aula3 cdd130120blog

Download Aula3 cdd130120blog

Post on 12-May-2015

193 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1.Cidadania, direitos e desigualdades: aula 3Direitos e deveres para governantes e governados:abordagens modernas IMapa MundiPoltico Professor Adalberto AzevedoSo Bernardo do Campo, 21/01/2013

2. Plano de aula1. Noo de modernidade- algumas idias de Anthony Giddens (As consequncias da modernidade, Editora Unesp, So Paulo, 1991- Introduo: pgina 8-53)2. Componentes do Estado-nao: O Estado3. Nao e Sociedade Civil4. O Estado-nao5. O Estado-nao: a abordagem contratualista 3. A noo de modernidadeOrganizao social/estilo de vida que emerge no sc. XVII naEuropa, irradiando-se globalmenteRuptura sem precedentes com asorganizaes tradicionais (imprios,cidades-estado, monarquias feudais)Ritmo das mudanas: 400 anosque transformaram completamente200 mil (?) anos de histria dohomo sapiens: 0,2% do total...Novas instituies: estado-nao, produtos e trabalho comomercadorias, inovao contnua...o cio sai de moda.Oportunidades de existncia segura X perspectivas negativas 4. A noo de modernidadeMarx e Durkheim: era moderna turbulenta, mas compossibilidades compensadoras no longo prazo o (materialismohistrico e industrialismo pacfico)Max Weber: progresso material custa a supresso daindividualidade pela burocraciaRegimes totalitaristas (fascismo, nazismo, stalinismo) noforam previstos: poder poltico desptico fundado em umcomplexo industrial-militar com forte poder ideolgicoDespotismo parecia uma coisa do passado, dos estados pr-modernos... Governos totalitrios posteriores combinam poderpoltico, militar e ideolgico de forma jamais vista 5. A noo de modernidadeVacina contra varola (1796),Telgrafo (1837), raios-x (1895)[...] processo contnuo e relativamente auto-sustentado de realizao dosobjetivos polticos de liberdade, bem-estar, justia social e proteo danatureza.(Giddens, 1991)Modernizao tecnolgica-industrial como criadora de umaordem social prspera e pacfica (maior oferta de bens,servios e reduo de riscos)Complexo industrial-militar com dimenses nunca imaginadas(Projeto Manhattan, programa de foguetes alemo)Guerras Napolenicas (1804-1815): 3,5 milhes de mortesGuerra Civil Russa (1917-1921): 5 milhes de mortesI Guerra Mundial (1914-1918): 15 milhes de mortesII Guerra Mundial (1939-1945): 40 milhes de mortes 6. A noo de modernidadeFora transformadora da modernidade: capitalismoCarter mvel e inquieto da modernidade: ciclo investimento-lucro-investimento, tendncia de declnio da taxa de lucro e aconstante inovao tecnolgica (sobrevivncia do capitalista)Sociedade: Burguesia, proletariado e tecnocraciaBurocratizao tecnocrtica: cincia e razo monopolizam averdade (fonte legtima de conhecimento para a ao)Elementos do Estado-Nao: contraste com estados pr-modernos (da tradio/religio para a burocracia/mercado)Estado regula o mercado? (texto Bresser Pereira, p. 2) 7. Componentes do Estado-Nao: O EstadoEstado (tradicional ou moderno): Sistema constitucional e legal,associado a uma organizao com poder de legislar e aplicarleis: sistema jurdico-legal relativamente estvel, que pode setransformar pela ao da sociedade civil/naoFunes normativa/poltica e organizacional: administraopblica que executa as polticas e garante o cumprimento dasleis, alm de um regime poltico que o caracteriza (democrtico,autoritrio, liberal, teocrtico, etc)Instrumento de alcance de objetivos polticos organizados nasociedade civil (segmentos com poder de voz)No possui necessariamente um territrio(Pas Basco)Pode suprimirparcialmenteanao/sociedadecivil(totalitarismo) 8. Componentes do Estado-Nao: O EstadoAnos 80: Estado profissionalizado (necessidade de eficinciapara o Estado ampliado)Maior autonomia para as Instituies das diversas esferas deEstado (Executivo, Legislativo e Judicirio)Descentralizao: administrao participativa, delegao defunes para organizaes pblicas no estatais (terceirizao eenxugamento do Estado?) 