atps termodinamica

Download ATPS TERMODINAMICA

Post on 16-Oct-2015

27 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

SISTEMAS DE REFRIGERAO DOS MOTORES DE COMBUSTO INTERNA

Introduo A presena de um sistema de refrigerao fundamental nos motores de combusto interna pois a queima do combustvel nos cilindros liberta grande quantidade de calor o que conduziria deformao e "gripagem" dos rgos do motor; o rendimento mximo dos motores de ciclo Diesel de 35% o que significa que 65% da energia dissipada nos gases de escape e pelo sistema de refrigerao.

Sistemas de refrigerao Relativamente aos diferentes tipos de sistemas de refrigerao estes so divididos conforme o fludo transportador de calor em: - por gua; - por ar; - por leo.

Sistemas de refrigerao indireta por gua Nos motores refrigerados por gua o bloco motor e a cabea do motor apresentam cavidades, por onde circula a gua, que esto ligadas a um radiador, por onde se perde a maior parte do calor; esta perda acelerada pela corrente de ar promovida pelo ventilador e pela bomba de gua que aumenta a velocidade de deslocamento desta (refrigerao por circulao forada); o deslocamento da gua provocado apenas pela diferena de temperatura no suficiente.

Figura 1- Representao de um circuito de refrigerao por gua de um motor de quatro cilindros.1- Tampo 2- Radiador 3- Ligao de borracha 4- Termstato 5- Bomba de gua 6- Circulao de gua 7- Palhetas 8- Ventilador 9- Torneira 10- Ligao de borracha.

Nestes sistemas as camisas hmidas dos cilindros tm um efeito insonorizante sendo a gua utilizada para aquecimento da cabine. Relativamente ao radiador, que funciona assim como um permutador de calor onde a gua quente arrefecida pelo ar, apresenta um grande nmero de pequenos canais por onde aquela passa. Este elemento apresenta dois depsitos, um superior e outro inferior, entrando no primeiro a gua proveniente do motor, saindo do segundo a gua para o motor; estes depsitos esto ligados por pequenos tubos, que podem ser planos, ter palhetas ou em forma de ninho de abelhas, que so atravessados pelo ar.

Figura 2- Esquema de um radiador A- Vista geral de um radiador B- Corte transversal de um radiador 1- Tubo de descarga.

Como se pode observar na figura 2 o radiador para alm do tampo de enchimento, tem uma torneira colocada no fundo do depsito inferior, para vazamento do lquido, e um tubo de descarga para que a gua em excesso saia e se mantenha a comunicao com a atmosfera; nos circuitos selados este tubo est ligado ao vaso de expanso. O tampo de enchimento apresenta uma vlvula que impede a comunicao do interior do radiador com o tubo de descarga, fazendo com que exista uma certa presso no interior do radiador o que permite uma elevao da temperatura de ebulio, diminuindo as perdas das solues anticongelantes. O ventilador, cuja funo forar a passagem de ar pelo radiador, encontra-se geralmente montado na extremidade anterior do mesmo veio da bomba de gua, que tem tambm um tambor de gornes (polea trapezoidal) que acionado por uma outra correia montada na extremidade anterior da cambota, atravs de uma correia trapezoidal, que aciona tambm o alternador. Nos automveis mais recentes o acionamento da ventoinha feita electricamente a partir de determinada temperatura no circuito de refrigerao. Em relao s bombas de gua, que so geralmente do tipo centrfugo, so constitudas por um tambor com palhetas, que roda dentro de um corpo (crter), entrando a gua pelo centro sendo projectada, pela fora centrfuga, para a periferia por onde sai para a conduta que a leva ao motor.

Figura 3- Representao da bomba de gua. 1- Rolamentos 2- Corpo da bomba 3- Turbina 4- Mola 5- Eixo 6- Sada da gua 7- Manga de apoio 8- Ventilador 9- Polea.

Para alm dos elementos mencionados existe uma vlvula acionada por um termstato que a mantm fechada, quando a temperatura da gua inferior a 85o, abrindo-a para temperaturas superiores; quando a vlvula se encontra aberta a gua passa para o radiador. O termstato, que est colocado na conduta que liga a cabea do motor parte superior do radiador, permite assim que o motor atinja mais rapidamente a temperatura de funcionamento, mantendo-a depois constante. A indicao da temperatura de funcionamento dada por um indicador de temperatura colocado no painel de instrumentos.

