AS MUITAS FACES DAS PALAVRAS NA LÍNGUA INGLESA - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA DIACRÔNICA E DIATOPIA

Download AS MUITAS FACES DAS PALAVRAS NA LÍNGUA INGLESA - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA DIACRÔNICA E DIATOPIA

Post on 12-Aug-2015

144 views

Category:

Documents

3 download

TRANSCRIPT

AS MUITAS FACES DAS PALAVRAS NA LNGUA INGLESA: VARIAO LINGUSTICA DIACRNICA E DIATPICAMikaylson Rocha da Silva1 Michael Harold Smith2Introduo Neste artigo busco analisar como os nveis e tipos de linguagens so construdos na lngua inglesa. Bem como dando nfase aos processos de variaes lingusticas: diacronia e diatopia. Ademais, torna-se necessrio no somente observar e explicar como essas mudanas ocorrem, mas como essas variaes lingusticas implicam nas morfolgica e da sintaxe das palavras. Estudar os nveis e as variaes lingusticas nada mais do que nos aprofundarmos numa eterna cultura histrica da comunicao escrita e falada. A maioria das estimativas, o idioma Ingls inclui cerca de um milho de palavras, mas os falantes nativos usam regularmente apenas cerca de 5.000 palavras. E eles nem sempre so os que fazem o uso correto delas. Como todas as lnguas, o Ingls est em constante mudana, novas palavras so adicionadas, palavras antigas so eliminadas, e combinaes de palavras so formadas a todo tempo. Para muitos, os processos de variaes lingusticas so comuns, normais, pois a lingustica parte da cultura, e como cultura, a lingustica tambm vida. Ela nasce, cresce, se modifica, se adapta ao cotidiano e muitas vezes entra em desuso. Para muitos lingusticos, em especial, Ronald Suffield, as palavras mudam de sentido e, consequentemente, se dividem em tipos, pois h um processo interno na natureza de cada palavra chamado de "amelioration", na qual o significado de uma palavra melhora ou se torna elevado, chegando a representar algo mais favorvel do que originalmente se referia. Esse processo "natural" guia a palavra sua maturidade semntica e, s variaes da semntica, da estrutura1Graduando do Curso em Letras com habilitao em Lngua Inglesa pela Universidade Federal da Paraba (UFPB). Orientador do Trabalho: Prof P.H.D efetivo do Curso de Letras com habilitao em lngua Inglesa do Departamento de2Cincias Humanas, Letras e Artes (CCHLA) da Universidade Federal da Paraba.vezes, sua forma morfolgica evoluda. A grande discusso sobre esses processos que confinam os significados e as estruturas das palavras a seguinte pergunta: Porque formamos palavras? A partir dessa indagao que podemos entender a complexidade lingustica do que chamamos por "palavras" e como essas palavras se transformaro na linguagem futura. Para muitos lingusticos, como para a autora Margarida Baslio, formamos palavras pelas seguintes necessidades: Pela utilizao da idia de uma palavra em uma ou outra classe gramatical; Pela necessidade de um acrscimo semntico numa significao lexical bsica. Grosso modo, tambm formamos palavras e as palavras mudam de sentido, pela necessidade de nomear as coisas como elas so e como esteticamente elas deveriam ser chamadas linguisticamente. Por fim, o objetivo geral do meu artigo questionar como so construdas as variaes lingusticas de tipos e significados na lngua inglesa. Tambm busco analisar como essas variaes lingusticas podem influenciar diretamente nas formas de escrever e falar. 1. A Formao da Lngua Inglesa. Para que possamos entender a evoluo das estruturas e dos sentidos das palavras na lngua inglesa, devemos utilizar da histria como artefato. Pois, cada palavra que usamos hoje em dia tem um processo histrico incrvel e diferente das demais. De acordo com os autores Crane, Yeager e Whitmam, na obra An Introduction to Linguistics, a histria da lngua inglesa se inicia com os Celtas, que se originaram, inicialmente de populaes que habitavam a Europa na Idade do Bronze (700 A.C), e tambm pelas regies hoje conhecidas como Espanha, Frana, Alemanha e Inglaterra. O idioma Celta chegou a ser o principal grupo de