Biologia - Pré-Vestibular Vetor - Bio1 Fisiologia - Sistema Circulatório

Download Biologia - Pré-Vestibular Vetor - Bio1 Fisiologia - Sistema Circulatório

Post on 06-Jun-2015

2.522 views

Category:

Documents

17 download

TRANSCRIPT

Fisiologia - Sistema Circulatrio Nosso sistema circulatrio, como o dos outros vertebrados, fechado, isto , o sangue circula sempre dentro dos vasos sanguneos, bombeado por contraes rtmicas do corao. Anatomia do corao O corao humano possui quatro cavidades internas, genericamente chamadas de cmaras cardacas. As duas cmaras superiores so os trios cardacos (ou aurculas); as duas cmaras inferiores so os ventrculos cardacos. Os ventrculos possuem uma parede bem mais espessa e musculosa que a dos trios. Essa diferena pode ser explicada pela funo que essas cmaras exercem na circulao sangunea: enquanto cada trio bombeia sangue apenas para o ventrculo imediatamente abaixo dele, o ventrculo direito bombeia sangue para os pulmes, e o esquerdo, para todas as partes do corpo. O trio cardaco direito comunica-se com o ventrculo direito atravs de um orifcio guarnecido pela valva atrioventricular direita (ou tricspide). O trio esquerdo comunica-se com o ventrculo esquerdo por um orifcio guarnecido pela valva atrioventricular esquerda (bicspide, ou mitral). A funo dessas valvas garantir a circulao do sangue no corao em um nico sentido, sempre do trio para o ventrculo. Em condies normais, no h nenhuma comunicao entre as metades direita e esquerda do corao.

Sstoles e distoles Quando os trios esto cheios, suas paredes contraem-se simultaneamente (sstole), bombeando o sangue para os ventrculos abaixo deles atravs das valvas atrioventriculares. Para receber o sangue dos trios, os ventrculos devem estar relaxados, isto , em distole. Portanto, a sstole atrial ocorre simultaneamente distole ventricular. Uma vez cheios, os ventrculos se contraem (sstole ventricular), o que faz as valvas atrioventriculares se fecharem, impedindo que o sangue retorne para os trios. O sangue sai, ento, atravs de grandes vasos ligados aos ventrculos. Do ventrculo direito parte o tronco pulmonar, que se ramifica nas artrias pulmonares, as quais conduzem sangue para os pulmes; do ventrculo esquerdo parte a artria aorta, que conduz sangue para todas as demais partes do corpo. A seqncia completa de distoles e sstoles das cmaras cardacas constitui o ciclo cardaco. O nmero de ciclos cardacos que ocorrem em determinado intervalo de tempo, ou seja, a freqncia cardaca, varia de acordo com o grau de atividade fsica da pessoa, dentre outras coisas. Em mdia, a freqncia cardaca oscila em torno de 70 a 80 ciclos, ou batimentos por minuto. Presso Arterial Quando o sangue bombeado pelos ventrculos, ele penetra nas artrias sob presso. As paredes arteriais relaxam e aumentam de volume, o que faz diminuir a presso em seu interior. Se as artrias no relaxarem o suficiente, a presso do sangue em seu interior pode subir a nveis perigosos, at mesmo com risco de ruptura de vasos. O relaxamento das paredes arteriais causado por impulsos nervosos que so produzidos a cada sstole ventricular e se propagam desde o corao at as extremidades das artrias mais finas. Aps a passagem do impulso, a artria volta a se contrair. Desse modo, durante a distole ventricular a artria j est contrada o suficiente para manter uma presso sangunea capaz de continuar impulsionando o sangue. A presso sangunea nas extremidades das artrias faz com que a gua e diversas substncias do sangue saiam dos capilares e banhem as clulas prximas, nutrindo-as e oxigenando-as. As clulas, por sua vez, eliminam gs carbnico e outras excrees no fluido proveniente dos capilares, reincorporando-se ao sangue. Assim, ao passar pelos capilares dos tecidos, o sangue torna-se mais pobre em nutrientes e em gs oxignio, pois estes foram absorvidos pelas clulas, e mais rico em gs carbnico e em excrees, substncias que as clulas eliminaram. O mecanismo de retorno do sangue ao corao ocorre de outra forma. Enquanto estamos em atividade, nossos msculos se contraem e comprimem as veias, causando deslocamento de sangue em seu interior. Dentro das veias h vlvulas que permitem que o sangue se desloque somente em direo ao corao. Os componentes do sangue O sangue humano constitudo por um lquido amarelado, o plasma sanguneo, e por trs tipos de clulas: hemcias (glbulos vermelhos), leuccitos (glbulos brancos) e plaquetas. Sistema Linftico O sistema linftico constitudo por uma ampla rede de vasos linfticos distribudos por todo o corpo. Estes vasos diferem dos capilares sanguneos por terminarem em fundo cego, isto , com extremidade fechada. Os capilares linfticos esto mergulhados entre as clulas dos tecidos, de onde captam o excesso de lquido que saiu dos capilares sanguneos e banham as clulas. Se, por algum motivo, o sistema linftico deixar de cumprir sua funo de drenagem do excesso de lquido extravasado dos capilares sanguneos, este se acumula no local, causando um inchao conhecido como edema linftico. A confluncia dos capilares linfticos origina vasos com calibres progressivamente maiores, que convergem para a regio torcica, onde formam dois grossos ductos linfticos, que se unem s veias provenientes dos braos. A o lquido que circula pelos vasos linfticos, a linfa, lanado no sangue e com ele se mistura. Em diversos pontos da rede linftica existem linfonodos, pequenos rgos perfurados por canais. Em seu caminho para o corao, a linfa circula pelo interior dos linfonodos, onde filtrada. Partculas como vrus, bactrias e resduos celulares so fagocitadas pelos linfcitos presentes nos linfonodos. Os linfonodos atuam na defesa do organismo. Quando nosso corpo invadido por microorganismos, os glbulos brancos presentes nos linfonodos prximos ao local da invaso comeam a se multiplicar ativamente, para dar combate infeco.

