Artigo - Marco Aurelio-1

Download Artigo - Marco Aurelio-1

Post on 22-Dec-2015

5 views

Category:

Documents

3 download

TRANSCRIPT

ATIVIDADES COMPLEMENTARES I

HERMENUTICA

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ARBITRAGEM

BRASLIA-DF

2012

ATIVIDADES COMPLEMENTARES I

MARCO AURLIO DOS SANTOS OLIVEIRARAIMUNDO RONALDO MARTINS PEREIRAEVELINE

SUMRIO

1. Introduo

2. Antecedentes e fatos histricos da Arbitrariedade.

3. DD

4. DD

5. DDD

6. DD

7. DD

8. DD

9. DD

10. DD

11. DD

12.

INTRODUO

A arbitragem no direito uma forma extrajudicial capaz de solucionar conflitos, atravs da qual as partes conflitantes celebram seus contratos ou acordos simples utilizando a figura do juiz arbitral para direcionar e resolver alguma controvrsia existente ou eventual em vez de procurar o poder judicirio, lembrando que a sentena arbitral possui o mesmo efeito da convencional, sendo obrigatria entre as partes. No Brasil vem ganhando cada vez mais espao como uma alternativa legal ao poder judicirio, assim sendo, as partes componentes ao procedimento abdica de seu direito de compor litgio perante o judicirio e buscam resolver as questes contratuais perante o juiz arbitral, que em geral so especialistas na rea. Assim, em tese as decises so atendidas em menos tempo.O presente artigo apresenta uma das formas de combater a morosidade e ineficcia da justia frente s necessidades dos cidados. Este novo mtodo jurdico est sendo inserido na tendncia de reformas processuais que busca selecionar e encaminhar as disputas para diversos mtodos de resoluo de conflitos e que possui a importante vantagem de poder adaptar amplamente o procedimento ao tipo de controvrsia.

4

1. HISTRICO DA ARBITRAGEM NO MUNDO

1.1 NA MITOLOGIAA arbitragem um dos mtodos mais antigos existentes no mundo, na mitologia grega comea quando Eris, a deusa da discrdia decidiu criar o cetro da mais bela mulher. As deusas, Atenas, Hera e Afrodite, no resistiram e passaram a disputar o objeto, desencadeando assim uma briga pelo mesmo. Zeus, que era a maior autoridade naquela poca, decidiu ento, nomear um prncipe troiano de nome Pris, para solucionar tal conflito. Hera, Afrodite, e Atenas consumidas pelo desejo de posse pelo cetro, tentaram at subornar o prncipe Pris, prometendo-lhe poder, autoridade, e at mesmo uma grande paixo, vindo de uma das mulheres mais belas do mundo, que era Helena de Tria. Impressionado pela oferta, o prncipe Pris no resistiu a oferta, e decidiu aceitar a oferta de ter ao seu lado uma das mais belas mulheres do mundo, que j era casada com o rei de Esparta. O cumprimento de tal promessa s foi possvel por meio de um rapto, atitude que gerou uma represlia por parte dos Aqueus, que alm de invadir, tambm destruram Tria.

1.2 NA RELIGIO Tudo comeou, quando Moiss, lder de um grande povo (Livro de xodo, capitulo 18), que era procurado por todos para resolver conflitos, decidiu separar a grande multido, para ento nomear outras pessoas de sua confiana para ajud-lo a resolver os conflitos, desse modo s chegaria at ele, situaes que at ento os seus confiados no pudessem resolver, deixando para ele como lder a palavra final, e assim, o fez Moiss.