9. Nao e a sociedade civilNao ou sociedade civil: termos muito prximos, organizaopoltica da sociedade fora do EstadoEspao de defesa de direitos difusos (liberdades, justia social)mas tambm de interesses das diferentes categorias que ascompe (classes, grupos de interesse, minorias, etc.)Diferena principal: sociedade civil um espao de lutas maisaberto (inclui os estrangeiros no naturalizados) onde o poder(econmico, conhecimento, organizacional) importante para adefesa de interesses localizados (fundados em ideais deliberdade e justia)A nao inclui direitos polticos mais amplos e histria comum, eunificada por valores nacionalistas (autonomia nacional,desenvolvimento econmico, tradies culturais) (Cantuta) 10. O Estado-NaoEstado-nao (mais amplo que nao ou Estado): associado auma unidade territorialNao sem estado: estado revolucionrio (comando rev. comcaractersticas militares, associado a um processo violento deliberao e afirmao da nao), como o caso das naesseparatistasEstados-Nao Europeus mais antigos: formados a partir dafragmentao dos antigos impriosEstados-Nao do restante do mundo: lutas por independnciados imprios coloniais (inclui alguns europeus, como a Irlanda)Ambiguidade dos pases centrais: dois pesos e duas medidas 11. O Estado-NaoEstado-nao e capitalismo industrial: segurana (territrio)necessria para o investimento (em escalas modernas)Unido por sentimentos nacionalistas: competio com outrosEstados-Nao (anncios em hotis american owned)Contrato social inicial na modernidade: soberano (segurana) eburguesia (recursos), visando a consolidao nacional, atravsde um estado organizadoConflitos constantes dentro do estado (EUA e Estados c/autonomia)- em geral esquecidos no caso de objetivos nacionaisExemplo: esforos de guerra (Catalytic Research Associates naII GM- Standard Oil of New Jersey, Standard Oil of Indiana,Kellog, IG Farben, Shell, Anglo-Iranian, Texaco e UOP) 12. O Estado-NaoAnos 80: idia de substituio do estado pelo mercado ou pelosmovimentos sociaisFora do estado deve existir, mas contrabalanada pela fora dasociedade civil (mercado, movimentos sociais) engajadademocraticamente: cidadaniaReduo das desigualdades (renda, acesso poltica, usufrutode bens culturais, capacidade de organizao, etc)Questo fundamental para jusnaturalistas e contratualistas:justificar o poder do estado e a autoridade da lei (legitimidade)Obs: Estado-nao sujeito a presses externas que diminuemsua autonomia em termos de decises polticas, agravadas porambiguidades de suas elites (estrangeirismo, mal visto emEstados-nao com forte identidade cultural, como China e Ir) 13. O Estado-NaoCritrios de legitimidade:1. Teolgicos: delegao de poder divino ao rei (pr-moderno).Direito natural: soberano garante o direito inato a todos (ordemnatural). Semelhanas com o populismo (A vontade do povo avontade de Deus)?2. Contratualistas (Hobbes): poder origina-se em um contrato,que emana de sditos que viraram cidados: seguranagarantida pelo Estado paga com parte da liberdadeindividual.3. Racionalistas (Hegel): poder vem da organizao de anseiosde uma sociedade civil racional (bastante idealizado)4. Elitistas (Marx e Engels): poder vem das elites organizadas dasociedade civil (mais realista). Grau de democratizao importa. 14. O Estado-NaoA evoluo do Estado-nao:1.Absoluto (XVI-XIX): patrimonialista, associao mercantilistas-aristocratas2.Liberal(XIX):burguesia,direitoscivis,liberdade(limitada),burocracia racional, direitos polticos limitados3.Democrtico liberal (1 metade do sc. XX): movimentossociais (trabalhadores, feminismo), socialismo, sufrgiouniversal, organizao burocrtica4.Social-democrata (2 metade do sc. XX): ps Guerras (fimdas esperanas na modernidade libertadora). Autoritarismojustificado pela segurana individual perde fora, ampliao doEstado, estado de bem-estar social, maior participao dasociedade civil (comunicao, partidos polticos)