artigo tráfico de pessoas

Download Artigo tráfico de pessoas

Post on 16-Dec-2015

16 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

O artigo aborda temas de tráfico de pessoas para o trabalho forçado.

TRANSCRIPT

  • -f'- '.,. \li

    "

    Junte-se ao Processo nos termos do Art.261 do Regimento Interno do Senado\p Federal

    CPI - TRAFICPES

    Vol 1. ~TRFICO. DE PESS10AS:UMA ANALISE COMPARATIVA DA

    . NORMATIVANACIONAL E INTERNACIONAI(~/

    FRANS NEDERSTIGT

  • APRESENTAO

    Projeto Trama teve incio em abril de 2004, mediante a formao de um consrcio entrequatro entidades no governamentais: a Organizao de Direitos Humanos Projeto Legal; oInstituto Brasileiro de Inovaes em Sade Social-IBISS; a Organizao de Mulheres NegrasCRIOLA; e, o Ncleo de Direitos Humanos da Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO,todas sediadas e com reconhecida atuao na defesa, garantia e promoo de direitos

    humanos no Estado do Rio de Janeiro.

    Considerando o trfico de pessoas como uma grave violao dos direitos humanos e umproblema ligado globalizao e a desigualdade social, bem como a questes de gnero,raa e etnia. O Projeto Trama tem como misso enfrent-lo atravs da afirmao dos direitoshumanos, de modo a evitar a vitimizao e a discriminao.

    Este caderno no to somente destinado a operadores de direito, mas a todos queles que

    tm interesse na ampliao do Acesso Justica de pessoas trafcadas. Acesso no sentidoformal do processo e Justia no sentido material para a vtima. No procura de forma alguma

    pregar uma nica verdade, e sim provocar outras percepes sob a dura realidade do trficode pessoas, bem como abordar temas transversais tais como trabalho, gnero e migrao.Pretende ainda, cumprir a funo de estimular a aprendizagem porm muito mais quer motivarpela desaprendizagem.

    Em sintse, este caderno visa incentivar o debate jurdico crtico, aumentando assim ointercmbio de experincias, anlises e estratgias de aes de enfrentamento ao trfico depessoas cada vez mais qualificadas.

    Boa leitura!

    Rio de Janeiro, abril de 2009

    Consrcio Projeto Trama

  • Volume 1

    SUMRIO

    13.....NORMATIVA INTERNACIONAL

    www.projetotrama.org.br

    1 INTRODUO

    2 CONCEITUANDO TRFICO DE PESSOAS2 A Definio Universal do Protocolo Anti-Trfico Humano da ONU2 Trfico de Pessoas: Causa e Conseqncia de Violaes de Direitos Humanos3 0 Enfrentamento do Trfico de Pessoas no seu Contexto Histrico

    5 NORMATIVA NACIONAL5 Poltica e Plano Nacional de Enfrentamento ao Trfico de Pessoas6 Abordagem Trabalhista: Trfico de Pessoas e Trabalho Escravo8 Abordagem Penal: As mudanas trazidas pela lei N11.1 06/20059 Crimes Correlatos13 Abordagem Civil: Reparao de Danos

    da explorao econmica (56% do total contra 44% dehomens e meninos) e corno maiores vtimas de explora-o sexual comercial (98% do total contra 2% de homense meninos). Segundo a Pesquisa Sobre Trfico de Mu-lheres, Crianas e Adolescentes para Fins de Explora-o Sexual Comercial no Brasil- PESTRAF, existem241 rotas (131 internacionais e 110nacionais), envolven-do um fluxo permanente de predominantemente mulherese adolescentes, afrodescendentes, com idade entre 15 e25 anos (PESTRAF, 2002).

    No enfrentamento ao trfico de pessoas, aes sopropostas em diversas reas de atuao e por organiza-es da sociedade civil, governos e organizaes inter-nacionais. Entretanto, o interesse deste estudo est nocampojurdico.

    O objetivo principal deste estudo a realizaode urna anlise comparativa, identificando as diferen-as funcionais entre a legislao brasileira quanto represso, preveno do trfico de pessoas, e aten-o s vtimas de trfico de pessoas, na esfera traba-lhista, penal e cvel, em relao normativa interna-cional mais relevante sobre o terna do enfrentamentoao trfico humano.

    Os eixos que serviro de indicadores dentro doobjeto proposto por este estudo e j mencionados so:represso, preveno e ateno s vtimas de trficode pessoas. O Protocolo Anti-Trfico Humano da Or-ganizao das Naes Unidas - ONU, utiliza no seuArtigo 4, referente ao mbito de sua aplicao, essamesma diviso:

    O presente Protocolo aplicar-se-, salvo dispo-sio em contrrio, preveno (artigo 9Q), in-vestigao e represso das infraesestabelecidas em conformidade com o Artigo 5do presente Protocolo, quando essas infraesforem de natureza transnacional e envolveremgrupo criminoso organizado, bem como pro-teo das vtimas (artigo 6) dessas infraes.(ONU 2000 apud BRASIL, 2004, grifo meu)No primeiro captulo conceituaremos o trfico hu-

    mano, primeiramente, atravs da definio universal-mente reconhecida no Protocolo Anti-Trfico Huma-no da ONU, para, em seguida, melhor entender esseproblema mundial corno causa e conseqncia de vi-olaes de direitos humanos, bem corno no seu con-texto histrico.

    No segundo captulo trataremos da primeira par-te da anlise comparativa, sendo a normativa nacio-nal referente ao trfico humano, abordando inicialmen-te a recente Poltica Nacional de Enfrentamento aoTrfico de Pessoas e o ainda mais recente Plano Na-cional de Enfrentamento ao Trfico de Pessoas -PNETP. Depois, analisaremos a legislao nacional,

    1. INTRODUO"O trfico de pessoas urna das formas mais ex-

    plcitas de escravido moderna. Embora tenha sidoabolida oficialmente, a escravido nunca foi realmen-te erradicada." (GLOBAL ALLIANCE AGAINSTTRAFFIC IN WOMEN, 2007, p. 87, traduo nossa).