Circulao pulmonar e circulao sistmica Impulsionado pela contrao do ventrculo direito, o sangue vai aos pulmes para ser oxigenado, de onde retorna ao trio esquerdo. Impulsionado pela contrao do ventrculo esquerdo, o sangue vai para todos os sistemas do corpo, de onde retorna ao trio direito. Por isso, diz-se que nossa circulao dupla, sendo o trajeto corao pulmes corao denominado circulao pulmonar (ou pequena circulao) e o trajeto corao sistemas corporais corao denominado circulao sistmica (ou grande circulao). Artrias, veias e capilares sanguneos O corao conecta-se diretamente a dois tipos de vasos sanguneos: artrias e veias. Artrias so vasos de paredes relativamente grossas, que conduzem o sangue do corao para as diversas partes do corpo. Veias so vasos de paredes mais finas que as das artrias, que trazem o sangue de volta para o corao. As veias de maior calibre tm, em seu interior, vlvulas que impedem o refluxo de sangue, garantindo sua circulao em um nico sentido. As artrias que se ramificam pelo corao, e cuja funo alimentar e oxigenar o miocrdio (componente fundamental do corao), recebem o nome de artrias coronrias. O sangue sai do corao por grandes artrias, que se ramificam em artrias cada vez menores. Nos tecidos, as arterolas, que so as artrias mais finas, se ramificam em vasos ainda mais finos, os capilares sanguneos. Aps se ramificarem intensamente nos tecidos, os capilares sanguneos voltam a se fundir, originando finssimas veias, as vnulas. Estas fundem-se progressivamente entre si, formando veias com calibres cada vez maiores. Fisiologia da circulao O sangue que circulou pelo corpo chega ao corao por duas grandes veias veias cavas que desembocam no trio direito. A veia cava superior traz o sangue que circulou pela cabea, braos e parte superior do tronco e a veia cava inferior traz o sangue que circulou pelas pernas e pela parte inferior do tronco. O sangue que circulou pelos pulmes retorna ao corao por duas veias pulmonares que desembocam no trio esquerdo.

Exerccios 1 ) (UFBA) O grfico abaixo representa a saturao de hemoglobina em relao substncia X, em diferentes regies do sistema circulatrio.

5 ) (UFRJ - Modificada) Os seres humanos apresentam a circulao dupla, isto , o sangue bombeado pelo ventrculo direito vai aos pulmes, onde oxigenado, e volta ao corao; do corao, bombeado pelo ventrculo esquerdo, ele enviado para o corpo, retornando pela segunda vez ao corao. Qual a vantagem dessa dupla circulao em relao circulao simples? 6 ) (UFRJ 2000) Atualmente uma das estratgias mais promissoras no combate ao cncer a injeo de inibidores de angiognese (formao de vasos sangineos) no local do tumor. Considerando as funes do sangue, qual o princpio dessa estratgia? 7 ) (UFRJ 2007) O miocrdio (msculo cardaco) dos mamferos no entra em contato direto com o sangue contido nas cavidades do corao. Nesses animais, o miocrdio irrigado por artrias denominadas coronrias. Em muitas doenas cardacas, ocorre o bloqueio (entupimento) das artrias coronrias, o que pode levar a leses no miocrdio. Uma abordagem experimental para o tratamento de bloqueios coronarianos, testada com sucesso em animais, consiste em fazer minsculos furos nas paredes internas do ventrculo esquerdo. Por que esse tratamento eficaz no caso do ventrculo esquerdo mas no no caso do ventrculo direito? 8 ) (UFF 2007) Noel Rosa, um dos maiores compositores da msica brasileira, chegou a iniciar os estudos de Medicina, abandonando-os meses depois. Naquele perodo, escreveu os primeiros versos da msica Corao. Depois que ele gravou a msica, os colegas da Faculdade chamaram a ateno para as descries equivocadas sobre as funes do corao. (adaptado do site do Conselho Regional de Medicina do Estado de So Paulo, 2006) Corao, Grande rgo propulsor, Transformador do sangue Venoso em arterial; Corao, No s sentimental, Mas, entretanto, dizem Que s o cofre da paixo. a) Identifique o erro conceitual contido na primeira estrofe dessa msica. b) Relacione o sangue venoso e o arterial com cada um dos compartimentos do corao humano. c) Especifique onde e como ocorre o processo de hematose no organismo humano. 9 ) (UFRJ 1999) O grfico abaixo representa a saturao da hemoglobina com oxignio em funo da presso parcial de oxignio no ambiente. Os dois pontos assinalados na curva representam os nveis de saturao da hemoglobina em funo das presses parciais de oxignio no sangue arterial e no sangue venoso de um homem.

