BOOK EDFIS-SPFE-2014 3S CAA VOL1 ?· CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO ALUNO ... A ginástica…

Download BOOK EDFIS-SPFE-2014 3S CAA VOL1 ?· CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO ALUNO ... A ginástica…

Post on 09-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • 3a SRIE ENSINO MDIOCaderno do AlunoVolume 1

    EDUCAOFSICALinguagens

  • MATERIAL DE APOIO AOCURRCULO DO ESTADO DE SO PAULO

    CADERNO DO ALUNO

    EDUCAO FSICAENSINO MDIO

    3a SRIEVOLUME 1

    Nova edio

    2014-2017

    GOVERNO DO ESTADO DE SO PAULO

    SECRETARIA DA EDUCAO

    So Paulo

  • Governo do Estado de So Paulo

    Governador

    Geraldo Alckmin

    Vice-Governador

    Guilherme Afif Domingos

    Secretrio da Educao

    Herman Voorwald

    Secretrio-Adjunto

    Joo Cardoso Palma Filho

    Chefe de Gabinete

    Fernando Padula Novaes

    Subsecretria de Articulao Regional

    Rosania Morales Morroni

    Coordenadora da Escola de Formao e Aperfeioamento dos Professores EFAP

    Silvia Andrade da Cunha Galletta

    Coordenadora de Gesto da Educao Bsica

    Maria Elizabete da Costa

    Coordenadora de Gesto de Recursos Humanos

    Cleide Bauab Eid Bochixio

    Coordenadora de Informao, Monitoramento e Avaliao

    Educacional

    Ione Cristina Ribeiro de Assuno

    Coordenadora de Infraestrutura e Servios Escolares

    Ana Leonor Sala Alonso

    Coordenadora de Oramento e Finanas

    Claudia Chiaroni Afuso

    Presidente da Fundao para o Desenvolvimento da Educao FDE

    Barjas Negri

  • Caro(a) aluno(a),

    Este Caderno foi elaborado com a inteno de permitir a voc ampliar os conhecimentos elabo-rados em aula, registrar dados importantes, sistematizar pesquisas e fazer anotaes de seu interesse. Neste volume, os temas tratados sero Luta, Corpo, sade e beleza, Atividade rtmica, Lazer e trabalho e Contemporaneidade.

    No tema Luta, o assunto o boxe, modalidade na qual atletas brasileiros se destacaram inter-nacionalmente. Voc entender que essa prtica carrega um conjunto de signos e significados que podem ser aprendidos para entendimento da competio. Perceber que a prtica requer preparo fsico e emocional e respeito ao adversrio que participa da luta. Poder desenvolv-la em aula com vistas a se apropriar de mais um elemento da Cultura de Movimento, visando orientao da pr-tica regular e sistemtica de atividade fsica para a manuteno de uma vida saudvel.

    No tema Corpo, sade e beleza, voc estudar os princpios do treinamento fsico: sobrecarga, individualidade e reversibilidade. A inteno orient-lo quanto possibilidade de gerenciamento mnimo de uma prtica regular de atividade fsica. A inteno no transform-lo num profissional de Educao Fsica, mas, a partir do seu aprendizado durante toda a Educao Bsica, prepar-lo para que seja mais autnomo e crtico em relao prtica de atividades fsicas e ao seu prprio estilo de vida.

    O tema Atividade rtmica abordar o hip-hop e o street dance. Voc ter a possibilidade de com-preender as manifestaes rtmicas da cultura jovem e, mais do que danar, voc poder construir sua prtica de acordo com os contedos que circundam seu meio.

    A ginstica laboral o assunto tratado em Lazer e trabalho. O estresse e a demanda de muitas horas destinadas ao trabalho favorecem o aparecimento de vrios problemas de sade. A ginstica laboral assume papel importante em relao qualidade de vida. A apropriao desse conhecimento permite a reorganizao da prpria rotina, com o objetivo de reduzir o estresse e a sobrecarga no organismo.

    No tema Contemporaneidade, o assunto ser esportes radicais. Um assunto atual que a cada dia envolve maior nmero de adeptos e praticantes. Assim, participar desses esportes consciente das limitaes e das necessidades de preparo corporal condio primordial para o sucesso, prazer, bem-estar e para a manuteno regular da atividade.

    Este volume oferece a oportunidade para voc pesquisar, identificar, analisar, individualmente ou em grupo, questes a respeito do mundo atual e da necessidade de prtica de atividades fsicas regulares.

    Bom estudo!

    Equipe Tcnica de Educao Fsicarea de Linguagens

    Coordenadoria de Gesto da Educao Bsica CGEBSecretaria da Educao do Estado de So Paulo

  • 5

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Voc sabia que o pugilismo, segundo registros histricos, tem entre 4 mil e 5 mil anos? Que j era praticado na Grcia antiga, nos Jogos Pan-Helnicos (776 a.C.)? A ima-gem retrata o pugilato, como era conhecido na poca, e evidencia que no se usavam luvas de boxe. Na Roma antiga, os lutadores usavam os cestus, protetores metlicos para as mos, do-tados de pregos, que podiam at mesmo matar os oponentes.

    O boxe, ao longo de sua histria, passou por momentos de alta e de baixa popularidade. No sculo XVIII, as lutas com punhos renasce-ram na Inglaterra, mas no havia muitas regras, o que as fazia parecer muito mais com lutas do tipo vale-tudo. As primeiras regras foram introduzidas em 1867, quando o Marqus de Queensberry patrocinou uma luta que inclua a contagem de dez segundos para nocautes, o tempo de trs minutos para os assaltos, a proi-bio dos movimentos do estilo de luta livre e o uso de luvas almofadadas.

    TEMA 1

    LUTA: BOXE

    PARA COMEO DE CONVERSA

    Je

    an-P

    ierr

    e Le

    scou

    rret

    /Cor

    bis/

    Latin

    stock

    Detalhe de afresco de Thera (sculo XVI a.C.), representando luta com luvas. Acervo do Museu de Arqueologia de Atenas.

    A primeira luta de boxe profissional legalizada acon-teceu em 7 de fevereiro de 1882, nos Estados Unidos.

    De l para c, entre a paixo de muitos e a repugnncia de outros, o boxe amador foi includo pela primeira vez nos Jogos Olmpicos da Era Moderna em 1904, em St. Louis, nos Estados Unidos da Amrica, em razo da popularidade dessa prtica no pas. Entretanto, a modalidade foi excluda oito anos depois, retornando apenas em 1920 e permanecen-do no programa dos Jogos desde ento.

    C

    onex

    o E

    dito

    rial

    C

    onex

    oEd

    itoria

    l

    Cestus, protetores metlicos para as mos, dotados de pregos; usados por lutadores na Roma antiga.

  • 6

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    No Brasil, o interesse pelo boxe comeou em 1919, com Goes Neto, marinheiro carioca que havia feito vrias viagens Europa, onde aprendeu a boxear. Naquele ano, Goes Neto fez vrias exibies no Rio de Janeiro. Na recente histria do boxe brasileiro, h nomes respeitveis que integram a histria do boxe mundial, como der Jofre, Servlio de Oliveira, Maguila e Acelino de Freitas, o Pop, entre outros.(Fonte: site da Federao Rio-Grandense de Pugilismo. Disponvel em: . Acesso em: 9 out. 2013.)

    O que voc sabe sobre esta luta?

    1. O boxe amador praticado na atualidade inclui no vesturio do pugilista itens de segurana. Assinale quais so esses itens:

    ( ) luvas acolchoadas. ( ) colete.

    ( ) protetor de cabea. ( ) bandagens para as mos.

    ( ) protetor bucal. ( ) protetor genital.

    2. Quais so os itens de segurana includos no vesturio do atleta do boxe profissional?

    ( ) luvas acolchoadas. ( ) colete.

    ( ) protetor de cabea. ( ) bandagens para as mos.

    ( ) protetor bucal. ( ) protetor genital.

    3. At 2008, o boxe feminino fazia parte do programa de Jogos Olmpicos?

    ( ) Sim. ( ) No.

    G

    eorg

    e G

    rant

    ham

    Bai

    n/C

    orbi

    s/La

    tinsto

    ck

    John Sholto Douglas (1844-1900), Marqus de Queensberry.

  • 7

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    4. Atualmente, temos boxe amador e boxe profissional: ( ) somente masculino. ( ) somente feminino. ( ) masculino e feminino.

    5. Entre os principais golpes utilizados no boxe esto: ( ) nippon. ( ) zuki. ( ) jab. ( ) cruzado.

    ( ) gancho. ( ) upper. ( ) direto. ( ) a.

    PESQUISA INDIVIDUAL

    Pesquise na internet, em livros e em revistas quais so as principais derivaes do boxe, por se utilizarem tambm dos punhos (cobertos por luvas). Exemplo: full contact uma mistura de artes marciais em que as luvas e os golpes do boxe so associados aos chutes do carat. Faa a pesquisa e escreva um comentrio sobre como a participao das mulheres nessas prticas.

