As duas Faces do Brasil

Download As duas Faces do Brasil

Post on 11-Jul-2015

384 views

Category:

Documents

0 download

DESCRIPTION

um livro que fala sobre democracia e ditadura contando episdios e sobre os presidentes desde a ditadura de Getulio Vargas at a Dilma Roussef para educar o povo a saber votar.

TRANSCRIPT

NDICE ASSUNTO Ditadura ........................................................................................................... Democracia .................................................................................................... . Gabinete ...................................................................................................... Liberalismo........................................................................................................ Minorias ............................................................................................................ Princpios Constitucionais ............................................................................. Federao......................................................................................................... . Repblica .......................................................................................................... Democracia Representativa ............................................................................ Sistema Presidencial ......................................................................................... Liberdades Pblicas .......................................................................................... Ditadura Civil ................................................................................................... Governo Provisrio ........................................................................................... O Estado Novo ................................................................................................... A volta de Vargas .............................................................................................. A volta da Democracia ..................................................................................... O governo Kubitscheck ..................................................................................... O governo Jnio Quadros ................................................................................. O Plebiscito ........................................................................................................... Governo Joo Goulart ....................................................................................... Ditadura Militar ................................................................................................. A Represso ......................................................................................................... Governo Castello Branco .................................................................................. Governo Costa e Silva ........................................................................................ Governo Mdici ................................................................................................... Governo Geisel .................................................................................................... Governo Figueiredo ........................................................................................... Fim da Ditadura Militar Governo Sarney ................................................................................................... A nova ordem Constitucional ........................................................................... Reformulao e a Constituinte 88 .................................................................... Os planos econmicos .......................................................................................... A Nova Democracia Eleio para Presidente .................................................................................... Governo Collor ................................................................................................... Governo Itamar .................................................................................................. Campanha FHC ................................................................................................. Governo FHC ..................................................................................................... Governo Lula ...................................................................................................... Governo Dilma Roussef ..................................................................................... Concluso ........................................................................................................... PGINA 03 03 05 06 07 08 08 09 09 09 09 10 11 13 15 16 17 18 19 19 23 25 27 39 36 37 40 43 45 45 47 47 48 54 57 66 70 85 92

1

PREFCIO

No meu dia a dia, pude observar como uma pessoa comum, andando e trabalhando junto ao povo, lidando com pessoas com todo tipo de cultura, educao, poder econmico, sem me envolver jamais em poltica, pude analisar como as pessoas ainda no tm noo nenhuma do que seja realmente uma democracia, ou uma ditadura. O meu objetivo reunir todos os assuntos relativos democracia, ditadura, forma e sistema de governo etc., num s livro, para que as pessoas mais carentes de escolaridade e poder aquisitivo, e at mesmo as pessoas que ignoram um pouco de histria, possam ler sem precisar comprar vrios livros, que por certo teria um custo elevado sem poder compr-los, tambm por muitas vezes no ter acesso s bibliotecas. No entanto, tento mostrar os dois lados da ditadura, que ao meu ver tambm tem um pouco de democracia, como a democracia tem tambm um lado de ditadura, aqui no Brasil. Esse livro tenta esclarecer e comparar os dois lados, para que o povo to sofrido com a forma e sistema de governo que tm, pense, entenda e analise melhor os tipos de governantes que escolhe. uma forma de contribuir com o pblico, um alerta para tentar diminuir a ignorncia, ou seja, aqueles que ignoram os fatos e no sabem o significado certo de Democracia e Ditadura. Livro baseado em historiadores e na minha experincia de vida. Devido a essa experincia, tento transmitir meus conhecimentos para pessoas menos esclarecidas que possam se aprimorar para cobrarem de nossos governantes, uma forma e sistema de governo moderno, sem ter duas faces; nem a ditadura com cara de democracia e nem a democracia mascarada, com cara de ditadura, s assim o Brasil ser um pas do futuro, e entrar no to esperado primeiro mundo, com ordem, disciplina para poder progredir, fazendo jus dos dizeres de sua Bandeira.

2 INTRODUO

O livro mostra as duas faces da Ditadura, tanto civil quanto a militar. Pois todos falam s da ditadura militar, no entanto se esqueceram de falar da ditadura civil, onde a maior parte dos nossos problemas tambm ainda conseqncia de que enfrentamos no Brasil, uma situao catica, irrisria, irritante e de uma utopia incrvel, chega a ser o pas do faz de conta. Escrevo tambm sobre os presidentes civis, aps as ditaduras Pois todos os Presidentes, do paliativos, mas nunca solucionam a doena, mais parece, cncer e AIDS, que no tm cura. No entanto, em jornais, televiso, rdio e etc., vivem sempre falando mal da Ditadura, pois s mostram um lado; o esquerdo, ou seja, o negativo; o lado direito esquecem sempre de falar, pois tambm existe um lado positivo. Estes dois lados sero relatados, devido a minha experincia, vivida nesta poca, embora ainda jovem, mas bastante lcida e matura, para co mpreender todos os detalhes vividos por mim e por jovens daquela poca. No vivi na poca da ditadura civil, mas essa deixou muito mais marcas do que a ditadura militar, embora muitos acreditem que tenha sido ao contrrio. Haja visto, que no s a revoluo de 1964 mudou a histria do nosso pas, como tambm uma revoluo no mundo. Foi a dcada que marcou o desenvolvimento do nosso planeta. No Brasil, movimentos populares, como a msica, a dana, festivais, estilos, moda, conjunto de Rocks, esporte, etc. Na Inglaterra, hbitos, costumes, conjunto de Rock, estilo de cabelo, homossexualismo, etc. No Estados Unidos, drogas, conjuntos de Rocks, a chegada do homem a lua etc. No Japo, a disciplina, tecnologia, inteligncia. Mediante tudo isso, porque ns s lembramos de coisas negativas, ou porque os historiadores, escritores, s falam ou escrevem esse lado feio. No a ditadura no to feia como pintam, vocs tero oportunidade, de lerem, e tirarem suas prprias concluses, sem causar nenhuma polmica, creio eu.

3 DITADURA

Termo derivado de Ditador (do Latim, dictador, aquele que diz), aplica -se modernamente ao governo absoluto de um indivduo ou grupo de indivduos que se mantm no poder sem obter o prvio consentimento dos governados, usa ndo de prerrogativas extralegais. Na Roma antiga, era a ditadura uma magistratura extraordinria, geralmente de carter militar, transitoriamente preenchida em pocas de crise, quando a iminncia do perigo exigia um comando unificado que se sobrepusesse ao dos cnsules. A represso de discrdia civil era um dos motivos para a instituio de uma ditadura. As ditaduras modernas so pessoais, ou de classe (partido, foras armadas, proletariado), mas mesmo neste ltimo caso tendem a concentrar o poder nas mos de um lder. Os ditadores contemporneos usam os poderes adquiridos para estabelecer um sistema governamental permanente, autocrtico e, s vezes, desptico. Freqentemente assumem o papel de defensores do povo e manipulam as instituies democrticas para consolidar seu poder. A histria poltica da Amrica latina, desde os primeiros anos do sec. XIX povoada por caudilhos e ditadores em tamanha quantidade que, antes do aparecimento das grandes ditaduras europias aps a I Guerra Mundial, esse sistema era considerado por muitos uma aberrao poltica latino-americana, j que nenhum dos pases dessa rea a ele escapou. O Brasil j teve duas experincias ditatoriais, uma civil por Getlio Vargas e outra militar, por militares do exrcito, que descreverei em captulo posterior.

DEMOCRACIA

Palavra de origem grega (demos, povo; kratos, poder) que tem diversos significados quando aplicada teoria poltica: no sentido original, uma forma de governo na qual o poder de deciso exercido diretamente pelos cidados, segundo o princpio da predominncia da maioria. neste caso, conhecida tambm por democracia direta. Pode ainda ser a forma de governo na qual os cidados exercem o direito de decidir atravs de representantes que escolhem e que so perante eles responsveis, caso em que se chama democracia representativa. ainda a forma de governo, geralmente representativa, na qual os poderes a maioria so exercidos dentro de um sistema de contrapesos constitucionais

destinados a garantir s minorias o exerccio certos direitos, individuais ou coletivos. Finalmente, a palavra democracia empregada em relao a qualquer sistema poltico ou

4 social que, seja ou no sua forma de governo democrtica em qualquer dos sentidos definidos acima, se proponha a diminuir os desnveis sociais ou econmicos existentes entre as diversas camadas da populao, principalmente aqueles que so resultantes da distribuio desigual de propriedade privada. A tradio poltica brasileira essencialmente democrtica. O artigo 1 da Constituio de 1946 enuncia: Todo poder emana do povo e em seu nome ser exercido. No entanto, apesar de estar em vigor h 140 anos, excetuando-se a breve interrupo ditatorial do Estado Novo (1937-45), nossa democracia continua em processo de aperfeioamento. O Congresso introduziu vrias modificaes positivas no sistema eleitoral e aprovou leis contra o abuso do poder econmico, medidas que visam a purificar cada vez mais o sistema poltico de escolha dos representantes do povo, eliminando, tanto quanto possvel, influncias e sua extenso s eleies proporcionais para a Cmara dos Deputados e assemblias legislativas foi a medida concreta mais eficaz entre as adotadas para acabar com os currais eleitorais e a compra de votos, ainda praticada em certas regies do pas. As constituies brasileiras sofreram influncias diversas. A primeira, outorgada por D. Pedro I a 25 de maro de 1824, era parlamentarista e bastante moldada pelo regime praticado na Inglaterra. No entanto, transferia ao Imperador, titular do Poder Moderador, algumas das atribuies que na Gr-Bretanha cabiam Cmara dos Lordes, como , p. ex. a capacidade de retardar a promulgao e entrada em vigor das leis por duas sesses legislativas, quando se recusasse a sancion-las. Quanto aos direitos polticos, a Constituio imperial subordinava seu exerccio a uma renda mnima anual de 100 mil ris nas assemblias paroquiais e 200 mil ris nas provncias. s eram elegveis para a Cmara os que dispusessem de renda anual superior a 400 mil ris e para o Senado e Conselho de Estado, de renda de 800 mil ris. Por outro lado, a Constituio de 1824 permitia a escravido e afastava as mulheres, os filhos de famlia, os criados de servir e os religiosos do exerccio dos direitos poltico s. Os libertos s podiam votar nas assemblias paroquiais e os estrangeiros naturalizados eram inelegveis para a Cmara e o Senado, embora pudessem ser Ministros de Estado. Como se v, a carta Magna do Imprio, embora incorporasse extensa declarao de d ireitos dos cidados, no atendia a alguns dos requisitos que hoje consideramos essenciais democracia. A Constituio de 1891, onde preponderava a influncia norte-americana, entre outras disposies inovadoras adotou o regime presidencialista, estabele ceu apenas trs poderes, fez da federao a forma do Estado, limitou a trs o nmero de senadores por Estado, previu a representao das minorias e instituiu o sufrgio universal masculino, excetuando -se os analfabetos, mendigos, praas de pr e religioso. No entanto, permitiu o voto a descoberto,

5 fonte de muitas das fraudes eleitorais da chamada Repblica Velha, esqueceu a Justia Eleitoral, o que dificultou enormemente o reconhecimento dos mandatos de congressistas da oposio, facilitando a instalao no poder de verdadeiras ditaduras partidrias, e nenhuma referncia fez as garantias sociais dos trabalhadores. A Lei Orgnica do Governo Provisrio (11 de novembro de 1930) e, posteriormente, a Constituio de 1934 foram as primeiras a tomar em considerao a posio social do operariado dentro da democracia brasileira estabelecendo garantias e a Justia Trabalhista. A Constituio de 1934 tomou como modelo a de Weimar, da Alemanha, e em muitos pontos serviu de base ao trabalho dos constituintes de 1946. A Constituio de 1937, outorgada por Getlio Vargas, rompeu com a tradio democrtica brasileira, j que ampliou o poder e o mandato do Presidente da Repblica, restringiu a autonomia do Poder Judicirio, dissolveu a Cmara, o Senado e demais assemblias legislativas e declarou o estado de emergncia. Enfim, baseada na Constituio da Polnia de 1935, serviu de estrutura legal nica ditadura civil da histria do Brasil. Deposto Getlio Vargas em 1945 recomeou o processo democrtico brasileiro. A constituio de 1946 procurou conciliar s diversas correntes doutrinrias representadas entre os constituintes. Garantiu o direito de propriedade tal como o entende a liberal-

democracia (art. 141, 16), mas condicionou seu uso ao bem-estar social (art. 147), idia nitidamente socialista. No ttulo V, Da Ordem Econmica e Social, determina dever ser ela organizada conforme os princpios da justia social, conciliando a liberdade de iniciativa com a valorizao do trabalho humano (art. 145), e prev o exerccio pela Unio de monoplios de indstrias e atividades, princpios estes tambm conformes aos da democracia -social. No entanto, muitas das determinaes de carter social da Constituio no entraram at hoje em vigor por no haverem sido regulamentadas por lei ordinria. A Constituio de 1988, no entanto sofreu um processo involutivo, no tendo leis regulamentadas, faltando uma reformulao, e prevalecendo os interesses de minorias e elites, nada acrescentou e est uma baderna tanto nos Governos Federal e Estadual, como na Cmara e Senado. Gabinete - O sistema de governo de gabinete um dos dois utilizados no Estado democrtico. contrape-se ao presidencial ou presidencialista vigente. Em 7 de setembro de 1961 adotou por curto perodo (at 23-1-63) um sistema parlamentarista hbrido do governo. No sistema de gabinete se distinguem o chefe do governo, que pode ser monarca ou presidente, e o chefe poltico do Executivo, o primeiro-ministro, que preside o ministrio, constitudo onde membros

6 dos partidos polticos majoritrios na Cmara dos Deputados. No sistema de gabinete o legislativo e o executivo so necessariamente dominados pelo mesmo partido ou coligao de partidos da maioria. No existe separao de poderes. Em geral, no sistema de gabinete, os ministros so ao mesmo tempo membros de uma das Cmaras. So legisladores, concomitantemente chefes administrativos, que coletivamente atuam como o executivo nacional. Nessa qualidade de corpo coletivo, o gabinete recomenda, projeta, inicia e aplica as leis do pas, nomeia, d ordens executivas, decreta, regulamenta, dirige a mquina administrativa, orienta a poltica exterior, negocia tratados, alguns dos quais no precisam ser previamente submetidos aprovao do legislativo. Em outras palavras: o gabinete na da mais do que uma Comisso permanente da Cmara, o seu corpo executivo. Uma das grandes qualidades tericas de sistema de gabinete a sua maior sensibilidade opinio pblica. Quando surgem divergncias entre o gabinete e o parlamento, a dissoluo deste ltimo remete o litgio ao eleitorado, sem ser necessrio esperar pela data fixa das eleies, como acontece no sistema presidencial. De fato, sob o sistema de gabinete, o eleitorado pode ser mais vezes consultado. No Brasil, este sistema um dos temas mais controvertidos da histria poltica do pas a existncia de um sistema de gabinete durante o Imprio. Uma corrente, que tem como mais eminente defensor Afonso Arinos de Melo Franco, sustenta que o chamado parlamentarismo imperial brasileiro nunca existiu, pelo menos o verdadeiro sistema

parlamentar de Governo, elaborado na Europa pela prtica inglesa e fixado no Continente pelo constitucionalismo do sec. XIX. No Brasil, a instituio constitucional do Poder Moderador - nico no mundo - fez do nosso chamado governo parlamentar algo sui generis, inteiramente diverso do que a doutrina conceitua com esse nome.

Liberalismo - crena na personalidade humana e convico de que a fonte de todo progresso est no livre exerccio da energia individual. Politicamente, disposio de usar o poder do Estado para florescimento do indivduo, quer a sociedade ordeira, estvel, mas progressista. Combina os ideais de livre associao e da organizao. O ideal poltico do liberalismo do sec. XIX era a democracia, definida como um mnimo de governo, com as leis e a constituio traadas voluntariamente por todo o povo, atravs de representantes responsveis. O liberalismo as vezes, empregado como sinnimo de individualismo. No sculo XX, todavia, encara a liberdade como resultado das oportunidades iguais que s podem ser oferecidas pela interveno do Estado. O novo liberalismo difere do velho em mais outro aspecto: enquanto este tinha como fundamento os direitos e as leis naturais, aquele mais emprico

7 e pragmtico na formulao dos princpios relativos aos negcios pblicos. Os antigos liberais so os conservadores de hoje: h vrias dcadas os novos liberais vm evoluindo para o coletivismo emprico e democrtico tipo new deal. No Brasil, o liberalismo refletido na Constituio de 1824 era do tipo antigo: anticolonialista proclamava a liberdade econmica mais ampla para as classes superiores e negava direitos polticos s classes inferiores. Durante a Maioridade e a primeira metade do Segundo Imprio s designaes liberal e conservador significavam realmente rtulos diferentes de um mesmo domnio poltico-social. Na metade final do Segundo Imprio, o liberalismo adquiriu significao progressista, corrente que abrigou o nascimento, em sua ala esquerda, do republicanismo. Seu programa: Senado temporrio e eletivo, sufrgio direto e generalizado, extino do poder moderador, substituio do trabalho servil pelo trabalho livre.

Minorias - so grupos ligados por laos, j de ascendncia comum ou de lngua, j de convico religiosa ou poltica, mas que diferem, nesse particular, da maioria dos outros habitantes de determinado Estado. Baseadas nessas diferenas e afinidades lutam politicamente para obter iguais direitos, tratamento especial, autonomia e, nos ca sos mais extremos, separao. Freqentemente, julgam-se prejudicados por ocuparem posio inferior; algumas vezes, porm, minorias numricas gozam de altos privilgios polticos e econmicos, como acontece atualmente no Brasil. Assim, os conceitos de maio ria e minoria tomaram carter mais poltico que numrico. Depois da I e II Guerras Mundiais. Os tratados de paz de 1919 criaram, uma nova Europa, mas verificou-se ser impossvel a realizao completa do princpio da autodeterminao nacional. realizaram-se vrios trados de proteo internacional das minorias, mas que no se estenderam aos Estados mais antigos, nem mesmo Alemanha. em 1922, a Liga das Naes proclamou que as pessoas pertencentes s minorias deviam corresponder proteo recebida do Estado e tinham o dever de cooperar, como cidados leais, com o estado a que pertenciam. As Naes Unidas no deram tanta ateno aos problemas das minorias, mas lhes proclamaram os direitos, assim como a proibio da poltica de hostilidade nacional, racial ou religiosa. A comisso de Direitos Humanos recomendou a observncia do direito de autodeterminao de todos os povos e naes. O maior problema das minorias em vrios pases, depois da II Guerra Mundial, foi o dos refugiados, pois se usava em larga escala a expulso como soluo. Tambm na Palestina ocorreu grave problema de minoria, quando a maioria rabe se sentiu ameaada pelo

8 crescimento da minoria judaica e pelo movimento sionista, que terminou com a criao do Estado de Israel. Nas duas Amricas, apenas os canadenses franceses, no Canad, constituem problema de minoria, no sentido europeu da palavra. No Brasil, grupos tnicos alemes e japoneses ofereceram alguns problemas de integrao, mas a poltica de nacionalizao, depois de 1937, afastou o perigo de sua constituio em minorias. Perigo este afastado temporariamente, pois a Democracia atual nada mais que inconstitucional com o favoritismo, mas mesmo assim est claro o ressurgimento de minorias, tanto no Governo Federal como no Senado e Cmara Federal, pois s visam os interesses deles, no os do povo com p. ex. troca de favores, somente para favorec-los, pois a grande maioria que o povo, os interesses deste no so a preocupao dos nossos governantes.

Princpios Constitucionais - O ordenamento jurdico dos Estados soberanos pressupe a existncia de uns tantos princpios fundamentais, implcitos ou expressos na Constituio, em conseqncia dos quais se estruturam e funcionam os rgos estatais. No sistema constitucional brasileiro, os aludidos princpios se agrupam em duas

categorias: os estruturais e os funcionais; aqueles, juridicamente inalterveis, e estes, suscetveis de modificao mediante reforma da Constituio vigente. So estruturais os princpios da Federao e da Repblica, cuja abolio no pode ser objeto de emenda constitucional. So funcionais os que dizem respeito ao regime e ao sistema de governo, isto , democracia representativa, quanto ao regime; e, quanto ao sistema, o bicameralismo, o presidencialismo e o chamado sistema de controle judicial. Tanto quanto os princpios estruturais da organizao federal e da forma republicana so tambm geralmente considerados fundamentais os princpios referentes ao regime democrtico -representativo, que, segundo alguns, esto implicitamente includos entre os juridicamente inalterveis, porque pressupostos necessrios da forma republicana. A inobservncia de alguns desses princpios e de outros deles decorrentes est expressamente referida na Constituio como motivo de int erveno da Unio nos Estados. Os princpios constitucionais vigentes sero, a seguir, enumerados com os respectivos desdobramentos, explcitos ou implcitos. Federao - A organizao federal pressupe a unio indissolvel de Estados autnomos e a existncia de municpios tambm autnomos, peculiaridade esta que distingue a federao brasileira da norte-americana, onde a questo da autonomia municipal; deixada livre regulao dos Estados Federados. Da o verificar-se que, no Brasil, a Federao juridicamente

9 se exprime pelo desdobramento da personalidade estatal, nacional, na trplice ordem de pessoas jurdicas de direito pblico constitucional: Unio, Estados e Municpios, figurando ainda, sem completa personalidade jurdica, os territrios, que eventu almente podem ser elevados, por lei, categoria de Estados, e, com carter especial, o Distrito Federal.

Repblica - O princpio da forma republicana, cujo desrespeito tambm motiva interveno, desdobra-se, no sistema brasileiro, em trs proposies: (a) temporariedade das funes eletivas, limitada sua durao, nos Estados e municpios, das funes federais correspondentes; (b) inelegibilidade dos rgos do Poder Executivo para o perodo imediato no passado, a partir de 1997 foi considerado legal a elegibilidade; e (c) responsabilidade pela administrao, com obrigatria prestao de contas.

Democracia Representativa - pela definio constitucional, democracia o regime em que todo o poder emana do povo e em seu nome exercido. O princpio fundament al da representao est assegurado pela adoo dos seguintes: (a) sufrgio universal e direto; (b) votao secreta e (c) representao proporcional dos partidos nacionais.

Sistema Presidencial - caracteriza-se o presidencialismo brasileiro, institudo com a Constituio de 1891, ampliado e mantido desde ento, salvo durante a vigncia do Ato Adicional n 4 (de 2 de setembro de 1961 a 23 de janeiro de 1963), pela absoluta independncia do Poder Executivo, exercido pelo presidente da Repblica, com o auxlio de ministros de Estado, por ele nomeados e demitidos livremente, os quais, embora pessoalmente

responsveis, so de sua exclusiva e pessoal confiana. Baseia-se o sistema presidencial no princpio da independncia e harmonia dos trs poderes, assegurado por expressas limitaes constitucionais.

Liberdades Pblicas - Conjunto de direitos inalienveis do cidado, independentes do arbtrio das autoridades. As constituies modernas costumam garantir os seguintes: liberdade religiosa; liberdade de imprensa e da manifestao do pensamento; liberdade de formar associaes, polticas ou no, e de reunir-se em domiclio e da correspondncia, garantia contra priso arbitrria, confisco e expropriao; liberdade de locomover-se dentro do territrio nacional e de sair do pas, etc. Todas essas prerrogativas de cidado so chamadas direitos individuais. Seu conjunto constitui a liberdade (no singular), que caracterstica do Estado do Direito, em oposio ao Estado -Polcia e ao Estado Totalitrio. As

10 liberdades (no plural) so, porm, prerrogativas, no da pessoa, mas de determinados grupos, classes, entidades. A Idade Mdia ignorou a liberdade individual, respeitando e incluindo, contudo, em suas constituies, as liberdades (da aristocracia, da igreja, das cidades, etc). Alguns partidos conservadores (Frana, Espanha) desejam at hoje a supresso da liberdade individual e sua substituio pelas liberdades coletivas. Enquanto isso, os mesmos princpios, privados de seu esprito religioso e formulados conforme os preceitos da filosofia da ilustrao, j tinham sido proclamados como direitos do Homem e do Cidado, pela Revoluo Francesa, passando a constar, a partir da, de todas as Constituies modernas. A Carta das Naes Unidas volta a proclamar os direitos individuais para todos.

DITADURA CIVIL GETLIO DORNELES VARGAS

Estadista brasileiro, chefe revolucionrio, ditador, presidente da Repblica, o nome de Getlio Vargas encheu um quarto de sculo da vida pblica brasileira. De sua chegada ao poder na crista da revoluo de 1930, a seu suicdio, como presidente da Repblica, Vargas ou simplesmente Getlio, como o povo sempre o chamou - foi o indiscutvel centro dos acontecimentos polticos. Mais sutil de esprito e muito mais humano do que o usual caudilho da Amrica espanhola, deixou uma trplice imagem. Primeiro, a imagem risonha dos que o celebravam at na msica popular (tenha calma, Geg) ou nas frases que lhe atribuam (deixa como est para ver como fica). Em seguida, a imagem patriarcal de pai dos pobres e finalmente a imagem trgica da sua carta testamento: nada mais vos posso dar a no ser o meu sangue. O ditador que Vargas foi de 1937 a 1945 deixou no esprito do povo lembrana menos viva de sua imagem dura, apesar de haver, no incio da guerra, favorecido o eixo Roma-Berlim, contra o sentimento aliadfilo da maioria dos brasileiros, apesar de haver destrudo a autonomia dos Estados e as liberdades pblicas e apesar de haver desfrutado o poder absoluto sem realizar reformas de base pelas quais at o hoje o Brasil anseia. Figura ainda a

11 ser estudada e colocada numa perspectiva correta e serena, Getlio Vargas nem foi o gnio poltico e o mrtir do nacionalismo brasileiro que seus correligionrios descrevem, nem o desfrutador egosta do poder que querem seus adversrios. A dignidade trgica do seu fim a 24 de agosto de 1954, firmou no entanto, o contrno de uma personalidade histrica de ao to viva e marcante que at hoje determina, em grande parte, os rumos da vida pblica do Brasil. Ingressou na poltica em 1909, quando foi eleito deputado estadual. Reeleito em 1913 renunciou, mas voltou a ocupar o cargo eleito em 1917, cumprindo o mandato. Em 1922, como deputado federal, foi lder de bancada e pertenceu Comisso de Constit uio e Justia, sendo mais tarde Ministro da Fazenda do presidente Washington Lus (1926/27). A indicao de Jlio Prestes como candidato situacionista sucesso do Pres. Washington Lus quebrando o eixo So Paulo -Minas (caf com leite), desgostou o governador de Minas Gerais. Surgiu o nome de Getlio Vargas como candidato oposicionista pela aliana Liberal. No se conformaram os partidrios da aliana com a vitria a bico de pena de Jlio Prestes. E, finalmente, o assassinato de Joo Pessoa, em Recife, companheiro de chapa de Getlio para a vice-presidncia, desencadeou o movimento revolucionrio a 3 de outubro de 1930. Apoiados pelos governantes do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraba os revolucionrios foram conseguindo rpidas adeses nos demais Estados e, por fim, na prpria capital da Repblica s foras armadas depuseram o Pres. Washington Lus a 24 de outubro de 1930. Poucos dias depois, a 3 de novembro, Getlio Vargas recebeu o governo da Junta Governativa composta do Alm. Isaas de Noronha, Gen. Tasso Fragoso e Gen. Mena Barreto, constituindo um Governo Provisrio.

O Governo Provisrio - instalado no Palcio do Catete e dissolvido o Congresso Nacional, comeou Vargas a governar no meio de grande entusiasmo popular. Os primeiros decretos foram de combate corrupo administrativa, um dos pontos mais repetidos na campanha revolucionria. Aprovou-se uma lei orgnica de governo. Criaram-se dois novos ministrios: Educao e Trabalho: entregues a Francisco Campos e Lindolfo Collor. Da resultou uma reforma do ensino elaborada por uma equipe de professores e uma notvel ampliao das leis trabalhistas. Onde foi criada a CLT (Consolidao das Leis Trabalhistas), porque em governos mais democrticos os trabalhadores eram bastante explorados. Na pasta das Relaes Exteriores conseguia Afrnio de Melo Franco, em pouco tempo, o reconhecimento do governo por todas as naes. Para a da Fazenda foi chamado o banqueiro paulista Jos Maria Whitaker que tentou voltar aos rumos clssicos de Murtinho; pa ra a Agricultura o

12 nome prestigioso de Assis Brasil; para a da Viao, Juarez Tvora, logo substitudo por Jos Amrico de Almeida. Na Justia, ficou Oswaldo Aranha, que pouco mais tarde substituiria Whitaker na Fazenda. Abandonando os princpios clssicos , elaborou Aranha um esquema de pagamento das dvidas exteriores e lanou-se a uma ousada poltica de valorizao do caf. Com o reajustamento das dvidas agrcolas, o chamado Reajustamento Econmico, o governo facilitou amplamente o crdito aos agricultores. A reconstitucionalizao pareceu muitos postergada, enquanto aumentava a influncia de uma ala de jovens militares, expoentes de tenentismo, organizados sob a forma de um clube poltico - Clube Trs de Outubro. A crise do governo em So Paulo, onde, ao interventor Joo Alberto, sucedera um magistrado, o Desembargador Laudo de Camargo, logo deposto e substitudo pelo

comandante da Regio Militar, criou no Estado um sentimento de humilhao. Tentou o Governo aliviar a presso com a nomeao de um interventor paulista e civil, como se exigia ento (e que foi antigo diplomata Pedro de Toledo), seguida dos primeiros atos visando constitucionalizao do pas. Mas era tarde. Em 9 de julho rompia um movimento em So Paulo, sob o comando do Ge n. Bertoldo Klinger. Esperava-se o apoio de outros Estados, especialmente Minas e Rio Grande do Sul. Mas nenhum dos dois aderiu. Desprezando a vantagem de uma rpida marcha inicial sobre o Rio de Janeiro, o governo revolucionrio deixou cercar-se e terminou vencido, seguindo-se uma srie de prises e cassaes de direitos polticos. O fato que a reconstitucionalizao processou-se sem mais interrupes. Uma nova lei eleitoral estabeleceu o voto feminino, o voto secreto, a representao proporcional dos partidos e a justia eleitoral. Como satisfao s idias corporativas em curso, estabeleceu, paralelamente representao popular, uma representao classista, eleita pelos sindicatos. Eleies foram realizadas e, a 15 de novembro de 1933, tomavam posse os deputados eleitos Assemblia Constituinte, reuniram-se 250 deputados eleitos pelo povo e 50 pelas representaes de classe e iniciaram a elaborao de uma nova constituio republicana, sendo a segunda constituio. A 16 de julho de 1934 foi promulgad a a Constituio. Era excessivamente minuciosa. A preocupao do compromisso entre as vrias correntes ideolgicas e de reagir contra a hipertrofia do Poder Executivo fez com que o novo cdigo poltico no desse nao o sentimento que buscava, de seguran a e tranqilidade. No dia seguinte da promulgao, a Assemblia elegeu Getlio Vargas, por voto indireto, Presidente da Repblica. A Segunda Repblica, como se chamou o perodo, caracterizou -se

13 por uma luta entre as correntes extremistas. Levados pelos exemplos europeus, direitistas e esquerdistas, iniciaram uma intensa propaganda. Os nimos entre os partidrios da extrema direita (especialmente os membros da Ao Integralista Brasileira, dirigidos por Plnio Salgado) e os comunistas (cuja ao foi pola rizada pela Aliana Nacional Libertadora, sob a presidncia de honra de Lus Carlos Prestes, j ento chefe ostensivo de comunismo no Brasil), atingiu o clmax em 1935. Em novembro desse ano estourou uma revoluo de carter comunista em natal e no Recife. Logo aps, levantavase no Rio de Janeiro o 3 Regimento de Infantaria, sediado na Praia Vermelha, aclamando como chefe da nao Lus Carlos Prestes. Prontamente dominada, a revolta provocou enorme fortalecimento da ala extremista da direita com a votao pelo Poder Legislativo de uma emenda constitucional equiparando ao estado de guerra, com as conseqentes suspenses de garantias, a comoo grave com finalidades subversivas das instituies polticas e sociais.

