assistencia de enfermagem ao paciente neurologico

Download Assistencia de Enfermagem Ao Paciente Neurologico

Post on 31-Jul-2015

911 views

Category:

Documents

15 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apostila de Enfermagem em Neurologia

TRANSCRIPT

ASSISTNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE NEUROLGICO

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

Ou Apoplexia, consiste na estabelecimento e persistncia de disfuno neurolgica que dura mais de 24h e resulta de ruptura do suprimento sanguneo para o crebro, indicando o infarto em lugar da isquemia; Os AVCs podem hemorrgicos. ser isqumicos e

TIPOS DE AVCs

AVC isqumico falta de circulao numa rea do crebro provocada por obstruo de uma ou mais artrias. Ocorre, em geral, em pessoas mais velhas, com diabetes, colesterol elevado, hipertenso arterial, problemas vasculares e fumantes. AVC hemorrgico sangramento cerebral provocado pelo rompimento de uma artria ou vaso sangneo, em virtude de hipertenso arterial, problemas na coagulao do sangue, traumatismos. Pode ocorrer em pessoas mais jovens e a evoluo mais grave

FISIOPATOLOGIA E ETIOLOGIA

Ocluso parcial ou completa de um vaso sanguneo cerebral resultante da trombose cerebral ou embolia; Isquemia relacionada ao fluxo sanguneo diminudo para uma rea do crebro secundrio a doena sistmica; Hemorragia que ocorre fora da dura-mter, no ESA, ou no espao intracerebral; Os fatores de risco de: HAS, DM, obesidade, estenose de cartida, tabagismo...

MANIFESTAES CLNICAS

Variam conforme a rea cerebral afetada, ocasionando geralmente sintomas mltiplos; Cefalia sbita; Dormncia (parestesia), fraqueza (paralisia) ou perda da capacidade motora (plegia); Disfagia; Afasia; Dificuldades visuais; Capacidades cognitivas alteradas; Dficit de auto-cuidado.

ACIDENTE VASCULAR ISQUMICO:

Perda repentina da fora muscular e/ou da viso; Dificuldade de comunicao oral; Tonturas; Formigamento num dos lados do corpo; Alteraes da memria.

Algumas vezes, esses sintomas podem ser transitrios - Ataque Isqumico Transitrio (AIT). Nem por isso deixam de exigir cuidados mdicos imediatos.

ACIDENTE VASCULAR HEMORRGICO

Dor de cabea; Edema cerebral; Aumento da presso intracraniana; Nuseas e vmitos; Dficits neurolgicos semelhantes aos provocados pelo acidente vascular isqumico.

COMPLICAES

Pneumonia por aspirao; Espasticidade, contraturas; TVP, TEP; Depresso ps-AVC.

DIAGNSTICO

US de cartidas; CT de crnio; Angiografia cerebral; TEP e RNM.

TRATAMENTO

Suporte hemodinmico; Terapia tromboemboltica e vasodilatadores; Controle da PIC; Anticoagulao aps hemorragia excluda; Programa de reabilitao Fisioterapia, Fono e T.O.; Uso de antidepressivos; Repouso absoluto.

AVALIAO DE ENFERMAGEM

Avaliao neurolgica rigorosa e criteriosa; Monitorar as funes intestinais e da bexiga; Monitorar a eficcia da terapia com anticoagulante; Avaliao psicossocial e auto-cuidado.

DIAGNSTICO DE ENFERMAGEM

Risco de leso relacionado aos dficits neurolgicos; Mobilidade fsica comprometida; Processos de raciocnio alterado; Comunicao verbal comprometida; Dficit nos cuidados pessoais; Nutrio alterada para menos que as necessidades corporais; Eliminao urinria e fecal comprometida; Processo familiar alterado que se liga a doenas catastrficas, seqelas cognitivas e comportamentais do AVC.

INTERVENES DE ENFERMAGEM

Preveno de quedas e leses; Preveno de complicaes da imobilidade; Otimizando as capacidades cognitivas; Facilitao da comunicao; Facilitao da independncia; Promovendo ingesta oral prejudicada; Obteno do controle vesical; Fortalecimento da reintegrao familiar; Educao e manuteno da sade.

MENINGITE

a inflamao das meninges, as membranas que revestem o crebro e medula espinhal. Os organismos patognicos atravessam a barreira hematoenceflica, invadem o ESA e provocam uma resposta inflamatria;

FISIOPATOLOGIA E ETIOLOGIA

Incidncia de 3:100.000 casos/ ano por Streptococcus pneumoniae; Outros agentes: Neisseria meningitides, Escherechia coli... As meningites por criptococos e Cndida so infeces oportunistas > AIDS; Adquirida em hospital, atravs das neurocirurgias; Pacientes com sinusite, otite mdia aguda, pneumonia, alcoolismo, cirrose...

