aula 6

of 42 /42
RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Gestão Ambiental – 2014 Aula 6 Prof. Biól. Leandro A. Machado de Moura [email protected]

Upload: leandro-de-moura

Post on 12-Nov-2014

276 views

Category:

Environment


6 download

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

Page 1: Aula 6

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

Gestão  Ambiental  –  2014    

Aula  6  

Prof.  Biól.  Leandro  A.  Machado  de  Moura  [email protected]  

Page 2: Aula 6

Vegetação    

Biomas  Brasileiros  

Page 3: Aula 6

Ecossistemas  relacionados    

Mata  de  Cocais  (Caa;nga/Amazônia)   Manguezal  (Mata  Atlân;ca)  

Mata  de  Araucária  (Pampas/Mata  Atlân;ca)   Res;nga  (Mata  Atlânica)  

Vegetação    

Page 4: Aula 6

Legislação    

Lei  nº  11.428,  de  22  de  dezembro  de  2006.    Dispõe   sobre   a   u;lização   e   proteção   da   vegetação   na;va   do   Bioma   Mata  Atlân;ca,  e  dá  outras  providências.    Art.   2o     Para   os   efeitos   desta   Lei,   consideram-­‐se   integrantes   do   Bioma  Mata  Atlân;ca   as   seguintes   formações   florestais   na;vas   e   ecossistemas   associados,  com  as  respec;vas  delimitações  estabelecidas  em  mapa  do  Ins;tuto  Brasileiro  de  Geografia  e  EstaVs;ca  -­‐  IBGE,  conforme  regulamento:      Floresta  Ombrófila  Densa;  Floresta  Ombrófila  Mista;   Floresta  Ombrófila  Aberta;  Floresta   Estacional   Semidecidual;   e   Floresta   Estacional   Decidual,   bem   como   os  manguezais,  as  vegetações  de  res;ngas,  campos  de  al;tude,  brejos  interioranos  e  encraves  florestais  do  Nordeste.      

Vegetação    

Page 5: Aula 6

Floresta  Ombrófila  Densa  

•  É  uma  mata  perenifólia  (sempre  verde)  com  dossel  alto  (de  até  50  m)  

•  Possui  densa  vegetação  arbus;va,  composta  por  samambaias  e  bromélias.    

•  As  trepadeiras  e  epífitas  (bromélias  e  orquídeas)  cactos  e  samambaias  também  são  muito  abundantes.    

•  Sua   principal   caracterís;ca   ecológica   reside   nos   ambientes   ombrófilos,  relacionada   com   os   índices   termo-­‐pluviométricos   mais   elevados   da   região  litorânea  e  da  Amazônia.    

•  A   precipitação   bem   distribuída   durante   o   ano,   determina   uma   situação  bioecológica  pra;camente  sem  período  seco  

Vegetação    

Page 6: Aula 6

Floresta  Ombrófila  Densa  

Vegetação    

Page 7: Aula 6

Floresta  Ombrófila  Aberta  

Vegetação    

•  É  considerada  um  ;po  de  transição  da  floresta  ombrófila  densa,    

•  Tem   como   principais   caracterís;cas   o  maior   espaçamento   entre   as   árvores,  daí  a  origem  do  nome.  

•  Possui  gradientes  climá;cos  com  mais  de  60  dias  secos.    

Page 8: Aula 6

Vegetação    

Floresta  Ombrófila  Aberta  

Page 9: Aula 6

Floresta  Ombrófila  Mista  

Vegetação    

•  também  conhecida  como  Floresta  de  Araucária  ou  Araucarieto    

•  é  um  ecossistema  com  chuva  durante  o  ano  todo,  normalmente  em  al;tudes  elevadas,   e   que   contém   espécies   de   angiospermas   com   a   presença   de  coníferas.    