O Estado Novo - A nao conheceu de novo a agitao de uma campanha presidencial. Em torno do governador de So Paulo, Armando de Sales Oliveira, organizou -se a Unio Democrtica Brasileira, contra a qual se ergueu a candidatura de Jos Amrico de Almeida, ostensivamente apoiada pelos elementos governamentais. Ao aproximar-se, no entanto, as eleies o ambiente poltico foi-se tornando cada vez mais carregado, com boatos aterradores. Em outubro, o governador do Rio Grande do Sul, partidrio da candidatura paulista, forado pela presso militar, retirou-se do Brasil, empossando-se em Porto Alegre, como interventor federal, o comandante da regio militar. No mesmo ms, o Governo solicitou ao Congresso a decretao do estado de guerra baseado na existncia de um tenebroso plano de revoluo comunista que era o famoso Plano Cohen. Mais tarde, por declarao do General Gis Monteiro, ento chefe do Estado-Maior do Exrcito, ficou provado que tal plano no passava de um documento forjado. Decretado o estado de guerra, no tardou o Get lio, em 10 de novembro, dissolver o Congresso e declarar extinta a Constituio de 1934. Fez publicar ento uma nova Constituio, elaborada pelo ministro Francisco Campos. A Carta entrou imediatamente em vigor, a fim de ser submetida a um plebiscito nacional. Mas a consulta nunca chegou a efetivar-se, o que acentuaria as caractersticas antidemocrticas do golpe de Estado, instaurando um regime ditatorial. Como medida inicial, foram dissolvidos todos os partidos polticos, inclusive a Ao Integralista Brasileira, o que no impediu que o Governo procurasse depois obter a colaborao de seu chefe e de outros elementos de destaque.

14 A conjuntura internacional favorecia os regimes de direita, com a implantao de governos totalitrios na Itlia, Alemanha, Polnia, Japo, Portugal e Espanha, cuja guerra civil redundaria numa vitria do fascismo. A 11 de maio de 1938, um contragolpe ao ditador Getlio, fracassou. Ficaram comprometidos vrios chefes civis e militares, bem como integralistas que tomaram parte saliente no ataque armado ao Palcio Guanabara, residncia do Presidente. A faculdade conferida excepcionalmente na carta de 1937, ao Presidente, de expedir decretos-leis, foi ento exercida amplamente. Raros os setores da legislao brasileira que no sofreram ampla renovao. As leis trabalhistas sofreram forte influncia do fascismo, no sentido da unificao e controle dos sindicatos pelo Estado. Tendo sido unificadas as leis do processo, imps-se a expedio de cdigos nacionais sobre a matria, como tambm foi decretado novo cdigo penal. No campo da economia, mencione -se extensa legislao permitindo o desenvolvimento industrial. A conjuntura internacional, que permitira a instaurao do Estado Novo, obstar, noutras circunstncias, a permanncia do governo forte e discricionrio. A solidariedade PanAmericana fora reafirmada nas Conferncias de Lima (1938) e Panam (1939). Em maio de 1939, o Brasil recebeu a visita do Gen. Gis Monteiro aos Estados Unidos, marcando ambas o incio entendimentos para um programa de cooperao militar entre os dois pases. O Brasil havia declarado sua neutralidade na II Guerra Mundial, mantida mesmo depois dos arranhes sofridos nas questes do Graf Spee (dezembro de 1930) e do Wakama(fevereiro de 1940), quando naes beligerantes praticaram atos de guerra em nossas guas territoriais. Dentro do governo brasileiro, pressentia-se a existncia de duas correntes antagnicas: a neutral e a que procurava definies positivas contra o bloco nazi-fascista. Num clima de absoluta restrio liberdade de imprensa, o discurso de Vargas, logo aps a queda da Frana, num tom enigmtico, transmitiu por um momento a impresso de uma guinada espetacular para o lado alemo. A agresso de Pearl Harbor encontraria j o Brasil definitivamente enquadrado nos princpios da Declarao de Havana (1940), segundo a qual a agresso a qualquer das naes do Hemisfrio seria considerada extensiva a todas as demais integradas na Unio Pan -americana. Nesse sentido, pronunciouse Vargas, de modo inequvoco, em setembro e dezembro de 1941, sendo de notar-se o telegrama que endereou ao Presidente Roosevelt, no mesmo dia do atentado nipnico. O Brasil tomaria a iniciativa da convocao da reunio de consulta dos chanceleres americanos, reunida no Rio de Janeiro, que terminou com a comunicao feita por Oswaldo Aranha, a 28

15 de janeiro de 1942, de que o governo brasileiro havia rompido as suas relaes com as potncias do Eixo, porque a presso popular e a influncia do Presidente Roosevelt foram obrigando Getlio Vargas a passar para o campo aliado. Desde ento, passamos a colaborar ostensivamente com os Estados Unidos, na defesa do continente, com a transferncia ao governo norte-americano da concesso feita a Panair do Brasil S.A. para a reforma do s aeroportos do Norte e Nordeste (iniciativa tomada aps a visita de Marchall), incumbindo -se os Estados Unidos da construo das bases areas de Belm, Natal e Recife. Essa transferncia efetivou-se em maro de 1942. No tardou a represlia alem. Os submarinos nazistas passaram a atacar as unidades de nossa Marinha Mercante, at que a situao se tornou intolervel. O governo, premido pela opinio pblica, teve que reconhecer o estado de guerra com o III Reich, o que aconteceu a 21 de agosto de 1942. Foram postos a pique 37 navios brasileiros, num total de 126.535 toneladas. Inicialmente, o Brasil participou do patrulhamento areo e naval das nossas costas e da rota Natal-Dakar. O encontro entre os presidentes Roosevelt e Vargas, em Natal (janeiro 1943), marcaria, contudo, uma nova fase de nosso esfro de guerra. Em 1944, sob o comando do Gen. Mascarenhas de Morais, foi enviada Itlia a Fra Expedicionria Brasileira, que contribuiu valorosamente para a vitria aliada sobre os alemes e italianos na Pe nnsula Itlica, colhendo vitrias nos Montes Apeninos e no Vale do Rio P. Getlio Vargas, permaneceu cerca de oito anos como ditador, foi deposto por um golpe de Estado, a 29 de outubro de 1945, poucas horas aps ter nomeado seu irmo Benjamim Vargas para a Chefia de Polcia, numa ltima tentativa de deter as foras democrticas que, animadas pela vitria aliada, estavam determinadas a livrar o Brasil da longa noite ditatorial. Recolheu-se estncia Santos Reis, em So Borja, e recomendou que seus part idrios, os chamados queremistas, votassem no Gen. Dutra. Realizadas as eleies, foi eleito Dutra e promulgou-se a nova Constituio a 18 de setembro de 1946, sendo a quinta Constituio da Repblica. Vargas elegeu-se ento deputado e senador por diversos Estados, e somente em meados de 1947 voltou ao Rio de Janeiro para tomar posse de sua cadeira de senador pelo Rio Grande do Sul.

volta de Vargas - Em 1950, aos 68 anos de idade, retornou como presidente da Repblica, eleito por 3.849.040 votos. A situao financeira reclamou a ateno do segundo governo Vargas desde os primeiros momentos. Durante o governo, realizou profundas modificaes na vida pblica do pas, tendo criado os ministrios da Aeronutica, da Educao e do Trabalho

16 (que j havia sido criado em seu 1 governo) e diversas autarquias. Melhorou, sobremaneira, as condies sociais do operariado com a nova legislao trabalhista. Progrediram as indstrias urbanas, desenvolvia-se a siderurgia, inaugurando a usina Siderrgica de Volta Redonda, a Fbrica Nacional de Motores e a produo do petrleo, criando a 3 de outubro de 1953, com a Lei 2.004, a Petrobrs como soluo ao problema do petrleo brasileiro, esta em bases nacionalistas. Pertenceu Academia Brasileira de Letras e de suas obras d estaca-se A Nova Poltica do Brasil. Por outro lado a facilidade de crditos e a alta crescente de preos davam origem a profunda irritao da classe mdia, que se proletarizava: sintomas costumeiros do desajustamento social que acompanha a inflao. O esprito do Presidente Vargas ressentiase de fadiga e mostrava tendncia ao isolamento. A oposio crescia medida que se difundia a suspeita de que se preparava novo golpe do Estado. As denncias de escndalos administrativos foram subindo de tom. Quando a 4 de agosto de 1954, ao voltar de uma conferncia, o deputado e jornalista de oposio Carlos Lacerda foi vtima de um atentado no qual tombou morto um oficial da Aeronutica, Major-Aviador Rubens Florentino Vaz, a situao revelou que o assassino agira a mando de um fmulo do Presidente da Repblica. Este forneceu todos os elementos para a investigao e punio dos culpados. Na noite de 23 de agosto, pensou o Presidente que venceria a crise apresentando ao Gabinete um pedido de afastamento t emporrio, mas na manh seguinte, ao perceber que a soluo no satisfizera os adversrios e cedendo, ele prprio, ao nervosismo do ambiente, suicidou-se no Palcio do Catete desfechando um tiro no corao.

Comentrios - pelo lado positivo de sua ditadura, ele fez alguns benefcios para o povo como: criou o Ministrio do Trabalho, criando a CLT, que at ento os trabalhadores eram explorados, por seus patres. Criou o Ministrio da Aeronutica que ainda hoje uma das foras armadas que mais do lucro ao pas. Progrediu a agricultura com incentivo ao caf, que na poca se tornou um dos principais produtos brasileiros, mais exportados. Quando ele voltou como Presidente em 1950, como governo democrtico foi que deu desfecho em toda a situao em que vivemos at hoje. Comeou a crescer o olho, como todo governo civil, ento comearam as nomeaes de parentes, amigos, fantasmas, invaso comunista, o Brasil vendido ao Americano, que at hoje ainda no conseguimos nos livrar da tal dvida externa, presses do FMI, a classe mdia sempre sacrificada, etc.

17 Por tudo que a histria conta, mas valia a vida na poca da ditadura do que na poca da democracia. A VOLTA DA DEMOCRACIA O Brasil que ento j estava em crise desde de seu ltimo governo, como j foi dito, comeara a crise de tantos desacertos e uma srie de corrupo e interesses de elites, que ser relatado conforme conta a histria, o porqu da ditadura militar. Aps a morte de Getlio, assumiu o governo, o Vice-Presidente Joo Caf Filho presidiu a eleio do sucessor de Vargas, que foi a antigo Governador do Estado de Minas Gerais, Juscelino Kubstcheck de Oliveira, eleito pelo PSD, aliado ao PTB, a que pertencia o seu companheiro de chapa o Vice-Presidente Joo Goulart. O resultado das eleies levantou a reao dos inconformados, que penetrou no prprio governo. Agravou-se a delicada situao com a doena do Presidente Caf Filho, obrigado a recolher-se a uma casa de sade, passando o cargo ao substituto legal, o Deputado Carlos Luz, presidente da Cmara Federal. Foi quando a tenso poltica chegou a ponto agudo, pois o novo governante decidira substituir o Ministro da Guerra, depois do incidente criado com a punio disciplinar do Coronel Jurandir Mamede, pertencente ao denominado grupo golpista do Exrcito, por ter feito declaraes polticas. A atitude do Presidente Carlos Luz, nomeando um general reformado como substituto do General Teixeira Lott, que se colocava entre os partidrios da corrente chamada legalista, determinou o movimento que o prprio general chamou de retorno aos quadros constitucionais vigentes, ou seja, o antigolpe, sendo declarados impedidos, pelo Congresso Nacional, para exercer a Presidncia da Repblica, tanto o Vice -presidente Caf Filho como o Deputado Carlos Luz. Foi ento conduzido Presidncia da Repblica, na ordem imposta pela Constituio Federal, o vice-presidente do Senado Federal, Nereu Ramos, a quem caberia dar posse, a 31 de janeiro de 1956, ao novo presidente eleito Juscelino Kubitschek de Oliveira.

O Governo Kubitschek - O plano de desenvolvimento econmico do Presidente Kubitscheck, programando uma srie de metas a serem atingidas, deu ao seu perodo governamental

18 um ritmo inusitado, especialmente com a mudana da capital do Rio de Janeiro para o

Planalto Central. Era esta uma aspirao antiga, lembrada na Constituinte do Imprio (1823), consignada na Constituio republicana de 1891 e reiterada na de 1946. Em contraste com a sua audaciosa situao interna, foi tmida a poltica do govern o no campo internacional, que teve, contudo, um ponto alto na chamada Operao Pan -Americana, resultante de uma troca de cartas entre Juscelino e Eisenhower, propiciatria de uma mudana radical da posio dos EUA, em face dos demais pases integrantes da Organizao dos Estados Americanos. Essa nova poltica foi, mais tarde, definida com maior objetividade pelo Presidente John Kennedy, com o programa que denominou Aliana para o Progresso (1961). No fim do governo, que transcorreu num clima de completa liberdade, apresentaram-se trs candidatos sucesso: o Marechal Teixeira Lott, Ademar de Barros e Jnio Quadros. O primeiro contou com o apoio das chamadas foras situcionistas, do PSD e do PTB, mais das cpulas dessas agremiaes que de suas bases eleitorais. O segundo, do PSP de que era o presidente, mas o terceiro capitalizou todos os descontentes. No apenas os da oposio com UDN frente, como os das alas dissidentes dos partidos governistas. O

eleitorado deu maioria ao candidato oposicionista, com 48% da votao apurada. Como vicepresidente, venceu o candidato do PTB, Joo Goulart.

O Governo Jnio Quadros - Iniciando o seu governo, em janeiro de 1961, o Presidente Jnio da Silva Quadros promoveu uma srie de reformas nos mtod os da administrao, alm de numerosas investigaes. Prometeu estabelecer um clima de rigorosa austeridade no servio pblico, ao mesmo tempo que inaugurava uma poltica internacional mais agressiva. Jnio assume a Presidncia da Repblica em 31 de janeiro de 1961 herdando de Juscelino Kubitschek um pas em acelerado processo de concentrao de renda e inflao. Adota uma poltica econmica ditada pelo FMI (Fundo Monetrio Internacional): restringindo o crdito e congelando os salrios. Com isso, obtm novos emprstimos mas desagrada ao movimento popular e aos empresrios. No plano externo exerce uma poltica no alinhada. Apoia Fidel

19 Castro diante da tentativa fracassada de invaso da Baa dos porcos pelos norte -americanos. Em 18 de agosto de 1961 condecora o ministro da indstria de Cuba, Ernesto "Che" Guevara, com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, a mais alta comenda brasileira. No dia 24 de agosto de 1961, Carlos Lacerda, governador da Guanabara, denuncia pela TV que Jnio Quadros estaria articulando um golpe de estado. No dia seguinte, o presidente surpreende a nao: em uma carta ao Congresso afirma que est sofrendo presses de "foras terrveis" e renuncia a presidncia. Em quanto isso, o vice-presidente Joo Goulart est fora do pas, em visita oficial China. O presidente da Cmara, Ranieri Mazilli, assume a presidncia como interino, no mesmo dia, 25 de agosto. A UDN e a cpula das Foras Armadas tentam impedir a posse de Jango, por estar ligado com o movimento trabalhista. Os ministros da Guerra, Odlio Denys, da marinha, vice-almirante, Silvio Heck, e o brigadeiro Gabriel Grn Moss, da Aeronutica, pressionam o congresso para que considere vago o cargo de presidente e convoque novas eleies. O governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, encabea a resistncia legalista apoiado pela milcia estadual. Em seguida, cria a Cadeia da Legalidade: encampa a Rdio Guaba, de Porto Alegre, e, transmitindo em tempo integral, mobiliza a populao e as foras polticas para resistir ao golpe e defender a Constituio. As principais emissoras do pas aderem rede e a opinio pblica respalda a posio legalista. Em 28 de agosto de 1961 o general Machado Lopes, comandante do 3 Exrcito, sediado no Rio Grande do Sul, tambm declara apoio a Jango. Em 2 de setembro o problema contornado: o congresso aprova uma emenda a constituio que institui o regime parlamentarista. Jango toma posse mais perde os poderes do presidencialismo. Foi investido no poder o presidente da Cmara Federal, Deputado Pascoal Ranieri Mazzilli, em vista de se encontrar ausente do pas, percorrendo pases da sia, o vice presidente Joo Goulart. perplexidade da renncia, seguiu -se uma declarao dos ministros militares, considerando perigosa a entrega do poder ao vice -presidente e pedindo ao Congresso a declarao do seu impedimento. Assumindo ento a chefia do Estado, a 7 de setembro de 1961, o Presidente Joo Goulart que indicou para presidente do Conselho de Ministros o poltico mineiro Tancredo Neves, do Partido Social Democrtico, mas que organizou um Gabinete com representantes de todos os partido. Nascido de uma crise poltica sem precedentes na histria republicana, como soluo de emergncia. O Plebiscito - Aps dez dias de apreenses, resolveu o Congresso convocar o vice presidente, mas aprovando, sob a forma de um Ato Adicional Constituio, uma reforma no

20 sistema de governo, instituindo o regime parlamentarista. Em 06/01/63, foi votado em plebiscito a forma de governo, se continuava o parlamentarismo ou a volta do presidencialismo. Nessa conjuntura definiam-se 2 grandes grupos o progressista e outro conservador. Os progressistas eram favorveis as mudanas, sendo bastante heterogneo, englobava desde polticos tradicionais, moderados at revolucionrios radicais (grupo s ou indivduos). Os conservadores eram a direita da sociedade, notadamente elites econmicas, composta pela burguesia (empresrios industriais, comerciais e financeiros e os grandes proprietrios de terra), pela alta oficialidade militar, pela alta hierarquia da Igreja Catlica e por amplos setores de classe mdia. Esses grupos temiam as reformas, que afetaria seus privilgios e tachavam-na de comunistas e subversivos. O novo regime foi posto prova em hora difcil e revogado em janeiro de 1963, com o plebiscito que aprovou a volta ao regime presidencialista.

Governo Joo Goulart - Jango assume a Presidncia em 7 de setembro de 1961, sob o regime parlamentarista, e governa at o golpe de 64, 1 de abril. Seu mandato marcado pelo confronto entre diferentes polticas econmicas para o Brasil, conflitos sociais e greves urbanas e rurais. O parlamentarismo derrubado em janeiro de 1962: em plebiscito nacional, onde 80% dos eleitores optam pela volta do presidencialismo. Enquanto durou, o parlamentarismo teve trs primeiros-ministros, entre eles, Tancredo Neves que renunciou para candidatar-se ao governo de Minas Gerais.

Campanha Reformista - Fortalecido pela vitria obtida no referendum popular e de posse dos amplos poderes conferidos pelo Presidencialismo, Joo Goulart colocou o problema das reformas de estrutura em termos de exigncia nacional. Contando na poca com o apoio de determinadas reas das Foras Armadas, o incentivo de certos grupos econmicos, o

21 beneplcito de alguns setores do pensamento catlico e, sobretudo, com a cobertura das classes trabalhadoras, o Presidente props ao Congresso, entre outras, as seguintes reformas de base: 1. Agrria - com a desapropriao do latifndio improdutivo, mediante pagamento em ttulos da dvida pblica; 2. Poltica - com a extenso do direito de voto aos analfabetos e s praas do pr; 3. Fiscal - com a modernizao do sistema tributrio, a fim de evitar a evaso de rendas; 4. Universitria, com a extino da vitaliciedade de ctedra. Sem contestar a necessidade de modificaes estruturais, a maioria oposicionista do Congresso discordava, contudo, de certos pontos de vista do Executivo relativos reforma agrria, passando a combater com nfase especial a tese que preconizava a desapropriao de terras com pagamento de ttulos da dvida pblica, com baixo ndice de correo monetria. Tal divergncia provocou, durante todo o ano de 1963, intensos debates entre governo e oposio, durante os quais fracassaram, uma aps outra, todas as frmulas conciliatrias. Estava , assim, aberto o caminho a um rpido processo de radicalizao poltica. Em 1961 a Confederao Nacional dos Trabalhadores na Indstria e o Pacto de Unidade e Ao, de carter intersindical, convocam uma greve reivindicando melhoria das condies de trabalho e a formao de um ministrio nacionalista e democrtico. O movimento conquista o 13 salrio para os trabalhadores urbanos. Os trabalhadores rurais realizam, no mesmo ano, o 1 Congresso Nacional de Lavradores e trabalhadores agrcolas, em Belo Horizo nte, Minas Gerais. O Congresso exige reforma agrria e CLT (Consolidao das Leis de Trabalho) para os trabalhadores rurais. Em 62, com aprovao do Estatuto do Trabalhador Rural, muitas ligas camponesas se transformam em sindicatos rurais. O Presidente estimulou a realizao, na Guanabara, no dia 13 de maro de 1964, de uma grande concentrao de trabalhadores, o chamado Comcio das Reformas, durante a qual no s proclamou a legitimidade das presses populares sobre o Congresso para a obteno das reformas como anunciou assinatura de dois importantes decretos:

22 1. O que dispunha sobre a desapropriao por interesse social de propriedades rurais situadas nas margens das rodovias, ferrovias e audes federais; e 2. O que nacionalizava as refinarias de petrleo particulares. Visando obteno urgente de dispositivos legais que garantissem as reformas, o Presidente, em sua mensagem anual ao Congresso Nacional, solicitou a delegao de poderes ao Executivo para elaborao legislativa, o plebiscito e a reforma da Constituio. Ante a frieza com que o Congresso recebeu sua mensagem, o Presidente, disps -se a ocupar toda a sua rea de atribuies. Baixou ento decretos relativos fabricao compulsria de tecidos e calados populares, ao monoplio estatal da importao de petrleo, regulamentao da lei de remessa de lucros para o exterior e ao tabelamento de aluguis. Alertada pelas manobras continuistas de Joo Goulart, cuja mensagem parecia preparar o terreno para a derrogao do captulo constitucional das inelegibilidades, a oposio passou a acusar o governo de atentar contra o sistema federativo, de permitir infiltrao comunista nos quadros da administrao pblica, de omitir-se ante o processo inflacionrio e de adotar uma poltica de crescente estatizao. Joo Goulart realiza um governo contraditrio. Procura estreitar as alianas com o movimento sindical e setores nacional-reformistas, mas paralelamente tenta implementar uma poltica de estabilizao baseada na conteno salarial. Seu Plano Trienal de Des envolvimento econmico e Social, elaborado pelo ministro do Planejamento, Celso Furtado, tem por objetivos manter as taxas de crescimento da economia e reduzir a inflao. Essas condies impostas pelo FMI so indispensveis, para a obteno de novos emprstimos, renegociao da dvida externa e elevao do nvel de investimento. O Plano Trienal tambm determina a realizao das chamadas reformas de base - reforma agrria, educacional, bancria e outras, necessrias ao desenvolvimento de um "capitalismo nacional" e progressista". O anncio destas reformas aumenta a oposio ao governo e acentua a polarizao da sociedade brasileira. Jango perde rapidamente suas bases na burguesia. Para evitar o isolamento, refora as alianas com as correntes reformistas: aproxima-se de Leonel Brizola, ento deputado federal pela Guanabara, de Miguel Arraes, governador de Pernambuco; da UNE e do Partido Comunista, que embora na ilegalidade, mantinha forte atuao no movimento popular e sindical. O Plano Trienal abandonado em meados de 1963, mas o presidente continua, implementando medidas de carter nacionalista: limita a remessa de capital para o exterior, nacionaliza empresas de comunicao e decide rever as concesses para explorao de minrios. As retaliaes

23 estrangeiras so rpidas: governo e empresas privadas norte-americanas cortam o crdito para o Brasil e interrompem a negociao da dvida externa. No Congresso se formam a Frente Parlamentar Nacionalista, em apoio a Jango e a ao Democrtica Parlamentar, que recebe ajuda financeira do Instituto Brasileiro de Ao Democrtica (Ibad), instituio mantida pela Embaixada dos Estados Unidos. No incio de 1964 o pas chega a um impasse. O Governo j no tem o apoio das classes dominantes e os prprios integrantes da cpula governamental divergem quanto aos rumos a serem tomados. A crise se precipita no dia 13 de maro, com a realizao de um grande comcio em frente Estao Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Perante 300 mil pessoas Jango decreta a nacionalizao das refinarias privadas de petrleo e desapropria, para fins de reforma agrria, propriedades s margens de ferrovias, rodovias e zonas de irrigao dos audes pblicos. Em 19 de maro realizada, em So Paulo a maior mobilizao contra o governo, a "Marcha da Famlia com Deus pela Liberdade", organizada por grupos da direita, com influncia dos setores conservadores da Igreja Catlica. A manifestao, que rene 400 mil pessoas, fornece o apoio poltico para derrubar o presidente. No dia 31, tropas mineiras sob o comando do general Mouro Filho marcham em direo ao Rio de Janeiro e Braslia. Depois de muita expectativa, os golpistas conseguem a adeso do comandante do 2 Exrcito, general Amaury Kruel. Jango est no Rio quando recebe o manifesto do genera l Mouro Filho exigindo sua renncia. No dia 1 de abril pela manh, parte para Braslia na tentativa de controlar a situao. Ao perceber que no conta com nenhum dispositivo militar e vem com o apoio armado dos grupos que o sustentavam, abandonam a capital e segue para Porto Alegre. Nesse mesmo dia, ainda com Jango no pas, o presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, declara vaga a Presidncia da Repblica. Ranieri Mazzilli, presidente da Cmara dos Deputados ocupa o cargo interinamente. Exilado no Uruguai, Jango participa da articulao da Frente Ampla, um movimento da Redemocratizao do pas, junto com Juscelino e seu ex-inimigo poltico, Carlos Lacerda. Mas a Frente no se concretiza. Mediante esses fatos, a baderna era total, o povo tinha algum dinheiro e no tinha o que comer, a classe mdia comeara a se dividir em: classe mdia rica, classe mdia mdia e classe mdia pobre, os de classe pobre comeavam a ser miserveis, greves em cima de greves. O Brasil virou um caos. O Sr. Leonel Brizola que na poca era Deputado Federal pelo Estado da Guanabara, e por ser cunhado de Joo Goulart, sublevou as tropas do III Exrcito. Desenvolveu intensa atividade poltica, assumindo a liderana de seu partido, o PTB, e radicalizando a luta pelas reivindicaes nacionalistas. Apoiou a campanha reformista do Pres. Joo Goulart, tentando, sem xito, ocupara a pasta da Fazenda. Por ser considerado um poltico perigoso, aps

24 a revoluo de 31 de maro de 1964, teve seu mandato cassado e suspensos por dez anos os seus direitos polticos. Incurso na Lei de Segurana nacional e na iminncia de ser preso, Brizola asilou-se no Uruguai.

