sozinho; o mesmo que perignio. PERICARPO parede do fruto que o envolve; provm da parede do ovrio ma- duro e formado por trs cama das: epicarpo, mesocarpo e endocarpo. PERIFRICO que se encontra na periferia (parte externa) de um rgo. PERIGNIO brctea em forma de saco (utrculo) que se estende por baixo da flor pistilada e mais tarde envolve a unidade de disperso. Em Carex sp. (Cyperaceae) envolve a ncula [Fig.239B, 338]. PERGINO diz-se quando os trs verticlios externos independentes, esto dispostos em torno do gineceu, em nvel mais alto do que o ovrio (ova); em forma de taa; termo usado para uma flor com ovrio spero e provida de hipanto [Fig.197, 266]. PERIGNIO o mesmo que perianto (per); envoltrio externo da flor, onde no se destingue o clice da corola, a no ser pela sua posi- o relativa; como em espcies de Amaranthaceae. BARROSO et al. (1999) utilizam o trmo perignio para designar o clice acres- cente (hexmero e pentmero) das espcies de Polygonaceae. Ver clice acrescente. FIGURA 266 Pergino. 263. 292 Glossario Ilustrado de Morfologia PERISPERMA tecido de reserva de origem nucelar, presente em al- gumas sementes e pode ocorrer como tecido nutritivo nico, como nas Amaranthaceae, Caryophyllaceae, Chenopodiaceae, Phytola- caceae, Polygonaceae e Portulacaceae (onde apresenta reserva de amido); ou aparece acompanhado pelo endosperma mais ou menos copioso, como nas Musaceae, Piperaceae e Nymphaeaceae. Perisperma e endosperma so anlogos, tm a mesma funo de armazenar reservas, mas de nenhuma forma homlogos, pois tem origem diversa. Quanto a textura o perisperma pode ser carnoso ou gelatinoso. Perisperma nucelar no muito comum, pois a medida que o embrio se desenvolve, a nucela se degenera e absorvida totalmente; encontrado em Piperaceae. Perisperma integumentar mais comum do que o perisperma nucelar. Persicaria lapathifolia (L.) Gray (= Polygonum lapathifolium L.) ncula len- ticular (nunca triangular) e em contorno de orbicular a largo-ovalada, apiculada, pedicelada, com (1,5-)2,0-2,5mm de comprimento por 1,3- 1,8(-2,0)mm de largura e (0,3-)0,4-0,5(-1,0)mm de espessura, n- gulos arredondados, com duas faces convexas, com concavidade central e uma delas na poro mediana um pouco elevada (leve- mente carenada); superfcie atro-avermelhada (em maior ou menor grau), lustrosa, e microscopicamente rugosa (45X); embrio (em) perifrico, linear, curvo (deitado paralelamente a uma dos ngulos da ncula), cotildones estreito-elpticos com pice obtuso e eixo hi- poctilo-radcula transverso-elptico em seo transversal; clice 264. p 293 pentmero (prg) geralmente persistente apenas somente na base da ncula, rosado, glabro, com nervuras salientes e recurvados no pice, com cerca de 1,8-2,8mm de comprimento. A unidade- semente a ncula, sem ou com clice pentmero inteiro ou parte dele aderida a base. Persicaria maculosa Gray (=Polygonum persicaria L.) ncula lenticular ou, s vezes triangular e em contorno de orbicular a largo-ovalada, apiculada, pedicelada, com 2,0-2,5mm de comprimento por 1,7-2,0mm de largura e 0,6-0,7(-0,8)mm de espessura, ngulos arredondados, com duas faces convexas e uma delas com uma concavidade central ou, s vezes, com trs faces, sendo duas iguais na largura e a terceira mais larga; superfcie castanho-clara (ncula imatura) ou atro-averme- lhada (ncula madura), muito lustrosa, lisa e finamente alveolada (45X); embrio (em) perifrico, linear, curvo (deitado paralelamente a uma dos ngulos da ncula), cotildones estreito-elpticos com pice obtuso e eixo hipoctilo-radcula circular em seo transversal; clice pentmero (prg) com segmentos iguais entre si, de estramneo a rosado, glabro e to longo quanto o comprimento da ncula [Fig.241G-H-I-J-K]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice pentmero inteiro ou parte dele aderida a base. Persicaria punctata (Elliot) Small (=Polygonum punctatum Elliot) ncula triangular, afilando abruptamente para um pice agudo, com 2,5-3,0mm de comprimento por 1,5-2,0mm de largura, com ngulos arredondados e trs faces desiguais na largura, planas ou ligeiramente cncavas; superfcie castanho-avermelhada (ncula imatura) a atro-avermelhada (ncula madura), lisa, muito lustrosa e finamente alveolada; embrio 265. 294 Glossario Ilustrado de Morfologia (em) perifrico, curvo, espatulado e deitado paralelamente a uma dos ngulos da ncula; clice pentmero (prg) com segmentos iguais entre si, estramneo, glabro, com pontos glandulares castanho-avermelha- dos e mais longo do que o comprimento da ncula [Fig.241L-M-N-O]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice pentmero in- teiro ou parte dele aderida a base. PERSISTENTE diz-se quando um rgo vegetal permanece afixado aps o trmino da sua funo e no cai, como o clice que envolve as nculas dos gneros Fallopia, Persicaria, Polygonum, Rumex, Rheum e Triplaris (Polygonaceae - Fig.240, 241). PTALA cada um dos segmentos (pt) da corola de uma flor [Fig.171]. Ver corola. Gamoptala corola com as ptalas total ou parcilamente unidas. PETALIDE que tem colorao e textura de uma ptala; como as brcteas de muitas espcies. Petiveria tetrandra Gomez ncula linear-cuneada, dorsiventralmente com- primida, castanho-acinzentada ou esverdeada, longitudinalmente es- triada, esparso-pilosa, com plos retrorsos na poro apical-lateral; pice emarginado, bilobado, cada lobo com trs aristas (gan) pontiagu- das e retrorsas; ncula envolta at pouco mais da do comprimento pelo clice tubuloso; semente oblonga e mais ou menos cilndrica; embrio axial reto, cotildones foliceos e um deles dobrado trans- versalmente ao meio; perisperma escasso [Fig.237]. A unidade-se- mente a ncula. 266. p 295 PTREO com textura de pedra. Phalaris sp. espiguetas curto-pediceladas, comprimidas lateralmente, com um antcio frtil terminal e dois estreis ou estaminados por baixo e ad- pressas a lema frtil, com plea estril ou estaminada ausente; as espi- guetas se desarticulam acima das glumas (gl) e as duas lemas estreis (le) permanecem adppressas na base do antcio frtil, como duas dimi- nutas escamas; glumas (gl) naviculares, iguais e mais ou menos aladas; antcio frtil com lema (lf) coricea, lateralmente comprimida, mais curta do que as glumas, lustrosa, pubescente, s vezes glabra, e envolvem completamente a plea [Fig.267, 268, 269]. A unidade-semente a es- pigueta ou o antcio frtil com lemas estreis presas na base. Phalaris angusta Nees ex Trin. espigueta subelptica, com estrei- tas glumas (gl) agudas, de 3,5-4,0mm de comprimento, 3-nerva- das, glabras, com carenas aladas e que se alargam para cima; glumas com nervuras diminuto-escabrosas, as intermedirias ligeiramente pubescentes na extremidade; 2-lemas estreis (le) subuladas, subiguais, estreitas, adpressas ao antcio frtil, me- nos da do tamanho do antcio frtil ou com (0,7-)1,5-2,0mm de comprimento e com esparsa pubescncia longa; antcio frtil ovado-lanceolado ou ovado, se afila gradativamente da regio prxima base para um pice longo-agudo, com (2,2-)2,5- 3,0(-4,0)mm de comprimento por 1,5-2,0mm de largura; lema frtil (lf) de castanho-acinzentado-claro a escuro, esparso-pubes- cente em direo ao pice e com nervuras inconspcuas; ca- riopse com 1,4-1,6mm de comprimento e de colorao castanho- clara [Fig.267A, 268a, 269D]. FIGURA 267 Phalaris (espigueta com as glumas): A- P. angusta; B- P. aquatica; C- P. canariensis; D- P. minor. FIGURA 268 Phalaris (antcio frtil ventral, com lemas estris): A- P. angusta; B- P. aquatica; C- P. arundinacea; D- P. minor. 267. 296 Glossario Ilustrado de Morfologia Phalaris aquatica L. (=P. tuberosa L.) espigueta com glumas (gl) de 5-6mm de comprimento, 3-nervadas, com carena largo-alada nos superiores, que se afilam uniformemente para um pice pontudo, nervura da carena escabrosa, nervuras laterais e inter- medirias lisas e glabras; lema estril (le) uma nica, estreita, pi- losa, adpressa ao antcio frtil, com 1,0-1,5mm de comprimento; antcio frtil de lanceolado a ovado-lanceolado, com 3,5-4,0(-4,6) mm de comprimento por 1,4-1,5(-1,8) mm de largura, lustroso; lema frtil (lf) de colorao palha-clara a castanho-acinzentada, pubescente na superior e com conspcuas nervuras esbranqui- adas; cariopse com 2,2-2,5mm de comprimento e de colorao castanho-clara [Fig.267 B, 268B, 269A]. Phalaris arundinacea L. espigueta com glumas (gl) estreito-agu- das, com nervura da carena escabrosa, nervuras laterais glabras e as intermedirias microscopicamente pubescentes; 2-lemas est- reis (le) subiguais, estreitas, adpressas ao antcio frtil, com at 1mm de comprimento e com longos cilos brancos; antcio frtil estreito-lanceolado, com 3,0-3,5(-4,0)mm de comprimento por 1,0-1,3mm de largura e 0,5-0,8mm de espessura, coriceo e mui- to lustroso; lema frtil (lf) de cinza-amarelada a cinza-prateada- escura ou esbranquiada, com esparsa pubescncia esbranqui- ada (pouco mais intensa na margem, na base e no pice), nervuras conspcuas e amaralo-claras; cariopse largo-ovada, com 1,5mm de comprimento por 1mm de largura e 0,7mm de espessura cas- tanho-escura e fosca [Fig.268C, 269C]. Phalaris canariensis L. espigueta com carenas (q) aladas nas glumas (gl) que se afilam abruptamente para uma curta ponta e de FIGURA 269 Phalaris (antcio frtil lateral, com lemas estreis): A- P. aquatica; B- P. minor; C- P. arundinacea; D- P. angusta. 268. p 297 7-8mm de comprimento; 2-lemas estreis (le) glabras, subiguais, largas, na base do antcio frtil e mais da do tamanho da lema frtil ou com (2,5-)3,0-4,0mm de comprimento; antcio frtil lanceolado, agudo, com (4,8-)5,0-6,0(-6,8)mm de comprimento por (1,8-)2,0-2,2(2,5)mm de largura e 1,0-1,5mm de espessura, coriceo e lustroso; lema frtil (lf) de colorao palha-clara, com trs nervuras longitudinais em cada lado, glabra, exceto na margem que ciliada em direo ao pice; cariopse com (3,5-) 3,9(-4,2)mm de comprimento por 1,5mm de largura e 1mm de espessura, de colorao castanha a quase preto [Fig.267C]. Phalaris minor Retz. espigueta com carenas aladas nas glumas que se afilam uniformemente para um pice agudo; glumas (gl) de 4-6mm de comprimento, muitas vezes irregularmente dentadas; lema estril (le) uma nica, estreita, glabra e de at 1,0(-1,5)mm de comprimento; antcio frtil de ovado-lanceolada a lanceolada, com (2,7-)3,0-3,5(-4,0)mm de comprimento por 1,2-1,5(-1,8)mm de largura e 0,5-0,8mm de espessura; lema frtil (lf) de amarelo- acinzentada a castanho-acinzentada e amarelo-clara (imaturo), com conspcuas nervuras esbranquiadas e com sedosa pubes- cncia branca nos a superior e de resto glabra; cariopse com (2,0-)2,3(-2,5)mm de comprimento por 1mm de largura e 0,5mm de espessura e de colorao castanho-clara [Fig.267D, 268D, 269B]. Phleum pratense L. espiguetas com um antcio, que se desarticulam acima das glumas carenadas; lema frtil (lf) papircea, esparso curto- pubescente, com 7-nervuras; plea frtil (pf) abaulada, com nervuras da carena bem prximas; cariopse (cap) subglobosa, com 1,5mm de FIGURA 270 Phleum pratense: A-antcio frtil; B-C-cariopse. 269. 298 Glossario Ilustrado de Morfologia comprimento, embrio (em) na base obtusa da cariopse [Fig.270]. A unidade-semente o antcio frtil ou a cariopse. PILOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por plos curtos, macios e delgados [Fig.203G-J]. PINA cada uma das divises ou dos fololos (fol) de uma folha composta (pinada) [Fig.257]. PINADA quando a folha composta est subdividida em fololos ou pinas. PINATICORTADA(O) ou PINATFIDA(O) ou PINATIPARTIDA(O) diz-se da folha de nervao pinada, com recortes que chegam, no mximo, at a metade do limbo [Fig.252E, 271]; como o fololo de cinamomo (Melia azedarach L. Meliaceae). PINATILOBADA diz-se da folha de nervao pinada, com lobos arredondados [Fig.252F]; como a folha do bico-de-papagaio (Euphorbia pulcherrima Willd. Euphorbiaceae). PINATISSECTA(O) diz-se da folha de nervao pinada, com limbo to profundamente dividido que os lobos quase alcanam a nervura mediana [Fig.252G, 272]; como a folha do pico (Bidens pilosa L. Asteraceae). PNULA ltimos fololos de uma folha bi- ou tri-pinatissecta. PINULADO provido de pnulas. FIGURA 272 Pinatissecta. FIGURA 271 Pinatfido. 270. p 299 PIRAMIDAL diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem forma cnica; como a copa de algumas rvores. PIRNIO em morfologia indica o endocarpo (parte central) de um fruto drupide, indeiscente e carnoso; pode conter uma ou mais sementes; tambm conhecido como putmen ou caroo; como nos gneros Ilex (Aquifoliaceae), Aguiaria (Bombacaceae - Fig.170E), Bursera - Fig. 170F-G e Protium - Fig.170A-B-C-D (Burseraceae), Duranta e Lantana (Verbenaceae) [Fig.242]. PIRIFORME diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem a forma de pra [Fig.100D]. PISTILO unidade do gineceu; a flor pode ser formada por um ou mais pistilos; parte feminina da flor formada de ovrio (ova), estilete (est) e estigma (es) [Fig.13B]; s vezes o estilete pode faltar e o estigma fica diretamente sobre o ovrio [Fig.171]. O pistilo (pis) pode ser simples ou composto. O pistilo simples formado por um carpelo, como em feijo e ervilha, onde os vulos em fileira se inserem na margem do carpelo, enquanto o composto formado por dois ou mais carpelos. PIXDIO fruto seco (cpsula) de deiscncia transversal [Fig.57]. Ver cpsula circuncisa. PLACENTA tecido do ovrio sobre o qual ocorre o desenvolvimento de um ou mais vulos; como no pepondio [Fig.265]. 271. 300 Glossario Ilustrado de Morfologia PLACENTAO modo como se dispe a placenta e conseqentemente os vulos (mais tarde as sementes) no ovrio (mais tarde no fruto). Placentao axial ou central quando em um ovrio sincrpico e unilocular os vulos se inserem sobre o eixo central [Fig.33A]; como na cravina. Placentao axialar diz-se quando num gineceu sincrpico e pluricarpelar, os vulos (mais tarde as sementes) se inserem nos bordos de cada carpelo, na poro central do eixo do ovrio (e depois no fruto), resultante do fechamento e fuso lateral dos carpelos; neste caso o nmero de lculos corresponde ao nmero de carpelos [Fig.33B]. Placentao marginal quando os vulos (mais tarde as semen- tes) se inserem isoladamente ou em fileira na margem do(s) carpelo(s) (mais tarde no fruto), na face adaxial dos carpelos. Em ervilha e feijo os vulos se inserem em fileira na margem do(s) carpelo(s) [Fig. 230A]. Placentao parietal quando os vulos (mais tarde as sementes ) se inserem na parede interna do ovrio (mais tarde no fruto) na superfcie denominada placenta; neste caso os carpelos so abertos ou par- cialmente abertos e circundam uma cavidade (lculo) [Fig. 230B]. PLANO diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta plana, lisa e sem desigualdades. 272. p 301 Plantago lanceolata L. pixdio de oblongo a ovide, com placenta axial, bilocular, com 3-4mm de comprimento, com deiscncia transversal no inferior, unisseminado por lculo, lustroso, glabro, liso e cas- tanho-claro ou castanho-amarelado, urna membrancea e oprculo obtuso, geralmente mais consistente e mais longo do que o compri- mento da urna; pixdio envolto pelo clice, com 4 spalas de pice acuminado; semente oblonga, cimbiforme [Fig.314A-B], elptica ou estreito-ovalada em contorno, com 2,5-3,0(-3,2)mm de comprimento e 1,0-1,3(-1,5)mm de largura por 0,6-0,8 mm de espessura, lado dor- sal convexo e ventral em forma de canoa (profundo e estreito sulco lon- gitudinal de 0,1-0,7mm de largura, que corre da extremidade fechada para a aberta), lado dorsal virado para o lado ventral exceto na extremida- de aberta; hilo oblongo-ovalado, ventral, mediano, escuro e rodeado por uma poro esbranquiada; tegumento crustceo quando seco e mucilaginoso quando hidratado, com superfcie lisa, glabra, muito brilhante exceto o sulco ventral que fosco, de colorao castanho- clara a escura, lado dorsal mais escuro do que o vental (sementes pretas sem nenhuma poro castanha, so consideradas mortas), com lar- ga listra longitudinal mais clara (que mostra a posio do embrio), lado dorsal finamente alveolado (45X) e ventral com fino reticulado longi- tudinal (30X); embrio axial, espatulado, esbranquiado-amarelado e cotildones paralelos aos bordos da semente; endosperma carnoso, amarelado-translcido, o que permite ver o embrio atravs do tegu- mento [Fig.142B-B]. PLNTULA pequena planta resultante do desenvolvimento inicial do embrio de uma semente [Fig.185 a 189]. 273. 302 Glossario Ilustrado de Morfologia Plntula anormal aquela que no apresenta potencial para continuar seu desenvolvimento e dar origem a uma planta normal, mesmo quando cultivada em solo de boa qualidade e em condies favorveis de umidade, temperatura e luz. Plntula normal aquela que apresenta capacidade de continuar seu desenvolvimento e dar origem a uma planta normal, quando cultivada em solo de boa qualidade e em condies favorveis de umidade, temperatura e luz. PLEUROGRAMA marca (ple) sobre a face das sementes, visvel na su- perfcie da maioria das sementes de FabaceaeMimosoideae (Proso- pis hassleri Hams), como uma linha ou ranhura conspcua, hipocre- piforme (U invertido) ou em forma de V invertido, com abertura para a extremidade do hilo [Fig.273A-B-D], ou como uma estrutura fechada, de colorao diferente da do tegumento, como em certas espcies do gnero Cassia [Fig.273C] e em Senna alata (L.) Roxb., Senna hirsuta (L.) H.S. Irwin & Barneby, Senna obtusifolia (L.) H.S. Irwin & Barneby, Senna occidentalis (L.) Link e Senna tora (L.) Roxb. [Fig.274] (Faba- ceaeCaesalpinioideae), Acacia molissima (Andrews) Willd. e Acacia molissima Willd. Fig.27A); Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan, Albizia lebeck (L.) Benth. e Mimosa sp. (FabaceaeMimosoideae Fig. 273A-D-B); ou como uma linha que circunda o bordo da semente, como em Cucurbitaceae. PLICADO provido de dobras (pregas); plissado. Ver embrio plicado [Fig.139F, 146] FIGURA 273 Pleurogramas lineares: A- Anade- nanthera colubrina; B- Mimosa sp.; C- Cassia sp.; D- Albizia lebeck. FIGURA 274 Pleurograma: A- Senna obtusifolia; B- Senna hirsuta. 