as nevoas apertam as maos

Download as nevoas apertam as maos

Post on 14-Mar-2016

214 views

Category:

Documents

1 download

DESCRIPTION

visto dos subterrneos dos quarks e dos c-blas mos so nuvens roando

TRANSCRIPT

  • 1

    As Nvoas Apertam as Mos

    1. No Poro Danarinos e Danarinas Fazem a Festa

    2. Aglomerados e Superaglomerados 3. Mos Difanas

    4. Nveis de Densidade 5. Nvoas 6. Sim Mo 7. Mo No

    8. Mo-Mo Notcia 9. Notcia da Memria para Cima

    10. Antes Disso Choque

    Vitria, tera-feira, 29 de setembro de 2009. Jos Augusto Gava.

  • 2

    Captulo 1 No Poro Danarinos e Danarinas Fazem a

    Festa

    ENCADEANDO VRIOS INSTRUMENTOS

    cincias

    (da cartilha Desenhando nos Degraus das Pirmides o que, provavelmente, os egpcios fizeram quando emassaram tudo para ficar brilhante visto de longe quem perderia a oportunidade com tantas pginas boas e brancas?)

    PIRMIDE DILATAO SUBIDA

    Mac

    ropi

    rm

    ide

    (exp

    ans

    o)

    N.5 Natureza

    Cinco

    inatingvel 22. multiverso; 21. universo;

    20. superaglomerados; 19. aglomerados;

    18. galxias; 17. constelaes;

    16. sistemas estelares; 15. planetas;

    N.4 Natureza Quatro

    info

    rmt

    ica

    e p.

    4

    Mes

    opir

    mid

    e (c

    onst

    itui

    o)

    N.3 Natureza

    Trs

    15. mundo; 14. naes; 13. estados;

    12. cidades-municpios; 11. empresas;

    10. grupos; 9. famlias;

    8. indivduos; psic

    olog

    ia

    e p.

    3

    N.2 Natureza

    Dois

    bio

    logi

    a e

    p.2

    Mic

    ropi

    rm

    ide

    (em

    basa

    men

    to)

    N.1 Natureza

    Um

    inatingvel

    8. corpomente; 7. rgos; 6. clulas;

    5. replicadores (p.e., ADRN); 4. molculas;

    3. tomos; 2. subcampartculas;

    1. campartcula fundamental c-bola

    fsi

    ca e

    qu

    mic

    a

    N.0 Natureza

    Zero

    DEGRAU DIMENSES CONHECIDAS NOME QUE DEI (ou j existia) 22 no-finito multiverso 21 14 bilhes de AL de raio universo 20 100 milhes de AL superaglomerado 19 10 milhes de AL aglomerado 18 100 mil AL Galxia (Via Lctea) 17 20 anos-luz ou mais constelao 16 20 bilhes km de raio sistema solar 15 12.744 km dimetro (Terra) mundo-planeta 14 4.500 km x 4.500 km (Brasil) naes 13 100 km x 400 km (ES) estados 12 10 km x 10 km (Vitria) cidades-municpios 11 1.000 m empresas (fbrica) 10 100 m grupos (quadra)

  • 3

    9 10 m famlias (casa) 8 2,0 m corpomentes-indivduos 7 0,2 m rgos 6 10-5 clulas m 5 10-8 ADRN m 4 10-9 molculas m 3 10-10 tomos m 2 10-18 subcampartculas (quarks) m 1 10-35 campartcula fundamental

    (so os horizontes de Planck: horizonte temporal a 10

    m

    -44 s; este do lado o horizonte espacial: no

    conjunto espao e tempo de Planck ou ET-bola)

    macropirmide (para cima)

    mesopirmide (no meio: capacidade decifradora)

    micropirmide (para baixo)

  • 4

    Como est dito naquela cartilha, os c-bolas dentro dos quarks e

    estes no interior dos tomos deitam e rolam em amplos espaos. OS ESPAOS DOS QUARKS NO INTERIOR DOS TOMO

    25

    S (8 degraus)

    24 26 22 21 20 19 18

    OS ESPAOS DOS C-BOLAS DENTRO DOS QUARKS17

    (17 degraus)

    16 15 14 13 12 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1

  • 5

    NO CONJUNTO

    tomo

    (quando o tomo olha para dentro de si v 25 degraus at o centro da realidade)

    c-bla (seria mais apropriado dizer) FINALMENTE CHEGA A NS, QUE PENSAMOS (100 bilhes de neurnios e 100 trilhes de clulas permitem isso, num tamanho que fica de 1 a 2 m) nessa faixa

  • 6

    8 2,0 m corpomentes-indivduos 7 0,2 m rgos 6 10-5 clulas m 5 10-8 ADRN m 4 10-9 molculas m 3 10-10 tomos m

    Veja s que aparato fabuloso para produzir o ser humano e o seu pensamento! Que coisa extraordinria, incomum! Claro, estando em nossa prpria altura no reparamos nos degraus de baixo, s naqueles de cima.

