Artigo Lean Manufacturing - ?ão_da_filosofia... · Aplicação da filosofia Lean Manufacturing para…

Download Artigo Lean Manufacturing - ?ão_da_filosofia... · Aplicação da filosofia Lean Manufacturing para…

Post on 16-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

TRANSCRIPT

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    Aplicao da filosofia Lean Manufacturing para melhoria da produtividade

    na indstria do setor automobilstico.

    Euclides Fernandes dos Reis. Universidade Federal de Gois. euclides.reis@yahoo.com.br Sara da Costa Fernandes. Universidade Federal de Gois. sara.scf1@gmail.com Marcio do Carmo Boareto. Universidade Federal de Gois. marcioboareto@gmail.com Luciana Vieira de Melo. Universidade Federal de Gois. luciana_vieira.92@hotmail.com Dr. Vagner Rosalem. Universidade Federal de Gois. vagner@hotmail.com

    Resumo: O Lean Manufacturing consolida uma abordagem abrangente que alinha

    implementao de estratgias promovendo a melhoria dos processos e desempenho organizacional

    que direciona reduo de custos e maximizao de lucro. Neste contexto, o setor automobilstico

    possui uma grande importncia, pois a produo enxuta atravs do Lean Manufacturing

    proporciona a melhoria na produtividade, qualidade e desenvolvimento de produtos. Este estudo

    possui o objetivo principal de discutir quais resultados foram alcanados, aps a implementao

    de uma melhoria de processo na montadora de veculos no estado do Gois. Para isto foi feito um

    estudo de caso atravs de uma anlise documental que permitiu realizar uma anlise comparativa

    relacionada a melhoria de processo na organizao pesquisada. Identifica-se que houve sucesso na

    aplicao do pensamento Lean na montadora de veculos, pois sem nenhum investimento inicial, a

    aplicao do Lean trouxe reduo no custo de pintura do veculo. A partir dessa melhoria, entende-

    se que a presente filosofia pode ser estendida para outras reas da organizao, o que

    consequentemente trar mais resultados dentro do processo produtivo.

    Palavras chave: custos, veculos, produo.

    1.INTRODUO

    crescente a busca das organizaes pela qualidade de produtos, servios, processos e tambm a possibilidade de incremento significativo no desempenho organizacional, na mudana de cultura e no aumento do capital humano. Nesta perspectiva, as organizaes buscam a diminuio dos custos de produo a eliminao de desperdcios e a reduo da variabilidade nos processos crticos para o negcio (SANTOS e MARTINS, 2008, p. 43).

    Relacionado a isto, o Lean Manufacturing desde a dcada de 1980 vem ganhando a apreciao das organizaes na busca da competitividade atravs da reduo do tempo entre o pedido do cliente e a entrega por meio da eliminao de desperdcios. Isto ocorre atravs da identificao do que agrega ou no valor na expectativa do cliente: a interligao das etapas necessrias produo de bens no fluxo do valor, de tal modo que este avance sem interrupes, desvios, retornos, esperas ou refugos; e a operao deste fluxo puxada pela demanda (SILVA, MIYAKE, BATOCCHIO e AGOSTINHO, 2011, p. 689). Isto direciona ao objetivo gerencial da organizao na busca de processos eficientes e eficazes, com foco na criao de valor, reduo de desperdcios e consequentemente de custos (MANN, 2005).

    Sendo assim, o conceito Lean Manufacturing consolida uma abordagem abrangente que alinha implementao de estratgias promovendo a melhoria do desempenho do negcio priorizando a melhoria contnua da qualidade de produtos e servios, incremento da capacidade de inovao, reduzindo custos e desperdcios. Considerando suas implicaes, essas aes organizacionais vm ganhando cada vez mais destaque em todos os setores econmicos empresariais (SCHROEDER et al., 2002; SANTOS, 2006; SANTOS e MARTINS, 2008).

