BOLETIM Análise de Conjuntura LABORES Laboratório ... ?· CONJUNTURA ECONÕMICA BOLETIM –Análise…

Download BOLETIM Análise de Conjuntura LABORES Laboratório ... ?· CONJUNTURA ECONÕMICA BOLETIM –Análise…

Post on 20-Jan-2019

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

CONJUNTURA ECONMICA

BOLETIM Anlise de Conjuntura Econmica

Nmero 1 Maio 2018

Este boletim parte de um programa de pesquisa e extenso do curso de Cincias

Econmicas da Universidade Catlica de Santos em um processo contnuo de anlise da

conjuntura econmica Nacional e Regional.

Elaborado pelo Laboratrio Econmico Social (LABORES) da Universidade Catlica de

Santos, rene estudantes e docentes-pesquisadores dos cursos da rea de Negcios.

Conjuntura econmica

O custo do conjunto de alimentos essenciais, que formam

a cesta bsica, em abril diminuiu em 16 capitais, segundo os dados da pesquisa realizada pelo

Departamento Intersindical de Estatstica e Estudos Socioeconmicos (DIEESE). A cesta bsica

mais cara foi a do Rio de Janeiro (R$ 440,06), seguida por So Paulo (R$ 434,80). Os preos

mdios da cesta caram em todas as capitais nos ltimos 12 meses.

Os dados do IBGE apontam que o excelente desempenho, da agropecuria, fechando

o ano de 2017 com uma safra recorde de gros, foi muito importante para a conteno dos

preos dos alimentos e, dessa forma, para a queda da inflao oficial (IPCA).

A agropecuria foi a grande responsvel pela evoluo positiva do PIB em 2017, como

mostra o grfico abaixo.

LABORES Laboratrio Econmico Social Universidade Catlica de Santos

CONJUNTURA ECONMICA

O grfico acima tambm registra que o PIB como um todo cresceu apenas 1% em

2017. Entre 2015 e 2016, a economia brasileira enfrentou a segunda maior recesso da histria,

com queda acumulada do PIB de 7%. Assim, o crescimento do PIB verificado em 2017 foi fruto

de uma base de comparao muito fraca.

A grande safra agrcola do pas ajudada pelas boas condies climticas durante o ano

no foi acompanhada por um grande crescimento no consumo, devido ao baixo poder de compra

das famlias, ao desemprego alto e o elevado endividamento.

O consumo das famlias de uma forma geral cresceu somente 1% em 2017 em relao a

2016, aps dois anos seguidos de queda (-4,3% em 2016 e -3,2% em 2015), segundo o IBGE.

O percentual de famlias com algum tipo de dvida chegou a 61,2% em fevereiro deste

ano, de acordo com a Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplncia do Consumidor da

Confederao Nacional do Comrcio (CNC). Os dados incluem as dvidas com cheque pr-datado,

carto de crdito, cheque especial, carn de loja, emprstimo pessoal, prestaes de carro e

seguro.

Segundo o IBGE, a taxa de desocupao no Brasil no trimestre concludo em maro de

2018 o maior nvel desde maio do ano passado. Isso significa que 13,7 milhes de pessoas esto

desempregadas no pas, adiando compras e mantendo a economia imobilizada. O nmero

CONJUNTURA ECONMICA

elevado limita o consumo das famlias e tem freado a retomada da atividade econmica no pas.

Alm disso, grande parte das vagas que chegaram a ser criadas so de postos por conta prpria

ou sem carteira assinada, aumentando a informalidade e a precarizao do trabalho.

Assim, as quedas dos preos da cesta bsica no podem ser explicadas somente pelo

crescimento da oferta agrcola. Pelo lado da demanda o alto desemprego e o elevado

endividamento das famlias brasileiras levam a um baixo crescimento do consumo e, portanto,

dos preos da cesta bsica.

Os principais indicadores da economia brasileira referentes aos primeiros meses deste

ano mostram que a produo e o emprego ainda esto longe de ter iniciado um processo de

recuperao minimamente consistente apesar da queda da inflao e dos juros.

CONJUNTURA ECONMICA

Coordenador: Prof. Me. Kerginaldo Tomio Yamashiro

Coordenao do curso de Cincias Econmicas, Administrao e Cincias Contbeis Prof.

Me. Elias Salim Haddad Filho.

Diretora do Centro de Cincias Sociais Aplicadas e Sade Prof. Me. Mnica L. das Neve

Recommended

View more >