Aula variação linguística

Download Aula variação linguística

Post on 24-Apr-2015

451 views

Category:

Documents

4 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>PLANO DE AULA: TEMA - VARIAES LINGUSTICAS Lngua Portuguesa Tema</p> <p>Variaes Lingusticas Ponto de partida Placa com variaes lingusticas, para debate com os alunos.</p> <p>Objetivos</p> <p>- Refletir sobre as variaes da lngua no decorrer do tempo; - Valorizar as diferenas culturais e lingusticas; - Usar a linguagem com autonomia e sem preconceitos. Os materiais utilizados esto disponveis neste planejamento</p> <p>Textos variados; Filme Tapete Vermelho; Exerccios variados; Avaliao da aprendizagem; Momento de descontrao. Leitura dos seguintes textos: I - Declarao Mineira de Amor aos Amigos... Declarao Mineira de Amor aos Amigos... . Amo oc ! . Oc o colrio du meu iu. o chicrete garrado na minha cara dins. a mairionese du meu po. o cisco nu meu iu (o tro oiu - tenho dois). O rechei du meu biscoito. A masstumate du meu macarro. Nossinhora! Gosto dimais DA conta doc, uai. Oc tamm:</p> <p>O videperfume DA minha pintiadra. O dentifrio DA minha iscovdidente. iprocev, Quem tem amigossim, tem um tisru! Ieu gurdsse tisouro, com todu carinho, Du Lado isquerdupeito !!! Dentro do meu Corao!!! AMO Oc, uai!!!</p> <p>II Tipos de assaltantes Assaltante Paraibano: Ei bichin... Isso um assalto! Arriba os braos e no se bula Num se cague e no faa mungana... Arrebola o dinheiro no mato e no faa pantim se no enfio a pexera no teu bucho e boto teu fato pr fora... Assaltante Baiano: meu rei...( pausa ) Isso um assalto...( longa pausa ) Levanta os braos, mas no se avexe no...( outra pausa ) Se no quiser nem precisa levantar pra no ficar cansado... Vai passando a grana bem devagarinho... ( pausa pra pausa ) Num repara se o berro est sem bala, mas pra no ficar muito pesado, No esquenta meu irmozinho...( pausa )</p> <p>Vou deixar teus documentos na encruzilhada... Assaltante Mineiro: s, prestenso... Isso um assarto uai! Levanta os brao e fica quetim Quess trem na minha mo t cheidibala... Mi passa logo os trocado que no t bo hoji Vai andando uai! Assaltante de So Paulo: rra, meu... Isso um assalto, meu... Alevanta os braos, meu... Passa a grana logo, meu... Mais rpido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra comprar o ingresso do jogo do CORINTHIANS, meu... P se manda, meu... Assaltante Carioca: Seguiiiinte bicho.... Tu se ferr. Isso um assalto! Passa a grana e levanta os braos rap... No fica de bobeira, vai andando e se olhar pra trs vira presunto. Assaltante Gacho: O gur, ficas atento... Bh, isso um assalto! Levanta os braos e te aquieta tch! No tentes nada, e cuidado que este faco corta uma barbaridade. Passa os pila pr c!</p> <p>E te manda a l cria, se no o quarenta e quatro fala... Assaltante de Braslia: Querido povo brasileiro, estou aqui no horrio nobre da TV para dizer para pedir seu voto de confiana. Prometo se eleito for te representar com responsabilidade e que por exigncia do FMI ao final de todo ms aumentaremos as seguintes tarifas para dar uma ajuda aos pobres polticos do nosso pas: Energia, gua, passagens areas e de nibus, gs, Imposto de renda, licenciamento de veculos, seguro obrigatrio, gasolina, lcool, IPTU, ICMS, PIS, COFINS. Mas meu povo no se esquea: somos uma nao feliz! O Brasil penta e em fevereiro tem carnaval!!! Variao lingustica A lngua no usada de modo homogneo por todos os seus falantes. O uso de uma lngua varia de poca para poca, de regio para regio, de classe social para classe social, e assim por diante. Nem individualmente podemos afirmar que o uso seja uniforme. Dependendo da situao, uma mesma pessoa pode usar diferentes variedades de uma s forma da lngua. Ao trabalhar com o conceito de variao lingustica, estamos pretendendo demonstrar: que a lngua