    Captulo 2 Aglomerados e Superaglomerados

    1. Esquema do Sistema Circulatrio O SER HUMANO MUITO SISTEMTICO

    2. Esquema do Sistema Digestrio

  • 7

    3. Esquema das Glndulas Endcrinas

    4. Esquema do Sistema Excretor

    5. Esquema do Sistema Nervoso

  • 8

    6. Esquema do Sistema Muscular

    7. Esquema do sistema respiratrio

    8. Esquema do Sistema Linftico (bao destacado e gnglio linftico)

  • 9

    9. Esquema do Sistema Reprodutor (da mulher)

    10.a.

    Sistema Nervoso Perifrico

    10.b. Sistema Nervoso Autnomo

    NOVESTRELAS (a estrela dos magos para ajudar a compreenso: tudo co-ordenado)

    (8 + 1 = 9): oito pontas e centro (oito sistemas e um comando; tem 10, alm

    de faltar o crebro como centro)

  • 10

    So 10 aglomerados, ou sistemas, e um superaglomerado, o ser

    humano; e tudo, tudo, tudo mesmo s para produzir pensamento, pois no somos mais simples vida da primeira natureza biolgica-p.2, somos vida-racional, da segunda natureza, N.2 psicolgica-p.3.

    OS 31 DEGRAUS DO PENSAMENTO

    31. ser humano

    (so 25, como j vimos, para os dois primeiros constituintes, e mais seis dos tomos at o corpomente individual)

    1. c-bla Ento, quanto apertamos as mos estamos movimentando tudo

    isso: l no fundo os imensos espaos vazios necessrios, e acima uma complexidade crescente, por assim dizer totalmente incompreensvel.

  • 11

    Captulo 3 Mos Difanas

    ZILHES DE PARTCULAS ESTO SENDO MOVIDAS E BALANADAS NUM APERTO DE MOS

    No que d certo? Uma coisa fantstica denominada vontade deseja de um lado,

    do outro lado a correspondente outra vontade deseja tambm e num espao de 10.000.000.000.000.000.000.000.000.000.000 c-distncias depois h um encontro eletromagntico os crebros de ambos, interpretando as oposies como aperto, concluem que as mos foram apertadas. O tato confirma isso e at a viso, se for o caso.

    Contudo temos, na realidade, do ponto de vista dos c-blas, espaos quase infinitos.

    SE O C-BLA MEDISSE 1,0 m (em termos dos 000 seguintes) EQUIVALENTES DO C-BLA PARA O SER HUMANO

    000 (1.000 m) uma quadra 000.000 (1.000 km) a Terra (13.744 km)

    000.000.000 (1.000.000 km) em torno de trs vezes a distncia Lua 000.000.000.000 alm de Jpiter

    Captulo 4 Nveis de Densidade

    Quais so as oposies significativas? Essa, a eletromagntica, que permite opor as mos e fonte

    de notcias ou estados correlacionveis. AS DENSIDADES DO UNIVERSO

    22

    (na base 10 so 61 degraus, para os 21 do modelo)

    no-finito multiverso 21 14 bilhes de AL de raio universo 20 100 milhes de AL superaglomerado

  • 12

    19 10 milhes de AL aglomerado 18 100 mil AL Galxia (Via Lctea) 17 20 anos-luz ou mais constelao 16 20 bilhes km de raio sistema solar 15 12.744 km dimetro (Terra) mundo-planeta 14 4.500 km x 4.500 km (Brasil) naes 13 100 km x 400 km (ES) estados 12 10 km x 10 km (Vitria) cidades-municpios 11 1.000 m empresas (fbrica) 10 100 m grupos (quadra) 9 10 m famlias (casa) 8 2,0 m corpomentes-indivduos 7 0,2 m rgos 6 10-5 clulas m 5 10-8 ADRN m 4 10-9 molculas m 3 10-10 tomos m 2 10-18 subcampartculas (quarks) m 1 10-35 campartcula fundamental

    (so os horizontes de Planck: horizonte temporal a 10

    m

    -44 s; este do lado o horizonte espacial: no

    conjunto espao e tempo de Planck ou ET-bola)

    OS DEZ-GRAUSOutros universos podem ser construdos com outros c-blas desenhados.

