avaliação escolar e concepções pedagógicas de admin. · pdf...

Click here to load reader

Post on 17-Nov-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • CURSO DE PS-GRADUAO LATO SENSU

    INSTITUTO EDUCACIONAL ALFA

    APOSTILA

    AVALIAO ESCOLAR E CONCEPES PEDAGGICAS DE

    ENSINO

    MINAS GERAIS

  • 2

    DESCREVENDO SOBRE A AVALIAO

    A avaliao se faz presente em todos os domnios da atividade humana. O

    julgar, o comparar, isto , o avaliar faz parte de nosso cotidiano, seja atravs

    das reflexes informais que orientam as frequentes opes do dia-a-dia ou,

    formalmente, atravs da reflexo organizada e sistemtica que define a tomada de

    decises (DALBEN, 2005, p. 66).

    Como prtica formalmente organizada e sistematizada, a avaliao no

    contexto escolar realiza-se segundo objetivos escolares implcitos ou explcitos, que,

    por sua vez, refletem valores e normas sociais. Segundo Villas-Boas (1998, p. 21),

    as prticas avaliativas podem, pois, servir manuteno ou transformao social.

    Ainda para a referida autora, a avaliao escolar no acontece em momentos

    isolados do trabalho pedaggico; ela o inicia, permeia todo o processo e o conclui.

    A avaliao escolar, tambm chamada avaliao do processo ensino-

    aprendizagem ou avaliao do rendimento escolar, tem como dimenso de anlise o

    desempenho do aluno, do professor e de toda a situao de ensino que se realiza

    no contexto escolar.

    Sua principal funo subsidiar o professor, a equipe escolar e o prprio

    sistema no aperfeioamento do ensino. Desde que utilizada com as cautelas

    previstas e j descritas em bibliografia especializada, fornece informaes que

    possibilitam tomar decises sobre quais recursos educacionais devem ser

    organizados quando se quer tomar o ensino mais efetivo. , portanto, uma prtica

    valiosa, reconhecidamente educativa, quando utilizada com o propsito de

    compreender o processo de aprendizagem que o aluno est percorrendo em um

    dado curso, no qual o desempenho do professor e outros recursos devem ser

  • 3

    modificados para favorecer o cumprimento dos objetivos previstos e assumidos

    coletivamente na Escola.

    O processo avaliativo parte do pressuposto de que se defrontar com

    dificuldades inerente ao ato de aprender. Assim, o diagnstico de dificuldades e

    facilidades deve ser compreendido no como um veredicto que ir culpar ou

    absolver o aluno, mas sim como uma anlise da situao escolar atual do aluno, em

    funo das condies de ensino que estio sendo oferecidas. Nestes termos, so

    questes tpicas de avaliaes:

    Que problemas o aluno vem enfrentando?

    Por que no conseguiu alcanar determinados objetivos?

    Qual o processo de aprendizagem desenvolvido?

    Quais os resultados significativos produzidos pelo aluno?

    A avaliao tem sido utilizada muitas vezes de forma reducionista, como se

    avaliar pudesse limitar-se aplicao de um instrumento de coleta de informaes.

    comum ouvir-se "Vou fazer uma avaliao", quando se vai aplicar uma prove ou

    um teste. Avaliar exige, antes que se defina aonde se quer chegar, que se

    estabeleam os critrios, para, em seguida, escolherem-se os procedimentos,

    inclusive aqueles referentes coleta de dados.

    Alm disso, o processo avaliativo no se encerra com este levantamento de

    informaes, as quais devem ser comparadas com os critrios e julgadas a partir do

    contexto em que foram produzidas. Somente assim elas podero subsidiar o

    processo de tomada de deciso quanto a que medidas devem ser previstas para

    aperfeioar o processo de ensino, com vistas a levar o aluno a superar suas

    dificuldades.

    A avaliao tem sido limitada tambm pela hipertrofia que o processo de

    atribuio de notas ou conceitos assumiu na administrao escolar. Definir atravs

  • 4

    de nota ou conceito as dificuldades e facilidades do aluno apenas um recurso

    simplificado que identifica a posio do aluno em uma escala. Usado com

    precauo, este recurso no deveria produzir efeitos colaterais Indesejveis.

    Contudo, acreditar, por exemplo, que uma nota ou um conceito C possa, por si,

    explicar o rendimento do aluno e justificar uma deciso de aprovao ou reprovao,

    sem que se analisem o significado desta nota no processo de ensino, as condies

    de aprendizagem oferecidas, os instrumentos e processos de coleta de dados

    empregados para obteno de tal nota ou conceito, a relevncia deste resultado na

    continuidade da programao do curso, i reduzir de forma inadequada o processo

    avaliativo; , sobretudo, limitar a perspective de anlise do rendimento do aluno e a

    possibilidade do professor em compreender processo que coordena em sala de

    aula.

