As abordagens de um conflito: a Guerra do Paraguai (1864-1870 ...

Download As abordagens de um conflito: a Guerra do Paraguai (1864-1870 ...

Post on 07-Jan-2017

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • As abordagens de um conflito: a Guerra do Paraguai (1864-1870) nos Livros

    Didticos do PNLD-EM (2012-2014).

    TIAGO GOMES DE ARAJO1

    A presente anlise se deter sobre os contedos, as explicaes e as tendncias

    historiogrficas sobre a Guerra do Paraguai (1864-1870) contidas nos Livros Didticos

    selecionados pelo Programa Nacional do Livro Didtico (PNLD) para o trinio 2012-2014,

    especificamente ao Ensino Mdio.

    De acordo com o Guia de livros didticos: PNLD 2012 foram selecionadas dezenove

    colees de obras de Histria para distribuio em escolas pblicas federais, estaduais e

    municipais em todo o Brasil, tarefa realizada pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da

    Educao. As orientaes da escolha seguem as normativas constantes do Decreto n. 7084 de

    27 de janeiro de 2010 que dispe sobre os programas de material didtico e d outras

    providncias.

    Ao selecionar o material didtico que disponibilizado s escolas pretendemos indicar

    quais os caminhos historiogrficos que os autores e autoras dos livros didticos percorreram

    ao analisar o conflito platino, mais propriamente apontar a qualidade do referido recurso

    enquanto opo analtica de qualidade, ou ao contrrio, se ainda trazem concepes

    carregadas de sentidos ideolgicos, sem oportunizar a devida reflexo sobre os

    encaminhamentos histrico-sociais da Guerra do Paraguai (1864-1870).

    Desta forma enunciamos alguns aspectos presentes nas treze colees selecionadas: (a)

    os contedos e as formas pelas quais a Guerra do Paraguai abordada; (b) as tendncias

    explicativas do conflito; (c) a existncia de exerccios e atividades sobre a temtica da guerra

    (d) possvel utilizao de elementos criativos e inovadores no que se relaciona ao estudo da

    guerra;

    1 Licenciado e Bacharel em Histria pela Universidade de Braslia (2002). Mestre e Doutor em Histria Social

    pelo Programa de Ps-Graduao em Histria da Universidade de Braslia (2005, 2012). Professor da

    Educao Bsica Tcnica e Tecnolgica do Instituto Federal de Educao, Cincia e Tecnologia de Gois

    (IFG), cmpus guas Lindas.

  • |Nos dedicamos ao estudo de treze colees de livros didticos do PNLD 2012-2014 -

    EM, mormente aos captulos dedicados ao conflito platino, que esto em sua maioria

    inseridos como contedos do 2 ano do Ensino Mdio, e, portanto, constam dos volumes

    segundos das citadas colees, de um total de trs volumes que integram as colees

    didticas.

    Como interlocutores do debate traremos autores que elaboraram reflexes sobre a

    utilizao de Livros Didticos como ferramentas analticas e metodolgicas, ponderando seu

    potencial, bem como sugerindo melhorias nos processos de produo e seleo de obras

    didticas a partir de perspectivas historiogrficas contemporneas, alm de reforar o

    relevante papel que seu adequado uso e utilizao trazem para a comunidade escolar.

    A nossa reflexo se orientou a partir do entendimento que a produo historiogrfica

    segue os sentidos e significados que a subjetividade historiadora e os fatores externos a ela,

    poltica editorial e lgica profissional, impingem ao fazer historiogrfico, ou seja, a Histria

    entendida como disciplina, prtica e escrita (CERTEAU, 1982: 66).

    Em grande medida, os livros didticos podem ser lidos e entendidos como a

    visualizao de "ausncias" e ao mesmo tempo "presenas" (CHARTIER, 1990), pois

    carregados pela perspectiva historiogrfica conduzem aos caminhos repletos por selees e

    escolhas propositadas ou no de seus autores e autoras, (re) produtores, assim de construes

    representacionais.

    Tal escopo conduz aos processos de significao e ressignificao das abordagens e

    entendimentos concernentes aos livros didticos, que podem redundar no que Rsen (2001)

    adjetiva como "conscincia histrica", da capacidade que uma Didtica da Histria

    responsvel e compromissada certamente trar aos envolvidos no esteio do ensino e da

    aprendizagem.

    A seguir, passaremos reflexo das abordagens do conflito platino nos livros didticos

    selecionados, intencionando colaborar na tentativa de elucidao dos caminhos

    historiogrficos percorridos pelos autores e autoras das obras.

    Na Histria: Geral e do Brasil, o autor destacou a atuao brasileira no mbito das

    relaes internacionais, enfatizando o interesse do governo imperial em garantir o

    predomnio do pas na regio do Prata e a livre navegao pela bacia, para proteger os

    interesses comerciais e geopolticas do Brasil (MORAES, 2010: 177).

  • Moraes realizou sua anlise do conflito, indicando a relevncia do embate para a

    histria poltica da Amrica do Sul (MORAES, 2010:187). O autor defendeu a tese de que

    as causas do conflito foram relacionadas s tenses e lutas em torno da hegemonia na regio

    platina, ou seja, como produto histrico da formao dos Estados Nacionais brasileiro,

    uruguaios, argentino e paraguaio. Alm disso, a obra mencionou a ligao entre as

    consequncias internas e a crise da Monarquia brasileira.

    A narrativa em torno das origens da guerra parece atualizada com os recentes estudos

    histricos sobre o conflito. A comparao entre as foras blicas paraguaias e brasileiras

    abordada, mostrando o descompasso inicial entre o Exrcito destes pases.

    O autor mencionou as prticas de recrutamentos forados e compulsrios, alm da

    concesso de escravos para lutarem nos campos de batalha. No entanto, no h meno

    Campanha de Voluntrios da Ptria como estratgia de captao de indivduos interessados

    em defender os interesses brasileiros.