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    Neste contexto, o setor automobilstico um importante segmento a ser estudado. Relacionado a

    isto, de acordo com Ghinato (1996), o sistema Toyota de Produo uma referncia como um sistema de produo enxuta. Um estudo de Womack, Jones e Ross (1992) sobre a indstria automobilstica mundial evidencia que a produo enxuta atravs do Lean Manufacturing, proporciona a melhoria na produtividade, qualidade, desenvolvimento de produtos e explica o sucesso da indstria japonesa e de outras indstrias do mundo.

    Considerando a representatividade da indstria automobilstica para o cenrio empresarial mundial e a abordagem do pensamento enxuto em diferentes processos como forma de melhoria de produtividade e reduo de custos, identifica-se o interesse e a oportunidade deste estudo propor a seguinte questo: quais so os resultados alcanados aps a implementao de um processo mais enxuto em uma montadora de veculos no estado de Gois?

    Neste sentido, este estudo possui o objetivo principal de discutir quais resultados foram alcanados, aps a implementao de uma melhoria de processo na montadora de veculos em Gois. O processo estudado est relacionado pintura de carrocerias de veculos que pode ter direcionado o aumento de produtividade e consequentes redues de custos de produo (TIGRE, 2006). Visando atingir este objetivo ser feita anlise documental que permitir realizar uma anlise comparativa relacionada a melhoria de processo na organizao pesquisada. 2. REFERENCIAL TERICO 2.1 Lean Manufacturing

    O termo Lean foi definido originalmente no livro A Mquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Ross (1990), em um estudo sobre a indstria automobilstica no mundo e o uso das prticas de produo enxuta do Sistema Toyota de Produo. De acordo com Womack e Jones (1996), os 5 princpios do Lean so:

    1. Precisamente definir o que valor, por produto e sob tica do cliente; 2. Identificar o fluxo de valor para cada produto; 3. Fazer o valor fluir sem interrupes; 4. Puxar; 5. Buscar a perfeio. As origens do Lean remetem ao Sistema Toyota de Produo, e para Ohno (1997), os pilares do

    SPT so: (i) automao, entendida como automao do toque humano, que se trata de direcionar mquinas, equipamentos e pessoas de autonomia necessria de parar a produo sempre que uma condio j estabelecida ou normal for atingida, como por exemplo, a quantidade produzida. Ou em condio anormal, como por exemplo, os desvios de padro de qualidade desejado; (ii) Just-in-time: gerao de estoque em nveis estritamente necessrios ao sistema, de forma a produzir no tempo exato apenas a quantidade necessria de produtos.

    Liker e Meier (2007) apontam os 4Ps que explicam os princpios da produo enxuta: i. Philosophy (Filosofia): filosofia enxuta em que os lderes enxergam a empresa como uma

    forma de agregar valor aos clientes, sociedade, comunidade e funcionrios; ii. Process (Processo): processos certos que geram resultados certos;

    iii. People & Partners (Pessoas e Parcerias): pessoas e parcerias em desenvolvimento a longo prazo direcionando a gerao de valor aos clientes; uma forma de gerar valor aos clientes a organizao desafiar seus funcionrios a crescerem; iv. Problem Solving (Soluo de problemas): soluo contnua da raiz dos problemas direciona

    aprendizagem organizacional e melhoria contnua.

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    Liker (2006) adiciona 14 reconhecidos princpios do Lean norteados pelos 4Ps apresentados,

    conforme demonstra a figura (1).

    Figura 1: Os 4Ps e os 14 Princpios Lean (Fonte: Liker, 2006) Para Hopp e Spearman (2004), o Lean um sistema que integra e realiza a produo de uma

    determinada organizao usando o mnimo de estoques e baixos custos. Shah e Ward (2007) salientam que o Lean um sistema scio-tcnico integrado com o principal objetivo de eliminar o desperdcio com a simultnea reduo da variabilidade em fornecedores, clientes ou dentro da empresa.