  • 8

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    D

    avid

    Mal

    an/G

    allo

    Imag

    es/G

    etty

    Imag

    es

    N

    ewm

    ann/

    zefa

    /Cor

    bis/

    Latin

    stock

    Menino com luvas de boxe. Mulher praticando boxe.

    LIO DE CASA

    Opte por uma das imagens apresentadas a seguir e construa um texto que discuta a utilizao dos punhos em uma ou outra das seguintes situaes: como prtica esportiva ou como manifestao do preconceito e da discriminao.

  • 9

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

  • 10

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Desafio!

    Coisa de menina ou coisa de menino?

    Provavelmente, voc j ouviu dizer que h diferentes preferncias entre homens e mu-lheres. Mas voc concorda ou discorda com isso? Nas frases a seguir, classifique as ativida-des com os smbolos: para coisa de menina, para coisa de menino ou para coisa de menino ou menina. Se preferir, elabore frases prprias e discuta-as com seus colegas. Lembre-se de que o mais importante nesta atividade compartilhar os seus argu-mentos e discutir alguns pontos de vista que podem ser diferentes dos seus!

    Cozinhar.

    Jogar futebol.

    Danar bal.

    Lutar boxe.

    Gostar de filme de luta.

    Usar alguma pea de roupa cor-de-rosa.

    C

    onex

    o E

    dito

    rial

    Lutar carat.

    Ser mais rpido.

    Ser mais forte.

    Chorar.

    Gostar de filme romntico.

    Fazer artesanato.

  • 11

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Curiosidade!

    O treinamento do pugilista envolve muito condicionamento fsico e aprimoramento tcnico/ttico. Existem equipamentos especficos utilizados nos treinamentos de boxe.

    Saco de pancada ou punching bag muito usado para treinar combinao de golpes, potncia e exploso dos socos.

    Speed ball utilizada para trabalhar o tempo de reao e resistncia dos membros superiores, posicionados na altura do rosto.

    Punching ball semelhante a uma pera, serve para trabalho de resistncia, fora e coordenao.

    Manopla , na verdade, um aparador de socos, utilizado por outra pessoa durante o treinamento da variao de golpes.

    Alm do trabalho individual, existe o treinamento em duplas, no qual o atleta se exercita com outra pessoa que assume a posio do oponente, simulando uma luta. o sparring.

    Os principais golpes utilizados no boxe so:

    Jab eficaz, apesar de no ser to potente; normalmente usado como preparatrio para outra investida, ajuda a manter o adversrio distante.

    Direto frontal e rpido que atinge o oponente com muita fora; o movimento do brao realizado horizontalmente.

    Cruzado visa a atingir a parte lateral da cabea do oponente e to potente quanto o direto.

    Upper desferido de baixo para cima, procura atingir o queixo do oponente.

    Hook ou gancho aplicado na linha da cintura do adversrio.

    Swing desferido de cima para baixo, visa ao maxilar do oponente.

  • 12

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    VOC APRENDEU?

    1. No boxe profissional, o atleta:

    ( ) usa protetor de cabea. ( ) no usa protetor de cabea.

    2. O boxe uma modalidade praticada por:

    ( ) homens. ( ) mulheres. ( ) homens e mulheres.

    3. O boxe passou a integrar, definitivamente, os programas dos Jogos Olmpicos a partir de:

    ( ) 1904. ( ) 1912. ( ) 1920.

    4. So derivaes do boxe, porque se utilizam tambm dos punhos, cobertos por luvas, as se-guintes lutas:

    ( ) kick boxing. ( ) jud. ( ) capoeira.

    ( ) light contact. ( ) carat. ( ) full contact.

    5. So pugilistas ou ex-pugilistas brasileiros:

    ( ) Cassius Clay. ( ) der Jofre.

    ( ) Maguila. ( ) Pop.

    ( ) Tony Galento. ( ) National Kid.

    Desafio!

    Estes so alguns nomes de pugilistas da histria do boxe moderno, mais conhecidos pelos nomes grafados em vermelho:

    Pugilistas estrangeiros: Tony Galento; Floyd Mayweather Jr.; Hasim Rahman; Lennox Lewis; Wladimir Klitschko; Muhammad Ali (Cassius Marcellus Clay); Jack Dempsey; James Joseph Gene Tunney; Mike Tyson; George Foreman.

    Pugilistas brasileiros: der Jofre; Adlson Maguila Rodrigues; Acelino Pop de Freitas; Ralph Zumbano; Servlio de Oliveira; Valdemir Pereira (Serto).

    Mulher pugilista brasileira: Adriana Salles.

    Mulheres pugilistas estrangeiras: Laila Ali; Gwendolyn ONeil.

  • 13

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Escreva estas palavras no diagrama a seguir, respeitando os cruzamentos.

    Pugilistas do Brasil e do mundo:

    8 letrasServlio

    9 letrasKlitschko

    10 letrasMayweather

    3 letrasAli

    4 letrasPop

    5 letrasTysonLewisJofre

    ONeil

    6 letrasSerto

    RahmanSalles

    Tunney

    7 letrasGalento

    DempseyForemanMaguila

    Zumbano

    MAYWEATHER

  • 14

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Site

    Confederao Brasileira de Boxe. Disponvel em: . Acesso em: 29 jul. 2013. Este site traz informaes oficiais sobre competies e regras do boxe amador e profissional.

    Filmes

    Ali (Ali). Direo: Michael Mann. EUA, 2001. 167 min. Livre. Histria de Cassius Clay, o maior boxeador de todos os tempos, mais conhecido por Muhammad Ali. Mos-tra sua vida dentro e fora dos ringues. Ali no lutou apenas pelos ttulos mundiais, mas tambm contra o preconceito racial, contra o governo estadunidense e contra a Guerra do Vietn.

    A luta pela esperana (Cinderella man). Direo: Ron Howard. EUA, 2005. 144 min. 14 anos. Cinebiografia baseada em fatos reais que apresenta a histria de Jim Braddock, boxea-dor que, nos anos 1920-1930, venceu uma srie de lutas consideradas muito difceis nos Estados Unidos.

    Jump in! (Jump in!). Direo: Paul Hoen. EUA, 2007. 90 min. Livre. Jovem estu-dante do Ensino Mdio, que est aprendendo a lutar boxe incentivado pelo pai, interessa-se pelo ritmo do double dutch estilo de pular duas cordas simultaneamen-te , praticado por um grupo de garotas de sua escola. Ele comea a ser criticado pelos amigos e pelo prprio pai aps manifestar publicamente seu interesse por uma atividade de meninas.

    Menina de ouro (Million dollar baby). Direo: Clint Eastwood. EUA, 2004. 137 min. 12 anos. Frankie Dunn um treinador de boxe que j conquistou vrios ttulos. Apa-rece em sua academia Maggie Fitzgerald, mas Frankie nunca aceitou treinar mulheres. Maggie trabalha duro para se sustentar e ajudar sua famlia e, aps muito esforo, con-segue convencer Frankie a ser seu treinador. Maggie torna-se uma tima lutadora e con-quista muitas vitrias, at que um acontecimento trgico muda definitivamente o desti-no dessas duas pessoas.

    Rocky: um lutador (Rocky). Direo: John G. Avildsen. EUA, 1976. 119 min. 12 anos.

    Rocky II: a revanche (Rocky II). Direo: Sylvester Stallone. EUA, 1979. 119 min. 12 anos.

    PARA SABER MAIS

  • 15

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Rocky III: o desafio supremo (Rocky III). Direo: Sylvester Stallone. EUA, 1982. 99 min. 12 anos.

    Rocky IV (Rocky IV ). Direo: Sylvester Stallone. EUA, 1985. 91 min. 14 anos.

    Rocky V (Rocky V ). Direo: John G. Avildsen. EUA, 1990. 102 min. 14 anos.

    Rocky Balboa (Rocky Balboa). Direo: Sylvester Stallone. EUA, 2006. 102 min. 12 anos.

    Rocky Balboa um vencedor improvvel. No incio, era um boxeador de segunda ca-tegoria, de quem o prprio treinador j havia desistido. Mas isso muda quando ele tem a chance de encarar diferentes adversrios. Nos vrios filmes, Rocky enfrenta no ringue os mais difceis lutadores e supera dificuldades tcnicas e tticas, alm de resistir a problemas ainda mais desafiadores fora das cordas.

