artigo - logistica reversa

Download Artigo - LOGISTICA REVERSA

Post on 26-Jul-2015

409 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

LOGSTICA REVERSA

Orientador: Cardoso, Alexandre Alunos: Sousa, Nathanny Mayara Ferreira Silva, Poliana Freitas Santos, Rejane Ribeiro

RESUMO

Hoje, a Logstica Reversa ocupa um espao importante na operao logstica das empresas, quer pelo seu potencial econmico, quer pela sua importncia para a preservao de recursos e do meio ambiente. Cada vez mais rigorosas quanto ao descarte de embalagens e inservveis, as leis fazem com que as empresas tenham de desenvolver estratgias reversas que dem destinao adequada para embalagens, insumos e at mesmo parte de seus produtos, como baterias, pilhas e outros.

ABSTRACT

PALAVRAS CHAVE: Logstica reversa, Canais de Distribuio Reversos e Sustentabilidade.

INTRODUO

A Logstica Reversa e o estudo dos canais de distribuio reversos uma nova rea da logstica empresarial, ainda mais recente, concentram-se

principalmente no exame dos fluxos reversos, ou seja, naqueles que fluem no sentido inverso ao da cadeia direta, a partir dos produtos descartados como ps

2

consumo ou dos produtos de ps- venda, visando agregar-lhes valor de diversas naturezas, por meio da reintegrao deles e de seus componentes ou materiais constituintes ao ciclo produtivo e de negcios. A idia central, portanto, apresentar e sistematizar os principais conceitos de logstica reversa envolvidos no retorno e na revalorizao desses diversos tipos de bens, examinarem a organizao empresarial dos canais de distribuio reversos e as diferentes etapas que caracterizam o retorno dos bens de ps consumo e de ps venda, evidenciando a importncia da economia reversa atual e seu potencial. Dessa maneira, analisam-se os principais fatores que influem nessa organizao reversa: econmicos e, mais recentemente, ecolgicos e legislativos, bem como o importante impacto dos fatores tecnolgicos e logsticos nessas organizaes, por meio da explorao da revalorizao desses bens sob diferentes perspectivas e suas interaes. Procura-se demonstrar que a incluso da logstica reversa na reflexo estratgica das organizaes constitui-se em uma nova e diferenciada viso de operao empresarial, resultando em melhoria de competitividade, apreciveis retornos financeiros e consolidao de sua imagem corporativa.

CONCEITO DE LOGSTICA

Logstica, de acordo com a Associao Brasileira de Logstica, definida como:

O processo de planejamento, implementao e controle do fluxo e armazenagem eficientes e de baixo custo de matrias primas, estoque em processo, produto acabado e informaes relacionadas, desde o ponto de origem at o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do cliente.

O SURGIMENTO DA LOGSTICA

3

A palavra logstica de origem francesa. O conceito existe desde a dcada de 40, quando foi utilizada pela primeira vez, pelas Foras Armadas norteamericana, durante a segunda Guerra Mundial para o processo de fornecimento e aquisio de materiais. No perodo que antecede a dcada de 50, as empresas dividiam as atividades chaves da logstica entre diversas reas. Neste contexto o transporte ficava sob o comando de gerencia de produo, os estoques sob o comando de marketing e com isso eram causados diversos conflitos de objetivos e responsabilidades. Em meados de 1945, algumas empresas definiram que o transporte e armazenagem de produtos acabados, ficariam sob as responsabilidades de um departamento especifico. Mas foi especificamente entre a dcada de 50 e 70, que houve a exploso da teoria e prtica da logstica nas empresas. Com o desenvolvimento da rea de marketing, as empresas mudaram seu foco de produo para o consumidor. Aps 1950 ocorreram vrias mudanas como: gosto do consumidor e maiores variedades de mercadorias. Ainda neste perodo as empresas percebem que no h vantagem em manter estoque, visto que o custo bastante alto, ento resolve transferir a responsabilidade para o seu fornecedor, fazendo com que haja entregas freqentes. Na dcada de 70, a logstica j se propagou e vrias empresas passaram a adot-las, porm algumas ainda preocupando-se com os lucros e esquecendo os custos. Em virtude das diversas crises ocorridas no perodo, as empresas passaram a se preocupar com a gesto de suprimentos. A partir de 1980, surge logstica integrada, que evoluiu bastante nos 15 anos seguinte, devido revoluo da tecnologia da informao. Aps 1990, a logstica entendida como juno da administrao de materiais e distribuio fsica.

LOGSTICA REVERSA

A Logstica Reversa uma rea relativamente nova para as empresas e sociedades no Brasil e no mundo. Com relao ao meio ambiente, a grande preocupao que as empresas tm a obrigao de fazer programas que reduzem os materiais para que no venham a ter uma degradao.

