aspectos clínicos, patológicos, imuno-histoquímicos e ... ?· na américa do norte (fulton et...

Download Aspectos clínicos, patológicos, imuno-histoquímicos e ... ?· na América do Norte (Fulton et al.…

Post on 25-Sep-2018

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Pesq. Vet. Bras. 31(10):885-892, outubro 2011

    885

    1 Recebido em 27 de maio de 2011.

    Aceito para publicao em 28 de julho de 2011.

    Parte da Dissertao de Mestrado do primeiro autor, defendida no Programa de Ps-Graduao em Cincias Veterinrias, rea de Concentrao em Cirurgia, Morfologia e Patologia Animal, Univer-sidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 8 de fevereiro de 2010.

    2 Setor de Patologia Animal, Escola de Veterinria, Universidade Federal de Gois (UFG), Cx. Postal 131, Goinia, GO 74001-970, Brasil.

    Aspectos clnicos, patolgicos, imuno-histoqumicos e virolgicos em cinco bezerros persistentemente infectados com o vrus da

    diarreia viral bovina em uma propriedade do Rio Grande do Sul1

    Adriana S. Santos2, Nadia A.B. Antoniassi3, Fabiana M. Boabaid3, Ana P.G. Bitencourt3, Laura L. Almeida3, Cludio W. Canal4, Eduardo Furtado Flores5 e David Driemeier3*

    ABSTRACT.- Santos A.S., Antoniass, N.A.B., Boabaid F.M., Bitencourt A.P.G., Almeida L.L., Ca-nal C.W., Flores E.F. & Driemeier D. 2011. [Clinical, pathological, immunohistochemical and viral aspects of ive calves persistently infected with bovine viral diarrhea virus in a farm of Rio Grande do Sul, Brazil.] Aspectos clnicos, patolgicos, imuno-histoqu-micos e virolgicos em cinco bezerros persistentemente infectados com o vrus da diar-reia viral bovina em uma propriedade do Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinria Brasileira 31(10):885-892. Setor de Patologia Veterinria, Faculdade de Veterinria, Universidade Fe-deral do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: davetpat@ufrgs.br

    Bovine viral diarrhea virus (BVDV) is responsible for different syndromes that affect cattle worldwide causing important economic losses. This study analyzed the clinical, pa-thological, immunohistochemical and viral aspects of persistent infection by BVDV in ive animals of a farm located in the county of Viamo, Rio Grande do Sul, southern Brazil. The clinical signs included growth impairment, nasal and ocular discharge and, in two animals, congenital cataract. The main gross lesions observed at the necropsy were enlargement of mesenteric lymph nodes and Peyers patches, and in one case, pododermatitis and crusted lesions on nasal planum and periocular region. Microscopic indings were characterized mostly by mononuclear iniltrate in the lamina propria, primarily in the small intestine and lymphoid depletion with histiocytic iniltrate in follicular centers of lymph nodes and Peyers patches. Viral antigens were more frequently demonstrated in epidermal kerati-nocytes, epithelium of hair follicles and dendritic cells of the dermis of the ears and skin, histiocytes and lymphocytes in lymph nodes, thyroid follicular cells, in the cytoplasm of neurons and to a lesser extent, in glial cells in the cerebral cortex and hippocampus. Viral isolation from blood samples and organs conirmed the presence of non-cytopathic BVDV. Moreover, viral RNA was detected by RT-PCR in serum samples. Phylogenetic analysis of a partial fragment of the5 non-translated region of the viral genome allowed the classiica-tion of the sample as BVDV type 2b. The present study strengthens the need to investigate and to characterize BVD outbreaks and to describe its different clinic-pathological presen-tations.

    INDEX TERMS: BVDV, persistent infection, antigen detection, congenital cataract, genotyping, diagnosis.

    3 Departamento de Patologia Veterinria, Faculdade de Veterinria, UFR-GS, Av. Bento Gonalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brasil. *Autor para correspondncia: davetpat@ufrgs.br

    4 Laboratrio de Virologia, Faculdade de Veterinria, Universidade Fe-deral do Rio

    Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, 91540-000, Brasil.5 Departamento de Medicina Veterinria Preventiva, Centro de Cincias

    Rurais (CCR), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS 97105-900, Brasil.

  • Pesq. Vet. Bras. 31(10):885-892, outubro 2011

    886 Adriana S. Santos et al.

    RESUMO.- O vrus da diarreia viral bovina (BVDV) res-ponsvel por diferentes sndromes que afetam bovinos em todo o mundo, causando grandes perdas econmicas. O presen-te trabalho analisou as caractersticas clnicas, patolgicas e imuno-histoqumicas e virais de cinco bovinos persisten-temente infectados pelo BVDV de uma mesma propriedade, localizada no Municpio de Viamo, Rio Grande do Sul. Den-tre os sinais clnicos veriicados destacaram-se subdesen-volvimento, secrees nasais e oculares, alm de catarata congnita unilateral em dois bovinos. As principais leses observadas durante a necropsia consistiram de aumento dos linfonodos mesentricos, evidenciao das placas de Peyer e pododermatite e leses crostosas no plano nasal e na regio periocular em um animal. Os achados micros-cpicos caracterizavam-se, principalmente, por iniltrado mononuclear na lmina do intestino delgado e rarefao linfoide com iniltrado histiocitrio nos centrofoliculares de linfonodos e nas placas de Peyer. Antgenos virais foram detectados por imuno-histoqumica principalmente em queratincitos da epiderme, no epitlio de folculos pilosos e clulas mononucleares da derme de orelhas e pele; histi-citos e em linfcitos dos linfonodos; clulas foliculares da tireoide; no citoplasma de neurnios e, em menor escala, em clulas da micrglia no crtex cerebral e no hipocampo. O isolamento viral de amostras de sangue e rgos dos ani-mais conirmou a presena de BVDV no citoptico. Tam-bm foi possvel detectar a presena do genoma viral por RT-PCR no soro dos animais. A anlise ilogentica do frag-mento parcial da regio 5 no traduzida do genoma viral permitiu a classiicao da amostra viral como BVDV tipo 2b. O presente estudo refora a necessidade de investigar e caracterizar surtos de BVD e descrever suas diferentes for-mas de apresentao.