  • 16

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    TEMA 2

    CORPO, SADE E BELEZA: PRINCPIOS DO TREINAMENTO FSICO

    Ao longo da sua vida escolar, nas aulas de Educao Fsica, voc correu, chutou, arremessou, fez alongamentos, fintou, driblou e saltou. Mas ser que voc recorda quais foram as capacidades fsicas que lhe deram suporte para que realizasse isso tudo? Vale a pena relembrar:

    agilidade: a capacidade de executar movimentos rpidos com mudana de direo. Por exemplo, as fintas nos esportes coletivos e as coreografias na dana;

    flexibilidade: a capacidade de realizar movimentos com amplitude adequada, como nos alongamentos;

    fora: a capacidade de vencer uma resistncia pelas aes musculares;

    resistncia: a capacidade de permanecer o maior tempo possvel em uma atividade sem fadiga, por exemplo, correr grandes distncias;

    velocidade: a capacidade de executar movimentos no menor tempo possvel, como em uma corrida de curta distncia em alta velocidade.

    Se voc treina alguma modalidade esportiva, ou joga por lazer, sabe que nas situaes de jogo usamos todas essas capacidades. Mas e nos treinos fsicos? Alis, por que uma pessoa se submete a treinamento?

    Neste momento de sua vida escolar, voc j deve saber da importncia de praticar exerccios fsicos para sua sade e qualidade de vida, no ? Sem contar os benefcios estticos! Ento, as pes-soas se submetem a um programa de treinamento por objetivos diferentes: emagrecer, melhorar a resistncia, aumentar a massa muscular, tratar e prevenir leses, melhorar as capacidades fsicas e us-las no esporte, e at por lazer!

    B

    laise

    Hay

    war

    d/Th

    e Im

    age

    Bank

    /Get

    ty Im

    ages

    E

    rik D

    reye

    r/Th

    e Im

    age

    Bank

    /Get

    ty Im

    ages

    PARA COMEO DE CONVERSA

    Jovem pulando corda em academia. Jogadores de futebol praticando exerccios.

  • 17

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Com base nas informaes do texto, responda s seguintes questes:

    1. O que treinamento? Organize as palavras a seguir em uma frase e voc ter uma definio:

    Soma uma adaptao de tempo realizados de todos os estmulos levando a em determinado espao, com o objetivo de elevar o rendimento.

    2. Quais so os exerccios recomendados para o desenvolvimento das capacidades fsicas de flexibi-lidade e resistncia, respectivamente?

    3. Quais benefcios voc pode obter com o treinamento fsico?

    PESQUISA EM GRUPO

    Princpios do treinamento

    Os princpios do treinamento fsico devem ser observados na elaborao de qualquer programa de treinamento. Neste volume, vamos conhecer os seguintes princpios: Sobrecarga, Individuali-dade e Reversibilidade.

    1. No quadro a seguir na coluna da direita, voc encontra perguntas que se referem a cada um desses princpios. A fim de preencher a coluna da esquerda, voc dever pesquisar, em sites, as definies desses princpios e coloc-las na coluna correspondente, ou seja, naquela em que as perguntas se relacionam definio do princpio.

  • 18

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    2. Feita a pesquisa, relacione os princpios de treinamento s caractersticas apresentadas nos itens abaixo:

    I. Princpio da Sobrecarga.

    II. Princpio da Individualidade.

    III. Princpio da Reversibilidade.

    a) Fator gentico. ( )

    b) Durao do treinamento. ( )

    c) Queda do rendimento em funo da falta de regularidade dos treinos. ( )

    d) Aumento da velocidade no treino de corridas. ( )

    e) Nvel de condicionamento. ( )

    Princpio de treinamento Questes

    a) Princpio:

    Definio:

    Por que, em geral, as mulheres so mais flexveis que os homens?E por que os homens, em geral, so mais fortes que as mulheres?Por que meu colega da mesma idade e com o mesmo peso, que treina comigo, mais veloz do que eu?

    b) Princpio:

    Definio:

    No treino de musculao, quando devo aumentar a carga (nmero de repeties ou peso)?Como saber se essa carga muito alta? Devo treinar quantas vezes por semana? Qual a durao de cada sesso?

    c) Princpio:

    Definio:

    Por que demoro tanto para adquirir con-dicionamento fsico e o perco to rpido?

  • 19

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    LIO DE CASA

    Treinamento coisa sria. Converse com seu professor ANTES de iniciar o programa, pois seu organismo ser submetido a uma sobrecarga maior a do que est acostumado. Digamos que voc pre-tende iniciar um treinamento de musculao ou aderir a um treinamento de corrida de rua. Basta ir academia, ligar uma esteira e fazer fora nas mquinas ou ento sair correndo pelas ruas? No! Se voc fizer isso, muito provavelmente no vai atingir seu objetivo, e ainda por cima corre um grande risco de adquirir alguma leso. No exemplo da corrida de rua, para voc sair correndo por a, a pri-meira coisa que deve ter vontade ou uma necessidade! Para que voc possa tirar o mximo proveito de seu treinamento, apresentamos as etapas que devem ser observadas ANTES de inici-lo. O problema que elas esto fora da ordem. Defina a ordem correta dos procedimentos e bom treino!

    1. Prescrio um profissional de Educao Fsica elabora um treinamento de acordo com o obje-tivo pretendido (seu professor pode lhe explicar esse processo com mais detalhes).

    2. Anamnese um questionrio em que se verifica seu histrico de sade, prtica de atividades fsi-cas e hbitos alimentares.

    3. Avaliao um mdico avalia e atesta se voc est apto para se submeter a um programa de trei-namento (os postos de sade realizam essa avaliao).

    4. Testes realizao de testes que avaliam as capacidades fsicas. Voc j deve ter feito algum: teste de Cooper, ergomtrico em esteira, teste de fora abdominal etc.

    Dica !

    Um mesmo exerccio pode ter aplicaes diferentes no treinamento. Por exemplo, a cor-rida. Ns podemos us-la como parte do treino para melhorar a resistncia (dar mais condi-cionamento), para diminuir a gordura corporal (emagrecer), estender o rendimento esportivo (aumentar a velocidade) e, ainda, como aquecimento. Muito bem, se tudo pode ser conquistado com a corrida, qual a diferena? Como eu sei quando a estou usando para um objetivo ou outro?

  • 20

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    O que indica se a corrida est atendendo a um ou outro objetivo a intensidade do exerccio. Mas o que isso? o grau de vigor fsico que utilizamos na realizao de deter-minada tarefa. A intensidade pode ser alta, moderada ou baixa.

    Imagine que seu corpo um carro flex, com tecnologia de ponta, que aceita trs tipos dife-rentes de combustveis. Quando voc est a toda velocidade, ele usa um combustvel; quando voc diminui a velocidade, ele usa o segundo; e, quando voc est devagar, ele usa o terceiro. De certo modo, assim funciona seu corpo: de acordo com a intensidade do exerccio, ele usa um combustvel diferente. Esse combustvel pode ser a gordura corporal, quando a intensi- dade moderada ou baixa, ou o acar (armazenado como glicognio), quando a intensidade mais alta. a frequncia cardaca que indica a intensidade do exerccio. E como se verifica a frequncia cardaca?

    Durante o exerccio, voc pode usar o mtodo da palpao ou um frequencmetro para monitorar a frequncia cardaca. Esse aparelho tem dois implementos: um relgio e uma faixa que contm um sensor. Coloca-se a faixa no peito e o relgio no punho. Calcula-se, ento, a zona-alvo de treinamento para que voc possa monitorar a frequncia cardaca de acordo com o objetivo do treinamento.

    a

    llOve

    r pho

    togr

    aphy

    /Ala

    my/

    Glo

    w Im

    ages

    J.

    Jam

    es/z

    efa/

    Cor

    bis/

    Latin

    stock

    L

    ori A

    dam

    ski P

    eek/

    The

    Imag

    e Ba

    nk/G

    etty

    Imag

    es

    Frequencmetro. Palpao da artria radial.

    Palpao da artria cartida.

  • 21

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    VOC APRENDEU?

    O treinamento fsico uma rea de estudos e pesquisas da Educao Fsica, mas o importante que voc aplique os princpios do treinamento ao desenvolvimento das capacidades fsicas. Por exem plo, suponha que voc pratique musculao, que um treinamento de fora, e queira aumen-tar a carga por conta prpria. Ao compreender o Princpio de Sobrecarga, voc entender que existe uma razo para aumentar ou no os pesos e/ou a quantidade de repeties ou, se for um treino de resistncia, compreender por que aumentou a durao ou a velocidade da corrida. Enquanto isso, vamos relembrar as capacidades fsicas.

    Pense nas vivncias que voc teve nas aulas de Educao Fsica. Escolha cinco gestos de es-porte, dana, luta, atividade rtmica e/ou ginstica e identifique a capacidade fsica utilizada na realizao do gesto escolhido por voc. Para isso, consulte as definies das capacidades fsicas (veja a seo Para comeo de conversa deste tema).

    Gestos Capacidades fsicas estimuladas

    Finta Agilidade

    1.

    2.

    3.

    4.

    5.

