Atividade extra - ?· A Revolta dos Malês, liderada por africanos islamizados, ocorreu na cidade de…

Download Atividade extra - ?· A Revolta dos Malês, liderada por africanos islamizados, ocorreu na cidade de…

Post on 18-Nov-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

<ul><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 5</p><p>Atividade extraFascculo 1 Histria Unidade 1</p><p>Questo 1</p><p>Alguma coisa acontece no meu corao</p><p>Que s quando cruza a Ipiranga e a Avenida So Joo</p><p> que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi</p><p>Da dura poesia concreta de tuas esquinas</p><p>Da deselegncia discreta de tuas meninas</p><p>Ainda no havia para mim Rita Lee</p><p>A tua mais completa traduo</p><p>Alguma coisa acontece no meu corao</p><p>Que s quando cruza a Ipiranga e a Avenida So Joo</p><p>Fonte: http://letras.mus.br/caetano-veloso/41670/ Acessado em 23 de julho de 2013 </p><p>Observamos na letra da msica a citao saudosa de nomes de avenidas importantes da cidade de So Paulo. </p><p>Nomes que fazem parte da memria coletiva de seus moradores. Porm, a relao do autor com essas avenidas tem </p><p>ligao com as suas prprias memrias. Analise, destacando trechos do texto, a diferena entre a memria do autor </p><p>e a memria coletiva. </p></li><li><p>6</p><p>Questo 2</p><p>Observe a imagem e responda a questo:</p><p>A cerimnia de um casamento um momento </p><p>importante para nossa sociedade. Quando folheamos </p><p>um lbum de fotografia ativamos lembranas e me-</p><p>mrias que envolvem as nossas vidas e as de outras </p><p>pessoas com as quais compartilhamos aqueles mo-</p><p>mentos. Nesse sentido, e de acordo com o texto e a </p><p>imagem, pode-se concluir que a memria </p><p>a. o resultado de diversas experincias que envolvem os indivduos, um fato influenciado pelo que a so-</p><p>ciedade considera importante ser lembrado.</p><p>b. uma experincia biolgica, o que significa que ela no se relaciona com as identidades individuais e </p><p>coletivas, nem por elas influenciada.</p><p>c. uma lembrana, ou seja, ideia de uma coisa ou de determinada pessoa, que conservada em nosso </p><p>crebro, mas que tem importncia individual.</p><p>d. uma faculdade psquica atravs da qual se consegue reter e (re)lembrar aes que vo ao encontro das </p><p>necessidades presentes.</p><p>Questo 3</p><p>Diferentes civilizaes elaboraram ao longo da Histria formas distintas de organizar o Tempo. Esse processo </p><p>de elaborao de tempos cronolgicos acompanhado da formao cultural e histrica de cada uma dessas civili-</p><p>zaes, envolvendo tambm os jogos da Memria. No mundo ocidental, o nosso tempo cronolgico demarcado</p><p>a. pela Hgira, fuga do profeta Maom de Meca para Medina, evento fundador do calendrio Islmico.</p><p>b. pela data de fundao de Roma, futura capital do Imprio onde pregaram os apstolos, como Pedro. </p><p>c. pela instituio do Imprio Romano no Ocidente, marco da ruptura com o Imprio Romano do Oriente.</p><p>d. pela forte presena do Cristianismo, sendo o nascimento de Jesus o marco de nosso calendrio, o ano 1. </p><p>Fonte: http://casamento.culturamix.com/fotos/album-de- fotos-de-casamento. Acesso em 12/080/2013.</p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 7</p><p>Questo 4</p><p>O Holocausto, prtica de perseguio po-</p><p>ltica, tnica, religiosa e sexual estabelecida du-</p><p>rante os anos de governo nazista de Adolf Hitler, </p><p>nas dcadas de 30 e 40 do sculo XX, no qual seis </p><p>milhes de pessoas foram exterminadas pelos </p><p>soldados nazistas, tema central do filme A lista de </p><p>Schindler, retrata a memria coletiva do povo:</p><p>a. judeu. </p><p>b. francs.</p><p>c. ingls.</p><p>d. italiano.</p><p>Pesquisa de Campo</p><p>Nas cidades, caro aluno, h numerosos espaos de Memria. Seus moradores ou governantes costumam trans-</p><p>formar em monumento um evento, uma idia ou um personagem. A deciso de monumentalizar acontecimentos ou </p><p>pessoas serve para tornar presente, sempre e uma vez mais, um smbolo que ir representar a comunidade. As vontades </p><p>de memria podem partir de critrios os mais diversos. Veja este, que encontramos na cidade de Porto Seguro, na Bahia. </p><p>(Fonte: www.capuchinhosbase.org.br. Acesso em 27/08/2013)</p><p>Fonte: http://www.10emtudo.com.br/artigo/steven-spielberg/. Acesso em 15/08/2013.