As Muitas Faces de Eva - Discurso de Patrícia T. Holland

Download As Muitas Faces de Eva - Discurso de Patrícia T. Holland

Post on 11-Jul-2015

243 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

Pgina 1 de 9As Muitas Faces de Eva(Texto de Patrcia T. Holland, esposa do Elder Jeffrey R. Holland, do Quorum dos Doze. Este artigo contm apenas as partes consideradas principais e faz parte do livro Assim na Terra como no Cu, Cap. 7, da autoria de Jeffrey R. Holland (Jef) e Patrcia T. Holland (Pat)) Vivemos num mundo incrivelmente stressante. Todos parecem estar apressados ou preocupados, ou ambas as coisas. Somos pressionados a dividir-nos entre muitas obrigaes, e parece haver presses crescentes em relao ao que se espera de ns, quanto devemos esperar de ns mesmos e como podemos achar o tempo, as energias e os meios para realizar tudo isso. Se quisermos ser bem-sucedidos, precisamos de permanecer concentrados e calmos. Precisamos de organizar o caos.() Estamos todas ainda a aprender a maneira lenta e equilibrada pela qual Deus esculpe as experincias por que devemos passar at termos a nossa face. Qual realmente a minha face? Qual o meu papel na vida? Como podemos esperar ter o controlo da situao o tempo todo? () Em primeiro lugar e acima de tudo, se olharmos bem de perto essas muitas faces reflectidas, veremos sempre os cuidados constantes de Deus no processo de fazer quem somos e o que nos estamos a tornar. () Com grande mansido e aos sussurros, Ele incentiva-nos a suportar as dificuldades ou o desnimo, oferecendo-nos em troca iluminao e beleza eterna. Sob a Sua mo, a nossa pessoa interior torna-se a pessoa exterior, e o Artista molda a Sua imagem perfeita. () Com as complexas e rpidas mudanas que esto a ocorrer no mundo de hoje, fcil perder de vista o nosso potencial divino ou mesmo avaliar as nossas possibilidades. Devido aos rigores da jornada, s vezes duvidamos da nossa capacidade de simplesmente sobreviver, quanto mais de triunfar. () Vivemos num mundo incrivelmente stressante. Todos parecem estar apressados ou preocupados, ou ambas as coisas. Somos pressionados a dividir-nos entre muitas obrigaes, e parece haver presses crescentes em relao ao que se espera de ns, quanto devemos esperar de ns mesmos e como podemos achar o tempo, as energias e os meios para realizar tudo isso. O flagelo dos nossos dias a ansiedade. () Com a automatizao e a tecnologia temos mais tempo nossa disposio. Com um conhecimento mais amplo, estamos a ter uma sade melhor e mais energia. E com a prosperidade temos agora mais oportunidades de proporcionar a ns mesmos e nossa famlia crescimento e experincias especiais. As nossas avs e bisavs nem poderiam conceber tal liberdade de escolha nem tal infinidade de opes. Essas bnos, contudo, contribuem tremendamente para a nossa ansiedade, () Como ser uma melhor me? Devo passar a noite com o meu marido ou correr para a capela e assistir a uma palestra com o tema O que todo o homem espera de sua esposa? () E quem deve vir em primeiro lugar: o nosso marido? os nossos filhos? a Igreja? os nossos demais familiares? os nossos vizinhos? os no membros? os mortos? ns mesmos? s vezes, no sabemos para que lado ir, nem qual a tarefa a realizar primeiro. Sentimo-nos frustradas, por vezes amedrontadas e, com frequncia completamente exaustas. MuitasPgina 2 de 9vezes achamos que somos um fracasso total. Onde podemos buscar ajuda? () Resumindo, como podemos organizar o caos? Prefiro acreditar que o Senhor no nos colocaria neste mundo solitrio e triste sem um plano para a nossa vida. Em Doutrina e Convnios 52:14, lemos: E tambm eu vos darei um modelo em todas as coisas, para que no sejais enganados; Ele deu-nos modelos nas escrituras e nas cerimnias do templo. () O templo altamente simblico. Algum j o chamou de Universidade do Senhor. Surpreendo-me a mim mesma a aprender continuamente quando vou ao templo com a mente aberta. Fao um esforo, um exerccio para encontrar significados mais profundos. Procuro paralelos e smbolos. Busco temas e motivos, assim como o