    (de 10 em 10, base 10)

    dez 10x OBJETO CELESTE (o ser humano um objeto celeste, assim como primatas, animais, plantas,

    fungos, etc.)

    m

    61 25 universo (15 bilhes de anos-luz) 60 24 superaglomerado (100 milhes de anos-luz) 59 23 aglomerado (10 milhes de anos-luz) 58 22 57 21 galxia (100 mil anos-luz) 56 20 55 19 54 18 53 17 constelao (20 anos-luz) 52 16 51 15 sistema estelar (0,5 anos-luz) 50 14 49 13 48 12 47 11 46 10 45 9 44 8 43 7 mundo-planeta (10.000 km) 42 6 nao (1.000 km) 41 5 estado (105 m = 100 km)

  • 13

    40 4 cidade-municpio (104 m = 10 km) 39 3 empresa (bairro, 103 m) 38 2 grupo (quadra, 102 m) 37 1 famlia (casa, 101 m) 36 0 corpomente-indivduo (100 m = 1 m) 35 -1 rgos (10-1 m) 34 -3 33 -3 32 -4 31 -5 clulas (10-5 m) 30 -6 29 -7 28 -8 ADRN (10-8 m) 27 -9 molculas (10-9 m) 26 -10 tomos (10-10 m) 25 -11 24 -12 23 -13 22 -14 21 -15 20 -16 19 -17 18 -18 quarks (10-18 m) 17 -19 16 -20 15 -21 14 -22 13 -23 12 -24 11 -25 10 -26 9 -27 8 -28 7 -29 6 -30 5 -31 4 -32 3 -33 2 -34 1 -35 = 3.108 m/s = 10-44 s/10-35 m

    Neste universo o c-bla, velocidade da luz no vcuo, este.

    Os tecnocientistas sabero explicar melhor isso e colocar os pingos nos is, bem como os is debaixo dos pingos.

    Qual o significado conjunto disso?

    Captulo 5 Nvoas

  • 14

    Nuvens so densas sua maneira, assim como somos vazios ao

    nosso modo; tudo meramente encontro de mesma altura dialtico-matemtica. S tocamos as mos PORQUE estamos mesma altitude diamatemtica, temos compatibilidade; neutrinos nos atravessam, raios grama nos atravessam, raios X nos atravessam.

    TABOAS DOS ESMERADOS CONSTRUTORES DE UNI-VERSOS (tbua das esmeraldas, de Hermes Trimegisto: existe uma para os magos e uma para os cientistas, s que a daqueles incompreensvel): abaixo as dos magos.

    Captulo 6 Sim Mo

    TRS SUPERGRUPOS

    Em vista disso que o modelo est dizendo o ser humano sequer comeou mesmo a expanso, que ps-planetria: estivemos apenas aprontando a racionalidade da expanso futura.

    ANTES DA E J COM HUMANIDADE (mas j com razo; os homindeos devem ser reclassificados como primatas evoludos; sem linguagem no racional, no humano) 6. seres humanos: 6.2. CRO-magnons 6.1. neanderthais

    expanso no universo

    viso racional

    base constitutiva

  • 15

    5. homindeos 4. primatas 3. animais 2. plantas 1. fungos

    ps-lngua: PS-HUMANOS (terceira natureza j fora da Terra) TRS PERODOS

    lngua: HUMANOS (segunda natureza na Terra) pr-lngua: HOMINDEOS (ainda primatas)

    Dar as mos j sinal de racionalidade. convico de co-operao. Primatas (e mesmo macacos) so indivduos, constituem famlia,

    formam grupos e at realizam empreendimentos juntos; mas no formam ambientes, porque esto longe demais disso. Falta-lhes linguagem, o verdadeiro acumulador que leva cidade-municpio; linguagem escrita, que duplamente acumuladora e leva ao estado; linguagem escrita multiplicada, que triplamente acumuladora e leva nao; e linguagem universal (Internet), que a acumuladora final, que leva ao crebro planetrio.

    Eis os 43 descendentes das c-blas, os seres humanos globalizados, tantos patamares acima dos animais e mesmo dos primatas.

    Captulo 7 Mo No

    MOS AFASTADAS MOS QUE SE AFASTAM E MOS QUE SE APERTAM

    APERTO DE MOS GUERRA O/GUERRA (paz)

    RUMO AO PASSADO RUMO AO FUTURO

    Pode parecer um conselho ao futuro, mas o modelo pirmide no indicou isso: ele se fixou no presente (nem futuro nem passado).

