Aprimoramentos propostos à Estrutura Internacional de ... ?· Criar um novo elemento de orientação…

Download Aprimoramentos propostos à Estrutura Internacional de ... ?· Criar um novo elemento de orientação…

Post on 10-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Aprimoramentos propostos Estrutura Internacional de Prticas Profissionais do Institute of Internal Auditors (IPPF)

    Agosto de 2014

    Ateno: O perodo para comentrios encerra-se meia-noite do dia 3 de novembro de 2014 (horrio da costa leste dos EUA).

    Visite www.theiia.org/NewFramework para obter mais informaes e instrues sobre como responder a este texto de exposio provisrio.

  • Sumrio

    SUMRIO............................................................................................................................. 1

    APRIMORAMENTOS PROPOSTOS NA IPPF ........................................................................ 4

    1. Misso da Auditoria Interna .......................................................................................................... 4

    2. Princpios Fundamentais para a Prtica Profissional da Auditoria Interna .......................... 5

    3. Orientao de Implementao e Orientao Complementar ................................................ 8

    4. AbordandoQuestes Emergentes .............................................................................................. 10

    5. Documentos de Posio ................................................................................................................ 11

    6. Requerido e Recomendado ........................................................................................................ 12

    7. Sumrio dos elementos da IPPF revista proposta .................................................................. 13

    PROCESSO DE COMENTRIOS .......................................................................................... 15

    PESQUISA SOBRE O TEXTO DE EXPOSIO PROVISRIO .............................................. 16

    ANEXO .................................................................................................................................

    IPPF EM VIGOR (APENAS PARA REFERNCIA) ................................................................................ 22

    HISTRICO DA FORA-TAREFA DE REEXAME DAS IPPF .............................................................. 23

    CRONOGRAMA RESUMIDO ............................................................................................................... 24

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    1 | Pgina

    SUMRIO

    A Fora-Tarefa de "Reexame" da Estrutura Internacional de Prticas Profissionais (IPPF) do Institute of

    Internal Auditors (IIA) foi criada e deu incio s suas atividades em novembro de 2013, com o objetivo

    declarado de avaliar o contedo e a estrutura da IPPF. A RTF recebeu a incumbncia de avaliar se

    devem ser consideradas alteraes na estrutura da IPPF para:

    Beneficiar os membros do IIA, a profisso de auditoria interna como um todo e suas partes

    interessadas.

    Fortalecer a relevncia permanente da IPPF no futuro previsvel.

    Embora a IPPF em vigor tenha servido bem a profisso, fatores do mercado global, inclusive legislativos,

    regulamentares e exigncias do mercado por melhor governana, gesto de riscos e controle interno

    elevaram as expectativas e requisitos impostos aos profissionais de auditoria interna. Em algumas

    regies e setores, foram promulgados requisitos adicionais de auditoria interna, influenciados pelas

    normas regulamentares. Em alguns casos, essas influncias tentaram preencher lacunas percebidas no

    contedo da IPPF. Alm disso, os executivos e gerentes de auditoria interna, bem como todos os

    profissionais da rea, continuam a buscar percepes e orientao de alta qualidade sobre as

    "melhores prticas", em um prazo mais curto do que o normalmente oferecido pelos processos IPPF

    existentes.

    A RTF no est propondo alteraes no contedo ou relevncia permanente dos seguintes elementos da

    IPPF:

    Definio de auditoria interna.

    Cdigo de tica.

    Normas Internacionais para a Prtica Profissional de Auditoria Interna (Normas).

    Orientao atualmente existente (Manuais de prtica / Prticas Aconselhadas / Relatrios de

    Intenes)

    Contudo, a RTF est propondo os seguintes aprimoramentos substanciais no contedo e estrutura da

    IPPF:

    1. Criar uma Misso da Auditoria Interna que apoie e sustente toda a estrutura. POR QU? Para apresentar uma descrio clara e sucinta do que a auditoria interna aspira

    conseguir nas organizaes.

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    2 | Pgina

    2. Criar Princpios Fundamentais para a Prtica Profissional da Auditoria Interna. POR QU? Para articular os elementos chave que descrevam a eficincia da auditoria interna e

    sustentem as Normas e o Cdigo de tica baseados em princpios.

    3. Alterar a nomenclatura dos elementos orientativos "Prticas Aconselhadas" e "Manuais de Prtica" para "Orientao de Implementao" e "Orientao Complementar", respectivamente.

    POR QU? Para refletir melhor a natureza do que cada uma dessas camadas da IPPF deve

    atingir: ajudar a implementar as Normas ou complementar a estrutura com exemplos

    especficos.