•  O   clima   da   região   é   subtropical,   com   chuvas   regulares   e   estações  rela;vamente   bem   definidas:   o   inverno   é   normalmente   frio,   com   geadas  frequentes  e  até  neve  em  algumas  localidades.  

•  Encontrada  no  Brasil  principalmente  nos  estados  de  Santa  Catarina,  Paraná  e  Rio  Grande  do  Sul,  faz  parte  do  bioma  mata  atlân;ca,  e  é  caracterizada  pela  presença   da   espécie  Araucaria   angus+folia   que   nela   imprime   um   aspecto  próprio  e  único.  

Page 10: Aula 6

Vegetação    

Floresta  Ombrófila  Mista  

Page 11: Aula 6

Floresta  Estacional  Decidual  

Vegetação    

•  Também  chamada  de  Floresta  Estacional  Caducidófila    

•  Ocorre  em  grandes  al;tudes  e  baixa  temperatura.    

•  Esse  ecossistema  é  caracterizado  por  duas  estações  bem  definidas:  uma  seca  e  outra   chuvosa,   sendo   a   primeira   mais   prolongada,   ao   contrário   da   floresta  tropical  que  não  mantém  estação  seca.  

Page 12: Aula 6

Floresta  Estacional  Semidecidual  

Vegetação    

•  Conhecida  também  como  Mata  Mesófila:  cons;tui  uma  vegetação  pertencente  ao  bioma  da  Mata  Atlân;ca  (Mata  Atlân;ca  do   Interior),  sendo  Vpica  do  Brasil  Central    

•  Está   condicionada   a   dupla   estacionalidade   climá;ca:   uma   estação   com   chuvas  intensas  de  verão,  seguidas  por  um  período  de  es;agem.    

•  O   grau   de   decidualidade,   ou   seja,   a   perda   das   folhas   é   dependente   da  intensidade   e   duração   de   basicamente   duas   razões:   as   temperaturas  mínimas  máximas  e  a  deficiência  do  balanço  hídrico.    

•  A  porcentagem  das  árvores  caducifólias  no  conjunto  florestal,  é  de  20-­‐50%  

Page 13: Aula 6

Floresta  Estacional  Decidual  e  Semidecidual  

Vegetação    

Page 14: Aula 6

Classificação  AlNtudinal    

Vegetação    

Ex.:  •  floresta  ombrófila  mista  aluvial  •  floresta  ombrófila  mista  submontana  •  floresta  ombrófila  mista  montana  •  floresta  ombrófila  mista  altomontana  

Page 15: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Estabelece  os  parâmetros  básicos  para  análise  dos  estágios  de  sucessão  de  Mata  Atlân;ca.  

Art.  1º:  (...)  são  estabelecidos  os  seguintes  parâmetros  básicos  para  análise  dos  estágios  de  sucessão  da  Mata  Atlân;ca:    I  -­‐  fisionomia;  II  -­‐  estratos  predominantes;  III  -­‐  distribuição  diamétrica  e  altura;  IV  -­‐  existência,  diversidade  e  quan;dade  de  epífitas;  V  -­‐  existência,  diversidade  e  quan;dade  de  trepadeiras;  VI  -­‐  presença,  ausência  e  caracterís;cas  da  serapilheira;  VII  -­‐  sub-­‐bosque;  VIII  -­‐  diversidade  e  dominância  de  espécies;  IX  -­‐  espécies  vegetais  indicadoras.  

Resolução  CONAMA  01/1994  

Define  vegetação  primária  e  secundária  nos  estágios  pioneiro,  inicial  e  avançado  de  regeneração  da  Mata  Atlân;ca.  