portuguesa, como todas as lnguas do mundo, no se apresenta de maneira uniforme em todo o territrio brasileiro; que a variao lingustica manifesta-se em todos os nveis de funcionamento da linguagem ;que a variao da lngua se d em funo do emissor e em funo do receptor ; que diversos fatores, como regio, faixa etria, classe social e profisso, so responsveis pela variao da lngua; que no h hierarquia entre os usos variados da lngua, assim como no h uso linguisticamente melhor que outro. Em uma mesma comunidade lingustica, portanto, coexistem usos diferentes, no existindo um padro de linguagem que possa ser considerado superior. O que determina a escolha de tal ou tal variedade a situao concreta de comunicao; que a possibilidade de variao da lngua expressa a variedade cultural existente em qualquer grupo. Basta observar, por exemplo, no Brasil, que, dependendo do tipo de colonizao a que uma determinada regio foi exposta, os reflexos dessa colonizao a estaro presentes de maneira indiscutvel.</p> <p>1. Nveis de variao lingustica importante observar que o processo de variao ocorre em todos os nveis de funcionamento da linguagem, sendo mais perceptvel na pronncia e no vocabulrio. Esse fenmeno da variao se torna mais complexo porque os nveis no se apresentam de maneira estanque, eles se superpem. 1.1 Nvel fonolgico - por exemplo, o l final de slaba pronunciado como consoante pelos gachos, enquanto em quase todo o restante do Brasil vocalizado, ou seja, pronunciado como um u; o r caipira; o s chiado do carioca. 1.2 Nvel morfo-sinttico - muitas vezes, por analogia, por exemplo, algumas pessoas conjugam verbos irregulares como se fossem regulares: "manteu" em vez de "manteve", "ansio" em vez de "anseio"; certos segmentos sociais no realizam a concordncia entre sujeito e verbo, e isto ocorre com mais frequncia se o sujeito est posposto ao verbo. H ainda variedade em termos de regncia: "eu lhe vi" ao invs de "eu o vi". 1.3 Nvel vocabular - algumas palavras so empregadas em um sentido especfico de acordo com a localidade. Exemplos: em Portugal diz-se "mido", ao passo que no Brasil usa-se " moleque", "garoto", "menino", "guri"; as grias so, tipicamente, um processo de variao vocabular.</p> <p>2</p> <p>Tipos de variao lingustica Existem dois tipos de variedades lingusticas: os dialetos (variedades que ocorrem em funo</p> <p>das pessoas que utilizam a lngua, ou seja, os emissores); os registros ( variedades que ocorrem em funo do uso que se faz da lngua, as quais dependem do receptor, da mensagem e da situao).</p> <p>Variao Dialetal</p> <p>Variao Regional</p> <p>Variao Social Variao de Registro</p> <p>Variao Etria</p> <p>Variao Profissional</p> <p>Variao dialetal Cada pessoa traz em si uma srie de caractersticas que se traduzem no seu modo de se expressar: a regio onde nasceu, o meio social em que foi criada e/ou em que vive, a profisso que exerce, a sua faixa etria, o seu nvel de escolaridade. Os exemplos a seguir ilustram esses diferentes tipos de variao. A regio onde nasceu (variao regional) - aipim, mandioca, macaxeira (para designar a mesma raiz); tu e voc (alternncia do pronome de tratamento e da forma verbal que o acompanha); vogais pretnicas abertas em algumas regies do Nordeste; o s chiado carioca e o s sibilado mineiro; o meio social em que foi criada e/ou em que vive; o nvel de escolaridade (no caso brasileiro, essas variaes esto normalmente inter-relacionadas (variao social): substituio do l por r (crube, pranta, prstico); eliminao do d no gerndio (correndo/correno); troca do a pelo o (saltar do nibus/soltar do nibus); a profisso que exerce (variao profissional): linguagem mdica (ter um infarto / fazer um infarto); jargo policial ( elemento / pessoa; viatura / camburo); a faixa etria (variao etria) : irado, sinistro (termos usados pelos jovens para elogiar, com conotao positiva, e pelos mais velhos, com conotao negativa). Pelos exemplos apresentados, podemos concluir que h dialetos de dimenso territorial, social/profissional, de idade, de sexo, histrica. Nem todos os autores apresentam a mesma diviso para estas variedades, sobretudo porque elas se superpem, e seus limites no so bem definidos. 