BOOK GEO-SPFE-2014 2S CAA VOL1 ?· Caderno do Aluno Volume 1 GEOGRAFIA ... CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO…

Download BOOK GEO-SPFE-2014 2S CAA VOL1 ?· Caderno do Aluno Volume 1 GEOGRAFIA ... CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO…

Post on 08-Nov-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p>2a SRIE ENSINO MDIOCaderno do AlunoVolume 1</p><p>GEOGRAFIACincias Humanas</p></li><li><p>MATERIAL DE APOIO AOCURRCULO DO ESTADO DE SO PAULO</p><p>CADERNO DO ALUNO </p><p>GEOGRAFIAENSINO MDIO</p><p>2a SRIEVOLUME 1</p><p>Nova edio</p><p>2014-2017</p><p>GOVERNO DO ESTADO DE SO PAULO</p><p>SECRETARIA DA EDUCAO</p><p>So Paulo</p></li><li><p>Governo do Estado de So Paulo</p><p>Governador</p><p>Geraldo Alckmin</p><p>Vice-Governador</p><p>Guilherme Afif Domingos</p><p>Secretrio da Educao</p><p>Herman Voorwald</p><p>Secretrio-Adjunto</p><p>Joo Cardoso Palma Filho</p><p>Chefe de Gabinete</p><p>Fernando Padula Novaes</p><p>Subsecretria de Articulao Regional</p><p>Rosania Morales Morroni</p><p>Coordenadora da Escola de Formao e Aperfeioamento dos Professores EFAP</p><p>Silvia Andrade da Cunha Galletta </p><p>Coordenadora de Gesto da Educao Bsica</p><p>Maria Elizabete da Costa</p><p>Coordenadora de Gesto de Recursos Humanos</p><p>Cleide Bauab Eid Bochixio</p><p>Coordenadora de Informao, Monitoramento e Avaliao </p><p>Educacional</p><p>Ione Cristina Ribeiro de Assuno</p><p>Coordenadora de Infraestrutura e Servios Escolares</p><p>Ana Leonor Sala Alonso</p><p>Coordenadora de Oramento e Finanas</p><p>Claudia Chiaroni Afuso</p><p>Presidente da Fundao para o Desenvolvimento da Educao FDE</p><p>Barjas Negri</p></li><li><p>Caro(a) aluno(a),</p><p>Agora, na 2a srie do Ensino Mdio, voc est convidado(a) a aprofundar os seus conhecimentos sobre a realidade brasileira em todas as suas potencialidades, reconhecendo as etapas e transforma-es que contriburam para a atual configurao do territrio brasileiro.</p><p>Por meio das atividades e Situaes de Aprendizagem propostas neste volume, voc ter a opor-tunidade de compreender os processos histrico-geogrficos responsveis pela atual configurao territorial do Brasil, os principais aspectos econmicos, os ciclos econmicos, a gnese das fronteiras brasileiras e a consolidao das fronteiras polticas e dos limites do territrio, as polticas de integra-o nacional e a relao Brasilmercados internacionais.</p><p>A sociedade brasileira, em menos de meio sculo, tornou-se fundamentalmente urbana. Por meio de um processo migratrio intenso, surgiram grandes concentraes urbanas em eixos espe-cficos e um esvaziamento do campo. Esses processos esto relacionados aos circuitos de produ-o, internos e externos, e resultam na configurao atual do territrio brasileiro. </p><p>Com o auxlio da Cartografia, da literatura, de charges, de textos etc., voc poder refletir sobre o fenmeno urbano, a cultura que o caracteriza e, mais que isso, sobre as desigualdades socioecon-micas que se refletem na produo do espao geogrfico brasileiro.</p><p>Tenha um excelente estudo! </p><p>Equipe Curricular de Geografiarea de Cincias Humanas</p><p>Coordenadoria de Gesto da Educao Bsica CGEBSecretaria da Educao do Estado de So Paulo</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>5</p><p>SITUAO DE APRENDIZAGEM 1 A GNESE GEOECONMICA DO TERRITRIO BRASILEIRO</p><p>Para comeo de conversa</p><p>Converse com seus colegas e seu professor sobre o lugar em que vocs vivem.