2. HISTRICO DA ARBITRAGEM NO BRASIL

No Brasil, a arbitragem comeou com o tratado de Tordesilhas em 1494, na poca, existia uma disputa entre Portugal e Espanha por territrios recm conquistados no Novo Mundo. O rbitro que resolveu a questo da disputa, foi o Papa Alexandre VI. Esse Sistema Jurdico Brasileiro prossegue at hoje. O Cdigo de Processo Civil foi institudo, pela Lei n 5869, de 11 de janeiro de 1973, consagrou o juzo arbitral, no livro IV (dos procedimentos especiais de jurisdio contenciosa) Capitulo XIV do Juzo Arbitral.A Constituio de 1988, em seu artigo 114, estabelece competncia da justia do Trabalho, em seu pargrafo 1 a possibilidade da utilizao da arbitragem para solucionar conflitos.Considerada como o grande avano da justia brasileira rumo agilidade, foi sancionada a Lei 9.307 de setembro de 1996. LEI DE ARBITRAGEM ou LEI MARCO MACIEL, a qual revogou o capitulo XVI do Cdigo de Processo Civil Brasileiro. Essa lei foi criada para dirimir os conflitos que surgiriam nas relaes comerciais do MERCOSUL.A justia arbitral, tem como sua grande arma, a celeridade.O prazo mximo admitido para a soluo dos conflitos, ser superior a seis meses, no sendo homologado pelo judicirio, e no sendo aceito os interminveis recursos que fazem com que tornem mais lenta a justia comum.

CONCEITO DE ARBITRAGEM

A arbitragem consiste no meio mais rpido e eficaz para a soluo de controvrsias sobre litgios por meio de rbitros, com a mesma eficcia do sistema judicial.As partes entregam a lide, a uma instituio arbitral, que ir nomear um rbitro para resolver a controvrsia. a lei que regula os conflitos de interesses, disciplinando-os ou solucionando-os.Para Carlos Alberto Carmona, a arbitragem conceituada como uma tcnica para soluo de controvrsias atravs da interveno de uma ou mais pessoas decidindo com base nesta conveno, sem a interveno do Estado, sendo a deciso destinada a assumir eficcia de sentena judicialO resultado da resoluo do conflito redigido em um documento particular, com os direitos e obrigaes das partes, juntamente com duas testemunhas, criando assim um ttulo executivo.A conduo das partes, para uma conciliao, ser feita por um rbitro, de forma cordada, sendo utilizado para isso, a MEDIAO, CONCILIAO E ARBITRAGEM.A arbitragem limitada categoria das questes sobre as quais a lei permite transao, direitos patrimoniais disponveis, (negociaes, disputas trabalhistas, indenizaes, direito do consumidor, cheque, promissrias, duplicatas), ou seja, a respeito dos quais as partes possam validamente dispor.Assim sendo, a arbitragem pode ser definida como o caminho alvejado na busca da pacificao social.A arbitragem pode ser em sua composio da seguinte forma:ARBITRAGEM - Sistema de julgamento feito por rbitro ou rbitros; deciso ou determinao que um juiz profere segundo os ditames da sua razo e conscincia sobre pontos especiais omissos na lei.RBITRO Juiz; decididor. Aquele que, que por acordo das partes adversrias, resolve uma questo. Autoridade suprema, soberano.JUZ - rbitro; Magistrado que d a sentena; Juiz de direito ou togado. O que tem autoridade e poder para julgar e sentenciar. Membro do poder judicial; rbitro, julgador; O que nos certames e jogos faz cumprir as regras estabelecidadas. Juiz de paz: Magistrado eletivo que, em cada distrito do juzo de paz, preside ao juzo conciliatrio e realiza outros atos civis ( celebrao de casamentos, e criminais).