</p></li><li><p>8</p><p>Isso mesmo, caro aluno! Voc est correto se respondeu que a rplica da Nau do Descobrimento, que apor-</p><p>tou em 1500 na localidade que hoje damos o nome de Porto Seguro, sob o comando de ningum menos do que </p><p>Pedro lvares Cabral. </p><p>Perceba, portanto, que Porto Seguro uma cidade que se apresenta como marco do Descobrimento do Bra-</p><p>sil. Sua gente decidiu monumentalizar esse evento e ser reconhecida por ele em todo o nosso pas.</p><p>E a sua cidade, caro aluno: quais monumentos ela exibe como vontades de memria? Faa um passeio por </p><p>ruas e praas. Tome nota do que viu e do que observou de suas conversas. A partir dessas informaes, escreva um </p><p>relato de experincia para entregar ao seu professor!</p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 9</p><p>Gabarito</p><p>Questo 1</p><p>A memria produz significados para nossa histria pessoal e nos ajuda na relao com o mundo, com </p><p>outras pessoas e com nossas experincias anteriores. Ela forma a nossa identidade pessoal e uma forma </p><p>de compreenso de mundo. Observamos isso na relao do autor com o passado, mais especificamen-</p><p>te com o momento em que Caetano visita algumas Avenidas de So Paulo, quando diz: Alguma coisa </p><p>acontece no meu corao. J a memria coletiva o conjunto de significaes, construdo por um grupo </p><p>social a partir de vivncias comuns, isto , a partir das experincias compartilhadas. Apesar da distino </p><p>dos conceitos, o aluno dever observar que a memria individual fortemente influenciada pelas expe-</p><p>rincias coletivas. E vice-versa. Ou seja, em uma resposta completa, dever perceber que somos sujeitos </p><p>histricos, que afetam e so afetados pelos diversos movimentos do meio em que vivemos, dentre eles </p><p>a memria. </p><p>Questo 2</p><p>A B C D</p><p>Questo 3</p><p>A B C D</p><p>Questo 4</p><p>A B C D</p></li><li><p>10</p><p>Pesquisa de Campo</p><p>Possibilidade de resposta: Livre. O aluno dever reconhecer a importncia da metodologia de pesquisa de cam-</p><p>po para a coleta de informaes. Poder escolher monumentos diversos, como esttuas, prdios, patrimnio </p><p>imaterial (danas, festejos locais). importante que o aluno identifique os interesses polticos e sociais por trs </p><p>das vontades de memria.</p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 11</p><p>Atividade extraFascculo 1 Histria Unidade 2</p><p>Questo 1</p><p> comum ouvirmos que a formao da sociedade brasileira foi o resultado da mistura de trs etnias (ind-</p><p>genas, africanos e portugueses). Porm, sabemos que recebemos a contribuio dos imigrantes de vrias partes do </p><p>mundo. Sendo assim, explique a formao da sociedade brasileira.</p><p>Questo 2 </p><p>A Revolta dos Mals, liderada por africanos islamizados, ocorreu na cidade de Salvador no sculo XIX. A rebe-</p><p>lio virou tema de msica, assinada por Rafael Pond. Ficou assim: </p><p>Perto do Abaet tem um nego mandigueiro</p><p>Descendente do Mals, povo nobre e guerreiro</p><p>Faz dali o seu terreiro</p><p>Na roda de Capoeira ou orando ao Deus Allah</p><p>Veste branco s sextas-feiras</p><p>Usa xale e patu</p><p>(seu av era um Aluf)</p><p>Esse nego um dia fez revolta</p><p>A revolta dos Mals, foi na Bahia que se fez</p><p>A Revolta dos Mals</p></li><li><p>12</p><p>O canto de apear o boi</p><p>(foi o Male que trouxe)</p><p>E se voc vestir um abad</p><p>(foi o Male que trouxe)</p><p>O misticismo e a superstio</p><p>(foi o Mal que trouxe)</p><p>A moda de viola do serto</p><p>(foi o Male que trouxe)</p><p>Tapas, Hausss, baribas</p><p>Negos e mandingas</p><p>A Revolta dos Mals foi na Bahia que se fez</p><p>A Revolta dos Mals</p><p>Link:http://www.vagalume.com.br/rafael-ponde/revolta-dos-males.html#ixzz2YABEg8 Acessado em 01 de julho de 2013</p><p>Na letra da msica, podemos perceber elementos da cultura africana e da religio muulmana. Identifique nos </p><p>versos elementos da permanncia da cultura mal em nossos dias.