</p><p>1. Qual atividade econmica impulsionou a formao da cidade em que voc vive?</p><p>2. Nos dias atuais, nas paisagens do lugar ou da regio em que voc vive, possvel observar aspec-tos relacionados com a atividade econmica identificada na questo anterior? Quais?</p><p>!?</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>6</p><p>Leia, interprete e discuta os mapas de acordo com o roteiro de questes apresentado a seguir. </p><p>Natal</p><p>FilipeiaOlinda</p><p>So Cristvo</p><p>Salvador</p><p>So Jorge dos Ilhus</p><p>Santa CruzPorto Seguro</p><p>N. Sra. da VitriaEsprito Santo</p><p>So Sebastio do Rio de JaneiroSantos</p><p>So Paulo</p><p>CananeiaN. Sra. da Conceio de Itanham</p><p>Pau-BrasilCana-de-acarPecuriaLimites das capitanias hereditriasCapitanias reais</p><p>Cidades e vilas</p><p>A economia e o territrio no sculo XVI</p><p>Meridiano de Tordesilhas</p><p>0 500 km</p><p> HT-2003 MGM-LibergoFonte: Baseado em Manoel Mauricio de Albuquerque, Atlas Histrico.</p><p>THRY, Herv; MELLO, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: disparidades e dinmicas do territrio. So Paulo: Edusp, 2005, p. 35. Mapa original (base car-togrfica com generalizao; algumas feies do territrio nacional no esto representadas em detalhe; fronteiras atuais; sem indicao de norte geogrfico).</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>7</p><p>THRY, Herv; MELLO, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: disparidades e dinmicas do territrio. So Paulo: Edusp, 2005, p. 37. Mapa original (base cartogrfica com generalizao; algumas feies do territrio nacional no esto representadas em detalhe; fronteiras atuais; </p><p>sem indicao de norte geogrfico).</p><p>Natal</p><p>Fortaleza</p><p>Olinda</p><p>So Cristvo</p><p>Salvador</p><p>So Jorge dos IlhusSanta CruzPorto Seguro</p><p>N. Sra. da VitriaEsprito Santo</p><p>So Sebastio do Rio de JaneiroSantosSo Paulo</p><p>Cananeia</p><p>Itanham</p><p>Paraba</p><p>Recife</p><p>Porto CalvoPenedo</p><p>So Vicente</p><p>Taubat</p><p>Paranagu</p><p>Laguna</p><p>So LusBelmCamet</p><p>A economia e o territrio no sculo XVII</p><p>0 500 km</p><p> HT-2003 MGM-LibergoFonte: Baseado em Manoel Mauricio Albuquerque, Atlas Histrico.</p><p>Regio ocupada pelos Holandeses</p><p>Ouro</p><p>Eixo de expanso da pecuria</p><p>Drogas do serto</p><p>Limite dos Estados atuais</p><p>Cana-de-acarPecuria</p><p>Cidades e vilas</p><p>Meridiano de Tordesilhas</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>8</p><p>THRY, Herv; MELLO, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: disparidades e dinmicas do territrio. So Paulo: Edusp, 2005, p. 39. Mapa original (base car-togrfica com generalizao; algumas feies do territrio nacional no esto representadas em detalhe; fronteiras atuais; sem indicao de norte geogrfico).</p><p>A economia e o territrio no sculo XVIII</p><p>Natal</p><p>Fortaleza</p><p>Olinda</p><p>So Cristvo</p><p>Salvador</p><p>So Jorge dos IlhusSanta CruzPorto Seguro</p><p>VitriaEsprito Santo</p><p>Rio de JaneiroSantos</p><p>So Paulo</p><p>Cananeia</p><p>Paraba</p><p>Recife</p><p>Penedo</p><p>Paranagu</p><p>Laguna</p><p>Porto Alegre</p><p>So LusBelm</p><p>Camet</p><p>Sabar</p><p>Mariana OuroPretoSo Joo</p><p>del Rei</p><p>Sorocaba</p><p>IguapeCuritiba</p><p>DesterroLajes</p><p>Alcntara </p><p>Macap</p><p>Santarm</p><p>bidosBarra doRio Negro</p><p>Borba</p><p>Barcelos</p><p>Olivena</p><p>Vila Bela</p><p>Cuiab</p><p>So Pedrodel Rei Vila Boa</p><p>Parnaba</p><p>Quixeramobim</p><p>0 500 km</p><p> HT-2003 MGM-LibergoFonte: Baseado em Manoel Mauricio de Albuquerque, Atlas Histrico.