A substncia X : a) o gs carbnico b) o monxido de carbono c) o oxignio d) o carbonato e) o acar 2 ) (UERJ 2004) Artrias so vasos sangneos que transportam o sangue do corao para os tecidos, enquanto veias trazem o sangue para o corao. Admita, no entanto, que as artrias fossem definidas como vasos que transportassem sangue oxigenado e as veias, vasos que transportassem sangue desoxigenado. Neste caso, a artria e a veia que deveriam inverter suas denominaes, no ser humano, seriam, respectivamente, as conhecidas como: a) renal e renal b) aorta e cava c) coronria e porta d) pulmonar e pulmonar 3 ) As afirmaes a seguir encontram-se em um folheto para agentes de sade responsveis por medir a presso sangnea de pacientes que chegam a um centro mdico. Voc foi chamado a revis-lo, usando seus conhecimentos sobre o sistema circulatrio. I A presso mxima medida obtida quando o ventrculo esquerdo se contrai e a mnima, quando ele relaxa. II A presso sangnea pode ser medida em qualquer parte do corpo, j que ela igual em todo o sistema circulatrio. III O paciente deve evitar esforos fsicos antes do exame, pois isso alteraria os resultados. IV Os resultados sero alterados caso o paciente tenha ingerido alimentos excessivamente salgados antes do exame. V A presso sangnea maior no corao e nas veias e menor nas grandes artrias. As informaes CORRETAS so: a) I, II e III. d) II, III e V. b) I, III e IV. e) III, IV e V. c) I, IV e V. 4 ) (UFRRJ 2004) A presso sangunea nos capilares imprescindvel para a sada de gua para os tecidos. Essa sada leva gases e substncias para as clulas adjacentes. No final do capilar, a presso baixa, mas a presso osmtica do sangue alta, e parte do sangue retorna aos capilares e circulao sistmica. Sabendo que nem todo o lquido que extravasa para os tecidos retorna ao capilar, podemos afirmar que o acmulo de lquido nos tecidos evitado pela: a) ao de vlvulas venosas, que impulsionam o sangue para o corao. b) drenagem dos lquidos intersticiais pelo sistema linftico. c) presso hidrosttica dos vasos, que restabelecida no final do capilar. d) presso osmtica dos tecidos, que expulsa a gua para o sangue. e) utilizao da gua no metabolismo celular.

Identifique qual ponto corresponde saturao venosa e qual corresponde saturao arterial. Justifique sua resposta.

GABARITO 1)A 2)D 3)B 4)B 5 ) A circulao dupla completa garante uma eficiente oxigenao dos tecidos, contribuindo para o alto metabolismo celular dos mamferos. Ela vantajosa em relao circulao simples, uma vez que o sangue oxigenado, retornando ao corao, pode ser bombeado para as demais regies do organismo com uma presso relativamente maior. 6 ) Em geral as clulas de um tumor multiplicam-se rapidamente, o que exige nutrio abundante e constante, pela irrigao sangnea. Assim, a falta de circulao local produzida pelo inibidor de angiognese faz com que as clulas tumorais morram por inanio. 7 ) Os furos nas paredes do ventrculo esquerdo colocam o miocrdio em contato com o sangue, rico em oxignio, proveniente da circulao pulmonar. O sangue do ventrculo direito proveniente da circulao sistmica e, portanto, pobre em oxignio, e por isso no supre as demandas do miocrdio. 8 ) a) O corao no transforma o sangue venoso em arterial, apenas o propulsiona em direo aos rgos. Essa transformao feita pelos pulmes. Mais especificamente, por seus alvolos, devido ao aumento de presso de O2 e a sada do CO2 do sangue. b) No trio e ventrculo direito passa o sangue venoso, enquanto no trio e ventrculo esquerdo o sangue arterial. c) A hematose acontece nos alvolos pulmonares. Este processo ocorre atravs da difuso dos gases CO2 e O2. O O2 passa do interior dos alvolos, onde se encontra em maior concentrao, para o sangue. O CO2 sai do sangue venoso em direo ao interior dos alvolos. 9 ) O ponto 1 o nvel de saturao do sangue venoso. Essa presso baixa pois grande parte do O2 foi consumida pelos vrios tecidos. O ponto 2 o nvel de saturao do sangue arterial. Essa diferena deve-se hematose que ocorre ao nvel dos alvolos pulmonares.