lnguas na Europa, e se espalhou em direo ao norte e sul. Aps a dominao Celta, os Romanos nos sculos 55 a 54 a.C habitaram e colonizaram algumas reas celtas. Para Albert Baugh, a presena dos romanos, um povo com um poder blico muito maior do que o dos celtas, contribuiu para o fracasso dos Celtas e tornando-os vulnerveis e dependentes de outras tribos germnicas (Jutes, Saxons e Frisians). Para Baugh, a histria nos mostra claramente quais tipos de ingls ns temos hoje. Somos o reflexo construdo historicamente do que fizemos. Os diversos dialetos germnicos falados pelos Anglo-Saxes que vo dar origem ao Ingls.Podemos, a partir desse evento, dividir a Histria da Lngua Inglesa em trs grandes perodos: OldEnglish, Middle e Modern English. O Old English o perodo da lngua inglesa do sculo V, quandoas terras da Inglaterra foram invadidas por tribos germnicas Anglo-Saxes e Jutes. O dialeto anglo-saxo incorpora-se aos demais sob domnio colonizador e o vocabulrio ingls vai sendo fortemente influenciado ao longo do tempo. A introduo do cristianismo corroborou na influncia das primeiras ondas de palavras do latim e do grego na a lngua inglesa. Mais tarde fora influenciada pelos invasores escandinavos que falavam o Old Norse, que, provavelmente, assemelhava-se ao dialeto falado pelos povos anglo-saxes. O perodo Old English terminou com a invaso dos Normandos, quando o ingls foi influenciado por um nmero maior de falantes que usavam o Norman Dialeto. O Old English no era uma lngua uniforme, pois era preservada por inscries runics nas tradues bblicas complexas e fragmentos diversos. Ademais, a diferena entre o Old e o Modern English est na forma escrita, na pronncia, no vocabulrio e na gramtica. De acordo com Baugh (1981), qualquer pessoa que no tenha uma especializao voltada ao Old English incapaz de compreender qualquer texto da poca. Por exemplo, a palavra stn corresponde a stone no ingls atual. No entanto, a maior diferena entre esses dois perodos est na gramtica, especificamente, no campo sinttico e no campo analtico. Esse perodo finda com a batalha de Hastings, em 1066, onde o rei William o conquistador derrotou o exrcito dos anglos- saxes e imps suas leis seu sistema de governo e sua lngua a francesa. A partir desse evento se estabelece o segundo o perodo o Middle English. O segundo perodo da formao de uma nova lngua inglesa est mais uma vez relacionado forma de colonizao. O Middle English compreende o ingls medieval, e o elemento mais importante desse perodo foi, sem dvida, a presena e influncia da lngua francesa na lngua inglesa. Essa eminente transfuso de cultura franco-normanda na nao anglo-saxnica durou trs sculos, resultou principalmente, num conjunto considervel de um novo vocabulrio. Isso mostra que, por mais forte que possa ser a influncia de uma lngua sobre outra, essa influncia, normalmente, no vai alm de um enriquecimento de vocabulrio, dificilmente afetando a pronncia ou estrutura gramatical. Com o passar dos sculos e as disputas que acabaram ocorrendo entre os normandos das ilhas britnicas e os habitantes do continente, provocam o surgimento de um sentimento "nacionalista",ou apenas um desejo de consolidao poltico-lingustica. No final do sculo XV, o ingls j havia se consolidado enquanto lngua escrita e, tambm na linguagem. E tambm j havia substitudo o francs e o latim como lngua oficial para documentos. A influncia da lngua francesa foi to grande, que at hoje usamos palavras do francs na lngua inglesa. Veja os exemplos: Anglo-Saxo Answer Begin Clothe Francs Respond Commence Dress Anglo-Saxo Come End House Francs Arrive Finish MansionAlm da influncia do francs sobre seu vocabulrio, o Middle English se caracterizou, tambm, pela gradual perda de declinaes, pela neutralizao e perda de vogais atnicas em final de palavra e pelo incio da Great Vowel Shift, que se caracteriza pela acentuada mudana na pronncia das vogais do ingls, inclusive os ditongos sofreram alteraes e certas consoantes deixaram de ser pronunciadas. Esse