Aula 10 - ORÇAMENTO PÚBLICO

Download Aula 10 - ORÇAMENTO PÚBLICO

Post on 23-Jun-2015

769 views

Category:

Documents

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama</p> <p>AULA 10 ORAMENTO PBLICO3.2.5 Outras Classificaes Formao do Cdigo do Programa de Trabalho completo; De acordo com a estrutura utilizada pelo Governo Federal, elaborada com base no Sistema Integrado de Dados Oramentrios SIDORF, alm das classificaes estudadas at o momento, incorporam outras a fim de gerenciar em rede o processamento das informaes do ciclo oramentrio adotado pela Unio. 99.99.999.99.999.XXXX.9999.9999.9999.999.9.9999.9</p> <p>Esfera Oramentria rgo UO Funo Subfuno Programa Ao Subttulo Idoc Fonte Iduso Natureza Id. Resultado Primrio A seguir comentaremos os itens classificatrios da estrutura acima ainda no abordados at o momento.</p> <p>26</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama Esfera Oramentria: A esfera oramentria tem por finalidade identificar cada tipo de oramento, definido no artigo 165 da Constituio Federal, este campo no SIDOR composto de dois dgitos: XX e ser associado a ao oramentria da seguinte maneira: 10 Oramento Fiscal; 20 Oramento da Seguridade Social; 30 Oramento de Investimento. Identificador de uso - Iduso: o identificador de uso tem a finalidade de completar a informao concernente aplicao dos recurso e destina-se a indicar se os recursos compem contrapartida nacional de emprstimos ou de doaes ou a outras aplicaes, constando da lei oramentria e de seus crditos adicionais pelos seguintes dgitos, que antecedero o cdigo das fontes de recursos. 0 Recursos no destinados a contrapartida; 1 Contrapartida BIRD; 2 Contrapartida BID; 3 Outras Contrapartidas. Identificador de Operaes de crdito Idoc: O Idoc identifica a operao de crdito contratual a que se refere a ao, quando financiada mediante emprstimos de recursos com ou sem contrapartida de recursos da unio. O nmero do Idoc tambm ser usado nas aes de pagamento de amortizao, juros e encargos contratuais para identificar a operao de crdito a que se referem os pagamentos. Os gastos sero programados com o identificador de uso igual a 1, 2 ou 3, e o Idoc, com o nmero da respectiva operao de crdito. Quando os recursos no forem de contrapartida nem de operaes de crdito, o Idoc ser 9999. Identificador de Resultado Primrio: tem como finalidade auxiliar a apurao do resultado primrio constante da LDO, devendo constar no projeto de LOA e na respectiva lei em todos os grupos de natureza de despesa, identificando, de acordo com a metodologia das necessidades de financiamento, cujo demonstrativo constar em anexo LOA, as despesas de natureza: 0 financeira; 27</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama 1- primria obrigatria, ou seja, aquelas que constituem obrigaes constitucionais obrigatrias ou legais da Unio e constem da seo I do Anexo IV da LDO; 2 primria discricionria, consideradas aquelas no includas no anexo especfico citado no item anterior; 3 Outras Despesas Constantes do oramento de investimento que no impactam o resultado primrio.</p> <p>4 - ESTGIOS DA DESPESA Apesar de haver certa divergncia quanto aos estgios da despesa, a doutrina majoritria entende que a legislao prev quatro estgios da despesa: fixao, empenho, liquidao e pagamento. Sendo estgios da execuo: empenho, liquidao e pagamento.</p> <p>Fixao Estgios Execuo Empenho Liquidao Pagamento</p> <p>4.1 - Fixao o valor total da despesa prevista na LOA e deve, em atendimento ao princpio do equilbrio, ser igual receita. Esse estgio da despesa registrado na contabilidade por meio do documento denominado nota de dotao ND, automaticamente pelo SIAF. A fixao no um estgio da execuo da despesa, somente aps a aprovao e publicao da LOA com seu conseqente registro no SIAF que se pode dar incio a execuo (empenho, liquidao e pagamento). 