bacia hidrográfica

Download Bacia Hidrográfica

Post on 15-Apr-2017

191 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Introduo

    O rio e a bacia hidrogrfica

    Delimitao da bacia hidrogrfica

    Padres de Escoamento e caracterstica da bacia

    hidrogrfica

    Fatores fisiogrficos

    Relao entre uso da terra e padres de escoamento

    Forma da Bacia e padro de escoamento

    Caractersticas do rio e escoamento na bacia

    Tempo de concentrao

    Caractersticas da rede de drenagem

  • Bacia Hidrogrfica uma rea definida topograficamente, drenada por um curso d'gua ou um sistema conectado de cursos d'gua, tal que toda a vazo efluente seja descarregada atravs de uma simples sada.

    (Viessman, Harbaugh and Knapp)

    "Bacia Hidrogrfica de uma seo de um curso d'gua a rea geogrfica coletora de gua de chuva que, escoando pela superfcie do solo, atinge a seo considerada."

    Exutrio ou Foz

  • em uma seo fluvial (exutrio) onde ser:

    construda uma infraestrutura: reservatrio, obra de drenagem...

    avaliada as cheias analisada as condies e Impacto nos

    ecossistemas aquticos

    A interligao das diversas sees fluviais pela rede de rios produz uma unidade na bacia de tal forma que a ao em um ponto da bacia condiciona os demais pontos.

    A bacia por drenar suas guas para um nico ponto possibilita uma operacionalizao mais fcil do balano hdrico.

  • Precipitao (P)

    Evaporao (E)

    Transpirao (T)

    ENTRADA

    SISTEMA

    HIDROLGICO

    A vazo frequentemente

    a varivel de maior

    interesse nos projetos de

    engenharia hidrolgica.

    SADA

    Vazo (Q)

    A Lei 9433-97 estabeleceu que a bacia hidrogrfica a unidade

    de planejamento de recursos hdricos

    (unidade de resposta hidrolgica)

  • BACIA HIDROGRFICA

  • O sistema Fluvial composto de trs zonas. Zona de Montante ou Zona 1 rea

    de drenagem onde grande parte do sedimento e da gua originria. A Zona 2

    a parte mdia do cursos dgua, rios de grandes dimenses tem longas Zona 2

    e em rios menores esta Zona pode desaparecer; esta uma zona de relativa

    estabilidade. Zona 3 a regio da baixa bacia.

  • A declividade longitudinal do perfil

    tem um decaimento exponencial na

    forma: S=S0e-ax; onde x a

    distncia para o trecho de

    declividade S0, e a coeficiente de

    reduo da declividade.

    o dimetro dos gros que tem

    um decaimento na forma

    d=d0e-bx.

  • CURSOS DGUA TORRENCIAIS Os cursos dgua torrenciais apresentam uma grande variao nas

    descargas slidas e lquidas. Os trechos apresentam grandes

    declividades e um grande nmero de afluentes.

    CURSOS DGUA FLUVIAIS Trecho de cabeceira apresenta eroso regressiva. Os trechos

    aluvionares um trecho de deposio com tendncia a meandrar e

    normalmete apresenta dois alvolos um de enchente e o outro de

    estiagem. Trecho de Plancie, o alvolo sobre um terreno natural,

    um nico curso sinuoso.

  • OUTRA CLASSIFICAO

    J. Larras classificou os cursos dgua em:

    Retilneo S~0,5 a 0,6 m/km

    Curvos ou meandricos S~0,1 m/km

    Indefinidos ou entrelaados S~0,1 m/km

  • Crista ou interflvio Vertente

    Calha Maior

    Calha Menor

  • Divisores:

    Primeiro passo - delimitao do seu contorno

    Linha de separao que divide as precipitaes em bacias vizinha

    So 3 os divisores de uma bacia:

    - Geolgico

    - Fretico

    - topogrfico

  • Divisor geolgico - dificuldades

    Na prtica: limitar a bacia a partir de curvas de nvel.

  • Ver Exemplos utilizando

    Sistema de Informaes Geogrficos

  • P E

    Q

    V

    I

    T a) fatores climticos, mais ligados

    precipitao e evaporao;

    b) fatores fsicos;

    Balano Hdrico Superficial:

    Vsuperficial = P E I T Q

    Assumindo-se Vsuperficial =0 (Perdas (Abstraes)

    Q = P (E + I + T ) => Q = P - A

    Coeficiente

    de Runoff: C =

  • Compartimentos Hidrolgicos;

    a) fatores climticos, mais ligados precipitao;

    b) fatores fsicos;

    Impacto do uso do solo no escoamento: em solo nu e

    vegetado;

    Conceito de coeficiente de escoamento (runoff).

  • A discusso das caractersticas fsicas e funcionais das bacias

    hidrogrficas tem a finalidade de proporcionar o conhecimento

    dos diversos fatores que determinam a

    A importncia desse conhecimento reside no fato de que

    atravs da avaliao dos parmetros que condicionam essa

    vazo pode-se fazer , podendo-se

    conhecer melhor os fenmenos passados e fazer extrapolaes.