    4. Criar um novo elemento de orientao para aconselhamento sobre questes emergentes. POR QU? Os processos de diligncia atuais da IPPF para a promulgao de orientao so

    abrangentes e meticulosos, entretanto, isso limita a capacidade de apoiar eficientemente a

    profisso com orientao rpida de natureza menos impositiva.

    5. Remover os "Relatrios de Intenes" como elemento de orientao da IPPF. POR QU? Os Relatrios de Intenes foram preparados basicamente para informar as partes

    interessadas sobre o papel preferencial da auditoria interna dentro das organizaes. Embora

    seja importante e til para os profissionais, pode-se argumentar que eles no deveriam ser parte

    de uma estrutura de prticas profissionais que busca orient-los na execuo de suas

    responsabilidades.

    6. Alterar a classificao existente dos elementos "Obrigatrios" e "Enfaticamente Recomendados" da IPPF para "Requeridos" e "Recomendados", respectivamente.

    POR QU? Para esclarecer a redao que delineia as principais divises da estrutura.

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    3 | Pgina

    Dadas as alteraes propostas, uma nova IPPF poderia ser descrita da seguinte forma:

    A RTF e o IIA agradeceriam sua avaliao sobre essas mudanas propostas.

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    4 | Pgina

    APRIMORAMENTOS PROPOSTOS NA IPPF

    INTRODUO

    Uma estrutura serve para esquematizar a integrao de um organismo de conhecimento e um de

    orientao. Como um sistema coerente, ela facilita a homogeneidade no desenvolvimento, interpretao

    e aplicao de conceitos, metodologias e tcnicas teis para uma disciplina ou profisso. A IPPF destina-

    se a organizar a orientao sobre auditoria interna de forma rpida e tempestiva.

    As IPPF tm sido teis para a profisso desde sua criao e devem ser mantidas. Contudo, a RTF

    recomenda os aprimoramentos a seguir na IPPF existente.

    1. Misso da Auditoria Interna

    Expandir a IPPF para incluir uma declarao da misso da profisso de auditoria interna. A Misso da

    Auditoria Interna proposta :

    "AMPLIAR E PROTEGER O VALOR ORGANIZACIONAL

    OFERECENDO S PARTES INTERESSADAS AVALIAO

    (ASSURANCE), ACONSELHAMENTO E PERCEPES

    OBJETIVAS, CONFIVEIS E BASEADAS EM RISCOS."

    A Definio da Auditoria Interna "Definio"foi revista para

    verificar se a definio existente exigia atualizao para

    alinh-la evoluo da profisso de auditoria interna e s

    expectativas das partes interessadas. Como a Definio da

    Auditoria Interna includa na IPPF foi considerada como

    fundamentalmente slida e reconhecida nas leis, regulamentos

    e normas em vrias partes do mundo, a RTF concluiu no ser

    eficiente, prudente ou necessrio recomendar sua alterao

    neste momento.

    Contudo, a RTF acredita que a incluso de uma Declarao de Misso na IPPF oferece uma descrio

    clara e sucinta do que a auditoria interna aspira conseguir nas organizaes. Como uma declarao de

    misso tpica, a Misso da Auditoria Interna descreve seu propsito principal e sua meta abrangente. O

    cumprimento da misso apoia-se em toda a IPPF, na Definio, no Cdigo de tica, nas Normas e em

    toda a orientao.

    1.1 At que ponto voc concorda

    com a incluso de uma Misso

    da Auditoria Interna na IPPF?

    1.2 At que ponto voc concorda

    que a Misso da Auditoria

    Interna proposta espelha o que

    a rea aspira e/ou se esfora

    para conseguir nas

    organizaes?

    Compartilhe seu ponto de

    vista

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    5 | Pgina

    2. Princpios Fundamentais para a Prtica

    Profissional da Auditoria Interna

    Incluir na IPPF princpios que descrevam a eficincia da auditoria interna e sustentem as Normas e o

    Cdigo de tica baseados em princpios.

    Os Princpios Fundamentais para a Prtica Profissional da Auditoria Interna propostos so:

    1. Demonstra rgida integridade.

    2. Exibe objetividade na mentalidade e nas abordagens.

    3. Demonstra compromisso com a competncia.

    4. Est adequadamente posicionada na organizao, com autoridade suficiente.

    5. Est alinhada estrategicamente com as metas e objetivos da empresa.

    6. Conta com recursos adequados para tratar com eficincia os riscos significativos.

    7. Demonstra qualidade e aprimoramento contnuo.

    8. eficiente e eficaz no desempenho de suas atribuies.

    9. Comunica-se eficazmente.

    10. Fornece avaliao (assurance) confivel aos encarregados da governana.

    11. perspicaz, proativa e voltada para o futuro.

