bases Éticas www.nilson.pro.br 17/6/20141www.nilson.pro.br

Download BASES ÉTICAS www.nilson.pro.br 17/6/20141www.nilson.pro.br

Post on 18-Apr-2015

105 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Slide 1
  • BASES TICAS www.nilson.pro.br 17/6/20141www.nilson.pro.br
  • Slide 2
  • BASES TICAS DA EDUCAO CONCEITOS BSICOS DE FILOSOFIA FILOSOFIA PENSAR VIVER AGIR CAPACIDADE DE PENSAR O PR- PRIO PENSAMENTO TICA ETHOS GUARIDA HOSP. INCON- DICIONAL PROTEO CIDADANIA CIVIL CIDADANIA SOCIAL CIDADANIA ECONMICA VIRTUDE HBITO MODO DE SER CARTER DEVER-SER PROCESSO DE HUMANIZAO 17/6/20142www.nilson.pro.br
  • Slide 3
  • TICA tica vem do grego ethos, significa modo de ser ou carter morada, enquanto forma de vida adquirida ou conquistada pelo homem. 17/6/20143www.nilson.pro.br
  • Slide 4
  • MORAL Moral do latim mos ou mores, costume ou costumes significa conjunto de regras adquiridas por hbito. A moral se refere, ao comportamento adquirido ou modo de ser conquistado pelo homem. Conjunto de regras de conduta admitidas em determinadas pocas e consideradas absolutamente vlidas. 17/6/20144www.nilson.pro.br
  • Slide 5
  • TICA Empresarial, ecolgica, ambiental, educacional, poltica, no trnsito, na educao, na gentica, na pesquisa, na sade, na tecnologia, na cincia e da responsabilidade com o futuro. Condies para uma ao ser tica: Que sua essncia esteja em consonncia com o BEM, o JUSTO e o COLETIVO O ato e o efeito da ao provoca conseqncias boas ou mal. A condio de moralidade de uma ao est na escolha, pois a essncia humana sua liberdade. Ningum ensina tica, mas a deliberar. 17/6/20145www.nilson.pro.br
  • Slide 6
  • CONCEITOS E DIFERENAS TICA vem do grego ethos, que significa analogamente modo de ser ou carter enquanto forma de vida adquirida ou conquistada pelo homem. MORAL = costume, realizao da ao conjunto de regras, de condutas admitidas em determinadas pocas, consideradas absolutamente vlidas. 17/6/20146www.nilson.pro.br
  • Slide 7
  • DIFERENA ENTRE TICA E MORAL TICA: Sua funo terica. Pergunta: o que o bem, a justia, a prudncia, o respeito, etc. MORAL: aquilo que acontece seu carter histrico. 17/6/20147www.nilson.pro.br
  • Slide 8
  • TICA A tica busca o bem+justia+bem comum Teoria da felicidade. Teoria da vida bem sucedida. Ao que vise polticas pblicas Ao que vise a benevolncia Ao que vise a no-maleficncia 17/6/20148www.nilson.pro.br
  • Slide 9
  • TICA E MORAL Existe diferena entre tica moral? A funo da tica a mesma de toda a teoria: explicar, esclarecer ou investigar uma determinada realidade, elaborando os conceitos correspondentes. Ela busca o fundamento das normas morais. A moral aquilo que acontece. 17/6/20149www.nilson.pro.br
  • Slide 10
  • O QUE TICA E O QUE PRETENDE A tica a cognio do bem em forma de teoria. A partir de sua forma terica, ela se distingue dos ethos praticado de fato (HARTMANN, Klaus. O mundo da sade. p. 290). Ela deveria desenvolver aquilo que compatvel ou no com a dignidade do homem. Os requisitos necessrios de uma vida boa, e o que impe amor distncia para as geraes futuras. Quanto mais houver reflexo tica, quanto se delibera se reflete posturas ticas, tanto mais se abrir a possibilidade da percepo e avaliao da moralidade das aes. Isto contribuir para evitar a ambigidade das aes. 17/6/201410www.nilson.pro.br
  • Slide 11
  • POR QUE SOMOS MORAIS A moral um instrumento para a compensao de nossas limitadas simpatias. Se ns s podemos estar bem numa relao equilibrada de amor e se a relao equilibrada de amor no possvel sem a atitude moral, ento temos uma boas razes para nos entendermos moralmente. Quais as razes para nos comportarmos moralmente? Esto no fato de nos compreendemos como membros de uma comunidade moral em geral caso contrrio veramos nossos semelhantes como simples objetos e no como sujeitos responsveis ou dignidade. 17/6/201411www.nilson.pro.br
  • Slide 12
  • MODOS DE PENSAR A TICA tica conseqencialista tica dentica tica utilitarista 17/6/201412www.nilson.pro.br
  • Slide 13
  • POR QUE FALAMOS TANTO EM TICA NA ATUALIDADE No por modismo, nem por idealismo, mas por uma questo de sobrevivncia. Os anseios que esto em jogo so os da humanidade e podem ser representados pelos fundamentos ecumnicos: 17/6/201413www.nilson.pro.br
  • Slide 14
  • FUNDAMENTOS ECUMNICOS DA TICA Dignidade humana dignidade da vida O homem um fim em si e nunca pode ser tratado como um simples meio (Kant). Qualidade de vida um grito pela dignidade humana. Felicidade realizao humana. Vai alm da realizao subjetiva: poltica, social, cultural, profissional, em nvel de esperana e f. 17/6/201414www.nilson.pro.br
  • Slide 15
