aulas trab i

Download Aulas Trab I

Post on 14-Feb-2015

20 views

Category:

Documents

9 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

I.

Evoluo Histrica a. Marcos no trabalho no mbito mundial e no Brasil

Obs: Perspectiva atual da Constituio Federal -> Dignidade da Pessoa Humana e Valorizao social do trabalho, contudo nem sempre existiu esses princpios . A. Escravido a. A primeira forma de trabalho foi a escravido -> Escravo = COISA Obs: Na Grcia antiga (200. a.C) e em Roma o trabalho tinha uma concepo pejorativa, desonrosa. B. Servido (J era reconhecida a condio de pessoa ao trabalhador) a. Ocorreu durante o feudalismo, como uma espcie de Arrendamento Rural, ou seja, os senhores feudais davam proteo militar e poltica e os servos tinham que entregar parte da produo.

C. Corporaes de Ofcio a. Mestres ->Proprietrio da Oficina b. Companheiros -> Trabalhadores que recebiam salrio dos Mestres c. Aprendiz - >Era o menor de idade que recebiam dos mestres o ensinamento que podia ser de 2 a 12 anos a depender do ofcio.

D. Locao de Obra ou Servio a. No sculo XIX a.C, na babilnia o Cdigo de Hammurabi, j dispunha sobre a condies de prestao de trabalho livre, inclusive salrio e j vislumbrava uma forma de arrendamento do trabalho. b. Era Regulamentado pelo Direito Civil -> Pessoas eram contratadas para prestar um servio, por um valor e tempo determinado. (Havendo liberdade para estipular todas as clausulas contratuais) Obs: 1 de maio de 1886 em Chicago (Dia do trabalho)

II. BRASIL

A. Escravido a. Lei do ventre Livre (Filhos dos escravos eram Livres) 1

b. Lei dos Sexagenrios (Libertava os Escravos com mais de 60 anos) c. Lei urea (abolindo a escravatura)

B. A Constituio de 1824 a. Aboliu as Corporaes de Ofcios e garantiu a liberdade para o exerccio de ofcios e profisses.

C. A Constituio de 1891 a. Garantia a liberdade de associao -> Era lcita a associao e reunio, livremente e sem armas, no podendo a polcia intervir, salvo para manter a ordem pblica.

D. Era Getulio Vargas a. Em 1930 criado o Ministrio do Trabalho e do emprego b. Em 1/05/1943 editado o Decreto-Lei n 5.452, aprovando a Consolidao das Leis do Trabalho (CLT). i. O Objetivo da CLT foi apenas reunir as leis esparsas existentes na poca, no se trata de um cdigo, pois este pressupe um Direito Novo.

E. Constituio de 1988 a. Houve uma mudana da forma como se v os Direitos Trabalhistas que nas constituies anteriores estavam inseridos nos mbitos da Ordem Econmica e Social passando a ser inseridos nos captulos: Dos Direitos Sociais e Dos Direitos e Garantias Fundamentais

i. Ver art. 7 a 11 da Constituio atual i. Seguro Desemprego ii. Fundo de Garantia por Tempo de Servio (FGTS) iii. 13 iv. Repouso Semanal Remunerado v. Frias 2

vi. Licena Maternidade (120 dias ou 180 para servidores federais) vii.Licena-paternidade viii.Aviso Prvio (proporcional) ix. Etc...

III. Relao de Trabalho Aps todas as lutas de classe comea a existir o direito do trabalho. a.b.

Existe diferena entre relao de trabalho e relao de emprego?Relao de trabalho, segundo o professor Renato Saraiva, em seu livro Direito do Trabalho, significa qualquer vnculo jurdico por meio do qual uma pessoa natural executa obra ou servios para outrem, mediante o pagamento de uma contraprestao. A relao de trabalho gnero da qual a relao de emprego uma espcie. Assim, podemos concluir que toda relao de emprego uma relao de trabalho, mas nem toda relao de trabalho uma relao de emprego.

1.

Ver art. 3 da CLT.

H vrios tipos de relao de trabalho, como autnomo, avulso e eventual, por exemplo.

2. Todo Empregado trabalhador? 3. Todo Trabalhador empregado? Obs: A Constituio no faz distino entre relao de trabalho e relao de emprego.

Relao de Trabalho

I n d i v i d u a l Coletiva

Empregado X Empregador Empregadores

Empregados X Sindicatos

Nem sempre essa relao se desenvolve de modo pacfico

3

Conflitos do Trabalho Processualmente

Dissdio individual Vara do trabalho Conveno Coletiva (Sentena) (TRT ou TST) Sentena Normativa Acordo Frustrado Dissdio Coletivo Negociao Coletiva

Processo de Mesmo com a competncia originria do deve correr na Vara do trabalho.

Execuo TRT ou TST a execuo

Acordo -> Empregador e Sindicato de empregados (Sindicato profissional) Conveno Coletiva -> Entre Sindicatos

IV. Terminologia ou Denominao Obs: O Livro do Godinho Delgado e da Vlia Cassar quase no mencionam a matria, quem melhor aborda esse tema o Sergio Pinto Martins.

Antes de adentrar ao ponto nevrlgico da matria necessrio estudar os diversos nomes que j foram utilizados no Direito do Trabalho. A. Direito Industrial -> Foi a primeira terminologia dada ao Direito do Trabalho. Problema: O Direito do trabalho no rege apenas as relaes Industriais, mas com qualquer ramo de atividade em que haja trabalhadores, como no comrcio, nos bancos, nas empresas prestadoras de servios Sergio Pinto Martins.

