arinos - edi†ƒo 920

Download ARINOS - EDI‡ƒO 920

Post on 30-Mar-2016

222 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Desde 1997 o Jornal Arinos e Mais expressivo o Veículo de Comunicação de Nova Mutum (MT), tendão acompanhado o Desenvolvimento Social, Político e Econômico da Região.

TRANSCRIPT

  • Futsal, vlei e nata-o classificam atletas para competies es-taduais e at interna-cionais. No caso das duas primeiras a pr-xima fase ser no ms de novembro em Ca-narana, j no esporte aqutico se divide en-tre Poos de Caldas e Cuiab.

    Um milho e meio de brasileiros consomem maconha diariamente

    Cruz Peregrina passa por Nova Mutum e emociona jovens

    Colheita de milho avana para fim em Mato Grosso

    NOVA MUTUM02 a 08 de Agosto de 2012Edio n 919, ano 14 DISTRIBUIO GRATUITA

    A VERDADE LETRA A LETRA

    Pg. 05

    Prefeitura conclui construo de mais dois PSFs

    Pg. 04 Pg.03

    Despertando Talentos destaque em trs modalidades

    Medicamentos de venda livre voltam s prateleiras

    Pg. 07

    Pg. 02

    ANUNCIE CONOSCO

    (65) 3308 2222JORNAL

    Pg. 04

  • jornalarinos@grupoarinos.com.br

    (65) 3308.2222 Redao/Comercial

    EXPEDIENTEDiretor Geral. Claudio Prestes Diretor Administrativo. Andrei Mariotti Reportagem. Kleber Gutierrez, Marcos Junior Diagramao. Bruna Alves

    Editado e distribudo porBFF Grfica e Comunicao. Endereo: Rua dos Cedros, 39 N, Centro, CEP 78450-000, Nova Mutum, MT. O Jornal Arinos im-presso na Grfica e Editora Regional.

    Circulao. Nova Mutum e regio. Tiragem. 1 mil exemplares.

    WWW.GRUPOARINOS.COM.BR02 A 08 DE AGOSTO DE 201202

    Orquestra Sinfnica volta s aulas

    Foram retomadas nesta semana as atividades da Or-questra Sinfnica Jovem de Nova Mutum (OSJNM) para o segundo semestre de 2012. Em paralelo, tambm esto sendo realizadas as inscri-es de interessados com idade entre 7 e 16 anos para ingresso no projeto. Ao todo 40 vagas so oferecidas pela instituio. Contudo a procura tem sido baixa, de acordo com o coor-denador e maestro da OSJM, Edmar Nascimento. Tive-mos pouca demanda de inte-ressados e temos bastantes vagas ofertadas. Prossegui-remos ento com as inscri-es abertas e convocando os candidatos que nos procu-raram para os testes de apti-do e incio imediato das au-las, explica o coordenador. Para se inscrever, o candidato(a) dever se dirigir a unidade da OSJNM para retirar a ficha gratuitamente. necessria a apresentao de foto 3x4, xerox de compro-vante de residncia, atestado de escolaridade e certido de nascimento do candidato, alm de documentos pesso-ais (RG e CPF) dos pais ou responsveis. Mais informaes sobre o processo podem ser obtidas pelo telefone (65) 3308-3667.

    Ferramenta indica opo para doadores de rgos

    Parceria entre o Ministrio da Sade e a rede social Facebook tem possibilitado aos internautas externar a opo de ser doador de r-gos. A ideia prev com isso es-tabelecer dilogo com os jovens sobre o tema.