MANIFESTAES CLNICAS

Cefalia; Febre; Estado mental alterado > confuso mental; Erupes purpricas ou petquias; Fotofobia; Rigidez de nuca ou fontanela abaulada (RN); Sinais de Kernig e Brudzinski; M alimentao, padres respiratrios alterados e inquietao;

COMPLICAES

Surdez, dficit de aprendizagem, espasticidade, paresia (crianas); Aumento da PIC; Convulses; Aparecimento de prpura; Coma e morte.

DIAGNSTICO

Exames Laboratoriais: HC ( leuccitos); Hemoculturas; Anlise de LCR (puno lombar); CT e RNM...

TRATAMENTO

farmacolgico e especfico para cada agente etiolgico (bactrias/ vrus/ fungos); Farmacoterapia para sintomticos; Fisioterapia, T.O. e Fono (reabilitao).

AVALIAO DE ENFERMAGEM

Obter histria de infeces recentes, como infeco respiratria; Avaliar estado neurolgico; Avaliar sinais de irritao menngea.

DIAGNSTICO DE ENFERMAGEM

Hipertermia relacionada ao processo infeccioso e edema cerebral; Risco de dficit de volume hdrico relacionado febre e ingesta diminuda; Perfuso tecidual cerebral alterada que se relaciona ao processo infeccioso e ao edema cerebral; Dor ligada a irritao menngea; Mobilidade fsica comprometida relacionada ao repouso prolongado no leito.

INTERVENES DE ENFERMAGEM

Reduo da febre e dor; Manter o equilbrio hdrico; Atentar para a perfuso cerebral; Promovendo o retorno ao melhor nvel de funcionamento; Orientaes de cuidado e auto-cuidado; Educao e manuteno da sade;

CEFALIAS

Dor de cabea um sintoma da patologia subjacente, queixa mais comum entre as pessoas;

Muitas cefalias crnicas so cefalias de tenso/ contrao muscular, cefalias migranosas ou cefalias em salva;As cefalias graves agudas podem ser sintomas de doenas neurolgicas.

FISIOPATOLOGIA E ETIOLOGIA

TENSO/ CONTRAO MUSCULAR a) Ocorre devido a irritao das terminaes nervosas sensveis da cabea, mandbula e pescoo decorrente da contrao muscular prolongada na face, cabea e pescoo; b) Os fatores precipitantes so fadiga, estresse e m postura.

FISIOPATOLOGIA E ETIOLOGIA

MIGRANOSA (ENXAQUECA) a) Hiperatividade do neurotransmissor serotonina; b) Predisposio familiar; c) Consiste em vasoespasmos inicial, em seguida dilatao das artrias cerebrais;

FISIOPATOLOGIA E ETIOLOGIA

EM SALVA a) Geralmente unilaterais, recidivantes; b) Mais freqente em homens;

c) A liberao aumentada de histamina resulta em vasodilatao;

OUTRAS CEFALIAS

Trao-inflamao: devido infeco, como meningites, encefalites, aumenta a PIC... Arterite temporal: atribuda a distrbios autoimune; inflamao da parede arterial, pode resultar em perda da viso (n. oftlmico). Cefalia sinusal: resulta da inflamao de um ou mais seios paranasais.

OUTRAS MANIFESTAES CLNICAS

DOR (observar caractersticas); Escotomas, hemianpsia, parestesias; Nuseas, vmito e fotofobia; Hiperemia ocular, dificuldade de mobilizao do ocular; Prostrao...

DIAGNSTICO

R-x do crnio e face; CT e RNM; VHS e outros exames sanguneos.

TRATAMENTO

Medicamentos ou combinaes (ver causas) ; Inalao de O2 a 100%; Anti-histamnicos e descongestionantes; Corticosterides; Analgsicos narcticos, ansiolticos e relaxantes musculares... Tratamentos paliativos.

TRATAMENTOS PALIATIVOS

Tcnica de relaxamento; Terapia cognitiva; Estilo de vida (alimentos, exerccios fsicos, sono...); Repouso em ambiente calmo; Atentar crises de abstinncia de tabaco, lcool, cafena e comida.

Na RUA, na CHUVA , na FAZENDA... Ou numa CASINHA DE SAP!!!!

AVALIAO DE ENFERMAGEM

Obter histria de sintomas relacionados, fatores de deflagrao, grau da dor e medicamentos utilizados; Realizar exame neurolgico completo; Avaliar os mecanismos de adequao e estado emocional.

DIAGNSTICO DE ENFERMAGEM

Dor relacionada cefalia; Adequao individual ineficaz ligada dor crnica e/ou incapacitante.

INTERVENES DE ENFERMAGEM

Controle da dor; Promover e estimular cuidado e autocuidado; Educao e manuteno da sade.

OBRIGADO!!!!!! BONS ESTUDOSSSS!!!!!