DITADURA MILITAR Revoluo de 31 de maro - a assinatura dos ltimos decretos de cunho reformista, somada disposio governamental de ampliar a ao do Executivo, agravou a crise poltica, com reflexo imediato na situao econmico-financeira do pas. Enquanto isso, sob o patrocnio do governo, organismos polticos e sindicais, como a Frente de Mobilizao Popular (FMP) e o Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) agiam ostensivamente no sentido de pressionar o Congresso aprovao das reformas. Ante o crescente assdio das foras reformistas, a oposio empunhou a bandeira da defesa da legalidade constitucional, ameaada pelos propsito s continuistas do Presidente. E passou a acusar o governo de pactuar com a corrupo administrativa e a infiltrao comunista no aparelho do Estado, chegando a denunciar a conivncia do Presidente com um processo de guerra revolucionrio. Tais fatos justificavam a intensificao das articulaes que se vinham efetuando, no plano civil, entre os governadores Carlos Lacerda (Guanabara), Ademar de Barros (So Paulo) e Magalhes Pinto (Minas Gerais). atividade idntica era observada na rea militar, onde os generais Cordeiro de Farias, Nelson de Melo, Costa e Silva, Odylio Dennis, Olmpio Mouro Filho e Carlos Lus Guedes, alm de outros oficiais generais, montavam tambm seu esquema de ao. Em face da atitude de rebeldia adotada pela oposio, resolveu o Pre sidente renunciar ttica conciliatria, mudana que se definiu em dois episdios de repercusso nacional: a no punio dos responsveis por uma revolta de marinheiros, e a fala presidencial de 30 de maro aos membros da Associao dos subtenentes e Sarg entos da Polcia da Guanabara. Com isso, feria o Governo o princpio da hierarquia militar, iniciando um processo de desagregao as

25 Foras Armadas. Quase em resposta o Governador Magalhes Pinto acendeu o estopim da revolta, dirigindo nao, tambm a 30 de maro, um manifesto onde dizia que as foras sediadas em Minas Gerais consideravam seu dever entrar em ao, a fim de assegurar a legalidade ameaada pelo prprio Presidente da Repblica. A ao militar, marcada para 3 de abril, foi antecipada pela guarnio de Minas Gerais que, sob o comando dos Generais Olimpio Mouro Filho e Carlos Lus Guedes, se declarou em estado de rebelio e, na madrugada de 31 de maro, deslocou alguns contingentes em direo Guanabara. Em menos de 24 de horas, as foras rebeladas em Minas receberam a adeso dos Exrcitos sediados na Guanabara, So Paulo e Pernambuco (I, II e IV Exrcitos). Apenas o III Exrcito (Rio Grande do Sul) ainda no se definira. Na Guanabara, como em todo pas, depois de fracassarem os dispositivos sindicais, no obstante a ordem de greve geral nacional expedida pelo CGT, bandearam-se s faces militares que o governo julgava ter a seu lado. Sem apoio nas Foras Armadas, o Presidente, que se encontrava no Rio de Janeiro, a fim de articular a resistncia, partiu para Braslia, onde, aps lanar um manifesto nao, caracterizando o movimento como um golpe de Estado, seguiu para Porto Alegre, ltimo reduto da resistncia governista. Poucas horas depois, contudo, a ao conjugada dos generais Pope de Figueiredo, Cordeiro de Farias e Nelson de Melo selou a vitria final do movimento. Em Braslia, o presidente do Congresso, Auro de Moura Andrade, anunciou a vacncia da Presidncia da Repblica e convocou o presidente da Cmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli, a assumir a chefia do governo, Joo Goulart fugiu para o Uruguai, onde solicitou asilo poltico. O Regime Militar - instaurado em 1 de abril de 1964, pelo golpe militar. O plano poltico marcado pelo autoritarismo, supresso dos direitos constitucionais, perseguio poltica, priso e tortura dos opositores, e pela imposio da censura prvia aos meios de comunicao. Na economia h uma rpida diversificao e modernizao da indstria e servios, sustentada por mecanismos de concentrao de renda, endividamento externo e abertura ao capital estrangeiro. Com a deposio de Jango, o presidente da Cmara, Ranieri Mazzelli, assume formalmente a presidncia e permanece no cargo at 15 de abril de 64. Na prtica, porm, o poder exercido pelos ministros militares de seu governo, entre eles, o general Arthur da Costa e Silva, da Guerra. Nesse, perodo institudo o Ato Institucional n1. Os Atos Institucionais so mecanismos adotados pelos militares para legalizar aes polticas no previstas e mesmo contrrias Constituio. De 1964 a 1978 sero decretados 16 Atos Institucionais e complementares que transformam a Constituio de 46 em uma colcha de retalhos . O AI-1, de 9 de abril de 64, transfere poder aos militares, suspende por dez anos os

26 direitos polticos de centenas de pessoas. As cassaes de mandatos alteram a composio do Congresso e intimidam os parlamentares. A ditadura militar foi caracterizada por 3 diretrizes bases: 1. A ruptura da normalidade institucional, com a interveno direta d os militares no estabelecimento e no funcionamento dos trs poderes bsicos executivo, legislativo e judicirio, eliminando assim o estado de Direito; 2. As restries e mesmo o bloqueio completo da participao da populao do processo poltico; 3. A opo pela forma capitalista de desenvolvimento com a dupla conseqncia - o afastamento (com uso da violncia) das manifestaes aproximada ao socialismo e a aceitao do papel hegemnico dos Estados Unidos. A Represso - Vitorioso o movimento armado regulamentou sua ao revolucionria pela outorga, a 9 de abril, do Ato Institucional. Com vigncia delimitada at 31 de janeiro de 1966, o Ato suspendeu, por seis meses, as garantias constitucionais ou legais de esta bilidade e vitaliciedade, investiu o Presidente da Repblica, pelo prazo de 60 dias, do poder de suspender direitos polticos e cassar mandatos legislativos, e determinou a instaurao de inquritos policial-militares para apurar a prtica de atividades subversivas e de corrupo administrativa no governo deposto. Com base em dispositivos do Ato Institucional, o Alto Comando Revolucionrio, integrado pelos Ministros Artur da Costa e Silva (Guerra), Francisco de Assis Correia de Mello (Aeronutica) e Augusto Hamann Rademaker Grunewald (Marinha) efetuou o expurgo na vida pblica do pas, cassando mandatos de senadores, deputados federais e estaduais, vereadores, e suspendendo os direitos polticos de dezenas de cidados, dentre os quais, os ex-presidentes Juscelino Kubitschek, Jnio Quadros e Joo Goulart, governadores Miguel Arraes (Pernambuco), Badger da Silveira (Estado do Rio), Plnio Coelho (Amazonas) e Aurlio do Carmo (Par); lder comunista Lus Carlos Prestes, economista Celso Furtado; escritores Josu de Castro, Nelson Werneck Sodr e Antnio Houaiss, alm de vrios ministros do governo deposto. Na rea militar, quase duas centenas de oficiais foram transferidos para a reserva ou excludos das foras armadas. Paralelamente, desenvolveu-se ampla represso policial em todo o pas, registrando-se prises de polticos, militares, jornalistas, intelectuais, lderes estudantis e sindicais.

27 Atos Institucionais: Ato Institucional N1 Permitiu que os militares que assumissem o comando poltico do pas, sem que o Congresso Nacional pudesse impedir. A Lei 4330 declarava toda a greve ilegal. Ato Institucional N 2 17 de outubro de 1965 Foram extintos os partidos polticos, surgindo a ARENA (Aliana Renovadora Nacional), que apoiava o governo, e o MDB (Movimento Democrtico Brasileiro), representando a esquerda e tinha sua ao muito limitada. Restabeleceu a eleio indireta para presidente. O presidente poderia baixar atos complementares e decretos -lei em matria de segurana nacional. Ato Institucional N3 Fevereiro de 1963 Eleio indireta dos Governadores dos Estados atravs das respectivas Assemblias estaduais Ato Institucional N 4 Convocou o Congresso Nacional extraordinariamente para aprovar a nova constituio. Ato Institucional N 5 13 de dezembro de 1968 " Os poderes atribudos ao executivo pelo Ato Institucional N 5, podem ser assim resumidos : 1) poder de fechar o Congresso Nacional e as assemblias estaduais e municipais; 2) direito de cassar os mandatos eleitorais de membros dos Legislativo e Execu tivo nos nveis federal/estadual e municipal; 3) direito de suspender por dez anos os direitos polticos dos cidados; 4) direito de demitir, remover, aposentar ou pr em disponibilidade funcionrios da burocracia federal/estadual e municipal; 5) direito de demitir ou remover juizes, e suspenso das garantias ao judicirio de vitaliciedade, inamovibilidade e estabilidade; 6) poder de decretar estado de stio sem qualquer dos impedimentos fixados na Constituio de 1967; 7) direito de confiscar bens como punio por corrupo; 8) suspenso da garantia de habeas corpus em todos os casos de crimes contra a segurana nacional; 9) julgamentos de crimes polticos por tribunais militares; 10) direito de legislar por decreto e baixar outros atos institucionais ou complementares; e finalmente 11) proibio de apreciao pelo judicirio de recursos impetrados por pessoas acusadas em nome do Ato Institucional N 5."

Governo Castello Branco Em 1 de Abril de 1964, o Congresso elege para presidente o chefe do estado maior do exrcito, marechal, Humberto de Alencar Castello Branco. Empossado em 15 de Abril de 1964, governa at maro de 1967. Usa atos institucionais como instrumentos de represso: fecha

28 associaes civis, probe greves, intervm em sindicatos e cassa mandatos de polticos. No dia 13 de junho de 64 cria o SNI (Servio Nacional de Informaes). Em 27 de outubro o Congresso aprova a lei Suplicy, que extingue a UNE e as unies estaduais de estudantes. O novo governo assina um acordo com os Estados Unidos com o objetivo de restaurar a educao pblica, chamado MEC-Usaid. Em 18 de outubro manda invadir e fechar a Universidade de Braslia pela polcia militar. As aes repressivas do governo so estimuladas por grande parte dos oficias do Exrcito. A chamada "linha dura" defende a pureza dos princpios "revolucionrios" e a excluso de todo e qualquer vestgio do regime deposto. Usando de presses consegue que o Congresso aprove vrias medidas repressivas. Uma das maiores vitrias a permisso dada justia militar de julgar civis por "crimes polticos". Em 27 de outubro de 1965 Castello Branco edita o AI-2: dissolve os partidos polticos e confere ao executivo, poderes para cassar mandatos e decretar o estado de stio sem prvia autorizao do Congresso. Estabelece tambm a eleio indireta para a Presidncia da Repblica transformando o Congresso em Colgio Eleitoral. O Ato Complementar n 04, de novembro de 1965, institui o sistema bipartidrio no pas. criada a Arena (Alina Renovadora Nacional), de apoio ao governo, reunindo integrantes da UDN e PDS, enquanto o MDB rene os oposicionistas. Prevendo uma derrota nas eleies para os governos de So Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro o estado baixa, em 05 de fevereiro de 66 o AI-3: as eleies para governadores passam a ser indiretas. Em novembro do mesmo ano, Castello Branco fecha o Congresso e inicia uma nova onda de cassaes. A 5 constituio do pas e 4 da repblica traduz a ordem estabelecida pelo regime e institucionaliza a ditadura, incorpora as decises institudas pelos atos institucionais, aumenta o poder do Executivo, que passa a ter a iniciativa de projetos de emenda constitucional, reduz os poderes e prerrogativas do Congresso e institui uma nova Lei de Imprensa e a Lei de Segurana Nacional. A nova carta votada em 24 de janeiro de 67 e entra em vigor no dia 15 de maro. Com apoio das foras polticas e militares que haviam realizado a revoluo foi eleito pela maioria do Congresso, para a Presidncia da Repblica, o Marechal Humberto de Alencar Castello Branco. O novo presidente tomou posse a 15 de abril para governar at o final do quinqunio constitucional, mas em julho teve o seu mandato prorrogado, por iniciativa do Congresso, at 15 de maro de 1967. No campo da poltica interna, comeou o Presidente Castello Branco por reformular a cpula do Ministrio do Planejamento. Em novembro foi divulgado o Programa de ao econmica do governo (PAEG), a ser executado at maro de 1967, e que assim resume os objetivos governamentais em matria econmica:

29 1. Acelerar o ritmo de desenvolvimento econmico do pas; 2. Conter gradualmente a inflao; 3. Melhorar as condies de vida a fim de atenuar as tenses geradas pelos desequilbrios sociais; 4. Assegurar, pela poltica de investimentos, a oportunidade de emprego produtivo mo-de-obra disponvel; 5. Corrigir a tendncia a dficits descontrolados do balano de pagamentos. Para assegurar a execuo do PAEG o Governo ps em prtica uma srie de medidas como incentivo s exportaes, consolidao da dvida externa (Ata de Paris), restaurao do crdito no exterior, estmulo entrada de capitais estrangeiros (nova lei de remessas de lucros), reformulao da poltica salarial, nova poltica habitacional com a fundao do Banco Nacional de Habitao, reforma agrria com aprovao do Estatuto da Terra, reforma bancria, com a criao do Banco Central da Repblica. O custo de vida continuou a subir, mas em princpios de 1965 j se podia observar sensvel desacelerao do ritmo de elevao dos preos. A poltica defla cionria, conjugada com severas medidas de conteno salarial, provocou recesso industrial, que teve como conseqncia o aumento moderado do desemprego e do nmero de falncias e concordatas. Refletindo os descontentamentos dos setores mais atingidos pela deflao, a partir de fins de 1964 os governadores Carlos Lacerda, da Guanabara e Magalhes Pinto, de Minas Gerais, passaram a criticar a poltica econmico-financeira, energtica (compra das empresas da american Foreign Power) e de minrios (concesso de porto privativo Hanna Mining Co., para exportao de minrios). Dando seqncia srie de reformas institucionais, iniciada em 1946 com a aprovao da emenda constitucional que estabeleceu a maioria absoluta para eleio do presidente e vice presidente da Repblica, o governo obteve no Congresso, durante a primeira metade de 1965, diversas leis, entre elas a Lei das Inelegibilidades, a que regulamentou o direito de greve, a que disciplinou o mercado de capitais e o novo Cdigo Eleitoral. A Lei das Inelegibilidades, que criou novas figuras de inelegibildades e incompatibilidades, foi seguida da lei ordinria que tornou inelegveis os ministros do Governo Goulart do perodo de Estado dos governadores depostos. O Governo assegurou a realizao das eleies a 3 de outubro para governadores de 11 Estados, mas a justia eleitoral negou registro aos candidatos oposicionistas da Guanabara e Minas Gerais, Marechal Henrique Teixeira Lott e Sebastio Pais de Almeida, respectivamente, ambos considerados pela situao como anti-revolucionrios. O pleito transcorreu em clima de

30 tranqilidade, mas a vitria das oposies em alguns Estados, principalmente em Minas Gerais e na Guanabara, onde Israel Pinheiro e Francisco Negro de Lima, candidatos da coligao PSDPTB foram eleitos, provocou reaes nos setores radicais das Foras Armadas. Agindo no sentido de conter a crise dentro dos quadros institucionais, o Presidente Castello Branco enviou ao Congresso emenda constitucional dispondo sobre a criao de novos casos de interveno federal nos Estados (inclusive a interveno preventiva) e um projeto de lei que regulamentava as atividades das pessoas pela revoluo. Face resistncia do Congresso em aprovar tais medidas, o Presidente outorgou, a 27 de outubro, o Ato Institucional n 2, o qual, com vigncia at 15 de maro de 1967 e enfeixando nas mos do Executivo uma soma de poderes excepcionais, alterou o quadro institucional do pas nos seguintes pontos: 1. Estabeleceu a eleio indireta para a presidncia da Repblica; 2. Extinguiu os partidos polticos; 3. Reformou o Supremo Tribunal Federal; 4. Permitiu a suspenso de direitos polticos e a cassao de mandatos legislativos; 5. Facilitou a interveno federal nos Estados e a decretao do estado de stio; 6. Suprimiu o foro especial por prerrogativa de funo. No mbito das relaes internacionais, o Governo Castello Branco retomou as tradies da poltica externa de estreita colaborao com os EUA. De acordo com as novas diretrizes, passou o Brasil a apoiar as posies norte-americanas, tanto na ONU, como na OEA. O rompimento de relaes com Cuba (1964) e o apoio interveno norte -americana na Repblica Dominicana (1965), seguida do envio de tropas brasileiras para este pas a fim de integrar a Fora Interamericana de Paz, constituram conseqncias prticas da nova doutrina que foi definida pelo ento ministro das Relaes Exteriores, Vasco Leito da Cunha, como poltica de interdependncia. O calendrio eleitoral do ano de 1966 foi cumprido integralmente: o Marechal Artur da Costa e Silva e o Deputado Pedro Aleixo elegeram-se a 3 de outubro para presidente e vicepresidente da Repblica, respectivamente. a 3 de setembro foram eleitos os governadores de 12 Estados e a 15 de novembro realizou-se o pleito para deputados Federal e estadual, prefeitos e vereadores em todo o pas. No final de 1966 o Presidente Castello Branco convocou o Congresso extraordinariamente, para aprovar a nova Constituio da Repblica, que foi promulgada a 24 de janeiro de 1967.

31

Governo Costa e Silva O marechal Arthur Costa e Silva assume em 15 de maro de 1967 e governa at 31 de agosto de 1969, quando afastado por motivos de sade. Logo nos primeiros meses de governo enfrenta uma onda de protestos que se espalham por todo o pas. O autoritarismo e a represso recrudescem na mesma proporo em que a oposio se radicaliza. Costa e Silva, cria o Fundo Nacional do ndio (FUNAI) e o Movimento de Brasileiro de Alfabetizao (Mobral). Presidente Costa e Silva intimamente ligado aos ideais da Revoluo, p rocurou dar continuidade aos programas de seu antecessor. Tentou apenas suavizar o sistema de governo, mas paralelamente surgiam grupos armados ativos que agiam intensamente. Crescem as

manifestaes de rua nas principais cidades do pas, em geral o rganizadas por estudantes. Em 1968 o estudante secundarista dson Lus morre no Rio de Janeiro em confronto entre polcias e estudantes. Em resposta, o movimento estudantil, setores da Igreja e da sociedade civil promovem a Passeata dos Cem Mil, a maior mobilizao do perodo contra o regime militar. Na Cmara Federal, o deputado Mrcio Moreira Alves, do MDB, exorta o povo a no comparecer s festividades do dia 7 da Independncia. Os militares exigem sua punio. A Cmara no aceita a exigncia e o Congres so decreta o AI-5, em 13 de dezembro de 1968, que restabelecia e ampliava os poderes da Presidncia. Assim pde restabelecer o controle do governo e executar os programas de governo da Revoluo. Mais abrangente e autoritrio de todos os outros atos institucionais, o AI-5 na prtica revoga os dispositivos constitucionais de 67. Refora os poderes discricionrios do regime e concede ao exrcito o direito de determinar medidas repressivas especficas, como decretar o recesso do Congresso, das assemblias legislativas estaduais e Cmaras municipais. O Governo pode censurar os meios de comunicao, eliminar as garantias de estabilidade do Poder Judicirio e suspender a aplicao do habeas -corpus em casos de crimes polticos. O Ato ainda cassa mandatos, suspende direitos polticos e cerceia direitos individuais. Atravs do Plano Trienal 1968-1970, atinge, entre outros, os seguintes objetivos: fortalecimento da empresa privada nacional, coibio dos abusos do poder econmico, expanso do mercado interno, fortalecimento da tecnologia nacional e criao de uma expectativa de

32 segurana poltico-social para os investimentos. Ampliou o sistema educacional obrigatrio, deu combate inflao e muito se empenhou no sentido de dar impulso ao desenvolvimento do Pas. Em 17 de abril de 1968, 68 municpios inclusive todas as capitais, so transformadas em reas de segurana nacional e seus prefeitos passaram a ser nomeados pelo presidente da Repblica.

33 1968, O ANO MGICO Reivindicavam mais verbas para as escolas e universidades. Para melhorar os espaos de estudo, as bibliotecas e laboratrios, a capacidade dos professores. Para modernizar o ensino e ampliar o acesso da populao ao nvel superior. Por uma poltica de auxlio aos estudantes mais pobres: bolsa de estudo, assistncia mdica, transportes e restaurantes mais baratos. A luta especfica dos estudantes do Calabouo seria um smbolo. Em sua bandeira cruzavam-se, sobre um livro, o garfo e a faca a dupla fome: do alimento e do saber. Em 1964, quando os militares derrubaram o governo constitucional de Joo Goulart, contaram com amplo apoio da classe mdia. Os estudantes assistiram passivos, ou respiraram aliviados frente nova situao. Na oposio, apenas alguns ncleos esboaram dbil resistncia, logo dominada. No dia seguinte vitria do golpe, os partidrios mais estremados do novo regime queimaram o prdio da Unio Nacional dos Estudantes (UNE), no Rio de Janeiro. O governo organizou inquritos policiais -militares nas faculdades, incentivando a delao. No final do ano, aprovou-se a Lei Suplicy com o objetivo e controlar as entidades representativas do movimento estudantil. Foram anos de perplexidade e dvida para a classe mdia. O arrocho salarial no penalizava apenas os operrios o que podia ser lamentado, mas compreendido alcanava todos os assalariados, inclusive os de classe mdia. A classe mdia sentiu-se trada. E sua amargura estimulou a luta e o protesto dos estudantes. A rebelio tomava corpo. Em 1965, houve os primeiros ensaios: uma vaia ao general presidente Castelo Branco na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Um plebiscito nacional sobre a Lei Suplicy, no qual a ampla maioria dos estudantes decidiu manter suas entidades fora do controle do Governo. Uma pequena passeata contra o AI-2, tambm no Rio. E a luta dos estudantes de Braslia em defesa da sua Universidade ameaada pela poltica do Governo. No ano seguinte o movimento transbordou para as ruas. Em maro, em Belo Horizonte, uma passeata de calouros foi atacada

O ano 1968 um redemoinho de imagens atravessando a neblina do tempo. Um mundo em movimento, conflitos, projetos e sonhos de mudana, gestos de revolta, lutas apaixonadas: revoluo nos costumes, na msica, nas artes plsticas, no comportamento e nas relaes pessoais, no estilo de vida, e nas tentativas novas no apenas de derrubar o poder vigente mas de propor uma relao diferente entre a polcia e a sociedade. O que se questiona de modo confuso e vago a articulao da sociedade e suas grandes orientaes, seus propsitos, seu modo de ser: trata-se de mudar de sociedade e de modo de vida. No Brasil, 1968 foi tambm um ano de tormentas, com uma personagem central: a rebelio estudantil. Estudantes universitrios, pouco mais de 200 mil, menos de 0,5% da populao, quase todos filhos da classe mdia. Ao seu lado, o mais amplo e diferenciado contigente de estudantes secundaristas. Por que lutavam e se rebelavam os estudantes em 1968?

34 pela polcia. O movimento de solidariedade tomou os principais centros estudantis. Em meados do ano, a UNE se reuniu na clandestinidade e elegeu nova diretoria. No segundo semestre, foi a vez da "setembrada", seqncia de manifestaes que agitaram as principais cidades do pas em protesto contra a represso. Um fato provocou comoo: a invaso da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro por tropas da Polcia Militar que espancaram e prenderam centenas de estudantes. 1967 foi um ano de refluxo, mas o clima no era de derrota. Ainda na clandestinidade, a UNE conseguiu organizar seu congresso em So Paulo. Houve lutas de importncia regional. O movimento estendia-se em escala nacional, articulava-se melhor, tateando novos caminhos. 1968 amadurecia. Os estudantes j compreendiam que a poltica educacional do governo era o avesso de suas reivindicaes. universidade gratuita o governo antepunha a universidade paga. Em vez de solues originais para os problemas brasileiros, o governo preferia os assessores e acordos norte americanos. Um Conselho Nacional, promovido pela UNE, em comeos de 1968, tentaria definir novos caminhos. Todos desconfiavam do governo e se opunham poltica educacional, mas havia dvidas quanto s opes de luta: manter em primeiro plano as denncias polticas, tentando retomar as manifestaes de rua de 1966, ou concentrar as atenes nos interesses imediatos da categoria estudantil, evitando os enfrentamentos de rua e priorizando a luta nas escolas. A segunda posio venceu. Os estudantes foram personagens centrais nas lutas de 1968, mas no os nicos. Junto deles, formando uma nova comunidade de interesses, estiveram profissionais liberais, jornalistas, escritores, artistas e religiosos. Participaram da denncia do regime e das lutas sociais movidos pelo mesmo desencanto diante dos rumos que tomava o novo regime. Os msicos e compositores exprimiram a insatisfao generalizada. Os festivais de msica popular e os shows musicais divulgariam temas, indignaes, propostas que colocavam em questo o Brasil oficial, incentivando a crtica e a rebeldia. Em 1967, o lanamento de O Rei da Vela (Oswald Andrade e Jos Celso Martinez Correa) no teatro, de Terra em Transe (Glauber Rocha) no cinema e do movimento Tropicalistas (Caetano, Gil, Tomz e os Mutantes) desenham o perfil de uma intelectualidade inassimilada pelo discurso oficial. Os artistas no pareciam atemorizados, mantinham-se crticos e criativos. At quando o regime toleraria o desafio? No princpio de 1968, haveria no Rio o lanamento de Roda Viva (Chico Buarque e Jos Celso Martinez Corra) a proposta de um teatro corrosivo e agressivo, decidido a enfrentar preconceitos e a retirar o espectador de seu papel passivo e consumidor. Um ms depois, os artistas fechavam os teatros numa greve de protesto contra a censura. O pessoal do teatro voltaria greve com o assassinato de Edson Lus, em maro. Dali em diante, em todas as manifestaes estudantis estariam presentes atores, cineastas, msicos, escritores, jornalistas e profissionais liberais. Entre artistas e estudantes havia o intercmbio permanente de energias. Pode-se dizer que se estimulavam reciprocamente em suas buscas, indagaes e caminhos. O pblico estudantil compunha, em sua maioria, a platia participativa dos festivais de msica, das peas de teatro, dos filmes e dos shows. Alm disso, entre os estudantes, multiplicavam-se iniciativas que acompanhavam os passos dos artistas. 1968 assistiria ao crescimento do movimento de cines-clube, festivais de cinema e teatro estudantis, sem falar nos jornais e revistas dos diretrios acadmicos. Intelectuais e estudantes tambm formaram uma comunidade de gostos, inclinaes e interesses na divulgao e defesa de novos valores e comportamentos que se opunham s preferncias polticas do poder poltico. Distinguiam-se na aparncia das roupas (a revoluo das minissaias), na preferncia pelas cores, na comum hostilidade a rotinizao da vida, na procuro de novos horizontes musicais, de novas propostas de vida afetiva (a revoluo da plula) e de percepo da

35 vida (o consumo das drogas leves s e estendia suavemente entre os adeptos da paz e amor). Os artistas tiveram aqui um papel de vanguarda. A critica ao conservadorismo ultrapassava o domnio estrito do discurso poltico do poder para alcanar as razes do comportamento, das relaes afetivas, da vida cotidiana. A represso e o isolamento poltico alcanaria a todos artistas, escritores, professores, profissionais liberais, religiosos dentre outros.

Em agosto de 1969, Costa e Silva acometido de uma crise no sistema circulatrio deixou o governo vindo a falecer em dezembro do mesmo ano. Junta Militar - integrada pelos ministros da Marinha Augusto Rademacker, do exrcito, Lyra Tavares e da Aeronutica Mrcio de Souza e Melo. Governa por dois meses - de 31 de agosto de 1969 at 30 de outubro do mesmo ano. Em setembro, decreta, entre outras medidas o AI-14, que institui a priso perptua e a pena de morte em casos de "guerra revolucionria e subversiva", reforma a constituio de 1969 e impe a nova lei de segurana nacional. Decreta tamb m reabertura do Congresso, aps dez messe de recesso. Em 25 de outubro de 1967, os parlamentares elegem Emlio Garrastazu Mdici para a presidncia. Voc vai poder saber quem ficou calado na reunio que instituiu o AI-5 e quem queria mais represso. Alguns nomes e personagens so muito conhecidos, so eles:

36

Costa e Silva Pedro Aleixo Augusto Rademaker Aurlio de Lira Tavares Magalhes Pinto Delfim Neto Mrio Andreazza Ivo Arzua Pereira Jarbas Passarinho Leonel Miranda Mrcio de Souza e Mello Tarso Dutra Jos Costa Cavalcanti Afonso Albuquerque Hlio Beltro Carlos Simas Emlio Mdici Orlando Geisel Adalberto Nunes Adalberto dos Santos Carlos Alberto Huet Rondon Pacheco Jayme Portella Gama e Silva Costa e Silva

Governo Mdici - O Gen. Emilio Garrastazu Mdici, foi eleito Presidente da Repblica, pelo Congresso Nacional, na vaga ocorrida com a morte do Presidente Costa e Silva. Emlio Garrastazu Mdici assume a Presidncia em 30 de outubro de 1969 e governa at 15 de maro de 1974. Seu Governo fica conhecido como "os anos negros da ditadura". O movimento estudantil e sindical esto contidos e silenciados pela represso policial. O fechamento dos canais de participao poltica leva a esquerda a optar pela luta armada e pela guerrilha urbana. O governo responde com mais represso. Lana tambm a campanha

37 publicitria, com o slogan "Brasil, ame-o ou deixe-o". O endurecimento poltico respaldado pelo "milagre econmico", crescimento do PIB, diversificao das atividades produtivas,

concentrao de renda e surgimento de uma nova classe mdia com alto poder aquisitivo. Tomou medidas severas contra o terrorismo. Seu governo foi um marco de realizaes no sentido de dar continuidade aos programas da Revoluo. No sentido da integrao do Brasil, a rodovia Transamaznica foi seu ponto alto. Criada pelo PIN (Plano de Integrao Nacional) teve os seguintes objetivos: Integrar o Nordeste com a Amaznia e a Amaznia com o Centro Sul. Colonizar a Amaznia para o aproveitamento do solo e dos recursos naturais. Facilitar as pesquisas e a explorao dos recursos minerais, complementar o sistema de transporte fluvial da Amaznia. A construo dessa gigantesca estrada representa para o Brasil, um grande passo real integrao e a importncia da sua construo ainda no pode ser calculada em toda a sua plenitude. Juntamente com a Belm - Braslia, a Cuiab - Porto Velho e a Rodovia Cuiab Santarm, a Transamaznica cumprir a misso de oferecer caminho para a ligao da Amaznia com as regies Centro-Oeste, Centro-Sul e Nordeste. Em seu governo verificou-se ainda o incentivo agricultura e os primeiros passos para a assistncia ao homem da lavoura; a instalao do Movime nto Brasileiro de Alfabetizao (Mobral), projetado por Costa e Silva, que se prope extino do analfabetismo do Brasil; a fixao das 200 milhas de mar continental visando proteger as costas brasileiras da explorao do pescado por estrangeiros; a criao do Programa de Integrao Social (PIS), para assegurar ao trabalhador; a participao nos lucros das empresas e muitas outras providncias. Teve destacada influncia na indicao de seu sucessor, o Gen. Ernesto Geisel, confirmada pelo Congresso Nacional em 15 de janeiro de 1974. Deixando a Presidncia da Repblica em 15 de maro de 1974, dando posse ao seu sucessor, o Gen. Ernesto Geisel.

38

Governo Geisel Gen. Ernesto Geisel, foi eleito Presidente da Repblica pelo Colgio Eleitoral. Em 15 de maro de 1974, o general Ernesto Geisel assume a presidncia onde enfrentar dificuldades econmicas e polticas que anunciam o fim do "Milagre Econmico" e ameaam o Regime Militar, alm dos problemas herdados de outras gestes - j no final de 1973 a dvida externa, contrada para financiar as obras faranicas do governo, atinge 9,5 bilhes de dlares. Em 1974 a inflao chega a 34,5% e acentua a correo dos salrios. Surpreendentemente Geisel, ao invs de utilizar-se de uma poltica recessiva, de maior conteno possvel, se props a investir num crescimento econmico. O Brasil permanece, assim, com grande endividamento externo, mas direcionando os investimentos, na indstria, para projetos que substitussem importaes. A meta era alcanar um crescimento indus trial de 12% ao ano at 1979. Para isto desenvolveu-se o II Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), que visava criar bases para a indstria (procurando reduzir a dependncia em relao a fontes externas). Com o objetivo de ampliar as fontes alternativas de energia para fazer frente crise do petrleo, os investimentos se estenderam para o setor energtico - iniciou-se um programa visando implantao de combustvel substituto da gasolina, o Prolcool (Programa Nacional do lcool) ao mesmo tempo, que des encadeou uma campanha de racionamento de combustveis. Acompanhando isto, criou-se o Procarvo (Programa Nacional de Carvo), visando substituio do leo combustvel. Ainda na rea de energia, foi aprovado em 1975, o Programa Nuclear Brasileiro, que previa instalao de uma usina de enriquecimento de urnio, alm de centrais Termonucleares. Esse programa, firmado com a Repblica Federal da Alemanha Ocidental, em 2 de abril de 1975 com vigncia de 15 anos fazem com que os Estados Unidos ameacem cortar o crdito pretendido pelo governo brasileiro, no valor de 50 milhes de dlares para fins militares, sob alegao do perigo de proliferao de armas nucleares, porque tanto Braslia como Bonn asseguram enfaticamente o carter pacfico do convnio. Ento, Geisel, no aceitando tal ameaa, adiantou-se rompendo o acordo militar com os Estados Unidos. H tambm a preocupao com o aproveitamento do potencial hidrulico. Foram construdas as usinas de Tucuru, no rio Tocantins, e de Itaipu, no rio Paran, a maior usina hidroeltrica do mundo.