    Ns estamos acreditando que alm de permitir mais uma opo individual para a pessoa revelar seu de-sejo de ser um doador, ns vamos criar um burburinho sobre isso. Ns achamos que vamos dialogar com o pblico jo-vem, e importante esse dilogo para que j desde o comeo ele possa optar para registrar em vida seu desejo de ser doador para sua famlia saber, observa o ministro da sade Alexan-dre Padilha.Para declarar-

    -se doador no Facebook preciso ir at a linha do tempo, clicar em Evento Cotidiano. Depois selecione a op-o sade e bem estar e o item doador de rgos, bem como quem poder ter acesso a tal informao.Vale lembrar que dizer na rede social que se doa-dor no substitui o caminho legal a ser adotado, visto que, mesmo que a pessoa opte por isso, ser a famlia quem vai decidir se autoriza ou no a doao de rgos.

    Um milho e meio de brasileiros consomem maconha diariamente

    Agncia Brasil

    Os brasileiros, entre adultos e adolescentes, que consomem maco-nha diariamente somam 1,5 milho, aponta estu-do nesta semana pela Universidade Federal de So Paulo (Unifesp).

    O 2 Levantamento Nacional de lcool e Drogas (Lenad) revela ainda que 7% da popu-lao adulta j experi-mentaram a droga em alguma fase da vida, o que equivale a 8 mi-lhes de pessoas. Entre adolescentes, 600 mil tiveram contato com a maconha.

    Dos 3,4 milhes de pessoas que usaram maconha no ltimo ano, mais de um tero (37%) dependente, o que representa 1,3 milho. Entre os adolescentes,

    os ndices de depen-dncia alcanam 10% dos entrevistados.

    De acordo com a pesquisa, o Brasil no est entre os pases com os maiores ndices de consumo da droga. Enquanto, a mdia bra-sileira 3%, o ndice chega a 5% na Europa e 10% nos Estados Uni-dos. No entanto, ainda conforme a pesquisa, as Naes Unidas acre-ditam que os dados ofi-ciais na Amrica Latina possam ser subesti-mados, uma vez que o volume de maconha apreendido no Brasil est entre os maiores do mundo e o pas no um grande fornecedor de nenhuma regio.

    Foram entrevistadas 4.607 pessoas em 149 municpios, com idade a partir de 14 anos. A

    amostragem, de acordo com os coordenadores do estudo, represen-tativa. Diferente da pri-meira pesquisa, feita em 2006, os entrevis-tados no atual levanta-mento responderam a um questionrio sigiloso sobre consumo de dro-gas.

    Para o coordenador da pesquisa, o psiquia-tra Ronaldo Laranjeira, um dado preocupan-te a proporo entre usurios adultos e ado-lescentes. Em 2006, existia um adolescente

    para cada adulto que usa maconha. Em 2012, a proporo aumentou para 1,4 adolescente por adulto. Em 62% dos casos, os usurios ex-perimentaram a droga pela primeira vez antes dos 18 anos.

    Se as leis ficarem mais frouxas em rela-o ao uso da maconha, o maior prejudicado vai ser o adolescente. Qual vai ser o impacto em relao sade mental desses adolescentes? isso que os dados nos alertam. A pessoa

    que j usuria no vai mudar o padro de consumo. Quem pode mudar o padro de con-sumo, de acordo com a nossa atitude legislativa, o adolescente, avalia.

    Os entrevistados tambm foram ques-tionados sobre a lega-lizao da maconha no pas. A maioria (75%) contrria, ante 11% favorveis. Os dados reunidos no Lenad iro possibilitar, posterior-mente, a avaliao do consumo de outras dro-gas, como o crack.

    Pesquisa da Unifesp levanta preocupao com o uso da droga entre adolescentes e suas implicaes no desenvolvimento dos mesmos

    Julgamento histrico do mensalo tem incio no STF

    R7

    Em maio de 2005, comeou a vir tona um dos maiores es-cndalos de corrupo envolvendo o suposto pagamento de propina, com dinheiro pblico, a parlamentares que se comprometeriam em apoiar o governo no Congresso Nacional. Conhecido como men-salo, o esquema foi denunciado na metade do primeiro mandato do presidente Lula.