faria numa composio de Bach ou Mozart, e busco padres repetidos. () Aprendi com vrias geraes de filhas de Eva a relao prxima que existe entre os nossos desafios temporais e o mundo espiritual, e como cada um ajuda o outro quando frequentamos o templo. Para que entendam os meus sentimentos profundos relacionados com isso, decidi relatar a minha primeira experincia com o poder de proteco do templo. Eu tinha doze anos de idade e vivia em Enterprise, Utah, quando os meus pais foram chamados como oficiantes no Templo de St. George, a quase cem quilmetros de distncia. Ao contar-me sobre o seu chamado, a minha me explicou-me o que eram os templos, por que as pessoas serviam l e que experincias espirituais, alguns santos tinham l. Verdadeiramente, ela acreditava que o mundo visvel e o invisvel se encontravam e se misturavam no templo. A partir daquele chamado, as minhas tarefas incluiriam sair mais cedo da escola uma vez por semana e correr para casa para cuidar de cinco irmos menores, o mais novo ainda a dar os primeiros passos. Certa vez, lembro-me de reclamar dessa designao e nunca esquecerei a veemncia com que minha me disse: Quando o teu pai e eu fomos designados para esse chamado, foi-nos prometido que a nossa famlia seria abenoada e protegida, at mesmo por anjos ministradores. No fim da tarde de um daqueles dias em que meus pais estavam no templo, quando eu j estava exausta de entreter os meus irmozinhos, pus o bb num carrinho e, com os outros meninos, caminhei cinco quarteires para visitar a minha av. Aps um cumprimento caloroso, a minha av sugeriu que ficssemos a brincar no quintal enquanto ela ia comprar algo para preparar um lanche. Distrada com os outros meninos, nem percebi quando o bb comeou a seguir a nossa av. De repente, apavorada, percebi que ele no estava mais vista. Instintivamente, corri na direco do carro e ainda vi a roda traseira passar por cima da cabecinha dele, prensando-a contra o cho de cascalho. Tomada de desespero, gritei o mais alto que podia. A minha av sentiu o impacto, ouviu o meu grito e soube imediatamente do que se tratava. Contudo, em vez de parar o carro, entrou em pnico e atropelou-o novamente. Por duas vezes a roda do carro deu uma volta completa sobre a cabea dessa amada criana que fora colocada sob a minha inteira responsabilidade. Os gritos histricos de duas vozes femininas chamaram logo ateno do meu av. Ele veio a correr de dentro da casa e tomou o bb nos braos, (que eu e minha av tnhamos a certeza que estava morto) e, os trs correram desatinadamente at ao mdico mais prximo, que ficava a cerca de oitenta quilmetros. Orei e chorei, chorei e orei. Contudo, as crianasPgina 3 de 9lembram-se de promessas mesmo quando os adultos podem vir a esquec-las, e curiosamente senti-me calma e confortada. Lembrei-me da parte da promessa que falava de os anjos ministradores. Depois do que pareceu uma eternidade, os meus avs telefonaram e disseram que o bb estava bem. O seu rosto tinha arranhes e contuses no local em que a roda passara sobre a sua cabea e face, mas no havia traumatismo craniano. Contudo, por duas vezes vi claramente a fora daquela roda sobre a cabecinha dele. Aos doze anos no se pode conhecer muitas coisas espirituais. Em especial, eu no sabia o que acontecia dentro do templo de Deus. Mas eu sabia por experincia prpria que era algo sagrado, pois sentira que havia anjos celestiais para proteger e amparar as pessoas envolvidas no Seu trabalho. Eu j conhecia um pouco da ajuda divina do outro lado do vu. Em Doutrina e Convnios 129, a seco que nos ensina acerca da santidade do templo, no versculo 22 lemos: E rogamos-te, Pai Santo, que teus servos saiam desta casa armados de teu poder; e que teu nome esteja sobre eles e tua glria ao redor deles e que teus anjos os guardem; () O templo oferece-nos proteco, smbolos e promessas que podem acalmar-nos, fortalecer-nos e estabilizar-nos, por mais ansiosos e stressantes que sejam as nossas circunstncias. Se dominarmos os princpios l ensinados, receberemos a promessa que o Senhor nos deu por