boletim 14 da rede portuguesa de cidades educadoras

Download Boletim 14 da Rede Portuguesa de Cidades Educadoras

Post on 16-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Boletim da Rede Portuguesa de Cidades Educadoras

TRANSCRIPT

  • A sociedade de hoje vive uma gravssima crise econmica e finan-

    ceira, que poucos destas geraes actuais se recordam de terem

    estado em situao semelhante de incerteza no futuro, provocado

    por uma crise de confiana no presente. Esta crise poder ter as

    suas consequncias psicolgicas e sociais.

    nestas alturas de dificuldades, que os meios financeiros podero

    e devero ser substitudos pela imaginao, criatividade e inovao.

    Ser nestes tempos em que a educao, quer seja formal quer seja

    informal, se dever pautar por valores que por vezes tm sido esque-

    cidos, e que fazem, no entanto, parte permanente dos discursos,

    mas ausentes das prticas. Ser a altura propicia para perodos

    de reflexo sobre o modus vivendi das sociedades, num passado

    recente em que a abundncia de meios materiais era uma realidade,

    permitindo at por vezes, devaneios, consumismo exacerbado e

    m utilizao dos mesmos, que de forma inconsequente, se foram

    delapidando. O primado dos meios materiais vir dar vez ao primado

    social, nestes tempos conturbados em que a sociedade espera que

    as comunidades educativas, em toda a sua plenitude, tenham um

    papel preponderante e eficaz na formao dos homens de amanh.

    Quando um dia, eu dizia para uma professora que solicitava material

    para a sua aula e esse mesmo material ainda no tinha sido forne-

    cido: at com um compasso se desenha uma circunferncia,

    estava to s a querer dizer que existem sempre outros meios de

    fazer a mesma coisa, dependendo apenas da imaginao.

    O papel das cidades educadoras torna-se agora mais claro e como

    a necessidade agua o engenho, vamos cada um de ns, nas nossas

    comunidades, fazer o melhor que pudermos e soubermos, para ultra-

    passar estes momentos de dificuldades, porventura, criadas por ns.

    Jos Carlos Martins Rolo

    Vice-Presidente

    Cmara Municipal de Albufeira

    REDE PORTUGUESA

    das CIDADES EDUCADORAS

    Boletim n14 | 2010

    Editorial

    Encontro da Rede Territorial Portuguesadas Cidades Educadoras em Portimo

    O Teatro Municipal de Portimo TEMPO, recebeu no passado dia

    16 de Julho, o Encontro Nacional da Rede Territorial Portuguesa das

    Cidades Educadoras, com a presena de onze Municpios membros

    da Rede Portuguesa e de dois Municpios algarvios convidados

    (Lagoa e Lagos), num total de 26 pessoas.

    A Vereadora da Cmara Municipal de Portimo, Isabel Guerreiro,

    fez a apresentao dos oradores participantes na mesa redonda

    Escola Activa e a Cidade Uma experincia na regio do Algarve:

    Eduardo Fernandes, representante da Direco Regional de Educao

    do Algarve e coordenador do Projecto; Teresa Sancho, representante

    da Administrao Regional de Sade do Algarve e coordenadora do

    Projecto Combate Obesidade Infantil no Algarve; e Ana Vidigal,

    da Federao Regional das Associaes de Pais do Algarve (FRAPA).

    Foi apresentado o projecto de combate obesidade e sedentarismo

    infantil, introduzido nas Actividades de Enriquecimento Curricular, que

    envolveu neste ano lectivo 16 autarquias do Algarve, 47 Agrupa-

    mentos de Escolas e 20.120 alunos, tendo em vista uma maior prtica

    de actividade fsica nos estabelecimentos de ensino.

    O projecto desenvolve-se em cinco grandes eixos: Formao/Sensi-

    bilizao (presena de atletas conhecidos); actividades com os alunos

    formal (actividade fsica e cognitiva), informal (promoo de even-

    tos), interdisciplinaridade; avaliao adeso

    e aptido do aluno (fitness grade); com-

    ponente social integrada (envolvimento das

    famlias); e divulgao e promoo das vrias

    actividades desenvolvidas (Jornal Escolar,

    Eventos, Materiais criados e produzidos no

    mbito do projecto).

    Encontro Nacional

    guedaAlbufeiraAlmadaAmadoraAzambujaBarreiroBragaCmara de LobosCascaisChaves

    CoimbraEsposendevoraGuardaGrndolaLeiriaLisboaLoulLouresMiranda do CorvoMouraOdivelasOliveira de AzemisPaos de Ferreira

    PalmelaParedesPombalPortimoPortoRio MaiorSta. Maria da FeiraSanto TirsoSantarmS. Joo daMadeiraSever do VougaSilvesSintraTorres NovasTrofaVila Franca de XiraVila Nova de FamalicoVila Real

  • Para tal, foi necessrio o desenvolvimento de aces de formao

    acreditadas aos professores (25 horas, 6 aces a 275 docentes),

    tendo em vista a aplicao do Projecto na interdisciplinaridade dos

    programas lectivos, e aos pais (47 aces a 756 encarregados de

    educao), bem como uma avaliao da aptido fsica no JI e no 1.

    ciclo. Foram criados percursos na Natureza em 6 concelhos, durante

    os quais, para alm do exerccio fsico, as crianas afloram contedos

    das vrias matrias curriculares que esto a aprender. Cada Agrupa-

    mento participante recebe um galardo, que a Bandeira Escola Activa

    que ali hasteada.