    TERMOS DE INDEXAO: BVDV, infeco persistente, deteco antignica, catarata congnita, genotipagem, diagnstico.

    INTRODUOO termo vrus da diarreia viral bovina (BVDV) refere-se a duas espcies virais diferentes, BVDV tipo 1 (BVDV-1) e BVDV tipo 2 (BVDV-2). Ambas so gentica e antigenica-mente relacionadas e pertencem ao gnero Pestivirus da famlia Flaviviridae (Ridpath 2005). O BVDV-2 predomina na Amrica do Norte (Fulton et al. 2000, Tajima & Dubovi 2005), mas tambm vem sendo identiicado na Amrica do Sul (Canal et al. 1998, Flores et al. 2000, Flores et al. 2005), com relatos ocasionais na Europa (Fulton et al. 2005).

    Animais persistentemente infectados (PI) pelo BVDV so fontes primrias de disseminao do vrus nos reba-nhos (Grooms 2004). Por este motivo, tais animais so os principais alvos de programas de controle e erradicao da doena em diversos pases (Houe et al. 2005, Van Campen 2010). A gerao de bovinos PI ocorre durante a fase inicial da gestao, entre 40 e 120 dias, quando vacas prenhes so infectadas por BVDV no citoptico (McClurkin et al. 1984, Liebler-Tenorio 2005, Ridpath & Flores 2007).

    A diarreia viral bovina (BVD) apresenta distribuio mundial, endmica em muitos pases e geralmente, oca-siona importantes perdas econmicas bovinocultura

    (Goens 2002). A infeco tem sido associada a uma varie-dade de manifestaes clnicas ou assintomticas. A forma de apresentao da enfermidade pode estar relacionada localizao geogrica, s prticas de manejo adotadas, imunidade do rebanho e ao tipo viral envolvido (Houe et al. 2005).

    A deteco de antgenos do BVDV em tecidos ixados em formol e embebidos em paraina pelo mtodo de imuno--histoqumica (IHQ) foi descrito por Haines et al. (1992) e tem sido amplamente utilizado no diagnstico da infeco aguda ou persistente e em casos de abortos ou neonatos (Brodersen 2004, Liebler-Tenorio et al. 2004, Saliki & Du-bovi 2004). Mais recentemente, a IHQ de bipsia de orelha tem ganhado aplicao importante na triagem de animais PIs em rebanhos bovinos. Embora mais laborioso que o ELISA de captura, este mtodo pode ser utilizado na detec-o de antgenos virais em animais jovens por no sofrer interferncia de anticorpos maternais (Njaa et al. 2000, Grooms & Keilen 2002, Brodersen 2004).

    O presente trabalho teve por inalidade descrever as alteraes clnicas e patolgicas dos bovinos PIs identii-cados em uma propriedade de gado de corte localizada no Estado do Rio Grande do Sul e realizar a caracterizao ge-ntica do vrus envolvido.

    MATERIAL E MTODOSBovinos e propriedade analisada

    Ao inal do ano de 2007, uma necropsia realizada pelo Setor de Patologia Veterinria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (SPV/UFRGS) detectou um animal infectado, provavelmente PI, pelo BVDV (Bovino 1). A propriedade de origem do animal localiza-va-se no Distrito de Itapu, Municpio de Viamo, Rio Grande do Sul e destinava-se ao cultivo de arroz e criao de gado de corte da raa Angus. Possua um rebanho total de 1300 animais.

    As informaes referentes ao histrico de rebanho e sinais clnicos prvios foram obtidas junto ao veterinrio responsvel e por auxiliares da fazenda. Para investigar a possvel presena de outros animais PI, durante os anos de 2008 e 2009, coletaram-se sangue e biopsia de orelha de 173 bezerros com idade entre trs e seis meses e de quatro vacas e duas novilhas com problemas re-produtivos crnicos. Trs animais que foram identiicados como PIs (Bovinos 3, 4 e 5) foram alojados posteriormente em baias iso-ladas SPV/UFRGS, para avaliao de parmetros clnicos e anlise de hemograma realizado pelo Laboratrio de Anlises Clnicas Veterinrias da UFRGS. O procedimento de necropsia foi realiza-do em animais que morreram de forma natural ou que sofreram eutansia. Os achados macroscpicos identiicados foram avalia-dos. Para exame microscpico, coletaram-se olhos, fragmentos de orelha ou pele, crebro, cerebelo, medula espinhal, gnglio trige-minal, hipise, linfonodo submandibular, linfonodo mesentrico, tonsila, linfonodo heptico, linfonodo mediastnico, bao, timo, pulmo, tra