    Essa frase, escrita em relao ao contexto brasi-leiro, sintetiza a problemtica a ser abordada nesteestudo e ao mesmo tempo possibilita a reflexo sobrea complexidade desta temtica. Numa abordagem maisjurdica, encontrada nos direitos humanos, pode-seafirmar que: "[...] trfico de pessoas causa e conse-qncia de violaes de direitos humanos [... ]"(GAATW-BRASIL, 2006, p.l).

    conseqncia de violaes de direitos huma-nos porque o trfico humano origina-se da desigual-dade social-econmica, da precariedade de polticaspblicas bsicas, da falta de perspectivas de empregoe de realizao pessoal e da luta diria pela sobrevi-vncia. Em outras palavras: principalmente causadopor violaes de direitos humanos econmicos, soci-ais e culturais, tambm chamados os direitos huma-nos da segunda gerao! (ou dimenso). O trfico depessoas, em outras palavras, encontra terra frtil naviolao de direitos humanos econmicos, sociais eculturais.

    Mas o trfico humano, por sua vez, tambm pro-voca violaes de direitos humanos porque causa aexplorao da pessoa humana, degrada a sua dignida-de e limita o seu direito de ir e vir. Em outras palavras:viola os direitos humanos, inclusive os direitos civisda primeira gerao (ou dimenso).

    Corno citado a escravido na verdade nunca foierradicada. Segundo as estimativas do Escritrio Con-tra Drogas e Crime das Naes Unidas - UNODC(2007), o trfico internacional de mulheres, crianas eadolescentes movimenta a cada ano entre US$ 7 bi-lhes e US$ 9 bilhes, sendo uma das atividades maislucrativas do crime organizado transnacional seno amais lucrativa depois do trfico de drogas e trfico dearmas. Calcula-se, de acordo com recentes estatsti-cas da Organizao Internacional do Trabalho - OIT(2005a), que no mundo 12,3 milhes de pessoas exer-am trabalho forado, e que deste nmero 2,45 mi-lhes pessoas foram traficadas. Isto significa que apro-ximadamente 20% do trabalho forado produto dotrfico de pessoas, porm nos pases industrializadoso trfico de pessoas representa 75% do trabalho for-ado. Destes, 43% acabam na explorao sexual co-mercial.

    Das pessoas traticadas (OIT, 2005a), destacam-se as mulheres e as meninas corno as maiores vtimas

    CADERNO JURDICO 1

    Autor:Frans Nederstigt

    Consrcio Projeto Trama

    Rio de Janeiro - RJDezembro de 2008

    Copyright 2009Consrcio Projeto Trama

    Consultores:Ebe Campinha dos Santos

    Carlos Nicodemosluciana Campello Ribeiro de Almeida

    Edio e Projeto Grfico:Thiago Ansel

    Trfico de Pessoas:uma anlise comparativa da normativa

    nacional e internacional

    23 BIBlIOGRAFIA

    28 TABElAS

    13 0 Protocolo Anti-Trfico Humano da ONU e a Situao de Vulnerabilidade15 0 Impacto Jurdico no Direito Interno Brasileiro do Protocolo Anti-Trfico Humano16 Represso, Preveno e Ateno s Vtimas do Trfico de Pessoas no Protocolo Anti-Trfico Humano18 0utras Normativas Internacionais

    19 0NU19 0EA19 MERCOSUl

    19 CONSIDERAES FINAIS

    21 NOTAS

    1

  • Cadernos Projeto TRAMA

    relevante para o tema do enfrentamento ao trfico de pes-soas, no seu contexto trabalhista, penal e civil, identifican-do, desde j, possveis problemas e lacunas, principal-mente na rea penal (inclusive atravs de uma tabela).

    No terceiro captulo trataremos da segunda parteda anlise comparativa, sendo a normativa internacionalreferente ao trfico humano, abordando inicialmente umdos temas mais polmicos no Protocolo Anti-Trfico Hu-mano da ONU: a utilizao do termo "situao devulnerabilidade", tema chave para entender o trfico hu-mano como conseqncia de violaes de direitos huma-nos. Em seguida, adentramos no impacto jurdico do Pro-tocolo da ONU para o direito interno brasileiro. Atravsdos eixos de represso, preveno e ateno s vtimasde trfico de pessoas, detalharemos o significado do Pro-tocolo para o enfrentamento do trfico de pessoas. Ocaptulo sobre a normativa internacional ser completado,por fim, detalhando as outras normas internacionais daONU, da Organizao dos Estados Americanos~OEA,e do Mercado Comum do Sul~MERCOSUL, aplic-veis no Brasil e relevantes para o enfrentamento do trficode pessoas. Alm disto, ser apresentada uma (segunda)tabela listando os instrumentos jurdicos nacionais e inter-nacionais mais relevantes para o enfrentamento ao trficode pessoas no Brasil.

    Esta publicao, por fim, apontar os principaisproblemas quando compararmos a normativa nacio-nal e a normativa internacional aplicvel no Brasil.

    2. CONCEITUANDO TRFICO DEPESSOAS

    2.1. A DEFINiO UNIVERSAL DO PROTOCO-LO ANTI-TRFICO HUMANO DA ONU

    Em 15 de novembro de 2000 foi adotado pelaAssemblia Geral das Naes Unidas o ProtocoloAdicional Conveno das Naes Unidas contra oCrime Organizado Transnacional Relativo Preven-o, Represso e Punio do Trfico

Recommended

View more >