4.2 Empenho 28</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama O empenho ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigao de pagamento pendente ou no de implemento de condio (art. 58 da Lei 4320/64). O empenho o primeiro estgio da execuo da despesa, esse primeiro estgio realizado no SIAF utilizando o documento Nota de Empenho NE, que registra o comprometimento da despesa oramentria. Na NE constar o nome do credor, a especificao e importncia da despesa, bem como os demais dados necessrios ao controle da execuo e da programao financeira. O artigo 59, 3, da lei 4320/64, veda aos municpios a assuno de compromissos financeiros para execuo depois do trmino do mandato do prefeito. O empenho deve ser prvio, ou seja, antecede a realizao da despesa e est restrito aos crditos oramentrios, consignados na LOA ou em crditos adicionais. FIQUE LIGADO! No pode haver, em hiptese alguma, despesa sem prvio empenho.</p> <p>A obrigatoriedade do empenho prvio assunto que causa bastante confuso, isto porque a lei 4320/64 prev que vedada a realizao de despesa sem prvio empenho, e em outra parte dispensa a emisso da nota de empenho, em casos especiais. Para tentar clarear as coisas precisamos distinguir o empenho da nota de empenho. Na verdade o empenho a apenas a autorizao da autoridade competente, por meio de uma assinatura, ordenando em nome do Estado, a assuno de uma obrigao. A nota de empenho um documento, que na Unio, se encontra no Sistema Integrado de Administrao Financeira do Governo Federal SIAF, que ser impresso aps o empenho da despesa. Resumindo, a nota de empenho a materializao do empenho. No caso do empenho terminantemente vedada sua dispensa, no caso da nota de empenho existe previso legal de dispensa de sua emisso em casos especiais como: Despesas relativas a pessoal e encargos; Contribuio para o PASEP;</p> <p>29</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama Amortizao, juros e servios de emprstimos e financiamentos obtidos; Despesas relativas a consumo de gua, energia eltrica, utilizao de servios de telefone, postais e telgrafos e outros que vierem a ser definidos por atos normativos prprios; Despesas provenientes de transferncias por fora de mandamento das Constituies: Federal; Estaduais e de Lei Orgnicas de Municpios, e da execuo de convnios, acordos e ajustes, entre entidades de direito privado das quais faam parte como acionista.</p> <p>Modalidade de Empenho: O empenho possui trs modalidades: Ordinrio, Estimativo e Global5. Empenho Ordinrio: para atender despesas cujo montante previamente conhecido e cujo pagamento ocorrer de uma s vez. a modalidade de empenho mais utilizada. Empenho Estimativo: utilizado para atender despesas cujo montante no se possa determinar e que possua base peridica no homognea. Exemplo: servio de gua, energia eltrica e telefone; gratificaes, dirias, etc. Empenho Global: para atender despesas com montante previamente conhecido, tais como as contratuais, mas que tero o pagamento parcelado. Exemplo: aluguis, salrios, proventos, contrato de prestao de servios por terceiros, etc. ATENO! Ser feito por estimativa o empenho cujo montante no se possa determinar, e permitido o empenho global: de despesas contratuais e outras sujeitas a parcelamento.</p> <p>4.3 Liquidao Consiste na verificao do direito adquirido pelo credor, tendo por base os ttulos e documentos comprobatrios do respectivo crdito (art. 63, da Lei 4320/64). Essa verificao tem por fim apurar:5</p> <p>O artigo 60, da lei 4320/64, estabelece as modalidades de empenho.