39 A crise internacional do petrleo desencadeada em 1973 afeta o desenvolvimento industrial e aumenta o desemprego. Diante desse quadro, Geisel prope um projeto de abertura poltica "lenta, gradual e segura". Mas ainda cassa mandatos e direitos polticos. Devido ao expressivo crescimento das oposies nas eleies de 1974, promulga a Lei Falco, que impede o debate poltico nos meios de comunicao, em 24 de junho de 1976. O plano de abertura atribudo ao ministro-chefe do Gabinete Civil, general Golbery do Couto e Silva. Ainda deu prosseguimento aos programas da Revoluo em todos os aspectos do desenvolvimento do Brasil; incentivo e assistncia agricultura, na obteno de maior ndice de produtividade, aproveitamento e conservao do solo agrcola; desenvolvimento da construo naval atravs do II Programa de Construo Naval; intensificao da explorao do petrleo, coroada de xito com a descoberta de um lenol petrolfero em Garoupa, Campos, Estado do Rio de Janeiro, em fins de 1974. No plano econmico, coube-lhe enfrentar desde logo os efeitos da crise internacional do petrleo, tomando algumas medidas, como: Ao Brasil firmar, com companhias petrolferas internacionais, os chamados contratos de risco, que objetivam a localizao e explorao de novos poos petrolferos. Fechamento dos postos de abastecimentos de gasolina a partir das 23 horas, excetuando-se aos sbados, a partir das 19 horas. Aos domingos, s permitido funcionar os postos situados a mais de 20 km de qu alquer centro urbano. Limitao em 80 km/hora, da velocidade de veculos automotores.

Continuando com o plano econmico, aps as medidas tomadas pela crise do caf, ainda o impacto foi atenuado pelo aumento da receita em divisas, proveniente das exporta es de caf. Mas a poltica anti-inflacionria do governo no obteve os xitos esperados, o que se atribuiu a dificuldades da conjuntura internacional e a fatores climticos adversos, ocorridos no perodo. Constituiu motivo de preocupao o crescimento da dvida externa, que em princpio de 1979 ultrapassava 41 bilhes de dlares. A principal meta poltica do governo Geisel foi distenso poltica, caracterizada como lenta e gradual. Essa meta sofreu altos e baixos no processo de sua execuo, que atrav essou duas eleies nacionais, em 1974 e 1978. A crise formada em torno de um projeto de lei de reforma do poder judicirio, apresentado pelo executivo e rejeitado pelo Congresso Nacional, em 1977,

40 determinou o maior recuo poltico do perodo. Em 1 de abril de 1977, o presidente da Repblica, pelo ato complementar n 102, decretou o recesso do Congresso e a seguir baixou um conjunto de leis, no qual, alm de promulgar a reforma do judicirio segundo o projeto original, reduziu de dois teros a maioria simples o quorum do Congresso para aprovao de emendas constitucionais, efetivou a eleio indireta de governadores, estabeleceu a eleio indireta de um tero do Senado (esses senadores se tornariam conhecidos como binicos), fixou em seis anos o mandato presidencial, etc. O pacote de abril, como viria a ser chamado, no impediu, entretanto, que o MDB consolidasse suas posies e lograsse vantagens nas eleies de novembro de 1978, embora a maioria continuasse a ser da Arena. Em 20 de Janeiro de 1976, o general da linha dura, Eduardo d'Avila Mello afastado do comando do 2 Exrcito e substitudo pelo general Dilermando Gomes Monteiro. A medida tomada em conseqncia das mortes do jornalista Vladimir Herzog, em 25 de outubro de 1975, e do operrio Manuel Fiel Filho, em 17 de janeiro de 1976, no interior do DOI-Codi, rgo de represso vinculado ao Exrcito. Em 12 de outubro de 1977 exonerado o ministro do Exrcito, general Sylvio Frota, tambm da linha dura, por sua oposio a liberalizao do regime. Geisel desmancha assim, as articulaes do ex-ministro para concorrer a presidncia. Prevendo uma vitria da oposio nas eleies de 1978, Geisel fecha o congresso por duas semanas e decreta em abril de 77 o "Pacote de Abril", que altera as regras eleitora is: as bancadas estaduais da Cmara no podem ter mais do que 55 deputados ou menos que seis. Com isso os estados do Norte e Nordeste, menos populosos, mas controlados pela Arena, garantem uma boa representao no Congresso, contrabalanando as bancadas do Sul e Sudeste, onde a oposio mais expressiva e o nmero de eleitores muito superior. O pacote mantm as eleies indiretas para governadores e cria a figura do senador binico: um em cada trs senadores passa a ser eleito indiretamente pelas Assemb lias Legislativas de seus estados. Em 15 de outubro de 1978 o MDB apresenta seu candidato ao colgio eleitoral, o general Euler Bentes, que recebe 266 votos, contra 355 votos do candidato do governo, Joo Baptista Figueiredo. Nas eleies legislativas de 15 de novembro a Arena obtm em todo o pas 13,1 milhes de votos para o Senado e 15 milhes para a Cmara; o MDB tem 17 milhes de votos para o Senado e 14,8 milhes para a Cmara. Geisel consegue que a democratizao siga nos seus moldes com a eleio de Figueiredo, mas no impede o avano da oposio. Em resultado das reformas polticas aprovadas pelo Congresso, por proposta do executivo, deixaram de vigorar em 31 de dezembro de 1978 os mecanismos de exceo, em particular o Ato Institucional n 5, substitudos por salvaguardas incorporadas ao texto da

41 constituio, entre as quais o recurso decretao do estado de emergncia. Ao apresentar seu ministrio, em Braslia, em janeiro de 1979, o Gen. Figueiredo jurou fazer deste pas uma democracia. A promessa foi reiterada por Figueiredo ao reunir-se com os futuros 21 governadores - eleitos por via indireta, todos pertencentes ao partido situacionista.

Governo Figueiredo - Tomou posse em 15 de maro de 1979. Como vice-presidente assumiu o exgovernador de Minas Gerais, Aureliano Chaves de Mendona. A Lei da anistia foi aprovada pelo Congresso em 29 de agosto de 1979, (que comeou na segunda metade da dcada de 70 reunindo entidades do movimento estudantil e sindical, organizaes populares, OAB, ABI e a Igreja), e logo sancionada pelo presidente da Repblica. Essa vitria considerada parcial j que assim como a anistia perdoava os opositores do regime liberava os militares acusados de assassinatos e torturas. Em 22 de novembro aprovada a Lei Org nica dos Partidos, que extingue com a Arena e o MDB e restabelece o pluripartidarismo no pas. A partir da cresce o movimento para estabelecer eleies diretas para os cargos executivos. E em 13 de novembro de 1980 restabelecido eleio direta para go vernadores e tem fim os senadores binicos, respeitando os mandatos em curso, permitindo, ainda em 1979, volta dos exilados polticos, entre os quais Miguel Arraes, Luis Carlos Prestes e Leonel Brizola com criao de novos partidos. Neste quadro os aliados do regime militar fundem-se o Partido Democrtico Social (PDS) e o antigo MDB torna-se o Partido do Movimento Democrtico Brasileiro (PMDB). O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) ressurge e desde 1979 comeava a funcionar o Partido dos Trabalhadores (PT), liderado pelo lder dos metalrgicos Lus Incio Lula da Silva, que desde de 1978 liderava as mais importantes greves na regio do ABC, So Paulo. Mas o PT no reuniu apenas trabalhadores das fbricas paulistas, mas tambm grande parte do movimento sin dical rural e urbano, intelectuais, militantes eclesiais de base, setores da esquerda dentro do MDB e tambm grupos que saram da obscuridade. O PT registrado em 80, e no mesmo ano, Leonel Brizola funda o PDT, reunindo outra parte do movimento trabalhista. Com o tempo novas lideranas - principalmente trabalhistas comeam a surgir em todo o pas, o que ir gerar muitos desencontros com relao ao direcionamento do movimento sindical. A organizao -intersindical acontece entre 21 e 23 de

42 agosto de 1981, realizada a 1 Conferncia das Classes Trabalhistas em So Paulo, Praia Grande. Ali se formou a comisso pr-CUT (Central nica dos Trabalhadores), fundada dois anos depois. Com o objetivo de unir as vrias tendncias do movimento trabalhista, a CUT apre senta uma proposta de organizao sindical independente. Pela primeira vez consegue -se congregar trabalhadores do campo e da cidade. No entanto, por ser muito forte, os sindicatos dos metalrgicos fica de fora, privando a CUT de possuir um dos sindicatos mais expressivos da poca. No terreno econmico, o governo Figueiredo enfrentou grandes dificuldades, resultantes, sobretudo, dos problemas no balano de pagamentos em conseqncia da elevao dos preos internacionais do petrleo. Foram feitos esforos para atenuar essas dificuldades mediante o aumento das exportaes e a restrio s importaes. A descoberta de imensas reservas de minrio de ferro, mangans, ouro e outros minerais na serra de Carajs, Estado do Par, abriu uma perspectiva otimista a mdio prazo. Mas as dificuldades persistiram. Em 1981 o Produto Interno Bruto baixou 1,8% com relao a 1980; no ano seguinte aumentava apenas 0,9% e, em 1983, sofria uma diminuio de 3,5%. Configurou -se um quadro recessivo de suma gravidade. A inflao chegou aos trs dgitos, e em 1984, ultrapassaria os 200%. A dvida externa acumulada atingiu cerca de US$ 100 bilhes em 1984, colocando o Brasil na situao de maior devedor do mundo. No final do governo Figueiredo registravam-se alguns passos positivos no controle do problema da dvida externa. Sob o governo Figueiredo, o Brasil levou a cabo uma poltica de crescente identificao com as reivindicaes econmicas e polticas do Terceiro Mundo, no mbito das Naes Unidas e em outros foros internacionais. Manteve-se uma atitude de equilbrio em face do antagonismo entre as superpotncias, sem deixar de afirmar a integrao do pas no campo ocidental. Essa poltica foi nitidamente definida pelo presidente da Repblica em discurso pronunciado perante a Assemblia Geral da ONU, em setembro de 1982, Figueiredo criticou ali a poltica econmica das grandes potncias; pediu a liberalizao do comrcio pelos pases desenvolvidos, a reduo das tarifas aduaneiras e das elevadas taxas de juros cobrados aos pases deve dores. O quadro poltico Brasileiro sofreu considervel modificao em novembro de 1982, quando, juntamente com as eleies legislativas, houve a eleio dos governadores estaduais pelo voto direto. Apesar das medidas tomadas pelo governo federal - do tipo que se chamou casustico, entre as quais o voto vinculado (que obrigava o eleitor votar em todos os candidatos de um mesmo partido) - as oposies marcaram um grande avano. O PMDB, com o qual se integrara o PP, obteve uma vantagem de cerca de 5 milhes de votos sobre o PDS, embora

43 este, graas aos artifcios da legislao eleitoral, conseguisse eleger maior nmero de representantes no Congresso. O PMDB conquistou o governo de nove Estados e o PDT venceu no Rio de Janeiro, elegendo Leonel Brizola. O movimento nacional iniciado em 1984 em favor de eleies diretas para presidente da Repblica ganhou em 1985, uma fora surpreendente, transformando -se num acontecimento poltico de relevo histrico. Muitos milhes de pessoas foram s ruas e praas das princ ipais cidades do pas clamando pelas diretas j. Emenda constitucional nesse sentido (emenda Dante de Oliveira) foi, entretanto, derrotada na Cmara dos Deputados. O Executivo enviou ao Congresso outro projeto, que propunha a realizao de diretas para a eleio do sucessor de Figueiredo em 1989, mas divergncias no seio do PDS, onde o vice-presidente Aureliano Chaves j assumia uma posio de franca dissidncia, levara retirada dessa emenda. A dissidncia foi reforada com a participao do senador Jos Sarney, que se demitiu da presidncia do PDS, e de muitos outros polticos at ento situacionistas. O Partido da Frente Liberal (PFL), a seguir formado, aliou-se ao PMDB para a disputa da presidncia da Repblica por via indireta. O Colgio Eleitoral viu-se ento colocado no centro das atenes nacionais, j que pela primeira vez possibilitava um triunfo oposicionista, apesar dos sucessivos bices de tipo casusta neles introduzidos. Criado pela constituio de 1967, em seu art. 74, o colgio eleitoral

foi modificado pelas emendas constitucionais 8 e 22, respectivamente de 1977 e 1982. Em sua estrutura final, ficava constitudo pelos membros do Congresso Nacional (deputados e senadores) e mais 6 delegados por assemblia legislativa estadual, indicados pelo partido majoritrio (anteriormente o princpio adotado era o da proporcionalidade: um delegado por 500.000 e em seguida por 1 milho de eleitores). Com o crescimento da oposio, atravs da emenda constitucional de 4 de setembro em 1982, o governo tenta manter o controle da transio democrtica, promulgando o mandato dos vereadores e prefeitos e adiando por dois anos as eleies para a Cmara Federal e Senado, governos estaduais, prefeituras, assemblias estaduais e cmara de vereadores. Quatro dias antes das eleies, marcadas para 15 de novembro de 1982, o governo probe as coligaes partidrias e estabelece a vinculao de voto - o eleitor s poderia votar em candidatos do mesmo partido. Nas eleies para governadores, as oposies somadas obtm 25 milhes de votos. O PMDB elege 9 governadores e o PDT um. O PDS obtm 18 milhes de votos elegendo 12 governadores. Embora perdendo em nmero de votos, o regime mantm o controle do processo de democratizao e articula a sucesso de Figueiredo que ocorreria em novembro de 1984. J em

44 novembro de 1983 o PT inicia a disputa presidencial, em 27 de novembro rene cerca de 10 mil pessoas em So Paulo e em vrias outras cidades o movimento de presso no Congresso para aprovao da emenda do Deputado Dante de Oliveira, que recebeu seu nome, estabelecendo as eleies diretas para presidente. As maiores manifestaes ocorreram em So Paulo, que em 12 de fevereiro de 1984 rene 200 mil pessoas e no Rio de janeiro, onde realizaram duas grandes manifestaes, a prime ira em 21 de maro com 300 mil e a segunda com 1 milho de pessoas. O movimento se espalhou por todo pas. Porto Alegre foi s ruas em 13 de abril com 150 mil manifestantes e Vitria, em 18 de Abril, com 80 mil. So Paulo um dia antes j havia feito nova manifestao com 1,7 milhes de pessoas. O movimento fica conhecido como Diretas -j e tem em Ulysses Guimares seu mais popular defensor, que apesar de ter apoiado o golpe de 64 tornou -se mais tarde seu opositor. Por sua defesa das eleies diretas, Ulysses ficou conhecido como o "Senhor Diretas" A emenda Dante de Oliveira vai a plenrio no dia 25 de abri, 298 deputados votam a favor, 65 contra e trs se abstm, sendo que 112 parlamentares no comparecem para votar. Seriam necessrios mais 22 votos para sua aprovao emenda. Com essa derrota inicia-se a corrida para a disputa das eleies indiretas. O governador de Minas Gerais Tancredo Neves, lana candidato da oposio e encontra em Ulysses Guimares grande apoio. O PDS lana Paulo Maluf como candidato do governo, mas divergncias fazem com que parte do PDS aproxime-se do PMDB. D unio nasce a Aliana Democrtica. Nela encontra-se Jos Sarney que rompido com o PDS filia-se ao PMDB e indicado para concorrer com Tancredo como vice-presidente. O PT acusa as eleies indiretas de serem uma farsa e recusa-se a participar.

FIM DA DITADURA MILITAR

Governo Sarney - Em 15 de janeiro de 1985 foi eleita a chapa de coligao PMDB-PFL, denominada Aliana Democrtica Em 19 de janeiro de 1985, Tancredo Neves, para a

presidncia e Jos Sarney, para a vice-presidncia da Repblica. Apesar de indireta, a eleio de

45 Tancredo recebida com entusiasmo pela maioria dos brasileiros. Tancredo no chega a assumir a Presidncia. Na vspera da posse, 14 de maro, internado no Hospital de Base, em Braslia, com fortes dores abdominais e Jos Sarney toma seu lugar interinamente no dia seguinte, em 15 de maro de 1985. Depois de sete cirurgias, morre em 21 de Abril, aos 75 anos de idade, com infeco generalizada. Em 22 de Abril, Sarney investido oficialmente no cargo. Governa at 1990, um ano a mais que o previsto na carta-compromisso da Aliana Democrtica, pela qual chegou ao poder. Jos Sarney assumiu a presidncia inaugurando a Nova Repblica, como a chamara Tancredo Neves, e empossando o ministrio por este escolhido, fruto de um compromisso com as foras armadas para assegurar uma transio pacfica. Extinguiu o colgio eleitoral e restabeleceu a eleio direta para a presidncia da Repblica. Em junho o Congresso apro vou a emenda constitucional que convocava a Assemblia Nacional Constituinte. O sistema partidrio foi reestruturado, incluindo numerosas legendas, entre as quais partidos de esquerda at ento proscritos. Nas eleies municipais de 15 de novembro de 1985 o PMDB venceu em 16 das 23 capitais. O governo Sarney beneficiou-se a princpio de um sensvel reaquecimento da economia. Em 1985 o PIB cresceu 8%, a taxa de desemprego caiu e registrou -se um supervit de US$ 12 bilhes na balana comercial. Em agosto, a substituio do ministro da Fazenda, Francisco Dorneles, pelo empresrio Dilson Funaro, iniciou nova orientao econmica, fora dos moldes preconizados pelo Fundo Monetrio Internacional (FMI) e com nfase no crescimento. A inflao, porm, continuava a subir e ultrapassou 16% ao ms em fevereiro de 1986. No final do ms, o governo lanou ento o Plano de Estabilizao Econmica, logo conhecido como Plano Cruzado em razo da nova moeda que substitua o Cruzeiro. O plano congelou os preos, conteve a inflao e desestimulou a especulao financeira. Contou com grande apoio da populao, elevando a popularidade do presidente da Repblica a nveis inditos. Assim, nas eleies de 15 de novembro de 1986 o PMDB fez 22 dos 23 governadores e a maioria da Assemblia Nacional Constituinte. Menos de uma semana depois, novo pacote econmico, popularmente denominado Cruzado 2, autorizou aumentos de preos de bens de consumo e tarifas de servios pblicos, numa tentativa de conter a acelerao da demanda. A inflao recrudesceu e a economia, at ento em franco crescimento, veio a dar sinais de recesso. Atribuindo dvida externa as dificuldades econmico-financeiras do pas, o governo suspendeu, em fevereiro de 1987, o pagamento dos juros aos bancos privados estrang eiros, posio de que posteriormente recuou. A NOVA ORDEM CONSTITUCIONAL

46 Luta no campo - como no Brasil, desde o perodo colonial, uma pequena minoria de grandes proprietrios concentra em suas mos boa parte das terras. Por outro lado, os trabalhadores rurais eram, tradicionalmente, os menos protegidos pelas leis e submetidos s injustias de todo tipo por parte dos proprietrios rurais. Alm, claro de receberem as mais baixas remuneraes. Por essa razo, a necessidade de uma reforma agrria foi sempre colocada como uma soluo bvia para corrigir as injustias do campo. No entanto, ela esbarrou permanentemente na resistncia dos grandes proprietrios. Essa velha questo fundiria veio novamente tona nos anos 80 e ganhou uma forma violenta em todo norte, nordeste e no Rio Grande do Sul. A luta desses trabalhadores era apoiada pelo PT e pela CPT (Comisso Pastoral da Terra), entidade ligada a Igreja Catlica. Em defesa da propriedade rural contra o movimento dos sem-terra, foi criada uma organizao ultraconservadora - a Unio Democrtica Ruralista (UDR) - presidida por Ronaldo Calado, que esteve muito ativa at a constituinte, entrando depois em declnio. Os metalrgicos de Volta Redonda eram reprimidos por pedirem melhores condies. Com salrios corrodos pela inflao, em 1988 os protestos se multiplicavam e mais de um milho de trabalhadores lanou mo da greve. O crescimento da criminalidade, enquanto os trabalhadores eram assassinados e reprimidos, os grandes empresrios tornaram-se vtimas de seqestros. Criava-se a indstria do seqestro, que escolheu com alvo predileto os ricos empresrios. As audaciosas aes que desafiam a classe ligada ao poderoso mundo dos negcios, do a medida do poder e da organizao do mundo do crime, que cresceu sombra da misria de grande parte da populao e da indiferena das ilustres vtimas da nova modalidade criminosa.

Reformulao e a Constituio de 1988 - as foras polticas em confronto. Em novembro de 1986, ano do lanamento do Plano Cruzado, ocorreram - como vimos - as eleies para renovao da Cmara dos Deputados e de dois teros do Senado, com a vitria estrondosa do PMDB. Os deputados e senadores eleitos tinham uma tarefa importante: redigir uma nova Constituio, em substituio da outorgada em 1967. Entre tantos conflitos da Constituinte para se formar os parlamentares, as discusses sobre os regimes presidencialistas versus parlamentaristas, a presso dos militares, embora afastados do centro do poder, continuavam suficientes poderosos para criao do Ministrio da Defesa que unificaria as trs foras armadas que poderiam intervir para manter a ordem social, desde que isso fosse solicitado por qualquer um dos trs poderes constitudos.

47 A 1 de maro de 1987, instalada a Assemblia Constituinte, o debate poltico passou a girar em torno da prpria organizao bsica da sociedade brasileira. A batalha travada entre os partidrios do parlamentarismo e os adeptos de presidencialismo terminou a 22 de maro de 1988, quando, por 304 votos contra 223, os constituintes aprovaram o presidencialismo. Mas segundo o Ato das Disposies Transitrias (art. 2), em 07 de setembro de 1993 o eleitorado definiria, atravs de plebiscito, a forma (repblica ou monarquia constitucional) e o sistema de governo (parlamentarismo ou presidencialismo) a vigorarem no pas. Finalmente, em 05 de outubro de 1988 foi promulgada a nova constituio, embora muito criticada por entrar em questes prprias da lei ordinria. Alm de manter institutos tradicionais, como o do habeas-corpus, criou o habeasdata (que garante o acesso do cidado a arquivos onde existam dados a seu respeito) e instituiu numerosos direitos sociais novos, como inclusive o chamado direitos humanos, que tambm d direito a marginal. A Constituio de 1988 consagrou as liberdades tradicionais com o fim da censura previa e condenou a tortura. Nos captulos dos direitos trabalhistas, a Carta Constitucional estabeleceu a jornada semanal de 44 horas, liberdade sindical, amplo direito de greve e proibio da d iscriminao de cor, sexo, idade e estado civil pelas empresas. A fim de dificultar a demisso arbitrria, estabeleceu o pagamento de 40% sobre o ltimo salrio no caso de desligamento sem justa causa. No entanto, no isso que vemos, pois todos sabem, q ue a cor e a idade ainda pesam muito nas empresas privadas, pois existe racismo mesmo, empresrios no respeitam a constituio e nada acontece, fruto da democracia. Nessa democracia veio logo a desmoralizao do governo Sarney. Depois de desfrutar grande popularidade devido ao Plano Cruzado, o presidente Sarney terminou o seu governo melancolicamente. A sua popularidade despencou a partir do Cruzado II, de novembro de 1986. em meados de 1987, o nibus que o transportava foi apedrejado no Rio de Janeiro e, em seu estado natal - Maranho, foi vaiado pela populao. So episdios que mostram com eloquncia o ndice de popularidade que o presidente ostentava no final de seu governo. De fato, a sua imagem se deteriorou ainda mais devido ao seu emprenho pessoal em conseguir os cinco anos de mandato, enquanto denncias de corrupo em seu governo se avolumavam. CPI (Comisso Parlamentar de Inqurito), foi instituda, em maro de 1988 para apurar as denncias, cujo alvo principal era Anibal Teixeira, ento ministro do Planejamento. Este foi substitudo, em janeiro de 1989, por Joo Batista de Abreu. Na CPI, chegou -se a propor o

48 impeachment de Sarney, proposta que, no entanto, acabou sendo arquivada, como foi arquivado tambm o escndalo das pedras preciosas etc. Os planos econmicos - nos meses finais do governo Sarney, o pas apresentava um quadro dramtico, prximo da hiperinflao. O dficit pblico j era grande e aumentava ainda mais. Estimava-se no final de 1989 que, descontada a inflao do perodo, o dficit ultrapassava em 20% o do ano anterior. As tarifas das empresas pblicas estavam defasadas, mas no podiam ser o risco de alimentar a inflao, desorganizando ainda mais o sistema produtivo nacional. Numa das ltimas tentativas de pr um pouco de ordem no caos, Sarney elevou os juros com o objeto de atrair os investidores para o financiamento das dvidas pblicas e aumentar suas receitas, tentando impedir que os capitais fugissem para o ouro e para os dlares do mercado negro. Visava tambm a formao de estoques reguladores com os produtos de consumo popular, mas acabou provando desabastecimento, uma vez que as mercadorias desapareceram dos supermercados. Pretendia, com a elevao dos juros, evitar que os capitais deixassem o pas, em busca de mercados mais seguros, pois corriam boatos de que o novo governo suspenderia o pagamento de suas dvidas. Mesmo com os juros elevados, muitos capitais escorregaram para a especulao com o dlar no mercado negro e com o outro, elevando assustadoramente suas cotaes . Os investidores estavam nervosos e desorientados. O ano de 1989 foi dominado pelo agravamento dos problemas econmicos, e pela primeira eleio presidencial direta em 29 anos. Na rea econmica, a estagnao j patenteada em 1988, quando o PIB caiu 0,3% (depois de um pequeno aumento de 2,9% em 1987), combinou -se com uma crescente espiral inflacionria. Em janeiro o governo lanou um novo pacote antiinflacionrio, o Plano Vero, que instituiu uma nova unidade monetria, o cruzado novo, equivalente a mil dos antigos. De incio a inflao caiu, porm logo reacendeu, sobretudo depois de abril, quando foram feitos ajustes no plano, como a volta da indexao monetria e das minidesvalorizaes cambiais. No segundo semestre havia quem temesse uma hiperinflao, principalmente no fim do ano, quando a taxa mensal foi alm de 50%. Ao mesmo tempo, o deficit do setor pblico girava em torno de 6,5%, em vez dos 2% acertados com o Fundo Monetrio Internacional.

NOVA DEMOCRACIA ELEIO PARA PRESIDENTE Uma importante inovao estabelecida pela Constituio de 1988 foi a eleio de dois turnos para os cargos majoritrios (prefeitos, governadores, presidente e respectivos vices).

49 A eleio em dois turnos objetiva fazer com que o eleito some sempre a maioria absoluta (metade mais) dos votos. Se esse resultado no for obtido por qualquer um dos candidatos no primeiro turno, os dois primeiros colocados disputam o segundo, evitando -se, assim, como ocorreu muitas vezes no passado, que o chefe do poder executivo (municipal, estadual ou federal) chegue a esse posto contando apenas com os votos de uma parcela minoritria do eleitorado. A eleio presidencial de 1989 foi a primeira a ser disputada em dois turnos, por fora da constituio de 1988, que exige maioria absoluta de votos, no computados os nulos e brancos. Entre os 21 candidatos, despontou como favorito, j no primeiro semestre, o ex-governador de Alagoas, Fernando Collor de Melo, que se candidatou pelo novo Partido de Reconstruo Nacional. No primeiro turno, em 15 de novembro de 1989, Collor de Melo recebeu 20.611.011 votos (28,52%), superando Lus Incio Lula da Silva, da Frente Brasil Popular: PT-PSB-PC do B (16,08%). Leonel Brizola do PDT (15,45%), Mrio Covas, do PSDB (10,78%) e Paulo Salim Maluf, do PDS (8,28%). No segundo turno, 17 de dezembro de 1989, Collor se elegeu com 35.089.998 votos contra 31.076.364 dados a Lula.

Governo Collor - Fernando Afonso Collor de Mello, empossado em 15 de maro de 1990, assumiu o governo com grande apoio e fora militar. Depois de quase trinta anos, era o primeiro presidente eleito por voto direto, objeto de grande popularidade e depositrio da esperana da maior parte da populao brasileira. O povo estava embevecido pela juventude do presidente e por sua determinao em reformar o pas, como prometera na campanha. Divulgava-se que Collor no era um poltico profissional, com os vcios e comprometimentos que essa posio implicaria. O ministrio de Collor no apresentou figuras de grande projeo poltica que pudessem ofuscar o brilho do presidente. Sua equipe incluiu muitos integrantes de Frente Liberal. O Ozires Silva, um ex-militar que havia feito carreira na direo de empresas pblicas como a Embraer e a Petrobrs, dirigia o influente Ministrio da Infra-Estrutura. Esse novo ministrio, englobava vrios outros e controlava centenas de empresas estatais. Os ministrios do Planejamento e da Fazenda foram unificados no poderoso Ministrio da Economia. Para ocupar os postos -chave do novo rgo, Collor trouxe economistas que eram jovens professores da Universidade Estadual de

50 Campinas, que no tinham qualquer expresso poltico -econmica. Outros haviam participado da elaborao do Plano Cruzado, do ministro Dlson Funaro, ou apoiaram a aplicao da medida. Para o Ministrio da Economia foi escolhida a professora Zlia Cardoso de Mello, da Universidade de So Paulo, que havia trabalhado no terceiro escalo do ministro Funaro, poca em que conheceu Fernando Collor, ento governador de Alagoas e a quem ficou muito ligada. O Ministrio do Trabalho foi ocupado por Antnio Rogrio Magri, um lder sindical paulista do chamado sindicalismo de resultados, ou seja, o sindicalismo limitado conquista de benefcios trabalhistas. A equipe econmica do governo recm-eleito j trabalhava, mas no deixava vazar nenhuma informao. Havia boatos de que o novo governo congelaria os investimentos em todos os ttulos, mas respeitaria as cadernetas de poupana e as contas correntes. Grandes somas foram ento retiradas de aplicaes finan ceiras mais rentveis e transferidas para cadernetas de poupana e contas correntes. No entanto, isso no fora respeitado por parte do governo eleito, no dia seguinte ao da posse, em cerimnia tambm transmitida pelas TVs, Collor baixou um pacote de medidas econmicas, financeiras e administrativas composto por 23 medidas provisrias, ao qual o governo chamou de Plano Brasil Novo, mais conhecido como Plano Collor ou Plano Cruzeiro. Os seus objetivos declarados foram o combate inflao, o enxugamento da mquina estatal administrativa e a eliminao do dficit pblico como condies para a retomada do desenvolvimento da economia. Os eixos bsicos do Plano foram os seguintes: Reforma monetria, com a substituio do cruzado novo pelo cruzeiro, sem alterao do valor; Reteno por 18 meses de valores estipulados pelo governo, em cruzados novos, de pessoas fsicas e jurdicas (empresas), das contas correntes e cadernetas de poupana e das contas de over e fundos de curto prazo. Os poupadores e correntistas estariam autorizados a retirar, nos bancos, no mximo Cr$ 50 mil. Quanto aos depsitos em contas remuneradas de curto prazo, era permitido o saque de 20% sobre o total depositado, desde que no ultrapasse Cr$25 mil. Congelamento parcial e controlado dos preos, que deveriam ser praticados nos nveis em que estavam no dia 12 de maro (o plano foi antecedido, porm, por aumento dos combustveis e tarifas de luz, telefone e correios);

51 Fechamento de empresas estatais (com demisso ou colocao em disponibilidade dos seus funcionrios) como incio de um processo de privatizao da economia; Abertura para o capital estrangeiro, eliminado-se entraves para a importao de bens de consumo; Conteno de gastos, visando eliminar o dficit pblico, suprimindo -se despesas governamentais e colocando-se venda; imveis e veculos at ento usados por funcionrios e reparties federais. Vale ressaltar que o Plano Collor no contemplou a questo da dvida externa, deixando para negoci-la depois de obter os resultados esperados com a aplicao das medidas econmicas no plano interno. O Plano Collor instaurou uma grande confuso na vida econmica do pas Trs ordens de questes afloraram: a necessidade de aes anti-inflacionrias (era preciso evitar a hiperinflao); a forma autoritria da sua proposio e execuo (medidas provisrias usadas como se fossem decretos -leis). No foi, porm, o plano econmico que definiu o governo Collor.