4

Em CLM (1993: 323): Logstica reversa um amplo termo relacionado s habilidades e atividades envolvidas no gerenciamento de reduo, movimentao e disposio de resduos de produtos e embalagens... Em Stock (1998: 20): Logstica reversa em uma perspectiva de logstica de negcios, o termo refere-se ao papel da logstica no retorno de produtos, reduo na fonte, reciclagem, substituio de materiais, reuso de materiais, disposio de resduos, reforma, reparao e remanufatura...

Logstica Reversa engloba todos os processos de modo inverso ao da logstica direta. Para Rogers e Tibben-Lembke (1999) Logstica Reversa :

O processo de planejamento, implementao e controle do fluxo eficiente e de baixo custo de matrias primas, estoque em processo, produto acabado e informaes relacionadas, desde o ponto de consumo at o ponto de origem, com o propsito de recuperao de valor ou descarte apropriado para coleta e tratamento de lixo.

As empresas que inserirem o processo reverso em suas operaes tendem a se destacar no mercado, visto que as mesmas oferecem servio diferenciado aos seus clientes. Quando uma empresa investe em logstica reversa, ela est investindo em benefcios para ela, a sociedade, o meio ambiente e as geraes futuras. Alm dos benefcios econmicos e competitivos, a logstica reversa proporciona benefcios com relao imagem institucional.

Alm das possveis oportunidades oriundas desses reaproveitamentos, reprocessamentos, reciclagens etc., a questo preservao ecolgica dirigir esforos das empresas para a defesa de sua imagem corporativa e seus negcios, enquanto a sociedade se defender por meio de legislaes e regulamentao especifica. (LEITE 2003, p. 21).

5

O processo de logstica gera matrias reaproveitadas que retornam ao processo tradicional de suprimentos, produo e distribuio.

Logstica reversa corresponde ao caminho inverso da logstica, ou seja, inicia-se no ponto de consumo dos produtos sendo finalizada no ponto inicial da cadeia de suprimentos, tendo como principal objetivo o reaproveitamento e reciclagem de produtos e materiais, com a reutilizao destes na cadeia de valor. (Pinheiro Filho, 2007, pag 56).

De forma simplificada, na logstica tradicional, parte-se de um fabricante e define-se o caminho ate o consumidor final. Na Logstica Reversa de ps - consumo o caminho inverso, o produto tem como fonte de partida os inmeros consumidores e como destino, em geral o fabricante. Assim sendo, pode se verificar uma caracterstica importante no processo: o desafio de reunir produtos disseminados entre milhares de clientes para retornarem, aps sua vida til, em geral, a um mesmo fabricante Os seis erres (R) da logstica reversa identificam as principais oportunidades e responsabilidades dos processos de logstica reversa: 1. Reutilizao; 2. Revenda; 3. Reparo; 4. Re-manufatura; 5. Reciclagem; 6. Redesign (reprojeto);

O mundo ser obrigado a se desenvolver de forma sustentvel, ou seja, que preserve o meio ambiente, e as empresas devero fazer o mesmo, por iniciativa prpria ou por exigncia legal (SHRIVASTAVA e HART, 1998). Observa-se que o fluxo reverso de ps-consumo, apresenta-se como o grande desafio a serem equacionados tanto pelas empresas, governos, e pela prpria sociedade. Do ponto de vista das empresas a utilizao destes fluxos, do eco-design (FIKSEL, 1996), pode ser utilizada como uma vantagem competitiva atravs da

6

agregao de valor ao cliente, economia de energia e melhoria na imagem de marca; do ponto de vista dos governos a necessidade de controle ambiental e do ponto de vista da sociedade a educao e compreenso dos conceitos de auto sustentabilidade. LACERDA (2002) lista como fatores crticos de sucesso nos casos de logstica reversa os seguintes elementos:

Bons controles de entrada: consiste na identificao do estado dos materiais a serem retornados e a deciso se o material pode ou no ser reutilizado;

Processos padronizados e mapeados: a mudana do foco na logstica reversa, onde deixa de ser um processo espordico e de contingncia, passando a ser considerado um processo regular, que requer documentao adequada atravs do mapeamento de processos e formalizao de procedimentos. Assim, podem-se estabelecer controles e oportunidades de melhorias;

Tempo de ciclo reduzido: o tempo considerado entre a identificao da necessidade de reciclagem, disposio ou retorno de produtos e o seu efetivo processamento;

Sistemas de informao: o processo de logstica reversa necessita do suporte da tecnologia da informao (TI), a fim de viabilizar o atendimento de requerimentos necessrios para a operao. Entre as funcionalidades requeridas pode-se listar: Informao centralizada e confivel, rastreabilidade, avaliao de avarias, etc.

Rede logstica planejada: consiste na infra-estrutura logstica adequada para lidar com os fluxos de entrada de materiais usados e fluxos de sada de materiais processados. Envolvem instalaes, sistemas, recursos

(financeiros, humanos e mquinas), entre outros; Relaes colaborativas entre clientes e fornecedores: como h uma srie de agentes envolvidos no processo, surgem questes relacionadas ao nvel de confiana entre as partes envolvidas. Informaes tais co