</p><p>Ouro e diamantesAlgodo</p><p>Eixo de transporte</p><p>Drogas do serto</p><p>Limite dos Estados atuais</p><p>Cana-de-acarPecuria</p><p>Cidades e vilas</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>9</p><p>THRY, Herv; MELLO, Neli Aparecida de. Atlas do Brasil: disparidades e dinmicas do territrio. So Paulo: Edusp, 2005, p. 41. Mapa original (base car-togrfica com generalizao; algumas feies do territrio nacional no esto representadas em detalhe; fronteiras atuais; sem indicao de norte geogrfico).</p><p>A economia e o territrio no sculo XIX</p><p>Natal</p><p>Fortaleza</p><p>Aracaju</p><p>Salvador</p><p>Vitria</p><p>Rio de JaneiroSantos</p><p>So Paulo</p><p>Recife</p><p>Macei</p><p>So LusBelm</p><p>OuroPreto</p><p>Curitiba</p><p>Florianpolis</p><p>Porto Alegre</p><p>Manaus</p><p>Cuiab</p><p>Gois</p><p>Paraba</p><p>0 500 km</p><p> HT-2003 MGM-LibergoFonte: Baseado em Manoel Mauricio de Albuquerque, Atlas Histrico.</p><p>Ouro e diamantesAlgodo</p><p>Ferrovia</p><p>Drogas do serto e borracha</p><p>Limite dos Estados atuais</p><p>Cana-de-acar</p><p>MateCaf</p><p>CacauFumo</p><p>Pecuria</p><p>Cidades e vilas</p><p>Cananeia</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>10</p><p>1. Quais assuntos esto relacionados nos ttulos dos mapas? Aps identific-los, observe se as legendas exprimem a mesma relao.</p><p>2. Com base na observao dos mapas, identifique as atividades econmicas que se destacaram no sculo XVI e descreva como elas evoluram at o sculo XIX.</p><p>3. Nos mapas Brasil: a economia e o territrio no sculo XVII e Brasil: a economia e o territrio no sculo XVIII, observe a evoluo das cidades e vilas. No decorrer do tempo, o nmero delas diminuiu ou aumentou? Justifique.</p><p> Desafio!</p><p>1. A partir da leitura dos mapas, quais informaes permitem identificar no territrio brasilei-ro uma organizao em ilhas e arquiplagos econmicos?</p><p>2. Como o estudo da histria territorial de nosso pas pode ajud-lo a compreender caracte-rsticas atuais do territrio brasileiro? Cite exemplos.</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>11</p><p>LIO DE CASA</p><p>Com base nas aulas e nas discusses realizadas em sala de aula sobre os aspectos histricos e geoeconmicos da formao do territrio brasileiro, responda:</p><p>1. Explique o tipo de colonizao que ocorreu nos territrios que hoje pertencem ao Brasil.</p><p>2. Qual o significado da expresso espaos extrovertidos quando nos referimos produo e organizao do espao geogrfico durante o Perodo colonial brasileiro? </p><p>3. Com base no mapa Brasil: a economia e o territrio no sculo XIX (p. 9), justifique o emprego da noo de arquiplago econmico para explicar a economia e a configurao geoeconmica do territrio brasileiro no incio do sculo XX.</p><p>4. Cite exemplos de caractersticas atuais do territrio brasileiro cuja origem remonta ao passado colonial do pas.</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>12</p><p>Ciclo econmico Cana-de-acar Minerao Caf</p><p>Perodo</p><p>Principais reas de ocorrncia</p><p>Destino da produo</p><p>A partir das orientaes do seu professor, frequente com seu grupo a biblioteca da escola e pesquise em livros e enciclopdias contedos sobre a Amrica Portuguesa. Nos textos selecio-nados e consultados, coletem e organizem informaes sobre os chamados ciclos econmicos (cana-de-acar, minerao, caf) por meio da elaborao de um quadro-sntese sobre os pero-dos, principais reas de ocorrncia dessas atividades e destino da produo.