  • 22

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    APRENDENDO A APRENDER

    Aumente o consumo de alimentos com clcio

    O clcio o principal mineral que forma nosso esqueleto. Para ter uma ideia, quase todo o clcio (99%) que temos no organismo armazenado nos ossos.

    Muitas pessoas pensam que, quando paramos de crescer, os ossos permanecem parados como uma rocha. No verdade. Cada minuto do dia e da noite os minerais dos ossos se movimentam constantemente no organismo.

    A adolescncia um perodo decisivo para o de-senvolvimento dos ossos. possvel tirar proveito disso para torn-los mais fortes. Veja como:

    em primeiro lugar, nessa fase que os ossos esto crescendo rapidamente, ficando longos e resis-tentes (densos);

    em segundo, o organismo de um adolescente faminto por clcio, absorvendo e armazenando mais clcio do que o de um adulto.

    Muito bem, e onde voc entra nessa histria? sim-ples. Voc pode e deve aproveitar para fazer o mximo de depsitos que puder em seu banco de clcio.

    Durante a infncia, a adolescncia e at os 25 anos, os ossos funcionam como um banco. Mais ou menos assim: se temos quantidade suficiente de clcio no corpo e ingerimos mais desse mineral, vamos deposit-lo no osso. Porm, se tivermos quantidade menor e no ingerirmos o suficiente, o sangue ir at o osso e retirar um pouco de clcio para usar onde for preciso.

    Ento, quanto mais cedo voc tiver uma boa ingesto de clcio e mantiver essa ingesto diariamente, mais reservas ter nesse banco, e mais resistentes sero seus ossos.

    importante pensar sobre isso hoje. Sabe por qu? Porque a doena que deixa os ossos frgeis e quebradios (a osteoporose) muito traioeira. Se voc no estiver ingerindo boa quantidade de clcio, ela vai agindo em seus ossos, mas voc nem percebe. Para evitar que isso acontea, e para manter os ossos fortes e rgidos por muito tempo, devemos seguir algumas dicas:

    P

    oodl

    esRo

    ck/C

    orbi

    s/La

    tinsto

    ck

    Ilustrao de um esqueleto humano, publicada em 1905.

  • 23

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    comer ou beber alimentos ricos em clcio (como leite, queijos e iogurtes) todos os dias;

    beber menos refrigerante, porque essa bebida tem substncias que impedem o armazena-mento de clcio nos ossos;

    praticar exerccios fsicos por toda a vida;

    tomar sol regularmente, sempre respeitando os horrios mais apropriados (at 10 horas da manh e aps as 16 horas);

    diminuir a ingesto de sal (adicionar menos sal comida e comer menos salgadinhos de pacote ou outros alimentos muito salgados, por exemplo);

    no exagerar no consumo de carnes vermelhas.

    Em que alimentos encontramos mais clcio? Laticnios como leite, queijo, iogurte, requeijo e coalhada, tofu (queijo de soja) e vegetais verde-escuros, como brcolis e espinafre.

    Quantas pores devemos comer por dia? Trs pores.

    Uma poro : 1 copo grande de leite (240 ml); 1 pote de iogurte (140 gramas); 1 colher e meia (de sopa) de requeijo; 3 fatias de muarela ou 1 fatia mdia de queijo branco. Lem-bre-se de que voc deve comer 3 pores todos os dias.

    E

    agle

    mos

    s Con

    umer

    Pub

    licat

    ions

    /Fre

    sh F

    ood/

    Latin

    stock

  • 24

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Para refletir

    Voc consome leite, queijos e iogurtes todos os dias?

    Voc toma mais leite ou refrigerante?

    Agora voc deve saber:a quantidade de clcio que voc conseguir armazenar no esqueleto durante a ado-lescncia e at os 25 anos pode fazer toda a diferena entre ter os ossos fortes ou fracos no futuro;

    os refrigerantes atrapalham a absoro de clcio pelos ossos;

    praticar exerccios diariamente melhora a sade ssea.

  • 25

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Se voc da cidade de So Paulo, ou mora na regio metropolitana, j deve ter visto apresen-taes informais dos b-boys ou b-girls pelas ruas da capital. O movimento hip-hop em So Paulo, influenciado, sobretudo, pelo movimento hip-hop de Nova Iorque, associa manifestaes culturais, como a msica, o grafite, a dana de rua, ou street dance, a questes sociais, como o racismo, a livre expresso e maior representatividade poltica dos segmentos sociais presumidamente desfavorecidos.

    Os quatro elementos do hip-hop so:

    MC mestre de cerimnias ou apresentador do evento;

    DJ disc jockey responsvel pela produo musical;

    grafiteiro realiza a expresso grfica da cultura de rua;

    b-boy danarino de rua (se for menina, b-girl).

    As letras das msicas, no hip-hop, so marcadas pelo tom de protesto. Se voc conhece algum rap, transcreva um trecho em seu caderno e responda s perguntas que se seguem:

    1. Qual o tema abordado pela msica? Essa situao ocorre tambm na sua cidade?

    TEMA 3

    ATIVIDADE RTMICA: HIP-HOP E STREET DANCE

    PARA COMEO DE CONVERSA

    C

    onex

    o E

    dito

    rial

  • 26

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    PESQUISA INDIVIDUAL

    Voc sabia que existem quatro estilos de street dance? Pesquise na internet ou em outras fontes algumas imagens, vdeos e fotos dos quatro estilos, observe as caractersticas dos movimentos e responda:

    1. Voc se identifica com algum deles? Qual?

    2. Se voc tivesse aulas de street dance, qual estilo gostaria de aprender? Por qu?

    2. Identifique nas imagens a seguir os quatro elementos do hip-hop:

    B

    rand

    X P

    ictu

    res/

    Thin

    ksto

    ck/G

    etty

    Imag

    es

    S

    ean

    Mur

    phy/

    The

    Imag

    e Ba

    nk/G

    etty

    Imag

    es

    iSto

    ckph

    oto/

    Thin

    ksto

    ck/G

    etty

    Imag

    es

    S

    ean

    Mur

    phy/

    The

    Imag

    e Ba

    nk/G

    etty

    Imag

    es F

    erna

    ndo

    Favo

    retto

    c) d)

    a) b)

  • 27

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    LIO DE CASA

    Mano que mano sabe... Sabe mesmo?

    Escreva um rap, para ser apresentado e danado, falando das questes de gnero, por exemplo, que influenciam as escolhas dos jovens de sua escola ou do Brasil. No se esquea das rimas.

  • 28

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    1. O street dance uma das manifestaes do hip-hop e possui quatro estilos diferentes. Assinale a alter-nativa que corresponde a esses estilos e apresente imagens deles para justificar sua escolha:

    a) MC, popping, DJ e breaking. b) grafite, freestyle, locking e b-boy.

    c) breaking, popping, freestyle e locking. d) b-boy, breaking, grafite e MC.

    VOC APRENDEU?

    28

    Que possvel fazer msica com o corpo? Palmas, marcao com os ps, sons com a boca etc. Essa tcnica chamada percusso corporal. Experimente tirar sons graves, mdios e agudos do seu corpo. Por exemplo, se voc bater com as palmas das mos so-bre o peito, encontrar sons graves; no abdome, sons mdios; e nas coxas, sons agudos. Experimente! Para saber mais, acesse o site (Acesso em: 29 jul. 2013). O Barbatuques um grupo brasileiro de percusso corporal interna-cionalmente reconhecido. Talvez voc j tenha ouvido falar desse grupo ou pesquisado a respeito!

    Voc sabia?

    Desafio!

    Voc sabe o que xenofobia? a averso a pessoas ou objetos estranhos. Na rea social, o termo designa averso ao estrangeiro, ao que vem de fora, uma espcie de bairrismo. Por exemplo: o possvel preconceito de quem vive na capital em relao a quem mora no inte-rior, ou o preconceito de quem vive nas regies centrais em relao a quem vive na periferia. O movimento hip-hop denuncia toda forma de preconceito.

    Elabore com seus colegas da turma um grafite (em local autorizado), uma letra de rap ou uma coreografia de street dance contendo as palavras que se relacionam com os elementos da cultura de rua.

    MC Grafite DJ Popping

    Preconceito Freestyle B-boy Locking

    Rap Breaking

  • 29

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Filmes

    8 Mile: rua das iluses (8 Mile). Direo: Curtis Hanson. Alemanha, 2002. 111 min. 16 anos. Rapaz branco mora em uma vizinhana formada principalmente por negros, separada do restante da cidade de Detroit, nos Estados Unidos, pela estrada 8 Mile. Seu maior sonho conquistar um lugar no mundo do rap. Durante uma disputa de rappers, que tm de improvisar longas letras diante da plateia, o rapaz trava e no consegue exibir seu talento. Fica marcado na comunidade como covarde, e sua nica sada, ento, tentar uma revanche, ajudado pelos amigos, entre eles um DJ e um MC.