    Apesar das reflexes sobre a Guerra do Paraguai se mostrarem, muitas das vezes,

    afinadas com a nova historiografia do conflito, o discurso pareceu imbudo pela historiografia

    marxista da dcada de 1970, que associava aquele evento histrico aos interesses britnicos e

    seu desfecho a uma paralisia ou mesmo obstruo do pretenso processo de modernizao

    paraguaia.

    O autor elaborou uma subseo que se dedicou exclusivamente explicao dos

    desdobramentos internos da guerra, configurados a partir da anexao de novos territrios ao

    Imprio, mas por contradio, elevou a dvida externa do pas com a Inglaterra, cenrio que

    gerou crticas conduo poltica da Monarquia brasileira.

    A obra Histria Geral e do Brasil, de Jos Geraldo Vinci de Moraes, trouxe aspectos

    grficos que no seduzem o leitor. O autor apresenta apenas uma fotografia que retrata a

    situao de prisioneiros brasileiros no campo de batalha e ainda a tela de Pedro Amrico,

    intitulada como Passagem do Chaco (1871).

    Sobre as estratgias de avaliao da aprendizagem da temtica, a obra sugere duas

    atividades: (a) Para Refletir e, (b) Reviso de Aprofundamento. No entanto no h

    nenhuma sugesto anlise da Guerra do Paraguai. Na seo Questes de Vestibular e do

    ENEM o autor props uma atividade sobre a Guerra do Paraguai.

  • O livro didtico Histria Geral e Brasil indicou de forma resumida os principais

    acontecimentos ocorridos durante a Guerra do Paraguai, apesar de ainda se prender a algumas

    interpretaes que j foram revisitadas por historiadores especializados no estudo daquela

    contenda. De toda forma, a obra possui mritos e pode ser utilizada como fonte interpretativa,

    desde que sejam feitas as devidas ressalvas.

    O livro didtico Caminhos do Homem: histria de autoria de Flvio Berutti. A

    exemplo de Histria Geral e Brasil a obra relacionou os desdobramentos polticos, sociais e

    econmicos da Guerra do Paraguai ao fim da Monarquia e a Proclamao da Repblica no

    Brasil.

    Flvio Berutti organizou o livro didtico em sees com diferentes teores e intenes

    explicativas, ferramenta que integrou o projeto grfico da obra. Ao tentar chamar ateno do

    estudante-leitor, o autor cometeu alguns excessos, pois o aspecto visual ficou por vezes

    confuso.

    No que se refere Guerra do Paraguai, o autor elaborou uma espcie de caixa-dilogo

    intitulada de Hiperlink onde estimulou o discente ao aprofundamento do tema por meio de

    recursos variados. Inicialmente, o texto destacou a unio entre Brasil, Argentina e Uruguai

    contra o Paraguai, numa guerra que considerada a mais sangrenta do continente e que se

    estendeu de 1864 a 1870 (BERUTTI, 2010: 256).

    A obra apresentou um mapa adaptado de um atlas histrico escolar impresso no final

    da dcada de 1970. Isoladamente, este recurso fez muito sentido, pois existe material

    cartogrfico mais atualizado e que atende mais adequadamente ao objetivo proposto pelo

    autor. A inteno foi apenas apresentar as principais batalhas da guerra.

    Vale destacar que Flvio Berutti mostrou sinais de que acompanha a discusso

    historiogrfica sobre a temtica, pois resumiu bem as principais tendncias que tentam

    compreender os encadeamentos sociais, polticos, econmicos e culturais da Guerra do

    Paraguai.

    A iniciativa do autor em apresentar as verses interpretativas da Guerra do Paraguai

    nos parece vlida, pois desta forma o docente pode complementar suas aulas, pontuando os

    porqus, os sentidos, os significados e as condies de produo, instigando os debates e a

    discusso qualitativa da temtica.

  • Alm disso, o livro didtico Caminhos do Homem: histria mostra a tela de Victor

    Meirelles, pintor histrico brasileiro, que produziu duas telas que retrataram a guerra:

    Combate Naval do Riachuelo e Passagem de Humait. Flvio Berutti faz um breve histrico

    das condies nas quais foram produzidas estas obras de arte, auxiliando assim no

    desvendamento das intenes e dos objetivos envoltos naquela imagem.

    A charge De volta do Paraguai produzida por ngelo Agostini e publicada no jornal

    A vida Fluminense tambm foi trazida a tona, pois mostrou ao estudante um cenrio comum

    do ps-guerra, um soldado vitorioso que retorna ao seu pas, mas que v sua me amarrada a

    um tronco.

    Ao final da seo Hiperlink o autor apontou trechos de um artigo que discute as

    diferentes formas como a Guerra do Paraguai tratada em livros didticos dos pases

    envolvidos nos embates. O texto sugeriu que o tema ainda est envolto em polmicas, citando

    o exemplo de manual didtico paraguaio que ressalta a figura de Solano Lpez como heri

    primeiro da nao.

    Flvio Berutti em Caminhos do Homem: histria prope aos alunos a resoluo de trs

    questes subjetivas, para o aperfeioamento do estudo. Ao final do volume encontramos a

    sinopse do filme Guerra do Brasil Toda a verdade sobre a Guerra do Paraguai.

    Ao privilegiar os aspectos grficos do livro didtico, nos ressentimos de um debate

    mais profcuo sobre as interpretaes da Guerra do Paraguai, pois o autor apenas as

    apresentou. No encontramos na obra, por exemplo, nenhuma estatstica que apresente o

    nmero de mortos durante as batalhas, muito menos informaes sobre a alta taxa de

    mortandade provocada por doenas infecto-contagiosas devido s pssimas condies de

    sobrevivncia no front.