</p> <p>30</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama A origem e o objeto do que se deve pagar; A importncia exata a pagar; A quem se deve pagar a importncia para extinguir a obrigao. A liquidao o segundo estgio da execuo da despesa e se caracteriza pela entrega da obra, bens, materiais ou servios, objeto do contrato com o fornecedor, essa liquidao realizada formalmente no SIAF, atravs da Nota de Lanamento NL. O termo liquidao, na rea pblica, para representar as atividades de preparao de uma despesa para pagamento.</p> <p>4.4 Pagamentos Segundo a lei de finanas6, o pagamento da despesa somente ser efetuado aps regularmente ordenado e liquidado. O pagamento a efetiva sada de numerrios da conta nica do tesouro nacional em favor do credor. A ordem de pagamento s poder ser exarada em documento processado pela contabilidade7. O pagamento o terceiro e ltimo estgio da execuo da despesa oramentria, caracterizando-se pela emisso, em favor do credor, de ordem de pagamento. No confunda ordem de pagamento com ordem bancria. A ordem de pagamento despacho exarado pela autoridade competente, determinando que a despesa seja paga, e ordem bancria o documento emitido atravs do SIAF, que transfere o recurso financeiro para a conta do credor.</p> <p>Os estgios da despesa devem ser rigorosamente seguidos, no se permitindo inverter qualquer estgio. Assim a despesa dever ser fixada e autorizada na LOA, empenhada, liquidada e paga. ATENO! A Secretaria do Tesouro Nacional STN considera, durante o exerccio financeiro, a despesa pela sua liquidao, entretanto para fins de 5 - Suprimentos de Fundos encerramento do exerccio financeiro, toda a despesa empenhada e no 6 anulada at 31 Artigo 62, da Lei 4320/64. de dezembro, ser considerada despesa nas demonstraes 7 Pargrafocontbeis. nico, do artigo 64, da Lei 4320/64. 31</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama 5.1 - Conceito Os suprimentos de fundos, tambm conhecidos como adiantamentos, so utilizados para pagamento de despesas, em determinadas situaes excepcionais, que no podem aguardar o processo normal de realizao. Assim, em conformidade com o artigo 45, do decreto 93872/93, a concesso de suprimento de fundo caracteriza-se pela excepcionalidade j que, em regra, toda a despesa deve passar pelo processo normal, licitao, empenho, liquidao e pagamento. O suprimento de fundo consiste na entrega de numerrios a servidor pelo ordenador de despesa para a realizao de despesa, mediante empenho em dotao prpria8. ATENO! No existe despesa sem prvio empenho, mesmo no caso do adiantamento, a despesa deve ser empenhada.</p> <p>5.2 - Concesso Em conformidade com o artigo 45 do decreto 93872/86, podem ser realizadas por meio de suprimentos de fundos as despesas: para atender despesas eventuais, inclusive em viagens e com servios especiais, que exijam pronto pagamento em espcie; quando a despesa deva ser feita em carter sigiloso, conforme se classificar em regulamento; e para atender despesas de pequeno vulto, assim entendidas aquelas cujo valor, em cada caso, no ultrapassar limite estabelecido em Portaria do Ministro da Fazenda. Atualmente os valores mximos permitidos, nas concesses totais de suprimento de fundos de pequeno vulto, so: 5% dos limites de compras e servios (80.000,00) e 5%</p> <p>8</p> <p>Artigo 68 da lei 4320/64 e artigo 45 do decreto 93872/86.</p> <p>32</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama dos limites de execuo de obra (150.000,00) previstos na modalidade convite9, assim os valores seriam respectivamente 4.000,00 e 7.500,00. Alm do limites totais de suprimentos de fundos de pequeno vulto, tambm deve ser obedecido um limite individual por item de gasto constante do documento fiscal, assim no basta que as despesas totais de pequeno vulto respeitem os limites de 4.000,00 e 7.500,00, preciso tambm que cada item de gasto no ultrapasse os limites individuais de 0,25% dos limites de compras e servios (80.000,00) e 0,25% dos limites de execuo de obra (150.000,00) previstos na modalidade convite10, assim os valores mximos por itens seriam respectivamente 200,00 e 375,00.