perodo traz uma onda de inovaes no ingls, que foi denominada Modern English. O Modern English se estende do sculo XVI atualidade. Na primeira parte desse perodo aconteceu uma revoluo complexa da fonologia do ingls. Enquanto o Middle English se caracterizou por uma acentuada diversidade de dialetos, o Modern English representa um perodo de padronizao e unificao da lngua, porm sem uma pronncia nica ou uniforme, pois as pronncias, as expresses e as formas de comunicao variam de lugar a lugar, de grupos sociais para grupos sociais. Essas mudanas continuaram durante o perodo representado numa tpica fonologia do ingls moderno. Mas, se as mudanas ocorridas na pronncia no foram acompanhadas de reformas ortogrficas, isso se revela em um carter conservador da cultura inglesa. O advento da imprensa em 1475 e a criao de um sistema postal em 1516 possibilitaram a disseminao do dialeto de Londres. Mais tarde, em contato com outras culturas e dialetos, a lngua inglesa se desenvolve em muitas reas onde os ingleses haviam colonizado, fazendo, assim, pequenas e interessantes contribuies para o vocabulrio do ingls, como por exemplo, os nomes dos dias da semana no ingls moderno que vieram dos nomes dos principais deuses anglo-saxes: Thursday (dia de Thor o deus do trovo), Friday (dia de Frey deusa dafertilidade). Esse nome vem da palavra escandinava Frigedaeg; e Sunday (o dia do deus sol) e assim por diante. Faz tambm parte do Modern English, as formas como os dicionrios buscaram para padronizar a ortografia. Os primeiros trabalhos descrevendo a estrutura gramatical do ingls influenciaram o uso da lngua, incorporando conceitos gramaticais das lnguas latinas e trazendo uma uniformidade gramatical. Durante os sculos XVI e XVII ocorreu o surgimento e a incorporao definitiva do verbo auxiliar "Do" para frases interrogativas e negativas. E a partir do sculo XVIII passou a ser considerado incorreto o uso de dupla negao numa mesma frase como, por exemplo: She didn't go neither; I can't do nothing. Desde ento, a ortografia do ingls mudou em apenas pequenos detalhes, enquanto que a sua pronncia sofreu grandes transformaes. O resultado disto que hoje em dia temos um sistema ortogrfico baseado na lngua como ela era falada no sculo XVIII, sendo usado para representar a pronncia da lngua no sculo XX. O Modern English compreende todas as formas organizacionais da morfologia e, que, consequentemente, influencia culturalmente a mudana semntica das palavras. tambm no perodo Modern English, que temos a pura distino entre os tipos de ingls falados: Americano, Britnico, e dentro do ingls Britnico, temos subtipos diferenciados (ingls escocs, irlands e gals), no somente pelo sotaque, mas pelas culturas das palavras, das expresses e dos sentidos da comunicao. Nesse perodo contemporneo da lngua inglesa, tambm temos as influncias de novas palavras tanto na forma usual, como na literatura. A exemplo disto, temos a forte influncia do grandioso escritor literrio ingls, William Shakespeare, que contribuiu fortemente, com mais de 1.600 palavras na formao original da lngua inglesa. 2. A Diacronia na Lngua Inglesa. Estudar as variaes lingusticas quer dizer estudar as razes, a morfologia, a semntica das palavras, a forma como elas so nomeadas e conduzidas socialmente. Em outras palavras, o estudo das variaes lingusticas est relacionado ao processo histrico da lngua. A variao o termo usado para se referir ao aparecimento de unidades lexicais em diferentes formas, e um fenmeno que existe em todas as lnguas. Aqui, em meu artigo, me atentarei a explanar um pouco sobre como acontece as variaes lingusticas: Diacrnica e Diatpica na lngua inglesa. Quando falamos em processos de variaes lingusticas diacrnicas, estamos tratando deprocessos de variaes histricas e culturais dos sentidos e das estruturas de uma palavra. As palavras mudam, obviamente por inmeros motivos, de sentidos e formas conforme o tempo. Esse processo de transformao semntico-morfolgico chamamos de variao