As faces visível e oculta do Alcoolismo

Download As faces visível e oculta do Alcoolismo

Post on 02-Jul-2015

412 views

Category:

Education

2 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Palestra para o Grupo Pais de Sbado da Comunho Esprita de Braslia.

TRANSCRIPT

<ul><li> 1. Concedei-nos, Senhor,Concedei-nos, Senhor, aa SerenidadeSerenidade necessrianecessria para aceitar as coisas que nopara aceitar as coisas que no podemos modificar,podemos modificar, CoragemCoragem para modificar aquelas que podemospara modificar aquelas que podemos ee SabedoriaSabedoria para distinguir uma das outras.para distinguir uma das outras. </li></ul> <p> 2. AS FACES VISVEL E OCULTAAS FACES VISVEL E OCULTA DO ALCOOLISMODO ALCOOLISMO Elizabeth Barbosa de Carvalho, Ed. Seda, 1999. 3. O que alcoolismo?O que alcoolismo? 4. O que Alcoolismo?O que Alcoolismo? DSM Manual Diagnstico Estatstico, da Associao Psiquitrica Americana. Segundo o DSM.IV, o alcoolismo est enquadrado em trs categorias: Transtornos mentais relacionados ao uso de substncias, Dependncia de substncia e Abuso de substncia. A caracterstica essencial do Abuso de Substncia um padro mal adaptativo de uso de substncia, manifestado por consequncias adversas recorrentes e significativas relacionadas ao uso repetido da substncia. Pode haver um fracasso repetido em cumprir obrigaes importantes relativas a seu papel, uso repetido em situaes nas quais isto apresenta perigo fsico, mltiplos problemas legais e problemas sociais e interpessoais recorrentes. 5. O que Alcoolismo?O que Alcoolismo? Alcoolismo uma doena incurvel, progressiva e fatal, que mata desmoralizando. (Alcolicos Annimos) Do ponto de vista mdico, o alcoolismo uma doena crnica, com aspectos comportamentais e socioeconmicos, caracterizada pelo consumo compulsivo de lcool, na qual o usurio se torna progressivamente tolerante intoxicao produzida pela droga e desenvolve sinais e sintomas de abstinncia, quando a mesma retirada. (Dr. Drausio Varella) De acordo com o CID.10, Classificao Internacional de Doenas da OMS, alcoolismo definido como transtornos mentais e comportamentais decorrente do uso do lcool. (Categoria F10) 6. Como se d o alcoolismo?Como se d o alcoolismo? 7. Como se d o alcoolismo?Como se d o alcoolismo? Muitas caractersticas, tais como gnero, etnia, idade, ocupao, grau de instruo e estado civil podem influenciar o uso nocivo de lcool, bem como o desenvolvimento da dependncia ao lcool. Fonte: Associao Brasileira de Psiquiatria - Abuso e Dependncia do lcool 8. s pensar em bebida que a garganta fica seca, leve inquietao mental, ligeira irritao, certa ansiedade por um drinque. Bebeu, passou, melhorou. Elizabeth Carvalho, As faces visvel e oculta do alcoolismo. p.23. Como se d o alcoolismo?Como se d o alcoolismo? 9. Lida com os problemas da vida sem precisar do efeito do lcool Fases do Consumo de lcoolFases do Consumo de lcool +/- 10 % ABSTINNCIA +/- 60 % USO SOCIAL +/- 20 % ABUSO +/- 10 % DEPENDNCIA Bebe com problemas nocivos sade e aos relacionamentos Bebe sem problemas No Bebe Bebe com problemas nocivos sade e aos relacionamentos Hbito Familiar Hbito Social Divertimento Distrao Prazer Prazer e sofrimento se equivalem Prazer com lcool Prazer sem lcool S sofrimento Sndrome de Abstinncia CONFLITOS - Familiares - Profissionais - Sociais PROBLEMAS - Orgnicos - Psicolgicos - Mentais - Espirituais - Sociais Fonte: Apresentao do Dr. Rubens Nogueira, www.clinicajorgejaber.com.br 10. Voc conhece algum comVoc conhece algum com sintomas de alcoolismo?sintomas de alcoolismo? 11. Algumas estatsticas sobre o lcoolAlgumas estatsticas sobre o lcool A dependncia de lcool acomete de 10% a 12% da populao mundial1(D) e 11,2% dos brasileiros que vivem nas 107 maiores cidades do pas. A incidncia de alcoolismo maior entre os homens do que entre as mulheres. A incidncia do alcoolismo maior entre os mais jovens, especialmente na faixa etria dos 18 aos 29 anos, reduzindo com a idade. Fonte: Associao Brasileira de Psiquiatria - Abuso e Dependncia do lcool 12. Algumas estatsticas sobre o lcoolAlgumas estatsticas sobre o lcool A lcool responsvel por cerca de 60% dos acidentes de trnsito e aparece em 70% dos laudos cadavricos das mortes violentas. De