</p><p>Para complementar a pesquisa e apresentar os resultados obtidos, elaborem um mapa com ttulo e legenda sobre as informaes organizadas no quadro-sntese, representando-as no mapa mudo da pgina a seguir. </p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>13</p><p>0 500 km</p><p>Atelier de Cartographie de Sciences Po. Mapa original (base cartogrfica com generalizao; algumas feies do territrio no esto representadas em detalhe; sem indicao de norte geogrfico).</p><p>Ttulo: _____________________________________________________________________________________________</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>14</p><p>VOC APRENDEU?</p><p>1. Retome os mapas sobre a economia e o territrio brasileiros do sculo XVI ao XIX (p. 6-9) e leia o trecho a seguir.</p><p>[...] a colonizao no se orientara no sentido de constituir uma base econmica slida e orgnica, isto , a explorao racional e coerente dos recursos do territrio para a satisfao das necessidades materiais da populao que nela habita. Da a sua instabilidade, com seus reflexos no povoamento, determinando nele uma mobilidade superior ainda normal dos pases novos. </p><p>PRADO JR., Caio. Formao do Brasil contemporneo [1942]. So Paulo: Companhia das Letras, 2011. p. 75.</p><p>Com base nos mapas e no texto fornecido, justifique a noo de arquiplago econmico estudada nas aulas. </p><p>2. Fuvest 2001 Quanto formao do territrio brasileiro, podemos afirmar que:</p><p>a) a minerao, no sculo XVIII, foi importante na integrao do territrio devido s relaes com o Sul, provedor de charque e mulas, e com o Rio de Janeiro, por onde escoava o ouro.</p><p>b) a pecuria no Rio So Francisco, desenvolvida a partir das numerosas vilas da Zona da Mata, foi um elemento importante na integrao do territrio nacional.</p><p>c) a economia no sculo XVI, baseada na explorao das drogas do serto, integrou a poro centro-oeste regio Sul.</p><p>d) a economia aucareira do Nordeste brasileiro, baseada no binmio plantation e escravido, foi a responsvel pela incorporao, ao Brasil, de territrios pertencentes Espanha.</p><p>e) a extrao do pau-brasil, promovida pelos paulistas por meio das entradas e bandeiras, foi importante na expanso das fronteiras do territrio brasileiro.</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>15</p><p>SITUAO DE APRENDIZAGEM 2 A GNESE DAS FRONTEIRAS BRASILEIRAS</p><p>Leia e interprete o mapa da prxima pgina com base no roteiro fornecido.</p><p>1. Observe o ttulo e a legenda. Qual o assunto retratado no mapa?</p><p>2. Sugira outro ttulo para o mapa.</p><p>3. O que o mapa revela sobre o Brasil com relao ao assunto retratado?</p><p>4. Por que o Brasil no consta da lista de conflitos atuais?</p><p>!?</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>16</p><p>O Estado de S. Paulo, 7 out. 2007, p. A-18. Mapa original (sem escala; sem indicao de norte geogrfico).</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>17</p><p>Leia o texto a seguir e com o auxlio de um dicionrio esclarea os termos e expresses desconhecidos, anotando-os ao lado do texto ou em seu caderno.