boris kossoy realidades fotográficas

Download Boris Kossoy Realidades fotográficas

Post on 23-Jan-2016

18 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Realidades Fotográficas - apresentação

TRANSCRIPT

  • A Fotografia de Rua como Experincia do Sensvel

    Prof Dr Marta Martins

    Maryella Sobrinho | Luciano Buchmann | Cyntia Werner

  • Boris Kossoy (So Paulo, 1941), fotgrafo, pesquisador, historiador e professor. Em 1968 fundou o Estdio Ampliart, atuando nas reas de jornalismo, publicidade e retrato, paralelamente a uma carreira autoral.

  • Responsvel pelo resgate histrico da pesquisas que comprovaram a inveno paralela da fotografia no Brasil por Hrcules Florence, trazendo reconhecimento mundial a esse inventor.

    Hercules Florence, atravs dos seus experimentos com mtodos de impresso pela luz, inventou a fotografia no Brasil de forma isolada em 1833. Atravs de uma intensa pesquisa, BorisKossoyo colocou entre os pioneiros mundiais na descoberta da fotografia

  • Construo e desmontagem do signo fotogrfico

    Esttica, memria e ideologiaImagem fotogrfica. Sua trama, suas realidadesMecanismos internos da produo e da recepo de imagens: processos de construo de realidadesMundo real e mundo ficcionalProposio metodolgica de anlise e interpretao das fotografias: a desmontagem do signo fotogrfico

  • Esttica, memria e ideologia

    1 parte terica: retoma conceitos para expandir questes e propor novas contribuies ao terreno pantanoso e sedutor da esttica fotogrficaEstudo de fontes propiciar elementos de percepo para registro e direo da compreenso sobre fatos histricos;Trata-se da fotografia como instrumento para a reflexo da esttica fotogrfica;aplicao de tais conceitos na interpretao das imagens contemporneas e do passado;

  • Esttica, memria e ideologia

    A fotografia: testemunho da verdade, de fatos, as fotos; credibilidade mesmo sempre possvel de prestar-se a diferentes usos;

    Ideologias diversas tiveram na foto instrumento de veiculaomultimassiva- informao + divulgao. Manipulao para a credibilidade junto a massa sempre foi presente: poltica comprova.

    Uso ilustrativo

  • O potencial do documento no explorado; desconhecimento ou despreparo;

    Informao no decodificada

    muitas vezes na prpria imagem como sendo a fotografia igual histria (p.21)

    O contedo da imagem- fonte de informao para emprego na investigao histrica, alm da prpria fotografia, ponto de partida para desvendar o passado:

  • Elas nos mostram um fragmento selecionado doa aparncia das coisas, das pessoas, dos fatos, tal como foram(esttica/ideologicamente) congelados num a cada momento de sua existncia/ocorrncia (p.21)

  • A foto no espelho fiel do fato.

    Ambiguidades, portadoras de significados no explcitos e de omisses, pensadas e calculadas que aguardam competente decifrao(p.22)

    Sem o que permanecem estagnadas no seu silncio fragmentos desconectados da memria, meras ilustraes artista do passado

    A imagem fixa congelada na sua condio documental.

  • CabeA tarefa de desmontagem de contribuies ideolgicas materializadas;

    Decifrar a realidade interior das representaes fotogrficas, realidades e fices, as finalidades para as quais foram produzidas a tarefa para as quais foram produzidas a tarefa fundamental a ser empreendida (p.23)

  • Imagem fotogrfica. Sua trama, suas realidades.

    Os elementos constitutivos incorporados a imagem

    fotogrfica.

  • Desmonte dos elementos constitutivos:

    assunto;Seleo do equipamentoQuadro, composio harmoniaMomento: instante de obteno do resultado planejado;Seleo material (f. base qumica);atmosfera/laboratrio;

    Fragmentao: assunto selecionado do real (recorte espacial)

    Congelamento:paralisao da cena (interrupo da cena)

  • A imagem criada de um s golpe

    fio da durao e do continuum da extenso temporalmente a imagem-ato fotogrfica interrompe, detm, fixa, imobiliza[...]desprende da durao captando um s instante. Espacialmente, da mesma maneira, funciona, elege, isola[...]uma poro da extenso (p.29)Dubois

  • Robert Doisneau-1948

  • Tcnica/repertrio

    A tcnica - articular a relao fragmentao/congelamento: cultural e expressivamente no processo criao no instante do registro se d a materializao documental do espao e tempo;Repertrio/filtro individual c/ apoio tecnolgico = Interpretao final/ laboratrio=processo/construo

  • Fotografia: documento/representao

    Representao a partir do real olhar e a ideologia de seu autor.Em funo da sua materialidade registro a tomamos tambm como documento do real, umafonte histrica [contm informao de testemunha direta dos fatos]Registro/testemunho fotogrfico-processo de criao; relao registro/criao: binmio indivisvel. (p.31)Ambiguidade fundamental na anlise de fontes fotogrficas