    A prxima obra a ser analisada, Histria Global: Brasil e Geral de autoria de

    Gilberto Cotrim. O captulo sobre a Guerra do Paraguai se iniciou com um esboo

    explicativo sobre a poltica externa e os conflitos internacionais no Segundo Reinado,

    destacando a Questo Christie, a Questo Platina e a Guerra do Paraguai.

    Quanto ao conflito a obra pontua sua origem como um desdobramento da interveno

    brasileira no Uruguai (COTRIM, 2010: 277). Identifica-se a preocupao em apontar a

    guerra sob distintos vieses explicativos, mas tambm a afirmao de que se tratou do mais

    longo e sangrento episdio blico ocorrido na Amrica do Sul (COTRIM, 2010: 277).

  • O livro didtico apresentou os motivos que conduziram s hostilidades: o

    aprisionamento do navio brasileiro Marqus de Olinda em 1864 e a deposio do presidente

    uruguaio Aguirre, aliado de Solano Lpez. Mencionou-se o rompimento diplomtico entre o

    Brasil e o Paraguai e o posterior apoio da Argentina e do Uruguai Monarquia brasileira,

    formando-se assim a Trplice Aliana.

    Vale ressaltar a iniciativa da obra em pontuar as diversas interpretaes do conflito,

    trazendo trechos dos textos do historiador argentino Lon Pomer, representante da

    historiografia que analisa o conflito como sendo gestado pelo interesse ingls, e portanto,

    produto do imperialismo britnico. Os estudos mais recentes realizados a partir da dcada de

    1990 tambm esto contemplados a partir dos trabalhos de Francisco Doratioto e Ricardo

    Salles, que procuraram construir uma verso menos ideolgica, mais coerente e bem apoiada

    em documentos (COTRIM, 2010: 281).

    O autor de Histria Global: Brasil e Geral props aos alunos uma atividade na qual

    possam perceber as distintas verses da Guerra do Paraguai. Registra-se a presena de

    imagens, Combate naval do Riachuelo, de Victor Meirelles e uma pintura do argentino

    Cndido Lpez, retratando uma enfermaria com soldados feridos na Guerra do Paraguai. Os

    docentes e discentes podem se utilizar e realizar uma atividade a partir de um mapa que

    registrou as batalhas travadas durante o conflito.

    O autor se preocupou em apresentar as estatsticas das perdas humanas nos campos de

    batalha paraguaios, dizendo que embora haja divergncias entre os estudos histricos, de

    qualquer forma a Guerra do Paraguai se configurou como o conflito mais sangrento da

    histria sul-americana (COTRIM, 2010: 281-282).

    O livro didtico se referiu aos efeitos internos da guerra quais sejam: o aumento da

    dvida externa brasileira e o fortalecimento do exrcito como instituio. No box intitulado

    desdobramentos da Guerra do Paraguai, o autor trouxe a contribuio do historiador ingls

    Leslie Bethell.

    A Histria Global: Brasil e Geral, de Gilberto Cotrim, um livro didtico que pode

    facilmente ser utilizado por professores e alunos do Ensino Mdio, pois pareceu preocupado

    em apontar as distintas interpretaes do conflito, alm de propor atividades sobre os motivos,

    as consequncias e os desdobramentos da guerra. Os recursos imagticos foram utilizados

  • com zelo e cuidado, ajudando os alunos a refletirem sobre a temtica por meio de linguagens

    e fonte diversas.

    Flvio de Campos e Regina Claro organizaram A Escrita da Histria. Os autores

    dedicaram apenas uma pgina para a apresentao da temtica. As origens da guerra esto

    associadas formao dos Estados Nacionais platinas no cenrio das relaes internacionais

    oitocentistas, o que revelou atualizao historiogrfica, apesar de mencionarem a intrincada

    rede de alianas (CAMPOS; CLARO: 227) como resultado do financiamento e apoio da

    poderosa Inglaterra (CAMPOS; CLARO: 227), insinuando que a contenda foi estimulada

    pela ao do Imprio britnico.

    O livro didtico no explicitou adequadamente o papel da Campanha de Voluntrios

    da Ptria como elemento de recrutamento de foras blicas, mas pontuaram que a fragilidade

    material e a escassez de soldados e a falta de profissionalizao ficaram patentes durante o

    conflito (CAMPOS; CLARO: 227).

    A Escrita da Histria relacionou os resultados da Guerra do Paraguai como elementos

    que prenunciaram o fim da Monarquia brasileira. Finalmente, os autores trouxeram apenas

    uma sugesto de atividade relacionada Guerra do Paraguai.

    Marco Cesar Pellegrini, Adriana Machado Dias e Keila Grinberg organizaram o livro

    didtico Novo Olhar Histria. As explicaes sobre os precedentes do conflito foram bem

    pontuadas; existiu a preocupao em marcar a regio do Prata como espao nevrlgico desde

    os tempos coloniais, fatores que coadunam com a anlise da corrente historiogrfica

    contempornea.

    H menes sobre a Campanha de Voluntrios da Ptria, a participao de escravos na

    guerra e a prtica de recrutamentos forados como aes necessrias para a formao de

    corpos de combatentes a lutarem nos campos de batalha.

    Pellegrini, Dias e Grinberg se ocuparam tambm da seleo de imagens que pudessem

    ser utilizadas como fontes histricas explicativas ao conflito: mapa da regio do Prata, pintura

    histrica de Cndido Lpez e caricatura de ngelo Agostini. Sugere-se a produo textual

    discente sobre a temtica da guerra, e encontramos na seo Pontos de vista um excerto que

    apresenta as trs verses historiogrficas da Guerra do Paraguai.

    Os autores no teceram maiores consideraes sobre o fim do conflito, alm de no

    mencionarem a participao da Inglaterra no embate. Apesar disto, a obra se ocupou bem da

  • reflexo sobre o desenrolar da guerra, procurando diversificar o suporte documental de

    anlise.