lingustica diacrnica. Como as variaes diacrnicas ocorrem na lngua inglesa? De diversas formas, algumas palavras mudam totalmente o significado e a sua estrutura morfolgica permanece inaltervel, como por exemplo: a palavra "Awful" h mais ou menos 300 anos representava um adjetivo com o significado de "Awe plus full", ou seja, qualificava algo ou algum por ser "temvel" "reverente" "cheio de temor". Historicamente a palavra " awefull" sofreu um processo de modificao morfolgica chamada de aglutinao, ou seja, houve perda de fonema na estrutura lingustica da palavra na forma original. Aps um incndio num prdio em Londres, a palavra " Awful", j modificada, recebeu um novo significado, o de "terrvel" como hoje a usamos semanticamente. H milhares de exemplos na diacronia da lngua inglesa que relatam casos de palavras que mudaram de significado ao longo do tempo, porm permanecendo inalteravelmente a sua estrutura morfolgica. Outro caso tpico dessa variao a palavra "Queen" que significava "Woman", ou seja, qualquer mulher. Hoje, essa palavra tem a ver com " Social Position", ou seja, poucas mulheres tm o privilgio de serem chamadas de "Queen", como a palavra hoje se refere. Observe no quadro abaixo outros exemplos de palavras que mudaram de semntica. Word Craffy Cunning Doctor Harlot Notorious Affection Deer Forest Girl Starve Old Meaning Strong Knowing Teacher A Boy Famous Emotion Animal Countryside A Young Person To dieA diacronia tambm relata casos de palavras que mudaram a sua estrutura morfolgica, porm, o sentido inicial da palavra pouco ou nada mudou. A exemplo temos a palavra "Dazum", escrita no ingls antigo, e, que, aps uma reforma na morfologia na era do Modern English, at hoje permanece com o mesmo sentido, porm, com uma estrutura morfolgica diferente "Days", com variao de desinncia nominal no plural "s". Acompanhe atravs da tabela abaixo a evoluo de algumas palavras da lngua inglesa no ingls antigo ao atual. Old English Bricg Scip Modern English Bridge Ship Old English Cin Yore Modern English Chin YourOs processos de variaes lingusticas na diacronia so inmeros e sempre esto associados histria da palavra. Na diacronia, tambm podemos trabalhar casos de palavras que se referem mesma coisa, possuem estruturas morfolgicas diferentes e, tambm, outras semnticas na anlise sinttica. I heard an American student at Cambridge University telling some English friends how he climbed over a locked gate to get into his college and tore his pants, and one of them asked, 'But, how could you tear your pants and not your trousers?" (Norman Moss, ONLINE). No excerto acima, as palavras "pants" e "trousers" possuem estruturas morfolgicas diferentes, porm, com semntica equivalente "calas". Nesse caso, a diacronia revela que, mesmo que as variaes ocorram em palavras diferentes morfologicamente, elas diacronizam em semntica quando se referem mesma coisa, e com o mesmo sentido. Esse subtipo de variao no est atrelado especificamente evoluo histrica das palavras, mas como elas de alguma forma compartilham significados diferentes na evoluo do uso da palavra no momento na frase. Mudanas ocorrem quando o sentido de uma palavra se expande e contrai, com o foco final do significado diferente do original. Por alguma razo, palavras que descrevem roupas tendem a mudar significados com mais freqncia do que outras palavras, talvez porque as tendncias da moda vm e vo, deixando as palavras parecer to antiquadas como a roupa que eles descrevem.Tambm conhecida como extenso, a generalizao o uso de uma palavra em um amplo campo de significado do que possua originalmente, muitas vezes referindo-se a todos os itens em uma classe, ao invs de um item especfico. Generalizao um processo natural, especialmente em situaes de "linguagem com pouco dinheiro", onde o falante tem um vocabulrio limitado sua disposio, seja porque ela jovem e apenas aquisio da linguagem, ou porque ela no fluente em uma segunda lngua. No ingls antigo, a palavra " stow" representava certo