    No entanto, em qualquer nvel de ensino em que ocorra, a avaliao no

    existe e no opera por si mesma; est sempre a servio de um projeto ou de um

    conceito terico, ou seja, determinada pelas concepes que fundamentam a

    proposta de ensino, como afirma Caldeira (2000): A avaliao escolar um meio e

    no um fim em si mesma; est delimitada por uma determinada teoria e por uma

    determinada prtica pedaggica. Ela no ocorre num vazio conceitual, mas est

    dimensionada por um modelo terico de sociedade, de homem, de educao e,

    conseqentemente, de ensino e de aprendizagem, Expresso na teoria e na prtica

    pedaggica. (p. 122)

    Essa ideia de que avaliar o processo de ensino e de aprendizagem no uma

    atividade neutra ou destituda de intencionalidade nos faz compreender que h um

    estatuto poltico e epistemolgico que d suporte a esse processo de ensinar e de

    aprender que acontece na prtica pedaggica na qual a avaliao se inscreve.

    Sobre a importncia dessa compreenso, Cunha (1998), que pesquisou as

    concepes de conhecimento que fundamentam a prtica pedaggica no ensino

    superior, afirma: A compreenso de que a concepo de conhecimento preside a

    definio da prtica pedaggica desenvolvida na Universidade foi muito importante

    para ultrapassar a anlise simplista, realizada sobre as regras didticas aplicadas ao

    ensino superior. Compreender que ensinar e aprender esto alicerados numa

    concepo de mundo e de cincia facilitou uma viso mais global e elucidativa,

    especialmente numa poca em que a supremacia da cincia tem sido amplamente

    reconhecida. (p. 17)

  • 5

    Endossando essa mesma posio, lvarez Mndez (2002), ao indagar a

    respeito do objetivo da avaliao, ou sobre o porqu e para qu avaliar, sustenta

    que a resposta nos remete, necessariamente, ao sentido que tenha o conhecimento

    ou que a ele seja atribudo. Segundo o autor, (...) o conhecimento deve ser o

    referente terico que d sentido global ao processo de realizar uma avaliao,

    podendo diferir segundo a percepo terica que guia a avaliao. Aqui est o

    sentido e o significado da avaliao e, como substrato, o da educao. (p. 29)

    Portanto, para esse autor, a avaliao est estritamente ligada natureza do

    conhecimento, e uma vez reconhecida essa natureza, a avaliao dever ajustar-se

    a ela se quiser ser fiel e manter a coerncia epistemolgica. Nessa direo,

    podemos partir do pressuposto de que a avaliao, como prtica escolar, no uma

    atividade neutra ou meramente tcnica, isto , no se d num vazio conceitual, mas

    dimensionada por um modelo terico de mundo, de cincia e de educao,

    traduzida em prtica pedaggica.

    Um segundo pressuposto que a prtica de avaliao dos processos de

    ensino e de aprendizagem ocorre por meio da relao pedaggica que envolve

    intencionalidades de ao, objetivadas em condutas, atitudes e habilidades dos

    atores envolvidos. Na condio de avaliador desse processo, o professor interpreta

    e atribui sentidos e significados avaliao escolar, produzindo conhecimentos e

    representaes a respeito da avaliao e acerca de seu papel como avaliador, com

    base em suas prprias concepes, vivncias e conhecimentos. Nesse sentido,

    Sordi (2001) afirma: Uma avaliao espelha um juzo de valor, uma dada concepo

    de mundo e de educao, e por isso vem impregnada de um olhar absolutamente

    intencional que revela quem o educador quando interpreta os eventos da cena

    pedaggica. (p.173)

    Considerando, ento, essa condio do professor, como avaliador, de atribuir

    sentidos e significados avaliao, cabe-nos questionar: que concepes

    pedaggicas subjazem atual prtica de avaliao do processo de ensino e de

    aprendizagem no contexto escolar? Para responder a essa indagao, nos

    propomos a resgatar o significado de avaliao nas concepes pedaggicas

    dominantes no contexto escolar, a partir dos sculos XVI e XVII, quando surge a

    prtica dos exames escolares e, em seguida, analisar em que medida tais

    concepes se encontram, ainda hoje, presentes e dominantes, na atual prtica de

    avaliao do processo de ensino e de aprendizagem no contexto escolar.

  • 6

    AS CONCEPES PEDAGGICAS QUE PERMEIAM

    A AVALIAO NO CONTEXTO ESCOLAR

    Utilizaremos quatro categorias para a anlise da relao entre concepes

    pedaggicas e os significados de avaliao. Em um primeiro momento, situaremos

    os exames e as provas escolares como prticas de avaliao, utilizadas a partir do

    sculo XVI, no que se convencionou chamar de Pedagogia Tradicional, da qual

    decorre a concepo de que avaliao e exame se equivalem. Em um segundo

    momento, analisaremos a concepo de avaliao como medida, que teve o seu

    auge com a denominada Pedagogia Tecnicista. A seguir, passaremos concepo

    da avaliao como instrumento para a classificao e regulao do desempenho do

    aluno. Finalmente, em um quarto momento, trataremos da concep