    O livro didtico Histria: o longo sculo XIX de autoria de Ronaldo Vainfas, Sheila

    de Castro e Jorge Ferreira a obra que dedicou maior espao para o estudo da Guerra do

    Paraguai. Na seo A questo platina, os autores interpretaram os antecedentes do conflito,

    ressaltando a importncia estratgica da regio platina. Indicaes sobre as origens da

    contenda foram disponibilizadas: a questo uruguaia, os interesses paraguaios e os anseios

    brasileiros e argentinos quanto livre navegao no rio Paraguai.

    A obra enfatizou a formao da Trplice Aliana (Brasil, Argentina e Uruguai), a

    participao de Voluntrios da Ptria e o despreparo militar das tropas aliadas nos combates.

    Alm de indicar o Paraguai como o principal derrotado na guerra. Observa-se a relao do

    conflito com a abolio da escravido, com a Questo Militar e, consequentemente, com o fim

    do Imprio. Vale mencionar ainda, que os autores se preocuparam em revelar a participao

    de mulheres no front.

    Na seo Conversa de Historiador, encontramos a proposta de atividade discente no

    que se relaciona aos antecedentes da guerra. Em Roteiro de Estudos os autores sugerem

    dois exerccios analticos, e trazem na seo Mundo das Palavras duas referncias

    bibliogrficas sobre o tema de estudo. Como em outros livros didticos, apresentam o filme A

    Guerra do Brasil de Sylvio Bach como fonte flmica, e ao longo do captulo que se dedica

    Guerra do Paraguai apresentaram documentos iconogrficos (pinturas e caricaturas).

    A Histria Geral e do Brasil, de Cludio Vicentino e Gianpaolo Dorigo, relacionou a

    Guerra do Paraguai como iniciativa exclusiva das intervenes brasileiras na regio do rio da

    Prata, afirmando inclusive tal ao como desdobramento das condutas imperialistas naquela

    poro de territrio.

    Como recursos didticos os autores apontaram um mapa que apresenta as disputas e

    conflitos na regio platina, alm de utilizarem a pintura histrica de Pedro Amrico, Batalha

    do Ava (1877). No entanto, a obra no props atividades e exerccios aos discentes, to pouco

    sugestes de leituras complementares.

    Curioso perceber que a Histria Geral e do Brasil disponibilizou um quadro

    explicativo intitulado "as causas da guerra: um tema polmico", discorrendo sobre as

    tendncias historiogrficas sobre o conflito. Apesar de tal preocupao, os autores no

  • analisaram profundamente as nuances explicativas da Guerra do Paraguai, preferindo

    reafirmar a viso revisionista da contenda quando: "acrescente-se ainda que os governos da

    Trplice Aliana adotaram uma poltica genocida contra a populao paraguaia"

    (VICENTINO; DORIGO: 2011, 305) ou mesmo quando culpabilizaram a conduo da

    poltica externa brasileira no Prata como elemento exclusivo "para criar uma situao

    potencialmente explosiva" (VICENTINO; DORIGO: 2011, 305).

    A influncia das reflexes revisionistas na composio historiogrfica da Histria

    Geral e do Brasil ainda patente quando supervalorizou o desenvolvimento econmico

    paraguaio em detrimento aos outros pases envolvidos na guerra: Apesar de todas as

    dificuldades, o Paraguai resistiu perto de cinco anos de guerra, mostrando o grau

    relativamente alto de desenvolvimento e autossuficincia que havia obtido, alm do

    engajamento de sua populao em defesa do pas (VICENTINO; DORIGO, 2011: 305).

    Percebe-se que a narrativa historiogrfica apresentada na Histria Geral e do Brasil

    foi consideravelmente influenciada pelas teses revisionistas da guerra. Este livro didtico

    pode ser utilizado como material de apoio s aulas, desde que os docentes fomentem algumas

    reflexes junto aos estudantes, no sentido de esquadrinhar com propriedade as variantes

    explicativas do conflito, sem privilegiar por exclusividade uma nica tendncia

    historiogrfica.

    Em Conexes da Histria, os autores associaram os resultados da Guerra do Paraguai

    como motivadores do fim da Monarquia e a posterior proclamao da Repblica. As razes

    do conflito e sua origem so apontadas: bastante complexas (OLIVEIRA; ALVES, 2010:

    283). Alm da indicao dos aspectos fronteirios entre os pases envolvidos, e a

    intromisso do Brasil na poltica interna do Uruguai.

    Logo, os autores construram algumas explicaes sobre o cenrio poltico da regio

    platina, destacando as tenses entre blancos e colorados e os estancieiros gachos no Uruguai.

    Destacou-se tambm assinatura do Tratado da Trplice Aliana, aps a invaso paraguaia do

    Mato Grosso, bem como a formao de Corpos de Voluntrios da Ptria, inclusive com uso

    de violncia.

    O livro didtico, Conexes da Histria, disponibilizou trechos da obra memorialstica

    de Jos Lus Rodrigues da Silva, em que se registrou a participao de mulheres na guerra. O

  • recrutamento forado abordado mediante a apresentao de charge publicada no Semanrio

    Carioca.

    Os autores abriram espao para apresentar os resultados da guerra, afirmando que as

    doenas, o frio e a fome mataram mais pessoas do que os combates propriamente ditos

    (OLIVEIRA; ALVES, 2010: 284). Neste momento a obra trouxe uma caixa-dilogo onde se

    explicitou a presena constante de doenas, enfermidades e epidemias nos campos de batalha,

    por meio da charge de ngelo Agostini, em que satirizou o fato do clera: atacar

    indiscriminadamente os dois lados (OLIVEIRA; ALVES, 2010: 284) envolvidos na guerra.