2.1 Variao regional Nesta dimenso, incluem-se as diferenas lingusticas observadas entre pessoas de regies distintas, onde se fala a mesma lngua. Exemplos claros desta variao so as diferenas encontradas entre os diversos pases de lngua portuguesa (Brasil, Portugal, Angola, por exemplo) ou entre regies do Brasil (regio sul, com os falares gacho, catarinense, por exemplo, e regio nordeste, com os falares baiano, pernambucano, etc.).</p> <p>Inmeros estudos tm sido feitos, no Brasil, com o objetivo de traar diferenas entre os falares regionais. Experincias, como os Atlas Geolingusticos, podem ser encontradas: Nesse tipo de variao, as diferenas mais comuns so as que encontramos no plano fontico (pronncia, entonao) e no plano lexical (uso de palavras distintas para designar o mesmo referente, palavras com sentidos que variam de uma regio para outra). 2.2 Variao de carter social/profissional Sob esse ponto de vista, os dialetos correspondem s variaes que existem em funo da classe social a que pertencem os indivduos. Incluem-se neste tipo de variedade lingustica os jarges profissionais (linguagem dos advogados, dos locutores de futebol, dos policiais, etc.) e as grias, que identificam muitos grupos sociais. Na sociedade, os dialetos sociais podem ter um papel de identificao, pois atravs deles que os diferentes grupos se reconhecem e at mesmo se protegem em relao aos demais. Essa variao pode resultar tambm da funo que o falante desempenha. Em portugus, um exemplo desse tipo de variao o plural majesttico, o pronome ns usado por autoridades e governantes nas suas frases, manifestando sua posio de representantes do povo. Exemplo: "Vivemos um grande momento no Brasil e tem que ser o momento do Nordeste do Brasil, porque aqui que se concentra a pobreza" (Presidente Fernando Henrique, JB, 25/01/97) 2.3 Variao de carter etrio Essas diferenas correspondem ao uso da lngua por pessoas de diferentes faixas etrias, fazendo com que, por exemplo, uma criana apresente uma linguagem diferente da de um jovem, ou de um adulto. Ao longo da vida, as pessoas vo alternando diferentes modos de falar conforme passam de uma faixa etria outra. 2.4 Variao de registro</p> <p>O segundo tipo de variedade que as lnguas podem apresentar diz respeito ao uso que se faz da lngua em funo da situao em que o usurio e o interlocutor esto envolvidos. Para se fazer entender, qualquer pessoa precisa estar em sintonia com o seu interlocutor e isto facilmente observvel na maneira como nos dirigimos, por exemplo, a uma criana, a um colega de trabalho, a uma autoridade. Escolhemos palavras, modos de dizer, para cada uma dessas situaes. Tentar adaptar a prpria linguagem do interlocutor j realizar um ato de comunicao. Pode-se dizer que o nvel da linguagem deve se adaptar situao. (Texto tirado de outras fontes) Filme tapete vermelho Levar o filme Tapete Vermelho e assistir com os alunos. Para evitar que percam partes do texto devido ter que anotar o que est sendo dito durante o filme, levarei comigo as frases ditas pelos atores e dividirei entre os grupos para posterior anlise. Falas ditas pelas personagens: 1 - Eu persiso do neco pra i percur r no brejo 2 - Quem acha r no brejo qui dificulidade 3 - Cumra nu meu tempo de mininu 4 - Ta tudo deferente na roa 5 - Mais tardi eu passu l pra mdi benz eli 6 - Seu neversr ta cheganu fio 7 - Nois tudo vamu na cidade v firme da Mazzaropi 8 - Adond que s vai v firme de Mazaroppi. 