</p><p>Questo 3</p><p>Sou igara nessas guas</p><p>Sou a seiva dessas matas</p><p>E o ruflar das asas de um beija-flor</p><p>Eu vivia em plena harmonia com a natureza</p><p>Mas um triste dia o kariwa invasor</p><p>No meu solo sagrado pisou</p><p>Desbotando o verde das florestas</p><p>Garimpando o leito desses rios</p><p>Na cermica Marajoara, no remo Sater</p><p>Na plumria kaapor, na pintura kadiwu</p><p>No muiraquit da icamiaba</p><p>Na zarabatana Mak, no arco Munduruk</p><p>No manto Tupinamb, na flecha kamayur</p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 13</p><p>Na orao Dessana...</p><p>Canta ndio do Brasil</p><p>Canta ndio do Brasil</p><p>Anau nhandeva, anau hei, hei, hei!</p><p>Dos filhos deste solo s me gentil ptria amada Brasil.</p><p>( ndio do Brasil, msica composta para a apresentao do Boi Garantido no Festival Folclrico de Parintns, no Amazonas)</p><p>A letra da msica fala da interveno do homem na natureza visando o lucro, sem se importar com o meio </p><p>ambiente e da resistncia cultural indgena. O verso que revela a difcil relao entre o meio ambiente e a cultura </p><p>a. Dos filhos deste solo s me gentil ptria amada Brasil.</p><p>b. J so cinco sculos de explorao, mas a resistncia ainda pulsa no meu corao.</p><p>c. Sou igara nessas guas, sou a seiva dessas matas.</p><p>d. Desbotando o verde das florestas, garimpando o leito desses rios.</p><p>Questo 4</p><p>Fonte:http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://divercidadecult.files. wordpress.com/2010/11/charge-fim-escura.jpg Acessado em 01 de julho de 2013</p></li><li><p>14</p><p>A manifestao apresentada pela imagem refere-se a acontecimentos populares em So Paulo. O dilogo en-</p><p>tre os dois personagens uma demonstrao</p><p>a. da reivindicao popular.</p><p>b. da cultura paulistana.</p><p>c. do movimento sindicalista.</p><p>d. da diversidade Cultural. </p><p>Questo 5</p><p>Fonte:http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://4.bp. blogspot.com Acessado em 01 de julho de 2013</p><p>O tema central da imagem </p><p>a. traduz o Brasil como pas sem preconceito.</p><p>b. denuncia o preconceito oculto nas relaes sociais.</p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 15</p><p>c. aponta o preconceito como um crime com punio prevista em lei.</p><p>d. prope que o brasileiro admita de forma crtica que pratica o preconceito racial. </p><p>Questo 6</p><p>O etnocentrismo trata-se de uma avaliao pautada em juzos de valor daquilo que considerado diferente. Por exemplo, enquanto alguns animais como escorpies e ces no fazem parte da cultura alimentar do brasileiro, em alguns pases asiticos estes animais so preparados como alimentos, sendo vendidos na rua da mesma forma como estamos habituados aqui a comer um pastel ou pipocas. Da mesma forma, um estrangeiro, ao chegar ao Brasil, vindo de um pas qualquer com muita formalidade e impessoalidade no trato, pode, ao ser recepcionado, estranhar a cordialidade e a simpatia com que possivelmente ser tratado, mesmo sem ser conhecido.</p><p>(Por Paulo Silvino Ribeiro, Doutorando em Sociologia pela UNICAMP)</p><p>Fonte: http://www.brasilescola.com/sociologia/etnocentrismo.htm Em 14/07/2013. Adaptado.</p><p>A partir do texto, explique por que no momento da chegada dos portugueses ao Brasil o contato deles com os </p><p>indgenas foi marcado pela lgica do Etnocentrismo.</p><p>Questo 7</p><p>A terra do sonho distante</p><p>e seu nome Brasil</p><p>plantarei a minha vida</p><p>debaixo de cu anil.</p><p>Minha Itlia, Alemanha</p><p>Minha Espanha, Portugal</p><p>talvez nunca mais eu veja</p><p>minha terra natal.</p><p>Aqui sou povo sofrido</p><p>l eu serei fazendeiro</p><p>terei gado, terei sol</p><p>o mar de l to lindo</p><p>natureza generosa</p></li><li><p>16</p><p>que faz nascer sem espinho</p><p>o milagre da rosa.