4

B. Direito Operrio -> Foi empregada na Constituio de 1937, (art. 16,XIV,CF/ 37) 1.Problema: O Direito do Trabalho no abrange apenas os operrios, trata tambm dos patres e outros trabalhadores. C. Direito Social -> Se destina a proteo dos hipossuficientes. Nasce da idia que o Direito do trabalho uma questo Social. 1.Problema: Abrange tambm o Direito Previdencirio. D. Direito do Trabalho - > Essa expresso surge primeiramente na Alemanha por volta de 1912 sendo a mesma adotada em 1919 com a criao da OIT. V. Conceito de Direito do Trabalho b. Existe Trs correntes i. Subjetiva: Tem como fundamento os sujeitos da relao de emprego, destacando sempre a fragilidade da condio econmica do empregado. ii. Objetiva: No prioriza os sujeitos da relao jurdica, mas a Lei, o campo objetivo. Obs: Vlia Cassar Menciona: Na verdade no h como separar a posio subjetiva da objetiva, pois so frente e verso da mesma moeda e separar uma corrente da outra torna insuficiente o conceito de Direito do Trabalho. iii. Mista: a corrente majoritria na doutrina que menciona: o conjunto de princpios e normas que regulam, principalmente, as relaes imediata ou imediatamente ligadas ao trabalho remunerado, livre, privado e subordinado, e, ainda, aspectos relativos existncia dos que o executam. So adeptos a essa teoria: Srgio pinto Martins, Godinho Delgado, Orlando Gomes entre outros.

VI. Subordinao a. Tcnica: Originrio da Frana- >O Empregador, em virtude de sua atividade, est em posio de comandar tecnicamente o trabalho dos seus empregados. Alice Monteiro de Barro. Empregador detm o conhecimento dos meios de produo iv. No est correta, pois nem sempre o empregador quem detm o conhecimento tcnico da matria. (Ex: Mdico que trabalha para Hospital e escolhe livremente a forma de tratamento do paciente) a. Econmica: Originrio da Alemanha-> Parte do pressuposto que o empregado precisa do trabalho e consequentemente do Salrio para sobreviver. b. Social: a juno da Econmica e Tcnica: -> Assim o Empregado depende, para viver, do trabalho fornecido pelo empregador, sem

Art. 3 da CLT.

Na relao de emprego existe a Dependncia ou Subordinao? No Sim

5

assumir os riscos da atividade econmica, mas obedecendo s ordens do patro. c. Jurdica: a mais importante, aceito tanto pela doutrina com pela jurisprudncia, objeto do contrato de trabalho. i. O Objeto no o trabalhador nem o empregador e sim o contrato de trabalho, o primeiro apenas um dos sujeitos, sendo o foco da questo a atividade. ii. Amauri Mascaro menciona: Situao em que se encontra o trabalhador, decorrente da limitao contratual da autonomia de sua vontade, para o fim de transferir ao empregador o poder de direo sobre a atividade que desempenha iii. Vlia Cassar conceitua: A subordinao nada mais que o dever de obedincia ou o estado de dependncia na conduta profissional, a sujeio s regras, orientaes e normas estabelecidas pelo empregador inerentes ao contrato de trabalho, funo, desde que legais e no abusivas 1. Organizao 2. Controle 3. Disciplina

VII. Caractersticas do Direito do Trabalho

g. Tendncia in fieri: Tendncia de expanso (tanto as pessoas que ele regulamenta quanto a intensidade e dos direitos) h. Direito Tuitivo: Carter reivindicatrio/ reivindicao de classe i. Cunho Intervencionista: Interveno do Estado em favor do hipossuficiente empregado. (Essa tendncia tem diminudo muito) j. Carter Cosmopolita: Forte influncia da Legislao internacional protetiva mais favorvel ao trabalhador (OIT, as convenes e tratados internacionais). Ver art. 427 do Tratado de Versalhes. k. Institutos tpicos: Tais como: i. Negociao Coletiva ii. Greve iii. Sindicatos Direito de Transio: Constantes mutaes para que possa haver uma busca constante por melhores condies de trabalho Limita autonomia da vontade das partes. o O Contrato de trabalho nasce por vontade das partes, porem os termos desse contrato est limitado.( Regras protetivas laborais, acordo e convenes. Ver. Art. 9, 444 e 468 da CLT. VIII.Funo

l.

Tutela: Intervir na relao de trabalho, para proteger o hipossuficiente. xi. Obs: A relao de trabalho de trato sucessivo, um pacto de trato sucessivo, ou seja, deve perdurar por toda a relao, seja por prazo determinado ou no. a. Explicar de forma breve o contrato por prazo determinado e o por prazo indeterminado. m. Econmica i. Econmica -> Fornecer ao empregado base econmica (remunerao) para trabalhar. 6

ii. Social -> Preservao da dignidade da pessoa humana n. Conservadora i. Est atrelada a parte a um aspecto negativo do Direito do Trabalho, ou seja, a direito do trabalho tem a funo de controlar e impedir os movimentos sociais. (Crtica sobre essa funo, pois o Direito do Trabalho visa melhoria dos trabalhadores) Coordenadora: Apaziguar as relaes entre os sujeitos do direito do trabalho. Capital x Trabalho Solucionar conflitos IX. Autonom