intermdio de Isaas: Fix-lo-ei como a um prego num lugar firme. (Isaas 22:23) O Senhor muitas vezes permite que fiquemos em estado de confuso antes que o mestre que existe dentro de ns siga a claridade que ilumina o nosso caminho. () o Presidente Harold B. Lee deu um ensinamento proftico sobre ordem no caos. Um mdico ansioso, preocupado que, por causa da sua profisso e responsabilidades na Igreja, estivesse a negligenciar o seu prprio filho, perguntou ao Presidente Lee: Como devo administrar o meu tempo? O que mais importante na vida? Como posso fazer tudo isso? O Presidente Lee respondeu: A primeira responsabilidade de um homem para consigo mesmo, depois para com a sua famlia, depois para com a Igreja, sem esquecer tampouco que ainda temos a responsabilidade de nos destacarmos na nossa profisso. Em seguida, ele ressaltou que um homem deve primeiro cuidar de sua prpria sade, tanto fsica como emocional, antes de poder ser uma bno para as outras pessoas. () O templo ensina sobre prioridades, ordem, crescimento, alegria e realizao. Vejamos os seguintes ensinamentos do templo. (Retirei-os das escrituras para no parecer estar a tratar com leviandade de coisas sagradas.) No captulo 4 de Abrao, os Deuses planeiam a criao da Terra e de toda a vida que nela h. Nesses planos (que precisam de trinta e um versculos para serem delineados), a palavra ou uma forma da palavra ordem so usadas dezasseis vezes. Os Deuses organizam e do ordem a toda a forma de vida. E os Deuses disseram: Faremos tudo o que dissemos e organiz-los-emos; e eis que sero muito obedientes. (Abrao 4:31) Se nos quisermos tornar como os Deuses, deveremos comear pela ordem e obedecer s leis e aos princpios do cu que conduzem a essa ordem.Pgina 4 de 9Uma das primeiras verdades ensinadas no templo que toda a forma de vida [cumprir] a medida de sua criao. Esse o grande mandamento! Pensem nele luz do conselho do Presidente Lee. Devo admitir que quando ouvi essa directriz pela primeira vez, pensei que se referia apenas procriao, ter filhos, deixar descendncia. () essa a parte mais importante do significado, () certamente h vrios outros sentidos () De que outra forma uma mulher pode cumprir a medida de sua criao? Como pode ela tornar-se em tudo o que os seus Pais Celestiais pretenderam que ela fosse? O crescimento, a realizao, o empenho, a superao de limites e o desenvolvimento dos nossos talentos fazem parte do processo de nos tornarmos mais semelhantes a Deus, a medida final da nossa criao. () O Presidente Lee disse-nos que precisamos de ser fortes fsica e emocionalmente para podermos ajudar os outros a serem fortes. Essa a ordem da criao. Qualquer um que l os jornais ou revistas sabe que uma alimentao equilibrada, exerccios regulares e descanso adequado aumentam a nossa capacidade diria, assim como a nossa expectativa de vida. Mas muitas de ns deixamos de lado at mesmo esses cuidados mnimos, achando que a nossa famlia, os nossos vizinhos e as nossas muitas responsabilidades devem vir em primeiro lugar. Contudo, ao agirmos assim, colocamos em risco o que essas pessoas mais precisam de ns: ns mesmos saudveis, felizes e dispostos. Quando eles nos pedirem po, talvez estaremos cansados demais e lhes daremos pedra. () O meu filho mais velho tentou ensinar-me esse princpio alguns anos atrs. Eu no me estava a sentir bem num certo dia que prometera levar esse menino de trs anos ao jardim zoolgico. O incmodo e as dores estavam apenas a aumentar e, finalmente, disse meio desesperada: Matthew, no sei se devo ir ao jardim zoolgico e tomar conta de ti ou se devemos ficar em casa e tomar conta da mam. Ele ficou a olhar para mim por alguns instantes com aqueles grandes olhos castanhos e disse logo enfaticamente: Me, acho que deves cuidar de ti, para poderes cuidar de mim. Mesmo to novo, ele teve a sabedoria suficiente para saber de que forma os seus interesses deveriam ser encarados. A menos que cuidemos de ns mesmos, ser praticamente impossvel cuidar de outras pessoas. Pesquisadores da rea mdica esto a confirmar, por meio de estudos