lugar. Hoje, a palavra evoluiu para "steady", que significa algo "firme" "seguro". Percebe-se que a palavra evoluiu de um significado estratgico e no delimitado para um significado generalizado. Na diacronia da lingustica ainda conseguimos enxergar novas formas inovadoras demudanas no morfema e na semntica da palavra. Ou seja, a palavra muda de classe gramatical, extenso e, consequentemente, o sentido inicial. Essa variao d-se muitas vezes pela necessidade de nomeao de novas coisas, de atribuir funes, identidades, qualidades s coisas. A exemplo, temos as variaes de verbos para substantivos, que no geral, em ingls acrescentamos "ER" ao verbo: Work - Worker. Essa variao atinge no s os verbos, mas todas as classes das palavras que, por necessidade de nomeao, criam regras de estruturas de transformao. A diacronia na lingustica busca explicar como esses fenmenos de mudana de estrutura, significado e de gnero atingem sua maturidade. 2.1 A Diatopia na Lngua Inglesa. Outro tipo de variao lingustica que busco explanar aqui neste artigo a variao Diatpica. A diatopia uma das variaes lingusticas mais comuns, presente em qualquer lngua. percebida com maior fora nos pases com grande extenso territorial, e com uma unidade lingustica no to solidificada. A diatopia revela que qualquer lngua possui tipos, subtipos, arranjos, combinaes e extratos sociolingusticos. Na lngua inglesa, assim como em qualquer outra lngua, a diatopia marcante. Principalmente pelo fato da lngua inglesa ter se tornado uma lngua franca, ou seja, universalmente falada. A diatopia da lngua inglesa no s atinge nvel internacional pelos fragmentos e formas como o ingls falado, comunicado, escrito e ensinado em diversos pases que falam ingls. Mas tambm podemos perceber que ela presente at mesmo dentro de um Estado unificado linguisticamente. Quais os tipos mais comuns de ingls? Temos duas grandes vertentes: O Norte-americano (que ainda subdividido em um ingls estadunidense e o canadense); e o Britnico (que se divide em vrios: escocs, irlands, gals, ingls [da Inglaterra]). H outros inmeros tipos e variaes de ingls pelo mundo. A variao diatpica no apenas marcada pelas barreiras existentes entre Estados, mas tambm marcada por uma cultura regional solidificada e harmonizada, onde as pessoas se comunicam como elas se vem. Por exemplo, no prprio Reino Unido, a coeso da unificao lingustica do ingls no conseguiu evitar as tipificaes entre os falantes nativos de cada pas. Ou seja, o ingls falado na Inglaterra torna-se diferente em termos de expresses, ditos populares, grias e nveis de linguagem entre as diversas regies do pas e entre os pases que compe o Reino Unido. Na Irlanda, por exemplo, h inmeras curiosidades que giram em cerca da forma como eles falam e construram aquele ingls. Por exemplo, os irlandeses no utilizam as palavras "yes" e "no" antes, durante e ps um enunciado. Se voc perguntar a algum Irlands: Can you swim? or Do you like her? eles te responderiam positivamente sem o uso do "yes" "I can" ou de forma negativa sem o uso do "no" "I can't". Outra grande diferena , que, os Irlandeses usam a forma contracta do "am not" como "I amn't". Para eles, essa contraco bvia e obedece regras slidas de variao do ingls regional da Irlanda. Se voc for Irlanda, voc perceber que existem outras grandes diferenas das formas tradicionais de se falar ingls. Por exemplo, estamos acostumados a relatar uma ao que aconteceu no passado e, entretanto, essa ao ainda permanece em vigncia e em uso no presente. Chamamos essa ao verbal de Present Perct. Na Irlanda, a forma tradicional do PresentPerfect se ope tradicional, no h o uso do "have (auxiliar)+ verbo principal (no particpio passado)", l, eles conjugam dessa forma: "I'm after finding an Euro on the road" em vez de "I'vefound an Euro on the road", como em todos os pases de ingls tradicional. Essa diatopia no sofre nenhuma diacronia de sentido, pois mesmo morfologicamente diferente, a semntica da ao verbal a mesma como a da forma