BOLETIM SOS ABELHAS NATIVAS do BRASIL” Ano III - nº 005 ... ?· Para atrair as abelhas, o ideal seria…

Download BOLETIM SOS ABELHAS NATIVAS do BRASIL” Ano III - nº 005 ... ?· Para atrair as abelhas, o ideal seria…

Post on 09-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>BOLETIM SOS ABELHAS NATIVAS do BRASILAno III - n 005 - 28 de Junho de 2010</p> <p>------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------LEIA NESTA EDIO</p> <p>1 - Pausa para Reflexo; 2 - MA: criadores de abelhas nativas vo ganhar centro de referncia; 3 - Artigo cientfico sobre ASF; 4 - Meliponrio Capixaba; 5 - Diviso e Enxameamento Para Isca; 6 -Quase 30 mil hectares de desmatamento na Mata Atlntica entre 2008 e 2010; 7 - Melipnrio do Serto; 8 -Meliponrio Alencar; 9 - Meliponrio Mantiqueira; 10 - Meliponrio Pivoto; 11 - ASF: Legislao: CONAMA; 11 -Espcies mais comuns no Par; 12 Site Interessante: Embrapa Amaznia Oriental; 13 - Meliponas Trigonas: Grupo de Estudo universitrio; 14 - Abelhas sem ferro, a importncia da preservao.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------1 - Pausa para Reflexo</p> <p>Posso no concordar com o que dizes, mas defendo at a morte o direito de o dizeres. - Voltaire------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------2 - MA: criadores de abelhas nativas vo ganhar centro de referncia</p> <p>Peri-Mirim/MA - Os criadores de abelhas nativas sem ferro (meliponicultores) do Maranho em breve vo ganhar um centro de referncia em meliponicultura. Os recursos para a construo viro de convnio de cooperao financeira, a ser firmado no dia 30 de junho, entre a Fundao Banco do Brasil (FBB) e a Cooperativa Agroecolgica dos Meliponicultores da Baixada Maranhense (Coamel). Ao todo sero investidos R$ 342.187,50, sendo 340.144,50 aportados pela FBB.</p> <p>O centro ser construdo na cidade de Peri-Mirim e ser constitudo de trs unidades: administrativa composta pelos ncleos de capacitao, pesquisa e inteligncia competitiva; extrao de mel; e beneficiamento entreposto de Mel. Como resultado desse convnio, possvel que surja o primeiro entreposto brasileiro de mel de abelhas nativas registrado no Ministrio da Agricultura, Pecuria e Abastecimento (MAPA), com Sistema de Inspeo Federal (SIF), o que possibilitar a venda para os mercados interno e externo.</p> <p>A idia da construo do centro de referncia comeou ainda durante as execues dos projetos Melpona e Melpona Comercializa o, no perodo de 2007/2009, sendo o convnio resultado dos esforos do Sebrae no Maranho, Banco do Brasil e Fundao Banco do Brasil, tendo se consolidado na execuo do projeto Meliponicultura na Baixada Maranhense, afirma a coordenadora dos trabalhos no Sebrae em Pinheiros, Dulcileide Salinas.</p> <p>Na unidade administrativa ir funcionar os ncleos de capacitao, pesquisa e inteligncia competitiva. Seu objetivo ser disponibilizar aos meliponicultores cursos de capacitao constantes nas reas tecnolgicas e gerenciais e, em parceria com rgos governamentais, desenvolver pesquisas que propiciem a sustentabilidade e disseminao da meliponicultura, aumento da produo, produtividade e preservao do meio-ambiente. Alm de disponibilizar ferramentas com fins de identificao, coleta, anlise e tratamento das informaes sobre as necessidades e exigncias do mercado consumidor.</p> <p>J na unidade de extrao de mel, a idia produzir mel e derivados de abelhas nativas em conformidade s exigncias legais e mercadolgicas. A unidade de beneficiamento (entreposto de mel) ficar responsvel por escoar a produo do mel de abelhas nativas e seus derivados, para mercados internos e externos (Frana, EUA, Japo, Itlia), bem como escoar a produo de mel de </p> <p>1</p> <p>abelha africanizada (APIS) do Maranho.