    TRS DECISESO PASSADO ERRADO

    (duas so falsas) ESTAMOS NO PRESENTE

    (como disse Jesus) O FUTURO ERRADO

    GUERRA DEMAIS MATA A TODOS

    GUERRA-E-PAZ

    PAZ DEMAIS SUSCITA ABUSOS

    flecha azul flecha vermelha ESQUERDA = G DIREITA = T

  • 16

    A Rede Cognata diz que ao contrrio do que geralmente aceito, por exemplo, que os EUA (azul) representam o futuro e a URSS (vermelha) representava o passado. No presente, nem esquerda nem direita as nvoas apertam as mos, sim, mas vigilantes.

    Vindo l de baixo por 43 dez-graus (na base 10) aqui estamos a ver se samos da Terra e de ns, de nossos erros; para ver se persistimos a ponto de nos espalharmos no sistema solar e na constelao e a seguir mais adiante.

    Captulo 8 Mo-Mo Notcia

    Desde a primeira alga cianofcea e da primeira ameba j h

    memria, mesmo que mnima, residual essas primeiras nuvens ou nvoas se tocaram e comearam a acumulao, que na Terra j dura 3,8 bilhes de anos.

    ALGAS AS PRIMEIRAS MEMRIAS

    AMEBAS

    Entre sim-mo-no (sim-mo e mo-no) o que h de comum a

    mo e o crebro que por trs dela a conduz: pois ela somente instrumento de vontade. Vendo melhor, como sim-talvez-no, o que h de comum a possibilidade, o talvez: talvez-sim ou talvez-no ou apenas talvez (com um pouco de dvida). A vontade est no centro e o centro est na vontade: centro-vontade ou vontade-centro.

    Um talvez que toca outro talvez j foi deciso favorvel; um talvez se recusando a tocar o outro foi talvez desfavorvel - mas tudo depende de deciso.

    Captulo 9 Notcia da Memria para Cima

    De biolgico-p.2 para cima j h memria - antes e depois; para

    trs, no plano fsico-qumica h apenas acontecimento sem passado nem

  • 17

    futuro e, portanto, sem presente, sem identificao de centro, de autor, de vontade-de-ao. Mais para cima ainda, acima de biologia-p.2, temos a psicologia-p.3, a memria compartilhada que cresce e cresce.

    6,7 bilhes de humanos (sem falar na geo-histria); A MEMRIA DE CIMA

    cada um com 100 bilhes de neurnios; cada qual um ncleo com milhares de portas ou

    comunicadores.

    Captulo 10 Antes Disso Choque

    No plano fsico-qumico s temos choques ou ausncia de

    choques: como que disso sai a vontade? Como que de atraes e repulses acontecem depois as decises? Como que de contatos e distncias emerge o funcionamento?

    VENDO ASSIM 18. no nvel de cima deve existir espao para operaes e migrao: c-blas devem migrar nos enormes espaos. O mesmo devem fazer os quarks

    constitutivos dos tomos antes de ficarem congelados;

    1. no nvel de baixo temos contatos, quer dizer, possibilidade de acoplamentos: acoplando-se os eles iro constituir os quarks. No podem

    guardar distncia entre si (segundo aquele patamar), porque devem ser contguos para constituir o corpo seguinte. Tudo deve ser em cada nvel de

    constituio como um lego de junes.

    Entre os de baixo e os de cima h espaos gigantescos para os de baixo e nenhum para os de cima. Entre um e outro h 17 dez-graus. Eles vagam por dimetros incompreensveis para ns. O que seriam 17 ordens de grandeza para ns, que vivemos em torno do metro?

    1012 m j seriam um bilho de quilmetros, e isso nos colocaria alm de Jpiter, que est em torno dos 750 milhes de km (mais precisamente 778 milhes de km). Pense em 1017 m como sendo 100.000 vezes essa distncia: s nesta distncia encontraramos a borda de um quark, que vazio por dentro (no uma bola macia).

    E, veja, essa coisa tremendamente VAZIA funciona! Ela opera, ela pensa, ela faz. Como diria a Clarice Lispector de outro modo, isto ou no

    alta matemtica? Na exposio mais recente do modelo falaramos de diamatemtica (dialgica-matemtica).

    Vitria, segunda-feira, 05 de outubro de 2009. Jos Augusto Gava.

    17

    2. Esquema do Sistema Digestrio3. Esquema das Glndulas Endcrinas7. Esquema do sistema respiratrioSistema Nervoso AutnomoSistema Nervoso Perifrico