O Plano Collor II - o efeito do choque, contudo foi superficial. Embora tenha baixado a inflao de 84,3%, em maro, para 7,87%, em maio, j em dezembro de 1990 ela retornou casa dos 18,3%. Por isso, em fevereiro de 1991, um novo choque foi desencadeado: com outro congelamento de preos e salrios e prefixao dos juros. O Plano Collor II tambm se mostrou um pouco ineficiente, mas era melhor do que o do governo anterior. A essa altura, a Ministra Zlia Cardoso de Mello, cuja credibilidade frente da Economia estava em jogo, principalmente porque os americanos no estavam gostando porqu e ela disse: que devia no negaria mas que pagaria as dvidas ao FMI quando pudesse, ento o Collor foi muito pressionado, substituindo-a em maio de 1991, pelo diplomata Marcilio Marques Moreira.

Um toque neoliberal - Collor assumiu a presidncia no momento em que o neoliberalismo parecia ter triunfado no cenrio mundial e adotou o seu figurino. Comeou extinguindo 24 rgos e empresas estatais, entre os quais o Instituto Brasileiro do Caf (IBC), o Instituto do Acar e do lcool (IAA), a Sidebrs, a Portobrs. Realizou leiles de carros oficiais, colocou imveis residenciais da Unio venda, afastou funcionrios pblicos, colocando -os em disponibilidade, e ps em prtica um programa de privatizao de empresas estatais. No teve tempo de concluir o

52 seu trabalho; no meio de seu mandato, as convenientes denncias de corrupo acabaram por afast-lo.

Denncias convenientes - com seu autoritarismo, imaturidade, confiana demasiada em seu ministrio e em seu ex-tesoureiro, Collor pecou, achando que como fora eleito pelo povo e estava ganhando prestgio no exterior, haja visto que foi o nico Presidente que conseguiu colocar na Rio 92, mais de 120 chefes de estados (Presidentes de outros pases) e representantes. Causando assim muito inveja por ser o Presidente mais novo que o Brasil j teve, foi alvo de muitas crticas pelos partidos opositores e tambm pelo povo, no somente porque bloqueou as cadernetas como as contas em cruzado mas tambm porque todos achavam que s ele roubava, no deixando assim as famosas minorias, empresrios e elites entrarem na boquinha inclusive seu irmo. Por causa disto, seu irmo o denunciava estupidamente e os que no conseguiam roubar, aproveitaram ento para o derrubarem, o escndalo estava armado, vtima de um grande golpe e de uma fatalidade incrvel pois as coisas boas ningum divulgava, como por exemplo: construo da Escola pblica (modelo) em Braslia, construo da Linha Vermelha no Rio, despoluio da Baa da Guanabara tambm no Rio, a inflao estava em torno de 19%, mas as cadernetas rendiam de 20 a 25%, fazendo assim o poder de compra ser mais prximo da realidade, o pobre no teve nada bloqueado ele era presidente dos pobres como havia prometido em sua eleio e no do ricos, e isso incomodava os ricos, as minorias, as elites, etc. Em uma entrevista coletiva na Televiso em 1991, como sempre o fazia de seis em seis meses dando satisfao de seu governo ao povo, perguntaram o que seria feito para controlar a inflao j que seus planos, no deram muito certo, ele respondeu a Reprter da Rede Globo, que no ano de 1993 j seria um ano bem melhor porque sairia medidas cabveis que o povo aceitaria e ento em 1994, viria uma nova moeda que estabilizaria a situao do pas, tudo no devido tempo, porque seu ministrio e a equipe econmica estaria estudando um plano bem melhor que tinha certeza que daria certo, ento a Reprter disse: - cabe-nos ento, de pularmos dois anos e ao invs de desejarmos Feliz 1992, desejaremos Feliz 1994? Ele respondeu: - Com certeza, Feliz 1994! acabando assim a sua entrevista coletiva. Mas quando perceberam que ele ganhava popularidade no exterior, e alguns membros de sua equipe econmica ainda eram desconhecidos politicamente para o povo, como o prprio Fernando Henrique Cardoso, seria demais Collor levar todas as honras. Ento arrumaram um jeitinho, de seu irmo (j indignado com sua me, por no dar a ele um cargo ou uma boquinha para roubar tambm), Pedro Collor resolveu denunci -lo, ser que no levou nada pelo escndalo que ele armou? Quem sabe?

53 A dupla que comandava toda a rede de corrupo era formada mesmo, segundo se supe, por Collor e PC Farias, nada de concreto. A princpio, embora ningum desconhecesse a atuao desenvolta de PC, em nome de Collor pelo meandros do poder, a resignada aceitao do fato pela sociedade refletia apenas a tradio de impunidade que reinava em casos semelhantes. Essa atitude perdurou, entretanto, at a publicao de uma explosiva entrevista de Pedro Collor, na revista Veja, em maio de 1992, na qual denunciou o envolvimento do ex-tesoureiro de campanha e o presidente em atos de corrupo. As denncias de Pedro Collor tinham a sua origem, conforme noticiou a imprensa, numa disputa familiar, mencionada acima. PC Farias, sob as ordens do presidente, anunciava o lanamento do jornal Tribuna de Alagoas, em concorrncia direta com a Gazeta de Alagoas, pertencente famlia Collor e dirigida, justamente, por Pedro Collor. As denncias foram feitas, aparentemente, para inviabilizar o empreendimento rival. Ento comearam as acusaes, lembrando fatos como a primeira dor de cabea quando ocorreu em 1990, o Presidente da Petrobrs, Motta Veiga, se demitiu denunciando a presso feita por Paulo Csar Farias (PC) e pelo cunhado do presidente , Marcos Coimbra, para a liberao de um emprstimo vultoso Vasp, companhia area recm-privatizada, adquirida pelo empresrio Wagner Canhedo. Outros escndalos ainda viriam, envolvendo, inclusive, a primeira dama, Rosane Collor, que, frente da administrao da Legio Bras ileira de Assistncia (LBA), foi acusada de distribuir vultosas verbas a amigos e parentes residentes em Canpi, Alagoas, mas nada foi provado. A repercusso das denncias no deixou alternativa aos parlamentares seno criar um CPI para a apurao do caso. Esse fato, ao que parece, no assustou os envolvidos. A opinio do ministro Bornhausen refletia o ceticismo geral: No vai dar em nada, disse. E, de fato, esse sentimento parecia se confirmar pela falta de provas consistentes. Isso durou at a entrada em cena o motorista Eriberto Freire Frana, que deve ter levado algum trocadinho para dar uma entrevista revista Isto , ele confirmou as denncias, ao contrrio do que alegava o presidente, a sua relao com PC continuava ativa e muito estreita, pois Eriberto revelou que todas as contas pessoais e familiares de Collor eram pagas pelo ex-tesoureiro de campanha. Da para frente, com a quebra do sigilo bancrio, a CPI foi desvendando, passo a passo, a suposta teia de corrupo encabeada pelo esquema Collo r-PC. Por qu tanta credibilidade em um simples motorista? Quantas provas ser que no foram forjadas, para que as denncias no fossem convenientes a outros esquemas que no compactuavam com o esquema PC?

54 Pois todos os tipos de defesa que o Collor, por mais que tentasse colocar, no adiantava pois no interessava mais a Cmara dos Deputados, que Collor se mantivesse no poder, ento a famosa mdia de comunicao, que o colocou no governo, tambm o derrubou. Na medida em que as irregularidades (autnticas falcatruas, como se diz popularmente) iam sendo reveladas, o governo tentava inocentar-se e buscar apoio junto populao. Uma das tentativas mais desastrosas, nesse sentido, ocorreu quando Collor, em um ato de entrega de carros financiados a taxistas, conclamou a populao para que comparecesse s ruas, vestida de verde e amarelo, no dias 16 de agosto, domingo, em sinal de apoio a solidariedade ao governo. A populao, principalmente os jovens os que no votaram nele e os Petistas (Partido PT), atenderam ao chamado presidencial: saiu s ruas.... vestida de preto, luto em sinal de protesto pelo que vinha acontecendo ao pas, exigindo a sada de Collor do governo e a punio de todos os implicados nos supostos crimes que a CPI vinha apurando. A reao da opinio pblica, particularmente da juventude, juventude essa to politizada, que saia s ruas, no s saiu de preto como em tons baderneiros, levando at crianas com caras pintadas, como se elas entendessem tudo que estavam acontecendo, pedindo o impeachment, criou enfim o clima propcio para a derrubada de Collor, o to esperado pelos seus inimigos aqueles que vislumbravam o seu cargo. O relatrio da CPI responsabilizando o presidente foi aprovado em 26 de setembro de 1992. Em seguida, foi apresentado o pedido de impeachment assinado pelos presidentes da Associao Brasileira de Imprensa (ABI) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por que estes rgos, que so to honestos e competentes que fosse como se no existisse nenhum advogado corrupto no Bra sil, nem os de porta de cadeia. Com base nesse pedido, que era uma formalidade legal, os parlamentares abririam o processo contra o presidente. Na verdade, muita coisa ficou obscura depois dos trabalhos da CPI, apesar da grande quantidade de documentos reunidos. No ficou esclarecida, por exemplo, a questo da participao dos empresrios (sobretudo donos de grandes construtoras) que pagavam a PC pela concesso de vantagens junto ao governo. Ou seja, foi detectada a corrupo e foram identificados os corrompidos, mas pouco se soube sobre os corruptores, que quem sabem no estariam envolvidos com outros corruptos que estavam na CPI? Seno teria que ser feito CPI da CPI, da CPI e etc., porque para efeitos polticos, a questo mais importante era a do envolvimento ou no do prprio presidente nas operaes ilcitas, quer como beneficirio delas quer como autor. No interessava se os que julgavam tambm eram corruptos, pois eles que queriam o poder.

55 A partir da a sociedade brasileira realizou uma das maiores campanhas cvico-polticas da sua histria, tendo como lema falsa A tica na poltica, todos os setores organizados da sociedade integravam a campanha pelo impeachment de Collor e o julgamento dos implicados nos escndalos apurados pela CPI. No dia 29 de setembro de 1992, numa sesso histrica, transmitida pelas emissoras de rdio e televiso para todo o pas, a Cmara votou a aceitabilidade do pedido de impeachment. Com mais uma inconstitucionalidade, o voto aberto, pois todos sabem que todo e qualquer vot o tem que ser secreto. Pois interessava para alguns corruptos como Ibsen Pinheiro que fora o Presidente daquela sesso, mais tarde acusado tambm de corrupo, ora como tantos corruptos podiam julgar um corrupto, a tal histria quem tiver menos pecado do que o presidente atire a primeira pedra e todos atiraram como se todos eles fosse um exemplo de honestidade, incrvel foi o maior golpe poltico da histria do Brasil, que eu j presenciei. No dia 2 de outubro de 1992, Collor recebia a notificao que o afastava do cargo por 90 dias, assumia interinamente o vice Itamar Franco, at a concluso do processo, tudo feito as escondidas e sendo trado pelo seu prprio correligionrio de partido. Porque em nenhum momento se manifestou em solidariedade ao presidente, tambm no convinha a ele. Nesse perodo o Senado deveria proceder ao julgamento do mrito da questo. No final do ano esse julgamento foi feito e teve como resultado o reconhecimento do crime de responsabilidade cometido pelo presidente, mesmo assim no o afastara definitivamente, o que afastou foi sua prpria renncia em 29 de dezembro de 1992, como teve tambm a cassao do direito de concorrer a qualquer cargo eletivo por oito anos. Porque ao meu ver, Collor poderia provar sua inocncia e voltar sendo assim uma ameaa aos novos corruptos que viriam mais tarde. Ele foi julgado dois anos depois do seu impeachment e nada foi encontrado e nem provado contra ele, nem mesmo meio milho de tonelada de papel como divulgavam os jornais e a televiso. Foi provado sim a traio e m f de PC Farias e outros, pois quando este estava para depor divulgando finalmente a verdade dos fatos, talvez mostrasse outros corruptos do atual governo, mas apareceu morto junto com a sua namorada, pois est claro que foi queima de arquivo, como dizem os bandidos de baixo escalo, mas, e esses so bandidos de alto escalo? Para alguns historiadores o Impeachment do Collor foi um dos grandes avanos do povo brasileiro no difcil caminho para a democracia, no meu entender foi u ma Covardia, pois a Covardia surda e cega, s ouve e v o que convm, foi um golpe, no que o Collor no fosse corrupto, mas s ele? Cad o resto?

56

Governo Itamar - Itamar Franco, vice-presidente, assumiu interinamente a presidncia com o afastamento de Collor, em outubro, e se efetivou no cargo, em 29 de dezembro de 1992, com a renncia do titular. O novo presidente chegou ao poder em condies excepcionais. Com amplo apoio poltico, marcou a sua presena com estilo que contrastou com o exibicionis mo collorido. A sua imagem a do homem comum. Embora os graves problemas sociais e econmicos continuassem exigir providncias, o grande debate poltico dava-se em torno da definio das futuras candidaturas para presidente da repblica. As cobranas de cargos por aqueles que certamente votariam a favor de Collor, mas se corrompeu por trocas de favores, pois no dia seguinte de posse as cobranas eram muitos grandes, foi um verdadeiro show para o pblico brasileiro, atravs dos meios de comunicao, principalmente a televiso, mesmo assim o povo no achou nada demais. Em fevereiro de 1993, sua poltica econmica, mesmo sem definio, Itamar deixou claro que era contrrio recesso e prtica dos juros altos que caracterizaram a poltica adotada por Marclio Marques Moreira. O governo Itamar ganhou feio prpria a partir de maio de 1993, com a indicao de Fernando Henrique Cardoso para o Ministrio da Fazenda. O novo ministro ocupava, at ento, o Ministrio das Relaes Exteriores, mas tambm dava alguns palpites na equipe econmica de Collor. A atuao de Fernando Henrique no Ministrio da Fazenda, no entanto, acabou por dinamizar o governo, de modo a conferir-lhe prestgio, sobretudo junto s elites, e popularidade junto ao povo, para isso o golpe contra Collor, havia sido dado. A culminncia da atuao do Ministrio da Fazenda deu -se com a implantao de um novo plano econmico: o Plano Real. Mais uma vez o combate inflao se tornou o eixo da ao governamental. Tratava -se de um conjunto de medidas que deveriam, paulatinamente, recuperar a moeda e promover a estabilizao da economia. O dinheiro brasileiro foi, foi outra vez, mudado; primeiro - para cruzeiro real e depois para real, uma moeda aparentemente forte em relao ao dlar. A mudana do dinheiro foi acompanhada de outras providncias que, no conjunto, tinham por meta

57 enquadrar a economia brasileira no mercado internacional, de acordo com o atual modelo de capitalismo, genericamente chamado de neoliberal. No entanto, dizem que foi sem choques para a populao, mas o que eu pude perceber foi que os ordenados depois que foram transformados para real perdeu seu poder de compra e ficou defasado entre 100% a 150%, foi uma outra maneira de tirar do povo sem que ele percebesse, pois s alguns lderes sindicais que perceberam isto, tanto que veio greve para os trabalhadores metalrgicos, reivindicando melhores salrios. A prova disto foi que o ordenado se transformaria de cruzeiro para cruzeiro real da seguinte forma: - os ordenados seriam divididos pelos dois ltimos meses de 1993 (novembro e dezembro), pelos dois primeiros meses de 1994 (janeiro e fevereiro) pela cotao do dlar do meses correspondentes, depois seriam somados e divididos por 4 (quatro) que seria a mdia, o valor correspondente seria o ordenado em cruzeiro real, para mais tarde ser real. Quando em 1 de julho de 1994 que finalmente teve-se a nova moeda o Real, o ordenado estava defasado pois, 1 (um) real do trabalhador, valia a mdia de oitos meses anteriores ou seja no pass ava de 550 cruzeiros reais, mas 1 (um) real nesta data tinha outro valor que era o de 2.750 cruzeiros reais, pois a inflao foi galaponte naqueles meses fazendo assim o trabalhador ter perdido seu poder de compra. Pois esse era o plano para a estabilizao - o povo sem poder de compra. Empresrios, comerciantes etc, seriam obrigados a diminurem os preos para que o povo pudesse comprar, e sem perigo de aumento de inflao. Com isto o Plano Real teve, obviamente, opositores. A oposio veio, sobretudo, d os setores de esquerda, contrrios ao neoliberalismo. Os crticos da poltica neoliberal reconhecemna como um processo de subordinao da economia nacional aos grupos multinacionais estrangeiros e, por extenso, como uma forma de submisso completa do tra balho (e do trabalhador) aos interesses do capital. No entanto, o Plano Real funcionou. A inflao foi controlada registrando ndices muitos baixos, mesmo sem choques, mas com o sacrifcio da populao, com perdas salariais, com recesso, com alto nvel de desemprego e sem conseguir promover a prometida recuperao do salrio mnimo. Intuindo o sucesso do plano, mesmo com todos os fatores acima descritos, o povo tambm se iludia que o plano era um sucesso. O PSDB (Partido da Social-Democracia Brasileira), ao qual pertence Fernando Henrique, pressionou (para o povo pois na inteno j tinha desde o governo do Collor), o ministro a se lanar como candidato presidncia da Repblica. Aliando -se ao PFL (Partido da Frente Liberal) - partido conservador - a candidatura de Fernando Henrique. Tendo como seu adversrio mais eficiente candidatura de Lus Igncio da Silva (Lula).

58 Completando esse quadro, verificou-se a renovao do Congresso Nacional, com muitos novatos e, alm disso, jovens. Segundo anlises feit as pelo DIAP (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar), o perfil no novo Congresso politicamente conservador, embora, em sua maioria, parecia ser honesto. O eleitorado, desta vez, parece ter rejeitado os corruptos, ou pelo menos tentou. J q ue o Impeachment de Collor no representou o final dos absurdos da corrupo. O ano de 1994 foi particularmente expressivo nesse caso. Desta vez no escapou sequer o prprio presidente da Cmara dos Deputados Ibsen Pinheiro que havia se destacado pela lisura e firmeza com as quais havia conduzido a questo do Impeachment. Dentre os principais casos de corrupo e suborno mereceu destaque o Escndalo do Oramento, envolvendo deputados, senadores, ministros, governadores e empresrios.

CAMPANHA DE FERNANDO HENRIQUE

Com a esperana depositada no Real, uma moeda aparentemente forte, sua popularidade aumentou, com promessas de campanha, o compromisso de Fernando Henrique pode ser resumido numa frase: ordem no Governo, progresso no Brasil. Assim Fernando Henrique elegeu suas 5 (cinco) metas. E elas contam pelos dedos da mo: emprego, segurana, sade, educao e agricultura.

59 Assim Fernando Henrique havia distribudo pequenos cadernos com essas metas e medidas prioritrias para o povo guard-las como o compromisso de Fernando Henrique Cardoso.

No EMPREGO Fernando Henrique garantia:

1. O controle da inflao para incentivar os investimentos das empresas e a gerao de empregos. 2. Incentivos especiais para atividades que geram muitos empregos: agricultura (especialmente as pequenas e mdias propriedades), turismo, obras de infra estrutura e casas populares. 3. Crditos, incentivos e programas de treinamento para micro, pequenas e mdias empresas, cooperativas rurais e urbanas e associaes de produtores. 4. Nova poltica de formao profissional, para adaptar o trabalhador s Alteraes do mercado de trabalho, e programas especiais para jovens de 14 a 21 anos, para desempregados e para portadores de deficincias fsicas. 5. Reforo ao programa do seguro-desemprego, associado ao treinamento e colocao do trabalhador desempregado. 6. Criao de um programa nacional de emprego junto a estados e municpios e em parceria com associaes comunitrias. 7. Estmulo livre-negociao e ao contrato coletivo de trabalho.

60 8. Aumento real do salrio-mnimo por deciso conjunta dos trabalhadores, empresrios e governo. 9. Regulamentao da participao dos empregados nos lucros das empresas. 10. Melhoria do sistema de preveno de acidentes do trabalho e doenas profissionais.

Na SADE Fernando Henrique dizia qual a sade vai tomar alguns remdios. Dentre os quais:

1. Dar prioridade promoo da sade e preveno das doenas. 2. Recuperar os hospitais e os postos de sade pblicos e melhorar a qualidade dos servios. 3. Garantir fonte de financiamento estvel e permanente e aumentar os recursos para a sade. 4. Combater com rigor a corrupo, as fraudes e os desperdcios do sistema de sade. 5. Implantar, em definitivo, O Sistema nico de Sade (SUS) atravs da municipalizao. 6. Criar distritos sanitrios que garantam a todos uma unidade responsvel pela ateno integral sade das famlias. 7. Apoiar o programa de agentes comunitrios de sade em todo o Pas. 8. Dar ateno integral sade da mulher e da criana.

61 9. Garantir o fornecimento dos medicamentos essenciais sade da populao, pela rede pblica. 10. Garantir a participao dos cidados no controle e na fiscalizao do Sistema nico de Sade, atravs dos conselhos de sade.

Na EDUCAO: 1. Promover um Programa para melhorar a qualidade da educao bsica, junto com os estados, os municpios, as escolas, os professores e a comunidade. 2. Estabelecer critrios objetivos e transparentes para a distribuio dos recursos federais, premiando os estados e municpios que apresentarem melhores resultados na qualidade da educao bsica. 3. Atuar junto aos estados e municpios para garantir vagas a todas as crianas de 7a 14 anos que esto fora da escola. 4. Criar um sistema de informaes sobre o desempenho escolar e eliminar a burocracia e o excesso de gastos em funes administrativas, para que as verbas cheguem realmente s salas de aula.

62 5. Atuar junto aos estados e municpios para melhorar os salrios, a forma o e a atualizao dos professores de 1 e 2 graus de acordo com as diretrizes do programa de melhoria da qualidade da educao bsica. 6. Estimular a participao da comunidade na direo das escolas, na avaliao e na cobrana de resultados do sistema de ensino. 7. Garantir vagas para todos no 2 grau e melhorar a qualidade dos cursos noturnos, supletivos e profissionalizantes e das escolas, tcnicas em parceria com empresas, sindicatos, SENAI e SENAC. 8. Municipalizar a merenda escolar garantindo a regularidade de recursos. 9. Estabelecer padres de qualidade para o livro didtico, promovendo a participao das escolas na sua seleo. 10. Aumentar a qualidade e a eficincia do ensino superior, pblico e privado. Ampliar a parceria entre universidade, comunidade e empresas. Reduzir a capacidade ociosa das universidades pblicas, promover sua autonomia e estabelecer um sistema de avaliao de seu desempenho. Apoiar a pesquisa e o desenvolvimento cientfico e tecnolgico, nas universidades e institutos de pesquisa.

63

Na SEGURANA o Governo Fernando Henrique ir tomar as seguintes medidas nas reas de segurana pblica: 1. Programa Nacional Permanente contra a violncia e a impunidade. 2. Garantia de acesso de todos, ricos e pobres, Justia rpida e eficaz. 3. Reforma e ampliao dos presdios. 4. Apoio do Governo Federal aos estados para equipar e treinar suas polcias. 5. Maior ao da Polcia Federal na represso ao contrabando de armas e trfico de drogas. 6. Cooperao da Polcia Federal e das Foras Armadas com as polcias estaduais na represso ao crime organizado. 7. Intensificao da ao da Receita Federal no combate sonegao de impostos. 8. Apoio da Receita Federal na investigao de crimes de narcotrfico, corrupo, contrabando e abusos do poder econmico. 9. Uso dos bens e dinheiro apreendido com traficantes, contrabandistas e corruptos para reforar o combate ao crime e a segurana dos cidados. 10. Fortalecimento do controle dos gastos e aes do governo par acabar com a corrupo.

64

Na AGRICULTURA: 1. Cesta bsica farta e barata. 2. Desenvolvimento da agricultura com preservao do meio ambiente. 3. Aumento da produo de alimentos e combate ao desperdcio. 4. Programa de apoio organizao e produo dos pequenos agriculto res. 5. Criao de novos empregos e garantia da cidadania para os trabalhadores do campo. 6. Aumento de 50% da rea irrigada do Pas. 7. Incentivo ao desenvolvimento tecnolgico. 8. Investimento em transporte, eletrificao rural e comunicao. 9. Reforma agrria responsvel, com apoio s famlias assentadas. 10. Garantia da renda agrcola com crdito, seguro, preos mnimos adequados e reduo da carga tributria.

PALAVRAS DE FERNANDO HENRIQUE EM SEU LIVRETO DE CAMPANHA: No basta saber o que est errado no Brasil. preciso apontar as solues e, principalmente, ter a capacidade para realiz-las. Fernando Henrique o nico candidato capaz de levar diante as reforma de que o Pas tanto necessita.

65 O compromisso de Fernando Henrique com todo o Brasil, com todos os seus problemas, suas diversidades e, sobretudo, suas potencialidades. Entretanto, preciso atacar, de imediato, os pontos mais crticos que afligem o povo. Emprego - O Brasil enfrenta uma srie crise econmica h mais de dez anos, que gera desemprego e misria. A inflao comeu o poder de compra dos salrios e aumentou a distncia entre ricos e pobres. Temos mais de 3 milhes e 400 mil desempregados, e o nmero de subempregados, na chamada economia informal, muito maior. Um em cada quatro trabalhadores ganha menos de um salrio mnimo e quase 40% ganham menos de dois salrios mnimos, preciso que a empresa privada, volte a oferecer empregos produtivos e bem remunerados. Sade - Apesar de alguns resultados positivos no campo da sade pblica, como nos programas de vacinao, a sade da populao continua ameaada. A cada minuto morre uma criana de at um ano de idade e a cada dois minutos morre uma criana de um a cinco anos, por falta de acesso da populao a emprego, renda, educao, saneamento, alimento s e servios de sade. Os recursos federais aplicados em sade, j insuficientes em 1989, caram de 80 reais por habitante, naquele ano, para 45 reais em 1993. Temos 5 milhes de portadores de doena de Chagas e de esquistossomose, ao lado de 280 mil hansenianos e 100 mil tuberculosos. A cada ano so registrados mais de 500 mil novos casos de malria. A clera apresentou, em 1993, mais de 50 mil casos confirmados e 561 mortes. O Pas acumulou at o momento 50 mil casos de AIDS, com 20 mil mortes. A maioria dos gastos com a sade est concentrada na manuteno de uma imensa e ineficiente rede de servios mdico-hospitalares de qualidade insatisfatria, Cerca de 25% dos equipamentos existentes nos hospitais pblicos - patrimnio avaliado em 2 bilhes de reais - no funcionam. Educao - O Brasil tem quatro milhes de crianas de 1 a 14 anos fora das escolas. Elas no encontram vagas, porque um grande nmero de alunos repetentes superlota as escolas. Mais da metade das crianas repete o primeiro ano. Apenas 2% das que esto na primeira srie conseguiro chegar a oitava sem nenhuma nova reprovao. Para terminar as oito sries do ensino bsico, o aluno brasileiro leva em mdia 12 anos. Antes disso, muitos estudantes abandonam a escola, desanimados com o forte sentimento de fracasso e despreparados para a vida, depois de anos de esforos e sacrifcios. Se essa situao no mudar, somente no ano 2100 vamos conseguir dar o 1 grau completo para todos os nossos jovens. E para dar o 2 grau completo a todos, teramos de

66 esperar at o ano 3080! O Pas pode esperar tudo isso? Claro que no. O fracasso no das nossas crianas, o fracasso da escola. A burocracia sufoca o ensino: no orienta, no estimula, no avalia, mas fica com a maior parte dos recursos. O Brasil no gasta pouco com educao, mas gasta muito mal: s a metade dos recursos pblicos chega de fato sala de aula. A escola de 1 e 2 graus de responsabilidade dos estados e municpios, mas o Governo Federal pode fazer muito para melhorar esta situao. Segurana - A falta de confiana do povo nas autoridades aumenta a preocupao geral com a segurana, principalmente nas grandes cidades. Sem recursos, nem organizao adequados, a Polcia e a Justia no conseguem frear a escalada do crime e da violn cia. A situao das polcias estaduais precria. Falta polcia nas ruas. O policiamento feito por homens dedicados, na maioria, mas mal equipados, mal treinados e mal pagos. Inquritos policiais atrasam e investigaes so engavetadas, sem concluso. A situao da Polcia Federal e da Polcia Estadual tem menos de 6 mil homens, quando precisaria de mais de 20 mil. Os postos de Polcia Rodoviria ficam abandonados. O acmulo de processos nos tribunais e as falhas da lei facilitam a vida dos criminosos. Enquanto os criminosos de colarinho branco ficam soltos, os presdios superlotados funcionam como escolas do crime para os pobres, que so 95% dos presos no Pas. quase metade dos presos cumpre pena irregularmente em cadeias pblicas tambm superlotadas, e mais de 300 mil mandados de priso deixam de ser cumpridos por falta de vagas nos presdios. Agricultura - A Agricultura brasileira tem feito verdadeiros milagres: sem incentivos, sem uma poltica conseqente do Governo, com uma infra-estrutura de transportes precria, apesar dos pesares, tem aumentado a produo, ano a ano. Em 1994, a safra atingiu o recorde histrico de 76 milhes de toneladas de gros. Mas ainda existe muita pobreza nas reas rurais, principalmente no Nordeste. A agricultura estratgica, porque capaz de combater a fome, criar empregos, interiorizar o desenvolvimento e ainda aumentar as exportaes. Fernando Henrique vai fazer uma verdadeira revoluo no campo. Alm de tomar medidas para aumentar a produo, de forma a atingir 100 milhes de toneladas de gros, em 5 anos, vai diminuir os desequilbrios regionais com uma poltica responsvel e justa. A irrigao ter prioridade, principalmente, nas pequenas e mdias propriedades do Nordeste. Se, sem apoio, o homem do campo j faz muito, com as aes do Governo Fernando Henrique ele vai fazer muito mais. E assim foi o discurso do Fernando Henrique em suas campanhas. Nos captulos posteriores, vocs podero notar que ele no cumpriu nem com a metade do prometido.