    Godinho e Fernandes (2004) definem a Manufatura Enxuta uma estratgia integrada de gesto que direciona a organizao a certas situaes do mercado e ajuda no alcance dos objetivos organizacionais de desempenho (qualidade e produtividade), sendo um modelo comporto por uma srie de princpios (ideias, fundamentos e regras organizacionais) capacitores (ferramentas, tecnologias e metodologias utilizadas). 3. METODOLOGIA

    Visando atingir o objetivo proposto, o presente trabalho apresenta um estudo de caso e demonstra o pensamento enxuto atravs do Lean Manufacturing aplicado dentro de uma montadora automobilstica localizada no estado de Gois. O estudo de caso apropriado para investigar fenmenos in loco, e acontecimentos reais que tornam as caractersticas de um estudo evidentes. Sendo assim a investigao dentro de um contexto da vida real em que os limites entre fenmeno e contexto so bem claros (YIN, 2015).

    O estudo foi de carter exploratrio e natureza descritiva. Para Gil, (2012) a pesquisa exploratria proporciona uma viso geral do caso estudado aproximando-se assim de determinado fato. Para Malhotra (2011) a pesquisa descritiva estabelece relaes com um determinado fenmeno sendo possvel descrev-los proporcionando uma viso especifica de algum problema.

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    A pesquisa possui uma abordagem qualitativa, pois pode proporcionar uma viso e compreenso

    melhor do problema em que a coleta de dados analisada de forma interpretativa possibilitando uma aproximao da fonte de coleta de dados (MALHOTRA, 2011). Neste sentido, a pesquisa constitui um estudo de caso nico com abordagem descritivo qualitativa.

    Para anlise de dados foi realizada a anlise documental. Os documentos analisados foram planilhas eletrnicas (Excel 2010), descries de layout, tempos de processo e custos de produo. Para Yin (2015) o uso de documentos colabora e valorizam as evidncias, provenientes de uma determinada fonte.

    Assim, ser apresentada atravs da documentao, a fonte de evidncias e informaes possibilitando demonstrar como ocorreu a melhoria no processo atravs do Lean Manufacturing na montadora automobilstica localizada no estado de Gois.

    4. RESULTADOS E DISCUSSES

    A empresa sob investigao atua no mercado automobilstico, e possui os processos de Body-

    Shop (Solda de Carrocerias) Paint-Shop (Pintura de Carrocerias) e Trim-Shop (Montagem de Veculos). A empresa tem unidade de negcio no estado de Gois, onde atua a mais de uma dcada. As transformaes ocorridas no cenrio industrial provocadas pela globalizao impuseram a respectiva organizao, novas maneiras, novos rearranjos produtivos, a fim de enfrentar a competividade imposta pelo atual mercado (HAYES et al., 2005).

    Diante tambm de uma globalizao que impacta no acirramento entre as organizaes, a montadora BETA baseada no pensamento fundamentado no Lean Manufacturing: buscou realizar uma melhoria com objetivo de aperfeioar a eficincia do seu processo produtivo e que necessariamente provocasse reduo nos custos operacionais e assim manter-se competitiva no mercado. Inserida neste contexto foi solicitado pela diretoria industrial da organizao BETA formao de uma equipe de trabalho de engenheiros, para investigar possveis desperdcios no processo na rea de pintura de carrocerias, que pudessem ser eliminados e assim reduzir o custo de fabricao do veculo.

    O setor de pintura foi eleito por representar dentro do processo, o maior custo de fabricao do veculo. A equipe formada por engenheiros de produo, por sua vez, delimitou alguns equipamentos a serem investigados dentro do processo de pintura, que neste trabalho de Lean Manufacturing contemplou s estufas de primer e base/verniz por representar dentro do processo de pintura o maior custo com energia eltrica e gs liquefeito de petrleo (GLP).

    O processo de pintura de carrocerias possui inicialmente a aplicao de primer, que consiste em fundo preparador de superfcies sobre a carroceria, e posteriormente o veculo segue para estufa de secagem para receber a cura do material aplicado sobre o automvel. Ainda, na sequncia do mesmo processo, logo aps a secagem do primer realizado a aplicao da base/verniz sobre a superfcie metlica e novamente o veculo entra em uma nova estufa para secagem da base/verniz. Este processo possui duas estufas de primer e duas estufas de verniz, conforme apresentado na Figura (2).

