Biologia - Pré-Vestibular Vetor - Bio1 Fisiologia - Sistema Endócrino

Download Biologia - Pré-Vestibular Vetor - Bio1 Fisiologia - Sistema Endócrino

Post on 06-Jun-2015

6.550 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>Sistema Endcrino O sistema endcrino formado pelo conjunto de glndulas endcrinas, as quais so responsveis pela secreo de substncias denominadas hormnios. As glndulas endcrinas (do grego endos, dentro, e krynos, secreo) so assim chamadas porque lanam sua secreo (hormnios) diretamente no sangue, por onde eles atingem todas as clulas do corpo. Cada hormnio atua apenas sobre alguns tipos de clulas, denominadas clulas-alvo. As clulas alvo de determinado hormnio possuem, na membrana ou no citoplasma, protenas denominadas receptores hormonais, capazes de se combinar especificamente com as molculas do hormnio. apenas quando a combinao correta ocorre que as clulas-alvo exibem as respostas caractersticas da ao hormonal. A espcie humana possui diversas glndulas endcrinas, algumas delas responsveis pela produo de mais de um tipo de hormnio. Hipotlamo Localizado no crebro diretamente acima da hipfise, conhecido por exercer controle sobre ela por meios de conexes neurais e substncias semelhantes a hormnios chamados fatores desencadeadores (ou de liberao), o meio pelo qual o sistema nervoso controla o comportamento sexual via sistema endcrino. O hipotlamo estimula a glndula hipfise a liberar os hormnios gonadotrficos (FSH e LH), que atuam sobre as gnadas, estimulando a liberao de hormnios gonadais na corrente sangunea. Os hormnios gonadais so detectados pela hipfise e pelo hipotlamo, inibindo a liberao de mais hormnio pela hipfise, por feed-back. Como a hipfise secreta hormnios que controlam outras glndulas e est subordinada, por sua vez, ao sistema nervoso, pode-se dizer que o sistema endcrino subordinado ao nervoso e que o hipotlamo o mediador entre esses dois sistemas O hipotlamo tambm produz outros fatores de liberao que atuam sobre a adeno-hipfise, estimulando ou inibindo suas secrees. Produz tambm os hormnios ocitocina e ADH (antidiurtico), armazenados e secretados pela neuro-hipfise. Hipfise (ou glndula Pituitria) A hipfise dividida em trs partes, denominadas lobos anterior, posterior e intermdio, esse ltimo pouco desenvolvido no homem. O lobo anterior (maior) designado adeno-hipfise e o lobo posterior, neuro-hipfise. Hormnios produzidos no lobo anterior da hipfise</p> <p>iodo para sua elaborao, e so responsveis por aumentar a velocidade dos processos de oxidao e de liberao de energia nas clulas do corpo, elevando a taxa metablica e a gerao de calor. Estimulam ainda a produo de RNA e a sntese de protenas, estando relacionados ao crescimento, maturao e desenvolvimento. A calcitonina, outro hormnio secretado pela tireide, participa do controle da concentrao sangnea de clcio, inibindo a remoo do clcio dos ossos e a sada dele para o plasma sangneo, estimulando sua incorporao pelos ossos. Paratireides So pequenas glndulas, geralmente em nmero de quatro, localizadas na regio posterior da tireide. Secretam o paratormnio, que estimula a remoo de clcio da matriz ssea (o qual passa para o plasma sangneo), a absoro de clcio dos alimentos pelo intestino e a reabsoro de clcio pelos tbulos renais, aumentando a concentrao de clcio no sangue. Neste contexto, o clcio importante na contrao muscular, na coagulao sangnea e na excitabilidade das clulas nervosas. Supra-Renais ou Adrenais Em cada glndula supra-renal h duas partes distintas; o crtex e a medula. Os vrios hormnios produzidos pelo crtex - as corticosteronas - controlam o metabolismo do sdio e do potssio e o aproveitamento dos