tradicional de se escrever. A diacronia sempre representou um grande problema para a poltica de unificao lingustica, pois, por mais que tentamos padronizar uma lngua, ela historicamente se desacroniza morfologicamente ou semanticamente. Pois a lngua constitui uma das espinhas dorsais da cultural, e como parte da cultura, a lngua est sujeita modificao contnua. Ainda sobre o estranho ingls Irlands, podemos exemplificar outros casos de variaes diatpicas em relaoaos pases que compe o Reino Unido.Na Irlanda no se usa a expresso "What's up?","Wassup?"ou at mesmo "Sup?". Essas trs formas de se escrever esto relacionadas formaoriginal, forma vulgar e forma abreviada da pronncia. Porm, nenhuma dessas trs formas tradicional na Irlanda. L, a expresso referente "What's up?" "How's the Craic?" Essa atpica diferena est atrelada ao fato de que regionalmente a palavra "Craic" significa "novidade", da o porqu da diferena lingustica. Em alguns pases, a diatopia chega a ser to agravante, que, linguisticamente falando, chega a romper com a etimologia e com a epistemologia da palavra original. Nesses casos, a variao diatpica constitui o que chamamos de "barbarismo", ou seja, uma adaptao de uma palavra estrangeira ao cotidiano externo. Por exemplo, em grande parte do Norte e Nordeste do Brasil, a palavra "Boy" ganha outras dimenses: Boy + zinho = Boyzinho (diminutivo de boy no portugus); Boy + zinha = Boyzinha (diminutivo de boy para garotas no portugus). Perceba que no ltimo caso temos um barbarismo lingustico consequente da variao lingustica diatpica regional do Brasil em detrimento do estrangeirismo "boy". H inmeros tipos de variaes diatpicas nas formas de se falar e escrever o ingls. O ingls no uma lngua nica, homognea, pura, pronta ou estandardizada, mas uma lngua heterognea, difusa, analtica e estratificada em sua estrutura morfolgica e em sua semntica. Observe no quadro abaixo algumas variaes nas escritas entre o Ingls Americano e o Ingls Britnico. American English Analyze Catolog Color Aluminum Defense Enroll Fufill Honor Center British English Analyse Catologue Colour aluminium Defence Enrol Fufil Honour CentreFundamentao Terica. Em qualquer idioma, a estrutura lingustica do morfema, da sintaxe e da semntica das palavras que o compe, sempre complexa e rodeada por mistrios. Por trs da etimologia de qualquer palavra, h sempre um processo histrico rico em construo, afim de atingir a sua maturidade enquanto estrutura e sentido. Neste artigo busquei vislumbrar um pouco acerca do porqu que as palavras mudam de formas, sentidos, identidades, combinaes e arranjos, e como elas atingem a sua maturidade. Para Albert Baugh (1997), os processos de variaes lingusticas de Diacronia e de Diatopia obedecem a regras especficas do espao, da regio, da cultura e, principalmente, da histria. As palavras mudam de sentido ou de forma conforme o surgimento de novas propagaes de comunicao na sociedade. A mudana morfolgica ou semntica meramente socio-histrica, o que torna a lngua cada vez menos estandardizada. Para o autor, a variao natural, pois a lingustica faz parte da cultura, e como cultura, a lngua nasce, cresce, amadurece, se adapta ao meio, e s vezes, entra em desuso. Segundo a autora Margarida Baslio (1987), as variaes diacrnicas e diatpicas so fenmenos lingusticos que devem ser vistos como formas evolutivas da linguagem. Esse processo de evoluo guia a palavra ao seu clmax de desenvolvimento morfolgico, sintxico e semntico. A comunicao na forma da lingustica sempre complexa, sendo assim, a palavra tambm se torna sempre complexa, multifacetada e polissmica. A palavra o meio da comunicao mais sujeita mudana, pois ela sempre ganha forma na boca do agente que a conduz. Ainda segundo a autora, o processo de melhoramento ou de evoluo da palavra sempre gradativo, e obedece a regras que regem a lingustica local e tradicional. Para a autora, o processo evolutivo da palavra chamado de "amelioration", na qual o significado de uma palavra melhora ou se torna