armando albuquerque de oliveira - .correspondentes à quarta república (1945-1964) e à nova...

Download ARMANDO ALBUQUERQUE DE OLIVEIRA - .correspondentes à Quarta República (1945-1964) e à Nova República,

If you can't read please download the document

Post on 09-Feb-2019

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

0

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE FILOSOFIA E CINCIAS HUMANAS

PROGRAMA DE PS-GRADUAO EM CINCIA POLTICA

DOUTORADO EM CINCIA POLTICA

ARMANDO ALBUQUERQUE DE OLIVEIRA

(DES)CONTROLE CIVIL SOBRE OS MILITARES NO BRASIL:

UM ESTUDO COMPARADO (1945-1964/1985-2009)

RECIFE, PERNAMBUCO

JANEIRO DE 2010

1

ARMANDO ALBUQUERQUE DE OLIVEIRA

(DES)CONTROLE CIVIL SOBRE OS MILITARES NO BRASIL:

UM ESTUDO COMPARADO (1945-1964/1985-2009)

Tese apresentada como requisito obteno do grau

de Doutor em Cincia Poltica, pelo Programa de

Ps-Graduao em Cincia Poltica da Universidade

Federal de Pernambuco.

Orientador: Prof. Dr. Jorge Zaverucha

RECIFE, PERNAMBUCO

JANEIRO DE 2010

2

Oliveira, Armando Albuquerque de (Des)controle civil sobre os militares no Brasil : um estudo comparado (1945-1964/1985-2009) / Armando Albuquerque de Oliveira. Recife: O Autor, 2010. 260 folhas : il., tab. Tese (doutorado) Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Cincia poltica, 2010.

Inclui bibliografia.

1. Cincia poltica. 2. Democracia. 3. Relaes entre civis e militares. 4. Autoritarismo. I. Ttulo.

32 320

CDU (2. ed.) CDD (22. ed.)

UFPE BCFCH2010/08

2

3

Aos meus pais Armando Falconi de Oliveira

(in memoriam) e Maria Vitria Albuquerque

de Oliveira; minha filha Iara Maribondo

Albuquerque e minha irm Ana Rosa

Albuquerque de Oliveira, DEDICO.

4

AGRADECIMENTOS

Ao concluirmos o nosso trabalho, gostaramos de agradecer quelas pessoas que,

direta ou indiretamente, contriburam na sua consecuo.

Primeiramente, externamos a nossa mais profunda gratido ao nosso orientador, Prof.

Dr. Jorge Zaverucha, no apenas por nos abrir as portas da Cincia Poltica, mas,

principalmente, por nos acolher ao entrar.

Gostaramos tambm de agradecer, de forma muito especial ao Prof. Dr. Flvio

Rezende, corresponsvel pela nossa formao e que contribuiu de maneira decisiva para o

nosso trabalho.

Agradecemos ainda de maneira tambm especial ao Coordenador do Programa de Ps-

Graduao em Cincia Poltica da Universidade Federal de Pernambuco, Prof. Dr. Enivaldo

Rocha, pelos ensinamentos na condio de professor e pelo apoio nos trmites administrativos

durante o decorrer do Curso.

Queremos ainda manifestar, de maneira geral, a nossa gratido aos professores do

Programa e, em particular, aos professores doutores Anthony Pereira, Marcelo Medeiros,

Assis Brando e Ernani Carvalho.

Agradecemos ainda ao pessoal de apoio da Secretaria do Programa, nas pessoas de

Amariles, Zezinha e Quzia, sem as quais o nosso cotidiano seria inexequvel.

Com muito prazer manifestamos o nosso agradecimento aos colegas do NICC, em

particular, e do Curso de maneira geral, nas pessoas de Clvis, Kelly, Marila,

Adriano,Thales, Numeriano, Ricardo, Manoel , Jos Maria, Adailton, Emerson, Jlio, Fbios,

Marcelo, Alysson.

Queremos manifestar a nossa mais sincera gratido ao Centro Universitrio de Joo

Pessoa (UNIP), pelo apoio institucional imprescindvel nossa jornada, nas pessoas do seu

Magnfico Reitor, Prof. Dr. Jos Loureiro Lopes, do eminente Coordenador do Curso de

Direito, Prof. Dr. Oswaldo Trigueiro do Valle e do seu Coordenador-Adjunto Prof. Dr.

Oswaldo Trigueiro do Valle Filho e dos subcoordenadores Petrnio Bismark Tenrio e

Ulisses Leite Crispim.

Agradecemos ainda aos professores doutores Vera Lcia Azevedo de Medeiros, Pr-

Reitora de Ps-Graduao, Pesquisa e Extenso; Maria Antnia Alonso de Andrade,

Coordenadora de Pesquisa; Manoel Alexandre Cavalcante Belo, Coordenador da Ps-

5

Graduao do Curso de Direito; Maria urea Baroni Cecato, Coordenadora de Pesquisa do

Curso de Direito; Severino Augusto dos Santos, Coordenador do Ncleo de Monografia; e,

finalmente, a todos os colegas do Departamento de Cincias Jurdicas do UNIP.

Agradecemos com entusiasmo aos colegas Agassiz Almeida Filho, Vincius Barros e

Ernesto Pimentel com quem temos compartilhado ideias e publicaes.