    Antnia. Direo: Tata Amaral. Brasil, 2006. 90 min. 12 anos. Quatro amigas de in-fncia, que moram na zona norte da cidade de So Paulo, formam um grupo de rap e tentam seguir carreira como cantoras, enfrentando o machismo no meio musical. O longa-metragem deu origem a uma minissrie sobre o mesmo tema.

    Batalha: a guerra do vinil. Direo: Rafael Terpins. Brasil, 2002. 15 min. Animao com tcnica do tipo stop motion, em que bonecos de massinha so movimentados e filmados passo a passo. A histria trata de um duelo entre dois DJs mediado por um MC. O curta- -metragem deu origem a uma minissrie de animao sobre o mesmo tema.

    No embalo do amor (Brown sugar). Direo: Rick Famuyiwa. EUA, 2001. 100 min. 12 anos. A histria de dois amigos de infncia bem-sucedidos em suas carreiras: ele o produtor musical de uma gravadora e ela a editora de uma revista, ambas empresas es-pecializadas no gnero hip-hop. Quando voltam a conversar sobre sua paixo pelo ritmo desde crianas, descobrem-se tambm apaixonados.

    PARA SABER MAIS

    2. O estilo de street dance que enfatiza movimentos como se as articulaes estivessem que-brando :

    a) popping. b) freestyle.

    c) breaking. d) locking.

    3. Quais so os quatro elementos do hip-hop? Assinale abaixo a alternativa correta para justificar a sua escolha:

    a) MC, DJ, b-boy e grafite. b) grafite, freestyle, MC e b-boy.

    c) popping, freestyle, b-boy e DJ. d) b-boy, breaking, grafite e MC.

  • 30

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    TEMA 4

    LAZER E TRABALHO: GINSTICA LABORAL

    PARA COMEO DE CONVERSA

    Voc o tipo observador, que analisa os ambientes e as pessoas? Eventualmente comenta com um amigo algum fato que voc observou? J viu uma linha de produo ou de seleo de algum produto? Por exemplo, seleo de frutas ou uma confeco de roupas?

    1. Como o trabalho das pessoas nesses lugares?

    2. Nesse tipo de ambiente, os movimentos que os trabalhadores executam so:

    ( ) repetitivos, realizados quase sempre na mesma posio corporal e no mesmo lugar.

    ( ) variados, exigindo que esses trabalhadores mudem constantemente de lugar.

    3. Como voc se sente quando fica muito tempo sentado na escola, por exemplo, ou muito tempo em p em uma fila de nibus ou de banco?

    D

    elfim

    Mar

    tins/

    Pulsa

    r Im

    agen

    s

    R

    olf B

    renn

    er/A

    lam

    y/G

    low

    Imag

    es

    Mulheres trabalhando com embalagem de uvas. Petrolina (PE).

    Costureiras.

  • 31

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    4. Que tipo de prejuzo os movimentos repetitivos e a permanncia em posies inadequadas, em situaes de trabalho ou mesmo no cotidiano das pessoas, podem trazer para o seu corpo?

    Leia a seguir o texto sobre ginstica laboral, uma estratgia que vem sendo utilizada na pre-veno dos prejuzos que voc deve ter apontado em sua resposta pergunta anterior.

    A ginstica laboral, como indica o nome, uma ginstica para ser feita antes, du-rante ou depois do expediente de trabalho. Essa prtica tem o objetivo de prevenir as doenas causadas pelo esforo repetitivo, conhecidas como LER (leses por esforos repetitivos), Dort (distrbios osteomusculares relacionados ao trabalho) e, mais re-centemente, Amert (afeces musculoesquelticas relacionadas ao trabalho).

    Ministrada durante 10 a 15 minutos, em geral, com alongamento e relaxamento, por um tempo essa prtica foi criticada pela vinculao que se fez, quando da sua utilizao nas empresas, apenas ao aumento da produtividade e no ao bem-estar do trabalhador.

    Estudos revelam que a ginstica laboral pode contribuir para a preveno das doen-as causadas pelo esforo repetitivo, alm de beneficiar o trabalhador nos seguintes aspectos: diminuio de dores corporais, reduo do cansao, aumento da ateno e concentrao, entre outros.

    Mas o trabalhador tem outras sobrecargas no ambiente de trabalho. A crescente competitividade dentro das empresas e fora delas vem aumentando a insegurana em relao conservao do emprego (para quem est empregado) ou insero no mer-cado de trabalho. Esse tipo de insegurana um fator que induz os trabalhadores a permanecer mais tempo no trabalho, com medo de perder o emprego.

    Hoje, fala-se em workaholics, pessoas viciadas em trabalho. Na verdade, elas sempre existiram, mas as circunstncias da vida moderna tm contribudo para que as pessoas fiquem conectadas ao trabalho por muito mais tempo. Ou esto no local do trabalho ou o trabalho as acompanha quando saem de l, com seus computadores ou palmtops, seus celulares empresariais ou outros meios de comunicao. Esto to vicia-das que no percebem que a falta de lazer (para descansar e espairecer) tambm um fator de diminuio de produtividade, o que as coloca na zona de risco de perderem seus postos de trabalho.

    Leitura e Anlise de Texto

  • 32

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    1. Em sua opinio, quais foram as razes para que a ginstica laboral passasse a ser adotada por um nmero maior de empresas?

    2. Apresente argumentos favorveis e desfavorveis prtica da ginstica laboral.

    3. Alm da ginstica laboral, quais outras estratgias ou recursos poderiam contribuir para reduzir o estresse provocado pelo trabalho?

    PESQUISA EM GRUPO

    Voc sabia que uma pessoa passa pelo menos um tero do seu dia no trabalho? J pensou em permanecer sentado na frente de um computador, teclando durante oito horas? Ou trabalhando em uma empresa de produo de peas eletroeletrnicas?

    Essa situao traz consequncias para o trabalhador e, dependendo dos casos, ele afastado de suas funes por perodos relativamente longos.

    Rena-se com um ou dois colegas para fazer uma pesquisa sobre as consequncias do trabalho repetitivo na vida e na sade de um trabalhador. Como dica, pesquisem o que so Dort (distrbios osteomusculares relacionados ao trabalho), LER (leses por esforos repetitivos) ou Amert (afeces musculoesquelticas relacionadas ao trabalho).

    De posse das informaes, escolham uma profisso (pode ser a que um ou mais de vocs j exercem ou uma que pretendam exercer) e verifiquem as possveis posturas inadequadas ou os movi-mentos realizados com maior frequncia, identificando quais regies do corpo esto mais sujeitas a dores em funo de sua sobrecarga.

  • 33

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Voc, que est na 3a srie do Ensino Mdio, deve estar pensando na continuidade de seus estudos ou no ingresso no mundo do trabalho. Muitos se preparam para o processo seletivo das universidades. tanta presso sobre voc, pois a concorrncia para ingressar nas universidades muito grande, e a expectativa da famlia tambm enorme; as cobranas pessoais, nem se fale. Fique alerta e responda s seguintes questes:

    1. Voc nota semelhanas entre o seu dia a dia e as situaes que ocorrem no mercado de trabalho, segundo as informaes vistas at aqui? Quais so elas?

    2. O que voc tem feito para diminuir as tenses do dia a dia, para manter o equilbrio entre o estudo, o trabalho (caso voc trabalhe) e o lazer?

    LIO DE CASA

  • 34

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    PARA SABER MAIS

    SiteCooperativa do Fitness. Disponvel em: . Acesso em: 29 jul. 2013. Nesse endereo, h artigos sobre ginstica laboral, indicao de sites sobre o tema e seo de perguntas e respostas.

    Filme

    Tempos modernos (Modern times). Direo: Charles Chaplin. EUA, 1936. 87 min. O filme mostra a vida na sociedade industrial, caracterizada pelo sistema de linha de montagem e especializao do trabalho, j na dcada de 1930.

    3. Quantas vezes por dia voc para e faz uma caminhada, ouve uma msica ou, talvez, joga bola?

    4. Depois de fazer essa reflexo, elabore uma lista de comportamentos que voc acredita que sejam mais saudveis e equilibrados, e que podem ser adotados de hoje em diante.

  • 35

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    VOC APRENDEU?

    1. Faa uma lista das profisses que voc conhece.

    2. Das profisses citadas, selecione duas e indique as posturas adequadas para o exerccio de cada uma.

    3. Dort significa:

    ( ) doena ortomolecular reativa ao tratamento.

    ( ) distrbios osteomusculares relacionados ao trabalho.

    4. Para prevenir o surgimento de Dort, as empresas tm investido em:

    ( ) ginstica laboral.

    ( ) ginstica corretiva.