</p><p>No h necessidade mais imperiosa para um Estado do que ter fronteiras certas e reconheci-das, e foi a essa tarefa que Rio Branco deu o melhor de sua vida, retomando em vrios casos os trabalhos (...) de seu pai, por quem tinha admirao extraordinria. No caso do Acre criou uma nova fronteira, na maior incorporao territorial de nossa vida de pas independente, nos outros manteve as divisas que achvamos ser as nossas. Fez mais, mas o que fica para a histria so os tratados de limites. No exagero dizer que uma obra dessa magnitude e valorizada moralmente por ter sido feita sem guerras sem par nos anais da diplomacia universal. Por isso Rio Branco tem o prestgio que nenhum outro diplomata tem, em nenhum outro pas.</p><p>Num livro recente, com o bonito ttulo de O corpo da ptria, o gegrafo Demtrio Magnoli diz que, diferente do que geralmente se afirma, apenas 17% de nossas fronteiras vm dos tempos coloniais (o Rio Guapor, por exemplo), a maior parte, 51%, foi estabelecida no perodo imperial (como a divisa no Pantanal), e 32% devem-se exclusivamente a Rio Branco (os limites do Acre) para falar nos trs trechos da fronteira boliviana. Preferimos ficar com a opinio tradicional, que julga ter sido o grande feito da Colnia o estabelecimento das fronteiras do Brasil. Como diz o historiador de nossos dias Francisco Iglsias: o mapa da Amrica do Sul, quanto ao Brasil, foi fixado no principal ainda no perodo portugus. S acertos mnimos se fizeram depois.</p><p>Na verdade o que h so camadas que se sobrepem, de preciso cada vez mais ntida. Ma-dri e Santo Ildefonso so a grande mancha colonial: afinal, o primeiro mapa que apresenta o Brasil, como um tringulo, ocupando metade do tringulo da Amrica do Sul, o Mapa das Cortes, de 1750. No Imprio tentou-se fixar bilateralmente todo o contorno terrestre do Brasil e muito se conseguiu; mas ainda sobraram para a Repblica trechos em aberto, e seu fechamen-to, vimos, a grande obra do Baro. Podemos at aceitar os nmeros de Magnoli, admitindo como definitivos os acordos prvios. Desde Tordesilhas...</p><p>Rio Branco assinou tratados de limites com nove dos 11 vizinhos do Brasil (hoje so 10, o Equador tinha ento a aspirao a chegar ao Amazonas). Com a Venezuela, tnhamos j o acordo de 1859 e, com o Paraguai, as fronteiras haviam sido estabelecidas, alis, pelo Visconde de Rio Branco, em 1871. O Paraguai exceo curiosa, porque era uma das especialidades de Rio Branco: as clssicas pginas que Nabuco dedica Guerra do Paraguai em seu Um estadista da Repblica (que se constituram em livro isolado, em espanhol) muito incorporam das opi-nies do Baro.</p><p>Como exemplo de variao de acordos, lembremos que a linha de limites do Brasil de certa for-ma se interrompeu quando o Peru cedeu, em 1922, a soberania sobre o trecho Tabatinga-Apapris Colmbia (o chamado Trapzio de Letcia). S em 1928, na gesto profcua de Octvio Mangabeira no Itamaraty, a Colmbia voltou a aceitar a linha de 1909, que era a mesma do tratado de 1851, </p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>18</p><p> Realize uma segunda leitura do texto, mais atenta, e sintetize o contedo de cada pargrafo atribuindo um ttulo a cada um deles. </p><p> Nos segundo e terceiro pargrafos, o autor do texto dialoga e se posiciona em relao ao estudo de um gegrafo. Ele concorda com esse estudo? Converse com seus colegas e com seu professor sobre isso. </p><p> O sexto pargrafo pode ser lido como a concluso do autor diante do que foi exposto e explicado principalmente nos quarto e quinto pargrafos. Com o auxlio do professor, faa um resumo das ideias e informaes apresentadas nesses trs pargrafos.