bovespa curso basico

Download BOVESPA CURSO BASICO

Post on 21-Oct-2015

7 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Por que e onde Investir Todo investidor busca a otimizao de trs aspectos bsicos em um investimento: retorno, prazo e proteo. Ao avali-lo, portanto, deve estimar sua rentabilidade, liquidez e grau de risco. A rentabilidade sempre diretamente relacionada ao risco. Ao investidor cabe definir o n vel de risco que est disposto a correr, em funo de obter uma maior ou menor lucratividade. Investimentos em Ttulos Abrangem aplicaes em ativos diversos, negociados no mercado financeiro (de crdito), que apresentam caractersticas bsicas com referncia a renda - varivel ou fixa. A renda fixa quando se conhece previamente a forma do rendimento que ser conferida ao ttulo e seu prazo de resgate. Nesse caso, o rendimento pode ser ps ou prefixado, como ocorre, por exemplo, com o certificado de dep sito bancrio. A renda varivel ser definida de acordo com os resultados obtidos pela empresa ou instituio emissora do respectivo t tulo. Aes Ttulos de renda varivel, emitidos por sociedades annimas, que representam a menor frao do capital da empresa emitente. Podem ser escriturais ou representadas por cautelas ou certificados. O investidor em aes um co-proprietrio da sociedade an nima da qual acionista, participando dos seus resultados. As aes so conversveis em dinheiro, a qualquer tempo, pela negociao em bolsas de valores ou no mercado de balco.

    1. O que uma a o? a. Um t tulo representativo de um emprstimo que o investidor fez para uma empresa. b. Um t tulo representativo da propriedade da menor parcela do capital de uma empresa.

    2. Como podem ser classificados os investimentos em a es?

    a. Renda fixa. b. Renda varivel.

    3. Existe algum prazo mnimo para o investimento em aes?

    a. Sim. b. No, o investidor decide quando comprar e quando vender.

  • Tipos de Aes Ordinrias Proporcionam participao nos resultados da empresa e conferem ao acionista o direito de voto em assemblias gerais. Preferenciais Garantem ao acionista a prioridade no recebimento de dividendos (geralmente em percentual mais elevado do que o atribudo s aes ordinrias) e no reembolso de capital, no caso de dissoluo da sociedade. Formas Nominativas Cautelas ou certificados que apresentam o nome do acionista, cuja transferncia feita com a entrega da cautela e a averbao de termo, em livro prprio da sociedade emitente, identificando novo acionista. Escriturais Aes que no so representadas por cautelas ou certificados, funcionando como uma conta corrente, na qual os valores so lanados a dbito ou a crdito dos acionistas, no havendo movimenta o fsica dos documentos.

    4. Existem quantos tipos diferentes de aes negociadas no mercado? a. Somente um (a es ordinrias). b. Dois (a es ordinrias e aes preferenciais).

    5. Qual a principal caracterstica das aes ordin rias? a. Prioridade no recebimento de dividendos . b. Do direito a voto nas Assemblias Gerais de Acionistas.

    6. Qual a principal caracterstica das aes preferenciais? a. Valem mais do que as ordinrias. b. Tm preferncia quando da distribuio de dividendos .

  • Rentabilidade das aes varivel. Parte dela, composta de dividendos ou participao nos resultados e benefcios concedidos pela empresa, advm da posse da ao; outra parte advm do eventual ganho de capital na venda da ao. Dividendos A participao nos resultados de uma sociedade feita sob a forma de distribuio de dividendos em dinheiro, em percentual a ser definido na Assemblia Geral Ordinria de Acionistas, de acordo com os resultados obtidos pela empresa em determinado per odo. Bonifica o em A es Advm do aumento de capital de uma sociedade, mediante a incorpora o de reservas e lucros, quando so distribudas gratuitamente novas aes a seus acionistas, em nmero proporcional s j possudas. Direitos de Subscri o o direito de aquisio de novo lote de aes pelos acionistas - com preferncia na subscrio - em quantidade proporcional s possudas, em contrapartida estratgia de aumento de capital da empresa. Venda de Direitos de Subscrio Como no obrigatrio o exerccio de preferncia na subscrio de novas aes, o acionista poder vender a terceiros, em bolsa, os direitos que det m.

    7. Existe alguma garantia de retorno no investimento em aes? a. Sim, a Bolsa garante. b. No, o retorno depender de uma srie de fatores (desempenho da empresa, da economia brasileira, etc.).

    8. Por que o investimento em a es classificado como de risco?

    a. Porque ele de renda fixa . b. Porque no h garantia de rentabilidade.

    9. O que so dividendos?

    a. Prmios que as empresas distribuem aos seus diretores. b. Parte dos lucros da empresa que distribuda em dinheiro aos acionistas .

    10. O que so bonifica es?

    a. Novas aes emitidas pela empresa, que so distribudas gratuitamente aos seus acionistas. b. Prmios que as empresas distribuem aos seus scios.