    Vale mencionar que os autores propuseram aos alunos uma questo onde pudessem

    exercitar a reflexo sobre os motivos que levaram ao conflito conhecido como Guerra do

    Paraguai (OLIVEIRA; ALVES, 2010: 288).

    O livro didtico Conexes da Histria de Letcia Fagundes Oliveira e Alexandre Alves

    se converteu em opo interessante para alunos e professores, pois apresentou fontes

    documentais que confirmaram os argumentos e teses elencadas pelos autores. A proposta de

    atividade reflexiva ao discente tambm deve ser aproveitada.

    Pedro Santiago, Clia Cerqueira e Maria Aparecida Pontes produziram a coleo

    didtica Por dentro da Histria, onde associaram a Guerra do Paraguai como acontecimento

    derivado das tenses polticas na regio do Prata, mais especificamente do intervencionismo

    brasileiro naquele espao e da tentativa em se neutralizar a influncia argentina na poltica

    regional.

    A histria do Paraguai foi abordada desde sua independncia em 1811, perpassando os

    governos de Francia, Carlos Antonio Lpez e Solano Lpez. A assinatura do Tratado da

    Trplice Aliana como resposta ao militarizadora Paraguai foi indicada, mas tambm a

    composio dos corpos de Voluntrios da Ptria e o despreparo das tropas brasileiras para os

    combates.

    Os autores de Por dentro da Histria indicaram a estratgia blica paraguaia de

    interiorizao de seu Exrcito aps as guerras fluviais, onde a Marinha aliada alcanou

    vitrias significativas. O provvel pnico provocado pelo recrutamento forado de

    combatentes e as promessas de libertao no ps-guerra aos escravos que desejassem

    defender o Brasil nos campos de batalha foram elementos explicativos constantes da obra.

  • Registrou-se a participao do Duque de Caxias na batalha de Tuiuti, as atividades

    blicas capitaneadas pelo Conde DEu na Campanha das Cordilheiras e a nfase no

    cumprimento literal do Tratado da Trplice Aliana. A violncia, a fome e a epidemia do

    clera foram apontadas como as principais responsveis pelas vtimas na guerra.

    A participao de mulheres voluntrias no conflito foi indicada por meio de um

    desenho publicado na Semana Ilustrada onde se visualiza: elas cuidavam dos feridos da

    alimentao e das vestes dos soldados (SANTIAGO; CERQUEIRA; PONTES, 2010: 175).

    Os autores tambm disponibilizaram uma fotografia que retrata os soldados negros da Guarda

    de Caxias durante o conflito e um mapa indicando a movimentao das tropas e os territrios

    que posteriormente foram anexados por Argentina e Brasil.

    O livro didtico, Por dentro da Histria, apresentou a estimativa do nmero de mortos

    durante a guerra entre 50 e 75% da populao paraguaia, a maior parte composta por homens,

    afirmando a inexistncia de consenso quanto ao dado estatstico. Novamente, o fim da

    Monarquia brasileira foi apontada como produto dos resultados da Guerra do Paraguai. A

    Proclamao da Repblica associada ao fortalecimento e profissionalizao do Exrcito no

    ps-guerra.

    Na seo Conexo Presente, os autores apresentaram uma caixa-dilogo que trata da

    constituio do Mercosul (1991), marcando as divergncias, sobretudo entre Brasil e

    Argentina no que se relaciona aos rumos do bloco, reforando que a constituio do mesmo

    deu-se, inicialmente pela unio entre pases que se confrontaram na Guerra do Paraguai.

    Em Debatendo a Histria, os autores propuseram uma atividade ao discente a partir da

    anlise do trecho da obra de Edgar Luiz de Barros, Os voluntrios paulistas na Guerra do

    Paraguai e a leitura visual de desenho produzido por ngelo Agostini que apresentou o

    regresso de Voluntrios da Ptria ao Brasil. A nfase do exerccio se relacionou s

    consequncias que a guerra trouxe para a sociedade brasileira poca.

    Em Por dentro da Histria, a histria da Guerra do Paraguai foi contada por vrios

    vieses, auxiliando docente e discente na busca de reflexes mais aprofundadas sobre o

    conflito. Os recursos documentais (escritos e visuais) colaboraram para a gerao de

    entendimentos coerentes, alm da proposta de atividade ao final do captulo.

    No livro didtico Histria do Tempo Presente de Antnio Pedro e Liznias Souza

    encontramos um espao dedicado anlise da poltica externa antes da Guerra do Paraguai,

  • onde os autores historicizaram as relaes internacionais entre Brasil, Argentina, Uruguai e

    Paraguai. Neste momento os discentes foram incitados discusso das razes que levaram o

    governo brasileiro a fazer intervenes polticas e militares na regio do Prata (PEDRO;

    SOUZA, 2010: 375).

    Os autores solicitaram aos alunos que gerassem comentrios sobre as caractersticas

    econmicas, polticas e militares do Paraguai nas vsperas da guerra (PEDRO; SOUZA,

    2010: 375). Na seo O desencadear da guerra visualizamos um desenho publicado na

    Semana Ilustrada (19/02/1865) que retratou a partida de Voluntrios da Ptria do Brasil.

    Aps, A Histria do Tempo Presente, destacou as motivaes que geraram o conflito,

    enfatizando a interveno do Imprio brasileiro no Uruguai, o aprisionamento do navio

    Marqus de Olinda e a invaso paraguaia do Mato Grosso. Os autores disponibilizaram um

    quadro ilustrativo intitulado foras envolvidas na Guerra do Paraguai, sinalizando o nmero

    de habitantes, o contingente de soldados e os recursos blicos (armas) de Paraguai, Brasil e

    Argentina.

    Os autores igualmente apontaram para a diferena de preparo dos exrcitos paraguaio

    e brasileiro no incio da contenda. Observam-se comentrios em torno da Campanha de

    Voluntrios da Ptria, do recrutamento forado e da tentativa de alforria de escravos realizada

    pelo governo imperial para a formao de batalhes.