67 Fernando Henrique Cardoso - formado em Cincias Sociais, tornou-se professor universitrio com apenas 21 anos de idade. Respeitado internacionalmente, j ensinou em algumas das principais universidades do mundo. Por ser contra a ditadura, foi obrigado a sair do Brasil. Em 68, teve a coragem de voltar e, como no se dobrava ao regime militar, foi cassado. Um dos lderes do movimento pela redemocratizao do pas, elegeu-se Senador por So Paulo com uma das maiores votaes da Histria da Repblica. Foi Ministro das Relaes Exteriores (governo Collor) e negociou de forma vantajosa para o Brasil um acordo sobre a dvida externa. Aceitou, ento o cargo mais difcil do Governo (governo Itamar - vice de Collor): o de Ministro da Fazenda de uma economia beira da hiperinflao. Com rigor e determinao, impediu que o Governo gastasse mais do que arrecadava. Dizem que colocou ordem na casa. Portanto, em 3 de outubro de 1994, no primeiro turno, elegeu -se presidente que combinou um discurso modernizante (j escrito anteriormente), ao par com tendncias internacionais, com prticas clientelsticas provenientes do mais retrgrado fisiologismo poltico, que tem sido um dos principais responsveis pelo atraso poltico -institucional do Brasil, um discurso um pouco diferente ao do Collor, porm com as mesmas intenes, s que seria um pouco mais inteligente, sem prepotncia, sem vedetismo mas com a corrupo por trs dos panos, d ao povo com a mo direita e tira-se duas vezes com a mo esquerda, sem que o povo perceba, pelo menos aqueles menos esclarecidos.. Nas eleies governos estaduais os resultados no indicaram um quadro de grandes renovaes, no que diz respeito aos partidos e s coligaes vitoriosas. De modo geral a maioria dos governadores formava a mesma composio poltica que apoiou Fernando Henrique. Os resultados das eleies de 15 de novembro de 1994 colocaram a sociedade brasileira diante de um quadro amplo e diversificado de perspectivas. A escolha e a realizao das mais adequadas realidade e s necessidades sociais, contudo, dependem, ainda, no s da atuao dos dirigentes, mas, sobretudo, das opes e atuao do conjunto da populao, em todas as frentes: econmica, poltica, social e cultural.

68

Governo Fernando Henrique Cardoso - empossado em 1 de janeiro de 1995, no ter diante de si um quadro social diferente dos seus antecessores, marcado pelo alarmante empobrecimento da maioria dos brasileiros, responsvel, alis, pelo surto incontrolvel da violncia urbana. Embora Fernando Henrique no negasse a existncia de desigualdades e do sofrimento, focalizou sua campanha no vasto potencial do Brasil como nao e no brilhante futuro que seu povo teria, se fosse possvel promover o tipo certo de crescimento novamente. Fernando Henrique tambm falou na necessidade de reformas, mas a tnica era a esperana, e no a indignao. No entanto, logo depois de sua posse Fernando Henrique primeiramente aumentou seu salrio e de todos os parlamentares que percebiam R$ 4.000,00 reais, passou a receberem R$ 8.000,00. Entre outras tantas prioridades ditas por ele mesmo, essa ele esqueceu de dizer porque foi a prioridade maior pois isto aconteceu ele somente tinha 15 dias de governo. 1 mentira. No obstante, iludiu o povo pois o salrio mnimo aps maio de 1995, no chegava a 100% de aumento como o seu ordenado passara. Inclusive aps 2 anos de governo o salrio mnimo era uma piada em maio de 1997, foi para R$ 120,00 reais, sofreu um aumento do ano anterior de menos de 10%. Trs anos depois o salrio mnimo foi para R$151,00,com aumento menos de 20% Enquanto o seu salrio e de todos os parlamentares de R$12.600,00, mais benefcios, como auxlio moradia, passagens areas, etc. Com 10 (dez) meses de seu primeiro mandato, j comeava falar em reeleio, ora bolas esse assunto foi o motivo de tantas discrdias, por qu ele no se preocupou com as promessas de campanha? por qu viaja tanto? ficou com inveja do Sarney? E agora chegou a hora do povo cobrar as propostas de campanha, que como j vimos ainda no as cumpriu, pois o falso controle da inflao, que faz com que o povo acredite, sabemos que no verdade, pois os ordenados em 6 (seis) anos de real s aumentou um pouco mais de 100%, nos empregos provados, e no pblico ainda no teve aumento nenhum. No entanto, os aluguis, desde a criao do real j aumentaram em at 500% ou mais, os produtos em supermercados, padarias aougues, sacoles etc, j aumentaram muito mais que 100%.

69 O incentivo aos investimentos das empresas para gerar novos empregos, tambm mentira pois, o que vimos at agora, so vrios desempregados, bancos falidos, que alis os bancos que faliram foram s de fachada, pois abriram outros bancos que so os agiotas legalizados, geraram menos desempregos, porque so bancos que atendem pelo telefone.

Alguns deles que fecharam foram: o Banco Econmico, mas abriu o Excell Econmico, fechou o Nacional, mas abriu o Banco Um (que do Unibanco), abriu um tal de Banco Cacique e por a vai, banco que emprestam dinheiro a juros (os agiotas da lei). Com o dinheiro da falncia, s quem ganhou foram os donos e o governo. No houve nenhum incentivo para atividades que geram muitos empregos, principalmente na agricultura, o que sempre ouvimos em todo noticirio, so invases dos trabalhados do Movimento Sem Terra, (que alis, se eram 100, hoje so milhes), proprietrios que matam os Sem Terra, Sem Terra que matam proprietrios, uma falta de democracia total, porque onde j se viu um proprietrio de fazenda ser obrigado a dar suas terras, por qu? Nem na ditadura o governo obrigou a isso. No existe poltica de formao profissional, criao de um programa nacional de emprego junto a estados e municpios e muito menos a livre negociao ao contrato coletivo de trabalho, principalmente, porque os empresrios sempre do a desculpa que o governo no deu aumento, o governo que impera ou o povo? Isso tambm uma forma de ditadura, a imposio salarial. A aposentadoria um sistema totalmente falido, pois sabemos que os aposentados, inclusive eu, tivemos salrios reduzidos de at 10%, onde isto ilegal. Alguns aposentados ainda no recebem nem um salrio mnimo, aps tantos anos de luta os aposentados e os idosos so cruelmente desrespeitados. Isto s acontece com a aposentadoria do povo, porque o deles est garantido em alguns mil reais, isto uma vergonha, uma barbaridade. A sade que seria meta prioritria de seu governo, no conseguiu passar do papel, pois nunca tantos hospitais esto funcionando precariamente, como agora, at o hospital das Clnicas de So Paulo est sem leitos, sem equipamentos, faltam remdios, o hospital em Minas Gerais est com a mesma condio e em tantos estados e municpios principalmente no nordeste do pas, que uma populao carente de tudo, e nenhum governo faz nada. Pagamos uma tal de CPMF que o mesmo que IOF (imposto sobre operaes financeiras, pagamos dois impostos iguais somente com nomes diferentes, que ilegal e inconstitucional), para qu? Segundo o Ministro da Sade seria para melhorar o sistema de sade, isto mentira, pois o s istema est cada vez pior e o povo no toma conhecimento que fim leva tal verba. Se fosse mesmo para sade,

70 porque os hospitais esto falidos, porque no encontramos remdios gratuitos nas prateleiras dos hospitais federais, estaduais ou municipais, cad o SUS (Sistema nico de Sade)? A corrupo cada vez maior, em todos os setores tanto em empresas privadas, como empresas federais, as fraudes esto sempre aparecendo, atravs de escndalos com ttulos precatrios, com ttulos daqui e dali, abrem CPI (Comisso Parlamentar de Inqurito), abafam CPI, aparecem outras corrupes, CPI da CPI, e no d em nada. Votos de parlamentares so comprados e negociados, e fica por isso mesmo. A educao, ou seja, a instruo nas escolas pblicas cada vez pior, tem mais alunos que nmeros de vagas, verbas que falou que seriam liberadas, premiando os estados e municpios para melhorar a qualidade da educao bsica, cad? Na parte de Segurana, garantiu que haveria um programa nacional permanente contra a violncia e a impunidade. Garantiu tambm a reforma e ampliao dos presdios, maior ao da polcia federal aos estados, uso dos bens e dinheiro apreendido com traficantes, contrabandistas e corruptos para reforar o combate ao crime e a segurana dos cidados. Fort alecimento dos controles dos gastos e aes do governo para acabar com a corrupo. Isto uma verdadeira piada! Pois o que vemos a todo instante so barbaridades, atrocidades, como o Escndalo dos policiais em So Paulo, que mataram trabalhadores bateram, escalpelaram, como se diz na gria deitaram os cabelos, com abuso de autoridade. Outros escndalos no Rio, toda hora temos notcias, de alguns policias corruptos, os marginais das leis, que so muito piores, e os marginais que matam tambm policiais inocentes. Os traficantes so os donos da rua, do morro, ditam normas, mas infelizmente, tenho que admitir que eles ainda oferecem mais segurana, que a prpria polcia, principalmente no pedao onde ele manda, quem mora perto, bem mais protegido. No sistema penitencirio s o que vimos so presos fazendo rebelies, pedindo transferncias de cadeias, pelas superlotaes em selas. No existe um programa de recuperao, um sistema de trabalho, um sistema de faz-los gente, para que possam viver em sociedade. O Estado gasta verdadeiras fortunas, para mant-los ociosamente, na promiscuidade e fazer com eles fiquem mais revoltados do que quando entraram. Nem na poca da ditadura era assim. Que democracia essa que o Sr. Presidente Fernando Henrique prega va, que democracia, onde s os que esto no poder mandam, que democracia essa onde ele dita va normas, que democracia essa que foi imposta que cada cidado brasileiro um doador de rgo vital em potencial, nem Deus determinou isso, pois nos deu o livre arbt rio para escolhermos e para que tenhamos a capacidade de escolher o nosso prprio caminho. Ser que ele pensa, que est acima de Deus? O povo no enxerga isso, no quer enxergar? O povo, no tem capacidade

71 para isso? Ser? No acredito. O povo acomodado? O que povo est esperando? E como no bastasse foi reeleito, ser que por falta de opo de candidatos, ou o povo masoquista?

Governo Luiz Incio Lula da Silva nasceu em 27 de outubro de 1945, em Garanhuns (PE). Ele o stimo dos oito filhos de Aristides Incio da Silva e Eurdice Ferreira de Mello. Em 1952, aos sete anos, Lula e a famlia migraram para o litoral paulista, onde o pai j morava e trabalhava como estivador no porto de Santos. A viagem foi feita em caminho "pau-de-arara" e durou 13 dias, tempo em que s comeram farinha, rapadura e queijo. Lula sonhava ser jogador de futeb ol para defender o Corinthians. Alfabetizado no Grupo Escolar Marclio Dias, depois da aula Lula vendia amendoim, tapioca e laranja na praia, para ajudar a famlia. Em 1956, nova mudana: desta vez para So Paulo, para uma casa de um cmodo, no bairro do Ipiranga. Aos 12 anos, Lula trabalhava como entregador de roupas de uma tinturaria. Tambm foi engraxate e office-boy. Aos 14, trabalhou nos Armazns Gerais Columbia, onde teve a carteira assinada pela primeira vez. Trabalhou para a Fbrica de Parafusos Marte e conseguiu uma vaga no curso de torneiro mecnico do Senai (Servio Nacional da Indstria). Aps trs anos de curso, Lula se formou metalrgico. Em 64, num acidente na metalrgica Aliana, ele perdeu o dedo mnimo da mo esquerda. Foi nas Indstrias Villares, uma das principais metalrgicas do pas, em So Bernardo do Campo (SP), que Lula conheceu o movimento sindical, apresentado pelo irmo Jos Ferreira da Silva, o Frei Chico. Em 1969, o Sindicato dos Metalrgicos de So Bernardo do Campo e Diadema elegeu a nova diretoria e Lula se elegeu suplente (substituto). Na eleio seguinte, em 1972, se tornou primeiro secretrio. Em 1975, com 92% dos votos, foi eleito presidente do sindicato. Cerca de 100 mil trabalhadores confiaram nele, e Lula deu uma nova direo ao movimento sindical brasileiro. Em 1978,

72 foi reeleito presidente e, aps 10 anos sem greves operrias, aconteceram as primeiras : em maro de 1979, 170 mil metalrgicos pararam a regio do ABC paulista. Foi nessa poca que Lula comeou a pensar na criao de um partido, pois percebeu que poucos polticos representavam os interesses dos trabalhadores no Congresso Nacional, e a polc ia combatia com violncia o movimento grevista. Lula surgia como uma nova liderana no pas. O Brasil ainda vivia sob o regime militar, e os metalrgicos do ABC desafiavam o poder na luta por melhores salrios e condies de trabalho. As greves sempre envolviam muita gente, com piquetes nas ruas e nas portas das fbricas, assemblias em estdios de futebol e paralisaes sem data para acabar. Na greve de 1979, o sindicato sofreu interveno do governo federal, e Lula foi tirado da presidncia. Em 1980, mais de 100 mil trabalhadores aderiram ao que foi chamado de "a maior paralisao da histria do sindicalismo brasileiro". Para pressionar os grevistas a voltar ao trabalho, Lula e mais sete sindicalistas foram presos. Em 10 de fevereiro de 1980, Lula fundou o PT, Partido dos Trabalhadores, com sindicalistas, intelectuais, polticos e representantes de movimentos sociais. Nesse mesmo ano, uma nova greve dos metalrgicos provocou outra interveno do governo federal no sindicato. Lula foi preso novamente. Em 1982, quando Lula disputou a eleio para o governo de So Paulo, o PT j existia em quase todo o pas. Em 1984, durante as "Diretas J!", campanha que pedia a volta das eleies diretas para presidente, Lula aparecia como uma das principais lideranas. Em 1986, Lula foi o deputado federal mais votado do pas para a assemblia constituinte. Em 1989, o PT lanou Lula candidato a presidncia da Repblica, aps 29 anos sem eleies diretas para o cargo. Ele perdeu a disputa no segundo turno. Passados dois anos, Lula liderou uma mobilizao nacional contra a corrupo que acabou no impeachment, processo que afastou Fernando Collor da presidncia. Em 1994 e 1998, Lula voltou a se candidatar a presidente da Repblica e foi derrotado por Fernando Henrique Cardoso. Em 27 de outubro de 2002, aos 57 anos, Luiz Incio Lula da Silva foi eleito presidente do Brasil. Ele tomou posse em 1 de janeiro de 2003, e a cerimnia reuniu, pela primeira vez na histria do pas, uma multido de 150 mil pessoas, que fez a maior festa em Braslia. Reeleito em 1 de outubro de 2006 tomou posse em 1 de janeiro de 2007. Seu primeiro mandato caracterizou quando de sua articulao, foi considerado um novo horizonte pela imprensa internacional para uma possvel nova esquerda: segundo o ex-presidente portugus Mrio Soares, Lula representou o "fim do cinismo na poltica".

73 A chegada de Lula ao poder coincide com o crescimento da popularidade e influncia do Partido dos Trabalhadores (PT) no pas, assim como uma reao generalizada da populao la tinoamericana aos partidos de centro e direita. Originado do encontro da antiga intelectualidade de esquerda com o movimento sindicalista da dcada de 1970, o PT passou vinte anos carregando uma imagem desagradvel aos olhos da classe mdia do pas, considerada como decisiva em um processo eleitoral. Eleito pontuando-se contrrio poltica econmica neoliberal do seu antecessor Fernando Henrique Cardoso, a escolha de Lula para presidente reflete uma insatisfao dessa classe estabilidade econmica obtida pela sua gesto, conseguida sem sustentao social. Em julho de 2006 o prprio Lula se declarou distante da esquerda, admitindo que em um eventual segundo mandato prosseguiria com polticas conservadoras. Por trazer uma proposta conservadora, alguns aspectos do governo Lula so similares aos do governo anterior, e encontra alguma antipatia por parte de fundadores e antigos militantes do PT que esperavam medidas mais radicais por parte do presidente; vrios foram expulsos do partido, e outros deixaram os s eus cargos no governo por no concordarem com os rumos das medidas adotadas. Tambm h problemas para sustentar o grande nmero de alianas feitas no perodo eleitoral; por conta disso o Executivo tem pouca fora no Congresso e muitas vezes precisa ceder bastante para aprovar leis e medidas provisrias. ECONOMIA Na gesto de Lula, optou-se por manter um modelo de poltica econmica e fiscal similar ao do Governo FHC. Henrique Meirelles, deputado federal eleito pelo PSDB de Gois em 2002, foi escolhido para a direo do Banco Central do Brasil e o mdico sanitarista e ex-prefeito de Ribeiro Preto Antnio Palocci, um ex-trotskista da confiana pessoal do Presidente, foi nomeado Ministro da Fazenda. O Governo Lula caracterizou-se pela baixa inflao, taxa de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em trs anos (2003/2005) de 2,9% em mdia, reduo do desemprego e constantes recordes da balana comercial. Como contraponto, reduziu drasticamente os investimentos pblicos no intuito de gerar recursos para o pagamento de juros da dvida interna. A atual gesto promoveu o incentivo s exportaes, diversificao dos investimentos feitos pelo BNDES, estimulou o micro crdito e ampliou os investimentos na agricultura familiar atravs do PRONAF (Programa Nacional d a Agricultura Familiar). So exemplos da recuperao econmica do pas sob a gesto do presidente Lula o recorde na produo da indstria automobilstica, em 2005; e o maior crescimento real do salrio mnimo, resultando na recuperao do poder de compra do brasileiro.

74 Enquanto a renda mdia do brasileiro atingiu o valor histrico de R$ 995,40, o nvel de desemprego registra a maior queda em 11 anos, chegando ao ndice de 8,3% em dezembro de 2005 Durante esta gesto a liquidao do pagamento das dvidas co m o FMI foram antecipadas, fato criticado por economistas por se tratar de dvida com juros baixos, mas que resultaram em melhor prestgio internacional e maior ateno do mercado financeiro para investir no Brasil. Crticos apontam tambm, que a conduo da poltica de juros - os maiores do mundo - pelo governo desastrosa. O dinheiro que deveria ser investido em obras pblicas de grande impacto econmico totalmente drenado ao setor financeiro. Dizem ainda que os nmeros positivos, apesar de modestos, s o apenas conseqncia da bonana financeira internacional, que pode mudar a qualquer momento, e que o pas no dispe de um plano de desenvolvimento claro. Outra diferena entre a poltica econmica do governo Lula e a do governo anterior o fim de um severo ciclo de privatizaes que levou o estado a, por exemplo, vender a companhia Vale do Rio Doce por cerca de R$ 3 bilhes e hoje esta mesma companhia ter lucro anual de R$ 10,4 bilhes. REFORMAS Uma das plataformas de campanha de Lula foi a necessidade de reformas. Aprovou-se parcialmente no Congresso Nacional em 2003 a reforma da previdncia social, levando vrios setores da sociedade a protestarem contra uma possvel perda de benefcios. Apesar de prometidas as reformas trabalhista, tributria, e poltica no sairam do papel O FOME ZERO O Programa Fome Zero foi a principal plataforma eleitoral de Luiz Incio Lula da Silva. Na campanha eleitoral se pregava a eliminao da fome no Brasil. O programa Fome Zero comeou como uma tentativa do Presidente da Re pblica de mobilizar as massas em favor dos pobres em estado de extrema misria e que ainda so mirades no Brasil. O programa fez com que os olhos dos governos internacionais se voltassem para o Brasil, sendo Luiz Incio muito elogiado em seus primeiros d iscursos internacionais. Contudo, a populao em geral no se engajou por se encontrar em situao de aperto econmico por contra da poltica de credibilidade com o FMI que obrigava o pas a apresentar supervit nas contas pblicas para que o ndice Brasil se elevasse. Tal poltica de supervit retardou o crescimento econmico que s foi evocado no segundo mandato do presidente Lula atravs do PAC, e ainda incgnito se obter xito, por ser muito recente sua implantao. O Fome Zero com o tempo apresentou um custo de operacionalizao que se mostrou elevado. Em linguajar simples, para cada real em alimento que chegava na boca do pobre, outro real (aproximadamente) era gasto com intermedirios do processo. Era necessrio um gasto muito alto

75 para que a comida chegasse na boca do necessitado. O programa faliu, mas para que a esperana do carente no morresse, outros programas j existentes foram renomeados e passaram a se integrar ao Fome Zero; resultando entretanto em somente muitas propagandas na Internet, e m site oficiais, que continuam estagnados na apresentao e anlise dos benefcios, sem contudo mostrar o que chega de comida efetivamente na boca do pobre. Os representantes do primeiro escalo sequer falam desse programa, pois est apenas no marketing governamental. Assim, o governo passou a classificar toda ao governamental que beneficiasse o pobre de Fome Zero, mantendo assim a credibilidade internacional e a esperana do pobre que aguarda pela mobilizao dos mais abastados. Ainda tendo ido por terra o programa com tal ttulo, a administrao do presidente Lula, sim voltada para a causa do pobre em diversas nuances assistencialista que calaram antigos governantes. Mesmo sob a crtica de assistencialismo, e no desenvolvimentista, por parte dos opositores ao atual governo, programas como Bolsa Famlia alm de outros, justificam no mais o ttulo de programa fome zero, contudo administrao pr fome zero. PROGRAMAS SOCIAIS Um relatrio do IBGE, do fim de novembro de 2005, afirma que o governo do presidente Lula estaria fazendo do Brasil um pas menos desigual. Com base no PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domiclios), a FGV (Fundao Getlio Vargas) divulgou estudo mostrando que a taxa de misria de 2004 teria cado em 8% se comparada a 2003, ano em que Lula tomou posse. Seu principal programa social, o Bolsa Famlia, que tem por objetivo atender, no ano de 2006, a 11,2 milhes de famlias, considerado pelo governo como o maior programa de transferncia de renda do mundo, contando com recurs os da ordem de R$ 6,5 bilhes em 2005. O Programa, no entanto, recebe muitas crticas de diversos setores da sociedade. A principal delas a de que o Bolsa Famlia apenas distribua dinheiro entre a populao mais carente, e que o nvel de vida dos beneficiados pelo programa suba apenas imediatamente aps o ingresso no mesmo, com tais pessoas nunca saindo realmente da misria. A grande novidade do Bolsa Famlia foi a implantao, em 2005, da chamada contra-partida, onde os beneficirios do programa se comprometem a cumprir o programa de vacinao e a manter os filhos na escola. No campo da educao, o governo Lula avanou, apresentando fortes nveis de escolarizao em todas as faixas etrias. A parcela da populao que no freqentava a escola foi reduzida de 29% para 18% em apenas 36 meses, considerando o grupo de 5 a 17 anos de idade. No nvel bsico, o porcentual de crianas fora da escola chegou, em 2005, a apenas 2,8% ]. Com a criao do FUNDEB (Fundo de Manuteno e Desenvolvimento da Educao Bsica), o governo Lula objetiva atender 47 milhes de estudantes brasileiros, com investimentos anuais de at R$ 4,3 bilhes.

76 Na rea do ensino superior, o PROUNI (Programa Universidade Para Todos), destaca -se como o maior programa de bolsas de estudo da histria da educao brasileira, possibilitando o acesso de milhares de jovens educao e estimulando o processo de incluso social. Em 2005, o PROUNI ofereceu 112 mil bolsas de estudo em 1.412 instituies em todo o pas. O governo tambm investiu na criao de 9 novas universidades pblicas federais, interiorizando o acesso educao pblica gratuita. Atualmente, as universidades federais oferecem 122 mil vagas gratuitas. Contudo, o programa criticado por professores e estudiosos de instituies de ensino fed erais, das quais algumas se encontram em processo de sucateamento por falta de repasse de recursos federais. Com relao mortalidade infantil, o Brasil tambm avanou sob o governo Lula. A taxa de mortalidade infantil despencou de 69,1% para 26,6%, o que significa dizer que, enquanto em 1980 pouco mais de 69 crianas morriam a cada grupo de mil nascidas vivas, antes de completar um ano, em 2004 esta proporo caiu para praticamente 26 mortes para grupo de mil habitantes . O combate escravido e ao trabalho degradante foi outro ponto que teve destaque no governo do presidente Lula. O atual governo brasileiro libertou mais trabalhadores em trs anos que o governo anterior em seus oito anos. Nas aes dos ficais do trabalho, cerca de 12.400 trabalhadores em regime de escravido ou trabalho degradante foram libertados desde 2003. POLTICA EXTERNA No plano internacional, Lula e seu governo tm se destacado pela liderana que exercem no grupo de pases emergentes frente aos mais ricos. Uma das reivindicaes de sse grupo de pases a queda das barreiras alfandegrias e dos subsdios agrcolas, que vem sendo discutida na Organizao Mundial de Comrcio. Uma das prioridades do governo Lula a integrao da Amrica do Sul atravs da expanso do Mercosul e a abertura de novas rotas comerciais com pases os quais o Brasil pouco se relacionava, em especial os pases rabes e africanos. Igualmente, a poltica externa do atual Governo busca estimular a reforma da Organizao das Naes Unidas (ONU), pleiteando, nesse co ntexto, um assento permanente no Conselho de Segurana. A atual poltica externa procura igualmente dar nfase a temas sociais, em particular luta contra a fome e a pobreza no mbito global. Alm disso, tem buscado intensificar as discusses acerca do financiamento ao desenvolvimento, estimulando o surgimento de mecanismos financeiros inovadores. Nesse contexto, tem ganhado importncia a discusso acerca dos crescentes fluxos de remessas de recursos dos migrantes que vivem em pases desenvolvidos para seu s pases de origem. Essa fonte de divisas joga papel fundamental no desempenho econmico de muitos pases em desenvolvimento. Em 2006, a questo da migrao internacional ser tema do debate de alto nvel da

77 ONU e espera-se que o Brasil desempenhe papel preponderante no que se refere defesa dos interesses dos pases em desenvolvimento. Porm, o governo Lula coleciona diversas falhas em suas polticas externas. Uma das mais graves foi o reconhecimento da China como economia de mercado, o que derruba divers as barreiras comercias impostas aos produtos chineses, facilitando sua entrada no Brasil e assim prejudicando a economia nacional. A China em contrapartida apoiaria a candidatura do Brasil a um assento permanente no Conselho de Segurana da ONU. Contudo, a China no honrou o acordo e o Brasil praticamente perdeu seu principal aliado no projeto. O Governo Lula tambm acumula algumas derrotas em suas frustradas tentativas na criao de um bloco econmico compreendido por pases subdesenvolvidos e emergentes, para fazer frente aos pases desenvolvidos. Contudo, a liderana brasileira foi rejeitada em diversas ocasies. As tentativas relativas ao fortalecimento do Mercosul tambm no obtiveram um sucesso completo, com a imposio Argentina de diversas barreiras comerciais relativas entrada de produtos brasileiros no pas (no episdio que ficou conhecido como Guerra das Geladeiras). O Governo Lula patrocinou uma misso de paz no Haiti, almejando crdito com a ONU e imaginando no futuro uma eventual vaga permanen te no Conselho de Segurana. Cerca de 1200 militares brasileiros desembarcaram no Haiti em uma misso pacificadora visando a possibilita de das eleies no pas. Hoje a operao se encontra paralisada por falta de recursos para a reconstruo do pas e as tropas internacionais, sob o comando do Brasil, tiveram seu papel reduzido ao mero policiamento. CRISES Desde 2004 o governo Lula vem enfrentando diversas crises polticas, que atingiram seu apogeu em julho de 2005 depois que fontes internas do prprio gov erno denunciaram um esquema de corrupo envolvendo financiamento de campanhas por "Caixa 2", que permeava vrios nveis do executivo federal e atingiu inicialmente o PT, se estendendo depois a quase todos os partidos, apesar da resistncia da oposio em concentrar todo o foco da investigao apenas no PT. A crise foi um exerccio de democracia para o pas, pois pela primeira vez viu -se um governo ser duramente acusado e investigado e no haver represlias ou abafamento. Isto deveu -se provavelmente a um maior equilbrio das foras polticas, ao alcance de uma maior independncia e poder a rgos como o Ministrio Pblico e a Polcia Federal, alm do investimento em iniciativas como a Controladoria-Geral da Unio, aes nas quais o Governo Federal teve grand e parte da "culpa", e, ironicamente, acabou se voltando contra outros integrantes e aliados do prprio Governo Federal, especialmente no Congresso Nacional.