274. p 303 PLUMOSO diz-se da superfcie de um rgo com aspecto de pluma; ou com plos secundrios ao longo do eixo principal, como uma pena; ou como o paus de Leotondon e Taraxacum. PLMULA folha (pl) simples ou composta, verde, pouco perceptvel ou diferenciada, que se encontra entre os cotildones de alguns embries e que dar origem a parte area da planta [Fig.78B, 275, 307B, 308C, 309, 311B]. PLURISSEMINADO com muitas sementes. Poa annua L. espiguetas ovadas, agudas, comprimidas lateralmente, multifloras (unidade-semente mltipla), com 3,0-5,5(-7,0)mm de comprimento por 1,8-2,5mm de largura, de colorao palha, que se desarticulam acima das glumas e entre os antcios; glumas ovadas, a agudas, herbceas, glabras, com a inferior (gli) 3-nervada e me- nor do que a gluma superior (gls); antcio frtil (af) com lema (lf) largo-ovada, aguda, mtica de 2,5-3,0(-3,7)mm de comprimento por (0,7-)1,0-1,3mm de largura, 5-nervuras conspcuas, com densa pubes- cncia longa nas nervuras laterais e no dorso, pouco maior do que a plea frtil; esta com densos plos longos na carena e que no vo at o pice; segmento da rquila (seg) adpresso plea ftil, cilndri- co e cerca de 1 /5 do comprimento do antcio; cariopse com (1,0-)1,2- 1,5mm de comprimento, com fino retculo, livre ou aderido ao ant- cio, hilo elptico [Fig.276]. A unidade-semente o antcio frtil. Poa pratensis L. antcio frtil de 2,5-3,0(-3,8)mm de comprimento por 0,7-1,0mm de largura; lema frtil lanceolada, de colorao palha-cla- FIGURA 275 Plmulas de espcies de Fabaceae. FIGURA 276 Poa annua: A- espigueta; B- antcio frtil; C- cariopse ventral. 275. 304 Glossario Ilustrado de Morfologia ra a escura, com mancha marrom mais escura na base, 5-nervuras, granulosa, levemente arqueada no dorso, pice obtuso-dilatado, com curta pubescncia esparsa na poro inferior das nervuras; plea fr- til com esparsos plos speros e que no vo at o pice; cariopse com 1,5-1,7(-2,0)mm de comprimento, tendendo a ser uniformemente espessa, lisa, de colorao castanho-amarelada, rea do embrio lar- ga, hilo ovalado-arredondado. A unidade-semente o antcio frtil. POACEAE nome vlido da famlia Gramineae. PLEM ou PLEN cada um (ou o conjunto) dos microspros (gp) germinados das Fanergamas [Fig.13A, 171]. POLIEMBRIONIA quando ocorrem dois ou mais embries na mesma semente. Esses embries podem ser de origem sexuada ou apom- tica. A poliembrionia ocorre em manga, Citrus, orqudeas e tem gran- de interesse e importncia para o melhoramento de plantas e para a horticultura. Tambm ocorre em algumas espcies florestais como Aspidosperma polyneuron Mll. Arg. (Apocynaceae - Fig.277). POLIGRMICO ou POLISPRMICO ou POLISPRMO com muitas se- mentes; o mesmo que multisseminado, oligosprmico ou oligos- permo. Ex: cpsula polisprmica. POLIMORFISMO ocorrncia de vrias formas de indivduos na mes- ma espcie, isto com existncia de rgos ou plantas com diver- sas formas. FIGURA 277 Poliembrionia em Aspidosperma polyneuron: A- semente; B-C-D- E-F- poliembrionia. 276. p 305 POLISTMONE que tem estames em nmero superior ao dobro de ptalas. Ex: flor polistmone. POLISSMARA fruto formado por vrias smaras. Polygonum aviculare L. ncula triangular, apiculada, pedicelada, afilan- do gradativamente para um pice agudo-acuminado, com 2,5-3,5 mm de comprimento por 1,5-2,0mm de largura, ngulos arredondados, li- sos, lustrosos e castanho-avermelhados; com trs faces geralmente desiguais na largura, levemente cncavas, foscas, escabrosas por di- minutas asperezas alongadas (30X), castanho-escuras (ncula madura) ou castanho-avermelhadas (ncula imatura), mas sempre ligeiramente mais escuras do que os ngulos; embrio (em) perifrico, curvo, li- near e deitado paralelamente em um dos ngulos da ncula; clice pentmero (prg) com segmentos iguais entre si, estramneo, glabro e menos longo do que o comprimento da ncula [Fig.241P-Q-R]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice pentmero in- teiro ou parte dele aderida a base. POMDIO fruto bacide, carnoso, indeiscente, unisseminado, originado de um ovrio nfero, com endocarpo coriceo que forma pequenas cmaras ou antros, que encerram as sementes; como nos gneros Malus e Pyrus (Rosaceae) [Fig.278]. PORICIDA diz-se do fruto quando a deiscncia ocorre atravs de poros (p). Ver cpsula poricida [Fig.65]. PORO qualquer pequena abertura na parede de um rgo (esporos, anteras, frutos, estmatos). FIGURA 278 Pomdio de ma. 277. 306 Glossario Ilustrado de Morfologia Portulaca oleracea L. pixdio de globoso a obovado, com 4-8mm de dimetro, unilocular, multisseminado, com deiscncia transversal na poro mediana, pericarpo de esverdeado ou amarelo-esverdeado a pardo e envolto pelo clice, to longo quanto o comprimento do fruto; semente de lenticular a reniforme, de suborbicular ou orbicular a largo-obovado em contorno; com 0,5-0,8mm de dimetro ou 0,5- 0,8(-0,9)mm de comprimento por 0,4-0,6mm de largura e 0,3-0,5mm de espessura, lados convexos, com sulco que corre do hilo ao centro da semente, bordo arredondado e interrompido na poro lateral- basal por pequeno entalhe amarelado e ovalado, o hilo; tegumento crustceo, com superfcie levemente lustrosa, glabra, de colorao castanho-avermelhado-escura a preta, ornamentada com curtos tu- brculos arredondados e dispostos simetricamente em linhas con- cntricas, a partir do hilo (20X); embrio perifrico, curvo e aneli- forme, com curvatura de + de 360, eixo hipoctilo-radcula pouco + da do comprimento total do embrio e cotildones elpticos de pice obtuso-arredondado; endosperma reduzido a fina pelcula em torno da ponta da radcula e perisperma central, farinceo, duro e ebranquiado quando seco ou taranslcido e mucilaginoso depois de hidratado [Fig.305L]. PRAGA qualquer espcie, raa ou bitipo vegetal ou animal ou agente patognico nocivo para os vegetais ou produtos vegetais. Nestas regras a praga refere-se especificamente s espcies de sementes determinadas e definidas pela legislao como: Praga no quarentenria regulamentada aquela cuja presena nas plantas, ou partes destas, para plantio, influi no uso proposto 278. p 307 para essas plantas com impactos economicamente inaceitveis e que, portanto, est regulamentada no territrio da parte contratante importadora. Praga quarentenria praga de importncia econmica potencial para a rea posta em perigo quando a praga ainda no est presente, ou se est, no se encontra amplamente distribuda e oficialmente controlada. Praga quarentenria A1 praga no presente no Pas, porm com caractersticas de ser potencial causadora de importantes danos econmicos, se introduzida. Praga Quarentenria A2 praga de importncia econmica potencial, j presente no Pas, porm no se encontra amplamente distribuda e possui programa oficial de controle. PRFLORAO modo pelo qual se prendem, no boto floral, os elementos do perianto [Fig.279]. Ver circinada, convoluta, involuta e revoluta. PRIMINA integumento externo (ex) do vulo [Fig.171, 297]. PRIMRDIO estdio rudimentar de um rgo que comea a se formar. PROCUMBENTE diz-se de caules que no se mantm eretos, mas rastejam sobre o solo e no se enraizam; o mesmo que prostrado. FIGURA 279 Prflorao: A- convoluta; B- circinado; C- involuta; D- revoluta. 279. 308 PROPAGAO o memo que multiplicao, ato de se propagar. PROPGULO o mesmo que dissemnulo, disporo e unidade de disperso. Qualquer estrutura que serve para propagao ou multiplicao vegetativa de uma planta. PROSTRADO deitado sobre o solo; o mesmo que procumbente. PROTFILO folha embrionria, por exemplo cotildones. PROTUBERNCIA salincia (proeminncia) em geral de forma arredondada. PRUNA diz-se da superfcie, de um rgo (folha, fruto ou semente) que apresenta secreo pulverulenta; que apresenta p ceroso. PRUINOSOcobertocompruina.(partculasoupequenospontosesbranquiadas). Prunella vulgaris L. fruto artrocarpceo bicarpelar, geralmente com quatro carceruldios; envolto pelo clice; carceruldio alongado- obovide-cuneiforme, obovada em contorno e cuneiforme em seo transversal, com 1,5-1,8(-2,5)mm de comprimento por 0,9- 1,2mm de largura e 0,7-0,9mm de espessura, pice arredondado, base aguda, lado dorsal levemente convexo e ventral arredonda- do-carenado, com carena obtuso-arredondada, que o divide em duas faces quase planas; cicatriz de insero basal-ventral, or- namentada por carnosidade branca, aguda, em forma de V; peri- carpo crustceo, com superfcie lisa, glabra, lustrosa, de colora- o castanho-amarelado-clara ou escura, com listra mais clara no Glossario Ilustrado de Morfologia 280. p 309 centro do lado dorsal e sobre a carena, e listra escura que desce ao lado da carena e pelos bordos do lado ventral; embrio axial, invaginado e reto; endosperma carnoso [Fig.76J]. A unidade-se- mente o carceruldio. PSEUDO-FRUTO resultante do crescimento de partes acessrias da flor; a parte comestvel no fruto do caj (Anacardium occidentale L. - Fig. 280C) o pednculo-floral e a semente a castanha, com embrio na parte basal (prximo do ponto de insero com o pednculo-floral); no marmelo (Cydonia oblonga Mill. - Fig.280D) a parte comestvel o re- ceptculo-floral e internamente se encontra o fruto com as sementes; no morango ((Fragaria sp.) tem-se um pseudo-fruto composto, formado por diversos ovrios provenientes de uma nica flor e distribudos em uma pol- pa suculenta; no abacaxi (Ananas comosus (L.) Merr. - Fig.280 A) o pseu- do-fruto mltiplo resulta de numerosas flores femininas inseridas sobre um eixo comum; na amora (Rubus sp. - Fig.280B) o pseudo-fruto mltiplo formado pela inflorescncia feminina de diversas flores; na uva-do-japo (Hovenia dulcis Thunb.) a parte comestvel o pednculo (pd) - Fig.281]. FIGURA 280 Pseudo-frutos: A- abacaxi; B- amora; seo longitudinal: C- caj; D- marmelo. FIGURA 281 Pseudo-fruto de Hovenia dulcis. 281. 310 Glossario Ilustrado de Morfologia PUBERULENTA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta miudamente pubescente [Fig.204I]. PUBRULO diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta ligeiramente pubescente. PUBESCNCIA indumento da superfcie de um rgo, com densos e curtos plos finos. Ver pubescente. PUBESCENTE diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou se- mente) que se apresenta revestida com densos e curtos plos fi- nos [Fig.203J]. PULVINO o mesmo que pulvnulo. PULVNULO pequena intumescncia situada na base do pecolo de muitas plantas, prximo ao ponto de insero no caule; ocorre principalmente nas Fabaceae (=Leguminosae); composta de parnquima e que pela variao da turgescncia, pode provocar movimentos nas folhas; o mesmo que pulvino. PUNCTEADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta coberta com pequenas impresses, como se tivessem sido feitas pela ponta de um alfinete [Fig.295I]; como a semente de Anagallis arvensis L. PUNCTIFORME em forma ou com aparncia de ponto. 282. p 311 Hilo punctiforme como em muitas Poaceae (=Gramineae - Fig.11D). PUNGENTE diz-se quando o pice de rgo (folha, fruto ou semente) termina gradativamente em ponta dura e aguda [Fig.16E]. PUPA estdio intermedirio entre a larva e o inseto adulto. PUREZA FSICA a caracterstica que reflete a composio fsica ou mecnica de um lote de sementes. PUREZA VARIETAL quando as sementes geneticamente puras produzem no campo plantas adultas que reproduzem fielmente as caractersticas da variedade selecionada pelo melhorista. PRPURA de colorao vermelha-escura tirante ao violeta. PURPREO que tem colorao prpura. PUSILO muito pequeno; fraco e delgado. PSTULA pequena proeminncia vesicular na haste, nas folhas ou na testa das sementes. PUTMEN parte central (caroo) das drupas; morfologicamente o termo mais adequado pirnio. 283. Q 284. 314 Glossario Ilustrado de Morfologia QUIESCNCIA um estado de repouso, em que a semente est vivel mas no germina; este estado facilmente superado com o fornecimento das condies ambientais adequadas para a espcie; controlada por fatores exgenos (CARVALHO & NAKAGAWA, 1979). Por ex.: uma semente de milho pode estar em estado quiescente, mas passar imediatamente a germinar quando forem fornecidas as condies adequadas de umidade, temperatura e oxignio. Ver dormncia. QUIESCENTE aplica-se a fase ou estado de repouso de um vegetal ou de uma semente, ficando por um perodo como que dormente. Ver quiescncia. QUILHA salincia longitudinal, semelhante a quilha de um barco, como [Fig.100-O, 101R]; nas Poaceae (=Gramineae) uma dobra aguda ou o ngulo ao longo das duas nervuras da plea [Fig.11A] ou ao longo da nervura mediana da lema; o mesmo que carena. Ver cimbiforme e navicular. 285. 316 Glossario Ilustrado de Morfologia RACEMO inflorescncia indefinida na qual as flores so pediceladas, se inserem num eixo comum, a certa distncia uma das outras; o mesmo que cacho [Fig.52]. RACEMOSO que tem cachos ou com aparncia de cacho; inflorescn- cia em cacho, onde as flores so pedunculadas e no se inserem no mesmo ponto. RADIADA arranjada ou que se insere em um ponto comum. RADIAL se refere periferia (ao raio); dispostos em forma de roda. RADICELA o mesmo que radcula. RADCULA a raiz rudimentar do embrio e que consiste, geralmente, de apenas um meristema apical coberto pela coifa [Fig.11] ou pode-se dizer que a estrutura distal do eixo embrionrio ou eixo hipoctilo- radcula que se encontra abaixo dos cotildones [Fig.302B, 303B, 304B, 306B, 307B, 308C, 309, 310B, 311B] ou abaixo do escutelo [Fig.78A] e que aps emergir do tegumento da semente, durante o processo de germinao, dar origem raiz primria. A posio da radcula em relao aos cotildones, dentro da semente, um elemento de grande valor na identificao de certas espcies, entre e dentro da famlia. Contorno da radcula visvel nas sementes na extremidade prximo da micrpila, em muitas espcies de Fabaceae Papilionoideae, como em Trifolium repens L., Medicago lupulina L., Melilotus indica (L.) All., Lotus corniculatus L., Crotalaria spectabilis Roth e Desmodium tortuosum (Sw.) DC.). FIGURA 282 Sistema radicular ramificado de Dicotilednea. FIGURA 283 Sistema radicular fasciculado de Mo- nocotilednea. 286. R 317 RAFE linha elevada ou sulco que percorre o tegumento da semente, do hilo chalaza, como em Euphorbia comosa Vell. e Ricinus communis L. [Fig.84], e que provm da soldadura de uma poro do funculo de um vulo antropo [Fig.246] ou campiltropo [Fig.248] com o integumento. Rafe ventral tipo mais comum; ocorre nas Euphorbiaceae. Rafe dorsal resulta da curvatura do funculo sobre a micrpila adaxial, ocorre em Buxaceae, Ebenaceae e Lauraceae e em certos gneros de Anacardiaceae, Celastraceae e Proteaceae. RAIO regio onde se inserem, num captulo de Asteraceae (=Compositae), as flores mais externas (posteriormente os aqunios) que geralmente so flores liguladas. Termo usado em oposio s flores do disco, que so centrais. As flores do raio podem produzir aqunios com caractersticas morfolgicas diferentes das do disco e quando isso ocorre temos aqunios heterocarpos. RAIZ o rgo de fixao do vegetal ao solo, de onde retira gua e nutrientes minerais. Raiz axial ou pivotante a raiz principal que penetra verticalmente no solo, isto , apresenta geotropismo positivo e raizes secundrias pouco desenvolvidas e oblquas em relao a principal; este conjunto forma o sistema radicular ramificado de Dicotiledneas [Fig.282]. Raiz adventcia a raiz ou as razes que se originam de outras estruturas que no a radcula; pode ser a partir do hipoctilo, do colo, do colmo, de caules, de ramos ou de bulbos [Fig.51, 284]. FIGURA 284 Parte inferior de uma planta de milho. FIGURA 285 Raiz area de Philodendron. 287. 318 Glossario Ilustrado de Morfologia Raizes adventcias seminais no embrio das Poaceae (=Gramineae) desenvolve-se acima do ponto de insero do escutelo [Fig.78A- ras] e aps a germinao, outras razes adventcias se desenvolvem dos ns do colmo principal e dos colmos laterais. Raiz area a raiz de uma planta epfita, que vive sobre outras plantas, sem parasit-las, como a raiz do imb (Philodendron - Fig.285). As raizes partem do caule e se dirigem verticalmente para o solo, podem atingir a alguns metros, so muito resis- tentes e freqentemente usadas como cips. Quando as raizes atingem o solo, penetram nele e se ramificam, antes disso a ramificao dificilmente acontece, a no ser que a ponta tenha sido quebrada. Raiz aqutica a raiz que se forma abaixo da lmina dgua, que serve para flutuao e para a respirao da planta [Fig.286]. Raiz atrofiada a raiz ou as razes que apresentam atrofia, que no se desenvolveram, que degeneraram, que esto enfraquecidas. Raiz com desenvolvimento atrasado uma raiz geralmente com ponta intacta, mas muito curta e fraca para estar em equilbrio com as outras estruturas da plntula. Raiz curta e grossa a raiz que caracteriza as plntulas com sintomas fitotxicos. Raiz geralmente claviforme, com ponta intacta. Raiz enfezada uma raiz raqutica e atrofiada. FIGURA 286 Raiz aqutica de Jussiaea. FIGURA 287 Raiz pivotante de nabo. 288. R 319 Raiz fascculada ou Raiz em cabeleira aquela onde no se distingue nem pela posio e nem pelo desenvolvimento uma raiz principal; este conjunto forma o sistema radicular fas- ciculado de Monocotiledneas [Fig.283], ocorre em Poaceae (=Gramineae) e devido ao formato so denominadas de razes adventcias [Fig. 284]. Raiz lateral qualquer raiz que se origina lateralmente a raiz principal. Raiz pivotante quando a raiz principal muito desenvolvida e suas ramificaes tem desenvolvimento quase desprezvel; portanto tambm uma raiz tuberosa, pois armazena reservas alimentcias, como em cenoura e nabo [Fig.287]. Raiz primria a raiz principal, longa e delgada, resultante do desenvolvimento da radcula do embrio, geralmente com numerosos plos absorventes e terminando em ponta fina. Raiz secundria a raiz que emerge da raiz primria. Nos testes de germinao usa-se essa designao para outras razes que no a raiz primria, como nos gneros Zea (Poaceae =Gramineae) e Cucurbita (Cucurbitaceae). Raizes seminais designao dada raiz primria e um certo nmero de razes secundrias, que se originam no eixo embrionrio e formam o sistema radicular de uma plntula de cereais (como em Triticum Poaceae) e de Cyclamen (Primulaceae). FIGURA 288 Raiz tuberosa de batata-doce. 289. 