</p><p>O frio no muito frio</p><p>nem o calor muito quente</p><p>e falam que quem l vive</p><p> maravilha de gente.</p><p>Fonte: http://letras.mus.br/milton-nascimento/1590254/ Acessado em 01 de julho de 2013</p><p>Na letra da msica, a narrativa do Brasil apresentada pelo compositor Milton Nascimento, isto , ele conta a </p><p>histria do pas atravs de seus versos. Na msica, ele valoriza um sujeito histrico fundamental para a formao do </p><p>Brasil que o</p><p>a. escravo africano.</p><p>b. imigrante europeu.</p><p>c. Indgena brasileiro.</p><p>d. povo asitico. </p><p>Questo 8</p><p>A sociedade brasileira tambm passava por transformaes importantes. O fim da escravido, em 1888, foi a mais importante destas transformaes e levou expanso do trabalho assalariado. Os grandes fazendeiros e o Estado organizaram-se para estimular a imigrao europeia, pois diziam que era preciso trazer trabalha-dores preparados para substiturem os ex-escravos.</p><p>Fonte: Material didtico CEJA Fascculo 2</p><p>Esses imigrantes que atravessaram o Oceano Atlntico procura de terra e de trabalho eram tratados pelos </p><p>seus contratantes com</p><p>a. respeito, pois h muito valorizavam seus escravos. </p><p>b. violncia, de forma semelhante explorao do trabalhado escravo. </p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 17</p><p>c. controle, porm a relao com o trabalhador imigrante era assalariada e livre.</p><p>d. limites explorao, pois o dono de terras tinha clareza da transio do trabalho escravo ao livre. </p><p>Questo 9</p><p>Era comum que os traficantes utilizassem o nome dos grupos de escravos a partir da nomenclatura utiliza-da pelos comerciantes africanos que os aprisionavam. No caso dos iorubs, eles foram chamados na Bahia de nags. At hoje a palavra Nag ou Anago utilizada para identificar a cultura iorub, inclusive, nos rituais religiosos.</p><p>Fonte: Material didtico CEJA Fascculo 2</p><p>Na Bahia, a presena da cultura iorub marcou profundamente as prticas culturais e religiosas, como revela </p><p>o texto. Podemos citar como exemplo a incorporao e a transformao da religio tradicional iorub no surgimento </p><p>a. do Islamismo e da Umbanda.</p><p>b. do Candombl e da Igreja Catlica.</p><p>c. do Candombl e da Umbanda.</p><p>d. da Umbanda e da Igreja Batista.</p><p>Questo 10</p><p>O Brasil, por apresentar uma grande dimenso territorial, possui uma vasta diversidade cultural. Os coloni-zadores europeus, a populao indgena e os escravos africanos foram os primeiros responsveis pela dis-seminao cultural no Brasil. Em seguida, os imigrantes italianos, japoneses, alemes, rabes, dentre outros, contriburam para a diversidade cultural do Brasil. Aspectos como a culinria, danas, religio so elemen-tos que integram a cultura de um povo.</p><p>(http://www.brasilescola.com/brasil/a-diversidade-cultural-no-brasil.htm)</p></li><li><p>18</p><p>Apesar da marca da mestiagem, algumas vises histricas indicavam a superioridade de algumas etnias que </p><p>compem a sociedade brasileira frente s demais. A isso chamamos de etnocentrismo por que</p><p>a. prega que algo relativo, ou seja, o oposto de uma ideia absoluta e categrica.</p><p>b. apresenta o medo irracional, a averso ou a profunda antipatia em relao ao diferente.</p><p>c. discrimina at mesmo aqueles que tm os mesmos hbitos, desde que professem uma religio distinta.</p><p>d. representa o individualismo como um conceito poltico, moral e social superior aos valores coletivos. </p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 19</p><p>Gabarito</p><p>Questo 1</p><p>Possibilidade de resposta: as trs etnias citadas, embora tenham exercido grande influncia sobre a formao </p><p>do povo brasileiro, no foram as nicas. Nossa sociedade fruto dos encontros e dos conflitos entre diversos </p><p>grupos tnicos, de origens distintas, que atuaram e atuam na formao da nossa diversidade. Na segunda me-</p><p>tade do sculo XIX, por exemplo, tivemos uma forte imigrao japonesa e italiana, no contexto da substituio </p><p>da mo de obra escrava pela