com pessoas que se preocupam e trabalham excessivamente, que muitas doenas esto relacionadas ao stress. () Sabemos que os exerccios proporcionam um alvio quase instantneo da tenso. Sabemos que se abandonarmos a cafena e o acar, pararmos de fumar e deixarmos de ser viciados em trabalho, poderemos aliviar o stress. Mas, muitas vezes no agimos assim. () Mas se voc no cuidar de si mesmo, ningum mais o far. () Os nossos filhos e netos e toda a nossa posteridade dependem, de certa forma, da nossa sade fsica. Cuidar dela , portanto, um requisito para a segunda prioridade do Presidente Lee a sade emocional. Fomos criados para nos tornarmos como os Deuses. Isso quer dizer que j temos dentro de ns atributos divinos inerentes, e o maior de todos eles a caridade crist. E a chave para a sade emocional a caridade o amor. A alegria vem de amar e ser amado.Pgina 5 de 9() A depresso, o conflito ou o negativismo so em geral uma mensagem de que no estamos a crescer rumo direco da medida plena para a qual Deus nos criou. A nossa dor a dor emocional indica que devemos parar e dedicar um pouco de tempo para realizar mudanas na nossa vida porque talvez estejamos a desviar-nos do nosso curso. Como o Elder Richard L. Evans costumava dizer: De que adiantar correr se estivermos no caminho errado? Obviamente, todos ns entramos no caminho errado de vez em quando; todos temos conflitos, sentimos desnimo e cometemos erros ocasionalmente. Mas adoro o seguinte pensamento da irm Teres Lizia: Se voc estiver disposto a suportar com serenidade a provao da [decepo e fraqueza pessoal], voc ser para Jesus um agradvel local de refgio. A palavra-chave serenidade. Se suportarmos as nossas fraquezas e erros, mgoas e dvidas com serenidade, se aceitarmos os tempos difceis e aprendermos com eles, eles passaro e voltaro com menos frequncia. () Contudo, sei por experincia prpria que quando no me aceito completamente a mim mesma e todas as minhas falhas, defeitos e imperfeies, a minha caridade para com Deus e o meu prximo incompleta. () O meu conhecimento de Deus tambm aumenta quando passo mais tempo com Ele em orao, estudando as Suas escrituras e ao Seu servio. E quanto mais O conheo e entendo, mais O amo. Esse mesmo princpio aplica-se a ns. Amarmo-nos a ns mesmos da maneira correcta exige que olhemos para dentro de ns mesmos profunda, honesta, e como sugere a irm Teres, serenamente. Exige que olhemos com amor o ruim assim como o bom. Quanto mais entendemos e sabemos, mais amamos. O nosso Pai Celestial precisa de ns como somos e como nos podemos vir a tornar. Ele feznos diferentes uns dos outros intencionalmente, para que mesmo com as nossas imperfeies pudssemos cumprir os Seus propsitos. () Em algum lugar, de alguma forma, o Senhor fez-me entender que a minha personalidade foi criada para se encaixar precisamente na misso e nos talentos que Ele me concedeu. () De forma miraculosa, descobri que tenho fontes ricas e inesgotveis de energia para ser eu mesma. Mas no momento em que decido imitar algum, sinto-me dividida e fatigada, a nadar inutilmente contra a corrente. Quando frustramos o plano de Deus para ns, privamos este mundo e o reino de Deus das contribuies que s ns podemos fazer, e uma sria ciso instala-se na nossa alma. Deus nunca nos deu tarefa alguma acima da nossa capacidade de a realizar. S precisamos de estar dispostos a faz-la nossa prpria maneira. () Conhecermo-nos a ns mesmos no egosmo; uma jornada espiritual prioritria. Paulo exorta-nos: Examinai-vos a vs mesmos, se permaneceis na f; provai-vos a vs mesmos. Ou no sabeis quanto a vs mesmos, que Jesus Cristo est em vs? (II Corntios 13:5) Precisamos, cada um de ns, de nos prepararmos agora para intensificarmos a nossa prpria jornada interior. Em nenhum outro local ou ambiente podemos receber mais esclarecimentos e luz para o nosso autoconhecimento do que no templo. Se formos l com frequncia, o Senhor nos ensinar que fomos criados para ter alegria, e a alegria vir quando aceitarmos a verdadeira medida da nossa criao.Pgina 6 de 9Em Doutrina e