acares, lipdios, sais e guas, entre outras funes. A medula produz adrenalina (epinefrina) e noradrenalina (norepinefrina). Esses hormnios so importantes na ativao dos mecanismos de defesa do organismo diante de condies de emergncia, tais como emoes fortes, "stress", choque entre outros; preparam o organismo para a fuga ou luta. Hormnios produzidos pelas Ilhas Pancreticas Insulina - Facilita a penetrao da glicose, presente no sangue circulante, nas clulas, em particular nas do fgado, onde convertida em glicognio (reserva de glicose). Glucagon (glucagnio) - Responsvel pelo desdobramento do glicognio em glicose e pela elevao de taxa desse acar no sangue circulante. Ovrios Na puberdade, a adeno-hipfise passa a produzir quantidades crescentes do hormnio folculo-estimulante (FSH). Sob a ao do FSH, os folculos imaturos do ovrio continuam seu desenvolvimento, o mesmo acontecendo com os vulos neles contidos. O folculo em desenvolvimento secreta hormnios denominados estrgenos, responsveis pelo aparecimento das caractersticas sexuais secundrias femininas. Outro hormnio produzido pela adeno-hipfise - hormnio luteinizante (LH) atua sobre o ovrio, determinando o rompimento do folculo maduro, com a expulso do vulo (ovulao). O corpo amarelo (corpo lteo) continua a produzir estrgenos e inicia a produo de outro hormnio - a progesterona - que atuar sobre o tero, preparando-o para receber o embrio caso tenha ocorrido a fecundao. Testculos Entre os tbulos seminferos encontra-se um tecido intersticial, constitudo principalmente pelas clulas de Leydig, onde se d a formao dos hormnios andrgenos (hormnios sexuais masculinos), em especial a testosterona. Os hormnios andrgenos desenvolvem e mantm os caracteres sexuais masculinos. Outras funes endcrinas Alm das glndulas endcrinas, a mucosa gstrica (que reveste internamente o estmago) e a mucosa duodenal (que reveste internamente o duodeno), tm clulas com funo endcrina. As clulas com funo endcrina da mucosa gstrica produzem o hormnio gastrina; e as da mucosa duodenal produzem os hormnios secretina e colecistoquinina.</p> <p>Somatotrofina (GH) - Hormnio do crescimento. Hormnio tireotrfico (TSH) - Estimula a glndula tireide. Hormnio adrenocorticotrfico (ACTH) - Age sobre o crtex das glndulas supra-renais. Hormnio folculo-estimulante (FSH) - Age sobre a maturao dos folculos ovarianos e dos espermatozides. Hormnio luteinizante (LH) - Estimulante das clulas intersticiais do ovrio e do testculo; provoca a ovulao e formao do corpo amarelo. Hormnio lactognico (LTH) ou prolactina - Interfere no desenvolvimento das mamas, na mulher e na produo de leite.</p> <p>Hormnios secretados pelo lobo posterior da hipfise</p> <p>Ocitocina - Age particularmente na musculatura lisa da parede do tero, facilitando, assim, a expulso do feto e da placenta. Hormnio antidiurtico (ADH) ou vasopressina - Constitui-se em um mecanismo importante para a regulao do equilbrio hdrico do organismo.</p> <p>Tireide Localiza-se no pescoo, estando apoiada sobre as cartilagens da laringe e da traquia. Seus dois hormnios, triiodotironina (T3) e tiroxina (T4), requerem</p> <p>Exerccios 1) (UERJ 2000)Tcnica reverte menopausa e devolve fertilidade Mulher estril voltou a produzir vulos aps receber um transplante de ovrio congelado nos Estados Unidos ( O Globo, 24/09/99) No procedimento mdico-cirrgico acima, o tecido ovariano transplantado foi induzido por hormnios a produzir vulos. Isso foi possvel porque a funo ovariana estimulada pelos seguintes hormnios secretados pela hipfise: (A) estrognio e progesterona (B) estrognio e hormnio luteinizante (C) folculo estimulante e progesterona (D) folculo estimulante e hormnio luteinizante 