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    Figura 2: Processo de aplicao de Primer e Base/Verniz (Fonte: Elaborado pelos autores)

    A jornada da produo inicia a 07 horas e 20 minutos com trmino as 17 horas e 08 minutos. Contudo o incio do processo das estufas ocorre antes das 07 horas, pois elas devem ser aquecidas para atingir o valor de temperatura nominal de processo. A tabela (1) apresenta os horrios de funcionamento das estufas de Primer e Base/Verniz antes da melhoria.

    Tabela 1: Horrio de funcionamento das estufas (Fonte: Elaborado pelos autores)

    Equipam.

    Start Tempo

    de Aquecimento

    Incio do Processo

    Trmino do Processo

    / Incio do

    Resfriamento

    Tempo de

    Resf.

    Trmino do

    Resf.

    Estufa Primer

    05:20 02:00 07:20 15:50 01:20 17:10

    Estufa Base/ Verniz

    05:30 01:50 07:20 15:50 01:20 17:10

    As estufas possuem controlador lgico programvel (CLP), responsvel pelo controle de todas

    as etapas do processo. Cada equipamento estava ajustado para 6 veculos por hora, totalizando 12 veculos por hora, com uma produo diria de 100 veculos. A tabela (2) apresenta a capacidade de processamento das estufas de pintura.

    Tabela 2: Capacidade de processamento das estufas de pintura (Fonte: Elaborado pelos autores)

    Equipamento Veculos

    / Hora

    Horas / dia

    Total de

    Veculos

    Estufas Primer 12 8,5 102

    Estufas Base/Verniz 12 8,5 102

    Para que haja o pleno funcionamento das estufas algumas fontes de energia so necessrias para operacionalizar os equipamentos em questo: energia eltrica e gs liquefeito de petrleo (GLP). Na organizao objeto de estudo, o Quilowatt-hora (KWh) possui tarifas diferenciadas ao longo do dia,

    Cabine

    Primer

    Estufa

    Primer 2

    Cabine Base

    e Verniz

    Estufa Base

    e Verniz 2

    Estufa

    Primer 1 Estufa Base

    e Verniz 1

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    sendo R$ 0,20 das 00:00 s 17 horas e 59 minutos e das 21 horas s 23 horas e 59 minutos. O horrio compreendido das 18 s 21 horas, tambm denominado de Horrio de Ponta (HP) possui tarifa de R$ 1,50. J o GLP possui o custo de R$ 3,50 Kg.

    O horrio de Ponta sempre foi uma premissa para a organizao no utilizar equipamentos de produo em funo do custo. Neste horrio basicamente apenas iluminao do ptio de veculos permanece ligada. A varivel energia eltrica possua assim relevncia na anlise. O custo mensal gerado pelo consumo de energia eltrica e GLP descrito na tabela (3).

    Tabela 3: Custo Mensal com Energia Eltrica e GLP (Fonte: Elaborado pelos autores)

    Varivel Equipamento Quant. KWh KG/h Hs. Dias

    (Ms) KWh (R$)

    Kg/h (R$)

    Custo Mensal

    (R$)

    Energia Eltrica

    Estufa Primer

    2 250 - 12 20 0,2 - 24000

    Estufa Base/Verniz

    2 250 - 12 20 0,2 - 24000

    Gs (GLP)

    Estufa Primer

    2 - 48 10,5 20 - 3,5 70560

    Estufa Base/Verniz

    2 - 48 10,5 20 - 3,5 70560

    TOTAL R$ 189.120

    Em funo de um volume dirio menor que o projetado para o processo e que consequentemente ocasionava ociosidade dos equipamentos, os engenheiros de produo, investigaram a possibilidade de desligar uma estufa de primer e uma estufa de Base/Verniz. Para isso foi necessrio duas aes: aumentar a velocidade do transportador de piso responsvel pelo arraste dos veculos dentro das estufas elevando quantidade veculos processados de 6 para 9 veculos por hora e aumentar o tempo de processo, que anteriormente finalizava as 17 horas e 10 minutos e que aps a melhoria de processo, o trmino passou a ser as 20 horas e 10 minutos. A tabela (4) ilustra os novos horrios de funcionamento das estufas aps a realizao do pensamento Lean Manufacturing.