320 Glossario Ilustrado de Morfologia Raiz tuberosa a raiz principal, que penetra verticalmente no solo onde se ramifica e na poro prxima a superfcie muito de- senvolvida, formando um tubrculo, como na beterraba [Fig. 289]. Algumas vezes no a raiz principal que tuberosa e sim as al- gumas raizes laterais, como em batata-doce [Fig.288] e nas raizes de dlia. RAMENTCEA diz-se da superfcie de um rgo (folhas, frutos ou sementes) que se apresenta coberta com macas e flexveis excrescncias rugosas, marrons e escamiformes [Fig.203N]. Ranunculus sp. fruto mltiplo formado por diversos frutcolos (ncu- las), que se assentam sobre um receptculo estrobiliforme; ncula comprimida, que se afila para o pice e a base (ponto de insero), com estilete (rostro) apical persistente, em maior ou menor tama- nho, reto ou curvado, ou espinhoso [Fig.238]. A unidade-semente a ncula. Seguem caractersticas diferencias de algumas espcies de Ranunculus: Ranunculus acris L. ncula discide, largo-obovada em contorno e estreito-elptica em seo transversal, cerca de 2,2-3,3mm de comprimento, por (1,5-)2,0-2,6mm de largura e 0,5-0,7mm de espessura, com curto rostro apical ligeiramente curvado ou reto, originado da margem; base frequentemente levemente extendida, margens levemente aladas, com uma muito mais alada e curvada do que a outra; superfcie finamente pontilhada, fosca, de colorao castanho-clara a escura e margem ligeiramente mais clara em sementes mais escuras [Fig.238A]. FIGURA 289 Raiz tuberosa de beterraba. 290. R 321 Ranunculus bulbosus L. ncula discide, de suborbicular a largo- obovada em contorno e estreito-elptica em seo transversal, com (2,8-)3,0-3,5mm de comprimento, por (1,8-)2,3-2,8mm de largura e 0,5-0,7mm de espessura, com curto rostro apical uncinado, originado da margem; margens levemente aladas, com uma muito mais alada e curvada do que a outra; superfcie finamente granular, fosca, de colorao castanho-escura a castanho-avermelhada e margem amarelada [Fig.238B]. Ranunculus parviflorus L. ncula de largo-ovalada a suborbicular em contorno, cerca de 2,0-2,8mm de comprimento, por 1,8-2,5mm de largura e 0,5-0,7mm de espessura, com longo rostro apical reto, margens inconspcuamente aladas e pouco mais claras, superfcie castanha, granulosa e fosca [Fig.238C]. RANHURA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) com pequeno sulco, ou escavao. Raphanus raphanistrum L. sliqua lomentcea cilndrico-alongada, no alada, moniliforme em maior ou menor intensidade, com 25-80mm de comprimento por 2,0-3,5(-4,0)mm de largura, com 5-7 costelas consp- cuas ou inconspcuas e com rostro longo-acuminado (muitas vezes quebrada quando misturada s sementes comerciais); poro valvar delgada, estipiforme e com 2,0mm de comprimento; poro estilar com (2-)4- 8(-10) sementes, com costries transversais (mais [Fig.321A-A] ou menos [Fig.320A] acentuadas, dependendo da variedade), que podem se separar em segmentos (sgm - na maturao) com 1-2 artculos unisseminados, globosos e com 1,6-2,0mm de dimetro, ou sub- cilndricos e com 3-4mm de comprimento [Fig.321A-A-A]; semente 291. 322 Glossario Ilustrado de Morfologia ovide, castanho-avermelhada, 4-6mm de comprimento por 2mm de largura. A unidade-semente so os segmentos e mais raramente a semente livre. Raphanus sativus L. sliqua lomentcea cilndrico-cnica, inflado, no moniliforme, com 30-50(-80)mm de comprimento por 5-9(-10)mm de largura, com nervuras longitudinais e rostro largo-cnico (muitas vezes quebrado quando misturado s sementes comerciais); poro valvar muito curta, parecendo um pednculo; poro estilar com 2-3(-4) sementes, sem constries transversais, ou s vezes contrdas entre as sementes, mas no se separa em segmentos na maturao, no entanto pode se abrir mecanicamente no beneficiamento [Fig.321B]. A unidade-semente a semente e mais raramente o fruto quebrado. Rapistrum rugosum (L.) All. sliqua lomentcea formada por dois ou mais artculos superpostos, uniseminados ou bisseminados, um rostro (ro) e um pednculo (pd); artculos crneos, de amarelado a amarelo-palha ou acinzentado, bordos sinuados, se desarticulam entre eles e entre o pednculo; artculo superior indeiscente, de glo- boso a largo-ovide, com 2,5-3,5mm de comprimento (exceto o ros- tro) por 2,0-3,0(-3,5)mm de dimetro, unisseminado ou bisseminado, com largas costelas longitudinais, muito ou pouco rugosas; artculo superior atenuado para um rostro apical estril, com 1,0-1,5(-2,0) mm de comprimento, muitas vezes ausente; artculo inferior deis- cente ou no, subcilndrico ou ovide, liso ou levemente rugoso ou estriado, com 1,0-1,5(-2,0)mm de comprimento por 1,0-1,2mm de largura, unisseminado, estril ou raro bisseminado; pednculo liso, curto ou at trs vezes o comprimento do artculo inferir [Fig.322]. A unidade-semente so os artculos, muito raro a semente livre. 292. R 323 RAQUE o eixo principal (ra) de uma inflorescncia [Fig.43, 257]. RQUILA ou RQUIS pequeno eixo ou eixo secundrio do rquila; nas Poaceae (=Gramineae) e nas Cyperaceae o eixo onde se originam as pequenas flores ou os antcios. Ver segmento da rquila. RASTEIRO que se arrasta; o mesmo que rastejante. RASTEJANTE diz-se do caule que se desenvolve apoiado sobre o solo, com ou sem razes, de trechos em trechos, como na abbora; o mesmo que rasteiro. REANLISE quando a repetio do teste for com sementes do mesmo lote, mas de amostras mdias diferentes. Ver reteste. RECEPTCULO poro axial da flor que serve de assento aos diversos verticilos florais [Fig.171-re], assim como a extremidade dilatada do pedicelo, que constitui o suporte das diversas flores de um captulo ou de outra inflorescncia; o mesmo que tlamo. RECEPTCULO-FLORAL ver receptculo. RECURVO curvo com a cavidade voltada para trs. REFLEXO diz-se do rgo que que se apresenta voltado para base do local onde se insere. REGMDIO fruto esquizocarpceo, formado por cinco carpelos, cujos estiletes esto concrescidos em uma coluna (eixo) central ou carpforo FIGURA 290 Regmdio (A-C) e mericarpo (B)de Geranium sp. (A-B) e Erodium sp. (C). 293. 324 Glossario Ilustrado de Morfologia mais ou menos longo. Na maturao os carpelos (agora carpdios ou mericarpos) se separam da coluna, mas ficam presos a ela, por algum tempo, pela base e pelo pice (os estiletes). Cada carpdio longo- pontudo na base, se abre (deiscente) longitudinalmente por uma fenda, mas a semente fica impedida de sair pela projeo basal da coluna central. Enquanto os estiletes (rostro ro) se torcem helicoidalmente (da esquerda para a direita), a semente se move e levada para a parte superior do carpdio ou mericarpo e depois liberada. Fruto tpico das Geraniaceae, como nos gneros Erodium (mericarpos com um tufo de plos na base - Fig. 290C), Geranium [Fig.290A-B] e Pelargonium (mericarpos com plos na base). Na natureza os estiletes absorvem ou perdem gua, em velocidades diferentes, de maneira que eles executam movimentos em espiral, ora num sentido ora no outro, e assim o mericarpo se move sobre a superfcie do solo e penetra nele. REGULAR usado para dizer que todas as partes so simtricas; como uma corola rotada. REMANESCENTE a estrutura que permaneceu aderida. RENIFORME diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de rim e com ponto de insero no centro do lado encurvado [Fig.102G]. REPLO ou REPLUM falso septo (rep), de textura membrancea, formado pela unio dos bordos carpelares no fruto (sliqua ou silcula) de Brassicaceae (=Cruciferae) e que contm as placentas e posteriormente as sementes [Fig.317B, 319C-D]. Este conjunto permanece ligado ao pednculo, aps a deiscncia e a queda das valvas. Tambm encontrado nos craspdios das Fabaceae [Fig.107-rep]. 294. R 325 RETANGULAR que tem forma de retngulo. RETESTE quando a repetio do teste for com sementes da mesma amostra mdia. Ver reanlise. RETICULADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semen- te) que se apresenta recoberto por linhas que se anastomosam for- mando uma rede de pequenas malhas, geralmente com aparncia geomtrica [Fig.295B]. RETICULADOFAVEOLADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que varia entre reticulada e faveolada; quando a profundidade e a distncia entre cada retculo so mais pronunciadas do que a de uma simples superfcie reticulada [Fig.295D]. RETICULAR com aspecto de retculo. RETCULO diz-se da superfcie com pequena rede de malhas. RETINCULO o mesmo que ejaculador [Fig.64, 126]. RETRORSO voltado ou dirigido para trs (base), geralmente plos ou espinhos [Fig.237]; oposto de antrorso. RETUSO diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) arredendo e no centro apresenta pequena reentrncia [Fig.16N]. REVOLUTA(O) diz-se da folha com os bordos enrolados ou voltados para trs ou para baixo [Fig.279D]; como os bordos de uma folha ex: Senna. Oposto a involuta. 295. 326 Glossario Ilustrado de Morfologia Rheum rhaponticum L. ncula envolta pelo perignio (prg), formado por 3-spalas (sp) aladas, planas, amarelo-castanho-avermelhada, com bordos paralelos e de 7-9mm de comprimento, largura e espessura; ncula de trgona a quadrangular, com 7-8mm de comprimento por 3,5-4,0mm de largura e espessura, castanho-escura, com faces convexas, com trs ngulos agudos e afilando para o pice e a base [Fig.241S-T-U]. A unidade-semente a ncula, sem ou com o clice pentmero inteiro ou parte aderida a base. Rhynchosia phaseoloides (Sw.) DC. semente de largo-ovide a globosa, com pice e base arredondada, vermelho-escarlate e com mancha preta obliqua (abaixo da rea hilar e na margem dorsal) que ocupa cerca da da superfcie; hilo localizado na poro vermelho-escarlate [Fig.1C-D]. Ver Abrus precatorius. A unidade-semente a semente. Rhynchospora aurea Vahl (=R. corymbosa (L.) Britton) ncula obovada, com 2,5-3,5mm de comprimento (exceto o rostro) por 2,0-3,0mm de largura (prximo ao pice), castanha, com leve escabrosidada, se afila gradativamente para uma base pontuda, deprimida nas faces, pice com longo rostro (ro - estilete remanescente) igual ou maior do que a ncula, na base com 6-7 cerdas (ce) escabrosas de 4-5(-5,5)mm de comprimento [Fig.239I-I]. A unidade-semente a ncula (com rostro apical e com ou sem as cerdas basais). Rhynchospora nervosa (Vahl) Boeck. (=Dichromena ciliata Vahl) ncula de suborbicular a largo-elptica, biconvexa, com 10-2mm de comprimento (exceto o rostro), de amarelo-palha a castanho-escura, transversalmente rugosa, pice com rostro (ro - estilete remanescente) de at do compri- mento da ncula [Fig.239J-J]. A unidade-semente a ncula (com rostro apical). 296. R 327 RINGENTE termo usado para uma corola monoptala, cujo limbo est desigualmente dividido e com os lbios bem afastados; com a diviso superior do lbio encurvada (em forma de arco) e a inferior proeminente e adpressa contra a anterior, de modo que o conjunto se parece com a boca de um animal [Fig.101A]. Ver cpsula ringente. Corola ringente como a de Antirrhinum. RIZOMA caule freqentemente parcial ou totalmente subterrneo, horizontal, mais ou menos espesso, rico em reservas e com capacidade de produzir raizes e caules em cada n; se destingue das raizes pela presena de ns, gemas e escamas; como o rizoma de Iris [Fig.291] e da espada-de-So-Jorge. RIZOMATOSO que tem rizomas. RODO diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) se apresenta truncado, exceto que no termina reto e sim parece estar irregular (rodo) [Fig.16S]. ROLIO quando um rgo, em seo transversal, quase circular; o mesmo que cilndrico e teretiforme [Fig.101M]. RMBICO diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de losango ou oval e um pouco angular na poro mediana [Fig.102C]. ROMBIFORME que tem forma de romboedro. ROMBOIDAL que tem forma de rombide; o mesmo que rombide. FIGURA 291 Rizoma de Iris. 297. 328 Glossario Ilustrado de Morfologia ROMBIDE quadriltero de ngulos no retos, com lados opostos iguais e paralelos e lados contguos diferentes; o mesmo que paralelograma. ROSETA quando as folhas esto arranjadas ao redor da base, em crculo condensado, de um caule central [Fig.2]. ROSTRADO diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) termina gradualmente em ponta dura, larga, reta ou curvada [Fig.16I]; como a bainha do rbano; ou que possui rostro (ro). Aqunio rostrado quando o corpo do aqunio apresenta um prolongamento, como em Hypochaeris brasiliensis Griseb., H. grisebachii Cabr., H. glabra L., H. radicata L. e Soliva pterosperma (Juss.) Less. (Asteraceae =Compositae Fig.23A, 18B) e de Scabiosa atropurpurea L. (Dipsacaceae Fig.301B-C). Invlucro-gamfilo rostrado como em Xanthium strumarium [Fig. 208C-ro]. Ncula rostrada que possui estilete apical persistente, como nos gneros Ranunculus [Fig.238] e Anemone (Ranunculaceae ). ROSTRO prolongamento apical de um rgo (fruto ou semente) que termina em ponta dura, longa e reta, formado pelos estiletes concrescidos e persistentes [Fig.16I,18B, 23A, 238, 292]. Ver rostrado. Rostro divergente em Acanthospermum hispidum [Fig.206B]. ROSULADO quando as folhas (fo) encontram-se dispostas na base ou no pice do caule (cau), esto muito prximas por ocorrer em entrens FIGURA 292 Rostro. FIGURA 293 Rosulado. 298. R 329 muito curtos, dando a impresso de que todas esto no mesmo n [Fig.293]; em forma de roseta; como as folhas da falsa-tiririca (Hypoxis decumbens L. Hypoxidaceae Fig.175A). ROTCEO ou ROTADA diz-se da corola gamoptala, de tubo muito curto e estreito que lembra o eixo de uma roda, com limbo circular, expandido e perpendicular ao tubo [Fig.294]; como a corola de Veronica e Galium; rotceo mais usado do que rotada. RUDERAL diz-se da espcie, ou de um grupo de plantas, que habitam as cercanias das construes humanas, como ruas, terrenos baldios, lugares abandonados, runas, etc.; portanto a existncia da planta depende da habitao humana vizinha. RUDIMENTAR estado de desenvolvimenbto imperfeito; prprio do rudimento ou relativo a ele; o estado rudimentar pode ser transitrio, como nos frutos ou sementes no incio do seu desenvolvimento; ou ser definitivo como o estamindio de certas flores. RUDIMENTO estrutura inicial, primrdio; um rgo imperfeitamente desenvolvido e no funcional; ou estado atrofiado de um rgo e que fica reduzido. RUGOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que tem rugas (que no lisa) [Fig.295A]. Rumex sp. ncula trgona; embrio perifrico, curvo, linear e deitado paralelamente a uma das faces da ncula; clice hexmero, glabro, papirceo e formado por dois ciclos de trs spalas, as externas FIGURA 294 Rotada. FIGURA 295 Superfcie (quanto ao desenho): A- rugosa; B- reticulada; C- faveolada; D- reticulado -faveolada; E- lacunosa; F- estriada; G- sulcada; H- aciculada; I- puncteada. 299. 330 Glossario Ilustrado de Morfologia (spe) reflexas na frutificao e muito menores do que as internas (spi), acrescentes e aderentes ou no ncula [Fig.240]. Seguem as caractersticas diferenciais das espcies de Rumex: Rumex acetosella L. ncula trgona, sssil, com pice e base obtusos, cerca de 1mm de dimetro ou 1,0-1,3mm de comprimento por 0,8-1,1 mm de largura, ngulos obtusos e no alados, com trs faces planas iguais na largura; superfcie castanho-avermelhada- escura, lisa e muito lustrosa; embrio (em) estreito-transverso- elptico em seo transversal; clice com spalas externas (spe) ovado-oblongas, de pice acuminado, castanho-claras e cerca da do comprimento total da ncula; spalas internas (spi) aderentes, ovado-triangulares, castanho-escuras, to longas quanto a ncula, com bordos inteiros e no alados, lbulos spero-granulosas, com retculo de malhas bem visveis, nervura mediana saliente e sem tubrculo [Fig.240A-B-C]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice hexmero inteiro ou parte aderida a base. Rumex crispus L. ncula trgona, ligeiramente pedicelada, se afila abruptamente para um pice acuminado, com 2,0-2,5mm de comprimento por (1,4-)1,5(-1,7)mm de largura, ngulos ob- tusos e ligeiramente alados, com trs faces planas iguais na largura; superfcie castanho-avermelhada nas faces e ngu- los castanho mais escuros; embrio (em) transverso-elptico em seo transversal; clice castanho-avermelhado-claro, com spalas externas (spe) linear-lanceoladas e com 1,0-1,2mm de comprimento; spalas internas (spi) no aderentes, ovadas ou cordiformes, de pice arrebondado ou obtuso, com 4-5(6-)mm de comprimento por 3-4mm de largura, com retculo de malhas 300. R 331 ligeiramente mais escuras, bordos alados, inteiros ou com pe- quenos dentes na poro basal, a nervura mediana de cada spala forma um tubrculo (tu) oblongo, basal, com 2mm de comprimento e com retculo longitudinal [Fig.240D-E-F-G-H]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice hexmero inteiro ou parte aderida a base. Rumex obtusifolius L. ncula trgona, inconspicuamente pedicela- da, afila gradativamente para um pice acuminado, com 2,0-2,3 mm de comprimento por 1,2-1,4mm de largura, ngulos obtusos e no distintamente alados; superfcie castanho-avermelhada ou castanho-acinzentada e ngulos da mesma colorao; embrio (em) transverso-elptico em seo transversal; clice castanho- avermelhado, com spalas externas (spe) linear-lanceoladas e com 1,0-1,2mm de comprimento; spalas internas (spi) no aderentes, ovado-triangulares, de pice agudo, com (4,0-)4,5-5,0(-6,0)mm de comprimento por 2,5-3,0mm de largura, com retculo de malhas menores na base e maiores no pice e ligeiramente mais escuras, bordos alados, com dentes ou lacnias entre a base e a poro mediana, apenas a nervura mediana de uma das spalas forma um tubrculo (tu) subgloboso ou oblongo-ovalado, basal, com 1,5-2,0 mm de comprimento e com retculo longitudinal [Fig.240I-J-K-L]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice hexmero inteiro ou parte aderida a base. Rumex pulcher L. ncula trgona, sssil, pice agudo, com 2,0- 2,5mm de comprimento pr 1,5-1,8mm de largura, ngulos obtusos e no alados; superfcie atro-avermelhada (ncula madura) e mais clara (ncula imatura) e com ngulos mais escuros; embrio (em) com cotildones transverso-elptico em seo transversal; clice 301. 332 Glossario Ilustrado de Morfologia castanho-avermelhado, com spalas externas (spe) oblongas e com 1mm de comprimento; spalas internas (spi) no aderentes, de ovadas a ovado-oblongas, de pice agudo, com 4-5(-6)mm de comprimento por 2,5-4,5mm de largura, com retculo de malhas menores na base e maiores no pice e da mesma colorao, bordos alados, com 5-10 dentes ou lacnias retas, setiformes ou subespinhosas, a nervura mediana de cada spala ou apenas uma delas, forma um tubrculo (tu) de semigloboso a oblongo, basal, com 2mm de comprimento e alveolado [Fig.240M-N-O-P]. A unidade-semente a ncula, sem ou com clice hexmero inteiro ou parte aderida a base. RUMINADO provido de mltiplas fissuras, como a noz-moscada; ou de aspecto irregular. Endosperma ruminado se caracteriza pelas invaginaes transver- sais do tegumento (tegmen) para o interior do tecido nutritivo (para o centro da semente); como em sementes de Annonaceae, de Diospyros (Ebenaceae), Virola (Myristicaceae), Antigonon, Coccoloba e Triplaris surinamensis Cham. (Polygonaceae - Fig.149) e Cissus (Vitaceae). RUNCINADO(A) diz-se das folhas com profundos recortes voltados para a base [Fig.102L, 296]; como as folhas de Taraxacum. RUPESTRE ou RUPCOLA vegetal que cresce sobre rochas. RPTIL que se rompe irregularmente; ver Cpsula rptil [Fig.69]. RUPTURA ver abciso. FIGURA 296 Runcinado. 