aulas de direito empresarial ii- estÁcio fal - 2015.2

Download Aulas de Direito Empresarial II- ESTÁCIO FAL - 2015.2

Post on 06-Jan-2016

27 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

empresarial 2

TRANSCRIPT

OS OBJETIVOS DA ADMINISTRAO FINANCEIRA

Curso: Direito

Profa. Michelle Gonalves de Arajo Jorge Disciplina: Direito Empresarial II

6 perodo- DIREITO

( DA SOCIEDADE LIMITADA

1) LEGISLAO APLICVEL A sociedade limitada, quando a matria no est regulada no captulo especfico a este tipo societrio do Cdigo Civil, fica sujeita disciplina da sociedade simples ou, se previsto expressamente no contrato social, Lei das Sociedades Annimas. Esta ltima se aplica, de forma supletiva, quando a matria negocivel entre os scios, e, de forma analgica, quando os scios no podem dispor sobre o assunto. O Cdigo Civil sempre o diploma aplicvel na constituio e dissoluo da sociedade limitada, mesmo que o contrato social eleja a lei das sociedades annimas para a regncia supletiva. Fbio Ulhoa

2) DEFINIO Art. 1052. Na sociedade limitada, a responsabilidade de cada scio restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralizao do capital social.

3) NATUREZA JURDICA OBS.: A sociedade limitada pode ser de pessoa ou de capital, de acordo com a vontade dos scios. O contrato social define a natureza de cada limitada.

4) CARACTERSTICAS a) Sociedade Contratual

b) Sociedade hbrida

c) Nome empresarial: firma ou denominao

d) Natureza capitalista ou personalsticae) Teoria da Desconsiderao da Pessoa Jurdica:

OBS.:

A determinao legal de que os scios no respondem pelas dvidas sociais (CPC, art.596), diz respeito a regular extino da empresa e a satisfao integral de suas obrigaes sociais. A irregularidade de atuao, constatada com o desaparecimento da empresa sem a quitao dos seus dbitos impe outro entendimento, o da despersonalizao da pessoa jurdica, o que autoriza o alcance dos bens dos scios. 2. de se ressaltar, ainda, que a executada no foi localizada, conforme certificado pelo Sr. Oficial de Justia. 3. Assim, falta de bens do devedor, desconsidera-se a personalidade jurdica da executada, na forma do art. 28, da lei n 8.078/90 c/c 50 do CC e art. 592 II do CPC, aplicados supletivamente por fora do art. 769 da CLT, para determinar que, alternativamente, a execuo passe aos scios da executada (...) 4. Cite-se o scio (...) por edital. 5. Decorrido o prazo sem o devido pagamento, proceda-se nos termos do art. 78 da Consolidao dos Provimentos da Corregedoria Regional do Tribunal Regional do Trabalho da 19 Regio, para bloqueio de crdito, atravs do Sistema BACEN-JUD, aguardando-se resposta via correio eletrnico pelo prazo de 10 dias. 6. Inclua-se no plo passivo da presente execuo os scios supramencionados, nos termos do art. 79 da Consolidao dos Provimentos da Corregedoria-Geral da Justia do Trabalho.SEMANA 1CASO CONCRETO

Uma sociedade limitada, formada por DOIS scios, atua no ramo de mecnica. O nome empresarial adotado pelos scios foi denominao social: "O Rei da lata Velha Ltda." A Junta Comercial impugnou o nome empresarial por inadequao s exigncias legais para a formao da denominao social. Foi correta a deciso da Junta Comercial? Fundamente.

QUESTO OBJETIVA 01.

Paulo,scio de uma sociedadelimitadaem formaoe com objeto de Empresa, ainda sem registro na Junta Comercial, surpreendido ao ler um jornal, que uma outra sociedade estava utilizando o nome empresarialda LTDA. Indignado ingressa em juzo, objetivando impedir o uso donomeda sua sociedade. O que poderia ser alegado em defesa da outra sociedade empresarial?

a)A defesa da sociedade empresarial no sentido que no assiste razo a Paulo, tendo em vista que a proteo pretendida somente ocorre aps o arquivamento dos atos constitutivos na Junta Comercial.

b)A defesa da sociedade empresarial no sentido que assiste razo a Paulo, tendo em vista que a proteo pretendida ocorreantesdo arquivamento dos atos constitutivos na Junta Comercial.

c)A defesa da sociedade empresarial no sentido que assiste razo a Paulo, tendo em vista que a proteo pretendida ocorrepelo Princpio da Anterioridade.

d)A defesa da sociedade empresarial no sentido que no assiste razo a Paulo, tendo em vista que a proteo pretendida somente ocorre aps o arquivamento dos atos constitutivos no INPI.

e)A defesa da sociedade empresarial no sentido que no assiste razo a Paulo, tendo em vista que a proteo pretendida somente ocorre aps o arquivamento dos atos constitutivos no Registro Civil de Pessoas Jurdicas.

QUESTO OBJETIVA 02:

OCdigo Civiln010.406/2002,alteroua disciplina das limitadasque antes era disciplinada pelo Decreto 3.708/19, para:

a)Torn-las pequenas annimas.

b)Dar-lhes estrutura tpica

c)Redesenhar o controle da sociedade.

d)Facilitar a ao das minorias societrias.

e)Dificultar a criao de sociedades de pequeno porte, notadamente aquelas entre marido e mulher, que facilitam a separao patrimonial.