9 - S avariado, eu qui num botu o meu p nesse mundo de meu Deus, tenhu mais qui faze. 10 - i nis vamu aviaj cum, i quem cuida das criao. 11 - Mais intonci seis vo memo de viagi? 12 - Peg um tantu di cumida e juga um pokin ali todu dia, qui dadonde qui tem mais cumida qui us pexe fica tudu juntadu ali.</p> <p>13 - Quandu senti a fisgada pux com ligereza 14 - To custumadu com essa vida de labuta todo dia. 15 - Num fart i oio gordo em riba de quem tem valori. Que kssa vaca tem? 16 - E diabo de ganh o mundu. 17 - No me enchus picu. 18 - H coron, di zi na casa viu coron. 19 - ia s, um burru puxanu u otu, sei muito bem a presepada qui issu vai d. 20 - Faiz tempu quieu num ti vejo oce. 21 - Vamu l pu ladu do vali pra modi o mininu d um divortei i nis percisa di uma posada hoji, 22 - s lembra daqueli violero qui ficava aqui? O povu si revort cum ele, a viola deli toca suzinha. 23 - O Renato comeo a si mang di todu mundo. 24 - Com toda essa leiteria eli chora di fomi, mui, reza preli c reza Zurmira. 25 - A sinhora fica carma, faiz tudu quinm s faiz toda noite, mais tem qui avis seu Marculinu pra modi num assust cu eu nem. 26 Tamu ino todu mundu atrais du firmi du mazaropi, zurmira ta mei revortada mais vais nem. 27 - presenti di dona rosa, no persisava dona rosa. Oia qui formosura, se divinho minha preferna 28 - Safada, maledita, cab a farra maledita. Agora oce vai parece pra quem feiz essa catia. 29 - A diverso di pobri i nu armazm i inche a sacola, o restu firula, coisa di quinzim. 30 - nis vamu drumi pur dibaxu da ponti issu sim. 31 - porque qui nos paremu aqui. Ta com jeitu de chuva persisamu um luga secu pra fic nem fi. 32 amigo Mazaropi, nois so vinhemu assisti um firme seu pra dipois vorta pra casa viu, no me apronta uma farseta hem. 33 - me, j qui tamu, qui fiquemu. 34 - So jeca sim sinh com muito gosto, tem minha terrinha, prantu meu inhami, trabaio pra mim e num so impregado. 35 - Me j qui tamu, qui fikemu. H! inda ta cum rabu viradu, qui dificulidade essa mui. 36 - no mi venha cum discausu, oce ta cum as hora contada cum eu. 37 - tamu indo pus ladu da cidadi mais pra frenti a nem. 38 - Trabaiava numa fazenda aqui perto, fazendo, meu, hoji trabaio com biscate, fau um</p> <p>servicinho aqui otro ali. 39 - se agenti discuid passa fomi, pois num arruma selvio. 40 - vamu v que qui tem de bia, despois nis percura o cimema. 41 - P perpar pra isvazia o borco. Mais esse o preo di deiz cestu de inhame, se viu s zurma. 42 - oc que si vira com o seu isganamento. 43 - bandi boc gasta tudu im ropa. 44 - nois podi ajuda oc. 45 - Tardi, se sabi donde qui ficu cinema? 46 - cinema tem mais nois num sabe se vai passa da fiume da mazaropi. Nois nunca viu nem. 47 - dond qui fica o cinema? a cinema fica l nu praa. 48 - tem uma pessual que sabi donde que passu fiume da Mazzaropi. 49 - genti qui gosta dessi coisa e di toc viola, vai ta nesse noite l nu fim desse rua. 50 - Intonci, gost du cinema fi. 51 - bo, vamu intao no tr do bar do Ircu pra sabe dond que fikesse tr de cinema nem nu camim nois ranja um luga pra drumi 52 - gorinha meso cabei di tom caf companhado, a eu escapuli com essa. Mais sosse num fiz questo levu bolu pra cume mais tardi. 53 - E oce, que qui faiz com essa violinha mecretefe parecenu um nim de sabi? 54 - Tava venu seis toc seis so bo dimais viu.eu num tocu iguar oceis no viu. 55 - Oi, dadondi oce ? O pobrema dil qui no tem cinema pra mdi v firme do Mazzaropi nem. 55 - Se qu toc viola comueu. Se faiz quarqu coisa pra toca viola comueu. 56 - quase qui essi disgramadu pegueu uai, 57 - nois vai sai daqui agora meso, l esse tar num apareci no uai. 58 - Me contaru rapariga que u homi di noiti tevi aqui e levo o violeru pras banda deli. 59 - carcule s a prosopopia. Calcule s a baguna. 60 - mais pra, leva vara proceis pesc. Oceis gosta, assim resfresca a cabea....</p>