livre. </p><p>Questo 2</p><p>Possibilidade de resposta: h referncias a permanncias culturais africanas islamizadas em todo o segundo </p><p>pargrafo da msica. O uso do abad (hoje disseminado nos carnavais da Bahia) um deles, pois que muito </p><p>difundido at entre os que no seguem as religies africanas. </p><p>Questo 3</p><p>A B C D</p><p>Questo 4</p><p>A B C D</p><p>Questo 5</p><p>A B C D</p></li><li><p>20</p><p>Questo 6</p><p>Possibilidade de resposta: a vinda dos portugueses ao Brasil foi tida por eles como Descobrimento, apresen-</p><p>tando a viso do conquistador como a de um vencedor e a dos ndios como a de nativos que foram descober-</p><p>tos. Segundo a viso etnocntrica dos portugueses, o que antes deles havia nestas terras era inferior frente aos </p><p>valores europeus. </p><p>Questo 7</p><p>A B C D</p><p>Questo 8</p><p>A B C D</p><p>Questo 9</p><p>A B C D</p><p>Questo 10</p><p>A B C D</p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 13</p><p>Atividade extraFascculo 2 Histria Unidade 4</p><p>Questo 1</p><p>Na unidade que voc estudou, voc pde observar a foto da Praa Tiradentes no Rio de Janeiro, com a esttua de D. </p><p>Pedro I ao centro. Tiradentes foi um dos lderes do fracassado movimento do sculo XVIII, a Inconfidncia Mineira, em 1789. </p><p>A Rainha que condenou morte Tiradentes chamava-se D. Maria I. Ela era av de um jovem Prncipe, D. Pedro I, que, curiosa-</p><p>mente 40 anos depois da morte de Tiradentes, iria proclamar a Independncia do Brasil. Isso foi em 1822. Tiradentes (no sculo </p><p>XVIII) e D. Pedro I (sculo XIX) defenderam posies polticas opostas e foram protagonistas de aes bastante distintas.</p><p>a. Por que os questionamentos de Tiradentes acabaram levando-o a sua condenao e morte? </p><p>b. Qual a inteno de colocar monumentos com esttuas de Tiradentes e D. Pedro I lado a lado na mesma </p><p>praa pblica, uma vez que eles esto em contextos histricos diferentes e cada qual est ligado a mo-</p><p>vimentos distintos e com suas prprias reivindicaes? </p><p>Questo 2</p><p>O Brasil considerado o pas do futebol, no lugar da Inglaterra, onde o esporte foi criado. A explicao para esse amor pode ser o fato de o Brasil ter conquistado cinco Copas do Mundo. Para alguns estudiosos, o fu-tebol considerado uma manifestao cultural, que no Brasil se deu de uma forma mais abrangente e que conseguiu transformar esse esporte em uma caracterstica do povo brasileiro.</p><p>Fonte: http://futebol-no-brasil.info/mos/view/Futebol_-_Paix%C3%A3o_Nacional/. Acesso em 10/08/2013. Adaptado.</p></li><li><p>14</p><p>O texto apresenta o Brasil como o pas do futebol e ressalta o envolvimento de nosso povo nesse evento. Se-</p><p>gundo o texto, a construo dessa paixo nacional representa a </p><p>a. memria individual.</p><p>b. vontade de memria.</p><p>c. memria coletiva.</p><p>d. memria poltica.</p><p>Questo 3</p><p>A memria nacional , em realidade, formada de memrias nacionais. Ela recobre as formas pelas quais as distintas classes e segmentos sociais foram constituindo, nos embates [oposio] da Histria, as suas identidades.</p><p>Fonte: Adaptado de GARCIA, Marco Aurlio. 1991. Tradio, memria e histria dos trabalhadores. In: DPH/SMC da Pre-feitura de So Paulo (ed.). O direito memria: patrimnio histrico e cidadania, pp.169 174. So Paulo, DPH/SMC da Prefeitura de So Paulo, p. 43.</p><p>No texto, compreende-se que no processo de constituio de uma memria nacional identifica-se</p><p>a. a composio de hinos nacionais que representam os anseios de diferentes segmentos sociais de uma </p><p>Nao.</p><p>b. a tenso entre as classes sociais na disputa pelo estabelecimento de sua memria e criao de seus </p><p>smbolos.</p><p>c. a ausncia de controle dos meios de comunicao social dificultando a construo de uma memria da </p><p>diferena. </p><p>d. o esforo coletivo de criar uma imagem nica de Nao, como proposta de uniformizao de nossa </p><p>herana mestia. </p></li><li><p>Cincias Humanas e suas Tecnologias Histria 15</p><p>Questo 4</p><p>A presi

Recommended

View more >