302. 334 Glossario Ilustrado de Morfologia SABREFORME em forma de sabre, curvado, carnoso, plano nos dois lados, margem grosso-cncava e outra delgado-convexa [Fig.100J]. SACELO segundo BARROSO et al. (1999) o fruto um tipo derivado do craspdio, pela reduo a um nico artculo oval, com abertura transverso-apical da borda do carpelo e que ao se abrir forma um replum curto e caduco. O sacelo se encontra reunido em glomrulos e tem a superfcie externa recoberta com uma grande variedade de indumentos (hirsuto, hispdulo, pubrulo, setoso, glandular, estrigoso e estrelado), ocorre em Mimosa doleus Vell. subsp. acerba (Benth.) Barneby (= M. acerba Benth. - Fig.298) e M. meticulosa. SACO EMBRIONRIO ou MACROSPORNGIO nas Angiospermas a clula que o formou e que divide seu ncleo, em geral, em oito; onde trs ncleos ficam prximos da micrpila, sendo uma a oosfera (o) e duas sinrgidas (si); trs ficam na parte oposta, as antpodas (an) e duas na poro central, os ncleos polares (np), que so a clula me do endosperma [Fig.171A, 297]. SACO POLNICO ou MICROSPORNGIO - oposto de macro- (ou mega-) sporngio; que nas Angiospermas so as clulas especializadas da antera (ant), que produzem os gros de plen (gp) [Fig.171 ant - gp]. SAGITADO(A) diz-se de um rgo vegetal foliceo que tem pice agudo e base com lobos (apndices) basais retos, agudos, dirigidos para trs e em forma de seta ou bilabiados [Fig.102I-I]; como as folhas de Rumex acetosella L. SAGITIFORME o mesmo que sagitado. FIGURA 297 Saco embrionrio em desenvolvimento. FIGURA 298 Sacelo de Mimosa doleus. Fonte: Barroso et al. (1999). 303. S 335 SMARA fruto nucide, simples, seco, indeiscente, monocarpelar ou pseudomonocarpelar, por atrofia de um carpelo [Fig.299]; com n- cleo seminfero (nse) unisseminado e com projees membrance- as do pericarpo em forma de ala, desenvolvidas da parede ovariana (ovrio spero) e pode ser um carter de diferenciao entre txons; as smaras podem apresentar-se isoladamente ou em grupos de duas (bi- ou dissmaras) ou de trs (trissmaras), cada uma formando um mericarpo. A smara em Gallesia com clice tubuloso (cal), persis- tente e com lacnias eretas; em Securidaca L. com ncleo seminfero reticulado-faveolado ou cristado; em Vatairea com ala transverso- venosa; em Centrolobium com ncleo semnfero equinado. As alas podem contornar o ncleo seminfero, se localizar apenas nas ex- tremidades dele ou apenas numa de suas extremidades. Quanto a posio da ala pode ser: Smara anfinuclear com ala circular (circunda o ncleo seminfero); ocorre em Fabaceae (=Leguminosae) como em Pelthophorum (Caesalpinioideae), Riedeliella (Papilionoideae Fig.299E) e em Monina (Polygalaceae). Smara paranuclear com ala somente em um lado (apical, basal ou unilateral) do ncleo seminfero: Ala apical com ncleo seminfero basal, nos gneros: Pte- rogyne (FabaceaeCaesalpinoideae Fig.299D); Centro- lobium, Machaerium, Tipuana e Vatairea (FabaceaePapi- lionoideae Fig.299A-B-F-G); Gallesia (Phytolaccaceae Fig.299H); Securidaca (Polygalaceae Fig.299I) e Phyllos- tylon (Ulmaceae). FIGURA 299 Smara: A- Centrolobium tomentosum; B- Machaerium pedicellatum; C- Platy- podium elegans; D- Pterogyne sp.; E- Riedeliella sp.; F- Tipuana tipi; G- Va- tairea heteroptera; H- Gallesia sp.; I- Securidaca sp. Fonte B-C-E- G-I: Bar- roso et al. (1999). 304. 336 Glossario Ilustrado de Morfologia Ala basal com ncleo seminfero apical, ocorre nos gneros Myroxylon e Platypodium Fig.299C (FabaceaePapilionoideae). Ala unilateral com ncleo seminfero em uma das extremidades gnero Paramachaerium (FabaceaePapilionoideae). SAMARDIO fruto esquizocarpceo tricarpelar (originado de um ovrio spero ou nfero), raramente bicarpelar por aborto, lculos unissemina- dos e com ala dorsal ou lateral em cada um dos carpelos; ocorre em Malpighiaceae (com ncleo seminfero basal) e Sapindaceae (com ncleo seminfero apical). O esquizocarpo pode ser formado por 1 samardio (por aborto dos demais) e com ala dorsal (Banisteriopsis stellaris (Griseb.) B. Gates Fig.300H), ou por 2 samardios, por aborto do terceiro (Banisteriopsis andersonii Fig.300G). O ponto de insero do samardio no receptculo a arola (are), que pode ser longa e afundada (Banisteriopsis megaphylla Fig.300M), ou pequena e circular (Banisteriopsis ferruginea), ou alongada (Banisteriopsis basifixa Fig.300J). O ncleo seminfero (nse) em Malpighiaceae pode ser: liso em Mascagnia (Malpighiaceae), ou comprimido e se distinguem pouco das alas (Serjania cuspidata Fig.300A); ou globoso e saliente e bem distinto da ala (Serjania glabrata Kunth Fig.300B); ou cristado e mais ou menos distinto da ala (Serjania platycarpa Fig.300C); ou providos de allulas laterais ou paralelas (Banisteriopsis ferruginea) ou com apndices na base da ala dorsal (Banisteriopsis lucida Fig.300K). O samardio pode ser mais ou menos giboso com espessamento no bordo superior (Banisteriopsis muricata (Cav.) Cuatrec. Fig.300I); ou com ala dorsal e espessamento no bordo inferior (Heteropterys macrophylla Fig.300D e Heteropterys verrucoides Fig.300L). As alas dos samardios podem ser: 305. S 337 Ala cristiforme dorsal vertical sobre o ncleo seminfero em Diplopterys (Malpighiaceae) ou dorsal disposta em uma extremidade do ncleo seminfero. Em Sapindaceae com dois samardios divergentes, como no gnero Diatenopteryx que tem ala dorsal. Em Rutaceae com trs samardios, como no gnero Helietta. Ala dorsal oblonga, cuneiforme ou cristiforme, com reforo no bordo superior ou excepcionalmente no bordo inferior, como em Barnebya dispar, Banisteriopsis lucida - Fig.300K, B. schizopetala, FIGURA 300 Samardios de Sapindaceae: A- Serjania cuspidata; B- Serjania glabrata; C- Serjania platycarpa e de Malpighiaceae: D- Heteropterys macrophylla; E- Mascagnia sp.; F- Mascagnia pubiflora; G- Ba- nisteriopsis andersonii;H- Banisteriopsis stellaris; I- Banisteriopsis muricata; J- Banisteriopsis ba- sifixa; K- Banisteriopsis lucida; L- Heteropterys verrucoides; M- Banisteriopsis megaphylla. Fonte (exceto F): Barroso et al. (1999). 306. 338 Glossario Ilustrado de Morfologia B. laevifolia, B. muricata (Cav.) Cuatrec - Fig.300I, Heteropterys chrysophyllum, H. macrophylla - Fig.300D, H. banksiaefolia e H. verrucoides - Fig.300L (Malpighiaceae). Ala lateral-inteira contornando o ncleo seminfero, como nos gneros Mezia e Mascagnia com ala lateral inteira, que contorna o ncleo seminfero; ala confluente em vista ventral, onde se localiza a arola central (Mascagnia Fig.330E), ou ala dividida profundamente em dois segmentos Mascagnia pubiflora (A. Juss.) Griseb. (= Hiraea pubiflora A. Juss. - Fig.300F) e Mascagnia rigida (A. Juss.) Griseb. (= Hiraea rigida A. Juss.), trs segmentos laterais em Hiptage, ou quatro segmentos em Tetrapteryx. SARCOTESTA um tipo de arilide carnoso que recobre o tegumento da semente, como em Magnolia champaca (L.) Baill. ex Pierre e no gnero Michelia (Magnoliaceae), vermelho-alaranjado e em Capparis flexuosa (L.) L. (Capparaceae) branco. Scabiosa sp. aqunio (aq) envolto pelo invlucro floral (involucelo), a corola tubulosa e o calculo (cali) modificado em papus (pa - formado por cinco spalas estreitas e agudas, persistente no pice do aqunio); ou aqunio (aq) coroado pelo papus [Fig.301B-C].A unidade-semente o aqunio com ou sem o calculo persistente. Scabiosa columbaria L. aqunio (aq) envolto pelo invlucro floral (involucelo), a corola tubulosa e o calculo modificado em papus (pa formado por cinco spalas estreitas e agudas, persistente no pice do aqunio); calculo (cali) com plos nas nervuras longitudinais [Fig.301A]. FIGURA 301 Scabiosa columbaria (A) e Scabiosa sp. (B-C): A-B- aqunio envolto pelo involucelo; C- aqunio com papus. 307. S 339 Scleria balansae Maury ncula ovide, branco, apiculado, liso e com 2,5mm de comprimento; hipogno cupuliforme basal bem desenvolvido e com seis tubrculos brancos, semilunares e com pontos lustrosos [Fig.239L-L]. A unidade-semente a ncula (com hipogno). Scleria uleana Boeck. ncula depresso-globosa, branca, mucronada, muricado-tuberculado e com 2,0-3,0mm de comprimento; hipognio ausente [Fig.239K-K]. A unidade-semente a ncula. Secale cereale L. cariopse com (4,0)5,0-8,5(10,0)mm de comprimento por 1,5-3,5mm de largura e 1,5-3,0mm de espessura, de amarelada a castanho-amarelada, rugosa, fosca, lado ventral com prufundo sulco longitudinal, se afila para uma base aguda, pice truncado, com curtos plos, de resto glabra, com rea hilar longo e estreita [Fig.79C-D, 80C- D, 81C-D]. A unidade-semente a cariopse nua. SECUNDINA integumento interno (in) do vulo [Fig.171, 297]. SEDOSO ou SERCIO que tem plos com textura de seda; diz-se da superfcie de um rgo revestida por numerosos plos muito finos, geralmente curtos, com brilho de seda e sedosos ao tato. SEGMENTO DA RQUILA ou SEGMENTO DO RQUIS ou RQUIS uma parte da rquila (seg) articulada que na maturao permanece presa ao antcio, como em Poaceae (=Gramineae) nos gneros Bromus [Fig.49], Festuca [Fig.167, 168], Lolium [Fig.224, 225], Andropogon [Fig.155] e Sorghum [Fig.158C, 326, 328]. 308. 340 Glossario Ilustrado de Morfologia SEMENTE parte reprodutora dos vegetais superiores que produzem flores e resulta da fecundao, do desenvolvimento e do amadurecimento do vulo. Compreende em geral trs partes: tegumento(s), tecido(s) nutritivo(s) e embrio. Em sentido amplo, semente toda estrutura que serve para reproduzir um vegetal. Estruturas da semente de abbora, melancia, melo e pepino [Fig.302], cebola [Fig.303], couve, rabanete e repolho [Fig.304], de ervilha [Fig.310], de feijo [Fig.311], de Caesal- pinioideae [Fig.306], de Mimosoideae [Fig.307], de Papilionoideae [Fig. 308, 309] e de Trifolium [Fig.334]. Sementes com diferentes ornamentaes na superfcie: CARYOPHYLLACEAE: (Agrostemma githago L. superfcie com tubrculos espinhosos, arranjados em linhas concntricas a partir do hilo e paralelas margem [Fig.305A]; Cerastium glomeratum Thuill. superfcie com pequenas verrugas rombudas mais escuras, arranjadas em linhas concntricas a partir do hilo e paralelas margem, onde as verrugas so achatadas [Fig.305B]; Silene antirrhina L. superfcie com tubrculos pontudos ou, s vezes, arredondados, grandes em relao ao tamanho da semente, dispostas em placas arredondadas formamdo um padro definido nas faces, mas no dorso e no bordo esto organizados em cinco linhas concntricas, a partir do hilo [Fig.305D]; Silene gallica L. superfcie com estreitas placas alongadas na poro escavada da face; com curtos e finos tubrculos rombudos inconspcuos na poro perifrica convexa da face e no bordo da semente e com placas alongadas ao redor do entalhe do hilo ausentes [Fig.305E]; Silene noctiflora L. superfcie com curtos tubrculos rombudos, distribudos sobre placas cinza-arredondadas e que se tornam oblongas perto na rea hilar; nas faces as placas com os FIGURA 302 Sementes de abbora, pepino, melancia e melo: A- vista ex- erna; B- vista interna. FIGURA 303 Semente de cebola: A- vista externa; B- vista interna. FIGURA 304 Sementes de couve, rabanete e repolho: A- vista externa; B- vista interna. 309. S 341 tubrculos esto arranjados em um padro de linhas concntricas a partir do hilo e nos bordos sobre 6-8 linhas [Fig.305F]; Spergula arvensis L. superfcie com finas verrugas e com pequenas papilas distribudas irregularmente; bordo acuminado e com estreita ala circular esbranquiada [Fig.305G]; Spergularia grandis (Pers.) Cambess superfcie com pequenas papilas distribudas irregularmente [Fig.305H]; Stellaria graminea L. superfcie finamente rugosa [Fig.305I]; Stellaria media (L.) Vill. superfcie com curtos tubrculos rombudos, grandes em relao ao tamanho da semente e dispostos em linhas concntricas a partir do hilo [Fig.305J]; Vaccaria hispanica (Mill.) Rauschert superfcie com curtos tubrculos ovais em forma de bolhas arranjados em fileiras ou em um padro especfico) [Fig.305K]; CAPPARACEAE: Cleome hassleriana Chodat superfcie com pequenos e irregulares tubrculos coniformes no dorso e nas faces, esta com ntido sulco entre a radcula e os cotildones e que termina no centro em uma cavidade mais ou menos profunda [Fig.305C]; MULLUGINACEAE: Glinus sp. superfcie diminutamente tubercu- lada [Fig.27G]; PORTULACACEAE: Portulaca oleracea L. superfcie com curtos tubrculos rombudos, dispostos mais ou menos simetricamente em linhas concntricas a partir do hilo; Talinum triangulare (Jacq.) Willd. superfcie com finos tubrculos alongados e achatados, dispostos mais ou menos simetricamente em linhas concntricas a partir do hilo [Fig.305M]; 310. 342 Glossario Ilustrado de Morfologia MALPIGHIACEAE: Tibouchina sp. superfcie granulosa, com pequenas elevaes arredondadas, parecendo diminutos gros de areia e que podem estar adensados ou espaados [Fig.305N]; TURNERACEAE: Turnera ulmifolia L. superfcie reticulada, com malhas do retculo salientes [Fig.27C]. FIGURA 305 Sementes com diferentes ornamentaes na superfcie: A- Agrostem- ma githago; B- Cerastium glomeratum; C- Cleome hassleriana; D- Si- lene antirrhina; E- Silene gallica; F- Silene noctiflora; G- Spergula ar- vensis; H- Spergularia grandis; I- Stellaria graminea; J- Stellaria media; K- Vaccaria hispanica; L- Portulaca oleracea; M- Talinum triangulare; N- Tibouchina sp. 311. S 343 Diferena entre sementes de CAESALPINIOIDEAE e MIMOSOIDEAE: Sementes geralmente oriundas de vulos antropos; simtricas e razoavelmente consistentes na forma (elptica, oblonga ou orbicular), faces planas (achatadas) ou levemente convexas [Fig. 306, 307]; hilo pequeno, inconspcuo, de suborbicular a elptico, sem caractersticas especficas e que se localiza na margem em uma das extremidades da semente, imediatamente contgua ponta da radcula; funculo curto ou longo e, muitas vezes, torcido em espiral; a chalaza se encontra na extremidade oposta; embrio reto, axial e invaginado (quando h delimitao entre os cotildones e o eixo hipoctilo-radcula), com eixo hipoctila-radcula curta, cnica e reta, que se encontra invaginada entre os cotildones crassos, arredondados, elpticos ou oblongos e articulados na poro central- basal; em seo transversal a semente apresenta cotildones finos e endosperma abundante [Fig.306C, 307C]. Em algumas espcies de Bauhinia existe leve assimetria da base dos cotildones e do eixo hipoctilo-radcula que fica ligeiramente curvo; nas espcies de Inga e Pithecellobium os cotildones possuem base cordada (profunda inciso) e o eixo hipoctilo-radcula se localiza acima dessa inciso, no lado interno e est totalmente oculto. Plmula bem desenvolvida e diferenciada em pinas, em Acacia, Adenanthera, Albizia e Calliandra. O endosperma, quando evidente nas duas subfamlias, duro e vtreo, sendo mais abundante sobre as faces externas dos cotildones. Em Caesalpinioideae existe tambm uma parede de parnquima, geralmente representada por uma camada castanho-escura, com espessura varivel. Nesta subfamlia as espcies de Ceratonina siliqua L., Cercis canadensis L. e Senna obtusifolius (L.) Irwin & Barneby possuem embrio axial FIGURA 306 Sementes de CAESALPINIOIDEAE: A- vista externa; B- seo longitu- dinal; C- seo transversal. FIGURA 307 Sementes de MIMOSOIDEAE: A- vista externa; B- seo longitudi- nal; C- seo transversal. FIGURA 308 Sementes de PAPILIONOIDEAE: A-B- vista externa; C- seo longitudinal; D- seo transversal. 312. 344 Glossario Ilustrado de Morfologia reto e espatulado. Na maioria das Mimosoideae encontra-se sobre a testa (nas faces) uma fina linha hipocrepiforme (U invertido) ou em forma de V invertido, o pleurograma, que segue o contorno da semente e pode ser pequeno, grande ou mdio, varivel no tamanho e na nitidez, com abertura dos braos para a extremidade hilar [Fig.307A]. No gnero Senna aparece nas duas faces uma rea mais clara, o pleurograma, de forma e localizao variveis. No subgnero Lasioohegma de Cassia (Chamaecrista) no ocorre o pleurograma, mas a testa tem superfcie faveolada, com os alvolos dispostos em linhas. Caractersticas morfolgicas das sementes de Papilionoideae: Sementes oriundas de vulos campiltropos, a natureza e o grau desta curvatura variado. Sementes assimtricas em um nico plano e diferem acentuadamente entre os diferentes gneros, quanto ao tamanho, forma (sendo a reniforme a mais comum), colorao e localizao do hilo e da chalaza [Fig.308, 309]; hilo (h) orbicular, linear ou oblongo, se localiza na poro mediana, contgua ponta da radcula, mas variavelmente posicionada em relao chalaza, contornado ou no pelo arilo (ari) e com conspcua e fina fenda longitudinal ou ranhura mediana, que as vezes pode estar obscurescida por uma camada corticenta esbran- quiada, como em Vigna unguiculata (L.) Walp. (=Vigna sinnensis (L.) Savi ex Hassk. - Fig.312) e Phaseolus. Chalaza uma pequena rea (mancha) evidente, escura (em algumas espcies), oposta a micrpila e ao pice dos cotildones; um carter importante para separar algumas espcies, como em Vicia. Micrpila (m) um minsculo poro (orifcio) perto de uma das extremidades do hilo, se localiza sempre, abaixo, da posio da radcula [Fig.310A, FIGURA 309 Terminologia usada na descrio das sementes de PAPILIONOIDEAE e alguns embries. FIGURA 310 Semente de ervilha: A- vista externa; B- vista interna. 