    Desse modo, o aproveitamento dos recursos hdricos pode

    ser feito de maneira mais racional com maiores benefcios

    sociedade em geral. Porto e Zahed Filho.

    Apostila USP

  • Todo projeto hidrolgico - f(caractersticas locais)

    Comprimento do curso dgua

    rea de drenagem

    Caracterstica mais importante

    Reflete a quantidade de gua que pode ser gerada

    Forma da Bacia

    Aps ter seu contorno definido - formato

    Influncia sobre o escoamento global

  • 1. Uso do solo

    2. Tipo do solo

    3. rea

    4. Forma

    5. Declividade da bacia

    6. Elevao

    7. Declividade do Curso Dgua

    8. Tipo da Rede de Drenagem

    9. Densidade de drenagem

  • FOLHA JUAZEIRO DO NORTE

  • ZONAS C

    Edificao muito densa:

    Panes centrais, densamente construdas de uma cidade com ruas e caladas

    pavimentadas

    0,70 - 0,95

    Edificao no muito densa:

    Partes adjacente ao centro, de menos densidade de habitaes, mas com ruas e

    caladas pavimentadas

    0,6 - 0,70

    Edificaes com poucas superfcies livres:

    Partes residenciais com construes cerradas, ruas pavimentadas 0,51- 0,60

    Edificaes com muitas superfcies livres:

    Panes residenciais com ruas macadamizadas ou pavimentadas 0,25 - 0,50

    Subrbios com alguma edificao:

    Panes de arrabaldes e subrbios com pequena densidade de construo 0,10 - 0,25

    Matas, parques e campos de esporte:

    Panes rurais, reas verdes, superfcies arborizadas, parques ajardinados, campos de

    esporte sem pavimentao

    0,05 - 0,20

    Tabela - Valores do coeficiente de escoamento superficial direto adotados pela Prefeitura do Municpio de So Paulo (P.S. Wilken, 1978).

    Relao Linear entre Volume Precipitado e Escoado

  • Precipitao efetiva a parcela da precipitao que se torna

    escoamento superficial direto

  • U T I L I Z A O D A T E R R A C O N D I E S D E S U P E R F C I E TIPOS DE SOLOS DE REA

    A B C D

    Terrenos cultivados Com sulcos retilneos

    Em fileiras retas

    77

    70

    86

    80

    91

    87

    94

    90

    Plantaes regulares Em curvas de nvel

    Terraceado em nvel

    Em fileiras retas

    67

    64

    64

    77

    73

    76

    83

    79

    84

    87

    82

    88

    Plantaes de cereais Em curvas de nvel

    Terraceado em nvel

    Em fileiras retas

    62

    60

    62

    74

    71

    75

    82

    79

    83

    85

    82

    87

    Plantaes de legumes ou campos cultivados Em curvas de nvel

    Terraceado em nvel

    Pobres

    Normais

    Boas

    60

    57

    68

    49

    39

    72

    70

    79

    69

    61

    81

    78

    86

    79

    74

    84

    89

    89

    94

    80

    Pastagens Pobres, em curvas de nvel

    Normais, em curvas de nvel

    Boas, em curvas de nvel

    47

    25

    6

    67

    59

    35

    81

    75

    70

    88

    83

    79

    Campos permanentes Normais

    Esparsas, de baixa transpirao

    Normais

    Densas, de alta transpirao

    30

    45

    36

    25

    58

    66

    60

    55

    71

    77

    73

    70

    78

    83

    79

    77

    Chcaras

    Estradas de terra

    Normais

    Ms

    De superfcie dura

    59

    72

    74

    74

    82

    84

    82

    87

    90

    86

    89

    92

    Florestas Muito esparsas, baixa tanspirao

    Esparsas

    Densas, alta transpirao

    Normais

    56

    46

    26

    36

    75

    68

    52

    60

    86

    78

    62

    70

    91

    84

    69

    76

    Superfcies impermeveis reas urbanizadas 100 100 100 100

  • O solo tipo A o de mais baixo potencial de deflvio.

    Terrenos muito permeveis. Com pouco silte e argila.

    O solo tipo B tem uma capacidade de infiltrao acima da

    mdia aps o completo umedecimento. Inclui solos arenosos.

    O solo tipo C tem uma capacidade de infiltrao abaixo da

    mdia aps a pr-saturao. Contm porcentagem

    considervel de argila e colide.

    O solo tipo D o de mais alto potencial de deflvio. Terrenos

    quase impermeveis junto superfcie. Argiloso.

  • Este mtodo leva em conta, alm da precipitao e a umidade

    anterior, complexo solo vegetao, expresso pelo parmetro CN

    encontrado.

    SPSP

    PE8,0

    )2,0( 2

    onde:

    PE = excesso de chuva

    P = precipitao

    S = Armazenamento no solo

    101000

    CN

    SEm polegada: Em centmetro: 4,252540

    CN

    S

    A frmula tem a seguinte apresentao:

  • solos secos: as chuvas nos ltimos 5 dias no

    ultrapassaram 15mm

    situao mdia na poca