2) (UERJ 2002) J no incio do sculo passado, demonstrava-se, experimentalmente, que a retirada do pncreas alterava o metabolismo dos glicdios em animais, provocando hiperglicemia no-reversvel, mesmo com a administrao de extratos integrais pancreticos. Os cientistas Banting e Best realizaram, em 1921, uma experincia que consistiu em obstruir o duto excretor principal do pncreas de um co. Tal manobra destri a parte excrina do rgo, mas no altera as ilhotas pancreticas responsveis pela atividade endcrina dessa glndula. Semanas aps, os cientistas retiraram o pncreas, assim degenerado, e injetaram seu extrato integral em um outro co pancreatectomizado, medindo suas alteraes glicmicas ao longo de trs dias. No grfico abaixo, elaborado pelos prprios cientistas, as setas indicam os momentos das injees. Observe que o extrato de pncreas de uma das injees foi previamente incubado com suco pancretico.</p> <p>Explique o porqu da presena de glicosria (eliminao de glicose na urina) e de hiperglicemia (elevada taxa de glicose sangnea), quando ocorre diabetes mellitus. 5) (UFRJ 2004) O uso da droga tamoxifen reduz muito as chances de desenvolvimento do cncer de mama nas mulheres que fazem parte do grupo de risco dessa doena. O cncer de mama uma proliferao anormal de clulas e o uso dessa droga inibe os receptores de estrognio da mama. Quando esse medicamento ainda no existia, o tratamento convencional para mulheres com grande risco de desenvolver cncer de mama era a retirada dos ovrios. Explique por que esse antigo procedimento de preveno do cncer de mama era eficaz. 6) (UERJ 1998) O balano de clcio a diferena entre a quantidade de clcio ingerida e a quantidade excretada na urina e nas fezes. usualmente positivo durante o crescimento e a gravidez e negativo na menopausa, quando pode ocorrer a osteoporose, uma doena caracterizada pela diminuio da absoro de clcio pelo organismo. A baixa concentrao de on clcio (Ca++) no sangue estimula as glndulas paratireides a produzirem hormnio paratireideo (HP). Nesta situao, o hormnio pode promover a remoo de clcio dos ossos, aumentar sua absoro pelo intestino e reduzir sua excreo pelos rins. (Adaptado de ALBERTS, B. et al., Biologia Molecular da Clula. Porto Alegre: Artes Mdicas, 1997.) O grfico que melhor pode expressar a relao entre a produo do hormnio pelas paratireides e a concentrao de on clcio no sangue, :</p> <p>(Adaptado de BARRINGTON, E.J.W. The chemical basis of physiological regulation. Glenview: Scott, Foresman and Company, 1968.)</p> <p>7) (Unicamp 2003) No futuro, pacientes com deficincia na produo de hormnios podero se beneficiar de novas tcnicas de tratamento, atualmente em fase experimental, como o caso do implante das clulas (beta) das ilhas pancreticas. a) Qual a conseqncia da deficincia do funcionamento das clulas (beta) no homem? Explique. b) Alm das secrees de hormnios (endcrinas), o pncreas apresenta tambm secrees excrinas. D um exemplo de secreo pancretica excrina e sua funo. c) Por que neste caso a secreo chamada excrina? 8) (Unicamp 2005) O texto abaixo se refere ao relato de um viajante ingls que esteve em Minas Gerais entre 1873 e 1875: O bcio muito comum entre os camponeses mais pobres, mas raramente visto nos fazendeiros mais prsperos. A presena de cal nas guas dos crregos e uma atmosfera mida so consideradas as causas primrias do mal, mas hbitos indolentes e uma ausncia de toda higiene e limpeza, seja na prpria pessoa ou na casa, so sem dvida grandes promotores da doena. Pode ser, e possivelmente , hereditria, pois est principalmente confinada queles nascidos nas reas afetadas, e os colonos vindos de outras localidades no so muito sujeitos a ela. (Adaptado de James W. Wells, Explorando e viajando trs mil milhas atravs do Brasil, do Rio de Janeiro ao Maranho. v. 1. Belo Horizonte: Fundao Joo Pinheiro, 1995). a) Das causas mencionadas pelo autor, alguma realmente responsvel pelo aparecimento do bcio? Justifique. b) Qual a conseqncia do aparecimento do bcio para o organismo? c) Que medida foi tomada pelos rgos de sade brasileiros para combater o bcio endmico?