    Tabela (4): Horrio de funcionamento das estufas (Fonte: Elaborado pelos autores)

    Equip. Start Tempo

    de Aquecimento

    Incio do Processo

    Trmino Processo

    / Inicio do

    Resfriamento

    Tempo de

    Resf.

    Trmino do Resf.

    Estufa Primer 05:20 02:00 07:20 18:50 01:20 20:10 Estufa Base/Verniz 05:30 01:50 07:20 18:50 01:20 20:10

    Aps a melhoria fundamentada no pensamento Lean Manufacturing houve uma diminuio no

    custo de energia eltrica e gs GLP de R$ 29.400 ao ms. A tabela (5) demonstra os novos custos.

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    Tabela (5): Custo Mensal com Energia Eltrica e GLP (Fonte: Elaborado pelos autores)

    Varivel Equipamento Quant. KWh KG/h Hs. Dias

    (Ms)

    KWh (R$)

    Kg/h (R$)

    Custo Mensal

    (R$)

    Energia Eltrica

    Estufa Primer

    1 250 - 12

    20 0,2

    - 12000

    3 1,5 22500 Estufa

    Base/Verniz 1 250 -

    12 20

    0,2 -

    12000 3 1,5 22500

    Gs (GLP)

    Estufa Primer 1 - 48 13,5 20 - 3,5 45360 Estufa

    Base/Verniz 1 - 48 13,5 20 - 3,5 45360 TOTAL R$ 159.720

    A Figura (3) ilustra a nova configurao de processo aps a retirada de uma estufa de primer e

    outra estufa de base/verniz.

    Figura 3: Processo de aplicao de Primer e Base/Verniz (Fonte: Elaborado pelos autores)

    A figura (4) ilustra o ganho acumulado no perodo de 11 meses entre os anos de 2017 e 2018.

    Figura 4: Ganho acumulado (Fonte: Elaborado pelos autores)

    5. CONSIDERAES FINAIS

    O Lean Manufacturing tem como essncia a reduo de desperdcios por meio da aplicao de

    mtodos, como os j citados Jidoka e Just-In-Time, lanando mo do uso de diversas ferramentas de gesto. Isso se d a partir da instaurao de uma filosofia voltada para o desenvolvimento de uma

    29.400

    58.800

    88.200

    117.600

    147.000

    176.400

    205.800

    235.200

    264.600

    294.000

    323.400

    0

    50.000

    100.000

    150.000

    200.000

    250.000

    300.000

    350.000

    jul/17 ago/17 set/17 out/17 nov/17 dez/17 jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18

    Ganho Acumulado em 11 meses (R$)

    Cabine

    Primer Estufa

    Primer Cabine Base

    e Verniz Estufa Base

    e Verniz

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    produo mais enxuta possvel, em busca de uma cultura que aumenta a produtividade da organizao.

    O desperdcio que foi constatado neste estudo est relacionado utilizao inadequada dos equipamentos do setor de pintura da indstria automobilstica objeto de estudo, conforme apesentado nas discusses. Isso porque, ao no utilizar de maneira eficiente completa capacidade dos equipamentos, gerava-se desperdcio, que no era to ntido, porem ao se aplicar o pensamento enxuto, foi possvel descobrir o quanto e onde pode se obter resultados satisfatrios no processo produtivo.