Page 16: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Art.   2o:   Com   base   nos   parâmetros   indicados   no   ar;go   1o   desta   Resolução,   ficam  definidos  os  seguintes  conceitos:      I   -­‐   Vegetação   Primária   -­‐   vegetação   de   máxima   expressão   local,   com   grande  diversidade  biológica,  sendo  os  efeitos  das  ações  antrópicas  mínimos,  a  ponto  de  não  afetar  significa;vamente  suas  caracterís;cas  originais  de  estrutura  e  de  espécies.      II  -­‐  Vegetação  Secundária  ou  em  Regeneração  -­‐  vegetação  resultante  dos  processos  naturais   de   sucessão,   após   supressão   total   ou   parcial   da   vegetação   primaria   por  ações     antrópicas   ou   causas   naturais,   podendo   ocorrer   árvores   remanescentes   da  vegetação  primária.      Classificação:  Inicial,    Médio  ou  Avançado    

Page 17: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Art.  3o  Os  estágios  de  regeneração  da  vegetação  secundária  (…),  passam  a  ser  assim  definidos:      I  -­‐  Estágio  Inicial:    

a)   fisionomia   herbáceo/arbus;va   de   porte   baixo,   com   cobertura   vegetal  variando  de  fechada  a  aberta;    b)      espécies  lenhosas  com  distribuição  diamétrica  de  pequena  amplitude;    c)   epífitas,   se   existentes,   são   representadas   principalmente   por   líquenes,  briófitas  e  pteridófitas,  com  baixa  diversidade;    d)    trepadeiras,  se  presentes,  são  geralmente  herbáceas;    e)   serapilheira,  quando  existente,   forma  uma  camada  fina  pouco  decomposta,  conVnua  ou  não;    f)   diversidade   biológica   variável   com   poucas   espécies   arbóreas   ou  arborescentes,   podendo   apresentar   plântulas   de   espécies   caracterís;cas   de  outros  estágios;    g)    espécies  pioneiras  abundantes;  h)    ausência  de  subosque.    

 

Page 18: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

II  -­‐  Estágio  Médio:    a)  fisionomia  arbórea  e/ou  arbus;va,  predominando  sobre  a  herbácea,  podendo    cons;tuir  estratos  diferenciados;  b)  cobertura  arbórea,  variando  de  aberta  a  fechada,  com  a  ocorrência  eventual  de    indivíduos  emergentes;  c)  distribuição  diamétrica  apresentando  amplitude  moderada,  com  predomínio  de    pequenos  diâmetros;  d)  epífitas  aparecendo  com  maior  número  de  indivíduos  e  espécies  em  relação  ao    estágio  inicial,  sendo  mais  abundantes  na  floresta  ombrófila;  e)  trepadeiras,  quando  presentes  são  predominantemente  lenhosas;  f)  serapilheira  presente,  variando  de  espessura  de  acordo  com  as  estações  do  ano  e    a  localização;  g)  diversidade  biológica  significa;va;  h)  subosque  presente.    

Page 19: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

III  -­‐  Estágio  Avançado:    a)  fisionomia  arbórea,  dominante  sobre  as  demais,  formando  um  dossel  fechado  e    rela;vamente  uniforme  no  porte,  podendo  apresentar  árvores  emergentes;  b)  espécies  emergentes,  ocorrendo  com  diferentes  graus  de  intensidade;  c)  copas  superiores,  horizontalmente  amplas;  d)  distribuição  diamétrica  de  grande  amplitude;    e)  epífitas,  presentes  em  grande  número  de  espécies  e  com  grande  abundância,  prin-­‐  cipalmente  na  floresta  ombrófila;    f)  trepadeiras,  geralmente  lenhosas,  sendo  mais  abundantes  e  ricas  em  espécies  na  floresta  estacional;    g)  serapilheira  abundante;  h)  diversidade  biológica  muito  grande  devido  à  complexidade  estrutural;  i)  estratos  herbáceo,  arbus;vo  e  um  notadamente  arbóreo;  j)  florestas  neste  estágio  podem  apresentar  fisionomia  semelhante  à  vegetação  primária;    l)  subosque  normalmente  menos  expressivo  do  que  no  estágio  médio;  m)  dependendo  da  formação  florestal,  pode  haver  espécies  dominantes.      