</p><p>com o Peru. Muito importante, alis, por ser o primeiro do Imprio e por estabelecer a doutrina do uti possidetis, que, sob certas condies, vigorou at Rio Branco.</p><p>Ento, pode-se dizer que Rio Branco acabou com os problemas de fronteiras do Brasil? De certa forma, sim: depois dele, o que pode haver so problemas na fronteira, mas no problemas de fronteira, estes j resolvidos definitivamente por acordos bilaterais. Uma ilha que muda de lugar em relao ao talvegue do rio, um marco mal colocado, um trecho no bem caracterizado no tratado de limites, at, como vimos, a mudana de soberania sobre um trecho lindeiro; tudo isso pode acontecer. Ser preciso, ento, resolver esses problemas prticos, mas sem mexer na teoria, incorporada aos acordos. Guimares Rosa, durante muitos anos Chefe da Diviso de Fronteiras do Itamaraty, nos momentos de trabalho mais intenso, dizia com humor: S aceitei esse lugar porque me garantiram que o Baro j havia demarcado todas as fronteiras do Brasil....</p><p>GOES FILHO, Synesio Sampaio. Fronteiras: o estilo negociador do Baro do Rio Branco como paradigma da poltica exterior do Brasil. In: CARDIM, Carlos Henrique; ALMINO, Joo (Orgs.). Rio Branco, a Amrica do Sul e </p><p>a modernizao do Brasil. Rio de Janeiro: EMC, 2002. p. 123-125. Disponvel em: . </p><p>Acesso em: 31 jul. 2013.</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>19</p><p>LIO DE CASA</p><p>1. Quais so as etapas usuais do estabelecimento das fronteiras polticas internacionais?</p><p>2. Diferente de outros pases da Amrica Latina, o Brasil no possui atualmente conflitos frontei-rios relacionados delimitao e fixao de seus limites territoriais. </p><p>a) Comente, com suas palavras, o que foi a chamada Era Rio Branco e qual a importncia desse perodo para entender o fato citado.</p><p>b) D sua opinio quanto importncia, para um pas, da delimitao de fronteiras sem a ocorrncia de conflitos.</p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>20</p><p>A partir das orientaes de seu professor, voc e seu grupo vo frequentar a biblioteca da escola e pesquisar em livros e enciclopdias contedos sobre o estabelecimento das fronteiras polticas do Brasil e a chamada Era Rio Branco.</p><p>Cada membro do grupo pode escolher um ou mais textos para a leitura e o estudo. Aps esta etapa, organizem as informaes reunidas e ela-borem um texto que resuma as principais ideias sobre a Era Rio Branco.</p><p>No site da Fundao Alexandre de Gusmo, voc pode encontrar textos so-bre a Era Rio Branco para download na Biblioteca Digital na seo Livro na Rua Diplomacia ao Alcance de Todos. Dis-ponvel em: . Acesso em: 31 jul. 2013. </p></li><li><p>Geografia 2a srie Volume 1</p><p>21</p><p>No que diz respeito s fronteiras e aos limites atuais do territrio brasileiro, assinale a alternativa correta sobre fatos relativos sua demarcao e consolidao.</p><p>a) Antes mesmo de o pas ser uma nao soberana, o territrio brasileiro j estava completamente delimitado. Para tanto, muito contribuiu a assinatura do Tratado de Madri (1750) e do Tratado de Santo Ildefonso (1777), que separaram as terras espanholas das terras portuguesas na Amrica.</p><p>b) Pela arbitragem ou pelo acordo direto, sem conflitos armados acirrados que resultaram em grande nmero de mortes,

Recommended

View more >