    12. Fomenta mudanas positivas.

    A RTF analisou uma questo interessante: Se as Normas so "baseadas em princpios", quais so os

    princpios nos quais elas se baseiam? Basicamente, embora afirme que as Normas so baseadas em

    princpios, a IPPF no articula os princpios que as lastreiam. A RTF discutiu demoradamente as

    caractersticas que descreveriam uma auditoria interna eficiente e concluiu que, como um todo, esses 12

    princpios articulam a eficincia da auditoria interna. A RTF acredita que para que uma funo de

    auditoria interna seja considerada eficiente, necessrio que todos os 12 Princpios estejam presentes e

    em perfeito funcionamento. A forma pela qual um auditor interno, bem como uma funo de auditoria

    interna, demonstra ter obedecido a todos os princpios pode ser diferente em cada organizao mas, no

    ponto de vista da RTF, no atingir qualquer deles implica em que a atividade da auditoria interna no

    to eficiente quanto possvel para cumprir sua misso (ver Misso da Auditoria Interna).

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    6 | Pgina

    A publicao desses Princpios facilitar aos profissionais de

    auditoria interna entender e se concentrar naquilo que mais

    importante. Os Princpios tambm devem facilitar a comunicao

    mais eficiente com as principais partes interessadas, inclusive

    regulamentadores, em relao s prioridades que definem a

    eficcia da auditoria interna.

    Embora no sejam apresentados em ordem de importncia, os

    Princpios esto agrupados em uma segmentao lgica:

    Os Princpios 1 a 3 so relativos ao auditor interno individual

    e, coletivamente, atividade de auditoria interna (entrada).

    1. Demonstra rgida integridade.

    2. Exibe objetividade na mentalidade e nas abordagens.

    3. Demonstra compromisso com a competncia.

    Os Princpios 4 a 9 so relativos atividade de auditoria

    interna e seus processos (processo).

    4. Est adequadamente posicionada na organizao, com

    autoridade suficiente.

    5. Est alinhada estrategicamente com as metas e objetivos

    da empresa.

    6. Conta com recursos adequados para tratar com eficincia

    os riscos significativos.

    7. Demonstra qualidade e aprimoramento contnuo.

    8. eficiente e eficaz no desempenho de suas atribuies.

    9. Comunica-se eficazmente.

    Os Princpios 10 a 12 so relativos aos resultados da

    atividade de auditoria interna (sada).

    10. Fornece avaliao (assurance) confivel aos

    encarregados da governana.

    11. perspicaz, proativa e voltada para o futuro.

    12. Fomenta mudanas positivas.

    2.1 At que ponto voc concorda

    com a incluso dos Princpios

    Fundamentais para a Prtica

    Profissional da Auditoria

    Interna como um elemento da

    IPPF?

    2.2 Voc concorda com os trs

    Princpios "relacionados a

    entradas" na forma como foram

    propostos?

    2.3 Voc concorda com os seis

    Princpios "relacionados a

    processos" na forma como

    foram propostos?

    2.4 Voc concorda com os trs

    Princpios "relacionados a

    sadas" na forma como foram

    propostos?

    2.5 Voc concorda com a ordem

    proposta para os 12 Princpios?

    2.6 At que ponto voc concorda

    que os Princpios devem "estar

    presentes e funcionando

    perfeitamente" para que uma

    funo de auditoria interna seja

    considerada eficiente?

    2.7 Voc concorda que, se

    adotados, os Princpios

    exigiriam orientao para

    ajudar a demonstrar para os

    profissionais como eles seriam

    na prtica?

    Compartilhe seu ponto de vista

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    7 | Pgina

    A RTF acredita que os Princpios, caso adotados, exigiriam o desenvolvimento de orientao,

    possivelmente na forma de atributos, descritores, exemplos representativos, modelos de maturidade e/ou

    estudos de casos para orientar os profissionais.

    importante observar que todas as Normas existentes foram mapeadas para esses 12 princpios.

    Contudo, a RTF reconhece que se esses Princpios forem adotados como um elemento da IPPF, existem

    oportunidades para o desenvolvimento de novas normas que sustentem melhor alguns deles. Alm disso,

    eles so deliberadamente denominados "Fundamentais", porque podem existir outros princpios

    aplicveis atividade de auditoria interna, mas esses 12 foram considerados pela RTF como essenciais

    para demonstrar eficincia.

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    8 | Pgina

    3. Orientao de Implementao e

    Orientao Complementar

    Reestruturao doselementos de orientao da IPPF existentes, especificamente as "Prticas

    Aconselhadas" e os "Manuais de Prtica" , para que passem a ser denominados "Orientao de

    Implementao" e "Orientao Complementar", respectivamente.