    Profisso Postura adequada

  • 36

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    De cima De lado De frente

    C

    onex

    o E

    dito

    rial

    Dicas para voc no perder a postura: cuidados com a organizao do local de trabalho

    Devemos organizar nosso ambiente de trabalho para realizar todos os movimentos neces-srios nossa ocupao, preferencialmente dentro do alcance de nossas dimenses corporais. Isso significa que nossas aes devem ocorrer, no mximo, distncia de um brao do nosso corpo, tomando como ponto central do movimento o ombro. Confira o que isso significa nas figuras seguintes, que representam uma pessoa observada de trs ngulos diferentes:

    APRENDENDO A APRENDER

    Ento, o grande lance pensar na organizao e na localizao dos objetos que utiliza-mos com mais frequncia, e em como nos situamos em relao a eles no nosso dia a dia.

    H dois tipos corretos de alcance dos objetos, indicados na figura a seguir:

    C

    onex

    o E

    dito

    rial

    j g

    timo

    mximo

    Como voc percebe na figura, no alcance timo ou preferencial, o movimento executa-do com facilidade, e a posio bastante confortvel para realizar qualquer tarefa.

    J no alcance mximo, embora as medidas corporais sejam respeitadas, o gesto est sendo executado com o auxlio do tronco ou do ombro para ampliar o movimento.

    Devemos evitar os movimentos que estejam alm dessas duas possibilidades de execuo, por causa do risco de causar leses por esforo inadequado. Algumas articulaes so mais frgeis do que outras, logo, mais sujeitas a leses.

  • 37

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    Na figura da direita, o gesto executado est muito alm do limite mximo de al-cance. Todo o corpo est mal equilibrado e, o membro superior, instvel (vulnervel) para pegar o objeto.

    Na figura da esquerda, o alcance mximo respeitado. O corpo possui equilbrio, e o membro superior permanece estvel (bem apoiado no trax), possibilitando boa coordenao da mo (preenso) para apanhar o objeto.

    Ento, organize-se!

    Coloque os objetos que voc utiliza com maior frequncia, ou que sejam mais pesados, na rea do alcance timo. Os demais objetos, menos utilizados ou mais leves, podem ficar um pouco mais distantes, dentro da rea do alcance mximo.

    Observe seu quarto, sua cozinha, seu banheiro e veja se a disposio dos objetos est correta ou pode ser melhorada. Se voc j trabalha, analise o local e os objetos que uti-liza e, se possvel, reorganize-os segundo as orientaes que voc acabou de aprender. E boa postura para voc!

    Dica!

    SANTOS, Angela. Postura corporal: um guia para todos. So Paulo: Summus, 2005. p. 25.

    A

    lexa

    ndre

    Jubr

    an

    Na figura a seguir, voc tem informaes da postura correta para pegar algum objeto que est acima da linha de seu olhar. Observe o ombro nas duas figuras humanas.

  • 38

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    a) b)

    TEMA 5

    CONTEMPORANEIDADE: ESPORTES RADICAIS

    No uso corrente, a palavra radical tornou-se sinnimo de extremista. As grandes transformaes no mundo globalizado tm influenciado os conceitos e as relaes que mantemos com o corpo. Os esportes chamados radicais refletem esse movimento, que se instalou na sociedade contempornea, levando ao extremo a experincia corporal do risco, da liberdade e da aventura.

    Esportes radicais, tambm conhecidos como esportes de aventura, so prticas que geralmente renem jovens que se identificam e constroem certo estilo de vida, caracterizado pelo vesturio, pelo linguajar e pelo significado que atribuem atividade realizada.

    1. As imagens seguintes exemplificam alguns esportes radicais:

    A

    lexa

    ndre

    Cap

    pi/B

    rSto

    ck

    PARA COMEO DE CONVERSA

    c)

    A

    lexa

    ndre

    Cap

    pi/B

    rSto

    ck

    d)

    A

    lexa

    ndre

    Cap

    pi/B

    rSto

    ck

    H

    enry

    Wes

    thei

    m P

    hoto

    grap

    hy/A

    lam

    y/G

    low

    Imag

    es

  • 39

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    f )

    D

    arry

    l Len

    iuk/

    Ston

    e/G

    etty

    Imag

    es

    A

    lexa

    ndre

    Cap

    pi/B

    rSto

    ck

    g)

    K

    uttig

    -Peo

    ple/

    Alam

    y/G

    low

    Imag

    es

    Quais so os esportes que aparecem nas imagens?

    2. Em novembro de 2008, So Paulo assistiu construo da maior rampa de skate do mundo. Assinale o nome do local em que o evento foi realizado:

    ( ) Autdromo Interlagos.

    ( ) Parque do Ibirapuera.

    ( ) Sambdromo Anhembi.

    ( ) Estdio do So Paulo Morumbi.

    e)

  • 40

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    PESQUISA DE CAMPO

    Pesquise em seu bairro ou em sua cidade quais so os esportes radicais mais comuns. Se isso no for possvel, faa uma pesquisa em sites.

    Realizada a pesquisa, voc pode agrupar os esportes segundo os ambientes predominantes para sua prtica: terra, ar e/ou gua. Ou ainda, se preferir, poder optar pela diviso segundo as modali-dades: sobre rodas, de inverno, na natureza, na cidade ou outra qualquer. Observe os praticantes: como se vestem, como agem, como falam. Se voc for um praticante, descreva as roupas que gosta de usar e por que as veste, anote as palavras mais comuns em suas conversas com outros praticantes, fale sobre os locais de reunio e a prtica do esporte, as dificuldades enfrentadas etc.

    Registre suas observaes e consideraes. Posteriormente, troque ideias a respeito com outros amigos da classe.

    3. Assinale, na lista a seguir, quais so os esportes radicais:

    ( ) vlei de praia. ( ) rappel. ( ) skate.

    ( ) rafting. ( ) dana esportiva. ( ) sandboard.

    ( ) bicicross. ( ) parkour. ( ) asa-delta.

  • 41

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    LIO DE CASA

    Prepare um rap, uma pardia musical, uma pea teatral, um desenho, um painel de colagens ou outra expresso de sua preferncia sobre como a atividade fsica influencia ou influenciou seu prprio estilo de vida, seus costumes, a escolha de amigos e seus hbitos de vida (preferncias de msica, roupa, esportes etc.). Se voc sonha com mudanas, exponha o que voc deseja mudar, o que deseja ser.

  • 42

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    L

    uiz D

    oro

    Net

    o/Br

    Stoc

    k

    Megarrampa Sambdromo So Paulo.

    Desafio!

    O mundo do skate

    O skate uma prtica bastante comum entre os jovens que se aventuram realizando ma-nobras, muitas vezes sem equipamento de proteo, o que obviamente deve ser evitado.

    Voc capaz de identificar, pelo nome, as manobras, os equipamentos e os locais das fotos e ilustraes a seguir? Vamos ver o quanto voc radical.

    Para ajudar, vamos dar uma mozinha, colocando uma relao de nomes para voc utilizar nesta tarefa:

    Pool riding Grind

    Ollie Trucks Downhill

  • 43

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    1. 2.

    H

    enry

    Wes

    thei

    m P

    hoto

    grap

    hy/A

    lam

    y/G

    low

    Imag

    es

    D

    arry

    l Len

    iuk/

    Ston

    e/G

    etty

    Imag

    es

    W

    ig W

    orla

    nd/A

    lam

    y/G

    low

    Imag

    es

    C

    onex

    o E

    dito

    rial 6.5.

    ia

    nmur

    ray/

    Alam

    y/G

    low

    Imag

    es

    A

    lexa

    ndre

    Cap

    pi/B

    rSto

    ck

    3. 4.

    Analise as imagens a seguir e complete com o nome correspondente:

  • 44

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    PARA SABER MAIS

    Voc gostou do tema e quer se aprofundar? Ento, fique ligado nas dicas:

    Sites

    Como tudo funciona Esportes radicais. Disponvel em: . Acesso em: 29 jul. 2013. Apresenta informaes sobre diferentes esportes radicais, com histrico, equipamentos, dicas, manobras, entre outros assuntos.

    Tudo sobre parkour. Disponvel em: . Acesso em: 29 jul. 2013. Contm informaes sobre essa prtica radical de se deslocar e conseguir se movi-mentar passando por obstculos que se encontram no caminho. H conceitos, histrico e informaes adicionais para o entendimento dessa atividade corporal.

    Filmes

    ATL O som do gueto (ATL). Direo: Chris Robinson. EUA, 2006. 120 min. 14 anos. O filme mostra quatro adolescentes da classe operria de Atlanta chegando a uma idade em que a msica, o hip-hop e os patins so as palavras de comando na vizinhana.

    Deck dogz: feras do skate (Deck dogz). Direo: Steve Pasvolsky. Austrlia, 2005. 90 min. 12 anos. Conta como dois garotos sonham em se tornar skatistas profissionais e participar de um campeonato. Sem contar com nenhum tipo de apoio, eles tentam conseguir ajuda, mas nem sempre com as pessoas certas.