78 Em entrevista reprter Renata Lo Prete da Folha de S.Paulo, o ento deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) denunciou um esquema de corrupo, em que o mesmo denominou o nome de mensalo e envolvia ministros, parlamentares e aliados do governo. As comisses parlamentares de inquritos (CPIs) dos Correios e do "mensalo" ficaram a cargo das investigaes de como funcionava o esquema de arrecadao e distribuio do dinheiro para parlamentares, algumas vezes transportados em malas, conforme se apurou. Segundo o que foi apurado pelas CPIs e Polcia Federal, h fortes indcios, porm no comprovado, de que parte do dinheiro que alimentou o esquema de corrupo era pblico, oriundo de empresas estatais e de cidades administradas pelo partido. A crise no controle do trfego areo foi outra questo que surgiu no governo Lula. Aps o acidente do vo Gol 1907, ouve um maior rigor no cumprimento das normas de segurana area gerou grandes atrasos nas decolagens em todos os aeroportos brasileiros. Por vrios dias o trfego areo brasileiro praticamente parou por deficincia no efetivo pessoal de controladores d e vo. Com a interveno direta do Ministro da Defesa, ouve troca de comando. As investigaes da imprensa levantaram uma questo mais sria, as verbas destinadas ao setor no eram liberadas. A pergunta emergente foi: De quem a responsabilidade? Quem seg urou o dinheiro para o setor? Financiado pelas mais altas taxas de embarque no mundo. Perguntas que no precisam de resposta direta do governo Lula, visto que a responsabilidade do primeiro escalo do governo. Quando as verbas no so usadas no que foram destinadas, voltam para os cofres do governo na forma de supervit. E assim o governo alcana seus melhores ndices na balana comercial. O sindicatos dos controladores de vo denunciou que a crise no pode ser resolvida com a contratao de pouco mais de 60 controladores, visto que so necessrios 14 (quatorze) meses para um controlador est preparado para o efetivo servio. ESCNDALO DO MENSALO Escndalo do Mensalo ou "esquema de compra de votos de parlamentares" o nome dado maior crise poltica sofrida pelo governo brasileiro do presidente Luiz Incio Lula da Silva (PT) em 2005/2006. O neologismo mensalo, popularizado pelo ento deputado federal Roberto Jefferson em entrevista que deu ressonncia nacional ao escndalo, uma variante da palavra "mensalidade" usada para se referir a uma suposta "mesada" paga a deputados para votarem a favor de projetos de interesse do Poder Executivo. Segundo o deputado, o termo j era comum nos bastidores da poltica entre os parlamentares para designar essa prtica ilegal. A palavra "mensalo" foi ento adotada pela mdia para se referir ao caso. A primeira vez que a palavra foi grafada em um veculo de comunicao de grande reputao nacional ocorreu no jornal Folha de S.Paulo, na matria do dia 6 de junho de 2005.

79 A palavra, tal como ela , foi utilizada tambm na mdia internacional sempre acompanhada de uma pseudo-traduo. Em espanhol j foi traduzida como "mensaln" e em ingls como "big monthly allowance" (grande pagamento mensal) e "vote-buying" (compra de votos). O MENSALO E OUTROS ESCNDALOS O desenrolar das investigaes e das CPIs chamou a ateno para outros escndalos que envolveram o partido do governo brasileiro em 2005, o Partido dos Trabalhadores (PT), e eclodiram antes do aparecimento das primeiras grandes denncias sobre a existncia do mensalo. Em 2004 estourou o escndalo dos Bingos e em maio de 2005 o escndalo dos Correios. As investigaes das CPIs trouxeram ainda para a pauta de discusses a misteriosa morte do prefeito Celso Daniel (2002) e as denncias de corrupo na Prefeitura de Santo Andr (So Paulo), administrada por ele. Dois inquritos foram conduzidos. O primeiro, de abril de 2002, conclura por seqestro comum, uma casualidade. Um segundo inqurito, conduzido pela Dra Elizabete Sato, indicada pelo ento Secretrio Saulo de Abreu, aberto no segundo semestre de 2005, novamente levou tese de crime comum. O inqurito, com data de 26/09/2006 anterior ao primeiro turno das eleies presidenciais. Sua repercusso na mdia s se deu no final de novembro de 2006. Por conseguinte, a crise do mensalo envolveu no somente o escndalo provocado pela denncia de compra de votos (o mensalo, propriamente dito), mas todos esses escndalos juntos, que de alguma forma ou de outra se relacionam. Um dos elementos que ligam esses outros eventos com o mensalo so as acusaes de que em todos eles foram montados esquemas clandestinos de arrecadao financeira para o PT. O dinheiro oriundo desses esquemas, pelo menos em parte, poderia ter sido usado para financiar o mensalo. Com o desenvolvimento da crise surgiram ainda novas denncias e novos escndalos, como, por exemplo: o escndalo dos fundos de penso, do Banco do Brasil, esquema do Plano Safra Legal, a suposta doao de dlares de Cuba para a campanha de Lula e a quebra do sigilo bancrio do caseiro Francenildo. Confirmada, em segundo turno, a reeleio do Presidente da Repblica para o mandato de 2007 a 2010, o peso das denncias e sua valorizao pela mdia reavaliado por contraste, podendo evidenciar a tentativa de manipulao atravs da comunicao de massa, dada a ntida reduo das manchetes politicamente escandalosas aps 01/10/2006. Outra reavaliao diz respeito idia familiar de que a formao de opinio segue o modelo de "ondas em um lago" - onde progressivamente camadas se influenciam ao longo do tempo, sem reas de resistncia. Ainda que as denncias tenham repercutido em setores de classe mdia - em especial no sul-sudeste - isso no repercutiu ao longo do tempo nas classes sociais com maior nmero de pessoas.

80 ESTOPIM No dia 14 de maio de 2005, sbado, chega s bancas do Brasil a edio nmero 1905 da Revista Veja, datada de 18 de maio de 2005, quarta-feira. Na pgina 54, a matria "O homem-chave do PTB" denuncia um suposto esquema de corrupo na Empresa Brasileira de Correios e Telgrafos, o que valeu na capa da revista a seguinte manchete: "O vdeo da corrupo em Braslia". O artigo descreve, com base em gravaes feitas com uma cmera escondida, um episdio em que o diretor do Departamento de Contratao e Administrao de Material dos Correios, Maurcio Marinho, parece explicar a dois empresrios como funcionava um esquema de pagamentos de propina para fraudar licitaes. O esquema seria supostamente gerido pelo diretor de Administrao dos Correios, Antnio Osrio Batista, e por Roberto Jefferson, deputado federal pelo Rio de Janeiro e presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), aliado do governo. O vdeo, que foi ao ar pelas principais redes de televiso, mostra Marinho embolsando a quantia de R$ 3 mil, referentes a um suposto adiantamento para garantir uma fraude.

A maleta usada na gravao. Em funo da participao de agentes da Abin na investigao da fraude nos Correios, suspeita-se que foi o prprio governo quem comandou as investigaes, com o objetivo de lograr desfazer-se de aliados indesejados sem arcar com o respectivo custo poltico. A partir da, trava-se uma batalha poltica em que o governo tenta sistematicamente obstruir a instalao de uma Comisso Parlamentar Mista de Inqurito (CPI) para investigar os factos. Um acontecimento decisivo para a instalao da Comisso foi a manchete do jornal paulistano Folha de S.Paulo de 3 de junho, sexta-feira: "Operao abafa da CPI custa R$ 400 mi". No artigo "Operao contra CPI envolve R$ 400 milhes em emendas", publicado na seo 'Brasil', o jornal denuncia que o governo estaria liberando a quantia acima na forma de emendas ao oramento, como moeda de troca para que o Legislativo no fizesse nenhuma investigao. Diante dessa denncia, parte da base governista se junta oposio, defendendo a instalao da CPI. Acuado e abandonado pelos seus ex-aliados, Roberto Jefferson parte para o contra-ataque. No dia 6 de junho, segunda-feira, a mesma Folha de S. Paulo publica uma entrevista

81 exclusiva com o deputado petebista, at ento membro da base aliada do governo do presidente Luiz Incio Lula da Silva. Na entrevista, dada para a ento editora do Painel da Folha, Renata Lo Prete, Jefferson conta que Delbio Soares, tesoureiro do PT (o mesmo partido do presidente) pagava uma mensalidade de R$ 30 mil a alguns deputados do Congresso Nacional brasileiro, para que eles votassem seguindo a orientao do bloco governista. Roberto Jefferson referiu -se a essa mensalidade como mensalo. A palavra "mensalo" passa a significar a mensalidade paga a cada deputado e fica famosa em todo o Pas por causa da entrevista. Segundo Jefferson, o operador do mensalo seria o empresrio Marcos Valrio de Souza, cujas agncias de publicidade SMP&B e DNA tm contractos de trabalho com muitos rgos pblicos. A divulgao da entrevista de Jefferson aprofunda a crise no governo brasileiro e o escndalo passa a ser conhecido como escndalo do mensalo.

A CPMI dos Correios (E/D): Deputado Osmar Serraglio, relator, senadores Maguito Vilela, vice-presidente, e Delcdio Amaral, presidente. Foto: Jos Cruz/ABr. Aps a denncia da operao de abafamento da CPI e da entrevista de Jefferson, a oposio com apoio de deputados governistas, consegue finalmente instalar, a 9 de junho, a chamada "CPMI dos Correios". O fato determinante, isto , o objetivo da CPI, segundo o seu requerimento de criao: "investigar as causas e conseqncias de denncias de atos delituosos praticados por agentes pblicos nos Correios Empresa Brasileira de Correios e Telgrafos". Tendo perdido essa batalha, o governo busca ento conquistar postos -chave da CPMI dos Correios. A Presidncia e a Relatoria so ambas ocupadas por aliados do Palcio do Planalto: o senador Delcdio Amaral (PT-MS) e o deputado federal Osmar Serraglio (PMDB-PR), respectivamente. Entretanto, ambos adotam uma linha de relativa independncia. Com o tempo, a CPMI comea a direcionar suas investigaes para o "mensalo", praticamente deixando de lado a investigao da corrupo nos Correios, que seria o objetivo inicial.

82

CPMI da Compra de Votos. E/D: deputada Zulai Cobra (PSDB -SP), o relator da CPMI, deputado Ibrahim Abi-Ackel (PP-MG), e o presidente da CPMI, senador Amir Lando (PMDBRO). Foto: Jos Cruz/ABr. O governo contra-ataca e prope na Cmara dos Deputados a criao de uma nova CPI a fim de investigar a denncia de compra de deputados (o mensalo), no s da gesto atual, mas de todas as denncias de suborno de parlamentares, inclusive as denncias de compra de votos para a emenda da reeleio do ento presidente Fernando Henrique Cardoso, durante seu primeiro mandato. Aps muita disputa, as lideranas da Cmara e do Senado chegam a um acordo para sua instalao, como uma Comisso Mista, em 20 de julho, com o nome oficial de: "CPMI da Compra de Votos", e tendo como fato determinante, de acordo com sua ata de abertura: " apurar as denncias de recebimento de quaisquer vantagens patrimoniais e/ou pecunirias i ndevidas por membros do Congresso Nacional, com a finalidade de aprovar as matrias de interesse do Poder Executivo e, as acusaes do mesmo teor nas deliberaes da Proposta de Emenda Constituio n 01/1995, que dispe sobre a reeleio para mandatos executivos". Mais uma vez o governo consegue colocar aliados nos principais cargos dessa nova CPI. Para presidente escolhido o senador Amir Lando (PMDB-RO) e, para relator, o deputado federal Ibrahim Abi-Ackel (PP-MG). Abi-Ackel foi ministro da Justia no governo Figueiredo, poca em que foi acusado de envolvimento no "escndalo das jias", acusao que depois revelou -se falsa, pelo que foi ento inocentado. No obstante, o povo mesmo sabedor e com provas contundentes desses escndalos todos ainda assim, reelegeu Lula dizendo que toda a corrupo que envolvia o seu governo era estratgia da oposio para derrub-lo nas segundas eleies.

SEGUNDO MANDATO DE LULA:

Ressurge a crise histrica da dominao burguesa no Brasil Passaram-se nem sequer seis meses do segundo mandato do presidente Lula, que foi reempossado em janeiro de 2007 e, como era de se esperar, a crise estrutural e histrica da dominao

83 burguesa que atinge o Estado brasileiro comea a ressurgir com a mesma fora de 2005, quando o presidente esteve beira do impeachment. Enganaram-se, assim, aqueles ( direita e esquerda) que acreditaram que dita crise era coisa superada e j absolutamente coisa do passado. Passado este curto perodo do segundo mandato, menos de um semestre, e se dissolvem todas as falsas esperanas de que o pior j passara e que boa parte daqueles tumultos consistia apenas em exageros da luta pela sucesso presidencial: j explodem novos escndalos de corrupo que envolvem os diversos aliados polticos de Lula, comprometendo a aprovao das grandes reformas prometidas (reforma poltica, reforma trabalhista, reforma do ensino superior, reforma tributria, nova reforma da previdncia). Ao mesmo tempo, a crise j compromete inclusive todo o pseudoplano desenvolvimentista anunciado com grande alarde por Lula e sua equipe de governo, o chamado PAC (Plano de Acelerao do Crescimento), que modernizaria a infra -estrutura produtiva do pas. O presidente do Senado - Renan Calheiros, grande aliado de Lula, assim como, toda uma rede de polticos prximos ao presidente, diversos deputados e mesmo governadores do nordeste, como Jacques Wagner do PT aparecem envolvidos em escndalos com grandes empreiteiras: particularmente, Mendes Jr. e Gautama. Recentemente noticiou -se que a prpria toda poderosa ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, em passagem por Salvador, fez um passeio na superlancha do dono da construtora Gautama. Novamente ressurgem boatos de pagamentos em dinheiro, saques bancrios, envelopes e malas que chegam a R$ 600.000,00. Ao mesmo tempo revela-se que mais de 50% do Congresso Nacional teve as suas campanhas polticas financiadas justamente por empreiteiras envolvidas no pagamento de propinas. A polmica transposio do rio So Francisco, pretensiosa e polmica obra de irrigao que seria realizada no Nordeste envolve justamente a empresa Gautama, cujo proprietrio aparece no centro dos diversos processos de suborno de deputados, senadores e mesmo governadores. A rede de corrupo da Gautama, alis, vincula-se a boa parte dos projetos do PAC, o Plano de Acelerao do Crescimento, que era a grande novidade desenvolvimentista prometida por Lula. O empresrio Zuleido, dono da Gautama, j chamado de o Marcos Valrio do Nordeste, em referncia ao publicitrio que liderava a grande rede de corrupo que estourou os escndalos em 2005. Entre as descobertas praticamente comprovadas pela polcia federal, est o pagamento em dinheiro de R$100.000, 00 ao ministro das Minas e Energia, Silas Rondeau, que foi obrigado a renunciar. Vdeos mostram funcionria da Gautama entrando e saindo do gabinete do ministro com pacote, no qual estaria a suposta propina. As provas parecem irrefutveis, j que coincidem com retiradas correspondentes em dinheiro no mesmo perodo e gravaes telefnicas com a ssessores do

84 ministro que orientam a funcionria da Gautama a entrar por porta e elevador reservados para fazer a entrega da propina de forma mais discreta. Como se no bastasse tudo isso, em outra operao paralela da polcia federal, a operao designada por xeque-mate, investigando a quadrilha que atua na rea das mquinas caa -nqueis, gravaes tambm irrefutveis, envolvem, nada menos nada mais do que o irmo do presidente da repblica, Genival Incio da Silva, o Vav. Em gravaes telefnicas, o irmo do presidente negocia com membros da quadrilha e diz que falou hoje com o homem ou com ele que deu garantias de que tudo ia correr bem. Evidentemente o homem ou o ele, parece ser o prprio presidente Lula, que, de fato, no dia mencionado, estava na cidade de So Bernardo, onde mora Genival. O pior que, por mais incrvel que possa parecer, por ocasio de outros escndalos anteriores, havia ficado claro que o PT, partido do presidente, tem realmente, ou pelo menos teve ligaes diretas com o jogo clandestino: bingos, mquinas caa-nqueis, etc...Basta lembrar dos primeiros escndalos do outro mandato de Lula que comearam justamente com a corrupo nas casas de jogos (caso Waldomiro). O governo e PAC imobilizados Acompanhando essas sucessivas denncias, o governo e as suas principais lideranas no Congresso, assim como os seus ministros, aparecem imobilizados, preocupados em evitar CPIs (comisses parlamentares de inqurito) e desesperados para articular as suas defesas, nada fazem a no ser caar documentos que os inocentem. Renan Calheiros, o presidente do Senado, tenta provar que quem pagava a penso de sua amante no era a Mendes Jr., importante construtora que sempre executa grandes obras pblicas. O mesmo ocorre com uma srie de outros po lticos governistas que gastam todo o seu tempo em procurar bloquear o avano das investigaes policiais, parlamentares e judiciais. Enquanto isso, as obras do Plano de Acelerao do Crescimento permanecem paradas, inclusive por recomendao do TCU (Tribunal de Contas da Unio), j que os projetos no foram encaminhados cumprindo as devidas exigncias constitucionais. Sries de irregularidades so constatadas que impedem o incio das obras. Conforme relatou o TCU, existem atrasos nos processos de licenciamento ambiental, demora na desapropriao de terrenos e uma outra srie de entraves. Esta situao catica atinge 29 projetos da rea de infra -estrutura logstica do PAC (Programa de Acelerao do Crescimento), o clebre plano lanado em janeiro deste ano pelo presidente Lula. Todos esses 29 projetos sofrem problemas na sua execuo ou no foram sequer iniciados. Estudo indito da consultoria Macroplan, conforme escreveu esta semana a Folha de So Paulo, mostra que obras em atraso, fora do cronograma ou q ue enfrentam algum desafio (eufemismo usado pela Casa Civil na identificao dos problemas) esto oradas em R$ 31,4 bilhes.

85 A cifra corresponde a 54% do valor total dos projetos de infra-estrutura logstica do plano oficial de fomento economia. Esto nesse bolo obras de melhoria, duplicao e conservao de rodovias; construo e retirada de gargalos de ferrovias; modernizao de portos e ampliaes de aeroportos. Por outro lado, para contornar a ineficincia total, o governo edita medidas provisria s. Contrariando a constituio, nunca a gesto Lula recorreu tanto ao recurso de incluir despesas no Oramento via Medidas Provisrias. Conforme noticiou a imprensa, em menos de quatro meses, desde a sano do Oramento deste ano de 2007, o governo federal j realizou gastos de R$ 1,8 bilho por Medidas Provisrias. Ora, esse um recurso que s deveria ser utilizado em casos de exceo. Pela Constituio, as Medidas Provisrias devem atender a despesas imprevisveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoo interna ou calamidade pblica. Porm, como o congresso no funciona, como os ministrios esto emperrados, como o noticirio policial envolve o prprio irmo do presidente, as medidas provisrias tm servido para realizar algumas obras do PAC (Programa de Acelerao do Crescimento). Evidentemente, tudo isso corre sem a negociao aberta das verbas com o Congresso Nacional, fato este que abre a porta para mais corrupo, pois, as negociaes se do nos bastidores dos gabinetes e sem conhecimento da imprensa e da opinio publica. Onde anda a oposio? Diante de tudo isso que ocorre no comeo do segundo mandato Lula, cabe perguntar, onde est a oposio? Na verdade, como em 2005, ou de forma at piorada, a oposio burguesa, PSBD e Partido Democrata (ex-PFL), nada fazem, pois, boa parte dos seus polticos ou esto envolvidos nos mesmos escndalos com as empreiteiras, como Teotnio Vilela (PSDB), governador de Alagoas, ou se vem envolvidos em problemas similares ou mesmo piores. Um deles, por exemplo, Jos Serra (PSDB), governador de So Paulo, criou uma secretaria do ensino superior que pretendia tirar a autonomia das universidades estaduais. Diante disso, enfrenta uma greve dos professores, funcionrios e estudantes h mais de um ms. A reitoria da Universidade de So Paulo (USP), principal universidade do pas, se encontra ocupada pelos estudantes desde o dia 03/05/07, e o governador assiste, dia a dia, o aumento da sua desmoralizao. No quer retirar os decretos autoritrios que quebrariam a auto nomia das universidades pblicas do Estado e, ao mesmo tempo, teme o confronto com os estudantes e funcionrios da USP que esto decididos a resistir a um possvel ataque da polcia, anunciado vrias vezes, mas sempre adiado. Intelectuais, estudantes, funcionrios pblicos estaduais e de todo o pas vem se solidarizando com a luta em defesa da autonomia universitria e o governador Serra simboliza bem o mesmo imobilismo geral que toma conta da burguesia brasileira.

86 Por outro lado, manifestaes de rua comeam a surgir por todo o pas. Mais de 30 universidades participam de movimentos grevistas de funcionrios, professores e alunos. Algumas fbricas falidas vem sendo ocupadas pelos trabalhadores. Acordos a favor dos patres, ainda quando aprovados, passam com cada vez mais dificuldades nas grandes fbricas, tais como a Volks e outras metalrgicas. Mostrando o claro desgaste da CUT, central sindical do governo. A revolta cresce por todo o pas. Apesar da esquerda burocratizada que sempre procura recuar, manifes taes de 10.000 a 20.000 pessoas comeam a tomar as ruas dos grandes centros urbanos como So Paulo. Universidades, escolas, terras, prdios pblicos, fbricas, vem sendo ocupados por movimentos semi-espontneos que crescem muito alm do que esperavam as velhas direes ditas de esquerda. Sem dvida, entre os estudantes e funcionrios das universidades, o PT perdeu totalmente a direo, sendo at repudiado publicamente. Em assemblias da Universidade de So Paulo, por exemplo, os petistas, apesar de participarem do Diretrio Central dos Estudantes (DCE), foram expulsos da mesa das assemblias, devido s suas constantes traies. Realmente o povo no acredita no visvel para viver de iluses, isso burrice ou comodismo? Acreditar em Papai Noel ou o qu? No obstante, ainda assim, Dilma Roussef foi eleita como sua sucessora no Trono Presidencial pra continuar a boquinha fcil de ganhar dinheiro com a cegueira do povo.

Governo Dilma Roussef - Nascida em famlia de classe mdia alta, economista, interessouse pelos ideais socialistas durante a juventude, logo aps o Golpe Militar de 1964. Iniciando na militncia, integrou organizaes que defendiam a luta armada contra o regime militar, como o Comando de Libertao Nacional (COLINA) e a Vanguarda A rmada Revolucionria Palmares (VAR Palmares). Passou quase trs anos presa entre 1970 e 1972, primeiramente na Operao Bandeirante (Oban), onde teria passado por sesses de tortura, e, posteriormente, no Departamento de Ordem Poltica e Social (DOPS). Reconstruiu sua vida no Rio Grande do Sul, onde, junto a Carlos Arajo, seu companheiro por mais de trinta anos, ajudou na fundao do Partido Democrtico Trabalhista (PDT) e participou

87 ativamente de diversas campanhas eleitorais. Exerceu o cargo de secretria municipal da Fazenda de Porto Alegre de 1985 a 1988, no governo Alceu Collares. De 1991 a 1993 foi presidente da Fundao de Economia e Estatstica e, mais tarde, foi secretria estadual de Minas e Energia, de 1999 a 2002, tanto no governo de Alceu Collares como no de Olvio Dutra, no meio do qual se filiou ao Partido dos Trabalhadores (PT) em 2001. Em 2002, participou da equipe que formulou o plano de governo de Luiz Incio Lula da Silva para a rea energtica. Posteriormente, nesse mesmo ano, foi esco lhida para ocupar o Ministrio de Minas e Energia, onde permaneceu at 2005, quando foi nomeada ministra -chefe da Casa Civil, em substituio a Jos Dirceu, que renunciara ao cargo aps o chamado escndalo do mensalo. Em 2009, foi includa entre os 100 brasileiros mais influentes do ano, pela revista poca e, em novembro do ano seguinte, a revista Forbes classificou-a como a 16 pessoa mais poderosa do mundo. Em 2011 estava includa na lista das 100 personalidades mais influentes do planeta pela revista Time, como a terceira mulher mais poderosa do planeta e 22 pessoa mais poderosa do mundo pela Forbes. Ainda, recebeu o Woodrow Wilson Award, dedicados a lderes de governos dedicados a melhorar a qualidade de vida de seu pas e ao redor do mundo . filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT), e a atual presidente da Repblica Federativa do Brasil. Durante o governo do ex-presidente Luiz Incio Lula da Silva, assumiu a chefia do Ministrio de Minas e Energia, e posteriormente, da Casa Civil. Em 2010, foi escolh ida pelo PT para se candidatar Presidncia da Repblica na eleio presidencial, sendo que o resultado de segundo turno, em 31 de outubro, tornou Dilma a primeira mulher a ser eleita para o posto de chefe de Estado e de governo, em toda a histria do Brasil. Dilma tomou posse em 1 de janeiro de 2011, em cerimnia iniciada s 14 horas (horrio local), no plenrio do Congresso Nacional, em Braslia. Ela foi empossada juntamente com o vice presidente, Michel Temer. A cerimnia foi conduzida pelo ento presid ente do Senado Federal, Jos Sarney. Rousseff foi a primeira mulher a abrir a Assemblia-Geral da ONU em 2011 que foi realizada em Nova Iorque. A gesto Dilma Rousseff iniciou dando segmento poltica econmica do Governo Lula O novo governo comeou com a sada de Henrique Meirelles da presidncia do Banco Central, depois de oito anos frente da instituio Para o lugar de Meirelles, foi escolhido o ex-diretor do BC Alexandre Tombini, que, em discurso de posse, defendeu um sistema financeiro slido e eficiente como condio para crescimento sustentvel. Para outro local de destaque da equipe econmica do governo, o Ministrio da Fazenda, Dilma optou pela permanncia de Guido Mantega.

88 Apesar de ainda ter ficado dentro da meta do CMN, de 4,5%, com tolerncia de 2 pontos para cima ou para baixo, o IPCA de 2010 (ltimo ano do governo anterior) registrou alta acumulada de 5,91% e foi o maior desde 2004. Em janeiro de 2011, primeiro ms do Governo Dilma, o ndice de inflao registrou taxa mensal de 0,83%, o maior resultado desde abril de 2005 (0,87%), que levou a taxa acumulada em 12 meses para 5,99%. Em maro de 2011, com presso forte motivada por preos do grupo Alimentao e Transportes, o IPCA se manteve num nvel elevado, de 0,79%, que representou a maior taxa para o ms desde 2003. O resultado mensal levou a taxa acumulada em 12 meses para 6,30%, nvel bem perto do teto da meta perseguida pelo Banco Central, que gerou preocupaes dos economistas do mercado financeiro e obrigou o governo a adotar novas med idas de restrio ao crdito para controlar o aquecimento da economia . No ms de abril, o indicador do IBGE mostrou desacelerao, para uma taxa de 0,77%, mas isso no impediu que o resultado acumulado em 12 meses superasse o teto da meta de inflao. O n mero atingiu 6,51% e representou o primeiro rompimento do nvel perseguido pelo BC desde junho de 2005. Como medida inicial para evitar que a inflao chegasse a nveis desconfortveis para o cumprimento da meta de 2011 estabelecida pelo CMN, o Governo Dilma promoveu o aumento da taxa de juros. Logo na primeira reunio do Copom, a diretoria do BC elevou a taxa Selic em 0,50 ponto porcentual para 11,25%, maior patamar desde maro de 2009. Na segunda reunio do comit do Banco Central, os juros foram elevados novamente em 0,50 pontos porcentual, agora para 11,75% ao ano, o maior nvel desde os 12,75% de janeiro de 2009. Em abril, um novo ajuste na Selic, de 0,25 pontos porcentuais , levou a taxa para a marca de 12% ao ano. Com mais este aumento, o Brasil seguiu na liderana entre as taxas de juros reais mais elevadas do mundo. O posto foi mantido depois das reunies de junho e julho do Copom, que promoveu mais dois aumentos de 0,25 pontos porcentuais e levou a Selic para o nvel de 12,50%. Na reunio do Copom de agosto, a diretoria do BC surpreendeu o mercado financeiro com um corte de 0,50 pontos porcentual na Selic, para 12% ao ano, enquanto a totalidade dos economistas trabalhava com a manuteno da Selic no nvel de 12,50%. A justificativa do dos diretores da autoridade monetria foi de que a crise internacional vivida por economias centrais, como dos pases da Europa, traria influncia na economia brasileira. A deciso do Banco Central foi criticada pelo mercado financeiro e por partidos de oposio. Eles levantaram a hiptese de perda de independncia da autoridade monetria, j que, dias antes da opo pela reduo dos juros, a presidente Dilma Rousseff havia afirmado que comeava a ver a possibilidade de reduo dos juros no Brasil. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, rebateu as crticas ao BC, afastando a hiptese de interferncia poltica na deciso do Copom.

89 Em junho de 2011, o IBGE fez a primeira divulgao sobre PIB do Governo Dilma. De acordo com o instituto, a economia brasileira apresentou crescimento de 1,3% no primeiro trimestre de 2011 ante o quarto trimestre de 2010, quando o PIB havia se expandido 0,8% sobre o terceiro trimestre. Na comparao com o primeiro trimestre de 2010, a expanso do PIB foi de 4,20%. Em fevereiro, o Congresso Nacional, aprovou a proposta estipulada pelo Governo Dilma, de aumentar o valor do salrio mnimo, de R$ 510 para R$ 545, mesmo com a sugesto de partidos da oposio de valores de R$ 560 e R$ 600. O reajuste foi superior inflao acumulada de 2010, quando o INPC foi de 6,47%, mas recebeu crticas de setores da sociedade civil. Especialistas lembram que, se confirmadas as projees para o INPC do primeiro bimestre, o valor de R$ 545 teria em maro, ms que entrou em vigor, poder de compra 1,3% inferior ao de janeiro de 2010, no ltimo reajuste do Governo Lula. Para repor a inflao de 14 meses, seria necessrio um aumento para R$ 552. Com a inflao do primeiro bimestre confirmando as expectativas de alta mais intensa, foi o primeiro reajuste anual do mnimo abaixo da inflao desde 1997. Em fevereiro de 2011, o governo anunciou um corte recorde de R$ 50 bilhes no Oramento federal do mesmo ano, o equivalente a 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB). A justificativa para a deciso foi a de que o bloqueio de gastos era uma maneira de o governo tentar combater as presses inflacionrias, e, com isso, permitir uma poltica "mais suave" para a taxa bsica de juros. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, explicou tambm que a medida fazia parte tambm do processo de reverso de todos os estmulos feitos para a economia brasileira entre 2009 e 2010 para evitar os efeitos negativos da crise financeira internacional. Durante a campanha eleitoral da qual saiu vitoriosa, tanto Dilma Roussef como seu adversrio Jos Serra, negara m que fariam acertos deste tipo nas contas pblicas. No corte recorde do Oramento, o programa Minha Casa, Minha Vida recebeu conteno de mais de R$ 5 bilhes nos repasses do governo, apesar de o governo afirmar que as despesas com os programas sociais e com os investimentos do PAC (Programa de Acelerao do Crescimento) seriam integralmente mantidos. De acordo com Miriam Belchior, ministra escolhida por Dilma para o Planejamento, a reduo de despesa teve relao com o fato de a segunda parte do Minha Ca sa ainda no ter sido aprovada pelo Congresso. Dilma suspendeu a contratao dos aprovados em concursos pblicos e a realizao de novos processos seletivos durante o ano de 2011, como forma de conter os gastos do governo, considerados elevados nos ltimos anos. Durante sua campanha nada foi falado sobre a suspenso. Ao contrrio do que foi falado em sua campanha Dilma cortou gastos com investimentos e as despesas com salrios, custeio da mquina pblica e da rotina do governo subiram. Com pessoal e custeio, o governo gastou R$ 10 bilhes a mais no primeiro trimestre em comparao

90 ao mesmo perodo do ano passado. Se forem includos os gastos com juros, o aumento chega a R$ 13,2 bilhes. praticamente um quarto do corte de R$ 50 bilhes feito no Oramento deste ano. Foi aumentado tambm gastos com dirias e passagens, supostos alvos de cortes. J em investimentos, os gastos caram pouco mais de R$ 300 milhes na comparao com 2010. Os dados foram lanados no Sistema Integrado de Administrao Financeira (Siafi), que registra gastos federais, e foram pesquisados pela ONG Contas Abertas. A queda nos investimentos ocorre tambm nas empresas estatais federais. Nos primeiros trs meses deste ano a reduo foi de R$ 1,4 bilho. Depois de receber do governo anterior o Pas com um valor total recorde de US$ 288,575 bilhes em reservas internacionais, a gesto Dilma Rousseff atingiu, no incio de fevereiro, um total de US$ 300 bilhes em reservas, o que representou nova marca histrica. Economistas avaliam que, se por um lado, um valor alto das reservas possibilita uma maior segurana para o pas enfrentar crises externas, por outro lado, a compra de dlares por parte do governo brasileiro tende a aumentar a dvida interna nacional. Relaes Comerciais com o Exterior Em abril de 2011 viajou para a China e realizou ampliao nos negcios com aquele pas. Possibilitou a produo de aeronaves da Embraer em territrio chins, alm de ganhar aval indito para a exportao da carne de sunos, com a habilitao de trs unid ades frigorficas. Ao todo foram assinados mais de 20 acordos comerciais. A Huawei anunciou investimentos de US$ 350 milhes no Brasil. Numa rpida visita ao Uruguai em maio de 2011, Dilma e Mujica assinaram acordos envolvendo nano, TI e biotecnologia. Estabeleceu projetos para a instalao de uma linha de transmisso de 500 quilowatts entre San Carlos, no Uruguai, e Candiota, no Brasil, alm da adoo, pelo governo uruguaio, do padro de TV Digital nipo -brasileiro. Poltica Externa O Governo Dilma comeou a gesto da poltica externa com algumas mudanas de posio em relao ao governo anterior. Uma delas foi relacionada s questes dos direitos humanos do Ir, j que no governo anterior o representante do pas na ONU se abstinha de votar a favor de sanes. Dilma deixou claro que estaria disposta a mudar o padro de votao do Brasil em resolues que tratassem das violaes aos direitos humanos no pas do Oriente Mdio. Relaes com a imprensa Nos primeiros meses de governo, Dilma contrariou a vontade de setores do prprio partido de regular a imprensa e declarou que "a imprensa livre imprescindvel para a democracia".