elevado, chegando a representar algo mais favorvel do que originalmente se referia. s vezes, esse processo evolui apenas no sentido, e a morfologia da palavra permanece inalterada; s vezes o processo da variao lingustica altera tanto o morfema como a semntica da palavra. Para Baslio, as variaes diacrnicas e diatpicas, alm de constiturem processos naturais de qualquer lngua e construdos ao longo dos seus processos histricos. Eles tm uma explicao bem apririca sobre o porqu que formamos palavras. Em seu texto "Teoria Lexical", Baslio busca explicar o porqu que fazemos palavras. E para ela, fazemos palavras pelas seguintes razes: Pelautilizao da idia de uma palavra em uma ou outra classe gramatical; Pela necessidade de um acrscimo semntico numa significao lexical bsica; e pela necessidade que temos em nomear as pessoas e coisas. Essas necessidades so atribudas na lingustica e na comunicao falada e escrita. E qual a relao entre esses processos de criao de palavras e as variaes lingusticas? Crane, Yeager e Whitmam, na obra An Introduction to Linguistics (1981), argumentam que assim que as palavras so formadas, reajustadas, adaptadas e postas em uso, a necessidade da comunicao oral e escrita traz tona uma cadeia interdependente entre as palavras. E as formas como tais palavras so articulas e escritas, geram outras necessidades inerentes a elas para nomear outras funes ou situaes que elas mesmas criaram no ato da linguagem da comunicao. Ou seja, as palavras so formadas por tais razes ou necessidades, e o uso dessas palavras gera certas funes, que de alguma forma implicam novas necessidades de criao ou reforma nas palavras. Kramsh Claire (2003) ressalta que a lingustica e as suas variaes so um todo muito complexo. Pois, somos ns, que, durante a interlocuo construmos um mundo lingustico da comunicao. O mundo da lingustica um mundo tecido pelos homens, por ns, enquanto agentes falantes. Falamos pela necessidade de se comunicar, e durante a comunicao encontramos barreiras, e atravs dessas barreiras que precisamos aperfeioar o cdigo da mensagem, ou seja, garantir a isonomia comunicativa plena entre os plos interlocutores. Da surge a necessidade de transformar a estrutura vigente, para que a lngua torne-se mais clara, mais adaptvel e muito mais comunicativa. Para Nicholas Onuf (1987), o pai do construtivismo, as relaes sociolingusticas so baseadas em regras discursivas da comunicao. Tudo construdo pela comunicao, pelas redes de relaes sociolingusticas. Vivemos numa imensa rede, seja ela cultural, lingustica, econmica ou poltica, o fato que todas as relaes que permeiam o mbito social, so relaes baseadas na comunicao da linguagem. Para ele, comunicar no apenas um processo de articulaes de voz, comunicao o que move a histria, a fala, o agir, o sentir, ou seja, as relaes entre agentes e estruturas. Da, criamos as interaes e o mundo das nossas cognies e linguagens. As variaes lingusticas no nascem do nada, do natural ou do normal. Elas nascem da co-construo entre agentes e estruturas pela necessidade de se comunicar e se relacionar com os diversos mundos a nossa volta.E por fim, a teoria da variao lingustica dialoga com a realidade tangvel da lngua: ela varia (socialmente) na comunicao e muda no tempo (historicamente) e no espao (geograficamente). A variao sincrnica quando vrios elementos de variao co-ocorrem simultaneamente e disputam espaos na comunidade dos falantes. Pagotto (2004: 89) A teoria da variao pe diante de ns a realidade tangvel da lngua: ela varia (socialmente) e muda no tempo (historicamente) e no espao (geograficamente). A variao sincrnica quando vrios elementos de variao co-ocorrem simultaneamente no ato da comunicao. Essa discusso mostra como muitas pessoas vem a mudana semntica com fortes emoes. Alguns, como Suffield (1887), podem at mesmo perceb-la como uma fora quase diablica. A discusso da mudana do significado muitas vezes carregada de emoo, como os significados de "melhorar" o estatuto da lngua ou piorar a