5) DAS QUOTAS5.1 Noes e Caractersticas

As quotas sociais conferem a seu titular duas espcies de direitos: os direitos de natureza patrimonial e os de natureza pessoal.Prev o Cdigo Civil a diviso do capital social em quotas iguais ou desiguais atribuveis aos scios.

possvel uma quota pertencer a vrios condminos.5.2 Sucesso de Quotas/ Penhora das Quotas/ Cesso das Quotas

6) CAPITAL SOCIAL6.1 Conceito

Segundo Fbio Ulhoa Coelho o capital social a parte da contribuio em dinheiro, bens corpreos, incorpreos (marca patente),mveis ou imveis ou crditos, desde que suscetveis de avaliao monetria (...).6.2 Formao

H trs formas de integralizao do capital social: em dinheiro, bens ou crdito.

SEMANA 2CASO CONCRETO: Marluce e Joo so scios de uma sociedade limitada no ramo de restaurantes fast food?s. Marluce se encontra adoentada e deseja se retirar da sociedade. Pergunta-se:A sociedade limitada composta por dois scios ser extinta de pleno direito com a retirada de um deles?QUESTO OBJETIVA 01:Em relao s sociedades LIMITADAS empresrias possvel afirmar que:I) tem somente carter estatutrio.II) seus scios somente podero contribuir para formao do capital social com dinheiro, bens ou direitos, jamais com servios.III) podero adotar somente denominao, seguida da palavra limitada.IV) sua personalidade jurdica autnoma s nasce com o arquivamento dos atos constitutivos na Junta Comercial.SOMENTE correto o que se afirma em:a) I e II;b) I e III;c) II e III;d) II e IV;e) III e IV.QUESTO OBJETIVA 02: No estudo do capital social nas sociedades limitadas e obrigaes dos scios,observamos que:a)A sociedade responde at o limite do capital social pelas obrigaes contradas em seu nome.b)Em regra, os scios respondem pelas obrigaes da sociedade at o limite do valor dascotaspor eles subscritas, embora sejam solidariamente responsveis pela integralizao do Capital Social.c)Somenteem caso de falncia da sociedade,o scio remissopode ser responsabilizadopelos demais scios,pelo valor que faltar para a integralizao da respectivacota.d)Somente os administradores,respondem, solidariamente, pela integralizao de todas ascotasno inteiramente integralizadas.e)Os scios nunca respondem pelas obrigaes da sociedade, pois na limitada no se aplica a Teoria da Desconsiderao da Personalidade Jurdica.

7) AGENTES SOCIETRIOS

7.1 DOS SCIOS7.1.1 Deveres dos scios

a) Integralizao do Capital Social

O scio tem, perante a sociedade, o dever de integralizar a quota subscrita, ou seja, de transferir do seu patrimnio para o social dinheiro, bens ou credito, nos termos do compromisso contratual assumido junto aos demais scios. Fbio Ulhoa

OBS.: O scio remisso passa a responder sempre pelo dano emergente da mora, independentemente da natureza de sua contribuio (art. 1004 do CC/02).

]

b) Dever de Lealdade

7.1.2) Responsabilidade dos scios pelas obrigaes sociais

a) Responsabilidade Limitada

- Exceo: Se a clusula do contrato social sobre o capital noticia a subscrio a prazo, cabvel a responsabilizao dos scios pelo montante necessrio integralizao.

OBS.: A lei no estabeleceu, para as sociedades limitadas, nenhum sistema de controle da realidade do capital social.

b) Responsabilidade Ilimitada

- Regra: Irresponsabilidade dos scios pelas obrigaes sociais.

- Excees: - I- obrigao dos scios de prover a sociedade do capital que eles mesmos reputam necessrio realizao do objeto social ; II- tutela dos credores que no dispem, diante da autonomia patrimonial da sociedade limitada, de meios negociais para a preservao de seus interesses ( Credores no negociais: o fisco, empregados e titulares do direito indenizao); a) Art. 13 da Lei 8.620/93; b) Aplicao da Teoria da Desconsiderao da Pessoa Jurdica; c) Aplicao dos arts. 1015 e 1016 do CC; d) aplicao do art. 1080 do CC e e) aplicao do inciso III do art. 135 do CTN.7.1.3 Direitos dos scios

a) Participao nos resultados sociaisOBS.: Na sociedade limitada, a poltica de distribuio dos resultados matria a ser negociada entre os scios, de preferncia mediante clusula do contrato social.

Os lucros remuneram o investimento, e o pro labore a contribuio ao gerenciamento da empresa. Quando deliberada a distribuio dos lucros, todos os scios tm direito ao recebimento de sua parte. J o pro-labore s devido ao scio, ou scios, com direito ao seu recebimento mencionado no contrato social. Fbio Ulhoa

SEMANA 03 -CASO CONCRETO: Lucas, Daniel e Oswaldo so scios de uma Limitada, que possui como objeto social uma rede de Supermercados em todo o Estado do Cear. Lucas observou que Daniel, responsvel pela escriturao da sociedade, vem lanando mo de negcios escusos ao objeto societrio. Lucas no concorda com tais atitudes, mas Oswaldo acata tais deliberaes. Voc estudou nesta aula os direitos e obrigaes dos scios. Ento, como voc resolveria esta questo para Lucas, em razo da prtica de atos infringentes lei, por parte de Daniel?

QUE