</p> <p>De acordo com o coordenador nacional de apicultura no Sebrae, Reginaldo Resende, j funciona, em Mossor (RN), um centro nos mesmos moldes do que ser instalado no Maranho. O meliponicultor Paulo Menezes foi o primeiro a conseguir no estado o Sistema de Inspeo Estadual. Menezes se envolveu com a criao de abelha jandara, tipo de abelha nativa, em 1983. Hoje, ele um dos principais criadores do pas, com cerca de 600 colmias de jandaras em Mossor.</p> <p>A certificao me trouxe uma srie de benefcios. Primeiro tive de cumprir uma srie de exigncias impostas pelo Ministrio da Agricultura, entre elas, a formalizao da minha empresa, para adquirir CNPJ, e passei a fornecer mel para todo o Estado do Rio Grande do Norte. </p> <p>A legalizao tambm possibilitou que eu participasse de um edital da Fundao para o Desenvolvimento de Pesquisa no Estado do Rio Grande do Norte (FATERN). A Fundao, a partir de convnio de 15 meses, vai disponibilizar dois pesquisadores que iro desenvolver uma mquina que retira parte da gua que compe o mel. Isso um grande investimento em inovao e tecnologia, ressalta Menezes.</p> <p>Fonte: Pgina Rural - Porto Alegre/RS - Notcias - 21/06/2010 - ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------3 Artigo cientfico sobre ASF </p> <p>http://www22. sede.embrapa. br/snt/viicbsaf/ cdanais/tema01/ 01tema76. pdf</p> <p>------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------4 - Meliponario Capixaba</p> <p>http://meliponariocapixaba.blogspot.com// - O Meliponario Capixaba est situado em Patrimnio da Penha na Serra do Capara, Esprito Santo. Somos novos na atividade e criamos especialmente a uruu capixaba com o objetivo de colaborar para evitar a extino da espcie. Inicialmente pretendemos formar um plantel a partir de desdobramentos das colnias e principalmente divulgar a criao de abelhas sem ferro.</p> <p>Mais informaes: meliponariocapixaba@gmail.com - Telefones: (27) 3081 2006 - (27) 98141687- Estado do Esprito Santo - joaoluizteixeirasantos@yahoo.com.br------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------5 - Diviso e Enxameamento Para Isca.</p> <p>Conseguir enxameamento de meliponas como a uruu para isca bastante difcil. Algumas pessoas j conseguiram ter enxameamento de mandaaias para caixas de abelhas apis e h relatos de enxameao delas at em caixa de leite.</p> <p>J com jata mais fcil. No blog tem uma postagem sobre isca feita com garrafa PET. De Outra forma, basicamente enrolar PET com jornal para manter a temperatura agradvel, e depois com um plastico preto para escurecer bastante dentro da garrafa. A entrada para as abelhas, no caso de jata pode ter a bitola de uma caneta, por exemplo. pode ser feito na tampa da garrafa e esta ficar no local escolhido, deitada. Deve-se ainda fazer pequenos furos com uma agulha para eventual umidade escorrer para o jornal.Uma outra opo deixar a garrafa de p e ainda colocar um pedao de canudo destes mais grossos, de vitamina.</p> <p>2</p> <p>mailto:meliponariocapixaba@gmail.comhttp://meliponariocapixaba.blogspot.com//</p> <p>Para atrair as abelhas, o ideal seria conseguir um pouco do propolis e de cera da prpria abelha que se deseja. O propolis deve ser posto na garrafa, antes ser furada, depois escorrido para ficar o cheiro. Pode tambm fazer uns aneis com a cera da abelha e colocar em volta do furo de entrada e umas bolinhas de cera no interior dela. No caso de no se conseguir material da prpria jata goteje propolis de abelhas apis mesmo, estes de farmcia. O anel de cera que citei pode ser feito com um pedao do pito de entrada de alguma colnia que exista na natureza. Elas iro recompo-lo, rapidamente. A isca pode ser feita tambm diretamente em uma caixa de abelha vazia. Lembrar de coloca-las longe de muita umidade e de sol direto.