aula 2 – pré-história e antiguidade 1. pré-história ?· ... (“pedra antiga”, idade da...

Download Aula 2 – Pré-História e Antiguidade 1. Pré-História ?· ... (“pedra antiga”, idade da pedra…

Post on 10-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Aula 2 Pr-Histria e Antiguidade

1. Pr-Histria: o aparecimento da escrita, por volta de 4.000 a.C., que marca convencionalmentea separao entre Histria e Pr-Histria. Portanto, a distino entre os dois perodos fundamenta-seem seus mtodos de estudo: enquanto Pr-Histria se baseia na compreenso e anlise dos legadosmateriais humanos, a Histria ir fundamentar-se nos documentos escritos. importante dizer quetudo que foi e dito sobre a origem do homem se fundamenta em hipteses que podem serconstantemente superadas por descobertas mais novas.

A Pr-Histria dividida em trs perodos:

Paleoltico (pedra antiga, idade da pedra lascada):Acredita-se que o mais antigo ancestral do homem, surgido h cerca de 4 milhes de anos,

seja o Australopithecus, encontrado no centro-sul do continente africano, sobre cuja origem temosconhecimentos bastante escassos.

A ele segue o Homo erectus (depois de 1 milho de anos) encontrado em Java (Oceania), naChina e na Europa. Na sequncia evolutiva, encontramos o Homo neanderthalensis, encontrado naEuropa e na sia Menor, j com grande capacidade craniana e habitando cavernas. Por fim,defrontamo-nos com o Cro-Magnon, ou Homo Sapiens (depois de 200 mil anos), cuja capacidadecraniana demonstra alto grau de inteligncia, e cujos legados permitem vislumbrar traos de vidasocial, arte e magia.

O Paleoltico, fase em que a temperatura da Terra era muito mais baixa do que hoje,apresentava como principais caractersticas: a habitao em cavernas; a vida dependente de coletade frutos, da caa e da pesca; e a utilizao de instrumentos, inicialmente de ossos e madeira e, maistarde, de pedra. A pedra tornou-se, a partir de ento, a principal matria-prima, utilizada sob a formade lascas pontiagudas ou de objetos moldados com elas. Na poca do aparecimento do Cro-Magnon, a Terra viveu sua quarta glaciao, o que induziu a uma permanncia maior nas cavernase, consequentemente, ao desenvolvimento da arte em forma de pinturas nas paredes. Extremamentedependente dos elementos naturais, a vida nmade era a nica forma possvel de sobrevivncia. Autilizao do fogo significou um grande progresso e, a partir do Cro-Magnon, a caa a animais degrande porte j atestava a existncia de grupos humanos coexistindo em sociedade.

Neoltico (pedra nova, idade da pedra polida):As grandes transformaes que se processaram nesse perodo levaram alguns estudiosos a

cham-lo de revoluo neoltica. De fato, partindo dos elementos naturais, tudo se transformou: odegelo criou regies temperadas e ridas, permitindo uma vida mais externa; a domesticao dealguns animais e a prtica de uma agricultura itinerante possibilitaram a sedentarizao e oaparecimento dos primeiros ncleos urbanos, com finalidade defensiva. O homem deixava acaverna e comeava a viver em moradias construdas por ele mesmo, como a palafita. Asobrevivncia passou a depender da vida em comunidades, e desenvolveram-se, paralelamente, asnoes de propriedade e de relaes familiares. Embora os metais pouco resistentes j fossemmanuseados, a principal matria-prima continuava a ser a pedra, mas trabalhada at seu polimento,

fato que d nome ao perodo: Pedra Polida.

Idade dos MetaisCobre, bronze e ferro. Nessa sucesso, com o aparecimento e o desenvolvimento da

metalurgia, abandonou-se a pedra como principal matria-prima. A partir desse momento, comeoua se tornar mais concreta a ao do homem sobre a natureza, bem como o aperfeioamento dasarmas, o que possibilitou o predomnio das comunidades tecnicamente mais desenvolvidas na buscade melhores terras. Teve incio a formao de grandes imprios e de organizaes mais sofisticadasque a comunidade primitiva, acarretando a necessidade de um controle mais rigoroso sobre asriquezas. Tais necessidades, aliadas a inmeras outras, promoveram o aparecimento da escrita e,com ela, o incio dos tempos histricos.

2. Antiguidade: tambm conhecida como Idade Antiga, a Antiguidade se divide em: AntiguidadeOriental e Antiguidade Clssica. A Antiguidade Oriental refere-se s primeiras Civilizaesagrcolas e mercantis da antiguidade oriental, que compreendem, entre outros, os povosmesopotmicos, os egpcios, os fencios, os persas, os hebreus, os hindus e os chineses. J aAntiguidade Clssica refere-se a um perodo da Histria da Europa que ocorre aproximadamente dosculo VIII a.C., quando surge a poesia grega de Homero, at a queda do Imprio romano doocidente no sculo V d.C., mais precisamente no ano 476. O que diferencia esta poca de outrasanteriores ou posteriores so os fatores culturais das civilizaes mais marcantes, a Roma e a Grciaantigas.