Convnios, lemos: E permite, Pai Santo, que a todos os que adorarem nesta casa sejam ensinadas palavras de sabedoria () E que cresam em ti e recebam a plenitude do Esprito Santo e organizem-se de acordo com tuas leis e preparem-se para obter todas as coisas necessrias; (D&C 109:14-15) Depois da nossa sade fsica e emocional, a nossa prxima prioridade a famlia, e a famlia dos santos dos ltimos dias comea onde termina: com um homem e uma mulher, unidos no templo de Deus. No templo, entendemos que nem o homem sem a mulher, nem a mulher sem o homem, no Senhor. (I Corntios 11:11) () preciso tanto homem como a mulher para formar a imagem completa de Deus. () Mas Satans no quer que sejamos um: ele sabe que quando o somos, temos grande poder. Assim, ele insidiosamente insiste no nosso individualismo, independncia e autonomia; caso cedamos, a unidade conjugal acaba por fragmentar-se e romper-se. Quanto ao casamento, vejamos o que escreveu Madeleine LEngle: O relacionamento original entre homem e mulher foi concebido para ser uma relao de realizao e alegrias mtuas, mas infelizmente acabou marcado por suspeitas, brigas, desentendimentos e excluso e s ser restaurado na sua plenitude no fim dos tempos. Entretanto, so-nos dados vislumbres do relacionamento original para que tenhamos condies de nos alegrarmos na nossa participao. H duas perspectivas que procuro ter sempre em mente pois ajudam a manter a unio entre Pat e Jeff Holland. Primeiramente, andamos juntos como parceiros iguais, plenos, participativos e em desenvolvimento. () Caminhamos lado a lado, prximos um do outro, simultaneamente, como dois bois puxando o mesmo arado. Mas h ocasies em que, em nome do progresso e desenvolvimento divinos, sigo o meu marido num relacionamento vertical. A casa de Deus uma casa de ordem. () Em boa parte do tempo, ajo de forma autnoma e independente. () Mas quando tomamos grandes decises, e mesmo algumas pequenas, quando estou preocupada com os filhos ou com as minhas designaes na Igreja ou sentindo fraqueza e dor, dou ouvidos e obedeo aos conselhos de meu marido, pois sei que ele obedece aos conselhos do Pai. Sei que essa a ordem do cu. Se Deus nos criou para que juntos fossemos um, devemos ser a prioridade um do outro. Porm, desde o princpio da criao, Deus os fez macho e fmea. Por isso deixar o homem a seu pai a sua me, e unir-se- a sua mulher, e sero os dois uma s carne; e assim j no sero dois, mas uma s carne. (Marcos 10:6-8) Creio firmemente que meu marido vem em primeiro lugar antes dos amigos, do pai, da me, da comunidade, da Igreja e mesmo dos filhos. Estvamos juntos e ss no incio do nosso casamento e, se os cus permitirem, estaremos juntos no final. () Alm disso, os nossos filhos, reconhecem hoje, que a melhor coisa que fizemos por eles, o que lhes trouxe mais segurana no decorrer dos anos, foi o amor e cuidado que sempre tivemos um para com o outro.Pgina 7 de 9() Amo a instruo que o Senhor deu a Emma Smith e a todas as esposas: O dever de teu chamado ser confortar meu servo, () teu marido, em suas aflies, com palavras consoladoras, com esprito de mansido. (D&C 25:5) Sinto que estou no auge da minha criao quando estou a confortar e a consolar o meu marido. Nada me mais recompensador e me traz tanta alegria. Os sons mais doces para os meus ouvidos so quando Jeff sussurra para mim: Tu s a minha ncora, o meu alicerce, o meu porto seguro. Eu nunca poderia ter feito essa tarefa sem ti. Amo igualmente o conselho de Paulo a todos os maridos: Assim devem os maridos amar as suas prprias mulheres, como a seus prprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. Porque nunca ningum odiou a sua prpria carne; antes a alimenta e sustenta, como tambm o Senhor Igreja; porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos. (Efsios 5:28-30) Em segundo lugar, os casamentos so formados para que procriem, para que levantem posteridade tendo alegria e regozijo com isso. Portanto, uma parte crucial de qualquer prioridade num casamento, so os filhos () Uma vez que o mundo em que vivo complexo e cheio