Nossos mais profundos agradecimentos ao Ncleo de Documentao e Informao

Histrica Regional (NDIHR) da Universidade Federal da Paraba, nas pessoas dos seus

coordenadores, em particular, aos professores doutores Maria Antnia Alonso de Andrade,

Laura Helena Baracuhy Amorim, Maria ngela Sitnio Wanderley, Flavio Lcio Vieira e,

muito especialmente, ao professor Carlos Xavier de Azevedo Netto, que esteve frente da

Coordenao do Ncleo durante a realizao do nosso doutorado. Agradecemos ainda aos

colegas Slvia (in memoriam), Naugia, Waldeck, Marinalva, Beatriz, Janicleide, Eveline,

Ednaldo e Ana Andra, Laudereida e Ilza.

Aos amigos Eduardo Rabenhorst, Nevita Franca, Snia Barreto, Emerson Barros,

Emmanuel Ribeiro, Ruy Barroso Marcos Venncio, Jos Baia, Reginaldo Fernandes, Antnio

Gomes, Francisco Tapero, Marlos Melo, Francisco Peixoto, Ivan Coutinho, Onildo

Coutinho, Onildo Filho, Marcelo Abihay, Roberto Abiahy, Ivo, Gomes, Virgnia, Alberto,

Paulo, Baslio e Baltasar, por compartilhar a vida, alm do horizonte do mundo acadmico.

Queremos exprimir os mais afetuosos agradecimentos aos nossos familiares. A Maria

Vitria Albuquerque de Oliveira, minha me, responsvel por toda minha caminhada; a

Simone Porfrio, minha esposa, companheira em todas as horas; a Iara, minha filha, carinhosa

e compreensiva com o pai ausente; Rosrio, Rosa, ngela e Vitria, minhas irms, que alm

do incentivo, estiveram sempre apoiando esta empreitada; a Andr, Annelie, Vincius e

Eglantina, meus sobrinhos, sempre carinhosos e solcitos; e, por fim, a pequena Thais que me

deu a grata satisfao de ser tio-av.

Enfim, somos verdadeiramente gratos a todos aqueles que, de alguma forma,

contriburam na elaborao desta tese de doutorado.

6

"The armed forces in Latin America continue to be an enigma with various and ambiguous

solutions. The role of the military is neither clear nor definitive; its ties with the civil

authorities are full of unresolved tensions, which impede the formation of a pattern of stable

civil-military relations. The latent and privileged political power of the military generates

uncertainty in various countries in the region and, at times, threatens civilian authority, in

both instances undermining governability"

Carlo Blanco, The Latin Amrica Military Enigma

The problem for the elected leaders of the new democracy was to reduce the

power and privileges of the military establishment to a level compatible with the

functioning of a constitutional democracy.

Sammuel Huntington, The Third Wave.

7

RESUMO

Um dos problemas que as autoridades civis eleitas possuem em relao ao regime autoritrio

que lhe antecedeu reduzir as prerrogativas militares, o poder e a autonomia das Foras

Armadas face ao poder poltico. No Brasil, desde a proclamao da Repblica os militares se

colocam como guardies da ptria. As diversas intervenes realizadas pelas Foras Armadas

na esfera poltica indicam que os militares se constituem em importantes atores do cenrio

poltico brasileiro. Nas duas experincias de democracias eleitorais nos perodos histricos

correspondentes Quarta Repblica (1945-1964) e Nova Repblica, que teve incio em

1985 at os dias atuais, os militares detiveram prerrogativas, reservas de domnio e autonomia

incompatveis com uma democracia liberal. No perodo imediatamente ulterior Segunda

Grande Guerra, e ao sabor dos ventos da segunda onda de democratizao, o Brasil superou o

regime autoritrio do Estado Novo e instaurou uma democracia eleitoral. Com uma nova

constituio promulgada em 1946 as instituies eleitorais funcionavam razoavelmente,

porm, as relaes civis-militares eram problemticas. A ausncia de controle civil

democrtico sobre as Foras Armadas manteve o padro moderador destas relaes e os

militares conservaram um alto grau de prerrogativas e de contestaes. Este ambiente de

grande autonomia dos militares em relao s autoridades civis e de no consolidao das

instituies democrticas redundou na quebra da institucionalidade vigente e no advento de

um regime militar que durou 20 anos. Sob os auspcios da terceira onda de democratizao,

que tem seu incio com a Revoluo dos Cravos e o processo de redemocratizao portugus

em 1974, o regime militar brasileiro d incio ao processo de distenso poltica que culmina

em 1984 com a eleio indireta de um civil para Presidncia da Repblica. Surge, assim, em

1985, a Nova Repblica. Analogamente experincia democrtica anterior e com a

Constituio de 1988 as instituies da democracia eleitoral funcionaram satisfatoriamente.

No entanto, mais uma vez as altas prerrogativas e reservas de domnio dos militares estavam

formalmente asseguradas. Sem controle civil estabelecido sobre as Foras Armadas, com um

padro de relaes civis-militares que no se enquadra em nenhum daqueles compatveis com

uma democracia liberal e sem as autoridades civis enfrentarem este problema que permeia

todo o perodo republicano, a democraci