</p> <p>(A) Explique as causas das alteraes da glicemia notadas no co aps as injees de extrato de pncreas e a injeo de extrato de pncreas previamente incubado com suco pancretico. (B) Indique a conseqncia da ao do hormnio pancretico envolvido neste experimento, tanto sobre a sntese quanto sobre a degradao de gorduras. 3) (UFRJ 1999) A plula anticoncepcional feminina composta de estrgenos e progestacionais sintticos que impedem a formao do vulo (ovcito II) pelo ovrio. Em geral, a mulher toma a plula por 21 dias consecutivos, interrompe o uso da plula por alguns dias e, em seguida, inicia uma nova srie. Alguns mdicos, entretanto, prescrevem o uso continuado da plula, sem interrupes. Que diferena no ciclo feminino, particularmente no tero, ter esse segundo procedimento, quando comparado ao uso interrompido do medicamento? 4) (UFRRJ 2002) A doena conhecida por diabetes mellitus decorrente da disfuno da glndula mista (anfcrina) chamada pncreas. Essa doena, quando no controlada por dietas e medicamentos, pode levar a um quadro clnico preocupante, inclusive com risco de coma e morte.</p> <p>GABARITO 1)D 2 ) a) Aps as injees de extrato de pncreas degenerado, a glicemia foi mantida baixa algum tempo, por ao da insulina. Quando, porm, foi injetado extrato de pncreas degenerado pr-incubado com suco pancretico, a insulina, sendo um hormnio polipeptdico, foi degradado pela ao das enzimas proteolticas deste suco, no havendo resposta hipoglicmica. b) Aumento da sntese e diminuio da degradao de gorduras. 3) Os hormnios sintticos inibem a ovulao e promovem o crescimento do endomtrio do tero. A interrupo da plula provoca a queda da taxa sangunea desses hormnios, o que acarreta a menstruao. Se o uso for contnuo, sem interrupes, no ocorre a menstruao. 4 ) Os rins eliminam glicose na urina (glicosria) porque esta encontra-se em excesso, uma vez que ocorre perda parcial ou total da capacidade de produzir insulina e, assim h acmulo de glicose no sangue (hiperglicemia) 5 ) O estrognio o hormnio responsvel pelo aparecimento dos caracteres sexuais secundrios tpicos das mulheres. Os altos nveis de estrgenos (do 6. ao 14. dia do ciclo menstrual) estimulam o crescimento do endomtrio e a multiplicao das clulas das mamas, o que aumenta a probabilidade da ocorrncia de clulas mutantes em mulheres do grupo de risco de desenvolverem a doena. 6)C 7) a) Diabetes. Baixa produo ou ausncia de insulina e conseqente elevao da glicose no sangue (deficincia na manuteno da glicemia). b) Suco pancretico. Enzimas digestivas proteolticas (ou protease); ou enzimas digestivas lipolticas (lipase); ou enzimas digestivas glicolticas (amilase); ou digesto de protenas; ou digesto lipdeos; ou digesto carbohidratos; Neutralizaoo do pH do quimo. c) Porque ela no lanada diretamente na circulao sangunea, mas em um duto ou na luz do trato digestivo. 8 ) a) No. O bcio causado pela deficincia de iodo na alimentao b) A diminuio na sntese dos hormnios tireoideanos causa diminuio da taxa metablica e altera o sistema nervoso, o tnus muscular, a presso sangunea, o ritmo cardaco. Causa letargia, diminuio do crescimento, cretinismo, obesidade, disfuno do sistema reprodutor, diminuio da temperatura corprea. c) Obrigatria adio de iodo ao sal de cozinha.</p>