  • seleo

  • DUALIDADE ONTOLGICA DOS CONTEDOS FOTOGRFICOS

    A foto fornece sempre provas, indcios, funciona sempre como documento iconogrfico de certa realidade:ndice: prova, constatao documental sobre o assunto representado;rastroindicial, mesmo que este referente tenha sido artificialmente produzido;cone:comprovao documental da aparncia do assunto que o mesmo tem com a imagem, produto iconogrfico com elevado grau de semelhana; (p.33)

  • Indicialidade iconogrfica que d corpo evidncia e conforma o registro fotogrfico no independente do ato criador;O ndice comprova a ocorrncia / aparncia do referente que o fotgrafo pretendeu perpetuar.O dado do real, registrado, corresponde a um produto documental elaborado cultural, tcnica e esteticamente, portanto ideologicamente

  • Imagem fotogrfica

    REPRESENTAO[a partir do real]

    [materializao documental]REGISTRO

    [obtido atravs de u sistema de representao visual]

    [Processo de ]CRIAO/CONSTRUO[elaborao pelo fotgrafo]

    DOCUMENTO[do real

  • As realidades da fotografia

    Primeira realidade

    o prprio passado;Assunto na dimenso da vida passada;Histria particular do assunto;Contexto do assunto no ato do registro;Processo de criao / tempo e espao

    Segunda realidade

    Realidade do assunto representado, limites bidimensionais da imagem;imutvel documento visual.Realidade do documento, referncia sempre presente de um passado inacessvel. Original e cpias sempre uma segunda realidade

  • O assuntocontedo explcito: face aparente e externa de uma micro histria do passado.Realidade exterior = documento

    Natureza comum a todas as imagens fotogrficas e que se constitui em segunda realidade

  • A fotografia consiste nisso:

    Transposio da realidade assunto selecionado ( primeira realidade), para a realidade da representao ( 2 representao);Registro expressivo das aparncias no verdade histrica;Quadro 3

  • ASSUNTOregistrado(representao)

    Processo de CRIAO

    [dimenso da imagem fotogrfica]

    2 realidade

    REALIDADE EXTERIOR[nvel do documento o

    aparente]

    ESPAO TEMPO

  • Mecanismos Internos da Produo e da Recepo das Imagens:

    Processos de construo de Realidade*

    Deteco e explicitao dasmultiplasrealidades

    Mecanismos de regncia da produo e recepo das imagens

  • Mecanismos mentais que encerram a experincia fotogrfica:

    Processo de construo e representao;Processo de construo da interpretao/recepo;Objetivo : contribuir para fundamentos daestticada fotografia;A desmontagem destes mecanismos permite perceber produo e recepo so processos de construo de realidades; (quadro 4)

  • A produo da imagem:mecnismo interno de construo e representao

    A fotografia construo somatria de montagens: inteno + material cultural, esttica/ ideolgica;Fotografia conecta c referente; recriao: assunto produto do processo de criao; construo do signo+ nova realidade, do objeto representao como transposio da realidade, esse como um novo real, ideologizado a segunda realidade

  • Elo de ligao com o passado documentoRealidade fragmentria o assunto da representao; ligao ao passado que tomamos como referencia (1 realidade)Essa realidade da representao veicula memria, apreciada, interpretadaA 1 realidade do passado substituda pelo signo expressivo signo da presena imaginria de uma ausncia definitiva(FritzKempe)

  • A recepo

    Subtende os mecanismos do processo de interpretao. Liga-se ao imaginrio, ao repertrio individual.Diferenas subjetivas permitem leitura plural;O receptor possui imagens preconcebidas que agem como filtros e regem o comportamento;Dependendo do estmulo: interagimos e recriamosRememorao; moldagem comportamental: consumo, conceituao, fantasiar ...interpretaes convenientes na adequao dos significados (p.45)

  • Adequao em relao as imagens mentaisA foto gera memrias, um arquivo visual de referncias insubstituvel uma vez assimiladas, torna-se dinmico/ reao imaginria;Imaginrio em combinatria com o capital simblico e a emoo;A imagem fotogrfica ultrapassa na mente do receptor, o fato que representa. (p.45)

  • A foto original est e que inclui Joseph Stalin, NikolaiYezhov, e Leon Trotsky. Stalin,Trotsky tinha tirado a fotografia na segunda imagem para fins de propaganda, negandoqualquer associao entre os dois. Isso muda completamente a mensagem doimage. DepoisYezhovfoi executado, alguns anos depois, ele tambm foi editado fora

    desta fotografia, portanto, o que implica que ele no existia em afiliao com Stalin.Foto no autentica e no verdica.

  • Fotos de celebridades manipuladas digitalmente em favor das manifestaes no Brasil.No autentica e no verdica.

  • Governo norte-coreano adulterou fotos para gerar comoo internacional. No autentica e no verdica.

  • PROCESSO DE CONSTRUO DE REALIDADES

    - Para construir um signo fotogrfico, necessria a criao documental de uma realidade concreta.

    - Confronto de realidades: segunda (a representao) e a primeira (o que se imagina,construo fragmentada, atravs de recu