arthur powell - o duplo etérico.pdf

Download Arthur Powell - O duplo etérico.pdf

Post on 22-Oct-2015

141 views

Category:

Documents

6 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • O Duplo Etrico - ndice Geral

    O Duplo EtricoMajor Arthur E. Powell - ndice Geral

    Prefcio

    Captulo IDescrio Geral

    Captulo II Prna ou Vitalidade

    Captulo III Os centros de foras

    Captulo IV O centro esplnico

    Captulo V O centro da base da espinha dorsal

    Captulo VIO centro umbilical

    Captulo VIIO centro cardaco

    Captulo VIIIO centro larngeo

    Captulo IXO centro situado entre os superclios

    Captulo XO centro situado no alto da cabea

    Captulo XI Excrees

    Captulo XIISinopse dos resultados

    Captulo XIIIKundalini

    Captulo XIV A tela atmica

    Captulo XV O nascimento

    Captulo XVIA morte

  • Captulo XVIIAs curas

    Captulo XVIIIO mesmerismo

    Captulo XIXConchas e escudos protetores

    Captulo XXA mediunidade

    Captulo XXIA obra do Dr. Walter J. Kilner

    Captulo XXIIFaculdades etricas

    Captulo XXIIIMagnetizao de objetos

    Captulo XIV O ectoplasma

    Captulo XV Concluso

  • O Duplo Etrico - Prefcio

    Prefcio O objetivo deste livro apresentar ao estudante de Ocultismo uma sntese coerente de todos, ou quase todos, os conhecimentos que se referem ao duplo etrico e fenmenos conexos, transmitidos humanidade atravs da moderna literatura teosfica e de pesquisas psquicas.

    Estes conhecimentos esto dispersos em grande nmero de livros e artigos. Destes, foram consultados uns quarenta.

    O autor deseja observar que sua obra uma simples compilao; limitou-se a reunir, pelo assunto, textos que so de autoria de outros.

    Este mtodo apresenta muitas vantagens. Numa poca to ativa como a nossa, poucas pessoas tm lazer, ainda que o queiram, para manusear inmeros trabalhos, reunir ensinamentos e disp-los num todo coerente.

    Assim, pois, de real interesse que uma pessoa execute essa tarefa, de que as demais aproveitaro com economia de tempo e esforo.

    Esta obra revela muita informao nova, pela associao de fragmentos, de procedncias diversas, e sob a mo do compilador, no mosaico assim formado, esboam-se motivos definidos.

    Seu trabalho, necessariamente intensivo, destaca certos fatos isolados, que no apresentam individualmente valor ou interesse; mas, aproximados, formam um conjunto substancial e til.

    A exposio metdica dos conhecimentos atuais permite apontar as lacunas existentes que, assim evidenciadas, atrairo a ateno de outros investigadores, incitando-os a completar o trabalho j realizado.

    O autor procurou apresentar com escrupulosa exatido os materiais reunidos. Em muitos casos empregou os prprios termos dos autores que consultou.

    Adaptou ou resumiu quando julgou conveniente, de acordo com o contexto, e omitiu as aspas, para evitar que o texto se fizesse pesado e desagradvel.

    Os diagramas e quadros apresentados so originais. Meramente esquemticos, no constituem, portanto, representao exata dos fenmenos que tentam elucidar.

  • O Duplo Etrico - Descrio Geral

    Descrio Geral Todo estudante de Ocultismo sabe que o homem possui diversos corpos ou veculos, que lhe possibilitam manifestar-se nos diferentes planos da natureza: planos fsico, astral, mental e outros.

    O ocultista verifica que a matria fsica apresenta sete graus ou ordens de densidade, denominados:

    Atmico

    Subatmico

    Super-etrico

    Etrico

    Gasoso

    Lquido

    Slido

    Todos estes graus de densidade esto representados na composio do veculo fsico, que, assim, comporta duas divises bem distintas: o corpo denso, composto de slidos, lquidos e gases, e o corpo etrico ou duplo etrico, como tambm chamado, constituido pelas quatro ordens mais tnues de matria fsica.

    Pretendemos estudar nos seguintes captulos este duplo etrico, sua natureza, aparncia e funes, as suas relaes com os outros veculos e com o Prna ou Vitalidade; o seu nascimento, desenvolvimento e declnio; o papel que desempenha em certos mtodos de cura, no magnetismo, na mediunidade e nas materializaes; as faculdades que pode adquirir; enfim, os diversos e numerosos fenmenos etricos que lhe dizem respeito.

    Em resumo, veremos que, embora necessrio vida do corpo fsico, o duplo etrico no , a bem dizer, um veculo de conscincia independente. Veremos tambm que ele recebe e distribui a fora vital proveniente do Sol, ligando-se intimamente sade fsica; que possui certos chakras ou centros de fora que lhe so prprios, cada qual desempenhando uma determinada funo; que a lembrana da existncia vivida em sonho depende principalmente da matria etrica; que exerce importante influncia na constituio do veculo astral, destinado ao Ego em via de reencarnao; que, semelhante ao corpo fsico, morre e se decompe, permitindo assim "alma" passar a outra etapa de sua viagem cclica; que se acha particularmente associado aos tratamentos pelo vitalismo ou magnetismo, e pelo mesmerismo, determinando a cura, a anestesia ou o transe; que fator principal dos fenmenos das sesses espritas, como o mover de objetos, produo de golpes e outros sons, e as materializaes de todo gnero; que o desenvolvimento das faculdades etricas proporciona poderes novos e revela muitos fenmenos etricos, dos quais poucas pessoas tm experincia; que por meio da matria do corpo etrico. possvel magnetizar objetos, como se faz com os seres vivos; enfim, que o corpo etrico fornece os elementos da substncia conhecida por ectoplasma.