Antiguidade Oriental

O Egito antigo: o incio da Idade Antiga caracterizou-se pelas grandes civilizaes, nas quais opoder do Estado representado pelo fara, imperador ou rei tinha o controle quase absoluto.

Dessas civilizaes orientais, coube ao Egito e a Mesopotmia a maior grandiosidade eopulncia.

A massa camponesa servia ao Estado (servido coletiva) e aos seus privilegiadosfuncionrios (burocracia): era o perodo dos grandes imprios. A civilizao egpcia desenvolveu-seno nordeste da frica, numa regio predominantemente desrtica, cortada pelo frtil vale do rioNilo. A importncia desse rio para o desenvolvimento da civilizao egpcia pode ser resumida nafamosa frase do pai da Histria, o grego Herdoto: O Egito uma ddiva do Nilo.

Sofrendo enchentes anuais durante alguns meses, o Nilo transborda, ocupando suas margense depositando nelas o hmus fertilizante (detritos que o rio carrega). Terminadas as cheias o riovolta ao leito normal, deixando as margens prontas para uma agricultura abundante.

Os primeiros grupos humanos que se fixaram no vale do Nilo, ainda na fase neoltica,organizaram comunidades rudimentares primitivas e autnomas chamadas nomos. Por volta de

3.500 a.C., os nomos se agruparam para melhor aproveitar as guas do rio, o que originou aformao do Alto Egito (sul) e do Baixo Egito (norte). Em 3.200 a.C., os Mens do Alto Egitoconquistou o Baixo e promoveu a unificao territorial e poltica do Egito.

Entre 2.700 a.C. e 2.600 a.C. numa demostrao de fora do poder dos governantes, foramconstrudas as grandes pirmides empregando milhares e milhares de camponeses em suaconstruo.

A religio e a sociedade egpcia: os egpcioseram politestas, ou seja, acreditavam em vriosdeuses. A sociedade do antigo Egito era formada porrgidos estratos sociais, sem mobilidade vertical eestruturada em forma piramidal. No pice, estavam ofara e sua famlia; sucessivamente, vinham ossacerdotes, os aristocratas e os militares. A camadamdia era formada pelos escribas (letrados),comerciantes e artesos. Na base, estavam oscamponeses e, em menor nmero, os escravos.

A Mesopotmia antiga: outra grande civilizao da Antiguidade, em que o Estado detinha omximo poder e controle quase total, foi a da Mesopotmia.

Ao contrrio do que aconteceu no Egito, a histria da Mesopotmia no primou por umaunidade poltica constante e, muito menos, estvel. Na Mesopotmia destacaram-se inmeros povose sucessivos imprios.

A posio intermediria da Mesopotmia, na confluncia do Ocidente com o Oriente, fez daterra entre rios - como a chamavam os gregos uma das mais importantes regies do CrescenteFrtil, que compreende tambm os vales do Nilo e do Jordo.

Desprovida de protees naturais como o Egito (o Nilo cercado por desertos), a terraentre rios permitia fcil acesso aos povos nmades, o que tornou sua histria poltica muito agitadapela ascenso e pelo declnio de diversos reinos e imprios.

A economia da regio mesopotmica tinha como base a agricultura. O governo eraconstitudo de uma monarquia teocrtica absoluta, com algumas distines com relao ao governodo Egito: o fara era a encarnao de um deus, enquanto o patesi era o representante de um deus. Aservido coletiva, caracterstica em comum com o Egito, possibilitou o poderio dos grandesimprios regionais e as grandes construes (palcios, zigurates, obras hidrulicas, celeiros,muralhas, etc). A escrita, criada pelos sumrios, denominava-se cuneiforme.

A religio era politesta, e os astros eram as mais importantes divindades. Os principaisdeuses eram: Marduk, deus da Babilnia; Samash, deus do Sol e da justia; Anu, deus dos cus;Enlil, deus do ar; Ea, deusa da gua; e Ishtar, deusa do amor e da guerra.

Antiguidade Clssica

Grcia:- As Cidades-Estado: Atenas e Esparta: As cidades eram chamadas de plis, cada uma possuaseu prprio universo econmico e poltico. As plis eram formadas por um aglomerado urbano eoutro rural. Na parte urbana, havia a acro (lugar mais alto da plis, onde funcionava a estruturapoltico-administrativa), a gora (praa pblica) e o asty (mercado).

De um conjunto de aproximadamente 110 plis, duas se destacaram e resumiram odesenvolvimento histrico das demais: Esparta, a mais militar e conservadora, e Atenas, a maisdinmica e democrtica.

- Esparta: uma cidade militar

Esparta foi fundada pelos drios por volta do sculo IX a.C. Situava-se em uma regiochamada Lacnia. As condies naturais da regio onde ficava Esparta eram muito ridas: o solomontanhoso e seco dificultava o abastecimento da cidade. Essas condies adversas levaram osespartanos a conquistar terras frteis por meio de guerras.

O poder em Esparta era exercido por um pequeno grupo ligado s atividades militares.Apenas uma minoria participava das decises polticas e administrativas os esparciatas - que sededicavam nica e exclusivamente poltica e guerra.

A vida em Esparta girava em torno da guerra. Os espartanos temiam que os povos quehaviam conquistado se rebelassem; t