    A longevidade da guerra e os aspectos blicos marcam a narrativa dos autores. A

    estratgia inicial de luta em trs frentes, a posterior interiorizao dos exrcitos e as tticas de

    guerrilha desenvolvidas pelos paraguaios tambm mereceram destaque.

    Os autores se preocuparam em indicar as tendncias historiogrficas sobre o conflito

    platino, apontando as consequncias da guerra como marcantes para todos os pases

    envolvidos. A obra trouxe uma fotografia onde identificamos alguns participantes da guerra:

    Conde DEu, Visconde do Rio Branco e diversos oficiais.

    Histria do Tempo Presente, dedicou breve espao para refletir sobre os despojos da

    guerra entre os pases envolvidos. Com relao ao Paraguai, os autores confirmaram a tese

    revisionista do massacre, inclusive indicando uma cifra de 500 000 mortos, afirmando que

    no h consenso historiogrfico neste quesito. Para o Brasil, as consequncias da guerra

    aceleraram o fim da Monarquia e precipitaram a Proclamao da Repblica.

  • Agora indicaremos as abordagens do conflito presentes no livro didtico Histria em

    Movimento de Gislane Campos Azevedo e Reinaldo Seriacopi. A temtica da Guerra do

    Paraguai apareceu no volume terceiro da coleo, diferentemente das obras analisadas at

    aqui. Os autores analisaram as polmicas ao redor das interpretaes que se dedicaram s

    causas do conflito, dispondo de um box intitulado uma guerra diferentes verses

    (AZEVEDO; SERIACOPI: 2011; 51) onde abordaram as trs correntes historiogrficas

    explicativas da guerra.

    A obra, por hora apresentada, props um exerccio aos alunos sobre as diferentes

    possibilidades de interpretaes elaboradas por historiadores. A invaso brasileira ao Uruguai,

    a deposio do presidente Aguirre, o aprisionamento do navio brasileiro Marqus de Olinda, a

    invaso da Provncia de Mato Grosso e a declarao de guerra paraguaia Argentina so

    indicadas como possveis estopins para a guerra.

    Sobre os Voluntrios da Ptria os autores informaram a necessidade poca de uma

    poltica de alistamento militar em funo da escassez de soldados para a luta numa guerra.

    Histria em Movimento explicitou os critrios e as condies nas quais foram formados os

    batalhes de Corpos de Voluntrios da Ptria.

    Na seo Olho Vivo, os discentes podem observar um box onde os autores analisam

    a pintura histrica produzida por Pedro Amrico, intitulada Batalha do Avahy (1872-1877).

    Trata-se de pormenorizado estudo deste leo sobre tela. Os autores subdividiram a pintura em

    trechos, oportunizando ao leitor uma visualizao detalhada da pintura.

    Na seo Patrimnio e Diversidade Mato Grosso do Sul, encontramos um breve

    histrico deste estado brasileiro. Os autores tambm se dedicaram ao estudo da invaso

    paraguaia, incorporao de indgenas nos batalhes, as funes exercidas por eles durante a

    guerra, alm de fornecer dados sobre a cultura e sociedade sul mato-grossense.

    Histria em Movimento se preocupou em pontuar a participao de membros da

    Guarda Nacional, de escravos e de mulheres na Guerra do Paraguai. Nos deparamos com um

    mapa adaptado que indicou as pores territoriais preteridas pelos pases envolvidos na

    guerra, bem como as anexaes posteriores, alm das aes ofensivas e contraofensivas, das

    batalhas debeladas e finalmente da localizao de fortes e fortalezas.

    Na seo Violncia e Saldo Final, os autores reiteram as atrocidades cometidas

    durante o conflito, registrando o elevado nmero de mortes causadas por ocasio da falta de

  • condies de higiene e pela proliferao de doenas no front. Ainda neste item, o nmero de

    combatentes brasileiros mortos, o dficit oramentrio gerado pela guerra, o fortalecimento

    institucional do Exrcito foram elencados como catalizadores de mudanas na sociedade

    brasileira.

    Por consequncia, o livro didtico comentou as significativas perdas paraguaias, seja

    no que se refere ao campo populacional ou mesmo dos resultados econmicos e sociais para

    aquele pas. Ao final das reflexes os autores dispuseram de um box onde informaram aos

    discentes a utilizao da fotografia como registro memorialstico tanto na Guerra do Paraguai

    quanto nas Guerra de Secesso nos Estados Unidos e na Guerra da Crimeia.

    Em Histria em Movimento os autores sugeriram duas atividades aos alunos sobre o

    conflito platino: (1) exerccio que solicita a identificao dos Estados Nacionais que se

    envolveram diretamente na guerra e como se deu o desenrolar da contenda, e, (2) quatro

    questes propostas sobre a leitura e interpretao de dois trechos das Cartas dos Campos de

    Batalha do Paraguai de Richard Burton.

    Em nossa opinio, os autores produziram material didtico sobre a Guerra do Paraguai

    que merece destaque. Houve cuidado e esmero na produo da narrativa, alm da disposio

    de elementos visuais e grficos que colaboraram para um bom entendimento da temtica.

    Histria das Cavernas ao Terceiro Milnio de Patricia Ramos Braick e Myriam Becho

    Mota, dedicou pouco mais de duas pginas para o estudo da Guerra do Paraguai. A seo se

    iniciou com um breve histrico do Paraguai antes do conflito, passando para a explicitao

    dos antecedentes da guerra a citar: a formao dos Estados Nacionais na bacia platina, o

    aprisionamento do navio Marqus de Olinda, a proibio da navegao brasileira em guas

    paraguaias, as invases das provncias de Mato Grosso e de Corrientes.