  • FUNDAMENTOS ECUMNICOS DA TICA Justia o fundamento que sustenta todo agir pelo JUSTO MEIO. Autonomia fazemos nossa prpria lei para buscarmos a realizao e no a destruio. Eticamente somos feitos para buscar a realizao. Sacralidade da vida a vida no tem preo, tem valor. 17/6/201415www.nilson.pro.br
  • Slide 16
  • TICA TRADICIONAL DIMENSO DO ESPAO = vizinhos, amigos, polis,agir prximo, antropocentrismo. = o futuro projetado parDIMENSO DO TEMPO a o alcance da eternidade 17/6/201416www.nilson.pro.br
  • Slide 17
  • A ORIGEM DA MORAL A moral uma espcie de pharmacon para a vida em sociedade. 17/6/201417www.nilson.pro.br
  • Slide 18
  • A ORIGEM DA MORAL EXAME DE CONSCINCIA DO LIVRO DOS MORTOS: SC. XVI A.C. No cometi nada do que os deuses detestam. No diminu a rao do templo, nem diminu os pes destinados aos deuses. No roubei os alimentos dos mortos. No denegri diante dos meus superiores a quem quer que seja. No deixei ningum com fome. No fiz ningum chorar. No matei ningum, nem ordenei que os matasse, nem lhe causei mal algum. No tirei o leite da boca das crianas. No saqueei, nem enganei; nem roubei, no fiz litgios; nem menti; no insultei; nem abusei da palavra; no ultrajei o rei; nem levantei demais a voz. No diminu a medida do trigo; nem falseei a medida agrria; nem a balana. No fui rude voz da justia. No pratiquei o vcio carnal. No rompi a fidelidade conjugal. 17/6/201418www.nilson.pro.br
  • Slide 19
  • A ORIGEM DA MORAL MANDAMENTOS DA BABILNIA (SEC. 14 C.) No peques contra o teu deus ou contra tua deusa (1 e 2 mandamento). No separes o pai do filho (4 mandamento). No desprezes teu pai e tua me (4 mandamento). No digas palavras de revolta (5 e 8 mandamento). No entres na casa do teu prximo (6 9 ou 7 mandamento). No te avizinhes da mulher do teu prximo (6 e 9 mandamento). No roubes a veste do teu prximo (7 mandamento). No digas falsidades (8 mandamento). No digas ou faas impurezas (6 mandamento). No transgridas a Justia (5 ou 7 mandamento). No faas sortilgios (1 mandamento). Observa as tuas promessas (1 mandamento). 17/6/201419www.nilson.pro.br
  • Slide 20
  • TICA E TECNOCINCIA A tica para o nosso tempo global e antropocsmica. H na atualidade uma nova dimenso de ESPAO e de TEMPO. O futuro concreto est na esfera do nosso poder. H um excesso de poder da cincia e uma onipotncia do conhecimento cientfico. 17/6/201420www.nilson.pro.br
  • Slide 21
  • IMPERATIVO PARA O NOSSO TEMPO Age de maneira tal que os efeitos de tuas aes no coloquem em risco a possibilidade de vida no futuro (Hans Jonas). 17/6/201421www.nilson.pro.br
  • Slide 22
  • TICA PARA O NOSSO TEMPO A tica do futuro Responsabilidade em relao ao frgil tica como exerccio de cidadania tica e educao tica ambiental: pensar globalmente e agir localmente tica como limite prudencial 17/6/201422www.nilson.pro.br
  • Slide 23
  • MODELOS TICOS tica grega Se preocupa com polis. Seu objetivo buscar a justia, o bem comum, a virtude, a felicidade, pela via deliberativa. A inteno de Aristteles mostrar que a felicidade (eudaimonia), consiste no compreender-se moralmente Os atos justos ocorrem entre pessoas que participam de coisas boas em si 17/6/201423www.nilson.pro.br
  • Slide 24
  • MODELOS TICOS A tica crist Ama teu prximo como a ti mesmo. Sermo da Montanha 17/6/201424www.nilson.pro.br
  • Slide 25
  • MODELOS TICOS tica social compreenso do homem como sujeito naturalmente emprico separao entre tica e religio. Consiste em determinar se o interesse est exclusivamente vinculado ao amor prprio, ao egosmo, ou tambm se supe tambm intenes altrusticas. 17/6/201425www.nilson.pro.br
  • Slide 26
  • TICA SOCIAL Mnimo Moral Benevolncia = fomos feitos para a sociedade e para o bem de nossos semelhantes, devemos ser zelosos de nossa prpria vida, sade e bens privados. 17/6/201426www.nilson.pro.br
  • Slide 27
  • MODELOS TICOS A tica do dever - para o indivduo. Procede apenas segundo aquela mxima, em virtude da qual podes querer ao mesmo tempo em que ela se torne uma lei universal. (Ou) Procede de maneira que trates a humanidade, tanto na tua pessoa como na de todos os outros, sempre e ao mesmo tempo como fim, e nunca como puro meio. (Ou) O homem um fim em si mesmo e no pode ser usado como meio (Kant). 17/6/201427www.nilson.pro.br
  • Slide 28
  • EXPLIQUE? Qual o sentido de uma ao por dever. Qual o sentido de uma ao conforme o dever. 17/6/201428www.nilson.pro.br
  • Slide 29
  • MODELOS TICOS tica da responsabilidade tica da convico (Max Weber). 17/6/201429www.nilson.pro.br
  • Slide 30
  • MODELOS TICOS tica da responsabilidade com o futuro e em relao e com a tcnica (Hans Jonas). Fundamentos da teoria da responsabilidade? Est na idia de que a natureza tem um fim: existir, ser, continuar existindo para s