acordo com a ltima pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Informaes sobre Drogas Psicotrpicas (CEBRID) entre estudantes do 1 e 2 graus de dez capitais brasileiras, as bebidas alcolicas so consumidas por mais de 65% dos entrevistados, estando bem frente do tabaco. Dentre esses, 50% iniciaram o uso entre os 10 e 12 anos de idade. Fonte: Associao Brasileira de Psiquiatria - Abuso e Dependncia do lcool 13. Concluses sobre o uso do lcoolConcluses sobre o uso do lcool As complicaes relacionadas ao consumo de lcool no esto necessariamente relacionadas ao uso crnico. Intoxicaes agudas, alm de trazer riscos diretos sade, deixam os indivduos mais propensos a acidente. Fonte: Associao Brasileira de Psiquiatria - Abuso e Dependncia do lcool 14. Principais Fatores de ProteoPrincipais Fatores de Proteo 1 Fortes laos com a Famlia.1 Fortes laos com a Famlia. 2 Pais presentes que acompanham a vida dos2 Pais presentes que acompanham a vida dos filhos, oferecendo regras claras de educaofilhos, oferecendo regras claras de educao cvica, tica e moral.cvica, tica e moral. 3 Bom desempenho escolar.3 Bom desempenho escolar. 4 Fortes laos com instituies escolares,4 Fortes laos com instituies escolares, esportivas e religiosas.esportivas e religiosas. 5 Adoo de normas convencionais claras e5 Adoo de normas convencionais claras e nicas sobre o uso do lcool.nicas sobre o uso do lcool. Fonte: Apresentao do Dr. Rubens Nogueira, www.clinicajorgejaber.com.br 15. Fonte: Ana Ceclia Marques, Revista IMESC, n 3, 2001, p. 73-86 Assim, o entendimento desse fenmeno, o uso abusivo de lcool, sofre impreterivelmente interferncias culturais, sociais, religiosas polticas e, atualmente, cientficas, de cada populao e apesar da multifatoriedade da sndrome de dependncia, ainda hoje, em muitos pases, como por exemplo na Nigria, os problemas decorrentes do uso do lcool so considerados influncia de 'espritos do mal' no indivduo. Assim, o entendimento desse fenmeno, o uso abusivo de lcool, sofre impreterivelmente interferncias culturais, sociais, religiosas polticas e, atualmente, cientficas, de cada populao e apesar da multifatoriedade da sndrome de dependncia, ainda hoje, em muitos pases, como por exemplo na Nigria, os problemas decorrentes do uso do lcool so considerados influncia de 'espritos do mal' no indivduo. 16. O que o Espiritismo nosO que o Espiritismo nos revela sobre o alcoolismo?revela sobre o alcoolismo? 17. Fonte: Alan Kardec, Livro dos Espritos. 719.719. Merece censura o homem, porMerece censura o homem, por procurar o bem-estar?procurar o bem-estar? natural o desejo do bem-estar. Deus s probe o abuso, por ser contrrio conservao. Ele no condena a procura do bem-estar, desde que no seja conseguido custa de outrem e no venha a diminuir-vos nem as foras fsicas, nem as foras morais. 18. Qualquer um que bebe est sujeito a passar por maus momentos... Essa uma boa oportunidade de ao que se oferece a inimigos espirituais. Elizabeth Carvalho, As faces visvel e oculta do alcoolismo. p.199. O que o Espiritismo nos revelaO que o Espiritismo nos revela sobre o alcoolismo?sobre o alcoolismo? 19. O que o Espiritismo nosO que o Espiritismo nos revela sobre o alcoolismo?revela sobre o alcoolismo? Sozinho?Sozinho? Curta metragem esprita TV Espiritismo. https://www.youtube.com/watch?v=oyuDnGvjLu8 https://www.youtube.com/watch?v=5uvNvc0rFn8 https://www.youtube.com/watch?v=ajbr96VHzz8 20. Como vencer o alcoolismo?Como vencer o alcoolismo? Tratamento fsico e psicolgicoTratamento fsico e psicolgico Mdicos e psiclogos especializados. Hospitais e clnicas de recuperao. Grupos de mtua ajuda (Doentes e familiares). (Alcolicos Annimos e Comunho Esprita 2 e 4 19h, Sab 9h, Sala 12) Tratamento espiritualTratamento espiritual Orientao espiritual na Casa Esprita. Evangelho no Lar. Reforma ntima. 21. Reflexo!Reflexo! assim que voc quer ser lembrado assim que voc quer ser lembrado pelos seus filhos?pelos seus filhos? Vdeo: DesenhoVdeo: Desenho http://www.alcoolicosanonimos.org.br/ 22. (Mateus - 26, 41)(Mateus - 26, 41) Vigiai e orai, para queVigiai e orai, para que no entreis em tentao.no entreis em tentao. O esprito est pronto,O esprito est pronto, mas a carne fraca.mas a carne fraca. </p>