Figura 4- Representao de um termstato fole 1- Vlvula 2- Conduta 3- Corpo do termstato 4- Colar 5- Fole

Relativamente aos principais tipos de termstatos existem os de fole e os de cera; o primeiro consiste de uma caixa metlica, fechada, de paredes muito delgadas, em forma de fole, que contem um lquido muito voltil, que se encontra no estado lquido a baixa temperatura mas, quando a temperatura da gua sobe, expande-se; na primeira situao o lquido no exerce nenhuma presso nas paredes mas quando a temperatura sobe exerce-se uma presso suficiente para alargar o fole. Os termstatos de cera so pouco utilizados. Do que foi exposto constata-se que o sistema de refrigerao est em comunicao com a atmosfera, para se evitar sobrepresses resultantes do aquecimento do lquido refrigerante, que conduziriam a perdas, especialmente dos produtos anticongelantes, pelo que se aconselha verificar regularmente a quantidade de gua e renov-la com certa frequncia para repor a concentrao daqueles produtos. Para evitar este problema, a aplicao de vasos de expanso (refrigerao por circulao forada com circuito selado) tem-se tornado uma prtica corrente, pois permite visualizar o nvel do lquido refrigerador e no permite perdas por evaporao; este nvel, em virtude da gua se encontrar sob presso, o que torna seguro o funcionamento do motor a 100 oC, varia em funo da dilatao e contrao da gua, no devendo, no entanto, ser inferior marca do nvel mnimo quando o motor est frio, nem superior marca do nvel mximo, quando o motor est quente. Os vasos de expanso tm uma vlvula que funciona como segurana no caso de uma sobrepresso no sistema e de reaspirao do ar para compensar a contrao da gua quando da sua refrigerao.

Figura 5- Esquema de um sistema de refrigerao por gua com o circuito selado. 1- Vlvula de sobrepresso 2- Tampo 3- Vlvula de reaspirao 4- Vaso de expanso 5- Termstato 6- Circulao de gua em volta dos cilindros 7- Radiador 8- Ventilador 9- Bomba de gua.

Relativamente aos principais cuidados de manuteno dos sistemas de refrigerao indireta por gua tem-se: - radiador (vaso de expanso): verificao peridica do nvel da gua que no radiador se deve situar 5 cm abaixo do orifcio de enchimento e no vaso de expanso nas marcas a existentes; adio de um bom anticongelante durante o Inverno e um produto antiferrugem no Vero; limpeza peridica externa dos alvolos do radiador com uma escova macia;- no deixar o sistema sem lquido pois o contacto do ar com as paredes internas dos motores acelera a sua corroso; - bomba de gua: lubrificao moderada, sob presso, com o tipo de massa consistente recomendado pelo construtor, a no ser que se trate de uma bomba pr-lubrificada (soluo mais usual nos tratores mais recentes); - correia do ventilador (ventoinha): verificao da tenso e eventual regulao segundo instrues do construtor (alterando a posio do gerador, soluo mais usual).

Figura 6- Regulao correcta da correia da ventoinha A- Posio correta B- Flexo possvel pela presso exercida mo.

A presena do ventilador, embora fundamental em todos os tipos de refrigerao tem, devido potncia mecnica necessria ao seu funcionamento, 3 a 7 % da potncia motor, sofrido vrias alteraes, nomeadamente as que se relacionam com o seu acionamento. Assim, a utilizao de embraiagens nos ventiladores e o acionamento destes apenas quando se atinge determinada temperatura, tem vindo a ser introduzidas nos sistemas de refrigerao dos tratores.

Sistema de refrigerao por ar Os sistemas de refrigerao por ar, em virtude da sua simplicidade, so utilizados geralmente em motores monocilindricos, embora alguns construtores os utilizem em tratores de potncias mais elevadas. A simplicidade destes sistemas resultam da maior segurana no funcionamento dos motores e na diminuio dos cuidados de manuteno. Nestes sistemas a necessidade de ar cerca de 30 % inferior dos sistema refrigerados a gua pois a transmisso do calor para o ambiente mais direta.

Figura 7- Sistema de refrigerao por ar 1- Cabea do motor 2- Cilindro 3- Ventilador

Este sistema consiste, fundamentalmente, em separar o bloco motor da cabea motor e munir estes elementos de vrias palhetas por forma a aumentar a rea de contacto com o ar movimentado pela ventoinha; o ar recolhido e canalizado para uma espcie de blindagem envolvente dos rgos a refrigerar, nomeadamente a cabea motor, bloco motor e colector de escape. A pea principal deste sistema o ventilador que pode ser de palhetas, produzindo uma corrente de ar paralela ao eixo de rotao (axial) ou centrfugo, em que o ar entra pelo centro e projectado para a periferia. Em relao ao seu acionamento este pode ser obtido diretamente da cambota ou utilizando uma transmisso com correias e poleas. Comparando este sistema com o da gua, embora exija menos cuidados de manuteno, no permite uma boa regulao da temperatura de funcionamento do motor e so mais ruidosos; nos motores refrigerados a ar o leo de lubrificao aquece mais pelo que a refrigerao destes motores deve ser complementada com o circuito de refrigerao de leo.Relativamente aos principais cuidados de manuteno destes sistemas tem-se: - palhetas dos cilindros: limpeza frequente com escova dura ou com gasolina utilizando um pincel limpando bem em seguida com um pano seco e absorvente; - ventilador: limpeza das ps e lubrificao dos rolamentos segundo instrues do construtor, verificando-se a tenso da(s) correias de transmisso.

Refrigerao por leo A refrigerao por leo utiliza-se geralmente para complementar a refrigerao por ar pois esta, especialmente para os motores mais potentes, no suficiente para arrefecer o topo dos cilindros. Assim, embora o circuito de lubrificao j contribua significativamente para o arrefec