</p> <p>Quanto a diviso (desdobramento), de forma resumida, feito, pegando-se de uma colnia forte, favos de crias com as abelhas j comeando a nascer e abelhas aderentes, ou seja, aquelas recm nascidas, que so colocados na nova caixa. No necessrio muitos favos (discos) de cria. Uns dois j basta. Depois, se for o caso pode-se colocar mais. Esta caixa filha vai ficar no local em que est a caixa escolhida para doar as abelhas campeiras, de preferencia que no seja a mesma que doou as crias para no sacrifica-la.</p> <p>Isto em uma caixa cbica, pois se for caixas de gavetas (INPA, Fernando de Oliveira), vai-se apenas retirar uma gaveta em que estiverem as abelhas nascentes, e coloca-la sobre o ninho da nova caixa. Hoje em dia, alguns esto esto optando por fazer um poro, e nele colocar o furo de entrada e um labirinto de madeira ou com um pedao cano destes com estrias, utilizados em construes para se passar fios eltricos. Sobre ele ento posta a gaveta com as crias para al se iniciar uma nova colnia.</p> <p>Esta caixa filha ento vai ficar no local onde esteja uma colnia forte, para assim, ser abastecida de campeiras. A caixa deve ser lacrada com fita crepe, para evitar a entrada dos fordesos, pequenas moscas que quando colocam os ovos, as larvas devoram as crias das abelhas. Deve-se tambm, colocar pequenas vazilhas com vinagre, para os fordeos serem atrados, al entrar e se aforarem. Os furos devem ser pequenos para que passem apenas os fordeos. No caso de jata no necessrio tanta precauo, pois os fordeos no as incomodam muito. Porm previnir pouco custa.</p> <p>No primeiro dia, no recomendvel dar alimento. No dia seguinte, um xarope com gua e aucar no mesmo volume ou mel puro. Utilize uns palitos ou tela para que as abelhas no se afoguem. Evitar abrir muito.</p> <p>Depois de 20 a 30 dias deve-se abrir com muito cuidado uma pequena janela no invlucro do ninho para verificar se tem postura. Caso no haja posturas, a colocar mais crias nascentes.</p> <p>Fonte: http://meliponariocapixaba.blogspot.com// - acesso em 23/06/2010------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------6 - Quase 30 mil hectares de desmatamento na Mata Atlntica entre 2008 e 2010</p> <p>Mais de 20,8 mil hectares de Mata Atlntica - o equivalente a 130 Parques do Ibirapuera - foram desmatados entre 2008 e 2010 no Brasil. Desta vez, o bioma que j perdeu cerca de 93% de sua rea original foi mais maltratado em Minas Gerais. O Estado liderou com folga o ranking dos maiores destruidores da floresta, com 12,5 mil hectares cortados.</p> <p>A transformao da mata em carvo para abastecer a siderurgia apontada como uma das causas para o alto desmatamento em Minas. Na sequncia, aparecem no ranking o Paran (2,6 mil hectares perdidos) e Santa Catarina (2,1 mil hectares).</p> <p>3</p> <p>http://meliponariocapixaba.blogspot.com//</p> <p>Os dados so da Fundao SOS Mata Atlntica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Foram detectados desmatamentos maiores que 3 hectares e analisados 9 dos 17 Estados que possuem Mata Atlntica. No foi possvel observar o Nordeste em razo da grande cobertura de nuvens que atrapalhou a visualizao das imagens do satlite Landsat 5.</p> <p>Segundo Mario Mantovani, diretor de Polticas Pblicas da SOS Mata Atlntica, as denncias sobre a origem do carvo tm se repetido, mas no se observa "a presena do poder pblico nesses lugares". "No existe fiscalizao efetiva. E h grandes empresas que dizem ter responsabilidade social, mas que no sabem a origem dos produtos que compram", afirma.