    Ritmo alucinante (Roll bounce). Direo: Malcolm D. Lee. EUA, 2005. 112 min. 12 anos. No fim da dcada de 1970, quando patinar era um modo de vida, X e sua turma eram os reis incontestveis. Mas, quando as portas do rinque local fecharam, foi o fim de uma era e o incio de outra, na qual os rapazes teriam de se aventurar em territrio estranho: o rinque do lado rico da cidade, onde encontraram competidores altura.

  • 45

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

    VOC APRENDEU?

    Assinale a alternativa correta:

    1. Os esportes radicais podem ser agrupados segundo:

    a) os ambientes predominantes para sua prtica.

    b) os equipamentos utilizados.

    c) os bairros onde so praticados.

    2. A maior rampa de skate do mundo foi construda no Brasil:

    a) na praia, em Santos.

    b) no Sambdromo, em So Paulo.

    c) no Maracan, no Rio de Janeiro.

    3. So manobras realizadas com o skate:

    a) grind, ollie, manual.

    b) dachi, oi zuki, geri.

    c) a, bno, cabeada.

    4. O pool riding :

    a) o obstculo que servir de apoio para deslizar com o skate.

    b) o salto realizado com o skate e com o skatista agachado.

    c) uma pista de skate em forma de bowl (bacia).

  • 46

    Educao Fsica 3a srie Volume 1

  • CONCEPO E COORDENAO GERALNOVA EDIO 2014-2017

    COORDENADORIA DE GESTO DA EDUCAO BSICA CGEB

    Coordenadora Maria Elizabete da Costa

    Diretor do Departamento de Desenvolvimento Curricular de Gesto da Educao Bsica Joo Freitas da Silva

    Diretora do Centro de Ensino Fundamental dos Anos Finais, Ensino Mdio e Educao Profissional CEFAF Valria Tarantello de Georgel

    Coordenadora Geral do Programa So Paulo faz escolaValria Tarantello de Georgel

    Coordenao Tcnica Roberto Canossa Roberto Liberato S el Cristina de lb er e o

    EQUIPES CURRICULARES

    rea de Linguagens Arte: Ana Cristina dos Santos Siqueira, Carlos Eduardo Povinha, Ktia Lucila Bueno e Roseli Ventrela.

    Educao Fsica: Marcelo Ortega Amorim, Maria Elisa Kobs Zacarias, Mirna Leia Violin Brandt, Rosngela Aparecida de Paiva e Sergio Roberto Silveira.

    Lngua Estrangeira Moderna (Ingls e Espanhol): Ana Paula de Oliveira Lopes, Jucimeire de Souza Bispo, Marina Tsunokawa Shimabukuro, Neide Ferreira Gaspar e Slvia Cristina Gomes Nogueira.

    Lngua Portuguesa e Literatura: Angela Maria Baltieri Souza, Claricia Akemi Eguti, Id Moraes dos Santos, Joo Mrio Santana, Ktia Regina Pessoa, Mara Lcia David, Marcos Rodrigues Ferreira, Roseli Cordeiro Cardoso e Rozeli Frasca Bueno Alves.

    rea de Matemtica Matemtica: Carlos Tadeu da Graa Barros, Ivan Castilho, Joo dos Santos, Otavio Yoshio Yamanaka, Rodrigo Soares de S, Rosana Jorge Monteiro, Sandra Maira Zen Zacarias e Vanderley Aparecido Cornatione.

    rea de Cincias da Natureza Biologia: Aparecida Kida Sanches, Elizabeth Reymi Rodrigues, Juliana Pavani de Paula Bueno e Rodrigo Ponce.

    Cincias: Eleuza Vania Maria Lagos Guazzelli, Gisele Nanini Mathias, Herbert Gomes da Silva e Maria da Graa de Jesus Mendes.

    Fsica: Carolina dos Santos Batista, Fbio Bresighello Beig, Renata Cristina de Andrade

    Oliveira e Tatiana Souza da Luz Stroeymeyte.

    Qumica: Ana Joaquina Simes S. de Matos Carvalho, Jeronimo da Silva Barbosa Filho, Joo Batista Santos Junior e Natalina de Ftima Mateus.

    rea de Cincias Humanas Filosofia: Emerson Costa, Tnia Gonalves e Tenia de Abreu Ferreira.

    Geografia: Andria Cristina Barroso Cardoso, Dbora Regina Aversan e Srgio Luiz Damiati.

    Histria: Cynthia Moreira Marcucci, Maria Margarete dos Santos e Walter Nicolas Otheguy Fernandez.

    Sociologia: Alan Vitor Corra, Carlos Fernando de Almeida e Tony Shigueki Nakatani.

    PROFESSORES COORDENADORES DO NCLEO PEDAGGICO

    rea de Linguagens Educao Fsica: Ana Lucia Steidle, Eliana Cristine Budisk de Lima, Fabiana Oliveira da Silva, Isabel Cristina Albergoni, Karina Xavier, Katia Mendes e Silva, Liliane Renata Tank Gullo, Marcia Magali Rodrigues dos Santos, Mnica Antonia Cucatto da Silva, Patrcia Pinto Santiago, Regina Maria Lopes, Sandra Pereira Mendes, Sebastiana Gonalves Ferreira Viscardi, Silvana Alves Muniz.

    Lngua Estrangeira Moderna (Ingls): Clia Regina Teixeira da Costa, Cleide Antunes Silva, Edna Boso, Edney Couto de Souza, Elana Simone Schiavo Caramano, Eliane Graciela dos Santos Santana, Elisabeth Pacheco Lomba Kozokoski, Fabiola Maciel Saldo, Isabel Cristina dos Santos Dias, Juliana Munhoz dos Santos, Ktia Vitorian Gellers, Ldia Maria Batista Bom m, Lindomar Alves de Oliveira, Lcia Aparecida Arantes, Mauro Celso de Souza, Neusa A. Abrunhosa Tpias, Patrcia Helena Passos, Renata Motta Chicoli Belchior, Renato Jos de Souza, Sandra Regina Teixeira Batista de Campos e Silmara Santade Masiero.

    Lngua Portuguesa: Andrea Righeto, Edilene Bachega R. Viveiros, Eliane Cristina Gonalves Ramos, Graciana B. Ignacio Cunha, Letcia M. de Barros L. Viviani, Luciana de Paula Diniz, Mrcia Regina Xavier Gardenal, Maria Cristina Cunha Riondet Costa, Maria Jos de Miranda Nascimento, Maria Mrcia Zamprnio Pedroso, Patrcia Fernanda Morande Roveri, Ronaldo Cesar Alexandre Formici, Selma Rodrigues e Slvia Regina Peres.

    rea de Matemtica Matemtica: Carlos Alexandre Emdio, Clvis Antonio de Lima, Delizabeth Evanir Malavazzi, Edinei Pereira de Sousa, Eduardo Granado Garcia, Evaristo Glria, Everaldo Jos Machado de Lima, Fabio Augusto Trevisan, Ins Chiarelli Dias, Ivan Castilho, Jos Maria Sales Jnior, Luciana Moraes Funada, Luciana Vanessa de Almeida Buranello, Mrio Jos Pagotto, Paula Pereira Guanais, Regina Helena de Oliveira Rodrigues, Robson Rossi, Rodrigo Soares de S, Rosana Jorge Monteiro,

    Rosngela Teodoro Gonalves, Roseli Soares Jacomini, Silvia Igns Peruquetti Bortolatto e Zilda Meira de Aguiar Gomes.

    rea de Cincias da Natureza Biologia: Aureli Martins Sartori de Toledo, Evandro Rodrigues Vargas Silvrio, Fernanda Rezende Pedroza, Regiani Braguim Chioderoli e Rosimara Santana da Silva Alves.

    Cincias: Davi Andrade Pacheco, Franklin Julio de Melo, Liamara P. Rocha da Silva, Marceline de Lima, Paulo Garcez Fernandes, Paulo Roberto Orlandi Valdastri, Rosimeire da Cunha e Wilson Lus Prati.

    Fsica: Ana Claudia Cossini Martins, Ana Paula Vieira Costa, Andr Henrique Ghel Ru no, Cristiane Gislene Bezerra, Fabiana Hernandes M. Garcia, Leandro dos Reis Marques, Marcio Bortoletto Fessel, Marta Ferreira Mafra, Rafael Plana Simes e Rui Buosi.

    Qumica: Armenak Bolean, Ctia Lunardi, Cirila Tacconi, Daniel B. Nascimento, Elizandra C. S. Lopes, Gerson N. Silva, Idma A. C. Ferreira, Laura C. A. Xavier, Marcos Antnio Gimenes, Massuko S. Warigoda, Roza K. Morikawa, Slvia H. M. Fernandes, Valdir P. Berti e Willian G. Jesus.

    rea de Cincias Humanas Filosofia: lex Roberto Genelhu Soares, Anderson Gomes de Paiva, Anderson Luiz Pereira, Claudio Nitsch Medeiros e Jos Aparecido Vidal.