    Ao final desta pesquisa ficou evidente, que o pensamento Lean Manufacturing, realmente uma metodologia muito valiosa para as organizaes que se preocupam em atender de maneira eficiente seus clientes. Observa-se que houve sucesso na aplicao do pensamento Lean na montadora de veculos, pois sem nenhum investimento inicial, a aplicao do Lean trouxe reduo no custo de pintura do veiculo. A partir dessa melhoria, entende-se que a presente filosofia pode ser estendida para outras reas da organizao, o que consequentemente trar mais resultados dentro do processo produtivo.

    Diante deste contexto, entende-se que possvel a organizao BETA reproduza o pensamento Lean para restante da planta com objetivo de eliminar o desperdcio ao longo de todo o fluxo de valor, em vez de pontos isolados, criar processos com menos esforo humano, menos espao, menos capital e menos tempo para fabricar produtos e servios a custos muito menores e com muito menos defeitos, em comparao com sistemas tradicionais de negcios. Com certeza o gerenciamento de informaes se tornar muito mais simples e preciso. 6. REFERNCIAS GIL, A. C. Didtica do ensino superior. So Paulo: Atlas, 2012. GHINATO, P. Sistema Toyota de produo: mais do que simplesmente Just-In-Time. Caxias do Sul: Ed. Universidade de Caxias do Sul, 1996. HAYES, R.; PISANO, G.; UPTON, D.; WHEELWRIGHT, S. Operations, Strategy, and Technology: Pursuing the Competitive Edge. Hoboken: John Wiley & Sons, 2005. HOPP, W. J.; SPEARMAN, M. L. To pull or not to pull: what is the question? Manufacturing & Service Operations Management, 6(2), 133-148, 2004. LIKER, J. O modelo Toyota, 14 Princpios de Gesto do Maior Fabricante do Mundo. Porto Alegre: Bookman, 2006. LIKER, J.; MEIER, D. Modelo Toyota - Manual de Aplicao: Um Guia Prtico Para a Implementao dos 4Ps da Toyota. Porto Alegre: Bookman, 2007. MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: foco na deciso. 3. ed. So Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011. MANN, D. W. Creating a lean culture: tools to sustain lean conversions. New York: Productivity Press, 2005. 224p.

  • Simpsio de Engenharia de Produo Universidade Federal de Gois Regional Catalo

    28 a 30 de agosto, Catalo, Gois, Brasil

    OHNO, T. O Sistema Toyota de Produo: alm da produo em larga escala. Porto Alegre: Bokman, 1997. SHAH, R.; WARD, P. T. Defining and developing measures of Lean production. Journal of Operations Management, 25(4), 785-805, 2007. SANTOS, A. B. Modelo de Referncia para estruturar o programa de qualidade seis sigma: proposta e avaliao. So Carlos, 2006. v.1. Tese - (Doutorado em Engenharia de Produo). Universidade Federal de So Carlos. SANTOS, A. B.; MARTINS, M. F. Modelo de referncia para estruturar o Seis Sigma nas organizaes. Gesto & Produo, v. 15, n. 1, p. 43-56, jan.-abr. 2008. SCHROEDER, R. G.; LINDERMAN, K.; LIEDTKE, C.; CHOO, A. S. Six sigma: old wine in new bottles? Working Paper, Carlson School of Management, University of Minnesota, Dec., 2002. SILVA, I. B.; MIYAKE, D. I.; BATOCCHIO, A.; AGOSTINHO, O. L. Integrando a promoo das metodologias Lean Manufacturing e Six Sigma na busca de produtividade e qualidade numa empresa fabricante de autopeas. Gest. Prod., So Carlos, v. 18, n. 4, p. 687-704, 2011. TIGRE. P. B. Gesto da Inovao A Economia da Tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e mtodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015. WHEELWRIGHT, S.; HAYES, R. Competing through manufacturing. Harvard Business Review, v. 63, n. 1, p. 99-109, 1985. WOMACK, J. P., JONES, D. T., & ROSS, D. A mquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Campus, 1992. WOMACK. J. P.; JONES, D. A Mentalidade Enxuta. Editora Campus, 1996. 7. RESPONSABILIDADE AUTORAL

    Os autores so os nicos responsveis pelo contedo deste trabalho.

Recommended

View more >