91 Acusaes de corrupo Em abril de 2011, matria publicada no jornal Folha de So Paulo, afirma que o vicepresidente da Repblica, Michel Temer, investigado no STF sob a suspeita de ter participado do esquema de cobrana de propina de empresas com contratos no porto de Santos, em So Paulo. O caso chegou ao STF no dia 28 de fevereiro e seguiu para a apreciao da Procuradoria-Geral da Repblica. Temer acusado de ter recebido mais de 600 mil reais, mas negou a acusao.

Ex-ministro chefe da Casa Civil, Antonio Palocci. Em 15 de maio, matria tambm publicada na Folha de S. Paulo, afirma que o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, multiplicou por 20 seu patrimnio em quatro anos. Entre 2006 e 2010, passou de 375 mil para 7,5 milhes de reais. Palocci disse que declarou os bens Receita Federal e negou irregularidades. O caso teve repercusso e a oposio exigiu explicaes do ministro, inclusive acionou Procuradoria da Repblica e ao STF. No entanto, manobras dos governistas que so maioria, impediram que o ministro se apresentasse Cmara dos Deputados. A brindagem dos deputados ao ministro e o silncio de alguns principais opositores, provocou protestos na internet, pois os usurios da rede Twitter mostraram descontentamento contra alguns polticos (tanto da base governista, como o presidente do Senado, Jos Sarney; quanto da oposio, como o senador Acio Neves e o ex-governador Jos Serra, ambos do PSDB), que afirmaram no ver irregularidades. No dia 7 de junho, Palocci pediu demisso do cargo que ocupava no governo.

Ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento.

92 Em julho de 2011, a presidente Dilma Rousseff determinou o afastamento da cpula do Ministrio dos Transportes , depois de denncias de superfaturamento em obras pblicas apontadas em reportagem da revista Veja, que trouxe informaes de que representantes do PR, partido do ministro Alfredo Nascimento, e a maior parte da cpula do ministrio, funcionrios da pasta e de rgos vinculados teriam montado um esquema de recebimento de propina por meio de empreiteiras. O ministro foi o nico que permaneceu no cargo e determinou a instaurao de uma sindicncia interna para apurar as supostas irregularidades envolvendo os funcionrios do ministrio. Com o agravamento da crise no Ministrio dos Transportes aps suspeitas de enriquecimento ilcito de seu filho, Alfredo Nascimento entregou carta de demisso Presidncia da Repblica no dia 6 de julho. Mais de 30 pessoas ligadas diretamente ou indiretamente ao Ministrio do Turismo foram presas pela Polcia Federal, acusados de terem desviado 4,4 milhes de reais entre o ministrio e o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentvel (Ibrasi). Entre elas estavam o secretrio-executivo Frederico Silva da Costa, o ex-presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR) Mrio Moyss, o secretrio nacional de Desenvolvimento de Programas de Turismo, Colbert Martins da Silva Filho, e diretores e funcionrios da Ibrasi e empresrios. Aps cerca de uma semana, todos foram soltos com habeas corpus ou liberados aps prestarem depoimento polcia.

Ex-ministro da Agricultura, Wagner Rossi. No dia 17 de agosto de 2011, o ministro da Agricultura Wagner Rossi pediu demisso aps denncias envolvendo sua gesto e sua conduta na pasta. Em entrevista revista " Veja", Oscar Juc Neto chamou o Partido do Movimento Democrtico Brasileiro (PMDB), partido do ministro Wagner Rossi e do vice-presidente, Michel Temer, de central de negcios". Oscar Juc Neto ex-diretor financeiro da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e irmo do lder do governo no Senado, Romero Juc (PMDB-RR). Ele foi exonerado do cargo por autorizar um pagamento irregular de cerca de 8 milhes de reais empresa de um laranja. Segundo Neto, a Conab estaria atrasando o repasse de 14,9 milhes de reais empresa Caramuru Alimentos para aumentar o montante a ser pago

93 em 20 milhes de reais. Desse total, 5 milhes de reais seriam repassados por fora a autoridades do ministrio. O ministro negou todas as acusaes. Em outra denncia, reportagem da Folha de So Paulo apontou que Rossi transformou a Conab num cabide de empregos para acomodar parentes de lderes polticos do PMDB. Sobre as nomeaes, o ministro disse que colocou pessoas qualificadas no estatal. A revista "poca" publicou reportagem com base em vdeos, documentos e cheques, que integram uma investigao sigilosa do Ministrio Pblico Federal e da Polcia Federal sobre irregularidades na ANP (Agncia Nacional do Petrleo), autarquia especial vinculada ao Ministrio de Minas e Energia, sob o comando de Edison Lobo (PMDB). Em uma das gravaes, dois assessores da agncia exigem propina de 40 mil reais para resolver um problema de um cliente. A reportagem tambm obteve a cpia de um cheque que um dos assessores da ANP recebeu de um advogado ligado ao maior adulterador de combustvel do pas. No dia 26 de outubro de 2011, o ministro do Esporte Orlando Silva Jr., deixou o governo, tambm depois de uma sequncia de acusaes de corrupo que foram divulgadas pela imprensa. A principal delas foi a de que ele teria participao em um esquema de desvio de dinheiro pblico do Segundo Tempo, programa do governo federal destinado a promover o esporte em comunidades carentes. Segundo Silva Jr., no houve nem haveria qualquer tipo de prova de seu envolvimento. A demisso do ministro aconteceu um dia depois de o Supremo Tribunal Federal autorizar a instaurao de inqurito para investig-lo, a pedido da Procuradoria Geral da Repblica. E at agora o governo Dilma no apresentou nada que mudasse o Brasil para melhor, nem na inflao, em hospitais, a misria continua, os aumentos de bandidos, enfim. Nada resolvido. Mas dinheiro para construir estdios de futebol, patrocinar sorteios caros da FIFA, construir obras inteis isso se tem. E como no bastasse ainda assumiu um analfabeto com mais de um milho de votos para ser Deputado Federal ganhando mais de R$250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais) por ano pra fazer leis srias que nem mesmo ele sabe pra que serve. Ora, o cidado comum precisa de pelo menos um nvel universitrio para qualquer emprego comum e ganhar um sal rio razovel para sobrevivncia. No entanto, para definir leis importantes que regem o destino de uma nao pode ser eleito qualquer analfabeto, isso uma vergonha nacional e fora os jogadores de futebol etc que se elegem pra pegar uma boquinha, pois o pas continua se afundando em crise e agora cada vez mais. E ainda, para mascarar essa situao a mdia anuncia que o Brasil um pas sem crise e ainda diz que ajudar os pases da Europa a sairem da falncia. Ora bolas, se no cuidam nem de nossos mendigos, da nossa pobreza, do nosso analfabetismo, como podemos ajudar os outros pases se no cuidam nem de ns?

94 Infelizmente esse o Brasil porque temos um povo pacfico e com pouca instruo. O povo deve conscientizar-se que na democracia ele quem manda, ele escolhe um representante, portanto deve cobrar desse representante escolhido as benfeitorias e melhorias e no simplesmente, se acomodar, ou se iludir que est tudo bem, com adoantes pro visrios que o Presidente injeta na boca do povo, fazendo com que tudo termine em pizza!

CONCLUSO Pelo exposto em todo o livro, voc pde conhecer e entender os governos civis e militares. Por isso chego concluso que tanto a Ditadura como a Democracia so governos que esto inversamente proporcionais e so irmos gmeos. Existiam at alguns comunistas que falam mal at hoje da ditadura militar, porque eram rebeldes e perseguidos pelo sistema. Existem filmes, livros, exibindo e falando mal da ditadura, mas esses que o fizeram esqueceram de dizer - que se eles foram perseguidos, algum motivo tinha, mas s contam aquilo que convm, para que as pessoas que no viveram naquela poca s vejam o lado ruim. Eles vivem falando de sofrimento na ditadura milita r, por qu eles no respeitavam o sistema? Por qu eram to rebeldes? Porque queriam aparecer? Talvez se eles tivessem respeitado, como a maioria do povo respeitou, eles tivessem passado pela ditadura melhor e menos perseguido. E assim aconteceu com milhares de pessoas e polticos, mas foram s milhares, porque milhes de pessoas, respeitaram e nada sofreram. Assim, nos governos militares, o povo s no tinha direito de greve e de se expressar livremente atravs dos meios de comunicao para falar mal do go verno, pois me parece um tanto quanto sensato, porque o povo no tinha o que falar mal; pois tinha hospital pblico funcionando, tinha escolas pblicas no falidas, tinha moradia, tinha emprego, tinha menos bandidos, assaltos, seqestros e tantas barbaridades que vemos na tal democracia, ou seja o mesmo que o capitalismo selvagem. O militar obrigava os pais a matricularem seus filhos nas escolas, pois seno o pagamento mensal em seu trabalho seria cortado, tinha que comprovar atravs de matrcula de seis em seis meses, tinha que comprovar tambm que as crianas eram vacinadas, tanto fazia em emprego pblico como em empresas privada. Com isto havia, mas respeito e disciplina. O incentivo ao esporte comeou na to chamada Ditadura Militar que os mal informad os acham at hoje um horror, pois o Brasil foi tricampeo em 1970, como tantos outros esportes incentivados, em plena ditadura. Na dcada de 60, nos meados aps 30 de maro de 1964, quando houve a chamada Revoluo, que comeou a ditadura, o povo ficou desgostoso, mas logo entendeu que tinha que

95 ser feito isto, pois o Brasil era uma baderna, e aqueles que sumiram talvez muitos fossem inocentes, mas nem todos - segundo o dito popular: manda quem pode obedece quem tem juzo , pois o Presidente Castello Branco avisara, que o pas passaria por uma fase de transio que s dependeria do comportamento do povo, para que logo acabasse a Ditadura, mas os rebeldes esquerdistas, socialistas ou sei l o que, no inconformados com tal deciso, faziam movimentos que para os militares eram considerados comunistas. Os militares viram que com a desobedincia do povo, reivindicando coisas que at ento no tinham o direito de cobrar, pois quem no vive para servir, no serve para viver, resolveram baixar os atos institucionais (AI), o mais famoso era o AI5, pois caava os direitos de alguns polticos e no poderem mais se manifestar, alguns at calaram, porque tinha bom senso como o Carlos Lacerda, o Juscelino Kubstcheck e outros. Mas alguns foram exilados e tiveram at que fugir do pas, como Fernando Henrique Cardoso e tantos outros artistas, que achavam que atravs da msica podiam transmitir alguma mensagem de valor, e foram tambm exilados, como Caetano Veloso e tantos outros. Alguns at chegaram a falar que o Geraldo Vandr, tinha sido castrado s porque cantou em festival a Msica - S Porque No Falei de Flores -; isso eu considero um absurdo, mas nunca pude comprovar se foi verdade ou mentira, pois at hoje o assunto foi abafado. Mas todos s lembram o lado ruim, sem analisar o porqu dos acontecimentos. No entanto, todos esqueceram de falar, que teve um lado bom, o Militar era mais amigo do povo, pois dava condies de sobrevivncia, como j foi dito anteriormente, o povo tinha, sade (hospitais), escola, habitao e um salrio mnimo decente, apesar de faltas de faculdades, que era o que o jovem sempre reivindicava, foi com o tempo formando algumas faculdades particulares e criando novas vagas em federais e estaduais. O militar era um pai rigoroso que no perdoava e rros, mas ao mesmo tempo em que ele exigia, ele dava mais do que os governos civis. Como os jovens ajuizados da poca, que no queriam se meter em confuses nem parar no DOPS, a juventude se uniu e s falava de paz e amor, tanto assim o famoso Anos Dourados, dcada de 60, que j foi at seriado de televiso, os melhores festivais, foram daquela poca, e todos os melhores artistas, cantores, compositores famosos e bastantes lembrados por incrvel que parea so frutos da Ditadura, como: A Jovem Guarda c om seu elenco maravilhoso, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Vanderla, Os Incrveis, Os Fevers, Renato e Seus Blue Caps, Ronnie Von, Rosemarie, Os Vips, Trio Esperana, Os Golden Boys etc. Paralelamente a Jovem Guarda, corria outro estilo de msica como a Bossa Nova, com os incrveis imortais, Vincius de Morais, Toquinho, Tom Jobim, Marcos e Paulo Srgio Valle, Joo Gilberto, Ronaldo Boscoli, Elis Regina, Jair Rodrigues, com um bossa toda especial passou pela ditadura o maravilhoso Jorge Ben (hoje Jorge Benjor), na parte de samba Chico Buarque de Hollanda, o

96 samba todo especial de Martinho da Vila e tantos outros, que so famosos at hoje em dia e ser sempre, pois todos sabem, e no fizeram nada melhor de l para c, onde o povo era solidrio, os amigos eram amigos, as festas juninas eram festas maravilhosas que em quase todas as ruas dos bairros eram fechadas, e eram solidrias todos os vizinhos que se conheciam entre si, as famosas festinhas tipo americanas, que cada sbado era na casa de um, as moas lev avam os salgados e os rapazes as bebidas, ou seja, Coca-Cola, Rum e limo para se fazer a famosa bebida da poca, Cuba Libre. Todos danavam a noite inteira em um ambiente saudvel, alegre e descontrado. poca que se brincava o Carnaval nos Clubes, as ruas eram enfeitadas, inclusive as da cidade, alm das escolas de sambas, podiam brincar livremente, pois, tambm passavam blocos maravilhosos, como o Cacique de Ramos, Bafo da Ona, Canrios das Laranjeiras, o povo brincava sem preocupao de bandidos, assaltos etc, isto no Rio de Janeiro. Existia um roteiro para reflexo: filmes marcantes da dcada de 60, cineclube da estao Botafogo que selecionou obras de cineastas brasileiros como; Nelson Pereira dos Santos, Glauber Rocha e Cac-Diegues. Casa da Gvea - mais ativo centro de produo do Rio apresentava a pea Morte e Vida Severina de Joo Cabral de Mello Neto, com Direo de Cristina Pereira e atores de 3 idade. Praa do Jquei - exibia mostra de vdeo com programao de TV anos 60, existia um noticirio famoso o Reprter Esso, a prpria TV Globo foi fundada em plena Ditadura, etc. Os trabalhadores tinham melhores remuneraes, havia uma vida mais digna, pois mesmo com salrio mnimo, a famlia, no precisava que o casal trabalhasse para fazer uma excelente renda, s precisava o homem trabalhar, pois ele conseguia sustentar sua mulher e seus filhos. Enfim o povo, era mais feliz e no sabia, pois a idia de alguns comunistas, querendo a Democracia, pressionou tanto o governo que os militares resolv eram dar a Abertura Poltica, resolveram anistiar pessoas que no mereciam, pois aqueles que no respeitaram os seus superiores, no eram dignos de respeito, por isso os no merecimentos de suas anistias. Como vocs puderam observar o povo s no tinha liberdade de expresso, mas tinha dignidade, pois foi a Ditadura mais democrtica (pelo povo) da histria do Brasil, pois onde o povo no tinha seu ordenado controlado pelo governo, onde se tinha emprego, festivais, moradias, carnavais, onde no tinha congelamento de nada, no tinha greve, no tinha baguna, no tinha drogas, as prises eram decentes, onde os presos, aprendiam um ofcio, para que quando sassem da cadeia, pudessem novamente se reintegrar na sociedade e no ficava ocioso na priso, fazendo ou exigindo isso ou aquilo, onde o povo era tratado com muita dignidade e como verdadeiro cidado.

97 E a veio a to famosa Democracia, os exilados puderam voltar ao Brasil, os baderneiros podiam de novo a se canditar politicamente, e o povo to despreparado estava para a Democracia, que comeu muito melado e est se lambuzando at hoje. Acredita ainda piamente, que ainda o melhor regime, pois o pior cego aquele que no quer enxergar, e povo atualmente est cego ou levou uma lavagem cerebral, por no ter e ntendido a Ditadura militar, e por no se informar, virou um povo egosta, mesquinho, preocupado s em ganhar dinheiro, ganancioso, invejoso, e pouco trabalhador, querendo se dar bem as custas de qualquer jeito, pois a Democracia e os grandes do governo fazem acreditar que vivemos e passamos pelo melhor momento do pas, pois para eles quanto mais pobres, assassinos, bandidagem etc. existirem melhor para eles, porque ai dos ricos se no fossem os pobres, os sem instruo, porque no interessa para nenhum deles ter um povo altamente alfabetizado e instrudo, porque sabem que eles no se criam. Est na hora do povo acordar - Acorda Brasil! Que democracia essa que nos impe o ano inteiro, mesmo no sendo ano de eleio, a nos obrigar ver propagandas polticas em seus horrios eleitorais, ainda por cima em horrio nobre da televiso, e em intervalos de programas, em todas as emissoras. Que Democracia essa que somos obrigados a votar? Que Democracia essa que o homem ainda obrigado a prestar servio militar? Est na hora de enxergar como a Democracia de hoje esses governos mais ditadores que a prpria ditadura militar, no est com nada, pois j mencionei os fatos acima. Pois bem, basta vocs prestarem bem ateno na promessa de campanha do Presidente Ferna ndo Henrique veja quais os quesitos que foram cumpridos, vocs vo observar que quase nenhum. Precisamos entender que o Governo de um conservador metido a socilogo segurou a estabilidade econmica custa da misria, promovendo uma abertura comercial ins ana que gerou desemprego brutal. Este Governo teve vrios problemas. Um deles moral. Outro histrico: quis nos rouba at o discurso da preocupao social. Criou um arremedo de poltica social com a Comunidade Solidria, mas nunca se morreu tanto e de forma to degradante nos hospitais pblicos. Nunca o desemprego, em toda histria do pas, foi to grave. Nunca tivemos nosso destino to amarrado s estratgias econmicas das grandes corporaes internacionais, ou seja, o Brasil no mais dos brasileiros com tantas privatizaes, sem sabermos que fim leva o dinheiro das empresas privatizadas, pois o dficit pblico continua crescendo e a to famosa dvida externa continua na mesma. Comentrio do Governo Fernando Henrique O Governo de Fernando Henrique me lembro e ainda no acredito. Ele foi cnico no dia em que os sem-terra fizeram uma grande manifestao em Braslia para pedir justia e segurana contra os fazendeiros que matam trabalhadores no interiorzo do pas e disse que, do Palcio, no

98 conseguia ouvir os apelos de uma manifestao de 80 mil pessoas. Ao mesmo tempo, ouve os banqueiros falando no seu ouvido, para que salve bancos falidos como o Econmico e o Nacional (j mencionado anteriormente). Ele meteu a mo na lama para aprovar a reeleio sem ter feito nada para reduzir as desigualdades sociais, para amenizar o desemprego. Foi cnico o suficiente para dizer tambm, que o salrio de R$ 21.600,00 para os parlamentares seria o preo que o brasileiro tinha que pagar para a reforma administrativa. debochado quando ia para a televiso falar seus discursos demaggicos. Olho para o mapa do mundo e penso: que ele faz exatamente como Menem fez na Argentina para conseguir o segundo mandato, Fujimore no Peru para conseguir o terceiro mandato, Ernesto Zedillo faz o mesmo no Mxico. No podemos aceitar isso aqui. O Brasil mais complexo que estes pases. E Fernando Henrique que socilogo, deveria ter um comportamento melhor do que esses seus colegas latino -americanos. Ele quer ser comparado com os presidentes dos pases de 1 Mundo, como Frana, Estados Unidos e Alemanha, mas age como se fosse um Fujimori, um Menem ou um Zedillo. Sem entrar no mrito ao chamado confisco da poupana, no incio do governo Collor, do qual fez parte o ministro do Planejamento, Antnio Kandir, e o prprio presidente, deve-se lembrar que a polmica medida foi aprovada pelo Congresso Nacional e ratificada pelo Supremo Tribunal Federal. Por isso toda ateno, mudaram s os nomes dos cargos, pois a panela continua a mesma. A baixa da inflao no quer dizer uma moeda estvel, pois muito fcil estabilizar moeda com ordenados baixos, tirando o poder de compra do trabalhador, virando assim a moeda mais irreal que j vi. A moeda (Real) s ser totalmente estvel, forte quando o dla r for igualmente 1 (um) por 1(um), quando o salrio mnimo for decente, a tal ponto que possa pelo menos o trabalhador pagar seu aluguel, comer e dar instruo aos filhos, como manda a Constituio. O Real realmente ser real quando o poder de compra do trabalhador, tiver poder de compra mesmo, sem que haja inflao. Quando a inflao no passar de 2% ao ano no mximo, quando os juros forem pequenos, tanto juros bancrios, como qualquer outro tipo de juros. A sim podemos acreditar que o Real mesmo uma moeda forte, enquanto isso no acontece no acredito em um s paliativo que o governo vem dando para que o Real no perca o controle e comece a inflao novamente. Quando o povo no tiver que se sacrificar tanto, quando houver justia social, empregos, sade, justia em geral etc, tudo o que o povo tem direito, a sim ns teremos obrigaes de manter um Brasil melhor. Para que o Real no se desvalorizasse mais do que j estava, o governo do Brasil no fez investimentos em diversas reas, pois teria que pedir emprstimo ao exterior, e no teria como pagar porque o FMI j estipulara alguns parmetros para que o Brasil no pudesse mais pedir

99 emprstimos, por isso que chegamos a vergonha que estvamos lutando contra apages, contra a falta de gua (no s porque no chovia), existem outras fontes de energias alternativas seno hidreltricas. O governo j estava avisado anos atrs que precisaria de investimentos na rea de energia. Mas ele no pode fazer sem que houvesse mais desvalorizao do real. Ainda mais que tudo foi privatizado e no interessava a ele obrigar as concessionrias investirem, porque afinal de contas, o Brasil est no poder dos americanos e espanhis, e para estes s interessam os lucros e os possveis empregos que do ao seus pases, gerand o assim mais desempregos para os brasileiros. A falta de vergonha to grande por parte do governo, que obrigava o povo ou seja dita normas (ditadura), a fazer economia de 20% na energia eltrica, porque se passar da mdia estipulada pelo governo, o povo pagar uma sobretaxa, ferindo at o direito do consumidor. Para todos at aqueles que gastavam mais, tambm a taxa de 20% fazendo assim mais uma injustia para aqueles mais pobres ou para aqueles que j economizavam energia. Pois a meu ver, aqueles que gastam mais teriam que economizar mais, pois muito fcil para aquele que gasta mais de 500 kw, economizar 20%, pois para eles cab iam uma mdia de 400 kw, e para aqueles que economizavam at 200 kw, ficava com uma mdia muito pequena, eles que gastavam mais de 500 kw tinham que economizar mais de 50% para ficarem iguais aos de 200 kw, pois afinal quem nunca economizou, quem sempre desperdiou energia que sai com vantagem, pois se eles colocam uma economia de 50% eles sero os primeiros a serem prejudicados , entre eles a se prejudicarem ou os menos favorecidos, os pobres, que se danem ficam prejudicados os pobres, isto incrvel!!! Depois foi criado - uma comisso para combater o crime organizado nas cadeias e nas ruas, estavam pensando em criar uma Guarda Nacional, com a unificao das Polcias Civil e Militar, ou ento colocar o exrcito nas ruas. Ora, bolas! Se o ilustre FHC foi contra a ditadura militar, foi exilado e perseguido por que agora ele acha que os militares so melhores, que as polcias? Responda quem puder!!! o homem da contradio, do cinismo, da arrogncia, da petulncia, do utopismo, da demagogia etc..., com uma personalidade to extraviada, como podemos prever qual outro ato de cafajestismo que ele iria ter agora? E o povo votou novamente. Comentrio final E como se no bastasse, o Sr. Incio Lula da Silva, tambm com dois mandatos, mesmo com todos os escndalos de seu governo como foi exposto acima no livro nada aconteceu e ainda elegeu a sua sucessora do mesmo partido. Chega-se a concluso que o povo aprovou seu governo ainda que corrupto.

100 E a Sra. Dilma Roussef pelo jeito vai continuar na linha do Sr. Lula que continuou fazendo nada mais nada menos o programa de governo do Sr. Fernando Henrique, pois at agora nada de novo nenhum governo apresentou melhoras para o povo. O governo sempre acusa a Ditadura e indeniza os guerrilheiros da dcada de 60 dizendo que eles sofreram com torturas e at famlias de pessoas que foram mortas. Ora, deixemos de hipocrisia e quem indeniza as pessoas que foram mortas e torturadas tambm pelos guerrilheiros ? Inclusive nossa Presidente era um deles. E a impunio dela foi ser PRESIDENTE DO BRASIL. Isso ridculo e demais para minha cabea. Mas infelizmente essa a realidade de um povo inculto, ignorante e to corrupto quanto os polticos, se assim no fosse seramos pases de primeiro mundo, pois quem faz o Pas no so os governantes e sim o Povo. Por conseguinte, s depende do Povo a mudar essa situao para elegermos polticos melhores, essa a finalidade deste livro, levar mais esclarecimentos e deixarem vocs compararem que tanto a ditadura tem cara de democracia, como a democracia tem cara de ditadura. Porque so tantos os episdios vergonhosos dos governos, que se eu fosse comentar todos, no haveria pginas suficientes para o livro. Conclui-se que nenhuma forma de governo at agora foi ideal para o Brasil por tudo exposto neste livro. Vamos tentar eleger polticos melhores que realmente tenham inteno de beneficiar o povo Por isto prestem ateno: Quer dizer Poltica - cincia do governo dos povos, arte de governar um Estado e regular suas relaes com outros princpios polticos, tratado de poltica, maneira hbil de agir em assuntos particulares, a fim de obter o que se deseja, civilidade, cortesia, astcia e artifcio. Quer dizer Politicagem - os maus polticos. Quer dizer Politicalha - o mesmo que politicagem. Quer dizer Politicalho - o que faz politicalhas, politiqueiro. Como puderam notar, os nossos polticos so politicalh es, so maus polticos. Como j foi dito, nenhuma das duas formas de governo e nem o sistema foram ideais para o Brasil, mas ainda acho que com a ditadura o povo vivia com um pouco mais de dignidade, no entanto, s teremos uma forma de governar ideal, quando o povo acreditar nele mesmo, quando ele se politizar melhor e no votar em polticos menos ruins, e sim votar em polticos bons, no votar no mais bonitinho, ou naquele que aparentemente parece srio, no votar naqueles que do dentaduras e outros benefcios somente para angariar votos, mas, votar naquele que o melhor, prestar ateno, no passado do candidato, no perfil, e em suas propostas de governo se no tiver, no votar, ns no somos obrigados a votar, somos obrigados a comparecermos nas urnas,

101 mas o voto no obrigatrio. Existe uma lei que se votos nulos foram maior do que 50% mais 1, os candidatos que esto concorrendo se tornam inelegveis pelo resto da vida. Ento, o que estamos esperando para que isso acontea? O Brasil precisa de mais empregos, crescimento econmico, mais cultura e educao, para que tenhamos menos favelas, e o povo tenha salrios mais justos e justia social, os ordenados mais equiparados, s assim teremos um pas melhor e seremos o pas do futuro. Prestar ateno na ambio, porque a ambio ilimitada pelo po der e a ganncia do dinheiro, causando assim egosmo, inveja, mesquinharia e tantos sentimentos que acabam fazendo que os homens se corrompam. Nada cai do cu, s construiremos um pas melhor, quando o povo tambm no tiver esses sentimentos ruins, e prest ar ateno nos representantes que querem escolher. Lembrem-se sempre que os representantes que elegemos so a cara do povo por isso dizem que cada pas tem o governo que merece, e o nosso povo; ainda penso que merece o melhor. Democracia no s sinnimo de liberdade, democracia o poder do povo, mas o povo s poder ter esse poder quando lutar com honra, trabalho, perseverana, dignidade, unio, disciplina e bondade, para construirmos uma nao digna, com mais justia social para obtermos a paz. Assim nunca mais teremos ditadura com cara de democracia e nem democracia com cara de ditadura, no teremos duas faces, teremos um lado, o lado do bem estar do povo. Ser cada povo tem o Presidente que merece? Que povo esse?!!

Acorda povo varonil Acorda do bero esplndido No fujamos a luta No tenhamos medo da prpria morte Consigamos lutar com brao forte Para alcanarmos glrias mil Pela ptria me gentil

102 Que se chama BRASIL!

BIBLIOGRAFIA 12Enciclopdia Barsa Internet e Wikipdia.