    Mencionou-se a assinatura do Tratado da Trplice Aliana, a invaso do Rio Grande

    do Sul e a batalha naval do Riachuelo. As autoras relacionaram os reveses paraguaios como

    motivos de isolamento de seu exrcito e da posterior posio defensiva adotada.

    Sobre os resultados do conflito, o livro didtico Histria das Cavernas ao Terceiro

    Milnio afirmou: ao terminar a guerra, o Paraguai se encontrava arrasado. Perdera todo o seu

    exrcito, o mais preparado da Amrica do Sul e quase metade da populao (BRAICK;

    MOTA, 2010: 299). Aqui percebemos que a narrativa encontrou-se carregada de sentidos

    ideolgicos e vieses ainda marcados pelas teses revisionistas do conflito.

  • Apesar disto, as autoras pontuaram que a Guerra do Paraguai tem sido objeto de

    vrias interpretaes por parte da historiografia (BRAICK; MOTA, 2010: 299). No entanto,

    no encontramos neste trecho da obra, exemplificaes historiogrficas da tendncia que

    relacionou a guerra formao dos Estados Nacionais na regio platina.

    A obra trouxe trs elementos grfico-visuais: (a) uma pintura de Cndido Lpez, sobre

    a rendio de Uruguaiana (18/09/1865), (b) box explicativo sobre a formao do Exrcito

    brasileiro durante a guerra, extrado do livro Maldita Guerra: nova histria da Guerra do

    Paraguai de Francisco Doratioto e, (c) um mapa adaptado, onde esto indicados alguns dos

    cenrios do conflito, bem como os territrios anexados por brasileiros e argentinos no ps-

    guerra.

    Os recursos didticos acima elencados no foram acompanhados da devida reflexo.

    No foram dedicadas anlises mais detidas sobre os resultados da contenda platina no que se

    refere sociedade brasileira. A participao de mulheres, escravos e Voluntrios da Ptria na

    guerra no se converteram em objetos de discusso.

    Assim, o livro didtico Histria das Cavernas ao Terceiro Milnio pode ser utilizado

    como material de apoio ao docente e discente, entretanto, acompanhado de profunda crtica ao

    seu teor, principalmente ao aligeiramento do contedo apresentado e a ausncia de

    desdobramentos historiogrficos importantes reflexo da Guerra do Paraguai.

    Em Estudos de Histria, Ricardo de Moura Faria, Mnica Liz Miranda e Helena

    Guimares Campos, a guerra foi tratada na seo Os conflitos na regio platina. Os autores

    selecionaram os eventos nos quais o Brasil desempenhou aes intervencionistas na regio do

    rio da Prata, a dizer: (1) guerra entre Oribe e Rosas; e (2) a questo uruguaia. No h meno

    histria do Paraguai antes da guerra.

    O livro didtico se dedicou diviso da histria da Guerra do Paraguai em trs fases.

    A primeira marcada pelo aprisionamento do navio brasileiro Marqus de Olinda, a invaso de

    territrios brasileiros e argentinos e a batalha naval do Riachuelo. O segundo perodo foi

    apontado como mais importante onde houve a invaso ao territrio paraguaio, o

    estabelecimento de bases de operaes aliadas e a respectiva vitria em Tuiuti. Como

    elementos da terceira fase da guerra, os autores citam a tomada de Assuno em 1869, a

    Campanha das Cordilheiras e a perseguio a Solano Lpez, at sua morte em Cerro Cor em

    1870.

  • Esta periodizao no acompanhou a produo historiogrfica mais atual sobre a

    temtica, pois no citou a derrota aliada em Curupaiti, que acabou por redundar na inao das

    tropas, a mudana no comando geral (Duque de Caxias) e a indeciso no que se relaciona ao

    ataque fortaleza de Humait, elementos que colaboraram para a longevidade do conflito.

    Aps, Estudos de Histria problematizaram os dados estatsticos sobre o nmero de

    mortos durante a guerra, afirmando a no confiabilidade e certeza dos dados estatsticos.

    Resultado: o Paraguai submetido tutela do Brasil no perodo posterior ao conflito, alm da

    grande quantidade de mortos, a economia paraguaia ficou em runas (FARIA; MIRANDA;

    CAMPOS, 2010: 250).

    Diferentemente dos livros analisados, em Estudos de Histria os autores procuraram

    indicar os despojos de guerra para cada pas envolvido. Para o Uruguai, o livro didtico

    afirmou que sua participao foi secundria, logo, foi pouco afetado pela guerra. A Argentina

    perdeu significativo contingente, mas assegurou expanso territorial importante e teve sua

    identidade nacional fortalecida (FARIA; MIRANDA; CAMPOS, 2010: 251). Para os

    autores, o Brasil foi o pas que mais contribuiu para o esforo de guerra, sofrendo as maiores

    baixas e custos do conflito (FARIA; MIRANDA; CAMPOS, 2010: 250).

    Em Estudos de Histria, tais contradies competiam tambm com o escassear de

    voluntrios para a luta e a intensificao do recrutamento forado, cuja maioria do

    contingente era negro, assim como de severas crticas na imprensa brasileira com relao ao

    desenrolar da guerra.

    Os autores viram como vitoriosa a atuao da diplomacia brasileira durante a guerra,

    pois garantiram o fornecimento de armamento fabricado na Europa para abastecer o Brasil e

    impediram que os Estados Unidos intermediassem um acordo de paz que beneficiaria Solano

    Lpez. Tais afirmaes devem ser relativizadas, pois os diplomatas brasileiros no

    conseguiram to pouco a renegociao do Tratado da Trplice Aliana ou mesmo frearam a

    difuso de ideias de intelectuais e polticos estadunidenses e europeus favorveis s

    pretenses lopiztas.

    Estudos de Histria ainda analisaram as repercusses do fim da guerra no Brasil. A

    consolidao institucional do Exrcito e a fundao do Partido Republicano em 1870 so

    citadas como sinais do fim da Monarquia e a posterior Proclamao da Repblica. Um cenrio

    ps-guerra desfavorvel, portanto, aos interesses polticos monrquicos.