313. S 345 311A] e acima da cicatriz hilar, em algumas espcies, formam-se duas pequenas salincias (excrescncia carnosas) sobre a rafe, o estrofolo (etr), resultante do espessamento do funculo. Rafe (rf) conspcua, em certas espcies, sob a forma de uma estria em relevo, entre o hilo e a chalaza; ela no tem valor morfolgico significativo. A insero do funculo pode ser apical ou central, como na maioria das espcies desta subfamlia. Tegumento geralmente espesso, duro e freqentemente impermevel gua. Embrio axial, curvado, contnuo, ocupa quase toda a cavidade da semente, com eixo hipoctilo-radcula infletido (em maior ou menor grau), localizado lateralmente aos cotildones. Existem muitas excees, como em Andira, Dipteryx, Hymenelobium, Pterodon, Vatairea e outros gneros. Endosperma crneo e translcido quando seco e gelatinoso quando hidratado, parco ou reduzido, a fina camada quase imperceptvel sobre as faces dos cotildones. Em Vicieae e nas Phaseoleae o endosperma ausente. A forma da semente determinada, em geral, pelo ngulo que a radcula forma com os cotildones e pela distncia entre a extremidade da radcula e a dos cotildones. FIGURA 311 Semente de feijo: A- vista externa; B- vista interna. FIGURA 312 Semente de Vigna unguiculata: rea hilar FIGURA 313 Sementes aladas: A- Magonia pubescens; B- Clethra sp.; C- Greville sp.; D- Allamanda sp.; E-E- Aspidosperma polyneuron; F- Coutarea sp.; G- Sessea sp.; H- Bignoniaceae; I- Violaceae; J- Campsiandra sp.; L- Lagerstroemia speciosa; K- Cariniana sp. 314. 346 Glossario Ilustrado de Morfologia Sementes aladas com ala circundante e ncleo seminfero (nse) central so encontradas em espcies de Bignoniaceae [Fig.313 H], Violaceae [Fig.313I], nos gneros de Allamanda - Fig.313D e Aspidosperma ramiflorum Mll. Arg. - Fig.5A (Apocynaceae), Clethra (Clethraceae - Fig.313B), Campsiandra (Fabaceae-Papi- lionoideae - Fig.313J), Coutarea (Rubiaceae - Fig.313F), Greville (Proteaceae - Fig.313C) e em Magonia pubescens A St.-Hil. (Magnoliaceae - Fig.313A), Spergula arvensis L. [Fig.305G] e Spergularia grandis (Pers.) Cambess [Fig.305H] (Caryophyllaceae); Sementes aladas com ala apical e ncleo seminfero basal (nse) no gnero Cariniana sp. (Lecythidaceae - Fig.313K) e em Aspidosperma polyneuron (Apocynaceae - Fig.313E-E'), Lagerstroemia speciosa (Lythraceae - Fig.313L). Sementes aladas com ala bilateral e ncleo seminfero (nse) entre as alas em Sessea (Solanaceae - Fig.313G) e Tabebuia (Bignonia- ceae - Fig.5). Semente cimbiforme Plantago lanceolata L. (Plantaginaceae) e Diodia ocimifolia Brem. (Rubiaceae) [Fig.314]; Semente cultivada aquela reconhecida como de interesse agrcola e cuja presena junto s sementes comerciais individual ou globalmente limitada, conforme normas e padres estabelecidos; Semente silvestre aquela reconhecida como invasora e cuja presena junto s sementes comerciais globalmente limitada, conforme normas e padres estabelecidos; FIGURA 314 Sementes cimbiformes (lado ventral e seo transversal): A-B- Plantago lanceolata; C-D- Diodia ocimifolia. 315. S 347 Semente nociva semente de espcie que, por ser de difcil erradi- cao no campo ou de remoo no beneficiamento, prejudicial cultura ou a seu produto, sendo as espcies relacionadas e cuja presena junto s sementes comerciais limitada, conforme nor- mas e padres estabelecidos; Semente nociva proibida semente de espcie cuja presena no permitida junto s sementes do lote, conforme normas e pa- dres estabelecidos; Semente nociva tolerada semente de espcie cuja presena junto s sementes da amostra permitida dentro de limites mximos, especficos e globais, fixados em normas e padres estabelecidos. SEMENTE PALHENTA segundo as Regras para Anlise de Sementes (BRASIL, 2009) so as unidades de disperso que no deslizam fa- cilmente e so propensas a aderirem umas s outras ou a outros ob- jetos, no podem ser limpas, ou no so amostradas facilmente e podem fazer com que outras sementes fiquem presas ou aderidas s sementes cultivadas. Como palhentas citam-se as Poaceae (a no ser que suas estruturas palhentas tenham sido previamente remo- vidas), ou indicam-se outros gneros que apresentam unidades de disperso com apndices (ganchos, espinhos, alas, etc) ou que apre- sentam superfcie rugosa. SEMIDECDUA planta que perde parcial ou quase totalmente as fo- lhas durante um perodo do ano (inverno), porm nunca fica total- mente desfolhada. 316. 348 Glossario Ilustrado de Morfologia SEMI-NFERO diz-se do ovrio que se encontra parcialmente solda- do ao hipanto. SEMITERETIFORME o mesmo que semicilndrico e semirolio [Fig. 101N]. SEMINAO disperso natural das sementes. O mesmo que disperso e disseminao. SEMINAL relativo semente; usa-se rudimento seminal como sinnimo de vulo. SEMINFERO que produz sementes. SEMITERETIFORME com forma de semicilindro, com um lado plano e outro cilndrico [Fig.101N]. SEMNULA pequena semente. SENESCNCIA ao e efeito de envelhecer; o mesmo que envelhecimento. SENESCENTE que envelhece. SENO espao angular na face ventral, entre as margens da lema e na base de um antcio frtil, como nas Poaceae (=Gramineae) [Fig.11B], nos gneros Agropyron, Elymus, Elytrigia [Fig.127A-C-E, 129A], Festuca [Fig.166A, 167A-B-C-D-D], Lolium [Fig.166B, 224] e Vulpia [Fig.167E]. SPALA cada um dos segmentos (sp) do clice das flores [Fig.171-sp]. Ver clice. 317. S 349 SEPTADO provido de septos, tabiques. SEPTICIDA diz-se do fruto quando a deiscncia ocorre ao longo do septo. Ver cpsula septicida [Fig.70, 71]. SEPTFRAGA diz-se do fruto quando a deiscncia ocorre atravs da rup- tura dos septos. Ver cpsula septfraga [Fig.72,73]. SEPTO membrana ou tabique que separa duas cavidades. Nos frutos os septos so formados por carpelos. SERCEA ou SEDOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por numerosos plos muito finos, macios ao tato, geralmente curtos, com brilho de seda, aglomerados muito prximos e geralmente adpressos [Fig.204K]. SERREADA(O) diz-se da margem de uma folha que apresenta aguados dentes dirigidos para cima [Fig.110B]; como a folha do beijo-de-frade (Impatiens balsamina L.). Biserreada(o) ou duploserreada(o) diz-se quando os dentes de uma margem serreada tambm esto serreados [Fig.110B]. SERRILHADO ver serrulada. SERRULADA(O) diz-se quando a margem de um rgo (folha) apresenta diminutos dentes dirigidos para o pice [Fig.110H]; como a folha do capim-p-de-galinha (Eleusine indica (L.) Gaertn.). Alguns autores pre- ferem usar serrilhado. 318. 350 Glossario Ilustrado de Morfologia SSSIL diz-se das espiquetas, ou de um outro rgo vegetal quando est desprovido de haste, pedicelo, pednculo ou filete; como a folha da espada-de-So-Jorge (Sansevieria thyrsiflora Thunb. Ruscaceae) que se enraiza. Setaria sp. espiguetas bifloras, mticas, elpticas, ovaladas ou lanceoladas, agudas ou afilando para um apculo endurecido, subestendidas por uma ou mais cerdas (antrorsas ou retrorso-escabrosas) e que formam um invlucro; as espiguetas se desarticulam abaixo das glumas e as cerdas ficam presas no rquis; espigueta inferior estril ou masculina (estaminada) e a superior hermafrodita; glumas membranceas, que caem com a espigueta, a inferior muito mais curta do que o antcio frtil (cerca de ) e a superior (gls) de um pouco mais curta at quase do mesmo tamanho do antcio frtil; lema estril glumiforme, envolvendo a plea estril bicarenada e hialina, to longa quanto o antcio frtil coriceo; lema frtil (lf) mais ou menos convexa, algumas vezes apiculada, com rugosidade transversal mais ou menos conspcua, raramente lisa, com bordos que podem ou no chegar at a carena da plea frtil (pf) e encobrir ou no a margem escariosa, lisa e lustrosa da plea; com arola hipocrepiforme perto da base da lema, deprimida e mais clara; cariopse plano-convexa, com rea do embrio ocupando cerca de do comprimento da cariopse, eixo hipoctilo-radcula elevado e radcula geralmente se prolongando para alm da base da cariopse; mcula hilar punctiforme [Fig.315]. A unidade-semente pode ser uma espigueta inteira, mas geralmente o antcio frtil sem as glumas e a lema estril, ou a cariopse nua. SETOSO(A) diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) termina gradualmente em uma ponta muito fina e aguda [Fig.16F]. FIGURA 315 Setaria sp. - espigueta: A- dorsal; antcio frtil: B- ventral; C- ventral. 319. S 351 Trmo tambm usado quando a suprficie de um rgo (folha, fruto ou semente) se apresenta revestida por cerdas ou setas [Fig.204J]; como no sacelo de Mimosa doleus Vell. subsp. acerba (Benth.) Barneby (= M. acerba Benth. - Fig.298). SICNIO fruto mltiplo proveniente de uma inflorescncia, em que h um receptculo suculento em forma de urna com poro apical, que pode estar revestida por numerosos plos, ou em forma de taa, sempre com flores diclinas no interior [Fig.316]; fruto tpico das figueiras (Ficus). Sida sp. esquizocarpo globoso, subgloboso ou obovide, com 2,2- 7,4mm de comprimento por 2,5-5,0mm de dimetro, com columela cilndrica, com 5-12 carpdios (depende da espcie) unisseminados, de deiscncia parcial, por fenda apical, mais ou menos reduzida e que permite a expulso da semente; clice persistente; carpdio trgono ou trgono-globoso e lateralmente comprimido, com lado dorso convexo e ventral carenado, bordos angulosos ou arredondados, pice com dois apndices reduzidos a cornculos (0,3-0,5mm), ou rostros (0,3-0,8mm) ou aristas apicais ou subapicais (1,5-4,0mm) com plos antrorsos ou retrorsos, pice raramente mtico; semente apicalmente pndula, trgona, trgona-globosa ou trgona-cordiforme, lado dorso convexo e ventral carenado, que o divide em duas faces; hilo apical cncavo ou s vezes levemente convexo, com funculo liguliforme preto, preso no lbulo radicular, e com fenda hilar estreita e transversal [Fig.82]. A unidade-semente o carpdio. Sida carpinifolia L.f. carpdio trgono, com (2,5-)3,0mm de comprimento (exceto aristas) por 1,8-2,0mm nas faces e 1,5- 1,8mm no dorso; aristas com (1,5-)2,0mm de comprimento, com FIGURA 316 Sicnio de figo: A- vista externa; B- vista interna. 320. 352 Glossario Ilustrado de Morfologia diminutos plos estrelados, alvo-translcido e muito caducos com o manuseio [Fig.82A]; Sida cordifolia L. carpdio trgono, com 3,0-3,5mm de comprimento (exceto aristas) por 2,2-2,3mm nas faceas e 1,2-1,5mm no dorso; aristas divergente com 2,5-2,8mm de comprimento, com longos plos simples, alvo-translcidos e retorsos [Fig.82B]; Sida linifolia Cav. carpdio trgono, com 2,3-2,5mm de comprimento (exceto cornculos) por 1,8-2,0mm nas faceas e no dorso; cornculos obtusos com (0,3-)0,4-0,5mm de comprimento, com sulco oblquo [Fig.82C]; Sida rhombifolia L. carpdio trgono, com 2,5-2,8mm de comprimento (exceto aristas) por 2,0(-2,2)mm nas faceas e 1,3-1,5(-1,6)mm no dorso; aristas com 0,7-1,0mm de comprimento, com plos estrelados, alvo-translcidos e caducos com o manuseio [Fig.D]; Sida santaremnensis H. Monteiro carpdio trgono, com 2,8-3,0mm de comprimento (exceto cornculos) por 2,8-3,0mm nas faceas e 1,0-1,2mm no dorso; cornculos com 0,3-0,5mm de comprimento, com diminutos plos alvo-translcidos e caducos com o manuseio [Fig.82E]; Sida spinosa L. carpdio obovide, com 2,0mm de comprimento (exceto aristas) por (1,2-)1,3-1,4mm nas faceas e (1,0-)1,7-1,8mm no dorso; aristas divaricadas com (1,0)1,2-1,7mm de comprimento, com densos plos simples, alvo-translcidos, ascendentes e caducos com o manuseio [Fig.82F]. FIGURA 317 Silcola de Capsella bursa pastoris. 321. S 353 SIGMIDE tem a forma da letra grega sigma ( ), como o pleurograma de Senna obtusifolia (Fabaceae-Caesalpinoideae - Fig.274A). Sillene gallica L. cpsula denteada cnica [Fig.59B], com 6-9(-12)mm de comprimento por 3,0-3,5(4,0)mm de largura, envolta pelo clice curto- piloso, com nervuras salientes parecendo costelas, quase do mesmo comprimento da cpsula; semente reniforme, largo-ovalada em seo longitudinal e transverso-oblonga em seo transversal, comprimida, com 1,0mm de dimetro ou com 0,8-1,0(-1,2)mm de comprimento por 0,5-0,8mm de largura, faces levemente convexas, bordo arredondado e interrompido por pequeno entalhe, o hilo; tegumento crustceo, com superfcie de colorao castanho-avermelhada-escura ou de cinza- escura a preta, com placas alongadas e estreitas na poro rebaixada da face e com tubrculos curto-rombudos, finos, inconspcuos e compactos, no dispostos em padres definidos, na poro perifrica convexa na face e no bordo da semente, placas alongadas ao redor do entalhe hilar ausentes; embrio com curvatura de quase 360, com eixo hipoctilo-radcula pouco menos da do comprimento total do embrio e cotildones elpticos; endosperma reduzido a fina pelcula em torno da ponta da radcula e perisperma central, farinceo, duro e esbranquiado quando seco ou taranslcido e mucilaginoso depois de hidratado [Fig.305E]. SILCOLA ou SILCULA sliqua muito curta e duas a quatro vezes mais larga do que longa, geralmente com estilete (est) apical ( longo), como em (Brassicaceae =Cruciferae - Fig.317, 318, 319), com deiscncia na sutura mediana, de baixo para cima, ao longo do replum (rep), o qual permanece ligado ao pednculo (pd) aps a deiscncia. As caracters- ticas morfolgicas das silcolas so uteis na separao de espcies, FIGURA 318 Silcolas: A-B- Lepidium ruderale; C- Neslia paniculata; fruto: A- fe- chado e B- deiscente. FIGURA 319 Silcolas: A- Lepidium bonariense; B- L. campestre; C- L. draba; D- L. ruderale; E- L. sativum; F- L. virgi- nicum; G- Thlaspi arvense. 322. 354 Glossario Ilustrado de Morfologia como: silcola globosa, pice estreito-alado e largo-emarginada, com uma semente em cada valva (va), em Lepidium virginicum L. [Fig.319F] e pice no alado em Lepidium bonariense L. [Fig.19A]; ou ovada, muito comprimida, com pice estreito-alado, emarginado e geralmente com estilete persistente em Lepidium ruderale L. [Fig.319D]; ou globosa e apiculada em Neslia paniculata (L.) Desv. [Fig.318C]; ou orbicular- achatada e largo-alada em toda margem, em Thlaspi arvense L. [Fig. 319G]; ou largo-cordada e um pouco alada somente na parte superior em Thlaspi perfoliatum L.; ou orbicular, truncada ou emarginada no pice e com quatro sementes em Alyssum alyssoides (L.) L.; ou oblongo-cordada-triangular ou em forma de bolsa de pastor antiga, com pice levemente emarginado e com mais de uma semente por valva em Capsella bursa-pastoris (L.) Medik. [Fig.317]; ou piriforme- inflada e com mais de uma semente por valva em Camelina. SLIQUA fruto simples, seco, deiscente, bicarpelar, bilocular, mais longo do que largo e geralmente com estilete (rostro - ro) apical persistente; disposto alternadamente na planta; na maturao se separa por deiscncia septfraga em duas valvas (va), da base ao pice; as placentas marginais so espessadas e os bordos dos carpelos constituem o replo (rep - replum), onde se inserem as sementes (s); ocorre em Barbarea, Brassica, Cardamine, Descurainia, Diplotaxis muralis (L.) DC., Eruca, Erysimum, Hesperis, Hirschfeldia, Malcomia, Raphanus, Rorippa, Sinapis e Sisymbrium (Brassicaceae =Cruciferae - Fig.320), Cleome (Capparaceae =Capparidaceae). Sliqua deiscente e rostrada ocorre em Brassica, Eruca e Sinapis; Sliqua indeiscente e rostrada ocorre em Rapistrum; FIGURA 320 Sliqua de BRASSICACEAE: A- fe- chada; B- incio da deiscencia; C-D- deiscente. FIGURA 321 Sliqua lomentcea de Rapha- nus raphanistrum (A-A-A) e R. sativus (B). 323. S 355 Sliqua no rostrada ocorre em Cardamine, Rorippa e Sisymbium. Sliqua lomentcea fruto indeiscente, com bordos sinuados, for- mada por dois ou mais artculos (segm segmentos) superpos- tos, arredondados, uni- ou bisseminados; ocorre em Coronopus, Rapistrum rugosum (L.) All. [Fig.322], Rapahanus raphanistrum L. [Fig.321 A-A-A] e R. sativus L. [Fig.321B]. Em R. raphanis- trum a sliqua lomentcea pode apresentar formas diferentes e constrices acentuadas, dependendo da variedade. Em certos gneros, a poro apical estril, como em Rapistrum rugosum (L.) All. [Fig. 322]. SINCRPICO diz-se da flor, do gineceu, etc., que apresenta concresci- mento dos carpelos [Fig.323]. Ver axial, axilar e parietal. SINRGIDA no vulo das Angiospermas cada uma das duas clulas (si) que acompanham a oosfera (o) e se encontram na poro apical do saco embrionrio (sa), portanto em posio oposta as antpodas (an) [Fig.171A, 297]. SINUADA(O) - diz-se da folha que apresenta margens desiguais, alternando profundas concavidades com convexidades [Fig.110F, 323]; como as fo- lhas do carvalho (Quercus robur L.). SISTEMTICA o mesmo que taxonomia. SOLANDIO fruto bacide, carnoso, indeiscente, multisseminado, originado de um ovrio simples ou composto, com pericarpo carnoso, com dois ou mais lculos (lo) e cavidade central cheia de polpa carnosa (de FIGURA 322 Sliqua lomentcea (A-B inteira, C- seo transversal) de Rapistrum rugosum. FIGURA 323 Sincrpico. FIGURA 324 Sinuado. 324. 356 Glossario Ilustrado de Morfologia origem placentar); como nos gneros Capsicum, Lycopersicon [Fig. 325], Physallis, Solanum (Solanaceae [Fig.326]), Psidium (Myrtaceae). Usado incorretamente como sinnimo o termo genrico baga. Soliva pterosperma (Juss.) Less. aqunio muito comprimido, com ncleo seminfero obovado ou elptico-obovado e circundado pela ala bilobada, com lobos apicais maiores e com a margem superior terminando em ponta aguda, lobos basais retrorso-divergentes; pice com agudo espinho (rostro ro) alongado (estilete persistente) e no centro o ncleo seminfero (nse); superfcie lisa, mais lustrosa no lado ventral, com curtos plos no lado dorsal, no pice e na base do espinho [Fig.18B]. A unidade-semente o aqunio alado. Sorghum sp. espiguetas aos pares, com uma pedicelada e estril ou estaminado, a outra sssil e perfeita (hermafrodita); espigueta sssil terminal com 2 espiguetas pediceladas; a desarticulao das espi- guetas, um carter fundamental para separar espcies, ocorre em trs pontos: na base da espigueta sssil frtil, na extremidade do segmento da rquila e no pedicelo da espigueta estril; pode ser por abciso ou por ruptura; espigueta com duas glumas coriceas ou crustceas, lanceoladas ou elpticas; a colorao das glumas e a presena ou ausncia de pubescncia varia com a espcie e a variedade; antcio frtil com lema hialina, 2-dentada, ciliada, geral- mente com arista geniculada; cariopse obovide, dorsiventralmente comprimida, inclusa, ou em vrias formas cultivadas ultrapassando as glumas [Fig.327, 328, 329]. A unidade-semente a espigueta sssil (2 glumas + lema e plea) + segemento da rquila + pedicelo ou a cariopse nua. FIGURA 325 Solandio de tomate (seo transversal). FIGURA 326 Solandio: Solanum americanum: A- fruto; B- corte transversal; C- fruto de Physalis sp. 325. S 357 Sorghum X almum Parodi a espigueta nem sempre pode ser dife- renciada da espigueta de S. halepense pelo tamanho. Espigueta com alguns antcios se desarticulando por abciso e outros por ruptura [Fig.327B]. No primeiro (por abciso) base da espigueta com calo conspcuo e pice do pedicelo expandido em forma de disco; no segundo (por ruptura) o calo inconspcuo e pice do pedicelo no expandido em forma de disco [Fig.327B, 328B, 329A]. Cariopse apenas ligeiramente mais curta do que as glu- mas, assim a espigueta apresenta ponta curta e mais larga em direo ao pice do que a de S. halepense. Cariopse obovada, com pice e base obtusos, em vista lateral a espessura bem uniforme, com extremidades arredondadas e superfcie finamen- te estriada, castanho-avermelhada-clara; embrio semelhante ao de S. X almum, com rea escutelar oval-arredondada que se afila em direo a uma base pontuda, margem bem delimitada e geralmente castanho-amarelada; eixo hipoctilo-radcula com friso espesso ao longo de todo seu comprimento; s vezes com fina ala, presente acima da extremidade da plmula [Fig.327B, 329A]. A unidade-semente a espigueta sssil + segmento da rquila + pedicelo ou a cariopse nua. FIGURA 327 Sorghum (antcio frtil lado ventral): A- S. halepense; B- S. X almum e C- S. sudanense. FIGURA 328 Sorghum (cariopse lado ventral): A- S. halepense; B- S. X almum e C- S. sudanense. 