Page 20: Aula 6

Vegetação    

Art.  4o  A  caracterização  dos  estágios  de  regeneração  da  vegetação,  definidos  no  ar;go   3o,   desta   Resolução,   não   é   aplicável   aos   ecossistemas   associados   às  formações  vegetais  do  domínio  da  Mata  Atlân;ca,  tais  como:      •  manguezal,    •  res;nga,    •  campo  de  al;tude,    •  brejo  interiorano  e    •  encrave  florestal  do  nordeste.  

Resolução  CONAMA  10/1993  

Page 21: Aula 6

Vegetação    

Art.  4o  A  caracterização  dos  estágios  de  regeneração  da  vegetação,  definidos  no  ar;go   3o,   desta   Resolução,   não   é   aplicável   aos   ecossistemas   associados   às  formações  vegetais  do  domínio  da  Mata  Atlân;ca,  tais  como:      •  manguezal,    •  res;nga,    •  campo  de  al;tude,    •  brejo  interiorano  e    •  encrave  florestal  do  nordeste.  

Resolução  CONAMA  10/1993  

Page 22: Aula 6

Vegetação    

I  -­‐  Manguezal  -­‐  vegetação  com  influência  flúvio-­‐marinha,  Vpica  de  solos  limosos  de  regiões  estuarinas  e  dispersão  desconVnua  ao  longo  da  costa  brasileira,  entre  os  Estados  do  Amapa  e  Santa  Catarina.      Nesse  ambiente  halófito,  desenvolve-­‐se  uma  flora  especializada,  ora  dominada  por   gramíneas   (Spar+na)   e   amarilidáceas   (Crinum),   que   lhe   conferem   uma  fisionomia   herbácea,   ora   dominada   por   espécies   arbóreas   dos   gêneros  Rhizophora,   Laguncularia   e   Avicennia.   De   acordo   com   a   dominância   de   cada  gênero,  o  manguezal  pode  ser  classificado  em:      1.  mangue  vermelho  (Rhizophora),    2.  mangue  branco  (Laguncularia)  e    3.  mangue  preto  ou  siriúba  (Avicennia),      Os  dois  primeiros   colonizando  os   locais  mais  baixos  e  o   terceiro  os   locais  mais  altos  e  mais  afastados  da   influência  das  marés.  Quando  o  mangue  penetra  em  locais  arenosos  denomina-­‐se  mangue  seco.    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Page 23: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Mangue  vermelho  (Rhizophora)  

Page 24: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Mangue  branco  (Laguncularia)  

Page 25: Aula 6

Vegetação    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Mangue  preto  ou  siriúba  (Avicennia)    

Page 26: Aula 6

Vegetação    

II   -­‐   ResNnga   -­‐   vegetação   que   recebe   influência  marinha,   presente   ao   longo   do  litoral   brasileiro,   também  considerada   comunidade  edáfica,   por  depender  mais  da   natureza   do   solo   do   que   do   clima.   Ocorre   em   mosaico   e   encontra-­‐se   em  praias,   cordões   arenosos,   dunas   e   depressões,   apresentando   de   acordo   com  o  estágio   sucessional,   estrato   herbáceo,   arbus;vo   e   arbóreo,   este   úl;mo   mais  interiorizado.      