    Tm-se dado diversos nomes ao duplo etrico. Nas primeiras obras teosficas , muitas vezes, chamado corpo astral, o homem astral ou Linga Sharira.

    Nos escritos mais recentes no se do mais estas denominaes ao duplo etrico, pois pertencem realmente ao corpo formado de matria astral, ao corpo de Kama dos hindus. O estudante que ler a Doutrina Secreta e outros livros antigos deve, pois, prevenir-se para no confundir os dois corpos inteiramente diferentes, chamados hoje duplo etrico e corpo astral.

    O termo hindu que bem traduz "duplo etrico" Prnamyakosha, ou veculo do Prna; em alemo Doppelganger.

  • Depois da morte, separado do corpo fsico denso, a "alma do outro mundo", o "fantasma", a "apario" ou "espectro dos cemitrios". Em Raja Yoga, o duplo etrico e o corpo denso unidos so chamados o Sthlopdhi, isto , o Updhi inferior de Atma.

    Toda parcela slida, lquida ou gasosa do corpo fsico est cercada por um invlucro etrico; o duplo etrico, como indica o seu nome, , pois, a reproduo exata da forma densa. Ultrapassa a epiderme de mais ou menos um quarto de polegada. Entretanto, a aura etrica ou Aura da Sade, como tambm chamada, ultrapassa, normalmente, a epiderme, de vrias polegadas.

    Fato importante a assinalar: o corpo denso e o duplo etrico variam concomitantemente em qualidade; por conseguinte, quem se aplique a purificar o corpo denso, aperfeioar, ao mesmo tempo e automaticamente, a sua contraparte etrica.

    Na composio do duplo etrico entram todas as categorias de matria etrica, porm em propores que variam grandemente, dependendo de vrios fatres, tais como a raa, a sub-raa e o tipo da pessoa a tambm o Karma individual.

    Eis as nicas indicaes obtidas at aqui pelo compilador, sobre as propriedades e funes particulares dos quatro graus de matria etrica:

    1 Etrica: utilizada pela corrente eltrica comum e pelo som.

    2 Super-etrica: utilizada pela luz.

    3 Subatmica: utilizada pelas "formas mais subtis de eletricidade".

    4 Atmica: utilizada pelo pensamento em sua passagem de um crebro a outro.

    O quadro seguinte, de autoria de F. T. Peirce, publicado em The Theosophist de maio de 1922, provavelmente exato:

    muito provvel, porm, que o tomo fsico deva ser deslocado para o subplano gasoso, passando os nucleons para o etrico e os mesons para super-etrico. Neste caso, podia haver duas hipteses quanto aos subplanos atmico e subatmico: o elctron ou seria mantido no atmico, cabendo o subplano imediato a uma partcula ainda no estudada, intermediria entre o meson e o elctron, e de massa vinte vezes maior do que a da ltima dessas partculas, ou passaria para o subatmico, correspondente ao atmico, foton e neutrino, cuja massa se supe que seja 0,20 vezes ou vinte vezes menor do que a do elctron. A ltima hiptese parece ser a mais vivel.

    O duplo etrico de cor roxa acinzentada ou azul acinzentada plida, fracamente luminoso e de contextura grosseira ou delicada, conforme o seja a do corpo fsico denso.

    Tem duas funes principais: a primeira a de absorver o Prna ou Vitalidade e envi-lo a todas as regies do corpo fsico; a segunda a de servir de intermedirio ou ponte entre o corpo fsico e o corpo astral, transmitindo a este a conscincia dos contatos sensoriais fsicos e, outrossim, permitindo a descida ao crebro fsico e ao sistema nervoso da conscincia dos nveis astrais e dos superiores ao astral.

    Alm disto, no duplo etrico se desenvolvem certos centros, por meio dos quais o homem pode tomar conhecimento do mundo etrico e dos inmeros fenmenos etricos.

    importante verificar que, embora o duplo etrico seja simplesmente uma parte do corpo fsico, no pode, normalmente, servir de veculo independente de conscincia, no qual o homem viva ou atue. Possui apenas uma conscincia difusa, disseminada em todas as suas partes. desprovido de inteligncia, e quando se separa da contra-parte densa, no pode, por isso, servir de intermedirio ao mental.

  • Como veculo do Prna ou Vitalidade e no da conscincia mental, no pode, sem prejuzo da sade, separar-se das partculas densas, s quais transmite as correntes vitais. Alis, nas pessoas normais e de boa sade, difcil a separao do duplo etrico e do corpo denso, e aquele incapaz de se afastar do mais denso, ao qual pertence.

    Nas pessoas a quem chamamos mdiuns de efeitos fsicos ou de materializaes, o duplo se destaca muito facilmente e a matria etrica constitui ento a base de numerosos fenmenos de material