</p> <p>5.3 - Vedaes No poder ser concedido suprimento de fundos ao servidor que se encontre numa das seguintes situaes: responsvel por dois suprimentos; servidor que tenha a seu cargo a guarda ou utilizao do material a adquirir, salvo quando no houver na repartio outro servidor; que seja responsvel por suprimento de fundos que, esgotado o prazo, no tenha prestado contas de sua aplicao; servidor declarado em alcance ou que esteja respondendo a inqurito administrativo; Considera-se servidor em alcance aquele que no prestou contas do suprimento, no prazo regulamentar, ou que no teve aprovadas as contas em virtude de desvio, desfalque ou m aplicao verificados na prestao de contas de dinheiro, bens ou valores confiados sua guarda.</p> <p>5.4 - ComprovaoOs limites para as modalidades de licitao, inclusive a modalidade convite, so definidos no artigo 23, da lei 8666/93. 10 Os limites para as modalidades de licitao, inclusive a modalidade convite, so definidos no artigo 23, da lei 8666/93.9</p> <p>33</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama Aps o perodo de aplicao, normalmente de 60 (sessenta) dias, o servidor ter o prazo de 30 (trinta) dias para prestar contas do suprimento recebido, o suprido obrigado a prestar contas do recurso aplicado atravs de adiantamento, inclusive comprovar o recolhimento do saldo no utilizado, se for o caso. Os documentos para comprovao das despesas efetuadas sero extrados em nome da repartio onde o suprido esteja em exerccio, exigindo-se documento fiscal sempre a operao esteja sujeita a tributao. Caso o suprido no preste contas no prazo legal estabelecido, sem justificativa, ser instaurada a tomada de contas especial, para apurao da responsabilidade, quantificao do dano e imposio de penalidades, se cabveis, sem prejuzo das providncias administrativas necessrias. obrigao dos detentores de suprimentos de fundos fornecer informao precisa dos saldos em seu poder em 31 de dezembro, para que seja feita a devida contabilizao e reinscrio da responsabilidade pela aplicao em data posterior.11 ATENO! De acordo com o decreto 93872/92, a importncia aplicada at 31 de dezembro ser comprovada at 15 de janeiro seguinte.</p> <p>5.5 - Contabilizao Os gastos com suprimentos de fundos sero contabilizados e includos nas contas do ordenador como despesa realizada. As restituies, por falta de aplicao total ou parcial, ou aplicao indevida, constituiro anulao de despesa, se recolhida no mesmo exerccio, ou receita oramentria, se recolhida aps o encerramento do exerccio.</p> <p>6 - Dvida Passiva</p> <p>11</p> <p>Pargrafo nico, do artigo 46 do decreto 93872/93.</p> <p>34</p> <p>www.euvoupassar.com.br www.epicocursos.com Prof. Fernando Gama Dvida passiva toda e qualquer obrigao da unidade sejam elas de curto ou longo prazo. Compem a dvida passiva: a divida flutuante e divida fundada ou consolidada.</p> <p>6.1 - Dvida Flutuante A dvida flutuante a dvida de curto prazo - at 12 meses - e compreende os compromissos exigveis, cujo pagamento independe de autorizao oramentria. ATENO! O 1, do art. 115, do Decreto 93872/86 muito cobrado em concursos pblicos.</p> <p>Segundo o 1, do art. 115, do Decreto 93872/86, a dvida flutuante composta dos compromissos exigveis, cujo pagamento independe de autorizao legislativa, compreendendo: os restos a pagar, excludos os servios da dvida; os servios da dvida; os depsitos, inclusive consignaes em folha; as operaes de crdito por antecipao da receita oramentria; o papel moeda ou moeda fiduciria. ATENO! A incluso do papel moeda ou moeda fiduciria inovao do decreto 93872/86, j que a Lei 4320/6412 no a inclua na dvida flutuante. I...</p>