TIPOS DE ARBITRAGEM

Realizada nos princpios gerais do direito, a arbitragem se baseia nos usos e costumes e em regras internacionais do comrcio. A arbitragem poder ser classificada da seguinte maneira: VOLUNTRIA : quando as partes tomam por iniciativa prpria a deciso de resolver seus problemas, atravs da eleio de um rbitro. DE DIREITO : Se equipara a atividade do rbitro do juiz togado, onde sero aplicadas as normas de direito. Para tanto nesse caso, no podero ser escolhidas norma fora do campo legislativo, mas sendo nesse campo, poder mover-se com inteira liberdade. DE EQUIDADE: Acontece quando o rbitro abandona a regra geral, consagrada na norma e aplica uma particular e prpria para aquele determinado caso, de acordo com a sua prpria conscincia, observando determinados princpios sociais e morais. Ao autorizar o rbitro a julgar de acordo com a equidade, a lei o autoriza a agir como se fosse a um s tempo, legislador, e rbitro. AD HOC : quando um rbitro nomeado para um determinado ato. Nesse caso o procedimento arbitral no seguir as regras de uma instituio arbitral. Essas regras sero fixadas pelas partes, ou na falta desta pelo rbitro. INSTITUCIONAL : quando a arbitragem realizada por rgos no governamentais, ou seja, por empresas privadas, com regras previstas em seu regimento interno. INTERNACIONAL : quando uma sentena proferida em outro pas para ser executada no Brasil.Dessa forma nenhum dos princpios da ordem pblica e no da Soberania Nacional.

DOS RBITROS : Os rbitros podem ser qualquer pessoa capaz, e que tenha a confiana das partes, segundo a lei no precisa ser advogado, basta ser pessoa civilmente capaz, e tenha a experincia para solucionar litgios sugeridos entre as partes. As partes podero sugerir um ou mais rbitros, desde que sempre estejam em nmero impar, podendo tambm nomear tambm suplentes. Havendo escolha das partes na e eleio de rbitros em nmero par, estes esto autorizados desde logo a nomear mais um rbitro, para que no haja empate. Se no houver acordo, requerero as partes ao rgo do Poder Judicirio a que tocaria, originalmente o julgamento da causa nomeao do rbitro, aplicvel, no que couber, o procedimento previsto no art.7 da lei de arbitragem.Esto impedidos de atuar como rbitros, as pessoas que tenham, com as partes ou com o litgio que lhes for submetido, algumas das relaes que caracterizam os casos de impedimento ou suspeio de juzes, aplicando-lhes no que couber, os mesmos deveres e responsabilidades, conforme previsto no Cdigo Civil.No desempenho de sua funo, o rbitro dever proceder com imparcialidade, independncia, competncia, diligencia, e discrio. Nesse caso no poder o rbitro ter nenhum interesse no objeto do litgio, no poder sujeitar a qualquer presso de uma das partes, agir com capacidade e habilidade para solucionar o problema, manter a prudncia, e estudar com zelo o problema que lhe exposto, empenhando-se, e buscando a exatido no trabalho.A parte s poder recusar o rbitro se no o tiver indicado, ou se descobrir um motivo que o torne parcial.

DA SENTENA ARBITRAL

A sentena arbitral ser proferida no prazo estipulado pelas partes. Nada tendo sido convencionado entre as partes, o prazo ser de seis meses para a apresentao da sentena, contado da instituio da arbitragem ou da substituio do rbitro. As partes podero definir previamente o prazo para a sentena arbitral, que poder ser de um ms, trs meses, um ano, podendo esse prazo ser prorrogado,caso haja comum acordo entre as partes e os rbitros.

DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ARBITRAGEM

VANTAGENS:

Dentre as vantagens e desvantagens da arbitragem, podemos citar:

A capacidade de resolver os problemas referente a direitos patrimoniais disponveis. Todo profissional de qualquer rea poder julgar nos tribunais. Tem carter sigiloso, somente s partes podem ter acesso aos atos do procedimento. J no judicirio o processo pblico, e pode ser solicitado por qualquer cidado.As custas procedimentais so mais baixas. No h limites de valores para as causas. No h burocracia no procedimento arbitral. No h jurisdioA sentena proferida pelo rbitro titulo executivo judicial.

DESVANTAGENS:

A sentena proferida no cabe recurso. Caso a parte responsvel no cumpra a sentena, necessrio procurar o judicirio para executar a sentena.O rbitro no tem poder coercitivo.

6