diacronia dela. Ademais, torna-se impossvel estandardizar o que de natureza cultural estratificada e tipificada na lngua. A lngua pode se estandardizar pelas foras e pretenses polticas, mas sempre apresentar assimetrias no dorso de cada agente da construo lingustica. Concluso. Percebo que o tema aqui abordado em meu artigo de total relevncia cientfica, pois retrato as formas como o ingls era falado e como vem sendo falado atravs da linguagem oral e escrita ao longo do processo histrico da lngua. No fcil remontar s razes de uma lngua, tampouco afirmar com tamanha certeza sobre os porqus que falvamos uma espcie de lngua, e como chegamos forma atual. Quero dizer, no fcil entender a complexidade das inmeras variaes lingusticas. Sempre h um grande e impetuoso mistrio por trs das significaes e das estruturas de qualquer palavra. Como j foi dito, o processo apririco s variaes lingusticas sempre ressaltado como a necessidade em que temos em formar palavras, ou seja, um processo criado pela necessidade de se comunicar com as pessoas, as coisas, com os diversos mundos ao nosso redor. Na lingstica e na sociolingstica h sempre um grande debate acerca das reais razes pelas quais as palavras variam em formas e em significados. Muitos tericos afirmam que as palavras variam conforme a necessidade da construo de uma nova comunicao; Outros afirmam que anecessidade de criar um novo lxico bsico muito mais coerente; h tambm aqueles que acreditam no acrscimo semntico da palavra em seu processo natural de evoluo atingindo sua maturidade lingstica semntica e morfolgica; e por fim, h tericos que acreditam nas variaes lingsticas como sendo formas construdas pela oralidade social, ou seja, as palavras mudam porque os agentes da construo tomam as palavras por outros sentidos devido s necessidades da comunicao e, principalmente, pelo fato de que a lingstica faz parte da cultura, e como cultura, ela est sempre em um processo de construo. As variaes lingusticas ocorrem heterogeneamente atingindo pequenas e grandes escalas, e principalmente adaptando-se ao contexto social atual. Referncias. AMOS, Eduardo. & PRESCHER, Elisabeth. Brasil and other stories. So Paulo: Moderna, 1995 [Aquarius Level 1] BAKTHIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem, Hucitec, So Paulo, 1997. BARTHES, Roland. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moiss. So Paulo: Cultrix, 1988. BASILIO, M. (1980) Estruturas Lexicais. Petrpolis: Vozes. _____ (1987) Teoria Lexical. So Paulo: tica. _____ (1993b) Produtividade, Funo e Produo Lexical. Atas do IX Congresso Internacional da ALFAL II: 27-37. Campinas: UNICAMP. BAUGH, Albert. A History of the English Language, Oxford: University Press, 1997 CLAIRE, Kramsh. Language and Culture, Oxford Univ. Press, 4 edio, 2003 CRANE, L. Ben, Edward Yeager and Randal L. Whitman. An Introduction to Linguistics Boston: Litlle, Brown & Co, 1981. CRYSTAL, David. The Cambridge Encyclopedic of the English Language. Cambridge University Press, 2 edio, 2003. FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. Pontes, 2 edio, So Paulo, 2002. ____________. Microfsica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1999.FOUCAULT, M. The archeology of knowledge. Traduo de A. M. Sheridan Smith. Nova Iorque: Pantheon Books, 1972. MACMAHON, April (1994). Understanding language change. Cambridge ONUF, Nicholas. 1987. "Rules in Moral Development." Human Development. 30:257-67. World of Our Making: Rules and Rule in Social Theory and International Relations. ONUF, Nicholas. 1987. "Rules in Moral Development." Human Development. 30:367-67. World of Our Making: Rules and Rule in Social Theory and International Relations. SCRAGG, D.G. (1974). A history of English spelling. Manchester: Manchester University Press; STRANG, Barbara (1970). A history of English. London: Methuen; STURTEVANT, E.H. (1917). Linguistic change: an introduction to the historical study of language. Chicago: University of Chicago Press.

Recommended

View more >