de desafios, s vezes temo e tremo ao tentar prever o que os espera. J estamos a ver os sinais dos tempos. Enoque teve vises do futuro que os aguardava; ele viu as suas dificuldades e tribulaes; ele viu o corao dos homens, que desfalecia, esperando com temor os julgamentos. (Ver Moiss 7:58-59) () Sabemos que, para que os nossos filhos sejam pacficos, firmes e confiantes no Senhor, em grande parte, isso depender se ns mesmos formos pacficos, firmes e confiantes no Senhor. Creio que a influncia mais poderosa na vida de uma criana a imitao, principalmente a imitao dos pais. Se estivermos inquietos, preocupados ou desequilibrados de qualquer forma, certamente os nossos filhos ficaro inquietos, preocupados e desequilibrados. Viver de maneira calma e tranquilizadora para os nossos filhos exige tempo um tempo de paz, amor e dedicao. Isso significa aprender a dizer no para algumas coisas que nos forem pedidas, sem sentirmos culpa. () Jeff e eu j conversmos e decidimos dedicar uma quantidade de tempo adequada para ns, individualmente, os dois juntos, para os nossos filhos, para as nossas responsabilidades na Igreja e para a nossa comunidade. () Assim, aprendi a dizer no a certas coisas para poder dizer sim a outras. O sim mais importante que podemos dizer a nossos filhos : sim, tenho tempo para ti. E para mim isso quer dizer tanto quantidade como qualidade de tempo. () Ao mesmo tempo, o meu marido e os filhos aprenderam a importncia de se fazer sacrifcios, de servir uns aos outros e a alegria de saber que Cristo nos vai recompensar e carregar quando formos chamados para O servir. Ter uma responsabilidade de tempo integral fora do lar tambm me ensinou um pouco a respeito dos desafios encontrados quando tentamos conciliar a famlia e as expectativas do local de trabalho. () Como Deborah Fallows escreveu: Quanto mais bem-sucedida for a posio, em termos de prestgio, poder, dinheiro e responsabilidade, mais corriqueira e restritiva pode ser a suaPgina 8 de 9tirania. mais fcil pedir a nossos filhos que se adaptem ao nosso horrio do que solicitar ao nosso empregador que o faa. As crianas ainda no aprenderam a reivindicar os seus direitos. () foi por meio do meu servio em tempo integral para um programa da Igreja que aprendi que nenhuma outra pessoa pode ser a me de meus filhos e que a minha maior tarefa e alegria ser uma esposa e me no meu prprio lar. Deborah Fallows sintetiza com exactido os meus sentimentos: Para alcanar os meus padres de maternidade responsvel, preciso de conhecer [meus filhos] o melhor que puder e v-los no maior nmero possvel de ambientes e situaes para assim poder saber como os ajudar melhor a crescer, confortando-os, disciplinando-os, sendo confiveis, deixando que tomem iniciativas ou estando a seu lado, sem os sufocar. O que preciso de tempo com eles, em quantidade, no [apenas] qualidade. () Algo essencial para a sade mental de cada criana sentir-se valorizada. E a forma com que despendemos o nosso tempo revela aos filhos exactamente o valor que eles tm para ns. Dessa forma, os filhos proporcionam aos pais o seu maior desenvolvimento espiritual. Os filhos so a nossa prtica para sermos pais celestiais. A prioridade final na nossa espiritualidade est relacionada edificao do reino de Deus. Tento sempre lembrar-me de que todas as nossas prioridades principais esto interligadas, de que a Igreja uma estrutura terrena com o objectivo de me ajudar na minha responsabilidade eterna para com Deus, para com minha famlia e para com as demais pessoas sobre quem eu possa vir a exercer influncia justa, estejam elas vivas ou mortas. () claro que o Senhor sabe que o nosso servio na Igreja, alm de abenoar e ajudar as outras pessoas, favorece o nosso prprio desenvolvimento pessoal. Tenho a plena conscincia de que, devido ao meu servio na Igreja, comecei a desenvolver talentos que nem sabia possuir: talentos de oratria, escrita, msica, ensino, aprendizado e principalmente amor. Acima de tudo, a Igreja concede-me uma estrutura propcia ao desenvolvimento do meu atributo divino