326. 358 Glossario Ilustrado de Morfologia Sorghum halepense (L.) Pers. a espigueta nem sempre pode ser diferenciada da de S. X almum pelo tamanho. Na espigueta todas as partes do antcio se desarticulam por abciso e, assim, calo conspcuo na base e pice do pedicelo expandido em forma de disco [Fig.327A, 329B]. Glumas com 4,5mm de comprimento por 1,5-2,0mm de largura. Cariopse geralmente, nitidamente mais cur- ta do que as glumas e espigueta com ponta longa. Cariopse obo- vada, com pice e base obtusos; em vista lateral com espessura uniforme; com extremidades arredondadas e superfcie finamente estriada, castanho-avermelhada-escura e rea escutelar castanho mais clara; embrio, semelhante ao de Sorghum X almum, com rea escutelar oval-arredondada, que se afila em direo a uma base pontuda e com margem bem delimitada; eixo hipoctilo-radcula com um friso espesso ao longo de todo seu comprimento; s ve- zes com fina ala, presente acima da extremidade da plmula [Fig.327A, 328A, 329B]. A unidade-semente a espigueta sssil + segmento da rquila + pedicelo ou a cariopse nua. Sorghum sudanense (Piper) Stapf espiguetas ssseis de elptico- lanceoladas a lanceoladas, subagudas, com 6mm de comprimen- to, mais largas prximas a regio mediana e se afilam gradati- vamente em direo ao pice e base; espiguetas pediceladas geralmente persistentes; todas as partes se desarticulam por rup- tura e, assim, calo inconspcuo na base e pice do pedicelo no expandido em forma de disco [Fig.327C]. A forma caracterstica e o tamanho grande das espiguetas distinguem essa espcie de S. X almum e S. halepense [Fig.327B-C]. Cariopse elptico-arre- dondada, se afila gradativamente para o pice e a base arredon- dados; em vista lateral mais larga na regio mediana e com os lados ventral e dorsal curvadas e extremidades achatadas dorsi- FIGURA 329 Sorghum X almum (A) e Sorghum halepense (B): antcio frtil lado ventral. 327. S 359 ventralmente; superfcie no estriada e colorao igual a de S. almum; embrio, com rea escutelar inconspicuamente delimita- da; eixo hipoctilo-radcula achatado no pice e na base termi- na com duas estrias em relevo; com fina linha saliente em forma de ala geralmente presente acima da extremidade da plmula. A cariopse de S. sudanense pode ser facilmente difernciada de S. X almum e S. halepense [Fig.327C, 328C]. A unidade-semente a espigueta sssil + segmento da rquila + pedicelo ou a cariopse nua. sp. abreviatura do latim species (espcie). Spergula arvensis L. cpsula loculicida de globosa a ovide, com (2,6-) 3,2-4,0(-5,0)mm de comprimento (ou dimetro) por 2,5-3,0mm de lar- gura, com deiscncia por cinco valvas, opostas as spalas, multissemi- nada (5-25), pericarpo glabro, de amarelado a pardo-lustroso, envolta pelo clice (cinco spalas), glabras ou esparso-piloso externamente, + longo ou to longo quanto o comprimento do fruto; semente lenticular- globosa, orbicular em seo longitudinal e oblata em seo transversal, com 1,0-1,3(-1,5mm de dimetro por (0,8-)1,0-1,1mm de espessura, lados fortemente convexos, bordo acuminado, com estreita ala circular, de colorao amarelada a catanho-clara e interrompida na poro basal por pequeno entalhe, o hilo; tegumento crustceo, com superfcie opa- ca, de colorao preta a preto-acinzentada, com pequenas verrugas e finas papilas, irregularmente distribudas, de colorao esbranquia- da a castanho-amarelada e, frequentemente, caducas pelo manuseio; embrio perifrico, circinado [Fig.138G], com eixo hipoctilo-radcula menos da do comprimento total do embrio, com cotildones estrei- to-elpticos; endosperma reduzido a fina pelcula em torno da ponta da radcula e perisperma central, farinceo, duro e esbranquiado quando seco ou translcido e mucilaginoso depois de hidratado [Fig.305G]. 328. 360 Glossario Ilustrado de Morfologia spp. abreviatura do latim species+p (espcies) adicional indicando plural. Spinacia oleracea L. perignio formado pelo invlucro-de-brcteas endurescidas e concrescidas at o pice e que envolvem a ncula pice com dois espinhos (ssp. spinosa) e sem espinhos (ssp. inermis) [Fig.330]. A unidade-semente o invlucro de brcteas + ncula. Stachytarpheta cayennensis (L.C. Rich.) Vahl (=Stachytarpheta polyura (Schauer) DC.) carceruldio oblongo, unilocular, unisseminado, plano- convexo, com 3,6-4,1(-4,3)mm de comprimento por (0,9-)1,2-1,4mm de largura e 0,7-0,8mm de espessura, com pice mucronado e base reta; lado dorsal convexo, preto (maduro) ou avermelhado (imaturo), de fos- co a levemente lustroso, com cinco costelas longitudinais anastomo- sadas no pice, formando retculos irregulares, menores, conspcuos e interespaos mais profundos na metade superior e retculos incospcuos na poro basal; retculos miudamente reticulados (30X); lado ventral plano e totalmente revestido por minsculas papilas achatadas e es- branquiadas; linha longitudinal de sutura entre os dois carceruldios castanho-avermelhada ou castanho-amarelada [Fig.75B-B]. A unidade -semente o carceruldio, s vezes, pode aparecer unido a outra me- tade e envoltos pelo clice. Stellaria media (L.) Vill. cpsula loculicida ovalada, com (5,0-)6,5-7,0mm de comprimento por (3,0-4,0-5,0mm de largura com deiscncia por seis valvas, multisseminada (4-6 sementes deitadas horizontalmen- te), pericarpo glabro, de esverdeado a amarelado-lustroso, envolta pelo clice (cinco spalas) curto-piloso externamente, to longo ou menos longo do que o comprimento do fruto; semente irregularmen- te lenticular, de suborbicular a largo-ovalada em seo longitudinal, com depresso reniforme e transverso-elptica em seo transversal, com 0,7-1,4mm de dimetro ou com 0,6-1,3mm de comprimento por FIGURA 330 Spinacia oleracea (perignio): A- ssp. spinosa; B- ssp. inermis. 329. S 361 0,7-1,4mm de largura e 0,4-0,6mm de espessura, com lados conve- xos, bordo arredondado e interrompido lateramente por pequeno enta- lhe do hilo, quase inconspcuo; com 1-2 sulcos pouco conspcuo que correm do hilo para o centro da semente; tegumento crustceo, com superfcie glabra, lustrosa, de colorao preta ou preto-acinzentada; embrio perifrico, curvado, hipocrepeiforme ou com uma curvatura de + de 360 (quando o pice dos cotildones se sobrepem ligeiramente a ponta da radcula), cotildones elpticos com pice arredondado ou obtuso; endosperma reduzido a fina pelcula em torno da ponta da radcula e perisperma central, farinceo, duro e esbranquiado quando seco ou taranslcido e mucilaginoso depois de hidratado [Fig.305J]. SUBAPICAL quase no pice. SUBARBUSTIVO semelhante a um arbusto. SUBARBUSTO diz-se do vegetal que est entre erva e arbusto. Planta baixa, caracterstica da vegetao campestre e anualmente submetida a uma estao seca. A parte area, embora lignificada, anual e se refaz na poca favorvel ao crescimento; parte subterrnea perene e geralmente mais vigorosa. SUB-BASILAR quase na base. SUBCAMPANULADO de forma imperfeitamente campanulada. SUBCARENADO com ngulo quase em forma de carena. SUBCARTILAGINOSO quando a textura quase cartilaginosa. SUBCAUDADO quando o pice e a base so quase caudados. 330. 362 Glossario Ilustrado de Morfologia SUBCLAVADO quando a forma quase em clave. SUBCORDADO com tendncia ao contorno de corao. SUBCORDIFORME quase cordiforme. SUBCORICEO com textura entre o membranceo e o coriceo. SUBESPCIE em taxonomia: txon de nvel hierrquico inferior espcie. SUBFAMLIA diviso da famlia, que compreende um grupo de gneros afins; designada pelo acrscimo da terminao oideae ao radical do gnero considerado seu tipo. Ex: Caesalpinia o gnero tipo da subfamlia Caesalpinoideae; Agrostis o gnero tipo da subfamlia Agrostoideae; Mimosa o gnero tipo da subfamlia Mimosoideae. SUBGLABRO diz-se da superfcie que quase glabra. SUBLENHOSO diz-se quando um caule lenhoso na base e tenro (no lenhificado) no pice, como na crista-de-galo (Amaranthus tricolor L.). SUBRENIFORME quase reniforme; elptico ou ovide com leve depres- so lateral. SUBTERETE quase cilndrico. SUBTERRNEO que fica abaixo da superfcie do solo. SUBTERMINAL muito prximo da extremidade; quase terminal. SUBTRUNCADO terminando quase abruptamente. 331. S 363 SUBULADO(A) diz-se quando um rgo (folha, fruto ou semente) tem contorno de sovela (agulha de sapateiro), isto , com estreitamento em direo ao pice, at terminar em ponta fina [Fig.103K]; como a folha de Ulex europaeus L. SUCULENTO(A) carnosa e cheia de suco. SULCADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta marcada por canais longitudinais [Fig.295G]; como a haste de Conium sp. subsp. abreviatura do latim subspecies. SUPERFICIAL sobre ou que cresce sobre a superfcie do solo SPERO diz-se do ovrio livre, unido ao receptculo apenas pela base; os outros verticlos florais esto inseridos abaixo do ovrio. Ver nfero. No caso de radcula (spera), aplica-se quela cuja extremidade est dirigida para o pice do fruto, como nos carpdios das Apiaceae (=Umbelliferae). SUTURA linha, mais ou menos conspcua, que resulta da fuso de par- tes contguas, como os bordos concrescentes de um ou mais car- pelos; num legume corresponde a linha pela qual o fruto se abre na maturao [Fig.177]. SUTURAL diz-se do ovrio ou fruto quando a deiscncia ocorre ao longo da sutura; os vulos e as sementes se inserem na sutura [Fig.330]. Ver cpsula loculicida [Fig.62,63,64]. FIGURA 331 Sutural: semente. 332. 366 Glossario Ilustrado de Morfologia TABIQUE num fruto, os verdadeiros tabiques ou septos so de natureza carpelar e quando no o so, deve-se dizer falsos septos ou tabiques. TLAMO poro axial, em geral alargada, onde se inseserem os diversos verticlios de uma flor; o mesmo que receptculo. Talinum paniculatum (Jacq.) Gaertn. (=T. patens L.; T. patens (L.) Willd.) cpsula septifraga de globosa a ovide, com (2,0-)3,0(-4,0) mm de dimetro ou 4,5-5,0mm de comprimento por 2,5-3,0mm de largura, unilocular, multisseminada (20), com desiscncia por trs valvas membranceas, pericarpo crustceo, de colorao amarelo-esverdea- da ou de amarelada a vermelho-alaranjada ou parda e envolta pelo clice; semente de lenticular a reniforme, de suborbicular ou orbicular a largo-obovada em contorno, com (0,9-)1,0-1,1mm de comprimento por 0,8-1,0mm de largura e 0,3-0,5mm de espessura, lados convexos, com sulco mais ou menos inconspcuo que corre do hilo ao centro da semente, bordo arredondado e interrompido na poro lateral-basal por pequeno entalhe ovalado, o hilo, encoberto pelo funculo branco- hialino; tegumento crustceo, com superfcie lustrosa, glabra, de colo rao castanho-avermelhada (imatura) e preta (madura), ornamentada com finos tubrculos alongados, achatados e dispostos mais ou menos simetricamente em linhas concntricas a partir do hilo (30X), s vezes lisa; embrio perifrico, curvo e aneliforme, com curvatura de + de 360, eixo hipoctilo-radcula cerca da do comprimento total do embrio e cotildones elpticos de pice obtuso; endosperma reduzido a fina pel- cula em torno da ponta da radcula e perisperma central, farinceo, duro e esbranquiado quando seco ou taranslcido e mucilaginoso depois de hidratado [Fig.305M]. 333. T 367 TAXA o plural de txon. TXON qualquer unidade taxonmica, sem especificao da categoria (do nvel hierrquico); pode ser gnero, espcie, etc. TAXONOMIA cincia que se ocupa da classificao dos seres vivos; o mesmo que sistemtica. TAXONMICO em taxonomia: palavra que designa um txon. TECA parte da antera [Fig.12], geralmente em nmero de duas; cada uma geralmente formada por duas cavidades as lojas ou sacos polnicos [Fig.13A-sc], que so os microsporngios. TECIDO CONDUTOR conjunto de clulas de origem comum, que serve para transportar gua e sais minerais atravs do corpo da plntula e/ ou planta. TECIDO ESSENCIAL so os meristemas e todos as estruturas conhecidas como necessrias ao desenvolvimento normal da plntula. TECIDO GAMETOFTICO ou GAMETFITO tecido nutritivo que ocorre no interior das sementes de Conferas (GIMNOSPERMAS) e tem funo semelhante a do endosperma nas Angiospermas, que acumulam reservas. TECIDO NUTRITIVO ou TECIDO DE RESERVA independentemente de sua origem, o termo utilizado para indicar qualquer tecido de re- serva de alimentos do embrio, como o endosperma, perisperma e tecidos gametfitos. 334. 368 Glossario Ilustrado de Morfologia TGME ou TGMEN tegumento interno da semente, quando o vulo tem originalmente dois integumentos (primina ou intina - in e secundina ou exina - ex). TEGUMENTO a estrutura externa que envolve a semente e protege o embrio e o endosperma, constitudo por camadas celulares originrias dos integumentos do vulo. Ex: sementes de Amaran- thaceae, Brassicaceae (=Cruciferae), Chenopodiaceae e Fabaceae (=Leguminosae). O tegumento pode apresentar invaginaes trans- versais internas (ver endosperma ruminado e nucela), como em Annonaceae e em Triplaris surinamensis Cham. [Fig.149] (Polygo- naceae). TEMPERATURA ALTERNADA quando no teste de germinao a temperatura mais baixa mantida durante 16 horas, no perodo noturno, e a mais alta por oito horas, no perodo diurno. TEMPERATURA CONSTANTE quando no teste de germinao uma determinada temperatura a mesma durante todo o perodo, no variando mais do que 1%. TEOFRASTDIO nome que BARROSO et al. (1999) propem para designar o fruto globoso, indeiscente, carnoso, pouco espessado, originado de um ovrio spero, com placentao central livre, cerca 5-10 sementes, envoltas por tecido vermelho ou alaranjado, como nos gneros Clavija e Jacquinia (Theophrastaceae - Fig.332]. TPALA cada um dos segmentos do perignio (prg), isto , do perianto onde no se destingue o clice da corola, a no ser pela sua posio relativa. FIGURA 332 Teofrastdio: A- Clavija sp.; B- Jacquinia sp. Fonte: Barroso et al. (1999). 335. T 369 FIGURA 333 Tetragonia tetragonoides - nuculnio. TESTA o tegumento externo da semente, quando o vulo tem originalmente dois integumentos (primina e secundina). O trmo s pode ser usado como sinnimo de tegumento quando a semente apresenta uma nica camada (tgmen ausente) e portanto se originou da primina do vulo. TERETIFORME ou CILNDRICO que tem forma de cilndrico [Fig.101M]. Tetragonia tetragonoides (Pall.) Kuntze nuculnio com quatro pirnios lenhosos, livres entre si, unisseminados e no pice se apresenta coroado pelo clice acrescente, com 4-5 spalas providas de cornculos apicais; sementes piriformes e pndulas, com testa lustrosa e estriada longitudinalmente [Fig.333]. A unidade-semente o nuculnio. Thlaspi arvense L. com silcola de sub-orbicular a orbicular-achatada, largo-alada em toda margem, pice largo-emarginado e estilete persistente; semente ovada, castanho-violeta, com 1,7-2,0mm de comprimento por menos de 0,7mm de largura, cada face com 6-costelas concntricas que acompanham o contorno da semente [Fig.319G]. A unidade-semente a silcola e a semente. TIPO amostra herborizada de uma planta que caracteriza o txon. TOMENTO diz-se da superfcie de um rgo com pubescncia densa e lanosa (camada de plos semelhantes a l). TOMENTOSA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por tomento, curtos plos densos, muito rgidos e entrelaados, de maneira que so sensivelmente perceptveis ao tato [Fig.204L]. 336. 370 Glossario Ilustrado de Morfologia Torilis nodosa (L.) Gaertn. carpdios heterocarpos ovados, assim- tricos, com 2-4mm de comprimento por cerca de 1,0mm (sem es- pinhos) ou 2,0-2,5mm de largura (com espinhos) e cerca de 1,0mm de espessura; lado da comissura (ou ventral) com profundo sulco longitudinal; lado dorsal convexo, com 5 finas costelas longitudinais e interespaos com longos e densos espinhos retos ou com curtos e rugosos tubrculos cilndricos; lado dorsal fortemente virado para o lado ventral e assim essse lado sempre com tubrculos rugo- sos; no cremocarpo da perifera da umbela - carpdio externo com espinhos retos e carpdio interno com tubrculos rugosos; no cre- mocarpo do centro da umbela - os dois carpdios com tubrculos- rugosos [Fig.109Z-Z-Z-Y]. A unidade-semente o cremocarpo ou o carpdio. TORULOSO diz-se do fruto alongado, cilndrico, desigual na superfcie [Fig.101P] e muito semelhante ao moniliforme. Fruto toruloso como os lomentos de Desmodium tortuosum (Sw.) DC. [Fig.227C]. TRANSLCIDO que transmite a luz, mas no completamente transparente. TRANSVERSAL que atravessa perpendicularmente a superfcie de um rgo vegetal. TRANSVERSO colocado ou dirigido de maneira transversal; eixo transversal. Transveso-elptico [Fig.334E]. 337. T 371 FIGURA 334 Terminologia usada na descrio das sementes de Trifolium e con- tornos: A- diagrama; B- ovalado; C- obovado; D- elptico; E- trans- verso-eliptico; F- transverso-oblongo. Transverso-oblongo [Fig.334F]. TRAPEZOIDAL o mesmo trapezide. TRAPEZIDE que tem forma de trapzio. TRIANGULAR que tem forma ou contorno de tringulo, com trs ngulos agudos e com faces cncavas [Fig.100M-N]; geralmente usado como sinnimo de trgono [Fig.100L]. TRICOCA(O) fruto esquizocarpceo formado por trs cocas, como nas Ephorbiaceae [Fig.93]. Ver coca. TRICOMA o mesmo que plo. Trifolium terminologia usada na descrio do gnero [Fig.334]. TRGONO que tem trs ngulos longitudinais e trs lados planos [Fig.100L]. Triticum aestivum (L.) Fiori et Paoletti cariopse longo elptico-obovado, de amarelada a castanho-amarelado, tamanho varia com as cultivares, os dois lados mais ou menos convexos; lado ventral com sulco longitudinal de raso a profundo; pice com tufo de plos; lado dorsal, na extremidade mais estreita, com rea do embrio obovada [Fig.79B, 80B, 81B]. A unidade-semente a cariopse. Triumfetta bartramia L. nuculnio globoso, equinado, indeiscente ou tardiamente deiscente, com 3-4mm de dimetro (exceto as cerdas), 3-locular e com uma sementes por lculo; pericarpo castanho-claro, 338. 