bernardi & kowaltowski - artigo completo iberdiscap2006

Download Bernardi & Kowaltowski - Artigo Completo Iberdiscap2006

Post on 14-Sep-2015

215 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

educacional

TRANSCRIPT

PROGRAMA DA DISCIPLINA

Desenho Universal no Ensino de Projeto Arquitetnico: Uma Experincia Metodolgica

Nbia Bernardi 1; Doris C. C. K. Kowaltowski 2Dep. de Arquitetura e Construo, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo FEC- Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP - Avenida Albert Einstein, 951Cidade Universitria "Zeferino Vaz"; C.P 6021; CEP 13083-852, Campinas, SP, Brasil, Tel: +55 019 37882469, +55 019 37882301,Fax: 37882411. E-mail: nubiab@fec.unicamp.br , doris@fec.unicamp.brResumoO artigo discute uma proposta de aplicao dos conceitos do Desenho Universal no ensino do projeto arquitetnico atravs de uma experincia didtica com os alunos dos cursos de Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo da Unicamp, e apresenta a urgncia das questes sobre a incluso social. O objetivo geral da disciplina foi incluir tais conceitos no processo de projeto, visando a formao de projetistas conscientes em relao acessibilidade no ambiente construdo.

A metodologia incluiu atividades prticas como a avaliao da acessibilidade fsica do campus, dinmicas de percurso e um exerccio final de projeto arquitetnico com nfase na acessibilidade e no projeto participativo.

1.Introduo

A experincia didtica aqui relatada refere-se disciplina EC801- Tpicos Especiais em Arquitetura I, oferecida no 2o semestre de 2005, na Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da Unicamp, direcionada aos alunos dos cursos de Engenharia Civil e Arquitetura e Urbanismo da Unicamp. Tendo como nfase a abordagem ampla e profunda dos temas relacionados acessibilidade plena no ambiente construdo, atravs da prtica de projeto arquitetnico, o objetivo geral da disciplina incluiu os princpios do Desenho Universal durante o processo de projeto, visando a formao de profissionais com posturas conscientes e responsveis em relao este questionamento.

A metodologia incluiu aulas tericas acompanhadas de material expositivo ilustrativo, leituras obrigatrias e debates em sala de aula. Atividades prticas foram realizadas atravs de dinmicas: avaliao da acessibilidade fsica do campus, dinmicas de percurso [1], aqui denominadas percurso de sensibilizao e a aplicao dos conceitos apreendidos em um exerccio final de projeto arquitetnico com nfase na acessibilidade plena e no projeto participativo - integrao entre alunos e indivduos com deficincias (locomotoras, tteis, auditivas) - como forma de compreenso das reais necessidades do pblico alvo.

2.Metodologia

A estrutura do curso baseou-se em 4 temas que percorreram os temas clssicos da literatura sobre avaliao ps-ocupao (APO) at chegar aplicao dos conceitos do Desenho Universal propriamente ditos. As dinmicas e os exerccios foram estabelecidos para cada tema.

No Tema 1 foram abordados fatores introdutrios para a avaliao de um ambiente construdo, como a Avaliao Ps Ocupao (APO) que mais recentemente teve sua nomenclatura modificada para Building Performance Evaluation BPE [2] como forma mais abrangente de avaliar as condies construtivas e funcionais de uma edificao. Neste caso a avaliao abordou especificamente a verificao das condies de acessibilidade do campus; adotando os princpios de uma avaliao APO. Os locais escolhidos para a avaliao foram pr-definidos porque so de utilizao comum a todos os usurios (alunos, docentes, funcionrios e visitantes) do campus: Ciclo Bsico, Ciclo Bsico II, Educao Fsica, Biblioteca Central, Restaurante Universitrio.

Durante a avaliao in loco os alunos registraram a acessibilidade do campus em um relatrio tcnico e tambm aplicaram questionrios aos usurios do campus (alunos de graduao e ps-graduao, funcionrios e docentes) como forma de extrair dados sobre a percepo a aceitabilidade do espao pelos usurios.

O Tema 2 Percepo Ambiental - foi introduzido como forma de mostrar aos alunos a influncia da percepo ambiental e comportamental dos usurios no ambiente construdo. No exerccio proposto eles deveriam aplicar questionrios aos usurios do campus e a partir da prpria vivncia, classificar o ambiente em estudo utilizando uma escala semntica de percepo para a APO realizada.

O Tema 3 introduziu efetivamente os conceitos do Desenho Universal. A proposta para a seqncia de exerccios foi referenciada na experincia didtica do Iowa State University [3] que props a formao de uma equipe interdisciplinar engajando os estudantes de arquitetura da paisagem, arquitetura e projeto de interiores atravs da infuso no curriculum de mdulos awareness de intensidade crescente. O conceito de environmental awareness vislumbra a participao do usurio no espao em que vive [4]. Para SANOFF [5] todos os projetistas que esto preocupados com a qualidade de vida em um ambiente construdo devem considerar a participao dos usurios, envolvendo-os no processo de projeto. Isto nos leva a verificar a maneira como o projeto arquitetnico considera a importncia da psicologia comportamental aplicada aos conceitos de conforto e Desenho Universal, e de que maneira a percepo dos fatores relacionados ao conforto ambiental (temperatura, rudo, iluminao e funcionalidade) estimula a percepo do ambiente e, conseqentemente, o environmental awareness.