    Orientao de Implementao seria definida como orientao

    para auxiliar os profissionais na implementao das Normas.

    Embora no pretendendo ser uma descrio minuciosa, a

    Orientao de Implementao forneceria abordagens possveis

    ou aceitveis para atingir a conformidade com as Normas. A

    Orientao de Implementao no detalharia processos e

    procedimentos, como programas ou modelos de trabalho, j que

    esse tipo de orientao seria melhor abordado na camada de

    Orientao Complementar. A Orientao de Implementao

    destina-se a ser mais abrangente do que as Prticas

    Aconselhadas atuais, com a expectativa de que todas as normas

    individuais sejam abordadas por ela. Da mesma forma, ao

    longo do tempo, os elementos dos Manuais de Prticas

    existentes que sejam mais representativos da orientao de

    implementao seriam reposicionados dentro da nova camada

    de Orientao de Implementao.

    Orientao complementar seria definida como orientao

    adicional para a conduo das atividades de auditoria interna. Embora sustentando as Normas, ao

    contrrio da Orientao de Implementao, a Orientao Complementar no se destinaria a vincul-las

    diretamente conformidade. A Orientao Complementar destinar-se-ia a abordar reas tpicas e

    questes de setores especficos. A Orientao Complementar incluiria, tambm processos e

    procedimentos detalhados, como ferramentas e tcnicas, programas e abordagens passo a passo,

    inclusive exemplos dos resultados finais.

    3.1 At que ponto voc

    concorda com a reestruturao

    dos elementos de orientao de

    "Prticas Aconselhadas" em

    uma camada mais abrangente

    intitulada "Orientao de

    Implementao" como parte da

    estrutura?

    3.2 At que ponto voc

    concorda com a reestruturao

    dos elementos de orientao de

    "Manuais de Prticas" em uma

    camada mais abrangente

    intitulada "Orientao

    Complementar" como parte da

    estrutura?

    Compartilhe seu ponto de vista

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    9 | Pgina

    Essa reestruturao no elimina qualquer das Prticas Aconselhadas e Manuais de Prtica existentes.

    Contudo, prev-se que esses documentos sejam revistos, reemitidos ou substitudos ao longo do tempo,

    conforme o IIA converta a orientao existente para a nova estrutura.

    O ponto de vista da RTF que essa forma de organizao dos elementos de orientao permitir que a

    IPPF seja mais sensvel s necessidades dos profissionais de auditoria interna. Alm disso, a criao de

    orientao mais tpica e para setores especficos (por exemplo, setor pblico ou servios financeiros)

    como um componente distinto da estrutura aprofundar o valor da orientao da IPPF para todos os

    profissionais. Os exemplos de orientao setorial ou tpica poderiam incluir servios financeiros,

    tecnologia da informao, fraude e gesto de riscos.

  • Exposure Draft: Proposed Enhancements to the IPPF

    10 | Pgina

    4. AbordandoQuestes Emergentes

    Introduz processos para desenvolver e publicar tempestivamente orientao sobre questes emergentes,

    alm de incluir na IPPF uma nova camada, denominada Orientao sobre Questes Emergentes.

    A Orientao sobre Questes Emergentes destinar-se-ia a auxiliar os profissionais, entre outros assuntos,

    na soluo das tendncias emergentes, mudanas nas expectativas das partes interessadas, novas

    preocupaes regulamentares ou legislativas e questes tpicas. A Orientao sobre Questes

    Emergentes seria preparada e emitida com o mnimo de demora (em questo de semanas) e poderia

    levar ao desenvolvimento de uma nova Orientao Suplementar, desenvolvida com maior rigor.

    Atualmente, no existe nos protocolos de diligncia devida da IPPF um processo para identificar, analisar

    e publicar rapidamente orientao sobre questes emergentes. A orientao impositiva existente

    desenvolvida aps um processo de governana consagrado e

    rigoroso. Embora necessrio e prudente, o processo de

    orientao impositiva do IIA no favorece a divulgao

    tempestiva de orientao para enfrentar as questes novas, em

    desenvolvimento ou emergentes.

    A RTF acredita que a orientao pontual sobre as questes

    correntes que afetem a auditoria interna um recurso

    extremamente necessrio para os profissionais da rea. A

    Orientao sobre Questes Emergentes seria emitida

    prontamente, idealmente poucas semanas aps a identificao

    de um tpico potencialmente premente, para abordar as

    questes emergentes e apoiar os profissionais de auditoria

    interna. Embora parte da IPPF, a Orientao sobre Questes

    Emergentes

Recommended

View more >