372 Glossario Ilustrado de Morfologia com densa pilosidade esbranquiada, com 75-100 espinhos uncina- dos, de 1,0-1,5mm de comprimento, de glabros a quase; semente piriforme ou ovide-comprimida, castanho-escura, de 1,5-2,0(-2,5) mm de comprimento por 1,0-1,5(-2,0)mm de largura, base afilada e pice com um sulco funicular mais ou menos ntido; cotiledones pli- cados e endosperma oleaginoso [Fig.243A]. A unidade-semente o nuculnio. Triumfetta semitriloba Jacq. nuculnio orbicular, equinado, indeiscente ou tardiamente deiscente, com 3-5mm de dimetro (exceto as cerdas) e 5-7mm de dimetro com os espinhos, 3-locular e com 2 sementes por lculo; pericarpo castanho-escura, com densa pubescncia estrelada ou glabrescente, com 50-75 espinhos, de 2-3mm de comprimento e com plos retorsos da base at cerca da a do comprimento; semente piriforme, cerca de 2mm de comprimento e com ntido sulco funicular no pice [Fig.243B]. A unidade-semente o nuculnio. TRONCO caule lenhoso e macio das rvores. O tronco na maioria das rvores e arbustos das Dicotiledneas se apresenta robusto, lenhoso, com desenvolvimento maior na base e no pice apresenta ramificaes, como o caule do cacaueiro [Fig.335]. Ver estipe e colmo. TRUNCADO diz-se quando o pice ou base de um rgo (folha, fruto ou semente) termina como se tivesse sido cortado no plano horizontal [Fig.16P]. TUBERCULADA diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semen- te) com elevaes em forma de pequenas excrescncias ou verrugas, mais ou menos densas e globosas; provido de tubrculos [Fig.203F]. FIGURA 335 Tronco do cacaueiro. 339. T 373 TUBRCULO caule subterrneo, arredondado ou engrossado e que possui na superfcie pequenos brotos ou olhos (como na batata- inglesa [Fig.87], batatinha e em Cyperus rotundus L.) ou caule areo (car Dioscorea bulbifera L.) ou raiz (mandioca). TUBERCULOSO que tem pequenos tubrculos, em vez de um s; raiz tuberosa; como na beterraba [Fig. 289]. TUBO POLNICO protalo masculino (tp) das Espermatfitas, especial- mente das Angiospermas, com aspecto de tubo ou fita, que germina no estigma, penetra pelo estilete em direo ao ovrio at alcanar o saco embrionrio (sa) [Fig.171-tp]. TUBULIFORME ou TUBULOSO ou TUBULAR que tem forma de pe- queno tubo oco e dilado na extremidade, como uma tuba (trombeta) romana [Fig.101Q]. Clice tubuloso como o clice de Silene. Corola tubulada TUBULOSO em forma de tubo; oco e cilndrico; o mesmo que tubular. TUNICADO coberto por multiplas camadas superpostas. TURBINADO - em forma de cone invertido (pio), com uma contrao at a ponta; como o fruto de algumas rosas [Fig.100C]. TRGIDO ligeiramente inchado (dilatado e endurecido). 340. 376 Glossario Ilustrado de Morfologia UMBELA tipo de inflorescncia onde numerosas flores pedunculadas se inserem num mesmo nvel do eixo principal e os pednculos tem um comprimento tal que elevam as flores na mesma altura da flor terminal do eixo principal; inflorescncia tpica das Apiaceae (=Umbelliferae) como na cenoura, erva-doce e salsa [Fig.336]. UMBELFERO provido de umbelas. UMBELLIFERAE sinnimo de Apiaceae. UMBIGO formao anmala, proveniente do ovrio, mais ou menos desenvolvida e que ocorre no centro do pice de certos frutos, como a laranja-baa. UMBONADO que tem no centro uma proeminncia mamiliforme, tal como o chapu de alguns fungos [Fig.101K]. UNCIFORME em forma de gancho. UNCINADO que tem ganchos (curvado para trs), como os espinhos uncinados de certos frutos: invlucro-gamfilo de Xanthium strumarium L. [Fig.208C]; ou diz-se quando o pice de um rgo (folha, fruto ou semente) se apresenta repentinamente curvado para trs [Fig.16H]. UNIDADE DE DISPERSO so estruturas que tem a finalidade de disse- minar e dispersar as espcies, tais como a semente botnica (semente verdadeira), cariopse, espigueta, antcio frtil (cariopse envolta pelas glumelas, lema e plea), antcio frtil ligado a um antcio estril, aqunio, carpdio, cremocarpo, drupa, esquizocarpo, glomrulo, mericarpo, ncu- la, nuculnio, smara e samardio. As unidades de disperso podem vir acompanhadas de estruturas acessrias. O mesmo que disporo. FIGURA 336 Umbela. 341. U 377 UNIDADE-SEMENTE em Poaceae (=Gramineae) pode ser a cariopse nua, um antcio frtil (cariopse envolta pelas glumelas, lema e plea). O antcio frtil envolvendo a cariopse pode ou no apresentar o segmento da rquila [Fig.337]. Unidade-semente simples em Poaceae (=Gramineae) definida como sendo um antcio frtil ligado a outro antcio frtil e/ou es- tril; como nos gneros Arrhenatherum, Avena, Bromus, Chloris, Dactylis, Festuca, X Festulolium, Holcus, Koeleria, Lolium, Poa, Sorghum e Triticum spelta. Unidade-semente mltipla unidade-semente que contm mais de uma estrutura: Em Poaceae (=Gramineae) definida como sendo um antcio frtil com: a) mais de um antcio frtil e/ou antcio estril aderidos; b) outro antcio frtil ou antcio estril aderido; c) outro antcio estril aderido base mais de um antcio frtil (aveia-perene, capim-de-Rhodes, dtilo, festuca); FIGURA 337 Unidade-semente simples e Unidade-semente mltipla. 342. 378 Glossario Ilustrado de Morfologia Em outras famlias botnicas: a) cremocarpos unidos no separados em espcies de Apiaceae (=Umbelliferae); b) glomrulo que possue mais de uma semente (acelga e beterraba Chenopodiaceae); c) drupa que possue mais de uma semente (espinafre-da-Nova- Zelndia Aizoaceae) d) frutos de Tectona grandis (Verbenaceae). UNILATERAL disposto em um s lado. UNILOCULAR que s tem um lculo ou cavidade. UNINERVADO que s tem uma nervura; o mesmo que uninrveo. UNINRVEO o mesmo que uninervado. UNISSEPTADO que s tem um septo. UNISSERIADO disposto em uma fila. UNISSERRULADO com uma fila de pequenos dentes. UNITEGUMINADO com um s integumento ovular (do vulo). UNISSEMENTADO ou UNISSEMINADO que possui uma nica semente; unissementado no muito usado. O mesmo que monogrmico, monosprmico, monospermo, oligosprmico ou oligospermo. 343. U 379 URCEOLADO(A) diz-se principalmente do clice gamosspalo ou da corola gamoptala, com longo tubo bojudo (maior dimetro na regio mediana do que nas extremidades - Fig.101E) e limbo pouco desenvolvido e ereto; em forma de urna; como a corola de mirtilo (Vaccinium myrtillus L.). URNA parte inferior de um fruto (cpsula), que permanece presa no pednculo, na deiscncia transversal de um fruto [Fig.56, 57]. Ver cpsula circuncisa. URTICANTE diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por duros plos de ponta aguda e que produzem irritao como queimaduras, quando em contato com a pele (quando tocados) [Fig.204M]; como as folhas de Urtica urens L. UTRCULO resulta da soldadura dos bordos de uma gluma secundria (brctea), com caractersticas de prfilo (OLIVEIRA, 1979, citado por GROTH, 1984); as glumas formam uma estrutura fechada, saciforme, ovide-comprimida, com abertura apical ou subapical e que envolvem uma ncula de textura palecea, coricea, mais raramente membran- cea ou suberosa; pice com rostro de comprimento varivel, oco e chanfrado, dando passagem aos estigmas; base arredondada ou estipiforme; ocorre em Carex (Cyperaceae) [Fig.338]. Ver Carex sororia Kunth e perignio. FIGURA 338 Utrculo de Carex sororia. 344. 382 Glossario Ilustrado de Morfologia VAGEM denominao genrica para legume, fruto seco, alongado, em geral deiscente, com vrias sementes, comum nas Fabaceae (=Leguminosae). VALCULA sulco (val) mais ou menos profundo, que fica entre as costelas (linhas em relevo) dos carpdios das Apiaceae (=Umbelliferae) [Fig.83- val, 109-M-N-val]. VALVA cada uma das pores (va) de certos frutos (cpsulas e sliqua) em que se separam na maturao [Fig.62, 63,67, 71, 72, 73]. var. abreviatura do latim varietas (variedade). VARIEDADE txon de nvel hierrquico inferior espcie e subespcie. VARIEGAO diz-se da superfcie que apresenta manchas de colora- es diferentes. VARIEGADO que apresenta variegao; irregularmente manchado. VELATDIO fruto capsuldio, que ocorre em algumas espcies de Me- lastomataceae, como de Acanthella conferta, Acisanthera alsinae- folia (DC.) Triana, Aciotis sp., Behuria parvifolia, Comolia sertularia, Pterogastra divaricata, Salpinga secunda, Tibouchina sp. e Tibou- china fothergilla [Fig.339], nas quais a deiscncia loculicida e pode ou no ser acompanhada de deiscncia septfraga, atinge apenas a parede do pericarpo (parede ovariana) e deixa o hipanto inteiro. O fruto pode estar totalmente incluso ou com regio apical exposta, pela queda das lacnias do calce. 345. V 383 VELUTINO diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida por longos plos muito finos, densos, curtos, eretos e macios, que do ao tato a sensao proporcionada pelo veludo [Fig.204N]; com textura de veludo. VENTRAL a frente da semente, lado voltado para a parte interna do fruto. Verbena bonariensis L. carceruldio em forma de bastonete-alongado, reto ou levemente curvado longitudinalmente, com (1,5-)1,6-1,9(-2,0)mm de comprimento por (0,5-)0,6-0,7mm de largura e (0,4-)(0,5-0,6mm de es- pessura; pice e base arredondados; pice do lado dorsal mais ou me- FIGURA 339 Velatdios de MELASTOMATACEAE: A- Acanthella conferta; B- Acisanthera alsinaefolia; C- Aciotis sp.; D- Behuria parvifolia; E- Comolia sertularia; F- Pterogastra divaricata; G-H- Salpinga secunda; I- Tibouchina sp.; J-K- Tibouchina fothergilla; B-C-E-D-H-I-K- velatdio com tubo do hipanto parcialmente removido, mostrando o fruto deiscente; A-F-G-J- vela- tdio ntegro. Fonte: Barroso et al. (1999). 346. 384 Glossario Ilustrado de Morfologia nos encurvado para o lado ventral; lado dorsal convexo e ventral com carena obtusa, mais ou menos pronunciada (dependendo se 2 ou 4 carceru- ldios se formaram juntos), que a divide em duas faces planas ou uma plana e outra convexa (dependendo se 2 ou 4 carceruldios se formaram juntos); bor- dos agudos, rea hilar basal-ventral, oblqua e com insero branca; pericarpo glabro, com lado dorsal castanho-avermelhado, de fosco a levemente lustroso, miudamente reticulado (30X - com malhas do retculo mais claras), com qua- tro costelas longitudinais, mais ou menos anastomosadas no pice, formando retculos irregulares no tero apical e interespaos alongados no restante; lado ventral totalmente revestido por minsculas papilas esbranquiadas, in- clusive na carena [Fig.75A-A]. A unidade-semente o carcerulidio. VENTRICOSO dilatado ou entumescido em sua poro mediana. VENTRODORSAL que vai da face dorsal ventral. VENTROLATERAL que vai dos lados face ventral. VERRUCIFORME em forma de verruga. VERRUCOSO(A) diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que apresenta salincias em forma de verrugas, pequena protuberncia rugosa, arredondada e dura; provido de verrugas. VERRUGA pequena elevao superficial, globosa e dura. VERTICILADA(O) com trs ou mais folhas, ou outras estruturas que se inserem em crculo (no mesmo n) ao redor de um eixo; for- mando um verticlio foliar [Fig.175B], como na espirradeira (Nerium oleander L. Apocynaceae). 347. V 385 VERTICLIO conjunto de peas florais (clice, corola, estames e pistilo) dispostas em torno de um eixo, sobre o qual se inserem, no mesmo n ou no mesmo nvel. VESTIGIAL que remanesce muito diminuto; remanescente. VIABILIDADE ndice de sementes vivas, capazes de germinar e se de- senvolver. VIVEL quando as clulas de um embrio esto vivas e tem a capacidade de produzir uma plntula normal, num teste de tetrazlio. Vicia sp. semente de globosa, globosaachatada e globosaquadrangular a ovide ou lenticular, s vezes, levemente comprimida; hilo pequeno ou grande, linear, lanceolado, oblongo ou ovalado, paralelo ao compri- mento da semente (exceto em Vicia faba), ao mesmo nvel da superf- cie e variavelmente ornamentado, geralmente, 23X mais longo do que largo, ocupando de a do contorno da semente; fenda hilar visvel e branca; s vezes, com funculo persistente (V. hirsuta); chalaza bri- lhante, de colorao mais escura do que o tegumento, vermelhoes- cura ou castanho, localizada no bordo dorsal ou prximo a uma das extremidades do hilo; tegumento com superfcie lisa, spera, rugosa ou verrucosa, fosca ou brilhante, glabra, de colorao muito varivel (cinzaesverdeada, olivcea, acinzentada, castanha em diversas to- nalidades, vermelha ou preta, monocolor, marmoreada); embrio axial curvado, com radcula curta, cotildones crassos e plmula, geralmen- te, bem desenvolvida; endosperma muito reduzido a ausente. Seguem as caractersticas diferenciasis de espcies de Vicia: 348. 386 Glossario Ilustrado de Morfologia Vicia angustifolia L. semente globosa, com (2,3-)2,7-3,6(-4,0) mm de dimetro; hilo de estreito-cuneiforme a linear-ovalado, 2-3X mais longo do que largo, ocupa de 1 /6 a 1 /5 do dimetro da semente ou com cerca de 2mm de comprimento por 0,75mm na poro + larga, afila-se para uma das extremidades em um ponto arredondado, levemente deprimido nas margens e pro- eminente ao longo da fenda hilar mediana; chalaza um escu- ro ponto proeminente; tegumento com superfcie geralmente fosca, finamente granular, preto-acastanhada e lustrosa ou de esverdeada (verde-oliva) a castanha e esparso ou denso-mar- moreada de preto (20X). Vicia faba L. legume oblongo, de terete a levemente comprimido (arredondado sobre as sementes), de reto a levemente curva- do, de 3-20cm de comprimento por 10-30mm de largura, pi- ce e base obliquamente acuminados, pericarpo de castanho a preto, glabro, reticulada e rugosa; semente muito vari- vel em forma e tamanho, de oblonga a oval-arredondada ou arredondada-quadrangular, comprimida lateralmente (com faces subplanas), com (7-)13-14(-30) mm de comprimento por (6-)8-9(-17)mm de largura, com extremidade hilar mui- tas vezes mais espessa do que a extremidade oposta, o que depende da variedade; hilo elptico em sementes menores e oblongo em sementes maiores, com 5-6mm de comprimento por 1,5mm de largura, de colorao castanha a preta, 3-4X mais longo do que largo, ocupa de 1 /6 a 1 /5 do dimetro da semente e completamente ou parcialmente encobertro pelo funculo; rafe conspcua, castanha e a cerca de 1,3-2,0mm abaixo do hilo; tegumento com superfcie lisa, de fosca a 349. V 387 lustrosa, de colorao amarelo-clara, verde-amarelado-clara, acastanhada, avermelhada, castanho-esverdeada-clara a escura ou de prpura-clara a escura ou preta e insconspi- cuamente marmoreada e pontilhada com colorao similar a da colorao base (20X). Vicia hirsuta (L.) Gray legume oglongo-ovalado, comprimido, com (6-)9-11mm de comprimento por (2,5-)3,5-4,0mm de lar- gura e 3,0mm de espessura, pice e base oblicuamente curto- acuminados a quase arredondados, com (1-)2(-3) sementes, pericarpo de castanho a preto, curto-pubescente e obscu- ramente reticulado; semente de subglobosa-comprimida a espesso-lenticular, com (1,5-)2,0-2,8mm de dimetro por 1,8- 2,0mm de espessura; hilo de linear a subcuneiforme, + escuro do que o tegumento, de 6-9X mais longo do que largo, ocupa de a do dimetro da semente ou com 2,0-2,5mm de com- primento por menos de 0,5mm e parcialmente obscurescido pelo funculo castanho de 2mm de comprimento (caracterstico da espcie), s vezes somente preso em uma das extremida- des; rafe + escura do que o tegumento e a cerca de 0,6-1,0mm abaixo do hilo; tegumento com superefcie lisa, lustrosa, de colorao palha-esverdeada, cinza-esverdeada a palha-aver- melhada e de leve a denso-marmoreada de castanho-escura a preta (20X), algumas vezes to denso-mamoreada que parece monocromtica. Vicia sativa L. legume de oblongo a linear, comprimido ou qua- se teretiforme, com (2,5-)3,5-8,0(-9,0)cm de comprimento por 6-12mm de largura ou 4,5-6,0mm (dependendo do cultivar), 350. 388 Glossario Ilustrado de Morfologia pice e base oblcuas e agudos, multisseminado, com 10-12 sementes unisse-riadas, pericarpo de amarelado a castanho- amarelado (madura), raramente preto, fortemente reticulado, de glabro a piloso ou serceo-piloso (dependendo do cultivar); se- mente de subglobosa a globosa, de comprimida a ovide ou sublenticular, com 3,5-4,5 (-6,0)mm de dimetro por 3,3mm de espessura, hilo de oblongo a estreito-ovalado ou estreito- cuneiforme, branco, geralmente da mesma colorao do te- gumento, 3-4X mais longo do que largo, ocupa de 1 /6 a 1 /5 do dimetro da semente ou com 2,0-2,5mm de comprimento por 0,5-0,75mm de largura, deprimido nas margens e proeminen- te ao longo da fenda hilar mediana, amarelo-esbranquiada e no obscurescida; rafe geralmente preta ou de castanha a palha-clara em sementes de colorao mais clara e a cerca de 1,0mm abaixo do hilo (s vezes a cerca de 0,7mm); tegu- mento com superfcie lisa, de fosca a semilustrosa, de colo- rao varivel, de palha-clara a ocre-esverdeada-escura ou verde, geralmente castanho-avermelhada, de leve a intenso- marmoreada e pontilhada de castanho-clara a escura (20X), algumas vezes to denso-mamoreada que parece monocro- mtico (castanho-escura ou preta). Vicia villosa Roth legume oblongo, achatado, com 20-40mm de comprimento por 5-10mm de largura, pice e base oblicua- mente curto-acuminados, com 6-8 sementes, pericarpo de pa- lha-claro a escuro, glabro, finamente reticulado e puncteado; semente globosa e ligeiramente achatada, orbicular em con- torno e largo-elptica em seo transversal, com 3,4-4,0(-5,0) mm de dimetro por 3,3-4,3mm de espessura, hilo oblongo, 351. V 389 liso, da mesma colorao do tegumento ou + escuro (preto ou avermelhado), ao mesmo nvel da superfcie da semente, exceto por um pequeno sulco em uma das extremidades, 3X mais lon- go de que largo, ocupa de 1 /7 ou pouco menos do dimetro da semente ou com 2,0-2,5mm de comprimento por 0,5-0,7(-1,0) mm de largura e com estreita fenda hilar mediana; rafe oval, afundada (caracterstico da espcie), + escura do que o tegu- mento e a cerca de 1,0-1,3mm abaixo do hilo; tegumento com superfcie lisa, fosca, de colorao castanho-avermelhado-es- cura a castanho-esverdeada, denso-marmoreada e pontilhada de catanho-preto (20X), algumas vezes to denso-marmorea- da que parece monocromtica (preto). Sementes Vicia villosa so muito parecidas com as de Vicia dasycarpa Ten. Vigna unguiculata (L.) Walp. (=Vigna sinensis (L.) Savi ex Hassk.) semente muito varivel na forma, tamanho e colorao; de alon- gadareniforme a ovide ou globosaangular, comprimida, com (6-)8-9(-12)mm de comprimento por (3,5)5,0-6,5(-8,0)mm de lar- gura e (2,5-)4,0-6,0mm de espessura; hilo de ovaladooblongo, com (2,0-)2,2-2,7(-3,0)mm de comprimento por 1,3-1,7mm de largura (a forma e a largura variam muito com a variedade), deprimi- do e obscurecido por tecido corticiforme [Fig.312] esbranquiado (carter diagnstico importante da espcie) persistente, grosso, que se eleva acima da superfcie da semente e encobre tambm a fenda hilar mediana; hilo circundado por tecido marginal escu- ro (geralmente esverdeado) e pelo arilo escuro (de castanho a preto); rafe bilobada e escura; micrpila um poro na extremida- de inferior do hilo; tegumento coriceo, com superfcie lustrosa, lisa ou transversalmente rugosa, com colorao que varia do 352. 