    Geografia: Ana Helena Veneziani Vitor, Clio Batista da Silva, Edison Luiz Barbosa de Souza, Edivaldo Bezerra Viana, Elizete Buranello Perez, Mrcio Luiz Verni, Milton Paulo dos Santos, Mnica Estevan, Regina Clia Batista, Rita de Cssia Araujo, Rosinei Aparecida Ribeiro Librio, Sandra Raquel Scassola Dias, Selma Marli Trivellato e Sonia Maria M. Romano.

    Histria: Aparecida de Ftima dos Santos Pereira, Carla Flaitt Valentini, Claudia Elisabete Silva, Cristiane Gonalves de Campos, Cristina de Lima Cardoso Leme, Ellen Claudia Cardoso Doretto, Ester Galesi Gryga, Karin SantAna Kossling, Marcia Aparecida Ferrari Salgado de Barros, Mercia Albertina de Lima Camargo, Priscila Loureno, Rogerio Sicchieri, Sandra Maria Fodra e Walter Garcia de Carvalho Vilas Boas.

    Sociologia: Anselmo Luis Fernandes Gonalves, Celso Francisco do , Lucila Conceio Pereira e Tnia Fetchir.

    Apoio:Fundao para o Desenvolvimento da Educao - FDE

    CTP, Impresso e acabamentoLog Print Gr ca e Logstica S. A.

  • A Secretaria da Educao do Estado de So Paulo autoriza a reproduo do contedo do material de sua titularidade pelas demais secretarias de educao do pas, desde que mantida a integri-dade da obra e dos crditos, ressaltando que direitos autorais protegidos*devero ser diretamente negociados com seus prprios titulares, sob pena de infrao aos artigos da Lei n- 9.610/98.

    * Constituem direitos autorais protegidos todas e quaisquer obras de terceiros reproduzidas no material da SEE-SP que no estejam em domnio pblico nos termos do artigo 41 da Lei de Direitos Autorais.

    * Nos Cadernos do Programa So Paulo faz escola so indicados sites para o aprofundamento de conhecimentos, como fonte de consulta dos contedos apresentados e como referncias bibliogrficas. Todos esses endereos eletrnicos foram checados. No entanto, como a internet um meio dinmico e sujeito a mudanas, a Secretaria da Educao do Estado de So Paulo no garante que os sites indicados permaneam acessveis ou inalterados.* Os mapas reproduzidos no material so de autoria de terceiros e mantm as caractersticas dos originais, no que diz respeito grafia adotada e incluso e composio dos elementos cartogrficos (escala, legenda e rosa dos ventos).

    Cincias Humanas Coordenador de rea: Paulo Miceli. Filosofia: Paulo Miceli, Luiza Christov, Adilton Lus Martins e Ren Jos Trentin Silveira.

    Geografia: Angela Corra da Silva, Jaime Tadeu Oliva, Raul Borges Guimares, Regina Araujo e Srgio Adas.

    Histria: Paulo Miceli, Diego Lpez Silva, Glaydson Jos da Silva, Mnica Lungov Bugelli e Raquel dos Santos Funari.

    Sociologia: Heloisa Helena Teixeira de Souza Martins, Marcelo Santos Masset Lacombe, Melissa de Mattos Pimenta e Stella Christina Schrijnemaekers.

    Cincias da Natureza Coordenador de rea: Luis Carlos de Menezes. Biologia: Ghisleine Trigo Silveira, Fabola Bovo Mendona, Felipe Bandoni de Oliveira, Lucilene Aparecida Esperante Limp, Maria Augusta Querubim Rodrigues Pereira, Olga Aguilar Santana, Paulo Roberto da Cunha, Rodrigo Venturoso Mendes da Silveira e Solange Soares de Camargo.

    Cincias: Ghisleine Trigo Silveira, Cristina Leite, Joo Carlos Miguel Tomaz Micheletti Neto, Julio Czar Foschini Lisba, Lucilene Aparecida Esperante Limp, Mara Batistoni e Silva, Maria Augusta Querubim Rodrigues Pereira, Paulo Rogrio Miranda Correia, Renata Alves Ribeiro, Ricardo Rechi Aguiar, Rosana dos Santos Jordo, Simone Jaconetti Ydi e Yassuko Hosoume.

    Fsica: Luis Carlos de Menezes, Estevam Rouxinol, Guilherme Brockington, Iv Gurgel, Lus Paulo de Carvalho Piassi, Marcelo de Carvalho Bonetti, Maurcio Pietrocola Pinto de Oliveira, Maxwell Roger da Puri cao Siqueira, Sonia Salem e Yassuko Hosoume.

    Qumica: Maria Eunice Ribeiro Marcondes, Denilse Morais Zambom, Fabio Luiz de Souza, Hebe Ribeiro da Cruz Peixoto, Isis Valena de Sousa Santos, Luciane Hiromi Akahoshi, Maria Fernanda Penteado Lamas e Yvone Mussa Esperidio.

    Caderno do Gestor Lino de Macedo, Maria Eliza Fini e Zuleika de Felice Murrie.

    GESTO DO PROCESSO DE PRODUO EDITORIAL 2014-2017

    FUNDAO CARLOS ALBERTO VANZOLINI

    Presidente da Diretoria Executiva Antonio Rafael Namur Muscat

    Vice-presidente da Diretoria Executiva Alberto Wunderler Ramos

    GESTO DE TECNOLOGIAS APLICADAS EDUCAO

    Direo da rea Guilherme Ary Plonski

    Coordenao Executiva do Projeto Angela Sprenger e Beatriz Scavazza

    Gesto Editorial Denise Blanes

    Equipe de Produo

    Editorial: Amarilis L. Maciel, Anglica dos Santos Angelo, Bris Fatigati da Silva, Bruno Reis, Carina Carvalho, Carla Fernanda Nascimento, Carolina H. Mestriner, Carolina Pedro Soares, Cntia Leito, Eloiza Lopes, rika Domingues do Nascimento, Flvia Medeiros, Gisele Manoel, Jean Xavier, Karinna Alessandra Carvalho Taddeo, Leandro Calbente Cmara, Leslie Sandes, Main Greeb Vicente, Marina Murphy, Michelangelo Russo, Natlia S. Moreira, Olivia Frade Zambone, Paula Felix Palma, Priscila Risso, Regiane Monteiro Pimentel Barboza, Rodolfo Marinho, Stella Assumpo Mendes Mesquita, Tatiana F. Souza e Tiago Jonas de Almeida.

    Direitos autorais e iconografia: Beatriz Fonseca Micsik, rica Marques, Jos Carlos Augusto, Juliana Prado da Silva, Marcus Ecclissi, Maria Aparecida Acunzo Forli, Maria Magalhes de Alencastro e Vanessa Leite Rios.

    Edio e Produo editorial: R2 Editorial, Jairo Souza Design Gr co e Occy Design projeto gr co .

    CONCEPO DO PROGRAMA E ELABORAO DOS CONTEDOS ORIGINAIS

    COORDENAO DO DESENVOLVIMENTO DOS CONTEDOS PROGRAMTICOS DOS CADERNOS DOS PROFESSORES E DOS CADERNOS DOS ALUNOS Ghisleine Trigo Silveira

    CONCEPO Guiomar Namo de Mello, Lino de Macedo, Luis Carlos de Menezes, Maria Ins Fini coordenadora e Ruy Berger em memria .

    AUTORES

    Linguagens Coordenador de rea: Alice Vieira. Arte: Gisa Picosque, Mirian Celeste Martins, Geraldo de Oliveira Suzigan, Jssica Mami Makino e Sayonara Pereira.

    Educao Fsica: Adalberto dos Santos Souza, Carla de Meira Leite, Jocimar Daolio, Luciana Venncio, Luiz Sanches Neto, Mauro Betti, Renata Elsa Stark e Srgio Roberto Silveira.

    LEM Ingls: Adriana Ranelli Weigel Borges, Alzira da Silva Shimoura, Lvia de Arajo Donnini Rodrigues, Priscila Mayumi Hayama e Sueli Salles Fidalgo.

    LEM Espanhol: Ana Maria Lpez Ramrez, Isabel Gretel Mara Eres Fernndez, Ivan Rodrigues Martin, Margareth dos Santos e Neide T. Maia Gonzlez.

    Lngua Portuguesa: Alice Vieira, Dbora Mallet Pezarim de Angelo, Eliane Aparecida de Aguiar, Jos Lus Marques Lpez Landeira e Joo Henrique Nogueira Mateos.

    Matemtica Coordenador de rea: Nlson Jos Machado. Matemtica: Nlson Jos Machado, Carlos Eduardo de Souza Campos Granja, Jos Luiz Pastore Mello, Roberto Perides Moiss, Rogrio Ferreira da Fonseca, Ruy Csar Pietropaolo e Walter Spinelli.

Recommended

View more >