    Tudo comeou quando foi divulgada uma filmagem, na qual o chefe do departa-mento de contrataes dos Correios na po-ca, Maurcio Marinho, aparece negociando licitaes em troca de suborno. No vdeo, ele afirma que tinha o

    respaldo do deputado federal, Roberto Jeffer-son (PTB-RJ) para rea-lizar as negociaes.

    As imagens vaza-ram porque um dos empresrios teria fica-do insatisfeito com al-guns acordos firmados e decidiu gravar as ne-gociaes ilegais para denunciar o esquema. Mas, o que parecia ser uma fraude nas li-citaes dos Correios, ganhou grandes pro-pores quando o de-putado que estava no centro das denncias decidiu falar o que sa-bia.

    Denncias de Ro-berto Jefferson. Acu-sado de dar respaldo ao esquema de licitaes ilegais dos Correios, Roberto Jefferson foi alvo de investigao do Conselho de tica da

    Cmara dos Deputados por quebra de decoro. Acuado, revelou que a fraude era muito maior. Segundo o deputado, o PT mantinha um es-quema de pagamento mensal de propina para que os parlamentares apoiassem os projetos do governo no Con-gresso.

    Ele assumiu que o prprio partido, o PTB, recebeu a oferta do PT. E acusou a alta cpula do Partido dos Trabalhadores de ser

    Aps sete anos, os trinta e oito acusados de integrar o esquema devem se sentar no banco dos rus para responder a processo

    a responsvel pelos repasses. Na lista de envolvidos estavam o ministro da Casa Civil na poca, Jos Dirceu, o ento presidente do PT, Jos Genono, e o tesoureiro do par-tido, Delbio Soares. Roberto Jefferson foi direto ao fazer as de-nncias:

    O Delbio est repassando dinheiro para partidos da base e os partidos da base esto distribuindo para seus deputados o men-

    salo de R$ 30 mil.Julgamento. Sete

    anos depois, o STF (Supremo Tribunal Fe-deral) vai julgar o caso. So 38 rus no proces-so, incluindo Roberto Jefferson, Jos Dirceu e Marcos Valrio.

    As sesses de jul-gamento do mensalo comearam na quinta-

    -feira (02). A previso que at setembro o Brasil j saiba quem so os inocentes e a punio dos conside-rados culpados.

    SCO/STF

  • WWW.GRUPOARINOS.COM.BR02 A 08 DE AGOSTO DE 2012 03

    SEMENTE DE F

    Igreja Casa da Bno de Nova Mutum | Av. das Araras, 480 W Centro | www.icbnovamutum.com.br

    RESPONSABILIDADE Lderes podem delegar tudo, menos responsabilidade. Lderes simplesmente no po-dem abrir mo dela. Podem modelar responsabilidade; podem ensin-la; podem com-partilh-la. Mas, segundo as palavras do Presidente Americano Harry Truman, a res-ponsabilidade fica com o lder. Responsabilidade Habilidade de atender obrigaes; ato de ser responsvel; dever de confiana uma qualidade indispensvel para o lder. a habilidade de fazer e conservar comprometimentos. Quando Josaf se tornou rei de Jud, assumiu uma responsabilidade. Como todos os reis, devia liderar o povo, pro-teger o povo e administrar os recursos do povo. O livro de 2Crnicas registra o maior desafio nesse aspecto da liderana. Um exrcito de trs pases planejou atacar Jud. Re-latos das atividades deles amedrontaram o rei. (2Cr 20:3) Ento, Josaf teve medo e se ps a buscar ao Senhor; e apregoou jejum em todo Jud. Sem dvida, ele enfrentou as mesmas opes que ns enfrentamos numa crise: desistir, retroceder ou posicionar-

    -se. Nessas circunstncias, descobrimos a qualidade de nossa liderana: 1) Os desisten-tes: lderes que desistem e deixam de assumir responsabilidades. 2) Os que se esqui