da caridade. A escolha que s vezes temos de fazer entre a famlia e a Igreja a mais difcil de todas que poderemos enfrentar. Mas tambm nesse caso, os nossos profetas deram-nos directrizes para que decidssemos o que essencial e o que secundrio. Quando todo o lar tomar como modelo o templo, uma casa de orao, uma casa de jejum, uma casa de f, uma casa de aprendizado, uma casa de glria, uma casa de ordem, uma casa de Deus (D&C 109:8), o reino de Deus vir a ns. () Somos todos abenoados generosamente pelo nosso servio na Igreja. a melhor maneira de que dispomos para guardar os dois grandes mandamentos: amar a Deus e o nosso prximo como a ns mesmos. () cada um de ns s ter paz se cumprir a medida da sua prpria criao. () Nos dias em que me sinto fora de ritmo, sem poder de concentrao ou emocionalmente instvel, quando sinto que no tenho tempo, sabedoria ou fora para solucionar os meus problemas, sei que o conforto de que preciso est no templo. Antes de ir at l, isolo-me por alguns instantes num quarto da casa, onde vou com tanta frequncia para orar que sinto serPgina 9 de 9um local onde posso aproximar-me grandemente do Pai Celestial. Ali, ajoelho-me e expresso os meus sentimentos mais profundos de amor e gratido. Tambm exponho os meus problemas ao Senhor, um por um, colocando todos os meus fardos e todas as minhas decises aos ps Dele. Aps essa preparao, retiro-me deste nosso mundo de vaidades, loucura e falsidade e vou Casa do Senhor. () Ali, lembro-me de que a vida essencialmente uma jornada do esprito para uma esfera mais elevada e sagrada. Lembro-me de que o sucesso da minha caminhada depende da minha obedincia aos passos sequenciais que Deus colocou no meu mapa rodovirio individual. () O Senhor mostra-me frequentemente a melhor maneira de fazer escolhas entre o certo e o errado e tambm entre o certo e o certo. Ela abenoa-me para que eu veja o que essencial e o que secundrio. () Somos filhas de pais celestiais que nos convidaram a empreender uma jornada para nos tornarmos semelhantes a eles. Eles colocaram nossa disposio uma casa sagrada aonde podemos ir e recordar que h alegria nessa caminhada, que tudo tem um propsito, que a vida pode ser vivida com tanto amor na Terra como o no cu. Que todas as nossas faces as nossas muitas faces de Eva reflictam o esprito radiante do Senhor e a grande glria de Deus que nossa. Minhas jovens irms, vocs precisam saber que tero de enfrentar as vossas prprias adversidades. Ningum est livre disso. Vocs vo sofrer, vo ser tentadas e vo cometer erros. Aprendero por si mesmas o que toda a herona aprende: vencendo desafios que crescemos e nos fortalecemos. a vossa reao adversidade e no a adversidade propriamente dita que determina como a sua histria de vida se vai desenvolver. Presidente Dieter F. Uchtdorf Segundo Conselheiro na Primeira Presidncia - Conferncia Geral Abril 2010 Mulheres de bem tm sempre o desejo de saber se esto a ter sucesso. Num mundo em que a forma de medir o sucesso geralmente distorcida, ainda importante buscar a apreciao e a afirmao nas fontes adequadas. Parafraseando uma lista que se acha em Pregar Meu Evangelho, estamo-nos a sair bem quando desenvolvemos os atributos de Cristo e procuramos obedecer a Seu evangelho com exactido. Estamo-nos a sair bem quando nos procuramos melhorar a ns mesmas e dar o melhor de ns. Estamo-nos a sair bem quando aumentamos a nossa f e a nossa rectido pessoal, fortalecemos a famlia e o lar, e buscamos e ajudamos os necessitados. Sabemos que estamos a ter sucesso quando somos dignas de receber a companhia do Esprito e sabemos como seguir a Sua orientao. Mesmo que tenhamos feito o melhor possvel, ainda assim pode ser que tenhamos decepes, mas no ficaremos decepcionadas connosco. Podemos ter a certeza de que o Senhor est satisfeito quando sentimos o Esprito a trabalhar por nosso intermdio. As pessoas que medem o seu sucesso da maneira adequada sentem paz, alegria e esperana. Presidente Julie B. Beck Presidente Geral da Sociedade de Socorro - Conferncia Geral Abril 2010

Recommended

View more >