    11. O que so subscri es?

    a. Novas aes emitidas pela empresa que so distribudas gratuitamente aos seus acionistas. b. Novas aes emitidas pela empresa que so vendidas preferencialmente aos seus acionistas, usualmente por um

    preo inferior ao da cotao dos ttulos na Bolsa.

  • Operao no Mercado a Vista a compra ou venda de uma determinada quantidade de aes, a um pre o estabelecido em prego. Assim, quando da realizao de um neg cio, ao comprador cabe dispender o valor financeiro envolvido na operao e ao vendedor a entrega dos ttulos-objeto da transao, nos prazos estabelecidos pela BOVESPA. Ttulos-Objeto Todas as aes de emisso de empresas admitidas negociao na BOVESPA. Formao do Preo a Vista Os preos so formados em prego, pela din mica das foras de oferta e demanda de cada papel, o que torna a cotao praticada um indicador confivel do valor que o mercado atribui s diferentes aes. A maior ou menor oferta e procura por determinado papel est diretamente relacionada ao comportamento histrico dos preos e, sobretudo, s perspectivas futuras da empresa emissora, a incluindo-se sua poltica de dividendos, prognsticos de expans o de seu mercado e dos seus lucros, influ ncia da poltica econmica sobre as atividades da empresa, etc.

    1. Como formado o preo das a es negociadas vista? a. A empresa emissora estabelece. b. O mercado estabelece em funo das ordens de compra e de venda enviadas pelos investidores .

  • Negociao A realizao de negcios no mercado a vista requer a intermedia o de uma sociedade corretora que est credenciada a executar, em prego, a ordem de compra ou venda de seu cliente, atravs de um de seus representantes (operadores). Liquidao das Operaes o processo de transferncia da propriedade dos ttulos e o pagamento/recebimento do montante financeiro envolvido. Abrange duas etapas:

    A. Disponibilizao dos ttulos: Implica a entrega dos ttulos BOVESPA, pela sociedade corretora intermediria do vendedor. Ocorre no segundo dia til (D2) aps a realizao do negcio em prego (D0). As a es ficam disponveis ao comprador aps a liquidao financeira;

    B. Liquidao financeira: Compreende o pagamento do valor total da operao pelo comprador, o respectivo recebimento pelo vendedor e a efetivao da transferncia das aes para o comprador. Ocorre no terceiro dia til (D3) aps a realizao do negcio em prego.

    2. Qual o prazo ideal para o investimento em aes? a. Depende da estratgia de cada investidor, mas o ideal que sejam aplicaes de mdio e longo prazo . b. Trs meses .

  • Mercado de Lote-Padro e Mercado Fracionrio Com o objetivo principal de assegurar uma boa formao de pre o aos ativos negociados em seus preges, a BOVESPA, com base no perfil de negociao de cada ttulo - quantidade de papis por negcio mais observada, volume financeiro por negcio, etc. - os distribui pelos diferentes lotes padro de negociao (quantidade mnima de t tulos para negociao). Uma transao efetuada no mercado principal da BOVESPA deve envolver obrigatoriamente um lote padro do ativo (ou mltiplos desse lote). Negcios com quantidades inferiores so realizados no mercado de fraes do lote (Fracionrio).

    3. O que lote-padro? a. o valor m nimo que o investidor deve aplicar naquela ao. b. a quantidade mnima de ttulos determinada pela Bolsa para negociao no mercado principal (onde as

    quantidades negociadas devem envolver um lote ou seus mltiplos).

    4. O que mercado fracionrio? a. Mercado onde se negociam quantidades inferiores a um lote-padro da ao. b. Mercado onde se negociam partes de a es .

  • Por que comprar aes? Um investidor adquire aes com o objetivo de obter um ganho, uma lucratividade. Esse retorno ser proveniente dos direitos e proventos distribu dos - dividendos, bonificaes, direitos de subscrio, etc. - aos acionistas pela companhia e da eventual valorizao de preo das aes. Esses fatores, por sua vez, dependero do desempenho da empresa e de suas perspectivas futuras. Por que vender aes? Um investidor vende aes para obter liquidez, isto , para convert -las em dinheiro, que ser utilizado na aquisio de novos t tulos ou em outro destino qualquer. Uma ao normalmente vendida quando o investidor avalia que suas perspectivas a mdio e longo prazos so relativamente menos favorveis em comparao a outras aes ou mesmo outras alternativas de investimento.

    5. Existe um momento certo para aplicar no mercado de aes? a. Sim, quando todos os investidores esto falando sobre investimento em aes . b. No, isso depende da avaliao de cada investidor com relao s perspectivas futuras de desempenho da empresa

    emissora das aes .

    6. Existe um momento certo para vender aes previamente adquiridas? a. Sim, quando os preos da maior parte das aes esto em alta . b. No, isso depende da avaliao de cada investidor com relao s perspectivas futuras de desempenho da empresa

    emissora das aes .

    7. Voc definiria a aplica o em aes como um investimento