</p> <p>Outra preocupao com Minas um projeto de lei que pretende tirar a proteo das matas secas (com rvores que perdem suas folhas durante a estao seca), consideradas Mata Atlntica. Isso pode acelerar a devastao. A proposta foi aprovada em primeiro turno e aguarda a segunda votao. "Consideramos o projeto inconstitucional e esperamos que o governador no sancione", diz Aline Cardoso, assessora jurdica da Associao Mineira de Defesa do Ambiente.</p> <p>O Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hdricos (Sisema) de Minas destaca que o Estado possui a maior rea remanescente de Mata Atlntica. E ressalta que "o nmero de municpios mineiros que desmatou o bioma caiu de 405, no perodo de 2005/2008, para 159 no ltimo levantamento". O Instituto Ao Brasil (AIBr) afirma que, at 2012, 100% do carvo vegetal usado pela indstria do ao ser proveniente de florestas plantadas.</p> <p>Longe da meta. Foi observada queda de 21% na taxa mdia anual de desmate da Mata Atlntica se comparado com o perodo anterior do estudo, de 2005 a 2008. O dado, porm, no animador. O Pas se comprometeu na Conveno sobre Diversidade Biolgica (CDB) a zerar o desmate no bioma at este ano, o que est longe de acontecer.</p> <p>E, para Mrcia Hirota, coordenadora do Atlas pela SOS Mata Atlntica, a queda da taxa no ocorreu em todos os Estados. Minas teve aumento de 15% e o Rio Grande do Sul, de 83%. Neste, no foi identificada a causa da transformao da floresta, o que ser investigado a partir de agora. Os desmates foram observados na regio serrana.</p> <p>Tambm no Sul, Santa Catarina tem sido observado de perto aps aprovar em 2009 lei que afrouxou as regras ambientais - permitindo a reduo da faixa de preservao ao longo de rios. O Estado diminuiu a taxa anual de desmatamento em 75% em relao ao perodo anterior, mas ainda continua em terceiro no ranking dos maiores desmatadores.</p> <p>Para Mrcia, as chuvas e acidentes naturais que atingiram Santa Catarina podem ter contribudo para frear a economia e, com isso, o desmatamento. "Estamos dando uma boa notcia para Santa Catarina. O governo agora precisa aprender com isso e mostrar que possvel proteger a Mata Atlntica", afirma Mantovani. </p> <p>Fonte: www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100527/not_imp557376,0.php - O Estado de So Paulo------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------7 - Melipnrio do Serto </p> <p>http://www.meliponariodosertao.com/2010/06/interacoes-sociais-entre-especies.html - O Meliponrio do Serto surgiu da necessidade de organizar uma atividade familiar que foi passada de Av para neto. Para mim e minha famlia, a criao de Abelhas Indgenas Sem Ferro uma </p> <p>4</p> <p>http://www.meliponariodosertao.com/2010/06/interacoes-sociais-entre-especies.htmlhttp://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100527/not_imp557376,0.php</p> <p>atividade nobre, importante ecologicamente falando e acima de tudo prazerosa.Somos um empreendimento familiar, direcionados para a criao de abelhas nativas do Brasil, com nfase na Abelha Jandara (Melipona Subnitida) para produo de Mel e formao de novas colnias.</p> <p>Estamos localizados no Municpio de Mossor-RN (sede) e Taboleiro Grande-RN, cada meliponrio tem seus objetivos prprios, o de Mossor responsvel pela produo de novas colnias e outro est direcionado para produo de mel.</p> <p>Para mais informaes: Fone: 84 9150 2506 (principal) - 84 88545926; 84 3315 3847 (trabalho)E-mail: kalhil_p@yahoo.com.br - Msn: kalhilpereira@hotmail.com------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------8 -Meliponrio Alencar </p> <p>http://meliponarioalencar.blogspot.com/ - Mais um representante dos amantes da n...</p>