    O Combate Obesidade Infantil no Algarve tem a colaborao da

    Administrao Regional de Sade do Algarve, em parceria com a

    Universidade do Algarve, Hospitais da Regio, Municpios, Associao

    de Municpios do Algarve, Federao das Associaes de Pais do

    Algarve, Direco Regional do Desporto do Algarve e Direco Regional

    de Educao do Algarve.

    Na segunda parte da ordem de trabalhos, coordenada pelo Vereador

    da Educao da Cmara Municipal de Lisboa, foram dadas infor-

    maes da Comisso de Coordenao desta Rede Territorial, nomea-

    damente: assuntos tratados na Assembleia Geral da AICE e Comits

    Executivos, que tiveram lugar durante o XI Congresso Internacional

    da AICE - anlise geral do Congresso Internacional, sua organizao,

    salientando a interveno dos representantes portugueses e ainda a

    necessidade que se fez sentir do portugus ser considerado como

    lngua oficial da AICE; processo de candidatura organizao do IV

    Congresso Nacional das Cidades Educadoras, a ter lugar em 2011

    (informao dada pelo representante do Municpio de vora); e mar-

    cao do prximo Encontro desta Rede Territorial.

    Da parte da tarde, os participantes tiveram oportunidade de efectuar

    uma visita guiada ao Museu de Portimo, instalado na antiga fbrica

    conserveira Feu Hermanos, que documenta o patrimnio histrico,

    etnogrfico e industrial da cidade e regio, recentemente galardoado

    pelo Conselho Europeu como Museu do Ano 2010.

    Tomo a liberdade de personalizar este espao

    de opinio, dando-vos conta do meu percurso

    recente na Educao.

    Quando, em Novembro passado, assumi o

    pelouro (da Educao) em Azambuja, j

    transportava comigo toda uma histria

    como docente no Concelho onde nasci e

    resido. Desde logo fiquei curiosa ao contactar mais de perto com

    um conceito que, sendo familiar, carecia de vivncia(s) o de Cidade

    Educadora.

    Rapidamente constatei que havia j um percurso consolidado na

    relao que este Municpio foi estabelecendo, ao longo do tempo, com

    os agentes educativos e com a Comunidade Educativa em geral.

    Apercebi-me tambm que o dilogo, a partilha de preocupaes e

    solues, bem como a cumplicidade entre a autarquia e os diversos

    agentes educativos eram bem mais prximos do que percepcionei

    enquanto estive no ensino. O pano de fundo era, to s, os nossos

    muncipes.

    Foi com agrado que constatei que os valores presentes nestas relaes

    se encontravam espelhados na Carta das Cidades Educadoras.

    Dar incio s minhas funes neste enquadramento foi-me particu-

    larmente gratificante. Assim, delineei a minha interveno a partir de

    uma das dimenses fundamentais na Educao: os Valores.

    Tive a oportunidade de reflectir que uma cidade s verdadeiramente

    educadora quando, nas relaes com a Comunidade, esto presentes

    valores como a equidade, a justia social, a transparncia, a honesti-

    dade tal como a Carta enuncia no seu prembulo: O direito a uma

    cidade educadora deve ser uma garantia relevante dos princpios de

    igualdade entre todas as pessoas, de justia social e de equilbrio

    territorial.

    () o municpio face a processos de tomada de decises em cada

    um dos seus domnios de responsabilidade, dever ter em conta o seu

    impacto educador e formativo (art. 6, I O Direito a uma Cidade

    Educadora) este o desafio quotidiano de quem tem de conciliar

    as decises da Administrao Central com a poltica local, sendo o

    reordenamento da Rede Escolar o exemplo actual mais paradigmtico

    de todos esses desafios.

    Acredito que, com os pressupostos enunciados e com a colaborao

    de outras estruturas, em particular do Conselho Municipal de Educao,

    encontraremos as respostas mais adequadas, porque Educar uma

    responsabilidade de Todos!

    Ana Maria Ferreira

    Vereadora do Pelouro da Educao

    Cmara Municipal da Azambuja

    Encontro Nacional

    Espao de Opinio

  • Circuito do Po

    No mbito do dia Internacional da Alimentao,

    a Cmara Municipal de Albufeira em conjunto

    com a NUCLEGARVE Aldeia da Solidarie-

    dade, organizou uma exposio interactiva

    para os alunos do Pr-Escolar e 1. Ciclo do

    Ensino Bsico, denominada: O Circuito do

    Po. Esta exposio decorreu entre os dias

    11 e 15 de Outubro no Espao Multiusos de

    Albufeira, entre as 9h e as 15h, e teve como principal objectivo dar a

    conhecer o ciclo do Po e proporcionar s crianas uma aprendizagem

    in loco do ciclo do po e contou com a presena de 1200 alunos das

    escolas do 1. Ciclo do Ensino Bsico do Concelho de Albufeira.

    Alunos e professores tiveram a oportunidade de descobrir alguns mis-

    trios da antiga histria do po, que aqui e ali se cruza com a histria

    da vida das gentes. As tradies e os espaos marc

Recommended

View more >