A infuso do mdulo awareness (no caso da escola norte-americana) comeou com o nvel de Consicentizao (Consciouness Level), onde os estudantes puderam expor projetos de espaos fsicos associados aos deficientes; passando ao nvel de Comprometimento (Engagement Level), evoluindo para o terceiro nvel - Valoraes (Accountability Level)- com avaliaes e chegando ao nvel mais alto Integrao (Integration Level) onde aplicaram os princpios automaticamente em seus projetos.

Com base nesta experincia, a disciplina EC801 do curso da Unicamp trabalhou no Tema 3 os dois primeiros nveis:

1) Mdulo Consciousness Level: mostra da vida real de pessoas com deficincias: exposio indireta atravs da exibio do filme Janela da Alma [6] (relatos de pessoas com deficincias visuais, relatos de profissionais que trabalham com a plstica visual cinegrafistas, atores, artistas plsticos). A finalidade foi romper preconceitos existentes sobre pessoas com deficincias.

2) Mdulo Engagement Level: experincias individuais em relao ao ambiente fsico. Exposio direta onde cada estudante assumiu uma deficincia. Esta dinmica foi denominada percurso de sensibilizao. Um grupo alunos simulou assumir dificuldades locomotoras, visuais, auditivas, enquanto o outro grupo relatou a experincias atravs de fotografias e relatrios de percepo (Figura 1a e 1b). Posterior inverso de papis entre os grupos. Nesta atividade os alunos fizeram uso de cadeira de rodas, muletas, mscara para os olhos (tipo sleep mask), protetor auricular. Posteriormente os alunos elaboraram os dirios de percurso para discusso em sala de aula.

Fig. 1a. Percurso de sensibilizao - cadeira de rodas

Fig. 1b. Percurso de sensibilizao - mscara visual

Ainda neste nvel foi solicitado aos alunos pesquisarem equipamentos e espaos fsicos necessrios para o desenvolvimento de diversas habilidades: pessoas com mobilidade reduzida; pessoas cegas; pessoas surdas e/ou com deficincia na fala; pessoas com paralisia cerebral; pessoas com deficincia mental.

A teoria sobre o Desenho Universal foi trabalhada atravs de aulas tericas e palestra de professor convidado.

No Tema 4 foi trabalhado a aplicao do Desenho Universal no Projeto Arquitetnico e finalizou com uma das atividades mais importantes da disciplina: o exerccio de projeto participativo (integrao entre alunos de arquitetura/engenharia com pessoas com deficincias visuais).

Foram discutidas diversas formas de execuo e apresentao de projetos arquitetnicos com a insero dos conceitos de Desenho Universal e os princpios da psicologia ambiental durante o processo de projeto. Entendemos que a incluso dos conceitos de environmental awareness quando aplicados nas discusses preliminares de projeto, podem gerar ferramentas e parmetros para a avaliao do ambiente construdo e contribuem para um projeto inclusivo de qualidade.

A acessibilidade plena prope novas atitudes na vida em sociedade e entendemos que a formao acadmica e, conseqentemente o processo de projeto, tambm devem modificar-se. Colocar o aluno no papel de uma pessoa com dificuldades locomotoras, auditivas, visuais vlido didaticamente, mas no suficiente para que ele execute um bom projeto arquitetnico e compreenda as reais necessidades dos usurios. Como pudemos verificar no exerccio de percurso de sensibilizao os alunos perceberam elementos do ambiente de maneira mais detalhada, principalmente os relacionados aos acessos edificao. Porm, em alguns casos, a dificuldade de locomoo mostrou-se ser temporria e foi inevitvel do uso do prprio corpo (no deficiente) no apoio ao deslocamento (Figura 2a e 2b).

Fig. 2a. Dificuldade de locomoo gera um apoio inevitvel por parte do no deficiente.

Fig. 2b. Detalhe da aluna colocando os ps no cho.

Conseqentemente, necessrio proporcionar aos alunos outras atividades durante o processo de projeto arquitetnico, porm, sem desmerecer o importante papel que a dinmica de percurso oferece como vivncia e potencial perceptivo de uma outra realidade sensitiva. Nesta disciplina procuramos estimular os alunos a investigarem diferentes ferramentas de anlise de projeto e acrescentar, ao processo, subsdios exploratrios do ambiente como, por exemplo, novas formas de exibio de um anteprojeto a pessoas que utilizam outras percepes sensoriais, que no somente a visual, mas a ttil e a sonora tambm. O objetivo fazer o aluno utilizar formatos pouco utilizados nos atelis de arquitetura, desde equipamentos (maquetes tteis, maquetes sonorizadas, traadores grficos e processos de prototipagem rpida), passando pela descrio de percurso e de obstculos, at chegar ao nvel de participao do usurio durante o processo de projeto que, neste caso, ocorreu atravs da int