  • Os autores foram cuidadosos na seleo dos elementos visuais que compuseram a

    seo temtica sobre a Guerra do Paraguai. Primeiramente, visualizamos uma tela do pintor

    histrico Edoardo de Martino, que retratou a passagem de Tonelero, acontecimento anterior

    ao conflito. Notamos a presena de um mapa adaptado onde se representou o territrio onde

    se desenrolaram as principais batalhas da Guerra do Paraguai.

    A Batalha do Riachuelo tambm retratada no livro didtico, acompanhada de

    legenda explicativa, assim como a reproduo de um selo comemorativo produzido no

    Paraguai, e que se referiu guerra como Epopeya Nacional. Os autores afirmaram que os

    paraguaios detm uma viso do conflito bem diferente daquela discutida no Brasil, Argentina

    e no Uruguai. Estudos de Histria trouxe ainda a imagem de uma pintura que representou a

    Retirada da Laguna, produzida por Lopes de Leo, afirmando que aquele episdio da guerra

    pode ser classificado como um dos mais dramticos do conflito.

    No final do captulo dedicado anlise dos conflitos na regio do Prata, os autores

    trouxeram a seo Outro Olhar na qual apresentaram ao discente um trecho da obra

    Histria das Guerras, organizado por Demtrio Magnoli, e captulo escrito por Francisco

    Doratioto sobre a Guerra do Paraguai. Ali, o estudante tem a oportunidade de visualizar o

    debate historiogrfico sobre o conflito platino.

    O livro didtico, Estudos de Histria, realizou uma coerente reflexo sobre a Guerra

    do Paraguai, enfatizando seus antecedentes e resultados, dispondo aos docentes e discentes de

    recursos visuais elucidativos, sempre acompanhados da devida explicitao de seus teores. No

    entanto, nos ressentimos da falta de comentrios sobre a participao das mulheres na

    contenda.

    Ao fim da anlise de treze colees didticas selecionadas pelo Programa Nacional do

    Livro Didtico - Ensino Mdio para o perodo de 2012 a 2014, nos deparamos com alguns

    avanos e retrocessos historiogrficos. Longe do intuito de tipificao dos livros didticos,

    nossa misso se fez no sentido de trazer as abordagens da Guerra do Paraguai nessas obras,

    em que medida as construes narrativas contidas neles esto ou no carregadas de sentidos

    ideolgicos, e mais, tentar medir os nveis de proximidade entre o espao escolar e a produo

    acadmica em geral.

    REFERNCIAS

  • AZEVEDO, Gislane Campos; SERIACOPI, Reinaldo. Histria em movimento: ensino

    mdio: do sculo XIX aos dias de hoje. v.3. So Paulo: tica, 2011.

    BERUTTI, Flvio. Caminhos do homem: histria: ensino mdio. v. 2. Curitiba, PR: Base

    Editorial, 2010.

    BRASIL, Ministrio da Educao. Guia de livros didticos: PNLD 2012: Histria. Braslia:

    Ministrio da Educao, Secretaria de Educao Bsica, 2011.

    CAMPOS, Flvio; CLARO, Regina. A Escrita da Histria. v. 2. So Paulo: Escala

    Educacional, 2010.

    CERTEAU, Michel de. A operao historiogrfica. In: A escrita da Histria. Rio de Janeiro:

    Forense Universitria, 1982.

    CHARTIER, Roger: A historia cultural entre prticas e representaes. Rio de Janeiro:

    Bertrand Brasil, 1990.

    COTRIM, Gilberto. Histria Global: Brasil e Geral. v.2. So Paulo: Saraiva, 2010.

    FARIA, Ricardo de Moura; MIRANDA, Mnica Liz; CAMPOS, Helena de Guimares.

    Estudos de Histria. v. 2. So Paulo: FTD, 2010.

    MORAES, Jos Geraldo Vinci de. Histria: Geral e do Brasil: ensino mdio. v. 2. So

    Paulo: Saraiva, 2010.

    OLIVEIRA, Letcia Fagundes; ALVES, Alexandre. Conexes da Histria. v.2. So Paulo:

    Moderna, 2010.

    PEDRO, Antnio; SOUZA, Liznias. Histria do Sempre Presente. v.2. So Paulo: FTD,

    2010.

    PELLEGRINI, Marco Cesar; DIAS, Adriana Machado; GRINBERG, Keila. Novo Olhar

    Histria. v. 2. So Paulo: FTD, 2010.

    RAMOS, Patrcia Braick; MOTA, Myriam Becho. Histria das Cavernas ao Terceiro

    Milnio: da conquista da Amrica ao sculo XIX. v. 2 So Paulo: Moderna, 2010.

    RUSEN, Jrn. Razo Histrica. Teoria da Histria: os fundamentos da cincia histrica.

    Braslia: UnB, 2001.

    SANTIAGO, Pedro; CERQUEIRA, Clia; PONTES, Maria Aparecida. Por dentro da

    Histria. v.2. So Paulo: Edies Escala Educacional, 2010.

  • SQUINELO, Ana Paula. Revises Historiogrficas: a Guerra do Paraguai nos Livros

    Didticos brasileiros - PNLD 2011. Dilogos, v. 12, n.1, p. 19-39, 2011.

    VAINFAS, Ronaldo; FARIA, Sheila de Castro; FERREIRA, Jorge; SANTOS, Georgina.

    Histria: o longo sculo XIX. v.2. So Paulo: Saraiva, 2010.

    VICENTINO, Claudio. DORIGO, Gianpaolo. Histria Geral e do Brasil. v.2. So Paulo:

    Scipione, 2011.

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7084.htm. Acesso em

    30 de maro de 2015.

    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7084.htm

Recommended

View more >