Resolução  CONAMA  10/1993  

Page 27: Aula 6

Vegetação    

III   -­‐   Campo   de   AlNtude   -­‐   vegetação   Vpica   de   ambientes   montano   e   alto-­‐montano,   com   estrutura   arbus;va   e/ou   herbácea,   que   ocorre   geralmente   nos  cumes   litólicos   das   serras   com   al;tudes   elevadas,   predominando   em   clima  subtropical  ou  temperado.  Caracteriza-­‐se  por  uma  ruptura  na  sequuência  natural  das   espécies   presentes   nas   formações   fisionômicas   circunvizinhas.   As  comunidades   florís;cas   próprias   dessa   vegetação   são   caracterizadas   por  endemismos.    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Page 28: Aula 6

Vegetação    

IV  -­‐  Brejo  Interiorano  -­‐  mancha  de  floresta  que  ocorre  no  nordeste  do  País,  em  eleva-­‐  ções  e  platôs  onde  ventos  úmidos  condensam  o  excesso  de  vapor  e  criam  um  ambiente  de  maior  umidade.  É  também  chamado  de  brejo  de  al;tude.    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Page 29: Aula 6

Vegetação    

V  -­‐  Encrave  Florestal  do  Nordeste  -­‐  floresta  tropical  baixa,  xerófita,  la;foliada  e  decídua,  que  ocorre  em  caa;nga  florestal,  ou  mata  semi-­‐úmida  decídua,  higrófila  e  mesófila  com  camada  arbórea  fechada,  cons;tuída  devido  à  maior  umidade  do  ar  e  à  maior  quan;dade  de  chuvas  nas  encostas  das  montanhas.  Cons;tui  uma  transição  para  o  agreste.  No  ecótono  com  a  caa;nga  são  encontradas  com  mais  frequuência  palmeiras  e  algumas  cactáceas  arbóreas.    

Resolução  CONAMA  10/1993  

Page 30: Aula 6

Vegetação    

Sub-­‐bosque  

Em  botânica,  um  sub-­‐bosque,  designa  o  conjunto  de  vegetação  de  baixa  estatura  que  cresce  em  nível  abaixo  do  dossel  florestal.    A   vegetação   do   sub-­‐bosque   consiste   numa  mistura   de  mudas   e   plantas   jovens   de  árvores  do  dossel,  juntamente  com  arbustos  do  sub-­‐bosque  e  ervas.  As  árvores  mais  jovens   do   dossel   florestal   costumam   ficar   reprimidas   como   juvenis   por   décadas,  enquanto  espera  uma  abertura  no  dossel  que  vai  permi;r  o  seu  crescimento  até  as  copas.      Subosques   florestais   têm  menor   intensidade   de   luz   do   que   no   topo   do   dossel.   As  ondas  de   luz  que  estão  aí  disponíveis   são  apenas  uma   fração  das  ondas  que  estão  disponíveis   sob   plena   luz   do   sol.   As   plantas   de   subosque   devem,   portanto,  muitas  vezes,   ser   tolerantes  à   sombra   -­‐  elas  devem  ser   capazes  de   fazer   fotossíntese  com  sucesso  com  a  quan;dade  limitada  de  luz  disponível.  

Page 31: Aula 6

Vegetação    

Espécies  Pioneiras    

•  Se  desenvolvem  em  clareiras,  bordas  ou  locais  abertos:  •  Pequeno  número  de  espécies;  •  Grande  densidade  de  plantas  por  hectares;  •  Pequeno  ciclo  de  vida  (  10-­‐20  anos);  •  Dispersão  de  sementes  por  agentes  generalistas;  •  Viabilidade  das  sementes  (longa);  •  Grande  produção  de  sementes;  •  Sementes  em  geral  pequenas;  •  Altas  taxas  de  crescimento  vegeta;vo;  •  Sistema  radiculares  de  absorção  mais  desenvolvidos;  •  Alta    plas;cidade  fenoVpica;  •  Ampla  amplitude  ecológica  (dispersão  geográfica);  •  Raramente  formam  associação  micorrízica.  

Page 32: Aula 6

Vegetação    

Espécies  Secundárias  Iniciais    

•  Se  desenvolvem  em  locais  semi-­‐abertos;  •  Aceitam  somente  o  sombreamento  parcial;  •  Convivem  com  as  pioneiras  (em  menor  densidade  nas  fases  iniciais  da  

sucessão  florestal);  •  Grupo  mais  representa;vo  nos  estágios  intermediários  de  sucessão.  