390 Glossario Ilustrado de Morfologia brancocreme, com rea preta ou prpurea ao redor do hilo, castanhoamareladoclara a vermelhoescura, castanhoaver- melhada ou preta, monocolor ou bicolor e variavelmente mar- moreada; embrio axial curvado, com curta rad-cula infletida e menos da do comprimento dos cotildones de reniformes a oblongos; com duas plmulas bem desenvolvidas, ovadas com pice obtuso, com nervura central e quatro pares de secund- rias conspcuas; endosperma no evidente. A unidade-semente a semente. VIGOR DE SEMENTES compreende um conjunto de caractersticas que determinam o potencial para a emergncia e o rpido desenvol- vimento de plntulas normais, sob ampla diversidade de condies ambientais (MARCOS-FILHO (1999), com base nas definies da ISTA e AOSA). Vigor fisiolgico aquele observado entre lotes de uma mesma linhagem gentica, cultivar ou espcie. Vigor gentico aquele observado na heterose ou nas diferenas de vigor entre duas linhagens. VILOSA(O) diz-se da superfcie de um rgo (folha, fruto ou semente) que se apresenta revestida com plos macios e delicados [Fig.203H]; o mesmo que pubescente. VISCOSO que pegajoso (grudento). VTREO o mesmo que transparente, translcido. 353. V 391 VOLVEL diz-se da planta trepadeira que sobe enrolando-se em torno de um suporte; quando se enrola para a esquerda (sinistro), como na campnula (Pharbitis - Fig.88B) e se para a direita (dextrorso), como a madressilva [Fig.88A]. Vulpia myurus (L.) C.C. Gmel. (=Festuca myurus L.). espiguetas obova- das, comprimidas, sublaxas, multifloras (unidade-semente mltipla), com duas glumas estreito-lanceoladas, muito desiguais, inermes, com a inferior cerca de do tamanho da gluma superior; antcio frtil com comprimento cerca de 9-10 vezes a largura; lema frtil (lf) estrei- to-lanceolada, de dorso convexo, 5-nervada, escabrosa, glabra, mar- gens enroladas para dentro, deixando somente uma faixa estreita da plea frtil (pf) visvel e com curta pubescncia no pice e ao longo dos lados; lema longo-aristada, arista (as) com o dobro do comprimento da lema (5mm) ou mais longa por mm de largura; plea frtil (pf) membrancea e dobrada no pice; segmento da rquila (seg) filiforme, achatada contra a plea e pice muito pouco expandido [Fig.167E, 168E, 169E]. A unidade-semente o antcio frtil. 354. 394 Glossario Ilustrado de Morfologia Xanthium spinosum L. invlucro gamfilo ovide ou elipside, com 11-12 (-13)mm de comprimento por 3,5-4,0(4,5)mm de largura e 2,5-3,0(-4,0) mm de espessura (todas as medidas sem as cerdas), pice sem rostro e, s vezes, com duas cerdas iguais as outras, mas geralmente um pou- co menores; superfcie de cinza-amarelada a castanha em diversas tonalidades, com costelas longitudinais incompletas e pouco ntidas, onde se inserem irregularmente as numerosas cerdas de 2,0-2,5(-3,0) mm de comprimento, de pice fortemente uncinado (caracterstico da espcie) e base engrossada, com curtos plos lanuginosos brancos (invlucro maduro) e de amarelados a alaranjados (invlucro imaturo), mais numerosos na base das cerdas, sobre as costelas e no invlucro imaturo. Cada invlucro gamfilo encerra dois aqunios [Fig.208C]. A unidade-semente o invlucro gamfilo. Xanthium strumarium L. invlucro gamfilo elipside, com 15-20mm de comprimento (exceto os rostros) e 6-8(-13)mm de largura e espessura (exceto os rostros), pice com dois rostros, mais grossos e de 1 a duas ve- zes mais longos do que as cerdas; superfcie de castanho-amarelada a castanho-escura, com curtos plos rgidos e numerosas cerdas duras de pice uncinado, base engrossada e de 2-3(-4)mm de comprimento, Cada invlucro gamfilo encerra dois aqunios [Fig.208D]. A unidade- semente o invlucro gamfilo. XERFILO - que vive em lugares secos, como a caatinga e os desertos; tam- bm usado para designar a estrutura das folhas de plantas xerfitas. XERFITA diz-se da planta que capaz de crescer em lugares ridos, em solos com pouca umidade disponvel. 355. X 395 XEROMRFICO diz-se do rgo vegetal, protegido contra a seca exces- siva (no sofre deficincia hdrica), como o caso da vegetao do cerrado; o mesmo que xeromorfo. XEROMORFO o mesmo que xeromrfico. XEROMORFOSE modificao de forma dos rgos vegetais, provocados pela seca. XEROPLSTICO diz-se do vegetal caracterstrico de lugares secos, independentemente do seu modo de adaptao. XILOPDIO rgo subterrneo, lignificado, encontrado com muita fre- qncia em plantas do cerrado (como o caiap - Fig.340) e da caa- tinga (manioba - Fig.341), de natureza incerta (caulinar, radicular ou mista), rico em substncias de reserva e inclusive de gua. Estas plan- tas tem a capacidade de preservar a vida contra a seca na caatinga e contra a queimada que assola os campos. FIGURA 340 Xilopdio de caiap. FIGURA 341 Xilopdio de manioba. 356. 398 Glossario Ilustrado de Morfologia ZIGOMORFA(O) que apresenta zigomorfia; tipo de simetria bilateral de uma flor; portanto o rgo floral possui um plano de simetria [Fig.342]; corola zigomorfa. ZIGOMORFIA tipo de simetria bilateral de uma flor; portanto o go floral possui um plano de simetria [Fig.342]. ZIGTICO que ocorre logo aps a fecundao; relativo ao zigoto. ZIGOTO clula resultante da fuso dos gametas; o mesmo que clula ovo. ZOOCORIA diz-se quando a disperso de disporos ocorre pelos ani- mais. Ver anemocoria, autocoria, antropocoria, barocoria, hidro- coria e ornitocoria. Zornia diphylla Pers. lomento 2-5-articulado, com superfcie hspida, en- volto por brcteas persistentes e arranjado em estruturas alongadas e racemosas Fig.343]. A unidade-semente o artculo do lomento. Zoysia matrella (L.) Merr. espiguetas unifloras (1 antcio), lateralmen- te comprimidas, se desarticulam por baixo das glumas; gluma in- ferior ausente e superior (gls) coricea, lustrosa, com arista curta ou vestigial, que envolve completamente o antcio frtil (lema (lf) e plea) membranceo; s vezes, plea frtil (pf) reduzida ou ausente; cariopse (cap) estreito-elptico-lanceolada, com 3,9-3,5mm de com- primento (exclundo a arista) por 1,0mm de largura, lustrosa, de colo- rao palha-amarelada [Fig.344]. A unidade-semente a cariopse envolta pela gluma superior. FIGURA 342 Zigomorfa. FIGURA 343 Zornia diphylla: A- lomento; B- semente. 357. Z 399 ZOCORO diz-se dos esporos ou das unidades de disperso que so disseminados pelos animais (aderindo aos plos dos animais ou inge- ridos e assim so transportados). FIGURA 344 Zoysia matrella: A- espi- gueta com gluma superior superior; B- antcio frtil com plea frtil ausente. 358. BIBLIOGRAFIA 359. 402 Glossario Ilustrado de Morfologia BARROSO, G.M. 1978. Morfologia da semente. In: CURSO SOBRE IDENTIFICAO DE SEMENTES, 2, Pelotas, 1978. Aposti- la. Pelotas, UFPel, MA, FAEM, CETREISUL, Curso de Ps-Graduao em Tecnologia de Sementes. 149f. (Mimeografado). BARROSO, G.M.; MORIM, M.P.; PEIXOTO, A.L.; ICHASO, C.L.F. Frutos e sementes: morfologia aplicada sistemtica de Dicotiledneas. Viosa: UFV, 1999. 443p. BOEKE, J.E. Diagnostic characteristics of florets of crop kinds of Agrostis spp. Proc.Int. Seed Test.Ass., Wageningen, v.33, n.2, p.324, 1968. BRASIL. Ministrio da Agricultura e Reforma Agrria. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuria. Regras para anlise de sementes. Braslia, 1992. 365p. BROUWER, W.; STHLIN, A. Handbuch der Samenkunde fr Landwirtschaft, Gartenbau und Forstwirtschaft mit einem Schlssel zur Bestimmung der wichtigsten landwirtschaftlichen Samen. Frankfurt am Main: DLGVerlagsGMBH, 1955. 656p. BURG, W.J.van der; VIERBERGEN, G.; KOENDERS, K.T. Identification of Agrostis spp. Seed Sci.& Technol., Wageningen, v.7, n.4, p.531, 1979. CARVALHO, N.M.; NAKAGAWA, J. Sementes: cincia, tecnologia e produo. Campinas, Fundao Cargil, 1980. p.11-54. CAVALHEIRO, E.M.; BARRETO, I.L. As espcies indgenas ou espontneas do gnero Digitaria Heister ex Haller (Gramineae) ocorrentes no Rio Grande do Sul. Anu.Tc.do IPZFO, Porto Alegre, v.8, p.171-316, dez.1981. CRONQUIST, A. The evolution and classification of flowering plants. 2.ed. New York: The New York Botanical Garden, 1988. 55p. DILLENBURG, C.R. Identificao das espcies do gnero Avena L. (Gramineae) coletadas no estado do Rio Grande do Sul (Brasil). Anu. Tc. do IPZFO, Porto Alegre, v.11, p.65-102, dez.1984. FERRI, M.G. Botnica morfologia externa das plantas. So Paulo: Edies Melhoramento, 1956. 149p. FERRI, M.G.; MENEZES, N.L.; MONTEIRO-SCANAVACCA, W.R. Glodssrio ilustrado de botnica. So Paulo: EBRATEC Ed. da USP, 1978. 197p. FONT QUER, P. Dicionrio de botnica. Barcelona: Ed. Labor S.A., 1965. 1244p. GROTH, D. Identificao botnica de plantas e sementes de espcies invasoras na cultura da soja. Revista Brasileira de Semen- tes, Braslia, v.2, n.3, p.5995. 1980. 360. BIBLIOGRAFIA 403 GROTH, D. Unidades de disperso e plntulas de espcies de plantas invasoras. 1984. 630f. Tese (Doutorado em Biologia Vegetal) Instituto de Biologia - UNICAMP, Campinas, 1984. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das plntulas e das sementes de trs espcies daninhas da cultura de soja. In: SEMINRIO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA, 3, Campinas, 1984. Anais... Campinas: EMBRAPA/Centro Nacional de Pesquisa de Soja, 1984a. p.57586. GROTH, D. Morphological characterization of seeds and seedlings of seven weed species of Convolvulaceae occurring in agricul- tural seeds in Brazil. Iheringia, Sr. Bot., Porto Alegre, n.41, p.83-99, jun. 1991. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das sementes e frutos de nove espcies invasoras de Ipomoea (Convolvulaceae). Revista Brasileira de Sementes, Braslia, v.19, n.2, p.303-314, 1997a. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das sementes e frutos de oito espcies invasoras da famlia Convolvulaceae. Revista Bra- sileira de Sementes, Braslia, v.19, n.2, p.361-368, 1997b. GROTH, D. Estudo morfolgico das unidades de disperso e respectivas plantas de seis espcies de plantas invasoras da famlia CYPERACEAE. Planta Daninha, Campinas, v.6, n.1, p.25-38,1983. GROTH, D. Caracterizao morfolgica de treze espcies invasoras da famlia COMPOSITAE (tribos Cynareae, Eupatorieae, Heliantheae e Senecioneae) atravs das plntulas e das caractersticas antomo-morfolgicas das unidades de disperso. Rev. Bras.Sem., Braslia, v.7, n.3, p.9-48, 1985. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das unidades de disperso e das plntulas de nove espcies invasoras das tribos Anthemi- deae, Astereae e Cichorieae (COMPOSITAE). Rev.Bras. Sem., Braslia, v.7, n.3, p.49-78, 1985. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das unidades de disperso e das plntulas de trs espcies invasoras do gnero Sida L. (MALVACEAE). Agron.Sulriograndense, Porto Alegre, v.21, n.1, p.3-19, 1985. GROTH, D. Morfologia das unidades de disperso e das plntulas das POLYGONACEAE invasoras no Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Sr.Bot., Porto Alegre, n.35, p.45-63, set. 1986. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das unidades de disperso e das plntulas de quatro espcies invasoras do gnero Digita- ria Heister ex Haller. Rev.Bras.Sem., Braslia, v.9, n.2, p.19-34, 1987. GROTH, D. Morphological and anatomical characterization of twelve species of weeds occuring in forage seed produced in Brazil. Iheringia, Sr.Bot., Porto Alegre, n.38, p.3-19, nov. 1988. 361. 404 Glossario Ilustrado de Morfologia GROTH, D. Caracterizao morfolgica dos carpdios e das plntulas de seis espcies invasoras da famlia MALVACEAE. Agron. Sulriograndense, PortoAlegre, v.24, n.1, p.89-105, 1988. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das unidades de disperso e das plntulas de quatro es-pcies nocivas toleradas em se- mentes forrageiras, hortalias e grandes culturas. Rev. Bras.Sem., Braslia, v.10, n.2, p.21-32, 1988. GROTH, D. Caracterizao morfolgica de quatro escies invasoras da famlia VERBENACEAE atravs das unidades de disperso e das plntulas. Rev.Bras.Sem., Braslia, v.10, n.2, p.33-44, 1988. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das sementes e plntulas de seis espcies invasoras do gnero Solanum. Acta.bot.bras., Braslia, v.3, n.1, p.25-48, jul.1989. GROTH, D. Caracterizao morfolgica das sementes e plntulas de cinco espcies invasoras do gnero Plantago L. que ocorrem no Rio Grande do Sul, Brazil. Iheringia, Sr.Bot., Porto Alegre, n.39,19-35, out.1989. GROTH, D. Morphological characterization of seeds and seedlings of seven weed species of Convolvulaceae occuring in agricultural seeds in Brazil. Iheringia, Sr.Bot., Porto Alegre, n.41, p.83-99, jun.1991. GROTH, D. Caracterizao morfolgica de sementes de espcies invasoras da famlia Convolvulaceae Juss. Rev.Bras.Sem., Londrina, v.23, n.2, p.1-13, 2001. GROTH, D.; ANDRADE, R.N.B. Caracterizao morfolgica de unidades de disperso de cinco espcies ornamentais. Rev. Bras.Sem., Londrina, v.24, n.1, p.11-17, 2002. GROTH, D.; BOARETTO, M.R. & SILVA, R.N.da. Morfologia de sementes, frutos e plantas invasoras em algumas culturas. Revista Brasileira de Sementes, Braslia, v.5, n.3, p.15182. 1983. GROTH, D. & BOARETTO, M.R. Estudo morfolgico das sementes, frutos e plantas de quatro espcies invasoras do gnero Ipo- moea L. Revista Brasileira de Sementes, Braslia, v.7, n.3, p.79-97, 1985. GROTH, D.; LIBERAL, O.H.T. Catlogo de identificao de sementes. Campinas: Fundao Cargill, 1988. 182p. GROTH, D.; SILVA, H.T & WEISS, B. Caracterizao botnica de plantas de espcies invasoras e respectivas sementes na cultura da soja (Glycine max (L.) Merrill.) no Rio Grande do Sul. In: SEMINRIO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA, 1, Londrina, 1978. Anais... Londrina, Centro Nacional de Pesquisa de Soja EMBRAPA, 1979. p.108202. HANF, M. Die Ackerunkruter und ihre Keinlinge. Ludwigshafen: BASF, s.d. 347p. 362. BIBLIOGRAFIA 405 HANF, M. The arable weeds of Europe with their seedlings and seeds. Ludwigshafen: BASF, 1983. 494p. ISELY, D. Investigations in seed classification by family characteristics. Research Bulletin, Iowa, v.351, p.336-342, jul.1947. (Agric.Exp.Stat.). ISELY, D. Observations on seeds of Leguminosae: Mimosoideae and Caesalpinioideae. Proc. Iowa Acad.Sci., Iowa, v.62, p.142- 145, 1955a. KISSMANN, K.G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas. 2.ed. So Paulo: BASF, 1997. t.1, 825p. KISSMANN, K.G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas. 2.ed. So Paulo: BASF, 1999. t.2, 978p. KISSMANN, K.G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas. 2.ed. So Paulo: BASF, 2000. t.3, 724p. KOEHN, D. Identificao de algumas invasoras encontradas em sementes das principais espcies forrageiras produzidas no Rio Grande do Sul. Bol.Tc.do IPAGRO, Porto Alegre, v.1, p.3-96, 1977. KOPOOSHIAN, H; ISELY, D. Seed character relationships in the Leguminosae. Proc.Iowa Acad.Sci., Iowa, v.73, p.59-67. abr.1968. LEIST, N. & BICKELMANN, U. Fatuoids and bastartds of oats (Avena spp.). Review: description - evaluation - origin. Zrich: ISTA, 1989. 23p. (Manuscrito para ISTA). LIBERAL. O.H.T.; COELHO, R.C. Manual do laboratrio de anlise de sementes botnica da semente. Niteri, Empresa de Pesquisa Agropecuria do Estado do Rio de Janeiro (PESAGRO-RIO), 1980. v.1, 95p. LINDLEY, J. Glossologia. Tucuman:Fundacion Miguel Filho, 1951. 123p. (Miscelnia, 15). MARTIN, A.C. The comparative internal morphology of seeds. The American Midland Naturalist, Indiana, v.36, n.3, p.3-660, 1946 MELLO-LEITO, C. de. Dicionrio de biologia. 2.ed. Rio de Janeiro/So Paulo: Companhia Editora Nacional, 1946. 646p. MUSIL, A.F. Identificao de sementes de plantas cultivadas e silvestres. Braslia: MA-AGIPLAN, 1977. 229p. OLIVEIRA, E.C. Cyperaceae Juss.: morfologia dos aqunios dos gneros ocorrentes no Brasil. Rodrigusia, Rio de Janeiro, v.32, n.55, p.327-405, 1980. 363. 406 Glossario Ilustrado de Morfologia PEREIRA, S.C. O gnero Chloris Swartz (Gramineae) no Rio Grande do Sul. Rodrigusia, Rio de Janeiro, v.37, n.62, p.9-20, jan./jun.1985. PFITSCHER, E.M. & BARRETO, I.L. As espcies do gnero Echinochloa (Gramineae) ocorrentes no Rio Grande do Sul. Anu. tc. do IPZFO, Porto Alegre, v.3, p.245-289, jul.1976. PIJL, L. van der. Principles of dispersal in higher plants. 3.ed. New York: Springer-Verlag, 1982. 215p. PIO CORRA, M. Dicionrio das plantas teis do Brasil e das exticas cultivadas. Braslia: Ministrio da Agricultura IBDF, 1984. v.6. RADFORD, A.E; DICKINSON, W.C.; MASSEY, J.R.; BELL, C.R. Vascular Plant Systematics. New York: Harper & Row Publi- shers, 1974. cap.5-6, p.79-82; p.83-166. ROYER, F.; DICCKINSON, R. Weeds of the northern U.S. and Canada. 1.ed. Alberta: The University of Alberta Press and Washington: Lone Pine Publishing, 2006. 434p. SCHULTZ, A.R. Botnica sistemtica. 3.ed. Porto Alegre: Editora Globo, 1963. v.2, 427p. SENDULSKY, T. Brachiaria - taxonomy of cultivated and native species in Brazil. Hoehnea, So Paulo, v.7, p.99-139, 1978. THE WARREX CORPORATION. Weed and weed seeds. Chicago: West Hackson Boulevard, 1960. 96p. (n 618-626). UNITED STATES. Department of Agriculture. Identification of seeds. In: Manual for testing agricultural and vegetable seeds. Washington, 1952. p.194-262. (Agric. Handbook, 30). VASCONCELOS-SOBRINHO, J. Dicionrio de termos tcnicos de botnica. 2.ed. Recife: Imprensa Industrial, 1945. VIDAL, W.N. Consideraes sobre as smaras que tem ala paranuclear. Rodrigusia, Rio de Janeiro, v.30, n.47, p.109-168, 1978. VIDAL, W.N; VIDAL, M.R.R. Botnica organografia; quadros sinticos ilustrados de Fanergamas. 4.ed.rev.ampl. Vio- sa: Ed. da UFV, 2005. 124p. WITTMACK, L. Landwirtschaftliche Samenkunde. Berlin: Verlagsbuchhandlung Paul Parey, 1922. 581p.