Espécies  Secundárias  Tardias  

•  Se  desenvolvem  exclusivamente  em  sub-­‐bosque,  em  áreas  permanentemente  sombreadas;  

•  Suas  mudas  vão  compor  o  banco  de  plântulas  da  floresta;  •  Iniciam  sua  presença  em  estágios  intermediários  de  sucessão;  •  São  geralmente  árvores  de  grande  porte;  •  Suas  sementes  são  dispersas  por  gravidade  e  por  alguns  grupos  de  animais  

Page 33: Aula 6

Vegetação    

Espécies  Climáx  

•  Se  regeneram  e  se  desenvolvem  em  plena  sombra  •  Suas  sementes  possuem  geralmente  pequena  viabilidade  e  raramente  

apresentam  algum  ;po  de  dormência;  •  Sementes  dispersas  por  gravidade,  mamíferos  e  roedores;  •  Apresentam  baixa  densidade  por  área;  •  Existem  um  grande  número  de  espécies  destes  grupo  em  florestas  primárias  

e  nos  estágios  avançados  de  sucessão;  •  Em  pequenos  fragmentos  florestais  isolados  são  geralmente  espécies  raras;  •  Ciclo  de  vida  longo;  •  Não  necessitam  de  clareiras  para  sua  regeneração;  •  Definem  a  estrutura  final  da  floresta;  •  Crescimento  vegeta;vo  lento,  alta  densidade  da  madeira;  •  Presença  de  sistema  radicular  atrofiado,  com  poucas  raízes  de  absorção;  •  A  maior  parte  das  espécies  são  formadoras  de  associações  micorrízicas.  

Page 34: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  FlorísNco  

•  Tem   por   obje;vo   a   qualificação   da   composição   vegetacional   de   uma  determinada  área  geográfica.  

•  Em  geral  é  fornecida  uma  listagem  de  espécies,  sendo  as  amostragens  realizadas  através  de  caminhamentos  aleatórios  ou  transectos.    

 •  É   uma   importante   etapa   no   conhecimento   de   um   ecossistema   por   fornecer  

informações  básicas  aos  estudos  biológicos  subsequentes  -­‐  TIPOS  DE  VEGETAÇÃO  (FITOFISIONOMIAS)    

 

A  essência  do  termo  amostragem  é  a  obtenção  de  uma  parte  que  represente,  de  forma  adequada,  a  totalidade  do  objeto  de  estudo.  

Amostragem  

Page 35: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  FlorísNco  

São  traçadas  linhas  imaginárias  na  área,  no  sen;do  de  maior  extensão  e  caminha-­‐se  ,  anotando  o  nome  cienVfico  de  todas  as  espécies.    

Page 36: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  Fitossociológico  

Tem   por   obje;vo   a   quanNficação   da   composição   florís;ca,   estrutura,  funcionamento,  dinâmica  e  distribuição  de  uma  determinada  vegetação.  

Normalmente   são   considerados   três   grupos   de   métodos   de   amostragem  fitossociológica:      •  Parcelas  múl;plas,    •  Parcela  única    •  Sem  parcelas  (método  de  distância).  

Page 37: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  Fitossociológico  

Nos   levantamentos   fitossociológicos   geralmente   são   mais   empregados   os  métodos   de   parcelas  múl;plas,   que   consiste   em   estabelecer   várias   parcelas   em  vários  locais  da  comunidade  vegetal.      

Page 38: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  Fitossociológico  

Page 39: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  Fitossociológico  

Page 40: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  Fitossociológico  

Herbário  

Page 41: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  Fitossociológico  

Xiloteca  Banco  de  Sementes    (Carpoteca)  

Page 42: Aula 6

Vegetação    

Levantamento  Fitossociológico  

Suficiência  amostral      Espécies  iden;ficadas          X              Tamanho  da  área  de  estudo